Tradileaks – Capítulo Geral da FSSPX confirma exclusão de Dom Williamson.

Fratres in Unum.com | Em um novo vazamento de informações, o blog Rorate-Caeli afirma que o Capítulo Geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, reunido ao longo desta semana, confirmou a decisão tomada por Dom Bernard Fellay, Superior Geral, de excluir Dom Richard Williamson da participação neste mesmo capítulo “por suas posturas que convidam à rebelião e por sua desobediência”.

Williamson impugnou a decisão e recorreu aos próprios padres capitulantes. Eles, por sua vez, em votação secreta, confirmaram a decisão do Superior Geral. Ratificação que indica uma tendência interna na Fraternidade de sustentar o seu Superior. Nos dizeres do blog americano, “a decisão parece mostrar que o Superior Geral manteve sua autoridade dentro da FSSPX nestes meses decisivos de discussões e decisões sobre a Fraternidade e a Sante Sé”.

28 Comentários to “Tradileaks – Capítulo Geral da FSSPX confirma exclusão de Dom Williamson.”

  1. Interessante é que DWilliamson OBEDECEU e não foi ao Capítulo, enviou uma carta… Quem é o desobediente aqui? Até agora a desobediência de DWilliamson se deu apenas em questões de Fé, qdo é lícito fazê-lo. Pelo menos, aprendi com os padres que em relação ao Papa é lícito; qdo se trata do “infalível” Superior… não? Cadê o ‘sim, sim, não, não’?

    Mas há, sim, uma desobediência real nesta história, e os 29 votos que apoiaram Mons. Fellay nesta injustiça mostram quem são os 30 traidores de Mons. Lefebvre, cujos nomes nem precisam vir a público pq são do conhecimento de Quem realmente importa…

    O resultado não chega a ser uma surpresa pois a maioria dos que ocupam os lugares no Capítulo foi habilmente colocada lá por Mons. Fellay ao longo de seu reinado. Resta saber se os demais padres que não estão no Capítulo esqueceram ou não o que Mons. Lefebvre queria para sua obra em particular, e para a Igreja de maneira geral. E para todos nós, por consequência.

    Eu continuo rezando…

  2. A fonte do Rorate Caeli, a que ele alude mas não cita, conta ainda que foram 29 votos pela exclusão de Dom Williamson do Capítulo Geral e 9 votos contra essa exclusão. Essa votação permite ainda a Dom Fellay ter bem claro, caso ele ainda não o tivesse, qual o seu apoio na cúpula dos dirigentes da FSPX, que permanece bem alto: 3 em cada 4 membros estão do seu lado, 75% dos presentes, portanto. Era o que já se noticiava: 25% contrários à política de D. Fellay, 25% favoráveis e 50% de “legitimistas” (isto é, vão aonde quer que o líder vá).

  3. “…por suas posturas que convidam à rebelião e por sua desobediência”.
    Fica difícil ver nessas atitudes de Dom Richard Williamson o espírito de Jesus.
    Que Jesus e Maria abençoe Dom Fellay

  4. Rebelião e desobediência?

    Disse Dom Marcel Lefebvre:

    “(…) se vivo um pouco ainda e supondo que daqui a determinado tempo Roma nos chame, queira voltar a ver-nos, retomar o diálogo, nesse momento seria eu quem imporia condições. Já não aceitarei estar na situação em que nos encontramos durante os colóquios. Isso terminou.

    Se não aceitais a doutrina de seus antecessores, É INÚTIL FALARMOS.”

    Agora, quem é que está se mantendo fiel à ordem dada pelo fundador? Quem é o desobediente e revolucionário nesta história toda?

  5. Ai meu Deus do Céu. Que Deus guarde a Dom Williamson, tão bom pastor que é. Espero que tudo isto acabe bem.

  6. Eu tenho impressão que não falta muito para Dom Williamson se tornar um dissidente da Fraternidade, fundando outro grupo em separado. Mesmo que não haja acordo da FSSPX com Roma.

    Seria um movimento contrário ao dos que fundaram a FSSP: Dom Williamson iria numa linha mais dura em se tratando de relações com Roma – de acordo com a sua postura atual, que é apoiada por não poucos dentro da Fraternidade.

    O receio é de que essa possível dissidência se aproxime cada vez mais do Sedevacantismo, um perigo que já ronda a FSSPX em alguns lugares atualmente.

