Laguerie e Assis.

Algumas recentes palavras do superior geral do Instituto do Bom Pastor sobre o próximo encontro de Assis [podem ser encontradas aqui, aqui e aqui].

É possível, realmente, encontrar mil oportunidades e deve-se ter mil precauções: os riscos de sincretismo, relativismo e escândalo são inegáveis porque são consubstanciais a esse tipo de encontro. Aquele que ocupa o lugar de Jesus Cristo na Terra coloca a si mesmo, e a Igreja que governa, no nível das seitas diabólicas ou das religiões que recusam o Representado ou ainda o próprio representante. A característica da religião de Cristo, desde os apóstolos, é a sua auto-reivindicação como detentora da verdade que os outros não têm. Os outros podem ter “verdades” (alguma semente do Verbo, exatamente), mas não A Verdade, porque a única verdade católica é o próprio Cristo. É toda a doutrina de São João (entre outros apóstolos) relacionada precisamente ao (belo) Bom Pastor. Antes mesmo de se definir Ele mesmo como o Bom Pastor que concede a verdadeira pastagem, Jesus afirma primeiramente ser a porta. “Eu sou a porta das ovelhas…”. Ninguém vai ao Pai senão por Ele e os que entram por outra passagem, pulam os muros ou furam os tetos, são bandidos e ladrões. Claro o suficiente? Não significa dizer absolutamente que esta graça de Jesus não é dada senão em sua Igreja, mas o é sempre por Ele e mesmo por Ela. Convidar os responsáveis das religiões enquanto tais, enquanto seus presidentes, e mesmo na hipótese de que eles fariam o bem, é dar a eles um reconhecimento ao qual não têm direito e recusá-lo a quem o detém. É receber concubinas na residência da esposa. O que dizer de um serviçal que impusesse isso ao cônjuge fiel e pensasse efetivamente ter o seu aval?

“Quem não é contra vós está convosco”, diz o Senhor, quando envia seus apóstolos em missão. Muito bem. É a união em uma causa. Todos encontramos em nossa vida aqueles bravos que nos são muito mais úteis que os convidados da primeira hora. No nível individual, todos os golpes que beneficiam a causa do Nome são permitidos. São Paulo se lamenta, aos Romanos, dessas pessoas que anunciam Cristo com intenções más (precisamente a de desacreditar a função oficial do Apóstolo) e conclui, magnânimo:  “Que importa, já que Cristo é anunciado”! Seria possível até mesmo utilizar, materialmente, alguma doutrina verdadeira de uma falsa religião. Mas isso não tem nada a ver com o nosso propósito. Trata-se dos grupos constituídos, representados por seus responsáveis, logo, de sua reunião enquanto corpos constituídos em doutrinas cismáticas, heréticas, atéias ou blasfemas. Isso é inadmissível no olhar da Fé […]. Cristo é muito claro: “Quem não é comigo é contra mim, quem não se ajunta comigo dissipa”. É a unidade do corpo católico. São Paulo passou a metade da sua vida nas sinagogas, mas sempre para anunciar Cristo. Basicamente, Assis 1, 2, 3 ou X, é tornar Cristo facultativo, fazer da Igreja a “casa da mãe Joana” e desonrar, por sua Cabeça, o menor de seus membros, o mais humilde dos batizados.

[…]

O grande problema de Assis não é fazer todos aqueles de boa vontade rezar, nos quatro cantos do mundo, pela paz. Se poderia, se deveria organizar um super Assis! O problema é convocar as religiões enquanto tais. É possível encontrar por toda a parte os pequenos e humildes cuja oração é preciosa aos olhos do Senhor, certamente. Mas assim o é precisamente por não ter sido desvirtuada por uma religião dos homens ou do diabo. Há 2000 anos sabemos, nós cristãos, que é “por Ele, com Ele e nEle que são dadas ao Pai toda honra e toda glória”. Deixar transparecer o contrário aos pequenos ou aos hipócritas é uma traição.

[…]

Respondo, portanto, claramente à vossa pergunta: pode haver uma boa oração de um judeu ou um muçulmano (supondo a sua boa fé…). Não há uma boa oração judaica ou muçulmana…

Tags:

5 Comentários to “Laguerie e Assis.”

  1. Caros amigos, até que ponto pode-se afirmar que Assis 1,2,3 é um escândalo ou um sincretismo? É de fato um escândalo e um sincretismo ou é um fato interpretado como escandaloso e sincretista? A meu ver devemos observar se nessas interpretações não existe mais atribuições de escandalos e sincretismos do que isso própriamente dito. Prestemos atenção no que o Papa dirá naquele dia. Se ele disser que Cristo é a luz do mundo, como disse João Paulo II, como pode haver escandalo e sincretismo nessas palavras?
    Maior escandalo dá aquele que pretende julgar o Papa. Quanto aos escandalos Nosso Senhor disse: “Ai do mundo por causa dos escandalos” – e para quem dá escandalos Ele diz “… melhor lhe fora não ter nascido”!
    Pois bem, veja-se o seguinte: melhor fora não ser batizado quem não é santo! Que Deus tenha misericórdia de nós, pois quem pode escapar desse juízo?!

  2. Esse encontro de Assis é um verdadeiro “Cavalo de Tróia”. Deveria ser um encontro de CATÓLICOS.
    Está dito: “Quem não junta comigo dissipa”. O que vemos atualmente é a criação , diariamente, de centenas de seitas. É a dissipação. E estarão em Assis tentando detonar a verdadeira Igreja de Cristo com nosso consentimento. E dentro dela , com esse ecumenismo de uma via só.

  3. Por maior boa vontade que se possa ter, não há como apoiar esse encontro.

    A Igreja não precisa disso nem há razão para reunião com essas falsas religiões.

    Bola fora !!

  4. Gerson
    Esses encontros DEVEM ser tratados como escândalo sim, desde o tempo que a Igreja sempre ensinou a evitar a companhia de hereges, para não lhes dar uma falsa legitimidade em seus atos. Agora, se a Igreja pós-Conciliar subverteu o que se ensinava pré-CVII, não é pecado defender o que a Igreja sempre defendeu.

  5. Este encontro em Assis é uma verdadeira traição á unica e verdadeira religião deixada por Cristo a nós por Pedro.O nosso querido Santo Padre o Papa Bento está cometendo o mesmo erro que João Paulo que cometeu.João Paulo é de conheçimento comum os seus motivos tortuosos mas Bento XVI não deveria dar-lhe este apoio e novamente apunhalar a Cristo e Sua Igreja.Peço á Deus que ilumine sua mente e que ele não cometa este grande erro novamente.Maria Auxilio dos Cristãos rogai por nós.