Editorial: Missa Tridentina na Canção Nova, anestésico para consciências ingênuas?

Domingo, 15 de julho de 2012: Missa Tridentina na Canção Nova.

Domingo, 15 de julho de 2012: Missa Tridentina na Canção Nova.

No último dia 15, o Padre Demétrio Gomes, da Arquidiocese de Niterói, celebrou a Santa Missa no Rito Tradicional para alguns membros da comunidade Canção Nova. Infelizmente, nenhum dos dirigentes e artistas estiveram presentes (ao menos é o que se pode depreender pelas fotos divulgadas).

Evidentemente, o episódio só ganhou enormes proporções nas redes sociais devido ao histórico negro da comunidade, tão extenso em práticas bizarras atentatórias ao culto divino e à doutrina Católica que sequer enumeraremos aqui.

“Extra! Extra! Missa Tridentina na Canção Nova!”, ecoavam alguns fiéis ligados à Missa Tradicional. “A Canção Nova agora é — ou está se tornando — tradicional”, poderiam inferir alguns em um silogismo equivocado.

É inegável que existe um forte lobby travestido de “tradicional” que, sutil e exitosamente, vem procurando moldar o pensamento Católico no Brasil e, com isso, afastar para longe qualquer indício do que considera “radicalismo”. Seus promotores ficam chocados quando simplesmente são apresentados fatos e textos, ainda que saídos da pena de autores de boa reputação, sobre a revolução na Igreja brasileira alimentada em parte pela suposta TV Católica. Trata-se — dizem — de expor as “mazelas da Igreja”, ao passo em que não se dá a devida ênfase ao que de bom está sendo feito.

Ninguém nega o valor infinito desta Santa Missa e o bem que certamente fez na Canção Nova.

No entanto, é preciso afastar uma visão ingênua e distorcida da realidade, que quer analisar apenas fatos isolados — uma Santa Missa Tradicional aqui, um ou outro lampejo de ortodoxia ali — e se esquecer do que está sendo promovido como um todo. Um sistema danoso só pode ser avaliado como aquilo que efetivamente é, ou seja, um organismo que comporta, seguramente, também aspectos positivos, mas onde o mal e o erro predominam e têm a palavra final.

Considerando de maneira geral o que defende e difunde, independentemente da boa-vontade de parte de seus membros e de um ou outro espasmo de Catolicismo, é necessário reconhecer que a Canção Nova contribui enormemente para, nos dizeres de Paulo VI, a “autodemolição da Igreja”. E somente mediante coerência e constância na promoção do bem e da integridade da Fé este juízo poderá ser revisto.

Domingo, 22 de julho de 2012: Gabriel Chalita e o ministro da Saúde do governo Dilma, Alexandre Padilha, na Canção Nova.

Domingo, 22 de julho de 2012: Gabriel Chalita e o ministro da Saúde do governo Dilma, Alexandre Padilha, na Canção Nova.

De nossa parte, rezamos e fazemos votos de que, pelo contato com a Santa Missa verdadeiramente Católica, a Canção Nova reconheça a discrepância abissal entre o verdadeiro culto prestado a Deus e as pantomimas não só protestantizantes, mas frequentemente protestantes, que ela promove, transmite e com as quais contamina a Igreja do Brasil.

Que esta Santa Missa – cujo fim propiciatório, tão odiado pelos protestantes, é enormemente atenuado na Missa de Paulo VI e quase sempre esquecido nas Missas da Canção Nova – possa aplacar a ira divina e reparar os incontáveis ultrajes cometidos na e pela Canção Nova.

E que ela, a Santa Missa, não seja um mero instrumento nas mãos de revolucionários; um anestésico dado, em um domingo, a fim de apaziguar os ânimos “conservadores”, para abrir as portas da Canção Nova, no domingo seguinte, a pregadores modernistas e promotores da cultura de morte, inimigos de Deus e da Igreja.

58 Comentários to “Editorial: Missa Tridentina na Canção Nova, anestésico para consciências ingênuas?”

  1. Ferreti, só lembrando: o Padilha, ministro da Saúde, e o Chalita, não “pregaram” no PHN; simplesmente compareceram no palco. E ouvi alguém dizer que, mesmo diante deles, o Dunga teria condenado o aborto, ali, no ato. Desta última notícia não posso dar certeza.

  2. Ah, sim, Ferretti… Pe. Fábio… Até hoje não vi o dito cujo se retratar daquela entrevista em que disse que “a proposta socialista só edifica”.

  3. Canção Nova tem coisas boas : programas do Professor Felipe Aquino , do Padre Paulo Ricardo e etc . Mas algumas coisas dela não dá para entender : como num dia acendem vela à Deus e no outro ao diabo ?

  4. “No entanto, é preciso afastar uma visão ingênua e distorcida da realidade, que quer analisar apenas fatos isolados — uma Santa Missa Tradicional aqui, um ou outro lampejo de ortodoxia ali — e se esquecer do que está sendo promovido como um todo. Um sistema danoso só pode ser avaliado como aquilo que efetivamente é, ou seja, um organismo que comporta, seguramente, também aspectos positivos, mas onde o mal e o erro predominam e têm a palavra final.”

    Tenho a impressão que esta descrição se aplica perfeitamente ao CVII, invertendo alguma ordem porém mantendo o sentido. Há muita coisa boa no Concílio, colocada de forma a se obter as aprovações dos textos, enquanto há alguns “lampejos” (digamos assim) de heterodoxia. Agora, o que predomina no CVII??? A sua letra, com seus defeitos, seu “espírito” já condenado,…?

