“A questão ainda é o ‘por que?’ figuras deste porte continuam a ter palco garantido em nossas Assembléias”.

Dom Antonio Rossi Keller, bispo diocesano de Frederico Westphalen, RS.

Dom Antonio Rossi Keller, bispo diocesano de Frederico Westphalen, RS.

Só para informar àqueles que perguntam onde estavam determinados Bispos, entre eles, eu mesmo, estávamos na Assembléia, sentados e escutando os disparates. Imediatamente depois que o palestrante terminou de falar, muitos de nós (os que conseguiram, por causa da exigüidade do tempo previsto…) nos manifestamos. As respostas do palestrante foram todas elas bastante escorregadias, tentando explicar-se, etc… A questão, a meu ver, não é contradize-lo, o que é bastante simples. A questão ainda é o “por que?” figuras deste porte continuam a ter palco garantido em nossas Assembléias. Portanto, não houve silêncio, ou omissão ou coisa que o valha por parte de um razoável número de Bispos.

Palavras de Dom Antonio Rossi Keller, bispo diocesano de Frederico Westphalen, RS, sobre a análise-desconjuntura de Fr. Susin na Assembléia Geral da CNBB de 2012.

43 Comentários to ““A questão ainda é o ‘por que?’ figuras deste porte continuam a ter palco garantido em nossas Assembléias”.”

  1. Excelência, sei que seu tempo é curto, mas o senhor poderia nos dizer quais bispos chegaram a intervir e quais foram as objeções levantadas por eles? E qual a reação dos bispos em geral com a palestra do Frei? A maioria foi favorável? O questionamento destes determinados bispos não os “escandalizou”?

    Obrigado por se manifestar! Rezarei pelo senhor.

  2. Parabéns a Dom Antonio Rossi Keller e demais bispos. Realmente, essa é a questão: por que esse tipo de “teólogo católico” ainda aparece em eventos desse tipo? Porque alguém convidou, imagino. Quem convidou? Por que quem convidou ainda pode convidar palestrantes?

  3. Louvado seja Deus pela vida do do sr. D. Antônio, e de todos esses bispos que assim se manifestaram!
    Conte com as nossas orações.

  4. Muito boas as palavras de V. Excia. Também sou da opinião que é um contrassenso permitir que este frei tenha voz ativa diante dos bispos.

  5. Eis a pergunta que não quer calar: “A questão ainda é o “por que?” figuras deste porte continuam a ter palco garantido em nossas Assembléias”. Quem souber responder, por favor… dê-nos a resposta!

  6. “Don Chautard em sua obra magister recordava que se em uma paróquia o padre fosse santo os fiéis seriam cristãos fervorosos, ou seja, sempre um grau a menos na vida espiritual. Se o pároco fosse fervoroso os fiéis seriam piedosos, se o sacerdote fosse piedoso os fiéis seriam católicos tíbios, se o pároco fosse tíbio a paróquia seria pecadora”.

    E o que disse Nosso Senhor a Santa Faustina Kowalska da tibieza de alma: “No final da Via Sacra que eu estava rezando, Nosso Senhor começou a queixar-se das almas religiosas e sacerdotais, da falta de amor nas almas eleitas: – Permitirei que sejam destruídos conventos e igrejas. Respondi: “Jesus, mas tantas almas Vos glorificam nos conventos.” O senhor respondeu: – Essa glória fere o Meu Coração, porque o amor foi expulso dos conventos . Almas sem amor e dedicação, almas cheias de egoísmo e amor próprio, almas orgulhosas e presunçosas, almas cheias de perversidade e hipocrisia, almas tíbias, que tem calor apenas para elas se manterem vivas. O Meu Coração não pode suportar isso. Todas as graças, que diariamente derramo sobre elas, escorrem por elas como uma rocha. Não posso suportá-las, por que não são boas nem más. Institui os conventos para santificar por eles o mundo, e deles deve brotar uma forte chama de amor e sacrifício. E se não se converterem e não se inflamarem do amor primitivo, Eu os entregarei ao extermínio deste mundo.” (http://devotosdamisericordiadivina.blogspot.com.br/2012/06/destruicao-de-varsovia-na-segunda.html)

    Foi por causa da Tibieza de alma que Varsóvia ficou 90% em ruinas e perdeu 90% de sua população. No proximo Domingo será feito em Varsovia a Marcha contra o casamento homossexual e o aborto. Cabe aos nossos religiosos não serem Tibios e seguirem o exemplo dos católicos poloneses.

  7. D. Antonio Carlos Rossi Keller, o Leão de Frederico!

  8. O porquê não é tão difícil de imaginar. Creio que devemos agora passar para “Quem” convidou essa figura para falar na assembléia. Ninguém vai falar em assembléia sem mais nem menos, mas sim porque é convidado por alguém que o admira.

  9. Dom Antônio Carlos Rossi Keller, tive a honra de trabalhar no Apostolado Veritatis Splendor sob vossa cuidadosa direção espiritual.
    É muito confortante saber que vozes de importantes e mui distintos Pastores se levantaram contra os impropérios ali ditos.
    Que bom saber que não estou (estamos) sozinhos na guerra.
    Que Nossa Senhora interceda por Vossa Eminência e todos os bons e digníssimos membros do Episcopado que amam o Magistério da Igreja e não figem obedecer lhe.

