O escandaloso bispo de Évreux e suas andanças ecumênicas. Podemos esperar uma reação de Roma?

O bispo de Évreux presente em "ordenações" de mulheres. Um ato que requer imediata e enérgica reação por parte de Roma.

O bispo de Évreux presente em "ordenações" de mulheres. Um ato que requer imediata e enérgica reação por parte de Roma.

(Santa Iglesia Militante) Através do sítio francês Perepiscopus nos damos com o último número do boletim da diocese de Évreux (“Eglise d’Evreux”), onde se relata as recentes andanças ecumenistas do bispo Christian Nourrichard – o mesmo bispo que perseguiu o padre Francis Michael por celebrar a Missa Tridentina, o que provocou a reação dos fiéis.

Parece que o bispo de Évreux esteve numa cerimônia junto ao “bispo” anglicano de Salisbury. Até aí, nada fora do que estamos, lamentavelmente, acostumados a ver.

O agravante? Que o “bispo” anglicano — que é quem carrega o báculo na foto — realizava uma cerimônia de “ordenação” de mulheres…

Recodermos ao sorridente Nourrichard, embora pouco lhe interesse e mais além de seus escandalosos atos ecumenistas, que a Igreja não reconhece as ordenações dos anglicanos, nem das mulheres.

* * *

O Padre Régis de Cacqueray, superior do Distrito da França da Fraternidade São Pio X, em artigo publicado pelo site oficial do distrito [La Porte Latine], declara: “não podemos deixar de manifestar a nossa profunda indignação ao considerar que reuniões cada vez mais escandalosas e comprometedoras se produzem, de fato, mesmo por aqueles que se dizem em ‘plena comunhão’ com a Sé Apostólica”. Continua o Padre: “Ora, no sábado, 3 de julho, Dom Christian Nourrichard revestiu-se das vestes corais (alva, estola, capa, mitra e cruz peitoral) [1] durante uma cerimónia presidida pelo Doutor Stancliffe, num santuário não católico. Rodeado por dois “bispos” reformados [2], também convidados, ele tomou parte na procissão [3] e num simulacro de falsas ordenações. A gravidade do escândalo encontra-se reforçada na medida em que treze mulheres, revestidas de casulas [4], recebiam-nas naquele dia. Longe de lamentar a participação da sua cabeça em uma tão consternadora paródia, a diocese de Évreux relatou os fatos em sua revista [5] sem mesmo recordar a invalidade das ordens, a impossibilidade às mulheres de aceder ao sacerdócio, nem os perigos da heresia anglicana para as almas”.

Uma mulher revestida de casula. Ao fundo, Dom Nourrichard, bispo de Évreux, ao lado do "bispo" de Salisbury.

1 - Uma mulher revestida de casula. Ao fundo, Dom Nourrichard, bispo de Évreux, ao lado do "bispo" de Salisbury.

Numa catedral anglicana, Dom Nourrichard acompanha a cerimônia ao lado de dois "bispos" protestantes (um luterano e um anglicano do Sudão).

2 - Numa catedral anglicana, Dom Nourrichard acompanha a cerimônia ao lado de dois "bispos" protestantes (um luterano e um anglicano do Sudão).

Na procissão, Dom Nourrichard precede as mulheres revestidas de estola.

3 - Na procissão, Dom Nourrichard precede as mulheres revestidas de estola.

Um grupo de homens e mulheres recebendo as ordenações inválidas.

4 - Um grupo de homens e mulheres recebendo as ordenações inválidas.

35 Comentários to “O escandaloso bispo de Évreux e suas andanças ecumênicas. Podemos esperar uma reação de Roma?”

  1. Dessa fica difícil rir…

  2. Creio que essas feministas, ligadas “tradição viva” de modo mais “evoluído”,chamam isso de “nova teologia sacerdotal”…

    Para mim, senhor A. Neto, fica difícil de rir ou de chorar com esse fato ocorrido com tudo isso.

  3. Dom Antonio foi excomungado por ter sido co-sagrante de uma ordenação válida, embora sem autorização Papal. E esse Bispo? Alguma sanção da Santa Sé? Vamos aguardar o desfecho dessa tragédia.