    Na homilia desta missa (assisti em divulgações pela internet) o Pe. Demétrio afirma categoricamente o erro daqueles que dizem ser “protestantizante” a Missa de Paulo VI. Aproveitando a citação deste editorial, Que esta Santa Missa – cujo fim propiciatório, tão odiado pelos protestantes, é enormemente atenuado na Missa de Paulo VI e quase sempre esquecido nas Missas da Canção Nova – se repita muitas vezes e mostre, com toda sua clareza e sacralidade, o que é uma Missa Católica com todo seu vigor, sem atenuantes em seu fim propiciatório.

  5. Pe . Fábio de Melo é um produto miiático , pois nunca vi um Padre se portar como popstar . Outra , umas pregações sentimentalóides que nada tem a ver com a Doutrina de Sempre .

  6. D. Lefevbre já dizia que nossa luta não é pela Missa no rito gregoriano em si mesma, nossa luta é pela Fe. A luta pela Missa entra de reboque nisso na medida em que não faz sentido abandonar uma forma litúrgica que traduz tão bem aquilo em que devemos crer.

  7. Primeiro, tem que ser valorizado o apostolado do Pe. Demétrio.
    Sal na massa. Quem sabe isso possa refletir-se nas demais missas.

    Quanto esse conluio escandaloso da CN com esses comuno-abortistas & aliados
    (Chalita), é deplorável .
    o PHN não é voltado para combater o pecado ?

    Só dos jovens ?
    E esses promotores do gayzismo, do aborto, e toda agenda anti-cristã ??
    São recebidos com honras e ovações ??

    Canção Nova: Deixe de ser hipócrita !!!

  8. Adorei o editorial, de uma lucidez cada vez menor nos ditos tempos primaveris! Muito bom mesmo!

  9. “É chegada a hora mais uma vez da Igreja resolutamente por de lado seu apego ao mundo”
    (Bento XVI sermão em Freiburg im Breisgau Alemanha, 25 set, 2011)

    A Igreja santifica o mundo. Ela tem sua própria natureza, que não é “deste mundo”. A Igreja vive no mundo e para o mundo, para a salvação do mundo.

  10. Quando vc está num imenso quarto escuro, se vc acender uma luzinha, por menor que seja , a claridade gerada vai te ajudar a ver mais que um farol em pleno dia. Prefiro pensar, em termos espirituais, sabendo o valor do sacrifício presente na missa, que este pequeno sinal pode estar anunciando um tempo menos adverso para nós. E se não for, que mesmo assim não nos desanime. Continuemos na luta. Ficar sentado resmungando é fácil. Que tal mandar um email de felicitações à CN pedindo a realização de mais missas? Eu acabo de fazer isso.

  11. Rodrigo,

    Você leu o editorial? Se leu, entendeu ou só entendeu o que quis entender?

  12. Salve Maria.

    A Canção Nova não é um bloco homogêneo. Há muitas correntes que digladiam lá dentro. Basta lembrar da condenação do PTralhismo do Padre José Augusto na última eleição, logo proibida e desautorizada pelos líderes. Nesse sentido de disputa interna, a Missa Gregoriana, juntamente com a influência conseguida pelo Padre Paulo Ricardo e pelo Padre Demétrio, é sim uma vitória. Se a Missa Gregoriana “pegar” mesmo na Canção Nova, se for transmitida pela televisão, imagino o quanto isso pode minar a resistência à liturgia tradicional nas dioceses. E isso seria uma coisa muito boa para a difusão cada vez maior da missa tradicional no Brasil.

    É preciso dar uma passo de cada vez. Lembro-me que há alguns anos o Prof. Felipe Aquino criticava abertamente o uso litúrgico do latim, coisa que hoje ele não faz mais. As instituições mudam lentamente, e nem todos os membros mudam no mesmo ritmo. É preciso sobrar o braseiro que fumega, não apagá-lo.

    Rezemos para que Nossa Senhora apresse o triunfo do Seu Imaculado Coração.

    AMDG

    Sérgio Meneses

  13. Com certeza, esta Missa teve muitos méritos. Porém, não é o suficiente. A luta de Mons. Lefebvre, foi pela verdadeira Doutrina e pela Fé, a Santa Missa é o ponto mais visível dessa luta. Por isso, ninguém deve pensar que a canção nova se tornou pró tradição por conta de uma Missa. Muitos dizem, “tem problemas mas também tem coisas boas”, mas, para ser plenamente católica não basta! Os protestantes também tem coisas boas (e todos sabem que foram copiadas da Igreja), mas se tudo neles fosse bom, eles seriam católicos!

    Com o CVII é a mesma coisa. Tem pontos que não fogem da Doutrina e tem pontos contrários. Os pontos positivos do concílio já foram afirmados pelo magistério anterior. Parece que, as pinceladas de doutrina contidas no concílio serviram para camuflar os erros. Para que os documentos não fossem totalmente contra a doutrina infalível. Com isso produziram textos ambíguos, causando confusão e abrindo margem para o “espirito do concilio” que trouxe toda “sorte” de aberração que vemos nas igrejas.

    A água é algo bom, pois, tira a sede. O veneno não é bom, pois, tira a vida. Logo, alguém tomaria água com um pouco de veneno? Em sã consciência não! Com a doutrina é a mesma coisa.

    Podemos ter certeza de que se o CVII fosse benéfico para a fé, ele seria defendido por Mons. Lefebvre.

  14. Se por um lado é ingenuidade achar que a CN “virou tradicional”, por outro acho prematuro descartar a possibilidade de que esses “fatos isolados” (nas palavras do editorial) sejam na verdade o início de um processo, ainda que muito demorado. Podemos ter presenciado o pontapé inicial de algo grande, cujo resultado final nem estaremos aqui para ver.

    Vai acontecer? Não faço a mínima ideia. Pode mesmo ser que o tríduo pascal de 2012 e essa Missa tridentina sejam só coisas isoladas. Mas grandes mudanças também começam como “coisas isoladas” — de “coisa isolada” em “coisa isolada”, quando você percebe já não tem mais como parar o processo.

