CNBB genial: “Creio na rapaziada que segue em frente e segura o rojão”!

Tem coisas que só a CNBB faz por você, caro leitor. Por isso, o brilhantismo dos organizadores do “Caminhando para a JMJ 2013 – Subsídio para adultos“, das Edições CNBB, merece ser reconhecido. A pérola que apresentamos logo abaixo explicará o porquê.

Rapaziada que segue em frente e segura o rojão.

Rapaziada que segue em frente e segura o rojão.

Claro, ninguém costuma ler tais verborréias — justamente por isso os autores se sentem tão à vontade para redigir essas obras-primas com a chancela da CNBB.

Mas, quando nos deparemos com peças de tamanha criatividade, é preciso reconhecer: CNBB, dessa vez vocês se superaram.

Que sejam destacados os nomes do diretor editorial, Monsenhor Jamil Alvez de Souza, e do organizador da publicação, Padre Antonio Ramos do Prado, SDB. Mas devem ser reconhecidos, sobretudo, os senhores bispos que apresentam a edição: Dom Leonardo Steiner, secretário geral da CNBB (aquele que recebeu os seus companheiros de causa chineses e que acredita não ser o momento de condenar o aborto), e Dom Eduardo Pinheiro da Silva, SBD, responsável pela juventude na CNBB (duas imagens — aqui e aqui — dizem mais que mil palavras).

Poucos conseguiriam ser mais ridículos, por isso pedimos permissão para expressar o nosso mais profundo reconhecimento: os senhores são uma vergonha para a Igreja e para os jovens Católicos.

Não tivemos paciência para ler a 88 páginas de besteirol — quem a tiver, queira destacar outras aberrações na caixa de comentários. Publicamos, assim, o “Credo da Juventude“, apresentado na página 31 do suicídio subsídio:

Creio na juventude que busca o novo, que espera o amanhã melhor e sonha sonhos de crianças.

Creio no jovem e na jovem que sabe o que quer, que enfrenta firme a luta, que não foge da raia.

Creio na rapaziada que segue em frente e segura o rojão.

Creio no jovem que descobre o valor de vivermos como irmãos e irmãs e que busca a comunidade.

Creio que todos os jovens e todas as jovens sabem dizer sim e também dizer não.

Creio na juventude que sempre se reúne para partilhar a vida.

Creio nos jovens e nas jovens da Comunidade, do campo, da escola, da periferia, que sabem viver o amor em sua realidade.

Creio em nossa caminhada rumo à nova sociedade, onde todos e todas seremos irmãos e irmãs.

Creio na força do jovem e da jovem que sorri, canta, dança, chora, namora, espera e faz o novo amanhã.

Creio no Deus Pai e Mãe, Libertador, e em todo jovem e toda jovem que sonha com seu Reino de Amor.

Creio no Cristo Jovem, que fez a vontade de Deus e viveu com muito amor.

Creio no Espírito Santo, que com o fogo do amor anima toda a juventude na busca do Libertador.

Creio em Maria, mulher de dor e alegria, mãe nossa querida, de todos os jovens e de todas as jovens que na vida redescobrem seu valor.

Cremos que só com fé, força e confiança chegaremos ao Reino de Deus e do povo. Amém!

54 Comentários to “CNBB genial: “Creio na rapaziada que segue em frente e segura o rojão”!”

  1. Encontrei na internet os inspiradores da CNBB. Seguem fotos da rapaziada que segue em frente e segura o rojão:

     

  2. Espero que o autor daquela música que intitula o post não processe a Igreja por plágio ou algo que o valha… Mentira. Espero que sim.

    Eu, sinceramente, não vou perder tempo lendo as 88 páginas. Nem mesmo uma. Sêneca dizia que não devemos encher nossa mente de lixo, pois vai chegar um momento em que não saberemos diferenciar o que presta do que não presta.

    Nem vou comentar o pouco que foi publicado pq é tudo lixo, vômito do mais ‘genuíno’ brega (na parte musical) e da primavera conciliar (na parte religiosa), mas há algo que me perturbou em particular: “Creio no Deus Pai e Mãe”… desculpem minha imensa ignorância em teologia, religião e todas as ciências que lhe dizem respeito, mas… isso não era heresia?

    No mais, que Deus tenha misericórdia de nós, sobretudo qdo nos calamos. Por isso, devo, publicamente. parabenizar o Fratres por dizer, publicamente: “os senhores são uma vergonha para a Igreja e para os jovens Católicos”.