  10. É por essa e várias outras ocasiões que tanto admiro Sua Excelência Dom Antônio Carlos Rossi Keller. Este é um verdadeiro pastor que ama suas ovelhas e está unido a Pedro. Deus ilumine este prelado.

  11. Mas Dom Keller, dou uma sugestão: chegue diante do presidente/secretário geral da Conferência e faça-lhe esta exata pergunta. Aí veremos claramente de que lado eles estão…

  12. Eu sei que no Brasil o número de bons bispos é possível contar nos dedos. O que acaba prevalecendo é a extravagância dos maus bispos, aonde não há sentido nenhum do sobrenatural em suas falas e em suas homilias, onde suas formas de vestir em nada se diferenciam das de um leigo, nas liturgias empobrecidas e dessacralizadas… isso no melhor dos casos, para não falarmos do ódio ao passado da Igreja, das heresias professadas e do desrespeito as normas litúrgicas.

    A questão não são os maus bispos. Esses existem, existiram e sempre existirão.

    O problema está nos bons bispos.

    No passado, e por aí entende-se algo anterior aos papas conciliares, quando a Hierarquia se preocupava em velar e preservar os costumes, a disciplina, a ortodoxia e a espiritualidade, muitos santos e santas acabaram de alguma forma sendo perseguidos pela hierarquia da época. E longe de verem tais perseguições como algo injusto, eles acabavam tirando das consequências dessas perseguiçoes uma oportunidade valiosissima para se santificarem, sem no entanto jamais reclamarem ou acusarem essa hierarquia de abuso de poder ou de estar agindo em desacordo com suas funções e deveres. Alias, todo católico verdadeiro pensa assim. E muitos erros foram impedidos de se propagarem graças a essa forma de atuação, embora algumas injustiças tenham sido cometidos.

    Desde João XXIII ocorre o oposto. Com a justificativa de que nos nossos tempos a Igreja prefere abandonar o antigo ‘rigor’ e utilizar o remédio da misericórdia, o que acabou se estabelecendo foi a ditadura da covardia, aonde a Igreja já não mais condena os erros e permite que esse se espalhe pela Igreja.

    E por que eu disse que o problema não são os maus bispos e sim os bons?

    Porque esses também estão de alguma forma infectadas por essa mentalidade perversa, que sob o pretexto de ser misericordioso, acaba por ser pusilânime. Não me leve a mal dom Antônio. Ao menos o sr. se pronunciou. Mas esse palestrante merecia uma repreensão muito mais severa e com muito mais rigor e publicamente, por parte de algum bispo que tenha a sensatez de admitir que é diabolica aquela palestra que ele proferiu. Pouco importa a sensibilidade dos outros bispos que concordam com o conteudo da palestra, que imagino serem a maioria. Nenhum católico de verdade deixaria de apoiar o bispo que se posicionasse contra esse inimigo da Santa Igreja.

    Para concluir, são exatamente os inimigos da santa madre Igreja que reinvidicam que Ela abandone o antigo rigor de seus procedimentos… seus anátemas, suas censuras, suas clarezas nos pronunciamentos ao vincular as consciências do católico… Isso para que o erro melhor se espalhe no corpo místico de Cristo e mais almas sejam roubadas para Satanás.

    Nenhum católico de verdade rechaça os antigos procedimentos da Santa Igreja. Ele os vê como procedimento normal para impedir que coisas como essa palestra seja difundidas e propagadas na casa do Senhor, cujo monte fora estabelecido no topo dos outros montes, para que, pela visibilidade de suas quatro notas, todas as nações a pudessem reconhcer e assim correrem até ela para serem guiadas aos caminhos de Deus por verdadeiros pastores. E não por lobos que espalham veneno mortífero, como foi essa palestra.

  13. Parabéns a D. Antonio e demais bispos que não se calaram.

  14. Excelência se o senhor que é Bispo não sabe o “por quê”, nós pobre leigos é que vamos saber?
    Gostaria de ver uma carta pública sua questionando as práticas nada ortodoxas da CNBB.
    Fale Excelência: denuncie o gayzismo do clero e dos seminários, denuncie a falta de ortodoxia de seus irmãos bispos, dê nome aos bois, denuncie as heresias da Campanha da Fraternidade, denuncie os erros da RCC, diga expressamente que católico não vota no PT e em nenhum político que é contra a moral da Igreja, diga que a maioria dos Ministros do Supremo está excomungada, etc…Tenha coragem!!!! Estamos do seu lado, aponte quem são os Lobos e proteja suas ovelhas. Rezo por vossa excelência. E com todo respeito D. Keller não merece o título de leão, espero que o faça por merecer.