  15. Missa Tridentina na Canção Nova?
    Farei novenas e novenas para que jamais isso se torne um hábito por lá, visto que
    só baratearia uma liturgia tão santa.
    Que Nossa Senhora do Carmo não permita!!!

  16. A CN,para os ingenuos de plantão, difunde esse tipo de coisa : isso foi há 2 meses mais ou menos…

    Ontem assistindo a Canção Nova vi uma entrevista de Dom Eduardo Benes , arcebispo de Sorocaba , com Reinaldo Bezerra , assessor de comunicação da RCC : a entrevista foi um show de erros e heresias semi-explícitas entre as quais :

    1- A RCC deve ser “ecumênica” pois é pela experiência do Espírito que vamos unir os cristãos católicos e protestantes e não com a doutrina que é pura exterioridade.É a experiência interior que dá a unidade entre os fiéis.

    2-Quem foi responsável pela manifestação pentecostal nas Igrejas evangélicas foi o Papa Leão XIII que clamou o Espírito e ele veio primeiro sobre os evangélicos pois a Igreja Católica estava fechada ao Espírito Santo.

    3-Quem recomunicou o Espírito aos jovens católicos foram protestantes.O Espirito Santo voltou a Igreja pelas mãos dos evangélicos.

    4-A unidade vem antes pela caridade que pela doutrina.A doutrina é só um molde exterior.

    5-O importante é cada um ficar na sua Igreja e aprofundar a experiência.Não devemos propor conversão.

    6-Nenhuma Igreja é melhor , nenhuma tem doutrinas mais verdadeiras, todas são iguais.O que as distinguem é se tornam possível a experiência do Espirito ou não.

    7-As diferenças entre católicos e protestantes são apenas institucionais.

    8-A RCC foi fundada para isso : voltar as experiências das primeiras comunidades onde a doutrina não era o mais importante mas sim o Kerigma e a experiência dos carismas.Para isso Mateus Callisi fundou a comunidade de Jesus na Itália – que tem esse carisma “ecumênico”, e para isso ele está atuando em Roma no Pontifício Conselho para os leigos!!!!!!

  17. “Lembro-me que há alguns anos o Prof. Felipe Aquino criticava abertamente o uso litúrgico do latim, coisa que hoje ele não faz mais.”

    Como não faz mais? Na entrevista com o padre Paulo Ricardo ele zombou da participação dos fiéis leigos na missa tradicional ao falar que antigamente o fiel na Igreja só ocupava as posiçoes sentado, ajoelhado e em pé. Era uma referência á Missa Tradicional sob a ótica deturpada da tal participação afetuosa.

    O problema que devemos ver não é só a questão política, como o apoio descarado a Chalita, mas principalmente a teologia sentimentaloide e modernista (Pe. Fabio de Melo com seu ‘consultório psicológico), imodéstia no vestuário (as mulheres quase todas usam calças jeans apertadíssimas) e pentecostalismo exacerbado de alguns. Acho que o post está muito bom por falar num sistema e alertar para a ingenuidade dos católicos.

  18. Parem de falar mal de Catolicos pois o mundo já faz isto se é carismatico ou gosta de Missa Tridentina.
    Rezem rezem rezem pois somente o bem prevalecera.
    Enquando estamos aqui falando de Catolicos o mundo esta gostando.
    Voces querem santos na terra calma Santos só no altar depois de morto
    Este site é bom porem é muito tendencioso.
    E voces leitores parem de falar mal de outro catolico reze e jejuem por eles.
    E se mesmo assim se ” o mal do mundo os carismaticos” continuarem a pretubar voces fazem promessa para os santos e Deus para eles todos morrem.

    Deus abençoe voces e Nossa Senhora os proteja.

  19. Se a Missa foi celebrada com respeito e reverência, não há problemas. A Graça de Deus para a conversão, é enviada conforme os desígnios da Providência Divina. Agora, se nem todos cooperam e não se convertem, isso já é outra estória.
    E outra: o fato de um sacerdote ter celebrado uma Missa Tridentina para alguns membros da Canção Nova não confere a esta um atestado de saúde para a sua raiz apodrecida pelo protestantismo. O mais coerente é entender que esses “alguns membros” estão mais abertos para a conversão e saída da pordridão do modernismo que flagela a Fé.

  20. Tamara,

    Esse roll de erros exemplifica bem a mentalidade da CN. O povo foca só no Chalita mas se esquece que muito antes dele vem a distorção da fé, como você bem enumerou. Muito bom você ter descrito essa lista de heresias.

    Claro que a missa tridentina celebrada piedosamente só faz bem, mas não podemos achar que com ela a CN virou uma TV ortodoxa.

  21. Tamara,

    O que esse “cidadão” está fazendo ainda na Igreja com tantas aberrações sendo ditas?

  22. Diante disso tudo,em nossas dioceses juovens de verdade vao aprendendo o verdadeiro sentido da Igreja, da Santa Missa. Não ficam presos a “massa” protestante. Quanto ao P. Paulo Ricardo e o P. Demetrio a presença na Comunidade Canção Nova pode ajudar a alinhar algumas coisas, mas infelizmente isso durará pouco. Sejamos realista que ela transmita a Missa no rito extraordinario, muitos Bispos e Padres continuarao perseguindo a Santa Missa no rito antigo. Não é uma imagem de TV que assegura a fidelidade a tradição da Igreja; E so para completar: Alguns bispos só gostam da CN de fachada. Outros nem la pisam e em suas dioceses sultimente destilam veneno. Isso é fato!

  23. Acho pobre, pra não dizer “podre”, querer ironizar que a Canção Nova se tornou mais tradicionail em ter celebrado a Missa no rito tridentino. Este não foi o interesse da comunidade nem de ninguém por lá. Pe Demétrio e Pe. Paulo Ricardo estão fazendo um trabalho de “formiguinha”, indo aos poucos. Alguns pretenciosos que são queriam o que: que num passe de mágicas todos os erros fossem extirpados de dentro da comunidade? As coisas não acontecem assim! Vocês vivem no mundo cor-de-rosa da Alice?