    Há quem me avise para evitar de ler (e de comentar) o Fratres, por algumas variadas razões, mas é de justiça reconhecer qdo alguém faz o que deve ser feito.

    PS: Já adiantando e respondendo a um comentário (hipócrita) que li um dia desse: eu informo o meu blog não por proselitismo… mas por dois motivos: 1) mais simples: pq há um campo para isso (deeeeer) e 2) pq fazer juízo temerário a respeito dos outros é, no mínimo… feio. ;)

  3. Querem apostar que vai aparecer alguns moderninhos dizendo que não viram nada demais nessas palavras?

  4. “Creio no Deus Pai e Mãe” é de ARREPIAR OS CABELOS!!!!!!!
    Onde nós estamos?
    Gente séria e de fé: joelho no chão porque o Apocalipse começou.
    P.S.- Giulia d’Amore: você é engraçada e destemida. Admiro muito gente como você. Que história
    é essa de não ler nem comentar o Frates. Coisa mais esdrúxula…

  5. Adriano, me ensina a colocar foto no comentário. Cadê essa opção??

  6. Minha gente, o lindo disso tudo vai ser ler os comentários dos ‘façes ordinárias’ antigos ‘plena’. Outra dia um disse que precisávamos rezar por um conclave, achei lindo, dei print!

  7. CREDO! Esse credo além de ridículo, não tem qualquer força persuasiva. A maioria dos jovens, sobretudo os jovens de classe média alta, que lerem isso vão rir com deboche disso tudo ou pior vão sentir desprezo por isso.
    Isso me fez lembrar de uma música que sábado passado eu ouvi no rádio ao ligá-lo e de certa forma traduz o materialismo e o hedonismo da juventude brasileira.

    “Somos os filhos da revolução
    Somos burgueses sem religião
    Somos o futuro da nação
    Geração Coca-Cola”

    http://letras.mus.br/legiao-urbana/45051/

    Eu não sou fã de Legião Urbana. Até deploro a maioria das músicas deles, mas essa música me levou a pensar em uma grande verdade. Por isso, o Brasil está nessa situação deplorável em que se encontra. Uma juventude que não tem religião, ou seja, não tem Deus, só pode fazer coisas más. Mas não é com o marxismo ou o comunismo que se vai curar o materialismo e o hedonismo dos jovens e dos brasileiros em geral. O caminho é a prática das virtudes e o cultivo dos valores cristãos que humanizam as pessoas e consequentemente a sociedade.

  8. Alex Antunes, n se pode mais esperar nada da dita classe média alta (pastoral da juventude é dormada por eles), se pudesse n teríamos JMJ, pq pobre n é que vai nessa balada com o papa.

  9. formada :)

  10. Jesus nunca chamou Deus de mãe, sempre o chamou de Pai. Logo não se deve chamar Deus de mãe. Outra coisa interessante também é que os anjos são chamados com nomes masculinos e representados como figuras masculinas. Chamar a Deus de mãe traz em si uma concepção pagã. É a tal da Mãe natureza, mas que não tem nada a ver com a expressão “mãe terra” usada por São Francisco no cântico das criaturas. No entanto não tenho conhecimentos mais profundos desse assunto.

  11. Você tem razão, Ana Maria. Podemos dizer que a classe média alta brasileira é uma geração perdida, embora possa haver exceções.

  12. Sobre a concepção de um deus feminino, ela pode ser encontrada, por exemplo na Wicca (religião pagã com práticas de magia, me desculpem o pleonasmo, mas algumas pessoas podem ignorar isso).

    Vejam

    O movimento Wicca

    É o caso do poderoso movimento feminista — na realidade uma verdadeira seita satanista — que se apresenta a si mesmo como uma forma de continuação das bruxas e feiticeiras medievais. Trata-se do movimento Wicca palavra inglesa arcáica da qual deriva o moderno vocábulo witch, bruxa. A seita Wicca se define decididamente como pagã e se coloca conscientemente contra o Cristianismo. Venera a Grande Deusa donde provém toda a vida e para onde tudo retorna. Ao lado, ou antes, abaixo dessa Grande Deusa está o poderoso deus cornudo, derivado do princípio feminino, o qual dizem elas, na época de perseguição às bruxas, era identificado com demônio bíblico. Trata-se de um panteísmo de cunho feminino, e não é de admirar que a seita procure vinculações com o movimento feminista e se considere parte integrante e militante dele, por razões religioso-filosóficas. (Anjos e Demônios
    Gustavo Antônio Solímeo – Luiz Sérgio Solímeo)