  15. Qual é a dúvida? Para mim, é claro.Em posições chaves na hierarquia católica,seja no Brasil, seja no Vaticano, seja na França, seja na Áustria, seja em vários lugares( não em todos) estão pessoas comprometidas com um “antiapostolado”, militando,com astúcia,para “desconstruir”conceitos,práticas,procedimentos,liturgias, e para implantar definidos “dogmas”.
    Tais “dogmas”em implantação implicam na divinização do “santo Coletivo”, no incremento da sensualidade, no aplauso ao orgulho( chamado de autoafirmação,”rompimento de falsos limites”, “abertura”, e outros eufemismos),assim como na implantação de crescente confusão doutrinária,litúrgica,etc.
    Juntamente com modos de desacreditar pessoas,instituições, tradições,caminhos espirituais que impliquem no reconhecimento de que há um Deus,que Ele estruturou tudo quanto existe segundo linhas de ser e de agir que Ele entendeu ser o que deveria ser.”Teologias”, “novos caminhos de evangelização”etc pululam por aí,não por acidente, para por um conjunto de planos eficazes,bem feitos,bem implementados.
    Naturalmente, o “bom mocismo” de alguns bem intencionados,que são “prudentes”, “bem educados”e não assumem,na hora certa, posições bem definidas( seja o teu sim, sim, seja o teu não,não.
    Ninguém pode servir a dois senhores), contribui, com o tal “silêncio dos bons”, para o progresso dos maus.
    Como Deus é bastante poderoso e ciente( de fato,omnisciente!), acredito que Ele suscitará pessoas realmente criativas,com decisão suficiente para,nos momentos exatos,agirem de maneira certa.
    Mas, se existe liberdade humana, isto também depende de mim, de você, de todos que não estão completamente alienados ou vendidos.

  16. D. Antônio, Deus o conserve por muitos e muitos anos.
    V. Exa. é um dos poucos que seriam capazes de contradizê-lo, mas, como o Sr. mesmo afirma o tempo é exíguo. Os mentores dessas análises de desarranjo crônicas que só merecem as lixeiras dos nossos sanitários são convidados, ou indicados a quem deve convida-los, por aqueles que são os idolatradores míopes e cegos do Vat II, inconformados com a linha do Papa, na surdina e nos bastidores das Assembléias, que não se conformam com a derrocada de toda canalhice que fizeram durante anos.A intenção desses senhores, alguns ainda na ativa, não podemos julgar, a Deus pertence, mas, os frutos que produziram, nem pra adubo servem, é só olhar seus locais de ação e o estrago produzido…
    V. Exas., “conservadores”, “tridentinos”, como essa corja os chamam são uma pedra de tropeço na CNBB.
    Eles não darão trégua… Pode ter certeza…
    Os senhores passarão na História como os primeiros que começaram a barrar o tsunâmi de nojeira e podridão desencadeado pela total manipulação, perversa e subversiva da aplicação do Concílio Vaticano II. No mesmo já foram colocadas frases dúbias, de propósito, segundo um de seus peritos, convocado pelos Bispos holandeses, o pe. Schillebeecky, já condenado pelo Santo Ofício, que disse que no futuro…seriam tiradas as conclusões desses textos e frases dúbias, o que realmente aconteceu e acontece…
    Quem somos nós para ensinar o pai nosso ao vigário?
    Mas já imaginou, se, por exemplo, D. Rifan, D. Guimarães, Cardeal Scherer, o auxiliar da Arquidiocese Militar, D. Alano, mesmo resignatário, D. Rafael, D. Gil e pelo menos mais uns vinte assinariam, escrevessem uma nota de protesto contra o vômito desse frei?…
    Uma coisa é certa, a Presidência morreria de medo de passar uma visão de divisão no Episcopado para o público, e os ratos que agem nos bastidores das Assembléias também, pois o que não lhes falta é o cinismo de achar que os “conservadores”, “tridentinos” são uma minoria insignificante e alienada, que não cheiram em fedem, que logo logo cairão na realidade de uma igreja encarnada e com rosto latino americano, quanto menos romanizada melhor, no linguajar bem podre dessa trupe infame…
    Conte com nossas orações, com nosso carinho, com nossa admiração pela vossa lucidez e galhardia nessa hora de nuvens pesadas e carregadas no horizonte de nossa Igreja do Brasil.
    Que Nossa Senhora Aparecida e os beatos Manuel e Adílio o ajudem cada vez mais a ser um Pastor zeloso e amoroso que honra nossa Igreja do Brasil.
    Sua bênção.

  17. Caro Vinícius,
    tu tens alguma dúvida?

  18. Caríssimo Marcelo (e demais listantes):
    em que pese minha admiração por Sua Exca Rvma uma adendo é necessário: Dom Antonio não é, nem nunca foi, tridentino. Missa, para ele, só a ordinária.

  19. É muito fácil responder a pergunta : essas figuras ainda tem espaço nas Assembleias da CNBB por que os Bispos concordam com isso em sua maior parte.Dom Antonio é excessão.Aliás qual deveria ser a maneira de ser portar ante isso ? Certamente que não ficando sentado esperando terminar a “edificante” palestra : o mínimo que se poderia fazer é levantar-se e ir embora para mostrar insatisfação.