    Eu dou graças a Deus pelo esforço destes sacerdotes e pelo monsenhor Jonas Abib que pelo que temos visto tem tido boa vontade e aberto espaço para a liturgia tradicional. Enquanto uns só abrem a boca pra criticar, outros estãos pondo a mão na massa.

    Façam alguma coisa vocês também nas suas paróquias e parem de ficar reclamando de tudo.

  24. Fratres in unum com uma análise perfeita da situação. Parabéns por este editorial.

  25. Pessoal, talvez não saibamos avaliar o valor que tal acontecimento possa ter para a Tradição no Brasil.

    Não estou dizendo que a Canção Nova mudou, tampouco que ela deseje mudar.

    No entanto, pergunto: quantos de nós não descobriram a Missa Tridentina por acaso, por curiosidade, ou por ouvir falar dela? Quantos não começaram seus passos na direção da Tradição Católica ao tomarem conhecimento da Missa Tradicional? Ao saberem que ela ainda é celebrada em alguns lugares, e estudarem a respeito?

    Além disso, eis um grande argumento para acabarmos com a acusação de sermos saudosistas, medievais, ou congelados no tempo. Eis uma defesa contra os que dizem – especialmente os Bispos – que a Missa Tridentina irá dividir a Diocese ou causar conflitos. Eis um excelente chamariz para as pessoas que nunca tiveram conhecimento, nunca viram, e que sustentam um preconceito ignorante em relação a Missa Tridentina. Imaginem o dia em que ela for transmitida: quem poderá dizer que ela é a Missa dos Radicais-Tradicionalistas, se até na carismática Canção Nova ela é rezada? Que argumento os Bispos terão para rejeitá-la?

    Ao Padre e aos que viabilizaram a Missa Tridentina na Canção Nova, meus cumprimentos. É como hastear a bandeira no meio do território inimigo: não é a vitória propriamente dita, mas pode muito bem ser o seu prelúdio.

    Aos que criticaram gratuitamente, espero que nas suas Dioceses e Paróquias a Missa Tridentina seja rezada regularmente em todos os Domingos, em todos os horários. Caso contrário, saiam da frente da tela do computador e tratem de trabalhar para que ela seja celebrada em cada vez mais lugares.

    Ou pelo menos saúdem as pequenas vitórias alheias.

  26. Aquele de mão dadas com o Chalia não é o Bispo D. Antonio Augusto do Opus Dei? Não vou dizer nada, pois não tenho certeza, mas se for…

  27. A ‘canção nova’ (SIC) é igual a um carro roubado que deu pt. Aí vem um funileiro: taca massa, lasca solda, troca o carpete, nova pintura, novo motor…. aparece um trouxa e compra!

  28. A citação da Tmara Di Maio é minha na verdade somos amigos e ela leu o que eu relatei faz alguns meses ; na verdade o program foi na rede vida mas vai no espírito da CN também.Ale´m disso tenho outra para contar:

    Assitia eu a tv Canção Nova dia 13 /07 /2012 ; o programa era “Em pauta” apresentado por Pe Hamilton sempre com a participação do Frei Moser da OFM , presidente da editora vozes.

    Eu venho vendo a tempo mudanças graves na CN em relação a postura e discurso.Ontem tive certeza de que ela foi invadida por revolucionarios de plantão.

    O Em Pauta de ontem versava sobre a Rio mais vinte com um convidado especial o professor da UFMG, Apolo Heringer , ambientalista ligado ao movimento ecológico interncional que como sabemos defende a substituição dos 10 mandamentos pela carta da terra como nova base legal para o ocidente..O tal professor recebeu total apoio do padre e do frei quando defendeu ” uma nova consciencia que coloque o meio ambiente no centro das preocupações ” para criar uma nova civilização baseada na ecologia …defendeu que as ongs sejam um intrumento da revolução mundial verde contra os países capitalistas…Frei Moser interviu e disse que São Francisco de Assis foi o 1 ambientalista da História….o professor retrucou que é necessário criar um novo sistema produtivo baseado no coletivismo[ socialismo diga-se] e na harmonia com a natureza no que o padre e o frei concordaram…frei Moser anda disse ” mas para mudar o sitema produtivo tem que mudar a consciencia das pessoas “[ o que ele defende é a revolução cultural de Gramsci ] e ainda destacou o papel fulcral da Igreja nisso…para terminar o Padre Hamilton ainda indicou o livro de Enrique Leff , intelectual que defende a criação de uma utopia verde….definitivamente a CN comprou a ideologia verde que há anos atrás era denunciada por Pe Leo , falecido e de feliz memória , como arma da nova era para destruir a fé cristã-católica….Pe Leo deve estar se revirando no céu !

  29. Que o senhor Eduardo Benes funde a “Igreja Católica Sorocabana”,então.
    De Católico Apostólico Romano,esse senhor não tem nada!!!!

  30. Penso que o editorial olhou os “fatos isolados” com olhos de quem não tem fé, pois este fato isolado pode estar sinalizando alguma coisa que espiritualmente está acontecendo na CN: alguns membros estão descobrindo a beleza e o valor da liturgia verdadeiramente católica. Rezemos para que o Espírito Santo leve os homens de boa vontade ao conhecimento e aprofundamento da verdade católica!

  31. O que me azeitou mais no episódio foi a ovação da ala neoconservadora à Canção Nova pela “concessão” – de um cômodo adaptado dentro do conglomerado, mas “concessão”! – para a celebração da Missa: “GRANDE PASSO”, entoou o Salvem a liturgia.