    Agora, se isso tudo é bom ou não para a Igreja, só Deus sabe. A minha opinião pessoal não serve para nada nesse momento.

    Se as coisas não andam como deveriam, devemos é rezar ainda mais.

  7. Quem muito ajuda não atrapalha!

  8. O sr. Bispo não obedece nem o superior dele (D. Fellay) como vai obedecer o Papa? Muito triste isso. Sou a favor da tradição, mas na Igreja Católica Apostólica Romana, não fora dela.

  9. Uma decisão sensata. Eu duvido da catolicidade desse bispo. Ele me cheira a um Rama Coomaraswamy com Ordem Episcopal.

  10. É, Assis IV com Dom Williansom n ia dar certo…

  11. Não consegue ser obediente nem ao superior ??

    Pelo que se vê, ele trabalha contra há muito tempo.

  12. Não estou gostando nada disso … Será que ocorrerá novo cisma?

  13. É preciso saber qual ou quais atitudes o que o Capítulo entendeu como “convite à rebelião e à desobediência”, não acredito que seja em relação às conversações entre Roma e Ecône, se não, os demais Bispo também teriam recebido tratamento idêntico. O perigo que ronda é o Sedevancantismo. Estamos num dilema: escolher entre um acordo desastroso ou dar razão a um Bispo que exala Sedevacantismo.

  14. Uma coisa é a ilegalidade consequente da fidelidade, outra é a ilegalidade voluntária. Uma coisa é desobedecer uma ordem ilegitima contrária a Fé, outra é a atitude rebelde e liberal que trata o Papa como um fulano qualquer, rejeitando mesmo sua vontade que não exige abjuração de dogmas ou princípios tradicionais. Nesse sentido, a desobediência absoluta está se tornando liberalismo. Obedece quando quer e como quiser. E assim nascem as seitas…

    Robson

  15. Pedro Barreto, Carlos Fratres e Thiago

    Não falem besteira!!! Que raiva eu tenho daqueles que julgam mal os três bispos da FSSPX que não concordam com a postura de D. Fellay!!! Que mania ficarem chamando eles de sedevacantistas. Só não vê quem não quer que a FSSPX será engolida por Roma (modernista). Não sei como que D. Fellay foi cair nessa. Se a FSSPX que é o último baluarte da Fé Católica (uma espécie de para-raios das graças de Deus nesse mundo atual apóstata) vier a cair no progressismo/modernismo, com certeza uma Terceira Guerra Mundial já estará a caminho como castigo, pois o pouquinho da verdadeira Fé que ainda existe irá se esfriar. Espero que Deus leve em conta esse um terço da FSSPX que não quer o acordo com Roma (modernista).e nos poupe de castigos maiores. E enquanto a Consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria ? Ninguém não fala mais não é ? Penso que somente a consagração da Rússia poderá dar cabo da crise da Igreja. Enquanto isso os conservadores vão continuar a achar que tudo está se resolvendo!!! Tenha paciência.

  16. Há grupos de defensores de D. Williamson que toda vez que abre a boca para falar alguma coisa sobre a Igreja, precisa fazer uma breve introdução antes:

    “que não nos acusem de sedevacantistas…”

    Sempre…

    Ah, para com isso, né?!

    D. Williamson é aquele que num de seus panfletos que ele lança na internet sequer teve a dignidade de citar o nome de D. Fellay ao refutá-lo numa questão sobre liberdade religiosa que ele tomou numa entrevista EDITADA de poucos minutos dada por Fellay. Ao contrário, referiu-se ao Superior de forma irônica e desrespeitosa.

    Não vale tudo para defender a fé;

    Não vale, por exemplo, abandonarmos o espírito cristão que essa própria fé dita que tenhamos.

    D. Williamson não é nenhum inocente e querer transformá-lo em mártir e o outro grupo de D. Fellay como perseguidores e opressores é patético.

  17. Cadê os que falam que não há um espírito sedevacantista na Fraternidade?

    Eu digo, alguns alí não querem obedecer ao Papa. Se o Papa liberar tudo que eles querem e mais ainda, vai ter gente contra, afinal, estão tão confortável. Ainda mais de superiores, já que praticamente são “chefes da sua igreja” e não precisaria de obediência a ninguém. Já disse e repito, tem gente na FSSPX que já é protestante há tempos.

