João Paulo II e Marcial Maciel. A ação de Bento XVI.

Sob circunstâncias normais, o domínio do Papa Bento XVI da literatura alemã pode não parecer uma forma óbvia de preparação para o papado. Neste momento, porém, parece ser assim, porque Bento XVI e seus admiradores enfrentam uma escolha tirada diretamente do Fausto de Goethe: a fim de salvar a reputação de Bento XVI na crise dos abusos sexuais, eles são obrigados a rever a atuação de João Paulo II.

A análise é de John L. Allen Jr., publicada no sítio National Catholic Reporter, 12-05-2010. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Não está claro se a crítica crescente do histórico de João Paulo II será suficiente para retardar sua beatificação, mas pode muito bem dar novas cores ao legado do Papa diante dos olhos da história.

Os capítulos do pontificado de João Paulo II que estão sendo re-examinados hoje, em grande parte porque foram apresentados para provar a resolução de Bento XVI, incluem:

- O Pe. Marcial Maciel Degollado, fundador dos Legionários de Cristo, a quem o Vaticano denunciou recentemente por ter tido uma vida privada “objetivamente imoral”, incluindo várias formas de má conduta e abuso sexuais. Bento XVI ordenou Maciel a viver uma vida de oração e penitência em 2006, mas esse edito deixou sem resposta por que Maciel, que morreu em 2008, foi protegido por tanto tempo sob João Paulo II. (As acusações contra Maciel surgiram pela primeira vez publicamente em meados da década de 90).

- O cardeal Hans Hermann Groër de Viena, na Áustria, foi acusado em meados da década de 90 de ter abusado de noviços monges, enquanto era abade beneditino. Mesmo depois que um grupo de bispos austríacos anunciaram que estavam “moralmente certos” da culpa de Groër, o Vaticano se recusou a analisar o caso. O cardeal Christoph Schönborn de Viena revelou recentemente que o ex-cardeal Joseph Ratzinger, atual Papa Bento XVI, quis agir, mas se queixou naquele momento que “o outro lado ganhou” – uma aparente referência a outras autoridades do Vaticano que impediram a investigação.

- Quando uma carta de setembro de 2001 do cardeal Dario Castrillón Hoyos que elogiava um bispo francês por ter se recusado a denunciar um padre abusador à polícia foi recentemente revelada, um duro comunicado do Vaticano disse que a carta confirma a sabedoria de colocar Ratzinger no cargo. No entanto, se Castrillón era realmente parte do problema, por que João Paulo II o manteve como prefeito da Congregação para o Clero durante o resto de seu pontificado? (Castrillón disse que João Paulo II autorizou a carta de 2001).

- Dado que as crises de abuso sexual estouraram em várias partes do mundo ao longo dos anos 80 e 90, por que João Paulo II demorou até maio de 2001 para emitir um “motu proprio” delineando novos procedimentos para esses casos? (Esse “motu proprio” provou suficientemente que Ratzinger foi forçado a garantir faculdades especiais do Papa no início de 2003 para garantir que o documento iria funcionar).

É difícil justificar a determinação de Ratzinger sem admitir também que havia obstáculos no topo – e isso, por sua vez, só pode jogar uma luz crítica sobre o Papa que permitiu que esses obstáculos inflamassem.

Resta saber se essas questões serão suficientes para desacelerar o impulso para a beatificação de João Paulo II. Um inquérito oficial do Vaticano sobre a vida de João Paulo II foi concluído em 2009, antes da recente crise. No dia 19 de dezembro, Bento XVI assinou um decreto “de virtude heroica”, testemunhando a santidade da vida de João Paulo II, qualificando-o a ser chamado de “venerável”.

O veterano jornalista italiano Andrea Tornielli, que cobre assuntos do Vaticano para o jornal conservador Il Giornale, disse que a “positio” – o termo em latim para o estudo oficial da vida de João Paulo II, que serviu de base para o decreto das virtudes heroicas – trata a crise dos abusos sexuais apenas de uma forma “rápida e apressada”.

Tornielli relatou que o único documento levado em consideração no processo sobre o caso de Maciel é uma carta do dia 17 de novembro de 2007 do cardeal William Levada, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, afirmando que não houve “envolvimento pessoal” de João Paulo II na forma como o Vaticano lidou com a acusações contra Maciel. Essa carta foi escrita em resposta a um pedido das autoridades responsáveis pela causa de João Paulo II, buscando esclarecimentos.