    Creio que a insistência nas redes sociais por parte dos amigos do Padre Demétrio é para que o Rito se fizesse TRANSMITIR e ficar conhecido. Nós, os “católicos da internet” de acordo com os mesmos neocons, já conhecemos o Rito tanto pelo Youtube quanto pelas nossas férias nas quais pegamos estrada para frequentá-lo. O Rito sagrado na TV aberta, como elucidou o Editorial, poderia resolver certas coisas, como a resistência anti-Roma nas dioceses. Mas não! A Canção Nova cede uma “SALINHA” e estes senhores se curvam emocionados! A candeia foi acesa, mas foi posta embaixo da cama, e não em lugar visível que alumiasse a casa.

    Grande passo de um gigante sentado… Domingo se Deus quiser vou dar um passo de 400 km em direção à Santa Missa e acredito que meu passo será maior que o da Canção Nova!

  32. Um sucessor dos apostólos disse isso ? Miserere nobis

  33. CANÇÃO NOVA, não me engana que eu não gosto.. Uma Santa Missa Verdadeira , Milagres acontecem.

    Estamos felizes e torcendo para não ficar só nesta santa Missa.

    CANÇÃO NOVA, é preciso continuar o processo de Conversão e abandonar de vez o Protestantismo disfarçado de Catolicismo e o processo vergonhoso de DEMOLIÇÃO DA IGREJA CATÓLICA no Brasil e por onde você passa..

  34. Do mesmo jeito que São Luis Maria Grignon de Montfort tem a sua oração abrasada, com minha experiencia de ter frequentado a “igreja Católica”, rogo à Nossa Senhora:

    Vós ò Senhora que sois Mãe de Deus, vendo seu filho flagelado e coroado de espinhos, tendo que passar por um outro calvário, como fora descrito nas páginas por sua fiel filha Santa Faustina kowalska, sendo bela como a lua e brilhante como sol e terrível como um exercito em ordem de batalha, vendo tudo isso ai de cima nada faz. Eu que vi pessoas ainda inocentes sendo convertidas ao homossexualismo por pessoas que se diziam serem católicos, vi pessoas abandonando a Igreja católica e virando espiritas e evangelicos porque lá existe pecado, paraíso e inferno enquanto que nada das verdades absolutas é ensinada na igreja católica de hoje que é a soma de todas as heresias, e muitas coisas mais que seria extenso enumerar, me tomo da boa ira de que fala Santo Tomas de Aquino, e se pudesse castigaria a humanidade pelos seus crimes. Até uma mãe mundana vendo seu filho ser atacado por serpentes menores que as que atacam o corpo mistico de seu Divino Filho teriam atitudes mais enérgicas e vós se mantem inerte enquanto os fariseus vão festejar a perda da terça parte do rebanho católico. A igreja militante não mais existe. E a perda eterna de incontáveis almas, que odiarão eternamente vossa bondade e de vosso filho por todos os séculos.

    Sabemos que tudo isto ocorre porque não utilizamos das armas dada por vós em Fátima, mas não deixe mais que seu filho sofra outro calvário. Castigue a nós que merecemos. Faça como na segunda guerra mundial, o segundo castigo previsto em Fátima, destrua a humanidade como fez em sodoma e gomorra. Mas peço, não deixe que gente asquerosa como o Padre Fábio de Melo defensor de casamento homossexual seja o padre mais conhecido do rebanho católico, dê nos um São Maximiliano Maria Kolbe, ou então eu sucumbirei às tentações do demônio mais uma vez e acabarei por pensar que vós Senhora, gosta das flagelações destes fariseus e deixando o Divino Infante sozinho, entra na missa nova sem a modestia e o véu hoje esquecidos, abanando os braços e pulando, mexendo o corpo, pega a comunhão na mão e dizendo “canção Nova é bom demais”.

  35. Senhorita Tamara, permita-me perguntar:

    Não vomitou ao ouvir essas heresias clamorosas nojentas ?

  36. Bravo!!!Palavras diretas e realistas!!! Não nos esqueçamos: o disfarce é uma especialidade do demônio.

  37. Pois é, Missa de Sempre, num puxadinho qualquer de uma mega-estrutura, sem a presença da cúpula! Sim, quem honestidade percebeu que o editorial não critica “o trabalho de formiguinha” do Pe. Demétrio, mas critica sim quem vê uma coisa tradicional e grita “Extra! Extra!”.

    Odeio atitudes – não as pessoas – que fazem da luta de Dom Lefebvre uma vitória como se fossem deles. Se não fosse Dom Marcel não haveria mais Missa de Sempre e agora querem fazer de outrem os louros dele. Querem chamar os méritos pra si, méritos que nem Dom Marcel chamou pra ele próprio.

    Realizem quantos trabalhos de formiguinhas quiserem; digam que “vivemos no mundo de Alice no país das maravilhas” quando nos imputam que queremos a conversão imediata da CN, porque isso seria ingenuidade. Ora, rezo pra isso sim, que de imediato se convertam, seria ótimo! Qual é o problema disso? Nenhum! Só há problema para quem quer seguir a linha neoconservadora e essa onda na internet de “passo a passo” acima de tudo e a qualquer custo.

    Aliás, quem mais tem o direito de falar do trabalho de formiguinha é Dom Marcel, porque ele fez assim, com paciência e levando pequenos torrões de açúcar para fazer um belo pote do mais doce mel, portanto, não criticamos o método, criticamos sim o anestésico para consciências ingênuas!

    Pois é, o editorial do Fratres é ruim não pelo conteúdo, é “ruim” porque não segue a linha dos blogs que se corroem por não terem a metade dos acessos que tem o Fratres e que vivem dizendo “Deo Gratias” para qualquer ventinho de tradicionalismo dentro de um barril de veneno!

    Não temas, pequeno rebanho!