  13. Ainda sobre essa questão de chamar a Deus de mãe, o que é inadmissível, vejam o que a Wikipédia diz (é claro que nem tudo o que a Wikipédia diz é confiável, mas não deixa de ter alguma importância):

    Conceito de deusa mãe no paganismo

    As religiões pagãs são, no ocidente, aquelas que mais focalizam os cultos em uma Deusa Mãe.
    Na religião Wicca acredita-se em uma força superior, a Grande Divindade, de onde tudo veio. Essa força superior é adorada sob a forma de duas divindades básicas: a Grande Mãe e o Deus Cornífero. Esse Casal Divino representa todos os demais deuses das diversas mitologias adotadas pelos wiccanos. Como algumas tradições wiccanas seguem uma infinidade de Deusas e Deuses, a crença pagã é que todas essas deusas e todos esses deuses são aspectos diferentes da Grande Deusa e do Grande Deus. Daí o ditado da Wicca que diz que “Todas as deusas são uma Deusa e todos os deuses são um Deus (Dualidade cósmica). A Deusa Mãe é a geratriz de Todo o Universo e de tudo o que ele contém, daí a frase: Tudo vem da Deusa e tudo para ela retorna.
    Uma conseqüência do culto à Deusa Mãe na Wicca é a super-valorização da natureza, justificada pela sua ligação à Terra, na forma de Gaia. Além da Terra, outro símbolo muito importante da Deusa é a Lua, onde se manifesta de três maneiras, na forma de Deusa Tríplice, sendo a Lua Cheia associada ao seu aspecto de Deusa Mãe.
    Uma questão que muitas vezes se levanta na Wicca é se A Deusa é mais importante do que O Deus. O que se pode dizer é que é uma discussão inócua. A Deusa e O Deus são de igual importância na Wicca. Embora pareça haver mais enfoque à Deusa, as duas divindades básicas da Wicca são complementares. Não há hierarquia entre elas.

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Deusa_m%C3%A3e

  14. Meu Deus do céu o que é isso !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    É por causa de “padres” dessa qualidade que muitos católicos estão abandonando a Igreja e indo para o protestantismo ou espiritismo , porque lá existem pessoas que apesar de estar vivendo na heresia são mais sérias que esses padres moderninhos e nojentos.. sinto nojo quando vejo uma coisa dessa!!!

    Absurdo e revoltante !!

  15. Não sei quem o fez; mas o Credo já foi objeto de injúrias dessa espécie. Foi um desses sequazes da seita marxista advinda com o Concílio Vaticano II.
    Que crise, hein!

  16. Não é só o “Creio em Deus Pai e Mãe”, não. E o “Reino de Deus e do povo”?
    Rezemos e muito.

  17. “sonha sonhos de crianças” + “partilhar a vida” + “viver o amor” + “nova sociedade” + “busca do Libertador” + “Reino de Deus e do povo” = Movimento Hippie + Iluminismo + Marx + TL.

    CNBB = Foça da Igreja!

    Sabe que é foça? É um buraco cavado no chão, pra onde se destina as fezes e excrementos humanos!

    Já estou farto de gente careta querendo dar uma de “jovem”. Ser jovem não é ser ridículo!

  18. não tive (acho que ninguém tem ou terá) estomago para ler isso tudo, muito menos tempo a perder, porem em uma busca estatística pelo ctrl + F no documento vejamos o que eu encontro:

    Deus – 112 vezes

    Cristo – 72 vezes

    Maria – 15 vezes (afinal eles devem pensar usaram menos ainda na bíblia, eu é que não vou ficar falando dela. pobres almas)

    pecado – 11 vezes (afinal não irão eles gastar o seu parco conhecimento de português para falar de algo que não existe)

    salvação – 4 vezes

    penitencia – 2 vezes (afinal nenhum deles viu nem fez, só ouviu falar. essa mania de copiar refrões
    pega.)

    céu – 1 vez

    arrependimento – 0 (ZERO) vezes (acho que isso eles nunca terão)

    Comunidade – 57 vezes

    partilha – 30 vezes

    povo – 37 vezes

    sociedade – 15 vezes

    reino – 10 vezes

    libertação – 6 vezes

    Dies iræ! dies illa
    Solvet sæclum in favilla

    Quantus tremor est futurus,
    quando judex est venturus,
    cuncta stricte discussurus!