    Uma coisa são negociações, posições, exigências, a questão de não abrir mão dos “princípios” da Fraternidade e tudo mais envolvido. Outra é o que se vê claramente, isto é, percebe que não querem a comunhão com Roma independente do acordo.

    Se aqui mesmo vê isso na enquete. Quem em sã loucura não quer comunhão com Roma? Veja, não estou falando de acordo a qualquer custo, estou falando de ser contra a comunhão. O espírito desses não é o Santo e sim do desagregador. Loucura!

  18. Rama Coomaraswamy foi professor da FSSPX e amigo pessoal de Marcel Lefebvre. E era perenialista (como o pai) e tariqueiro. Só o fato de pensar de forma tão parecida com Rama me faz ter dúvidas se D. Williamson participou ou participa desses circúlos esotéricos islâmicos. Não é uma acusação, é uma dúvida sincera que tenho, principalmente quando há mentirosos nesses círculos, como foi o próprio Rama antes de sair da FSSPX. Tomara – MESMO! – que eu esteja errado.

  19. Por que???

  20. A posição de D. Williamson sempre cheirou a sedevacantismo. Sua linguagem em relação à Santa Sé ressuda um espírito ainda anglicano: “Os Romanos”. Não digo que Sua Excelência seja sedevacantista, (nem muito menos, anglicano), mas, é evidente a todos a sua tendência neste sentido. É isto que eu convenciono a chamar de “espírito sedevacantista”. Acho que a FSSPX tem sim que se purificar deste espírito sedevacantista que se nota em boa parte de seus membros. Do contrário, haverá sempre dentro da FSSPX escândalos quais a carta aberta do Pe. Cardozo.
    É, outrossim óbvio que D. Fellay não deva procurar “per fas et nefas” um acordo. Mas sabemos que ele sempre teve a prudência necessária para não colocar o pé em nenhuma armadilha dos modernistas que estão no Vaticano. Reza, pede orações e tem agido sempre com muita prudência. Se assim não fosse, já teria havido um acordo destruidor da FSSPX.

  21. Que falta faz um Papa pra D. Williamson. Ele não tem nem pra quem apelar. Não pode nem dispor daquele dito popular. “Não gostou?? Então, recorre ao Papa!!”

  22. Dom Felay apenas utilizou sua autoridade para manter a disciplina na Congregação, o que é responsabilidade sua e não envolve artigo de Fé.

    O espírito de rebelião de Dom Williamson já é conhecido. Notou-se reflexos dela principalmente nos seminários onde ele foi diretor. Suas conclusões, na minha opinião, são precipitadas e desproporcionais.

    Dom Felay, até o momento, não transgrediu nenhum artigo relacionado à Fé.

    Como não existe obra “de Dom Lefebvre” e sim obra da Igreja, ele também não incorreu em traição alguma.

    Se Dom Lefebvre e a FSSPX foram irregular e ilegalmente excluídas da estrutura da Igreja ela nunca deixou de ser católica e seria um ato de justiça as autoridades atuais da Santa Sé se retrarem e reconhece-la oficialmente.

  23. Temos que encarar a realidade. Se 29 votaram contra a ida de Dom Williamson ao capítulo é porque o conhecem muito mais profundamente do que qualquer um de nós e sabem que consequencias sua ida e permanência no capítulo teria. Isso não tem nada a ver com traição a Dom Lefebvre, mas com estratégia para conduzir as discussões com o mínimo de tranquilidade e sossego. Dom Fellay deve já estar sob uma pressão tremenda e tudo o que ele menos precisa é de perturbação e barraco.

    De nossa parte, cabe-nos rezar e pedir a Deus que os ilumine e lhes dê as graças para fazer a vontade de DEUS para o bem da Igreja e salvação das almas.

  24. Caro Junior,
    Acredito muito no bem que a FSSPX poderá fazer se voltar para a Igreja Católica, não podemos estar divididos, penso que isso não seja a vontade de Deus. Porém aprendi isso muito cedo, na catequese “modernista” com padres “modernistas”, com meus pais “modernistas” que não deixaram de ir a missa nenhum domingo, que a autoridade da Igreja, o santo Padre o Papa, constituído apóstolo por Cristo, vem OBEDECIDO. Eu sou da opinião que Roma pode mudar, ou melhor, propor o que for, e terão “certos indivíduos incautos” dentro da FSSPX que continuarão com esse discurso de bla bla bla.
    Rezo e continuarei a rezar por Dom Fellay que de fato volte e aceite a proposta de Roma. Será uma alegria imensa, pois eu também acho que nossa Igreja precisa reformar algumas coisas, porém junto com Pedro, não divido.