    Muitos se manifestaram mas de que modo ? Perguntando o que ao palestrante ? Perguntando como aquelas palavras se coadunam com a doutrina da fé ? Nesse caso não cabem perguntas mas um combate as suas pérfidas palavras …e se não houve nenhum esclarecimento oficial da CNBB manifestando insatisfação dos Bispos , não adianta pois o que fica para o público é a fala do Frei e não a dos Bispos.Os bons Bispos tem que romper a espiral do silêncio a que se sujeitam vergonhosamente em nome de uma “comunhão” de araque.

  20. D.Antonio Keller, eu também quero parabenizá-lo por questionar este mau pastor que destila o veneno da heresia numa conferência de bispos. Espero poder eu mesmo ajudá-lo no que for preciso.
    Nesta luta, Vossa Excelência escolheu o lado certo: o lado de Roma!
    Por favor, não decepcione seus fiéis.

  21. Missa, para ele, só a ordinária.

    Aí está a resposta para a pergunta do título.

    Se falta coragem para rejeitar a “liturgia” de comitê e acolher o que nos foi deixado por nossos pais, faltará coragem para vaiar e expulsar a pontapés esses caroços, sem falar declarar o estado de excomunhão em que se encontram.

    Não se brinca com a forma de prestar culto a Deus. Ele é tolerante com tudo, menos com isso. Ser descuidado com isso é como pedir para que tudo dê errado.

    Já basta de “liturgia” de comitê na igreja ocidental! Quanto tempo ainda para que ela se extingua e reste apenas aquilo que nunca deveria ter sido abandonado?

  22. Prezado Rafael, Missa para mim será sempre da forma que a Igreja, através de seu Magistério, indicar. Não celebro na forma extraordinária porque, nas atuais circunstâncias de minha Diocese, isto faria mais mal do que bem. Explico-me: minha luta, desde que aqui cheguei, com meus padres, é que eles celebrem bem, decentemente, na forma ordinária.Procuro, humildemente, ser um exemplo nisto, para criar uma mentalidade nova em relação à Missa. Só quem conhece o RS sabe o que significam hoje as Missas aqui no Sul. É lastimável. Minha Diocese e meus padres, hoje, depois de 4 anos que estou aqui, já fazem a diferença. Prefiro trilhar caminhos de paciência. Além do que, não teria, no momento, nenhum sacerdote preparado para celebrar decentemente na forma extraordinária. Não quero desculpar-me pelo fato de que em minha Diocese ainda não se celebre na forma extraordinária a Santa Missa, só explicar razões que um pastor precisa também levar em consideração, para não criar ainda maiores divisões daquelas que durante anos a fio foram criadas…

  23. Prezado Dom Antônio, eu respeito sua forma de analisar a situação, mas não concordo de forma alguma. Primeiro, eu sei por experiência própria que quem procura alcançar uma situação ideal imaginária para só depois agir, acaba utilizando-se desse subtefúrgio, ainda que inconscientemente, para não agir.

    Segundo, o mal que imaginamos que irá acontecer raramente acontece na realidade. Veja o passado recente. Summorum Pontificum, levantamento das excomunhões dos bispos da SSPX… diziam que se essas coisas ocorressem haveria divisão na Igreja e que era melhor deixar as coisas como estavam para que essa divisão não ocorresse. Eu pergunto, os fatos ocorreram… e as divisões aconteceram?

    Esses abestados ameaçam, mas na hora do vamo ver, eles acabam dando para trás.

    Terceiro, o rito tridentino não é causa de divisão e sim a solução para a crise da Igreja, visto ele ser uma muralha contra todo tipo de heresia, um obstáculo contra os inovadores e um alimento capaz de saciar as almas mais sedentas. Seus tesouros espirituais e sua fecundidade estão mais do que comprovados por séculos e séculos, sem falar que são os jovens que já não aguentam mais essa missa nova e buscam a perfeita sacralidade da Missa de Sempre.

    Por certo, há um cisma silencioso (silencioso mesmo?); Determinadas ações não podem ser realizadas para que essa falsa unidade não seja quebrantada. Ora, quem tem o poder na Igreja? Se o sr. que tem o poder na sua diocese não pode rezar como o sr. gostaria, então o poder reside naqueles que pautam vosso comportamento. Isso é um equívoco… equivoco tão mais grave quando salta aos olhos que aquilo que é impedido de ser feito é que pode salvar a Igreja e jamais ser motivo de divisão.

    Quarto e para finalizar: Que mal há em um bispo rezar a forma extraordinária? Quantos bispos há pelo mundo que celebram dessa forma e nada lhes ocorre? O moto próprio veio exatamente para isso, para confirmar que o antigo rito jamais havia sido abolido e que cada um poderia celebrá-lo livremente sem ser afrontado por quem quer que seja.

    Nem na época da Inquisição os maus eram tão restringidos e os debates eram tão silenciados, como nessa ditadura progressista em que vivemos, que não apenas impõem uma agenda descristianizadora na Igreja, como dá um jeito de silênciar e pautar toda a voz discordante.

    Por favor, Dom Antônio, se o sr. quer celebrar a Missa Tridentina que a celebre. Caso não o deseje, que ao menos seja sincero em afirmar, visto que a única divisão na Igreja é provocada pelos celebrantes da missa nova e não da missa de sempre. E isso é fato.