  19. Que juventude? As igrejas estão cheias de velhos da geração de minha avó (mais de 80 anos). As gerações de meus pais (60 anos) de há muito abandonaram a igreja porque as outras religiões falam do paraiso e do inferno. E a minha geração (30 anos) não frequenta a igreja há muito tempo e tem tres cachorros e raramente um filho. E a minha geração já não é mais adolescente nem criança e no entando quando vou a igreja católica parece que ainda sou bebê.

    Se voltasse o tradicionalismo nas igrejas ela ficariam lotadas de fieis.

    E pelo naipe dos Bispos comunas é muito provável que eles queiram transformar os jovens em bichas-Lita.

    Em vez de segurar o rojão não seria melhor segurar o rosário na mão – iniciemos uma campanha então para os jovens católicos para que acendam o rojão direcionando para o Padre fabio de melo que defendeu o casamento homossexual e explodam de vez com os queridinho da canção nova e da CNBB.

  20. “ninguém costuma ler tais verborréias”

    Que grande verdade: ninguém aguenta essas baboseiras! Não há como ler tanta porcaria. Eles ainda conseguem encher 88 páginas!

    Vá ter disposição e tempo sobrando pra isso no Inferno…

  21. Que coisa ensossa esse credo,cheios de palavras vazias que não dizem nada,de uma aridez de dar dó.Parece que foi escrito por uma criança de 10 anos ajudada por um teólogo da libertação. Que tristeza!

    Fiquem com Deus.

    Flavio.

  22. Quanto ao que foi falado de Deus, fiquei com uma curiosidade: é errado dizer que Deus é “Mãe”? Heresia? Há algum documento em que a Igreja trata disso?

    E quanto ao usual: Deus é “homem”, “masculino”? Sim, sei que chamamos Deus de Pai, Senhor, sempre referências masculinas, mas pensei que no fundo Deus não tivesse gênero. O que a Igreja diz disso? E no caso de Deus não ter gênero, é correto nos referirmos a ele no masculino?

    São dúvidas sinceras. Agradeço a quem responder. Deus os abençoe.

  23. “Creio na força do jovem e da jovem que sorri, canta, dança, chora, namora, espera e faz o novo amanhã.”

    Mas isso não é “Liiinnnndooo”!?!?

    rsrsrsrsrsrs(Rindo prá não chorar.)

  24. Desafio aceito. Eis algumas PÉROLAS DOS PORCOS para nós. Coloquei pequenos comentários antes da indicação da página e da citação comprobatória. O documento, meus caros, veio das profundezas do inferno, gravado pelo fogo eterno. E me levou a uma reflexão (palavra tão CNBBística): não quero ir para o inferno, pois não quero ter de aturar a corja da CNBB (como sempre digo: Corja Nauseabunda dos Bispos de Belzebu) por toda eternidade. Seria uma “experiência do próximo” (outro CNBBismo) da qual quero distância. E descobri um argumento teológico-filosófico-matemático-jurídico-linguístico-econômico-social-político para provar a existência do inferno. Se ele não existisse, Deus o teria criado, só para que essa corja tivesse onde habitar e fazer seu reino-presença-entre-os-pobres-de-salvação (mais CNBBismo!), no qual vão realizar a justiça-social-com-a-partilha-de-heresias-e-falta-de-fé-e-fogo-e-enxofre. SHIMBALAIÊ, vamos lá!

    1) Nem o PT diria palavras tão lindas e profundas ou “Que sacramentos que nada; comida e camisinha para fazer a juventude feliz” – p. 28:

    A maioria da população jovem é atingida fortemente pelos
    mecanismos de exclusão social. Entre os principais problemas dos
    jovens brasileiros estão: a disparidade de renda, o acesso restrito à
    educação de qualidade, frágeis condições de permanência nos siste-
    mas escolares, o desemprego e falta de qualificação para o mundo do
    trabalho, o envolvimento com as drogas, a banalização da sexualidade,
    a gravidez na adolescência, a AIDS e outras Doenças Sexualmente
    Transmissíveis, a violência no campo e na cidade, a migração, a morte
    por causa das causas externas (homicídio, acidentes de trânsito e sui-
    cídio), o limitado acesso às atividades esportivas, lúdicas, culturais e
    a exclusão digital. Muitos destes males atingem não somente os jo-
    vens empobrecidos, mas também jovens com padrão de vida elevado.
    Estes, mesmo que sejam uma minoria, também precisam ser evange-
    lizados, pois são igualmente atingidos pela atual crise de valores de
    nossa sociedade.