Durante algum tempo, esperou-se que a beatificação de João Paulo II poderia ocorrer ainda em outubro deste ano, marcando o aniversário de sua eleição ao papado no dia 16 outubro de 1978. Neste momento, o processo pode ter se aproximado de um redutor de velocidade por uma razão completamente diferente. A imprensa polonesa relatou, em meados de março, que um milagre atribuído a João Paulo II – a cura de uma freira francesa do mal de Parkinson – pode estar em dúvida, pois, segundo o relatório, o diagnóstico da freira não é definitivo.

O Vaticano rejeitou o relatório como “sem fundamento”.

Outros têm levantado dúvidas não com relação ao resultado final da causa de João Paulo II, mas com relação ao seu ritmo. Em junho de 2008, o cardeal italiano Angelo Sodano, enviou uma carta à comissão que estuda a vida de João Paulo II. Sodano, que serviu durante 15 anos como secretário de Estado de João Paulo II, escreveu que não tem dúvida sobre a santidade de João Paulo II, mas se perguntou acerca da sabedoria em agilizar a causa, enquanto os papas Pio XII e Paulo VI ainda estão na fila.

Uma vez que o milagre seja certificado pela Congregação para as Causas dos Santos, caberá a Bento XVI decidir quando se deverá realizar a beatificação. Mesmo os admiradores mais fervorosos do falecido papa estão agora sugerindo que seria uma boa ideia esclarecer os pontos de interrogação sobre a história de João Paulo II de antemão, especialmente com relação ao caso de Maciel.

“Por uma questão de prudência e para ajudar a garantir que o terceiro parágrafo em todas as notícias do dia seguinte à beatificação não se refiram a Maciel, que não merece essa atenção, eu espero que a beatificação ocorra depois de uma prestação de contas pública de como esse engano ocorreu”, disse George Weigel, autor da biografia de João Paulo II, “Witness to Hope” [Testemunha de Esperança].

Weigel disse que essa prestação de contas só pode ocorrer depois que o Vaticano dê uma solução para os Legionários de Cristo. Uma declaração do Vaticano do dia 1º de maio indicou que Bento XVI planeja, nos próximos dias, nomear um delegado pessoal para os Legionários e uma comissão para estudar as constituições da ordem, para guiá-los em um “caminho de profunda revisão”.

A defesa da história de João Paulo II sobre a crise dos abusos sexuais provavelmente vai apresentar cinco argumentos principais:

- João Paulo II foi um Papa “ad extra”, no sentido de que seu foco estava na evangelização do mundo mais amplo, em vez de uma administração eclesiástica interna. Ele dependia de seus assessores para lidar com essas questões, o que significa que, se alguém deixou a bola da crise cair, a responsabilidade principal jaz sobre figuras como Sodano e o secretário particular de João Paulo II, o atual cardeal Stanislaw Dziwisz de Cracóvia, na Polônia. Tornielli disse que, no Vaticano durante estes dias, alguns estão sugerindo discretamente que Dziwisz precisa “assumir sua própria responsabilidade”.

- Quando a crise eclodiu com força total nos Estados Unidos no início de 2002, João Paulo II já estava em declínio físico e provavelmente incapaz de responder com o vigor que a situação exigia. Esse argumento provavelmente pode acelerar a tendência de transferir a responsabilidade para os assessores do falecido Papa.

- Independentemente das falhas administrativas que o histórico de João Paulo II possa mostrar com relação à crise dos abusos sexuais, elas não impugnam sua santidade pessoal. Quando um Papa é beatificado ou canonizado, o Vaticano comumente afirma que o ato não equivale a endossar todas as escolhas políticas de seu pontificado.

- Um histórico misto com relação à crise dos abusos sexuais não apaga as realizações do reinado de João Paulo II, como seu papel no colapso do comunismo ou seus grandes avanços no diálogo católico-judaico e católico-muçulmano.

- João Paulo II também inspirou uma nova geração de sacerdotes que levam a sério a sua vocação. Weigel apresenta esse argumento da seguinte maneira: “Ele atraiu dezenas de milhares de jovens que trouxeram consigo um conceito heroico da vida e do ministério sacerdotal e que entenderam a crise dos pecados e dos crimes sacerdotais como uma crise de fidelidade”, disse. “Os jovens sacerdotes são a resposta de médio e longo prazo”.