  24. Reblogged this on Porta Fideie comentado:
    O Leão de Frederico Westphalen se pronuncia sobre os recentes fatos ocorridos na Assembleia Geral da CNBB. Com a palavra: Dom Antonio Rossi Keller.

  25. Bem , apenas para fazer justiça gostaria também de parabenizar a atitude de D.Antonio Keller, apesar de que eu tenha achado ainda muito fraca. Mas já é um bom começo.

    Para que pessoas da qualidade desse frade deixe de ter voz ativa ainda dentro da Igreja é preciso que mais padres mostre de fato sua insatisfação se levantando e indo embora de eventos desse nível lastimável e não permanecendo inertes ouvindo. E a CNBB, deveria sim ter escrito uma nota para também mostrar sua total insatisfação . E PORQUE AINDA NÃO FEZ ?

    “Não celebro na forma extraordinária porque, nas atuais circunstâncias de minha Diocese, isto faria mais mal do que bem. ”

    Dom Antonio , eu discordo desse pensamento porque não acredito de forma alguma que a Missa de São Pio V, possa trazer algum mal. Acredito sim , que ela traria muitas bençãos para o seu ministério e nunca mal algum.

    Gostaria de pedir sua benção.

  26. “Perigosíssimos” FRATRES;
    Li e gostei muito da resposta de Dom Antônio Carlos Keller.
    Entendo que a situação deste nobre Bispo diante dos outros bispos é muito difícil, bem como de todo o seu clero.
    Tenho um grande amigo que vive em Porto Alegre e que sempre me passa e.mail’s contando sobre o Apostolado de Dom Keller.
    Porém, creio que uma verdade já foi explicitada pelo FRATER Pedro Henrique, uma vez que a atual situação deste arremedo de igreja é cada dia pior, a falsa igreja conciliar, claro.
    Creio que se contássemos os Bispos, que realmente mantêm a Fé, bastaria uma única mão, e infelizmente, sobrariam dedos…
    No caso de Dom Keller, é muito mais complexo, já que este insígne Bispo tem a oposição de seu clero, de parte de seus fiéis e da imensa e esmagadora maioria do episcopado.
    É um jovem Bispo, com muita disposição, com uma formação pessoal sólida e, ainda que oriundo da Opus Dei, da qual faz parte como membro da Sociedade Sacerdotal da Santa Cruz, demonstra ser fiel e preservar a Fé.
    Não nos iludamos com o Rifado. Tal como Judas, ele já vendeu Nosso Senhor, por preço mais vil…
    O mal é que Dom Keller e outros dois, no máximo, não conseguiriam nada na tal Assembleia. No máximo, seriam ridicularizados e atacados pelos irenistas da cão ferrância.
    O que ele afirma é claro e evidente, porém, essa cão ferrância é abertamente apóstata, herética e muito pior que tudo isso, mal formada e permissiva.
    Como fiel leigo, casado e pai de família, uso do exemplo de minha casa para tentar ser claro.
    Caso algum de meus filhos esteja errado, devo corrigi-lo. Como pai, o faço com amor, ainda que possa parecer uma “maldade”. Caso permitisse que meu filho continuasse no erro, isso sim, seria a maldade.
    Assim, se a Santa Sé, no caso a Congregação dos Bispos, deveria ter mais prudência e ser mais rigorosa para com a escolha dos bispos.
    Os bispos, deveriam escolher os padres reitores e assistentes para formarem bem o clero.
    Isso, nesse simulacro de igreja conciliar inexiste.
    Ninguém chama a atenção. Ninguém fala nada…
    Daí, tudo parecer um “concílio das maravilhas” e suas inúmeras “Alices”… divagando entre flores e atenção exclusiva e excludente …. entre saltinhos e frescuras… uiiiiii
    Estão aí os casos de Arapiraca, de Viena e a defesa desse grupicho, vinda do sr. cardeal (conciliar) de Berlim, que não me deixa mentir…
    As “redes ‘católicas’ de televisão”, como a CN e a Rede Vida (que é de morte!) são os mais veementes exemplos da deformação: programas onde heresias são abertamente explicitadas e defendidas. E o pior, ninguém, absolutamente ninguém chama a atenção.
    Creio que o programa menos problemático seria o do Padre Paulo Ricardo.
    Agora, o restante… hummm é uma verdadeira “direção espiritual para o mal”…
    Essa gente lá da Roma Modernista e Apóstata, deixou a igreja conciliar tornar-se uma “Arca de Neo é”, cheia de bichinhos e de bichinhas…
    Conversava com meu irmão e mais uns amigos, durante esta semana, e o que falávamos tinha a ver com o problema do possível “Acordo” da FSSPX com Roma.
    Nossa preocupação se voltava ao problema da Formação do nosso Clero, uma vez que com o tal “Acordo”, acabariam por certo, ter “influências romanas” na formação. (Ou seria DEFORMAÇÃO ?)
    No momento, como deixo sempre claro, minha família e eu somos atendidos por um Santo Sacerdote que nos dá os Santos Sacramentos quinzenalmente. Ele não faz parte da Fraternidade, apesar de ser Católico e anticonciliar.
    Meu irmão e alguns amigos, por viverem longe, no caso, fora do Brasil, dependem da FSSPX.
    Nosso receio é este.
    Como “Guardar a Fé”?
    Nossos futuros Sacerdotes e Bispos serão escolhidos entre esta súcia? Na caterva conciliarista?
    O importante é que façamos notar que essa gente é na verdade o inimigo dentro da Igreja. O grande São Pio X já havia dito isso.
    Nosso capelão sempre nos dá como exemplo o caso do sr. Cardeal Montini.
    O Papa Pio XII, ao perceber a “proximidade” do dito Arcebispo tanto com as “loggia” (nas quais sua família era iniciada) tanto com os comunistas (sua mãe era próxima aos círculos marxistas), o úlitmo Grande Papa afastou esse senhor da Cúria.
    Algum tempo depois, o Papa João XXIII o elevou ao Cardinalato e o “preparou” para tornar-se seu sucessor…
    Ques Papas! Quantos frutos amargos de seus pontificados…
    Desde os pontificados destes dois Papas, nossa Igreja vem perdendo Sua Identidade.
    Nada d’Ela se parece com a Fé herdada dos Apóstolos.
    Assim, caso alguém ainda tenha dúvida, basta ler o livro “Catecismo Católico da Crise na Igreja” de Pe. Mathias Gaudron, Editora Permanência.
    Assim poderão constatar que isso aí que se apresenta como “igreja”, nada mais é que um simulacro, já que estão presentes nela, todo o pérfido veneno modernista.
    Para terminar, uso das sapientíssimas palavras de Dom Antônio Carlos Rossi Keller, que diz que a Santa Missa em sua Diocese, neste momento seria inviável.
    Assim como em sua Diocese, as Verdades Eternas da Igreja, parecem ser inviáveis, uma vez que a formação do clero, é totalmente modernista e liberal.
    Caso o Papa não tome uma atitude de Pai, como acima exemplifiquei, a situação cada vez mais será incontrolável.
    Somente duas coisas podem nos confortar:
    * Primeiro: a Promessa de Cristo, nosso Senhor, de que “as portas do inferno nunca prevalecerão contra Ela”;
    * Segundo: a promessa da Santíssima Viirgem de que “por fim, o Meu Imaculado Coração triunfará”.
    Ainda que saibamos que “Roma perderá a Fé e tornar-se-á a sede do anticristo” (revelação celestial no final do séc. XIX), podemos ter a certeza que aqueles que se mantiverem fiéis, herdarão o Reino dos Céus!
    Peço ao Bom e Misericordioso Pai que pelos méritos infinitos da dolorosa Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo e pela intercessão da Imaculada Virgem Maria possa abençoar o Episcopado de Dom Antônio Carlos Rossi Keller e lhe faça fecunda sua semeadura da Fé, ainda que entre tantos espinhos!
    Agradecendo ao nobre e dedicado Bispo, Dom Keller, termino este longo post.
    Saudações e pedidos de orações;