    2) São Longuinho, São Longuinho, três pulinhos para a esquerda e três para a direita – p. 37:

    A cada três orações pode se cantar um refrão de uma música
    conhecida pelo grupo.

    3) Não há pecado entre os jovens, pecado é coisa de velho careta: “as manifestações juvenis não são nem boas nem más” – p. 50:

    Os jovens são, por si mesmos, inovadores. Criam e recriam as
    maneiras de ser e estar no mundo: manifestações artísticas, organiza-
    ções sociais, grupos juvenis, presença nos meios eletrônicos, modas,
    vestimentas, músicas, maneiras diferentes de compreender o corpo
    se relacionar com ele… Tudo isto assusta, por vezes, os adultos. Po-
    rém, assim como todas as demais culturas, as manifestações juvenis
    não são nem boas nem más. São passíveis de acolher o Evangelho e
    manifestá-lo ao seu modo, desfazendo-se daquilo que nos destrói e
    valorizando aquilo que promove a vida.

    4) JESUS CRISTO SUPERSTAR ou a ópera-rock da CNBB ou ainda Jesus-hippie-funkeiro-maconheiro-etc.: “Verbo quer fazer-se carne no jeito dos jovens de hoje” – p. 50-51:

    A Igreja é convidada a se fazer jovem também. Precisamos as-
    sumir que a cultura juvenil atual é capaz de acolher Jesus Cristo, pois
    carrega em si muitos valores positivos que, embora diferentes daqueles
    expressos pelas gerações anteriores, são sementes do Evangelho. O
    Verbo quer fazer-se carne no jeito dos jovens de hoje, que se encon-
    tram, organizam-se, cantam, vestem-se expressam-se a seu modo.

    5) ORAÇÃO-PORRA-LOCA ou “Juventude é religião” ou “Nada de imposição, viva o amor” – p. 52:

    “Senhor, ajuda-nos a sermos mais compreensíveis com
    nossos jovens. Sabemos que nem sempre os acolhemos
    como deveríamos e que repreendemos neles seu jeito de
    ser. Ajuda-nos a entender que o solo em que a juventu-
    de está é sagrado. Que sua cultura é sagrada também.
    Ajuda-nos a entender que devemos nos aproximar deles
    com respeito e ajudá-los a ser melhores a partir de Tua
    Palavra, que não é uma imposição, mas uma proposta
    de amor. Ajuda-nos a amar os jovens e a ver-te neles!
    Faze-te jovem com nossos jovens a fim de que eles te-
    nham vida e a tenham em abundância. Isso nós te pe-
    dimos a ti, que te fizeste um de nós e assumiste nossa
    humanidade para nos tornar divinos, e que és um com o
    Pai na unidade do Espírito Santo. Amém”

    6) CNBB e MST (Movimento dos SEM-TEOLOGIA) – p. 54:

    Criar um ambiente numa mesa ou mesmo no chão com
    fotos, recortes de revistas ou jornais de realidades de
    exclusão social do Brasil e do mundo: pessoas vivendo sem
    moradia digna, outras nas grandes filas ou corredores dos
    hospitais públicos, escolas depredadas ou com superlotação
    nas salas de aula, sem os materiais básicos, concentrações
    de pessoas em agências ou entrevistas de emprego, jovens
    encarcerados, prostituídos, dependentes químicos, pessoas
    que sofrem a fome, a seca, doenças.

    7) MACUMBA da CNBB pega ou “Só se for galho de arruda” – p. 61:

    Preparar o local do encontro de modo muito acolhedor,colocando em local central:
    1) Bíblia
    2) Catecismo da Igreja Católica
    3)YOUCAT
    4) Um pouco de cinzas (peneirada e em quantidade suficiente
    pra que cada participante imponha um pouco sobre a cabeça)
    5) Galhos secos.