  4. oa observação, senhor Paulo Morse.

    Se não tiver enganado,logo no dia seguinte, houve a sanção contra Dom Lefebre e Dom Mayer com as sagrações dos 4 bispos. Isso foi em 1988.

  5. Não é da diocese de Evreux o caso daquele Padre que foi destituído por celebrar a Missa Tridentina?

    Alguém acredita que Roma vai fazer alguma coisa?

  6. Bispo que participa de pantomimas heréticas como esta recebe cumprimentos do Vaticano (ele está up-to-date com o espírito do concílio), afagos da mídia secular e pedidos de autógrafo por parte das “caóticas pelo direito de decidir”.
    Reparem nas “fuças” das padrecas: um bando da sapatas…

  7. Isto passa todos os limites! Rezemos e façamos rezar, para que o Santo Padre tenha coragem de fazer o que tem de ser feito. Divino Espirito Santo, iluminai o Santo Padre, fortalecei-o, amparai-o e defendei-o de todos os seus inimigos. Virgem das Dores intercedei por ele.

  8. A ordenação de mulheres dentro da Igreja está próxima.

  9. EU QERIA ESTAR ENGANADO MAS SINCERAMENTE EU DUVIDO QUE AO MENOS ESSE Dom Nourrichard, bispo de Évreux, SERÁ ADVERTIDO OU CHAMADO A ATENÇÃO. E SE FOR, ENTRARÁ POR UM OUVIDO E SAIRÁ PELO OUTRO.

    DEUS SÓ PODE ESTAR NOS CASTIGANDO ATRAVÉS DESSES MAUS BISPOS SÓ PODE SER ISSO, TUDO ISSO ME DEIXA PROFUNDAMENTE TRISTE NÃO TENHO NEM PALAVRAS PRA DESCREVER …

    DOM LEFEBVRE E OS BISPOS QUE ELE ORDENOU FORAM EXCOMUNGADOS… E QUANTO A ESSE BISPO QUE PARTICIPOU DE UM ORDENAÇÃO DE MULHERES EM “PLENA DESOBEDIÊNCIA” A ROMA, NÃO SER TOMADA NENHUMA ATITUDE É DE FAZER QUALQUER UM MORRER DO CORAÇÃO .

    EU TO INDIGNADO COM ISSO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  10. O senhor diria válida, embora ilícita, senhor Paulo Morse ?

    Sem autorização papal equivale a ilícita em seu pensamento ?

    Só uma curiosidade.

  11. Muito bem dito pelo Morse. Ainda bem que uma sentença injusta não tem como ser recebida.

    Viva Dom Antônio e Mons. Lefebvre!

    Quanto ao sr. bispo de Evreux, bem, possivelmente será chamado à atenção. Punições, suspensões, excomunhões. O que é isto? Está em desuso, agora é a misericórdia. Ah, não, só pode ser usada para os que defendem a Tradição.

    Este caso não me surpreende. Há alguns anos atrás um padre de Campos foi a Santa Maria, no Rio Grande do Sul e foi taxado de excomungado pelo bispo local, Dom Ivo Lorsheider. Na mesma semana houve uma ordenação (!?) anglicana na catedral católica da cidade. Houve alguma suspensão? Que eu saiba, não.

  12. Anathema Sit!!!

  13. Só faltou ele impor as mãos…
    Uma vergonha

  14. Sr Leonardo.Não lhe conheço.Isso que o senhor me pergunta é farisaismo. Vou fazer como Jesus. Não lhe respondo.

  15. Peço que participem assinando.

    Contra o lançamento de livro pró-aborto na PUC – Assine a súplica ao cardeal Scherer

    http://www.fundadores.org.br/AbortoNao/principal.asp?IdTexto=1263&pag=1&categ=1

    abraço e fiquem com Deus.