    Felipe Leão.

  27. Parabéns, Dom Antônio Rossi Keller! O prezado bispo vem se mostrando sábio em seus atos e palavras. Que Deus continue iluminando seus caminhos como pastor e sucessor dos Apóstolos. A Terra de Santa Cruz necessita de mais bispos como V. Excelência. Márcio (Goiânia – GO).

  28. Exca Rvma Dom Antonio Carlos,
    sua bênção. Muito me honra sua resposta. Humildemente, me permita discordar em um ponto: em momento algum, de forma alguma e sob circunstância qualquer que seja a Santa Missa celebrada na forma extraordinária faria mais mal que bem.

  29. Dom Antonio, creio que a vossa forma de pensar e agir é muito parecida com a do Papa Bento XVI.

    Um bom sacerdote em minha Diocese me disse, certa vez, que 40 anos de destruição na Liturgia e na Igreja precisarão de outros 40 anos para a correção e restauração. E esses tempo exigirá, realmente, muita prudência e paciência, além da força e do auxílio divinos.

    Que a Nossa Santa Mãe o acompanhe, Dom Keller, na vossa missão em Frederico Westphalen. E queira Deus que mais Bispos comprometidos com a integridade da Fé Católica possam levar a Igreja de volta a sua glória e seu esplendor.

  30. Correção: onde se lê “esses”, leia-se esse.

  31. Sim! esse sim é o Leão de Frederico! Esses católicos de blogues só sabem criticar e expor de forma arrogante a sua fé. Quero ver na paróquia se fazem algo para melhorar a situação! O srº bispo de Frederico Westphalen merece nossas orações e apoio, pois é católico, é realista, sabe o que precisa para melhorar em sua região e batalha por isso!
    Continue sua missão, Dom Antonio Carlos! Assim também são consolados tantos católicos que sofrem pela lastimável situação que todo o Brasil católico sofre…

  32. Não entendo porque ainda tem bispo “bom” que se dispõe a perder seu tempo para esse meeting tão insignificante para a Igreja quanto as assembléias cnbbistas. Não seria melhor gastar seu tempo em ações verdadeiramente pastorais do que ouvir os discursos de uma quadrilha de vampiros da fé e ficar calado, sem nenhum protesto formal? Medo do quê? É melhor ter boa figura diante de Nosso Senhor do que diante de um bando de marginais travestidos de católicos.