  38. Engraçado como estes padres modernistas-liberais fazem questão de, ao rezar a Missa de sempre, defender a Missa de Paulo VI nas pregações (segundo o comentário do “Galvao” acima, e eu conheço outros exemplos)…
    Engraçado é que eu nunca vi um padre presidindo a Missa nova e defendendo a Missa católica (de Pio V).
    Como classificamos aqueles que defendem aquilo que não precisa ser defendido e chutam aquele que já está caído?

    Quanto ao Pe. Demétrio, faço a ele um pedido pessoal:
    PELO AMOR DE NOSSO SENHOR, celebre a Missa tridentina para nós: católicos ao redor do Brasil, nos interiores dos Estados, escondidos nas catacumbas de suas Dioceses, deixados às margens da Igreja pelo Clero local; nós, que temos fome do Pão do Céu, celebrado dignamente na Missa de Sempre.
    A Canção Nova não precisa de uma Missa no rito extraordinário, afinal eles já têm o que querem: Pe. Fábio, Chalita, Dunga, Dengoso, Atchim, Soneca; oração em línguas, repouso no espírito, axé, funk, rock, hip-hop “católicos”, etc.

  39. Luis Ruzisca: “Voces querem santos na terra calma Santos só no altar depois de morto”.

    Santos só estão no altar porque foram santos na terra, se não sabe disso, é melhor estudar muito ainda.

    Além disso, este blog, não é “tendencioso”, ele é afirmativo e imperativo, pois, tem compromisso com a Verdade. Aqui só estão, os que buscam a verdade, quem quer se enganar ou enganar não se encaixa.

  40. Não é UMA Missa Tradicional que vai mudar o viés teológico todo equivocado e heretico deles – e se lá tem 2 ou 3 cérebros valorosos nunca os vimos falar clara e abertamente contra as aberrações doutrinais que saem dali,ou seja, não estão fazendo a menor diferença…

    Desculpe Rafael pela falta dos créditos!

  41. Rafael, tem como acharmos esta entrevista de Dom Benes, seja em video ou descrição? Ela contém muitas pérolas…

  42. Sra. Tamara,

    Sinceramente vou te dizer uma coisa não consegui ler tudo o que voce escreveu eu senti um mal estar horrível. Meu Deus só tem uma explicação acredito que o espírito de satanás fala pela boca de “alguns” pregadores carismáticos.

    E quanto a canção nova, pra mim perdeu toda a credibilidade desde que seus dirigentes, Etto e companheiros , calaram a boca do Padre José Augusto por este apresentar o ensinamento da Igreja Católica com relação ao Aborto … triste !!!!

  43. É bastante comentário para eu ler todos, então vou tentar me restringir à postagem. Embora, ao contrário do autor do blog e de muitos leitores, eu considere a forma ordinária do rito romano algo muito positivo para a Igreja e para a evangelização no mundo atual, fico feliz em ver o missal de 1962 sendo usado na Canção Nova. Também tenho minhas críticas à comunidade e a algumas coisas absurdas que já vi em homilias na TV (verdadeiros atentados à verdade e distorções absurdas no discurso, que levam o fiel a uma posição que, se não for errada por si, é fruto de um engano deliberado pelo presbítero). Ao contrário de outros, tenho até certa admiração pelo Pe. Fábio de Melo, que, mesmo na TV Canção Nova, adere à doutrina da Igreja, inclusive à doutrina social e pronunciamentos ordinários dos papas João Paulo II e Bento XVI.

    Porém, como disse, temo que a Canção Nova por vezes afaste os fiéis da doutrina católica, seja por discursos enganosos de alguns membros, seja por um neopentecostalismo que vai além da aceitação do Espírito Santo, chegando a incutir em alguns fiéis a busca deliberada por determinados carismas, especialmente a oração em línguas (nunca vi seguirem o conselho de São Paulo em I Coríntios 14, especialmente o versículo 27). Há quem queira o carisma, mas se esqueça da prática da virtude…

    Talvez tivesse havido no século passado algum arrefecimento do testemunho da ação do Espírito Santo dentro da Igreja Católica – não sou testemunha desse arrefecimento, mas sei como é difícil falar de Deus num mundo cada vez mais inclinado às coisas materiais e menos propício às espirituais. Certamente a fé de muitos católicos esfriou diante de tantas exigências mundanas a respeito de possuir bens e também de gozar da liberdade de se tornar escravo do pecado. Porém, Deus não se afastou da Igreja. O Espírito Santo continua a habitar os fiéis e a de modo especial colaborar com os bispos, o Sacrifício Eucarístico continua em cada Missa, e nele toda vez o próprio Deus Vivo se sacrifica em nosso lugar para a propiciação dos nossos pecados. Continuamos a crer no que diz o símbolo dos apóstolos e o niceno-constantinopolitano, não continuamos? Continuamos a crer nos ensinamentos conciliares, não continuamos? Se acreditamos nisso (e agimos em conformidade), nos abrimos à ação de Deus, e Deus age em nós, mesmo que não recebamos este ou aquele carisma, nem tenhamos um programa de televisão.

    Eu respeito a Canção Nova, pois acredito na catolicidade da Igreja. Eu respeito os que aderem à forma extraordinária do rito romano e também os que pela tradição utilizam os outros ritos aprovados. Eu gosto da nova forma, ordinária, do rito romano, pois permite a todos os fiéis participar dos sacramentos não apenas com o corpo, mas com a vontade e a razão. Quanto à Canção Nova, quem sabe essa missa ajude a que volte seus olhos para a Igreja, inclusive para aquelas partes da doutrina que não agradam a muitos de seus líderes.

  44. Junior a entrevista foi ao ar faz uns dois meses creio que só entrando em contato com a rede vida poderíamos conseguir o material pois não acei nada na internet.Entrnado em contato com eles certamente conseguiríamos.