  25. Caro Carlos Fratres,

    Bem que eu gostaria de ser otimista igual a você e aos outros, mas não sou. “Acredito muito no bem que a FSSPX poderá fazer se voltar para a Igreja Católica” – nunca soube que a FSSPX estivesse fora da Igreja. Eu gostaria que D. Fellay aceitasse a proposta de Roma desde que a FSSPX não ficasse subjugada, presa, amarrada, mas infelizmente sou daqueles que acreditam que a crise da Igreja será derrotada através do Triunfo do Imaculado Coração de Maria, como conseqüência da Consagração da Rússia e não por meio da prudência humana: acordos e etc. É esperar para ver o que se segue. Salve Maria.

  26. Deixo claro que há mais de um PEDRO HENRIQUE comentando aqui. Eu não assino mais como Pedro Henrique nos meus comentários e sim como Cândido. Isso quer dizer que raramente comento aqui.

  27. Apenas complementando o Padre Elcio, D. Williamson foi anglicano antes de se “converter” à Igreja Católica. Dai seu cacoete “os romanos”. Quanto a ligação de alguns lefebvristas (incluindo dois de seus quatro bispos) com o tariqueiro (islâmico) do Rama Coomaraswamy, bem…o Olavo de Carvalho deve saber de alguma coisa.

  28. Caros amigos, pelo que pude acompanhar tanto em blogs brasileiros como o Fratres como em blogs hispânicos, a “divisão na Tradição” só vem causando danos… de todos os tipos. Também pude ver que os comentaristas virtuais de nossa Terra de Santa Cruz são os críticos mais ferrenhos e agressivos de Dom Fellay e dos acontecimentos recentes ao passo que intransigentes defensores de Dom Williansom. Não quero eu mesmo fazer o que estou a criticar indicando qual das duas posições é a correta, mas entendo que seja melhor seguir ao que nos diz o Padre Bouchacourt, superior do Distrito Sulamericano http://www.fsspx-sudamerica.org/fraternidad/iesus/editorialportu138.php . É triste observar como é fácil construir opiniões, ou melhor, definições sobre o caráter e as intenções de algumas pessoas pura e simplesmente pela leitura de um ou dois artigos, formular verdades baseadas na leitura de uma ou duas notícias e pronto, podemos condenar Dom Fellay ou quem quer que seja sem peso na consciência. Dirão alguns: ora, criticar o Papa ou a Bispos e padres “plenas” pode, agora quando Dom Fellay e seus “apoiadores” pisam na bola, aí não pode? Mas até onde sei, temos o direito (e até o dever) de apontar heresias, erros contra a fé, abusos e etc´s mesmo que venham de membros do clero ou de “qualquiera”. Dom Fellay e os superiores que o apoiam promovem ou promoveram os erros acima mencionados? Onde? Como a resposta até onde sei seria negativa, podemos então acusá-los como muitos andam fazendo? Onde, em qual Concílio ou documento do Magistério Infalível está escrito que podemos,como leigos que somos, condenar publicamente nossos superiores ou membros da Igreja sem que tenham incorrido em tais erros? Outro questionamento seria este – ressaltando que para mim Dom Lefebvre foi um verdadeiro Santo e que, embora creio não estar vivo para vê-lo, será canonizado pela Igreja – Será que podemos utilizar toda e qualquer frase de Dom Lefebvre como se fossem infalíveis ou como se Dom Lefebvre jamais pudesse equivocar-se em algum momento ou pronunciamento que tenha dado? Lembremos que vários santos já se equivocaram, assim que não me refiro ao vasto material produzidos pelo Grande Dom Lefebvre (artigos, conferências, sermões, livros, etc) mas sim ao fato de que usam até vírgulas do fundador da FSSPX para justificar seus ataques e suas posições. Enfim, penso que nestas questões devemos confiar mais em Deus e naqueles que dirigem a obra de Dom Lefebvre, rezando por eles principalmente neste momento de Capítulo Geral e evitando envenar aos outros através da internet com nossas opiniões e visões pessoais. Rezemos!