  33. Quando São Pio V faleceu, em seu enterro ele teve a felicidade de receber vaias e pedradas.

  34. Excelência, a sua bênção.
    Além do senhor, quais bispos se pronunciaram contra esse evento?
    De fato, saber a quem interessa que figuras deste porte tenham palco garantido, seria de grande ajuda.
    É vergonhoso ver um frei fazer apologia ao cisma em plena assembléia dos bispos.
    Infelizmente isto já era esperado, de uma geração de padres e religiosos que tiveram Boff e cia como mentores.

  35. Dom Antônio, apesar de ser contra qualquer acordo da FSSPX que faça-a calar frente a tragédia litúrgico-concilar agravada e muito pelo Concílio Vaticano II, concordo com Vossa Excelência, o caminho é de paciência, fazer os fiéis migrarem do Missal de 1969 para o Missal Tridentino não é tarefa fácil, falta muita humildade nos fiéis para entender a doutrina católica.
    O que predomina é um subjetivismo que leva as pessoas a fazer da Fé, um supermercado, onde eu escolho os produtos conforme meus gostos.
    Tinha eu 20 e poucos anos quando me interessei pela “Missa Tridentina”. Eu não sabia o porquê desse interesse, sem mesmo nunca ter assistido a uma, mas eu queria conhecê-la.
    Hoje, tenho 33 anos, há anos não assisto “Missa Nova”, por respeito ao sofrimento de Nosso Senhor Jesus Cristo na cruz e ao Imaculado Coração de Maria, transpassado pela espada.
    Não assisto “Missas Novas”, nem mesmo, quando não disponho de Missa no rito de São Pio V.

  36. Felipe Leão, atendido por um padre conciliar?!?!?… Xiiii…..

  37. Caríssimo Dom Keller, a cada pronunciamento de Vossa Excelência Reverendíssima me sinto triste e feliz ao mesmo tempo. Triste por constatar como estão sós os verdadeiros bispos católicos diante da terrível crise em que a Igreja de Cristo se encontra. Feliz por ver que Bispos como o senhor ainda nos trazem esperanças de que essa situação terminará. COMPREENDO perfeitamente vossas justificativas presentes na última mensagem e digo porque: vivo num bairro periférico de São Paulo, onde 95% dos católicos “praticantes” sabe sequer o que é Missa Tridentina (ou a Missa), onde ninguém faz idéia do que seja CVII ou magistério, Tradição, enfim, NADA. Meus pais são pessoas simplíssimas, católicos fervorosos e de tão fervorosos acatam a tudo que seja ensinado pelos padres e pelos bispos, não conseguem distinguir entre doutrina católica e “doutrina” pessoal do padre (ou bispo), não conseguem sequer imaginar que um padre (e imagine um bispo) possa ensinar algo contrário ao que a Igreja ensina. Portanto se tento dizer-lhes que padre tal fez ou disse algo errado, me censuram dizendo: vc é um simples fiel e ele é padre! Para eles tudo (literalmente) que qualquer padre ou bispo faça em matéria de liturgia está autorizado pela Igreja. Como mudá-los do dia para a noite? Não seria nada fácil simplesmente chegar e mudar tudo o que eles aprenderam de uma hora para outra, pois causaria grande confusão em suas mentes. São pessoas muito simples, não possuem noção alguma da dimensão da crise em que vivemos.
    Alguns dirão: não importa o que pensem, tem que chegar e mudar tudo de uma vez, se não se adaptarem que caiam fora!
    Mas “péraí”, quer dizer que a salvação da alma de meus pais (e de 95% dos católicos que conheço) é assunto para ser tradato de maneira tão descuidada assim? Creio que não, portanto rezo por Dom Antônio Keller para que continue vossa gradativa obra de restauração e que outros bispos acompanhem vosso exemplo!
    (perdoem os erros de ortografia decorrentes da pressa)

    iQué viva Cristo Rey!

  38. “Prezado Rafael, Missa para mim será sempre da forma que a Igreja, através de seu Magistério, indicar. Não celebro na forma extraordinária porque, nas atuais circunstâncias de minha Diocese, isto faria mais mal do que bem…”

    Caríssimo D. Antônio, antes de tudo, parabéns pela sua humildade e clareza.
    Conte conosco no vosso grande trabalho de restaurar, unido ao Santo Padre, mais de 40 anos de depredação e total avacalhação da Liturgia, e de retomada da sã doutrina católica. Repito vossa afirmação:”MISSA PARA MIM SERÁ SEMPRE DA FORMA QUE A IGREJA, ATRAVÉS DE SEU MAGISTÉRIO, INDICAR”.
    Não é sem motivo que os vossos Seminários estão com um bom número de vocações, e que V. Exa.,sempre é procurado por um bom número de padres e também seminaristas que querem entrar para vossa Diocese.
    Sua bênção.