  16. O que importa é “dialogar”. O que está certo, o que está errado, não é importante. Certo e errado, verdade e falsidade são simplesmente conceitos abstratos e sem validade prática. O que importa é “estarmos juntos”, “unidos”. “Que TODOS sejam um”, todos mesmo, até a serpente maldita. Daqui a pouco eles vão dizer que o Satanás aposentou seus chifres e virou “um diabinho paz e amor” e que merece obviamente o perdão e o abraço de todos. Todos podem tudo e quem quer viver a Sagrada Tradição é sistematicamente ignorado e punido. Quem acha que o Papa manda (verdadeiramente) na Igreja, levante a mão. Quem acha que são os Maçons satanistas (dressed in red) que, como ratos, infestam a Cúria romana, dobrem seus joelhos e comecem desde já – sem pausa – a implorar a Deus pelo triunfo do Imaculado Coração da Santíssima Virgem Maria.

  17. Dá-lhe Plena Comunhão!

    Não sei porque a Santa Sé o advertiria, afinal de contas foi ela mesma quem lhe conferiu a sagração e a jurisdição episcopal… Aliás, não foi a mesma Santa Sé que desautorizou o padre que rezava missa tridentina nessa diocese? Está tudo absolutamente coerente…
    A Santa Sé atualmente parece sofrer de esquizofrenia… É muita variação para uma Igreja só…

  18. Está cada vez mais difícil sustentar a tese de que os Bispos não podem ser atacados por respeito a dignidade episcopal que representam. Outra coisa: celebrar missa tridentina não pode, mas ecumenismo com ordenação de mulheres pode…?

  19. Bruno L. Santana, deixei um comentário para você no endereço http://fratresinunum.com/2010/09/06/o-catecismo-do-padre-lombardi/ para me explicar um comentário de um leitor do MSM.

    Gostaria que você, ou qualquer outro que entende do assunto, me explicasse o comentário de um tal Oliveira Jr.

  20. Anos atras aconteceu algo semelhante na diocese de Santa Maria-RS, o então bispo, Dom Ivo Lorscheider, abriu as portas da catedral para que uma “sagração episcopal” anglicana se realiza-se lá, ele estava presente na cerimônia. Me disseram que saiu uma procissao da catedral anglicana – que fica de frente da Catedral Catolica – atravesando a rua e adentrou a Igreja.

  21. Prezado Anderson

    Num antigo jornal editado pelos Padres de Campos foi publicada uma foto. Vou procurar e escanear.

  22. Sr. Paulo Morse,

    que farisaísmo..?

    Só quero saber o que o senhor pensa, de forma clara.

    Não seria farisaísmo julgar o próximo sem conhecê-lo ?

    Portanto, antes de julgar/comentar seu comentário original, preciso saber se o senhor acha que a sagração foi ilícita.

    Pessoalmente, pensei que o senhor poderia estar usando de um subterfúgio para ocultar seu juízo sobre Dom Antônio de Castro Mayer.

    O senhor considera que foi ilícita ? Considera Dom Antônio cismático ?

    O que o senhor teme ?

  23. Prezado Crisóstomo,
    Achei muito interessante o que o sr. escreveu e gostaria de lhe informar que aqui em minha paróquia aconteceu de um Monsenhor em uma homilia, nos contar que numa conversa com o bispo local ele afirmou-lhe que só acreditaria na misericórdia de Jesus quando Jesus perdoa-se satanás e o livrá-se do inferno, e ele dizia isso com muita convicção!!! E o pior de tudo isso foi que, segundo o Monsenhor, o Bispo não lhe disse nada apenas ficou escutando …
    Essa é a realidade de muitos bispos e monsenhores daqui do brasil formados nos seminários pós vaticano II: total ignorância de teologia.

  24. Sr Leonardo. Se vc tiver questões para discutir comigo faça através do meu email paulomorse@hotmail.com. Não uso de subterfúgios. Sou homem!

  25. O cardeal Bernadin Gantin, da Congregação dos Bispos, na época, declarou publicamente a excomunhão de Dom Lefebvre e Dom Mayer, no dia seguinte, 1 de julho de 1988.

    Em 2 de julho do mesmo ano, o Santo Papa João Paulo II também confirmou essa “excomunhão” de Lefebvre e de Mayer por “cisma” por terem sagrados bispos, apesar das advertências da Santa Sé para não fazer essas sagrações.