Esses argumentos podem ser suficientes para limpar o caminho para a beatificação.

“Não há nenhuma chance de que Bento XVI atrase a beatificação por causa do escândalo dos abusos”, disse Giancarlo Zizola, outro especialista italiano em Vaticano. “Pelo contrário, espero que ele vá acelerá-lo”.

A questão de longo prazo, entretanto, é se o caso para a defesa de João Paulo II com relação à crise de abusos sexuais vai suportar o veredito da história – e, exatamente agora, o júri parece decididamente suspenso.

Quando Bento XVI foi eleito para o papado, há cinco anos, o resultado foi visto amplamente como um voto pela continuidade com João Paulo II – uma impressão reforçada na manhã após o conclave de abril de 2005, quando Bento XVI disse aos cardeais ainda reunidos na Capela Sistina que ele podia sentir a “forte mão [de João Paulo II] segurando a minha própria mão”.

Do ponto de vista de Bento XVI, portanto, a correlação quase matemática entre exonerar sua própria história e impugnar a de João Paulo II pode trazer à mente uma frase do próprio Fausto: “Até o inferno tem as suas próprias leis”.

Fonte: IHU (destaques e fotos do original)

19 Comentários to “João Paulo II e Marcial Maciel. A ação de Bento XVI.”

  1. SANTO OU NÃO, REZEMOS PARA QUE ELE ESTEJA NO CÉU.

    O mundo atual não compreende a santidade, como também não compreende a Igreja. Percebemos que há uma corrente fora da Igreja que também torce pela celere canonização do Papa João Paulo II. Nós católicos também devemos rezar pela canonização do falecido papa. Seríamos hipócritas desejarmos que ele não esteja na glória.
    Na verdade, tais coisas são apenas mais um dos sintomas de decadência espiritual e de perda do senso do sobrenatural que se difundiu na sociedade contemporânea e atingiu os católicos.
    Na minha opinião (que não quer dizer nada), o processo de canonização do Papa João Paulo II deveria correr normalmente, assim como os demais processos.
    Não só o seu pontificado deve ser investigado, a título de santificação, como também a sua vida desde a Polônia.
    Novas interrogações podem surgir. A mídia cada vez mais satanista pode, inclusive, inferir se outras canonizações foram “justas” ou não.
    Não devemos, contudo, duvidar da autoridade da Igreja, mas a própria Igreja pode “blindar-se” de possíveis refutações.
    Consta que quando do processo de canonização de São Felipe Neri havia uma comissão que discutia sua vida, contestada pelo senso de humor apurado. Daí, em uma das reuniões dessa comissão o próprio São Felipe Neri apareceu e lhes disse: “Santo ou não, só sei que estou no céu”.

  2. Acho melhor esclarecer muitas coisas antes de se pensar em beatificar JPII.

  3. http://www.montfort.org.br/index.php?secao=veritas&subsecao=papa&artigo=heranca_papa&lang=bra
    Isso é para se pensar um pouquinho quando se escuta gritinhos apressados de “santo súbito”…

  4. Salvar a reputação de Bento XVI junto a quem? junto à grande imprensa, que nunca gostou dele e sempre o viu como nazista de batina? Para a mídia, Bento XVI sempre esteve condenado, junto com Pio XII, e nada ele pode fazer para se reabilitar, exceto talvez se suicidar, depois de se declarar culpado pessoalmente de todos os males presentes, passados e futuros da Igreja, dos crimes de guerra da Alemanha e da miséria do terceiro mundo, que para os intelectuais,só existe por causa do veto aos contraceptivos.

  5. A mim parece óbvio que a cúria romana tentou poupar a Groer e a Maciel porque via os mesmos como instrumentos do conservadorismo religioso no combate contra o progressismo católico europeu e a contra a teologia da libertação latino-americana, respectivamente. Não me parece necessário ir mais longe em busca de explicações torpes. aliás, são justamente esses progressistas que mais exploram esses casos, para se arvorarem em paladinos da justiça.

  6. Quem foi omisso tem ser apontado seja quem for. Jogar a culpa nos cardeais para polpar JPII, é escandaloso!

    Os tais jovens atraídos são carismáticos, qual o saldo? Aliás, é bonita essa nova unção da civilização do amor, deleta provas, caça culpados e errado é quem tem coragem de dizer a verdade. Aiai…

  7. Na minha humilde opinião, acho temerário apressar o processo de beatificação de um Papa que promoveu o encontro ecumênico de Assis, beijou o livro que nega o dogma da Encarnação do Verbo (Corão) e recebeu publicamente a “benção” de um adorador de Shivá para assombro do mundo católico.