    8) RAUL SEIXAS PARA BISPO ou “Viva a Sociedade Alternativa” – p. 61-62:

    Na Penitência recordamos que somos pó, e ao pó retornaremos.
    Mas que grande felicidade em ser pó! Não é triste ser pó! Ser pó nos
    possibilita fecundarmos o mundo de vida e amor. Ser nada significa
    olharmos outro como nosso horizonte de comunhão, felicidade e vida!
    Ser pó nos faz sermos nós mesmos, sermos gente, sermos humanos,
    sermos Cristo, que se fez nada para nos salvar, e, com Ele, e nEle,
    do jeito dEle, sermos divinamente nós mesmos. Nem mais e nem
    menos! Simplesmente humanos! No sacramento da Reconciliação,
    morrermos para nosso orgulho para ressuscitarmos para uma vida que
    realmente vale a pena!

    9) DEUS É SAUDADE ou “Relendo o filho pródigo” ou CNBB E XORORÓ: “A saudade falou mais alto! O coração foi mais forte que o bolso!” – p. 63:

    É Pai! E sempre esperou pelo filho! Por isso quando o avistou
    no caminho não pensou na herança gasta, pensou no filho! A saudade
    falou mais alto! O coração foi mais forte que o bolso! Assim são os
    pais verdadeiros! Assim é o nosso Deus…

    10) CNBB E A LEI DA PALMADA: sobre a “Reconciliação” (aquela coisa de velho, a CONFISSÃO, que você nunca consegue fazer nas paróquias, porque os padres não acreditam mais); reparem no “SE HOUVER NECESSIDADE”– p. 65-66:

    Os demais adultos podem auxiliar os jovens a se achegar mais
    e mais deste sacramento, sendo exemplos de acolhida, mais do que
    de correções e punições. Quem é amado, muda de vida! Assim age
    nosso Deus. Por isso, a comunidade cristã precisa ser sinal de acolhi-
    da, afeto amor e reconciliação para com os jovens que se encontram
    distantes, ou em situação de pecado.

    1) Sugira ao seu grupo que procure, se houver necessidade e
    possibilidade, o Sacramento da Reconciliação.

    11) CNBB e a fé na Eucaristia, “simbolismo de uma refeição e superação de todas as distinções sociais” – p. 71:

    Última Ceia do Senhor no Novo Testamento. Está claro nos textos
    bíblicos que Jesus usou o simbolismo de uma refeição para fazer
    com que os cristãos de todos os tempos estivessem presentes aos
    atos fundantes de nossa fé: a paixão, morte e ressurreição do Senhor

    Mas, esta unidade celebrada na Eucaristia não pode permane-
    cer apenas como ma ideia. Tem que tocar e mudar as relações entre
    as pessoas. São Paulo chama a atenção do povo de Corinto pelo fato
    de que a Eucaristia deve ser sinal de união e de igualdade, no entanto
    estava sendo o contrário. No momento da refeição há uma prática de
    duas mesas: uma para os mais pobres e outra para os mais ricos. Na
    Eucaristia celebramos a superação de todas as distinções sociais.

    12) Jesus morreu porque lutou pela igualdade social, não para salvar-nos do pecado, mas do capitalismo ou “Fechando as fábricas da Coca-Cola” – p. 73:

    “Senhor, entendemos que vossa morte não pode ser
    separada da vossa vida. Durante vossa vida, lutastes
    contra as forças do pecado e da morte e acolhestes as
    pessoas empurradas para as margens da sociedade. Vossa
    morte, que celebramos na Eucaristia, foi consequência
    destas opções. Vossa morte na cruz não pode ser
    separada do restante da vossa vida. Vossa mensagem
    de amor e solidariedade questionava e ameaçava as
    forças do mal. Mas vossa ressurreição é a prova de
    que as forças da vida são mais fortes do que as forças
    da morte. Na Eucaristia celebramos com antecipação
    a convivência humana ideal que queremos construir.
    Senhor, dai-nos a coragem de nos comprometermos com
    este vosso projeto de vida. Vós que viveis e reinais para
    sempre. Amém!”

    13) O ódio à tradição, fruto do Concílio Vaticano II ou ABOLIÇÃO DA TRADIÇÃO – viva a primavera do JOIO (Juventude de Otários, Imbecis e Oligofrênicos) – p. 76:

    Os bispos da América Latina, no documento de Aparecida,
    propõem uma inversão radical do nosso sistema pastoral. Durante sé-
    culos a Igreja se concentrava na conservação da herança do passado.
    Agora propõe que tudo na Igreja deve ser orientado para a missão, na
    qual assume destaque a própria juventude, novo território de missão
    “ad gentes”.