    Veio, no mesmo dia, aquele documento que chama-se “Ecclesia Dei”. Esse documento dependia do bispo local para ter eveito realmente prático. Caso alguns fiéis ligados pela Missa tradicional assim a desejassem em suas respectivas dioceses.

    Isso acima demonstra, infelizmente, como Roma age com a Tradição: ela é injusta, negligente, omissa e principalmente lenta (a “excomunhão” só foi revogada no dia 24 de janeiro de 2009, pelo Papa Bento XVI) para fazer justiça.

    Dom Mayer tinha consciência da necessidade de estar presente daquela sagração de 4 bispos em Êcone. Porque a Tradição, em 1988, tinha que continuar respirando.

    O fruto principal foi este de 1988: o novo Motu Proprio lançado pelo atual papa reinante.

  26. Sr. Paulo,

    fica parecendo que o senhor tem é medo de dizer em público se considera a sagração lícita ou ilícita e se considera Dom Antônio cismático ou não.

    Não convém o uso do e-mail privado, porque o senhor levantou a questão da sagração e da punição de Dom Antônio em público.

    Se o senhor se considera tão corajoso, não tema, revele o que pensa sobre esse Bispo !

    Para reflexão: falar sobre isso em privado não seria um subterfúgio ?

  27. Senhores, enquanto perdemos tempo discutindo opiniões sobre licitudes e ilicitudes, a hierarquia católica continua com sua marcha iconoclasta, destruindo tudo o que antes do malfadado Vaticano II, era sagrado e intocável.
    Voltando ao tema do post, não tenho o menor pejo em atacar qualquer bispo que afronte o Sagrado Depósito da Fé (a exceção daqueles que notadamente se colocam na contramão desse tsunami pós-conciliar), posto que eles são, por excelência, quem deveria defendê-lo. Sinceramente, muitos “príncipes” da Igreja cairam em heresia e consigo arrastam multidões.
    Rezemos sempre para não sermos fracos.
    Dom Lefebvre e Dom Mayer foram faróis na escuridão que nos cerca.

  28. Leonardo
    Eu fui aluno de Dom Antonio de Castro Mayer. Dom Antonio não morreu excomungado, assim como não acredito na excomunhão de Dom Lefebvre. O ato que praticaram foi o estado de necessidade. Digo mais se isso não tivesse acontecido não existiria a Adm Ap S J M V de Campos a qual sou filiado.
    Dom Licinio quando foi chamado a reconciliação disse que havia acabado o estado de necessidade.
    Na ordenação de Dom Fernando foi dito que o que valia para a Adm Ap valia para Dom Antonio de alto e bom som na presença de Dom Dario e outros prelados presentes.Eles, Dom Antonio e Dom Lefebvre já estão sob o julgo do Senhor. Acreditamos que fizeram isso parao bem da Igreja. Espero em breve a reconciliação da Fraternidade S.Pio X para o nosso bem.
    Se é isso que quer ouvir não fique me importunando mais.

  29. Ferreti, obrigado pela informação. Para completar, o Padre em questão, se chamava Michel e acabou perdendo a paróquia né?

  30. Perfeito, Rodrigo Ruiz! Enquanto ficamos falando bobagens os inimigos da Igreja se unem para destruí-la. Exemplo do Olinda-Recife e esse francês,dentre outros.

  31. Quem conhece o ótimo Contra Impugnantes, escrito por dois professores tomistas, leu com certeza sua última postagem:

    http://contraimpugnantes.blogspot.com/2010/09/uma-fala-do-papa-bento-xvi.html

    O novo “Motu Proprio” é muito bom; é pequeno, porém, pequeno mesmo, começo para ainda sairmos desse estado de necessidade.

    Só com um tempo, como ocorreu com Dom Lefebvre e Dom Mayer, será feita justiça plena a Tradição.

    Infelizmente, os fatos demonstram isso.

  32. Caro André, Salve Maria! Desculpe o lapso, não tinha percebido que se tratava de dois comentários idênticos, já que ambos foram liberados em momentos diferentes… ainda assim prefere retiremos os comentários?

  33. Não. Desculpe por fazer um mau juízo.