  45. Atitudes como estas que a CN tem, só mostra o quão superficial são os fundamentos que ela possui.
    Gostei muito do comentário do Eduardo Gregoriano. Sobre isto gostaria de fazer um comentário, da qual aceitarei de bom grado as opiniões de vocês:
    Tenho a impressão de que, ultimamente, o grande tema na Igreja é o tradicionalismo. Digo isto porque inúmeros blogs vem surgindo dia após dia sobre este assunto. O que mais comprova esta minha tese é ver colegas que oravam em línguas, posarem de membros de associações em defesa da sacralidade, respeito às rubricas litúrgicas e da ortodoxia.
    Minha opinião é que, diante do aumento de pessoas interessadas neste tema, a CN está aproveitando a onda. Infelizmente ela usa de pessoas idôneas e com bons propósitos (como o Pe. Demétrio), para apaziguar os ânimos daqueles que estão constantemente denunciando as graves ofensas cometidas pela CN à Igreja (Fratres).
    Se a CN estivesse realmente interessada em promover a tão querida “Reforma da Reforma” que muitos blogs vem profetizando por aí, ou uma aproximação com a “ala conservadora” da Igreja, ela teria dado uma maior destaque à missa do dia 15.07 em primeiro lugar (e depois repensar suas atitudes em relação ao governo PT).

  46. Eduardo Gregoriano, mas quem pode dizer que a atitude do Pe. Demétrio ou da comunidade foi um anestésico pra consciências ingênuas? Me levaria muito a crer nisso se o canal de TV CN fizesse um alarde com isso.. mas nem noticiou, tampouco transmitiu ao vivo. Aliás, na CN a Santa Missa já há um bom tempo transmite o rito maronita.

    Seu comentário me parece muito infantil. Ainda que a CN transmitisse o rito tridentino não seria para agradar os tradicionalistas.. por acaso fez omesmo com os do rito maronita? Faça o favor de não exagerar.

  47. há muitas coisas boas na Canção Nova: As transmissões de posse de bispo pelo Brasil, transmissões internacionais, escola da Fé e Padre paulo Ricardo, no entanto há outros programas que só por Deus.

  48. Muito prezado Leandro Arndt, a sua dissertação sobre os prós e contras da CN são bem interessantes. Só que caem no mesmo erro deles. Essa balela de dizer que houve um arrefecimento da ação do Espírito Santo na Igreja é uma blasfêmia contra nosso Senhor, que mantém ininterruptamente a mesma ação santificadora da Redenção através de TODOS os Sacramentos e assiste a Hierarquia com Suas luzes. Essa maluquice quem inventou foram os invejosos dos protestantes que trouxeram para a Igreja esse pentecostalismo herético e exotérico chamado carismatismo. Até seu nome oficial é pretensioso: Renovação Carismática Católica, e afins, como Canção Nova, Neo Catecumenato, Focolares, etc. Todos seguem o mesmo erro protestante de que, em algum momento, a Igreja sofreu um desvio qualquer daquela criada por nosso Senhor (a época preferida é a Idade Média, mas tem outros que retroagem até aos primeiros Papas depois de S. Pedro). É heresia e blasfêmia.

    Analise os contra e fique com a Igreja de sempre com todos os Papas e Magistério.

    Alguém aqui disse que o Prof. Felipe Aquino tem mudado. Isso é fato, só que ele só “prega” diferente porque o Santo Padre Bento XVI afirmou tudo aquilo que antes o Dr. Aquino negava.

    Acertou quem detectou que os padres birritualistas servem mais à missa nova do que à tradicional. Chega a ser bizarra a afirmação de que celebram corretamente a Missa de Paulo VI. O máximo que se pode admitir é celebrarem, mesmo a missa nova, mas na intenção de fazer o que a Igreja quer com o Santo Sacrifício da Missa, ou seja, alcançar os fins Latreutico, Propiciatório, Impetratório e Eucaristico. Se for essa balela da “participação ativa”, “distribuição de funções entre os batizados”, “celebrar a Páscoa dos redimidos”, “assembléia celebrante com um ministro principal”, etc. e demais termos fartamente divulgados nos folhetos de Missa (Sic!), é obra da anti-Igreja, da Igreja nova.

  49. Eu gosto da nova forma, ordinária, do rito romano, pois permite a todos os fiéis participar dos sacramentos não apenas com o corpo, mas com a vontade e a razão.
    Em dom de espanto!

  50. Se é um grande passo celebrar Missa Tridentina na “cn” (SIC), esse passo foi dado pelo Padre Roberto Lettieri, o mesmo padre que detonou o celeiro e teve um sermão EDITADO! Podem televisionar a Missa Tridentina de qualquer padre, mas o primeiro GRANDE passo foi dado pelo padre Lettieri, ok?

    Podem tacar o reboco tridentino que for, a ‘cn’ continua a cada dia espalhando o catogelicismo pelo ar. Neste país ainda há liberdade de expressão, ninguém é obrigado a dar vivas à “cn” (SIC) e melhor de tudo, cada um paga suas contas e usa seu pc como quer.

  51. Ana Maria Nunes
    julho 24, 2012 às 9:21 pm
    A ‘canção nova’ (SIC) é igual a um carro roubado que deu pt. Aí vem um funileiro: taca massa, lasca solda, troca o carpete, nova pintura, novo motor…. aparece um trouxa e compra!

    e número do chassis (doutrina) adulterado.

  52. Antonio Maria Ribeiro Tavares, por favor leia novamente o que escrevi – falei apenas de arrefecimento do testemunho da ação do Espírito Santo, e não da ação em si. Aliás, não participo e não me imagino participando da RCC ou dos outros movimentos que você citou, justamente porque há uma tendência neles de “apropriação” do Espírito de Deus.