    14) Ecumenismo e realização do paraíso na Terra – p. 78:

    Trazer jovens para a comunidade e também ajudá-los a
    assumir seu papel na sociedade: O Documento 85 esclare-
    ce: “A missão não se reduz apenas a trazer os jovens para as
    atividades da Igreja, mas também para que descubram sua
    vocação e assumam seu papel na sociedade. Há o desafio
    de trabalhar a dimensão social da fé com os jovens como
    um elemento da missão do cristão. A luta pela justiça é um
    elemento constitutivo da evangelização. O jovem cristão é
    desafiado a trabalhar com todas as pessoas de boa vontade
    – independente da sua opção religiosa – para construir uma
    sociedade justa e fraterna, uma sociedade querida por Deus.
    Participar da construção de uma sociedade justa e solidá-
    ria constitui um dos objetivos da ação evangelizadora da
    Igreja no Brasil. Isto inclui também o engajamento político”

    15) Pedreiros de Cristo ou “modelo de Igreja que tenha credibilidade” – p. 78:

    A missão exige trabalhar com todas as pessoas: O futuro da
    Igreja está nas mãos dos agentes de pastoral que percebem a
    necessidade de trabalhar em duas frentes ao mesmo tempo:
    optando evangelicamente pelos empobrecidos; e optando pela
    construção de um modelo de Igreja que tenha credibilidade
    entre as pessoas com nível de escolaridade cada vez maior.

    16) Religião NOVA ERA ou “Fé que é bom já era!” – p. 80:

    Após as preces, convide o grupo a contemplar o vaso semeado,
    em um profundo silêncio. Convide-os a escutar o clamor de Deus,
    que nos chama a levarmos seu Evangelho especialmente aos jovens.
    Peça para que deixem a Palavra de Deus e o texto da meditação res-
    soar dentro de seus corações.

  25. Realmente, revolta é a única palavra que poderia descrever tanta besteira num só texto. Graças a Deus ninguém lê isso como foi bem lembrado pelo Fratres.

  26. Wicca é uma religião neopagã influenciada por crenças pré-cristãs e práticas da Europa ocidental que afirma a existência do poder sobrenatural (como a magia) e os princípios físicos e espirituais masculinos e femininos que inteiram a natureza, e que celebra os ciclos da vida e os festivais sazonais, conhecidos como Sabbats, os quais ocorrem, normalmente, oito vezes por ano.

    A Wicca é uma religião politeísta, de culto basicamente dualista, que crê tradicionalmente na Mãe Tríplice e no Deus Cornífero, ou religião matriarcal de adoração à Deusa mãe. Estas duas deidades são muitas vezes vistas como faces de uma divindade panteísta maior, ou que se manifestam como várias divindades politeístas.

    Satanismo público da CNBB só faltava essa.

  27. A CNBB precisa se atualizar! Termos como “segurar o rojão”, “sonhos de criança” e “não foge da raia” é muito cafona! Eles precisam ser mais “descolados”!

  28. Isso é uma verdadeira Blasfêmia!!!

  29. “Eu creio que a CNBB não é Católica. Creio que eles se afastaram por culpa própria e – com orgulhos demôniacos – não querem reconhecer o erro”
    Creio que a “rapaziada” do Clero Brasileiro ensinam tudo, menos a verdade. Creio no “jovem” padre de hoje, que muitos já enxergam o erro dos seus superiores e buscam pensar diferente. Creio na “moçada” que usam roupa de Padre que surge em meio à esse lamaçal modernista.

    Eu Creio!

  30. “Agora propõe que tudo na Igreja deve ser orientado para a missão, na
    qual assume destaque a própria juventude, novo território de missão
    “ad gentes”.”
    ***
    Quem disse que a CNBB abomina o latim? Olha aí a contra-prova!
    Colocar termos em latim dá um ar de autoridade! É bem mais “cool”!

  31. Ricardo, veja a resposta que encontrei (por incrível que parece no Yahoo Respostas, que é um site não religioso, mas a resposta dada foi muito interessante.):

    Sabem porque o correto é chamar Deus de PAI e não de MÃE?

    Deus não tem sexo. Ele é representado como Pai (Vide a oração do “Pai Nosso”) e não como Mãe porque se Deus fosse “Mãe”, teríamos Sua substância uma vez que o filho nasce ligado à mãe pelo cordão umbilical.