  8. Só para acrescentar: os progressistas não estão preocupados com as vítimas de Groer ou Maciel, mas sim em querer demonstrar que a moral católica não funciona, e que por isso se deve permitir tudo.

  9. Os que querem a beatificação de JPII vão usar a táctica Lula: Ele não sabia!

  10. Samuel, é possível que o Papa João Paulo II tenha sido “desinformado” sobre o tema!
    Culpa, se assim posso me expressar, acho que tem muitas, mas não essas!!!

  11. Até o Papa ?

    Que crise é essa !

    Deus nos ajude

  12. Essas coisas sempre aconteceram na Igreja e em todos os outros segmentos, como quartéis, religiões etc. É tudo fruto das imperfeições humanas. Agora querer culpas Papas por isso é muita idiotice ou má fé dessa imprensa comunista e nojenta. Se os Bispos não punem a Divina Justiça punirá. Ipsa conteret.

  13. Marcus,porque então ele não ouviu Ratzinger?Não é possível que TODOS os colaboradores do Papa o enganaram.Quero acreditar que se JPII encobertou algo,foi por causa de sua terrível doença.Mas o que eu quero não importa.O que importa é a verdade

  14. Eu acho UM COMPLETO ABSURDO CULPAR A IGREJA INTEIRA por causa de crimes que são cometidos por um pequeno grupo de pessoas e de uma negligência cometida por outro pequeno grupo de irresponsaveis. O numero de pastores evangelicos pedofilos é muito maior. Porque a mídia não divulga?
    PORQUE ELA TEM MEDO DA VERDADEIRA IGREJA DE CRISTO, PORQUE ELA QUER SE COLOCAR NO LUGAR DE DELA E DE DEUS.
    Acordem Catolicos!!!!!!!!! Estamos cercados de parasitas desde o Vaticano II, em vez de canozições deviamos discutir sobre dois grandes erros chamados: ecumenismo e sincretismo.
    Cristo não disse: ide e dialogai ecumenicamente.
    Cristo disse: IDE E ENSINAI

  15. Samuel, meu caro amigo, o Papa poderia muito bem estar sendo manipulado devido a sua debilidade: lembra-se, quando esse “rumor” atingiu a Cúria, JP-II já estava velhinho e, com certeza, já devidamente blindado por conta da desinformação, inclusive também por conta da necessidade de governo que delegava mais e mais poder aos seus acessores/colaboradores.
    Não se trata de omissão, mas de dificuldade de obter fontes críveis, já que muitos que o cercavam queriam “poupar” o Papa…
    Tão bonzinhos eles, não?…

  16. Lembro também, caro Samuel, que, á época, era o Card. Ratzing e uns poucos que realmente eram fiéis ao Papa.
    Ontem, assim como hoje, apenas a FSSPX e uns poucos são os verdadeiros defensores da Igreja e o Papa: enquanto os acessores e colaboradores, dentro da “plena comunhão” são traidores, mas possuem o selo da oficialidade para agir e louvados e não repreendidos por isso, há outros que não possuem o tal “selo de garantia” e são execrados, mas são os verdadeiros católicos a tentar reerguer a Ortodoxia dos escombros da auto-demolição!

  17. Lembro de um comentário de um historiador: enquanto que, até Pio XII, os Papas tinham “executores”, com o advento da modernidade intra-muros, os Papas se valeram de “colaboradores e acessores”…
    Isto é sintomático: uma decadência clara de autoridade, bem como de necessidade de apoio para traçar rumos e estratégias…

  18. (A Marcus) Nao trata-se primeiro de tudo, na minha opiniaô, dum problema de goberno de igreja, mais bem de faculdade de julgamento e de discernimento. Como foi que Joao Pulo II deixou-se enganar por Maciel?

    (com minhas disculpas pelo meu portugués rudimentario)

  19. Maciel enganou muita gente. Ademais, seu grupo, como disse, era visto como um bastião do conservadorismo numa região dominada pela teologia da libertação, que tinha no México (terra de Maciel) alguns de seus mais aguerridos adeptos, como D. Samuel Ruiz, Bispo de Chiapas.