  39. Prezado José Lima,

    O que você conta sobre seus pais é situação frequente e até esperada na maioria dos católicos… mas reflita bem sobre a situação: você disse que eles não o ouvem porque acatam o que os Padres e Bispos falam e fazem… pois então, isso mostra que nós, leigos, conquanto não temos autoridade devemos ter muito cuidado e prudência redobrada ao querer instruir as pessoas sobre a crise na Igreja. Mas veja, se a tendência de muitos católicos é ouvir sem questionar os Bispos e Padres, é deles exatamente que devemos cobrar uma postura mais forte, pois tem autoridade formal para isso…

    Noutras palavras, se o principal perigo na luta contra o modernismo infiltrado é aquele que você mencionou, não fazem mal os católicos que cobram atitude mais enérgica dos Padres, tanto mais dos Bispos… então, não faz sentido você criticar os que pediram para Dom Keller – a quem eu respeito e admiro – tomar atitudes mais enérgicas contra os desmandos da CNB do B.

    Repito, respeito e admiro a Dom Keller – a quem gostaria de ter como Bispo de minha Diocese – mas não há mal algum em externarmos nosso anseio de que o combate dele, e de tantos bons Bispos e Padres contra o modernismo infiltrado, seja mais livre de freios diplomáticos, pois se trata, conforme você mesmo disse, da salvação das almas.

    Rezemos uns pelos outros e pelo clero da Santa Igreja.

  40. “Perigosíssimo” FRATER Arthur;
    Nosso capelão é um Santo Sacerdote, tem seus 58 anos, foi ordenado por Mons. Marcel Lefebvre, porém, não faz parte da FSSPX, formalmente.
    Creio que o Sr. percebe que sou Católico, assim, nem minha família (meus pais, irmãos e irmã; bem como esposa, sogros e cunhados [tenho uma cunhada que irá para um mosteiro Católico – Tradicional, eveidentemente]) tampouco eu e meus amigos, receberíamos os Sacramentos de padres conciliaristas.
    Posso lhe dizer que sou fruto de uma conversão sincera à Igreja de Cristo, portanto, não aceitamos a desgraça conciliar, a mentira da nova igreja, essa falsa religião prostituída que adora o ser humano e Baal.
    Ainda assim, o posicionamento de Dom Antônio Carlos mostra ponderação e maturidade.
    Haverá o momento oportuno para se tomar uma posição mais séria e firme.
    Apesar de jovem, tenho 36 anos, creio que a Graça da Paternidade nos possibilita perceber o momento certo de se tomar atitudes corretivas.
    Porém, tais atitudes devem ser tomadas pelo PAI.
    Assim, espero, e confio no Bom Deus que o Santo Padre, o Pai de todos os Católicos, tome uma atitude corretiva.
    Alguns de seus “filhos” não têm mais limites, enfrentando aquele a quem deveriam respeitar.
    Como Católico e pai de família, espero que o Papa, nosso Pai comum, seja firme e sério quanto às atitudes e repreensões que DEVE FAZER.
    Caso não o faça, não pode ficar com “desculpinhas amarelas” de que “a fumaça de satanás entrou no Templo de Deus, como que por uma fresta”. Isso é coisa de pai “bunda-mole”, de pai que não sabe educar um filho, de pai que mima e cria sujeitos problemáticos que no futuro somente lhe causarão maiores problemas.
    Penso que atitude, caráter e paternidade estão sempre conjuntas.
    Hamlet é indeciso, assim como todos os covardes.
    Por isso, dos heróis, prefiro os reais, tais como Thomas Morus, que foi Fiel a Deus, à Igreja e à sua consciência.
    Rezemos por Dom Keller, afinal, não sabemos o “tipo” de “filhos” que ele recebeu.
    Que Deus, especialmente por intercessão de São José, Pater et Custos, o façam firme nas atitudes e no governo de Sua Família, a Igreja na qual é o Pastor.
    Que Deus nos conceda inúmeros Bispos tais como Dom Antônio Carlos, e que conceda a este Bom Pastor, força e coragem!
    Viva Cristo Rei!

  41. Já que o Frates virou um canal de comunicação entre fiéis e o D. Keller também replico sua carta: D. Antonio, nós leigos também nos indispomos com amigos já que ir na quermesse hoje e não catar – veja o verbo utilizado pelos jovens frequentadores das paroquias, as garotas é pecado pois os fiéis hoje não sabem o que é sexto mandamento, nos indispomos com os ministros sacrilegos da eucaristia que se vangloriam de atos pecaminosos cometidos, nos indispomos contra seminaristas – já fui excomungado por um porque não aceitava suas posições homossexuais. Nos indispomos com nossos pais, com os politicos, com os nossos professores. Não é questão de paciencia e sim de defender o direito e as leis de Deus. Não é só a Missa mas toda uma doutrina e o sangue preciso vertido na cruz. Cristo morreu então, para muitos católicos pacientes em vão.

    Enfim, faço as minhas palavras as do Santo Ezequiel Moreno postado abaixo pelo Frates.

  42. Por misericórdia Dom Keller: – CONTINUE! RESISTA! POR CARIDADE, RESISTA! E peço perdão por aqueles que por excesso de retórica, pisam na caridade. Quem me ensinou isso? Pe. Alejandro Rivero, da FSSPX.