    Ana Maria Nunes, falei apenas que a forma ordinária do rito romano facilita à alma (com suas faculdades: razão, vontade e memória) a participação nos sacramentos. Não entendo todo esse seu “espanto”.

  53. Leandro Arndt , a missa ordinária, é ordinária! A Extraordinária, É Extraordinária mesmo que venha com um sermão ordinário. O que me deu espanto na sua colocação é que, da forma que vc escreveu a Missa de fato Extraordinária, dificulta à alma a alguma coisa! É espantoso pq A Missa Extraordinária DEU a Igreja muitossssssss santos!

    A missa ordinária que facilita tudo (SIC) deu o quê pra Igreja? Deu a crise que vivemos! missa show, padres fashions, alucinação geral do povo gritando santo súbito pra qualquer um, agora até mãe que n faz mais que SUA obrigação dizem que é santa. É tudo muito ordinário.

    Facilita à alma a quê a missa ordinária? A pecar! somente isso. Mulheres e moças vestidas como prostitutas sobem ao plesbitério para ler as escrituras. Padres fazendo homilias pró homoafetividade, camisinha e aborto!!! Estou sendo básica, hein?!

    Dom Raimundo Damasceno, ano passado, foi massacrado numa entrevista na BAND pq ele n soube explicar o pq n há vocações na Igreja hoje. Ele teve que admitir, n sabia o pq. Então se é questão de gosto, vcs gostam e está aí a missa ordinária. Se dizem que facilita, estão ai as facilidades. Agora pergunto: pq os seminários e conventos estão vazios? Pq os católicos tendo seus gostos e facilidades, só ficam em tuitaço por cachorro e n fizeram nada contra a aprovação da lei de assassinato dos anencéfalos? Pq os filhos dos católicos da missa ordinária dançam e cantam funk e os Católicos pequenos da Missa Extraordinário cantam Kyrie eleison? Pq os filhos dos católicos que dizem está em plena comunhão com a Igreja, pedem aos pais que comprem a roupa da moda da novela e meu filho está no meu pé pq quer que eu costure uma batina e uma túnica de cruzado para ele?

    Basicamente é este meu espanto com a sua afirmação!

  54. Jorge Feitoza, é verdade esqueci do chassis adulterado, obrigada!

  55. Ana Maria, até parece que antes do Novus Ordo Missae não havia devassos! Tudo aconteceu de repente, parece até que a devassidão é uma particularidade do vernáculo! Isso pode até caber em sua cosmovisão, mas não oferece nenhuma explicação para qualquer fenômeno. O Kyrie? Visite uma família luterana e você poderá encontrá-lo…

    Santidade e pecaminosidade não são particularidades de uma ou de outra forma, nem de seus praticantes. Você já pensou em falhas na catequese? Já pensou que antes não existia funk? Já pensou que a mesma família poderia assistir sempre à forma ordinária e ser exatamente igual? Parece-me uma saída fácil colocar a culpa de tudo numa mudança da forma ritual e esquecer que não vivemos exclusivamente de missa em missa.

    Há tantos ritos diferentes na Igreja Católica Apostólica Romana, e nos digladiamos por causa da forma de um desses ritos?

  56. Leandro Arndt
    Ana Maria, até parece que antes do Novus Ordo Missae não havia devassos!
    Haviam sim, mas eram expulsos por Papas santos. E hoje? Hoje os devassos assumem o comando por ordem do papa.

    Tudo aconteceu de repente, parece até que a devassidão é uma particularidade do vernáculo! Isso pode até caber em sua cosmovisão, mas não oferece nenhuma explicação para qualquer fenômeno.
    Nada aconteceu de repente, foram mais de 300 anos que a maçonaria ficou esperando o momento certo e deu o bote. Agora, se a cosmovisão dos ordinários se iguala a da maçonaria, lamento!

    O Kyrie? Visite uma família luterana e você poderá encontrá-lo…
    O que há de bom nos hereges foi copiado dos Católicos, já dizia Santo Agostinho. Mas me diga aí, qual papa fez encontros, rezou ou recebeu sinal de hereges ou pagãos? Isso pode caber na sua cosmovisão, mas n oferece nenhum explicação Católica, não é mesmo?

    Você já pensou em falhas na catequese?
    Tenho certeza, n é pensamento.
    Já pensou que antes não existia funk? Já pensou que a mesma família poderia assistir sempre à forma ordinária e ser exatamente igual?
    Já leu sobre a vida de São João Maria Vianney? Converteu uma cidade inteira, de fato n tinha funk, mas tinha os bailes. Imagine! Para ter chegado na ordinária Leandro, foram mais de mil seminaristas colocados nos seminários para a revolução.
    Parece-me uma saída fácil colocar a culpa de tudo numa mudança da forma ritual e esquecer que não vivemos exclusivamente de missa em missa.
    Se o Católico n vive de Missa, vive de quê? Vive de ecumenismo em ecumenismo?
    N estou me degladiando com vc, respondi a sua pergunta do pq do meu espanto. Mas, a minha resposta n cabe na sua cosmovisão e, continuo a achar espantosa a sua colocação pq n demonstrou nenhuma explicação lógica do pq na Missa Extraordinária n participaríamos com vontade e razão, além de corpo presente. Desejo a vc e aos seus graça e paz!

    • Minha cara, eu não disse que a participação não ocorre na forma extraordinária, mas que é facilitada pela forma ordinária para a maioria das pessoas. Com relação ao resto, parece-me uma visão muito simplista (e um tanto conspiratória) de tudo o que acontece. O que eu disse sobre viver “exclusivamente de missa em missa”, permita-me explicar, é que o católico vive em um mundo dominado por uma visão secularista e desumanizadora. Viver a fé e a humanidade feita à imagem e semelhança de Deus é bastante difícil, especialmente quando todos dizem que ser “humano” é desprezar o ser humano e a vontade divina para a criação. Graça e paz a você e aos seus também!