    Ou seja: o filho recebe a substância da mãe para formar seu corpo.

    A consequência disso?

    A Gnose, que é uma mentira, seria verdadeira, ou seja, TERÍAMOS ESSÊNCIA DIVINA EM NOSSO SER.

    O que é falso. Não somos deuses em potencial.

    FONTE:
    <http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR…

    Virgo purissima, ora pro nobis

    http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20100624064951AAdHrnP

  32. O Catecismo também diz algumas coisas sobre o porquê de Deus ser chamado de Pai.

    II. A revelação de Deus como Trindade

    O PAI REVELADO PELO FILHO

    238. A invocação de Deus como «Pai» é conhecida em muitas religiões. A divindade é muitas vezes considerada como «pai dos deuses e dos homens». Em Israel, Deus é chamado Pai enquanto criador do mundo (38). Mais ainda, Deus é Pai em razão da Aliança e do dom da Lei a Israel, seu «filho primogénito» (Ex 4, 22). Também é chamado Pai do rei de Israel (39). E é muito especialmente «o Pai dos pobres», do órfão e da viúva, entregues à sua protecção amorosa (40).

    239. Ao designar Deus com o nome de «Pai», a linguagem da fé indica principalmente dois aspectos: que Deus é a origem primeira de tudo e a autoridade transcendente, e, ao mesmo tempo, que é bondade e solicitude amorosa para com todos os seus filhos. Esta ternura paternal de Deus também pode ser expressa pela imagem da maternidade (41), que indica melhor a imanência de Deus, a intimidade entre Deus e a sua criatura A linguagem da fé vai, assim, alimentar-se na experiência humana dos progenitores, que são, de certo modo, os primeiros representantes de Deus para o homem. Mas esta experiência diz também que os progenitores humanos são falíveis e podem desfigurar a face da paternidade e da maternidade. Convém, então, lembrar que Deus transcende a distinção humana dos sexos. Não é homem nem mulher: é Deus. Transcende também a paternidade e a maternidade humanas (42), sem deixar de ser de ambas a origem e a medida (43): ninguém é pai como Deus.

    240. Jesus revelou que Deus é «Pai» num sentido inédito: não o é somente enquanto Criador: é Pai eternamente em relação ao seu Filho único, o qual, eternamente, só é Filho em relação ao Pai: «Ninguém conhece o Filho senão o Pai, nem ninguém conhece o Pai senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar» (Mt 11, 27).

    241. É por isso que os Apóstolos confessam que Jesus é «o Verbo [que] estava [no princípio] junto de Deus» e que é Deus (Jo 1, 1), «a imagem do Deus invisível» (Cl 1, 15), «o resplendor da sua glória e a imagem da sua substância» (Heb 1, 3).

    242. Na esteira deles, seguindo a tradição apostólica, no primeiro concílio ecuménico de Niceia, em 325, a Igreja confessou que o Filho é «consubstancial» ao Pai (44), quer dizer, um só Deus com Ele. O segundo concilio ecuménico, reunido em Constantinopla em 381, guardou esta expressão na sua formulação do Credo de Niceia e confessou «o Filho unigénito de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos, luz da luz. Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não criado, consubstancial ao Pai» (45).

    http://www.vatican.va/archive/cathechism_po/index_new/p1s2c1_198-421_po.html

  33. Gostaria de não escrever estas coisas sobre a CNBB e os bispos da Igreja do Senhor, mas como é triste ver como os grande maioria deles se comporta…mas há ainda grandes exemplos como Dom Antonio Carlos Rossi, Dom Henrique Soares, Dom Alano Maria Pena (este último se aposentou).

  34. E ainda tem gente que se gaba de estar em comunhão com essa escória teológica. Com razão Gustavo Corção quando se referia a outra …

  35. Parece que a fábrica de lixo trabalha sem cessar.
    Como conseguem produzir tanto besteirol ?
    A TL é o câncer que está matando a Igreja,por aqui, lenta, continua e sistematicamente.
    E aqueles jovens que ainda fazem parte da Igreja, são boçalizados pela CNBB !!

    Meu Deus !!

  36. Como se algum jovem gostasse de… GONZAGUINHA!!!!!!!!! Que coisa mais década de 70/80, coisa dos velhos TL da CNBB!!!!!!!!!!!!!

  37. Sério, é por essas e outras que eu acho, que mesmo nos meus parcos 22 anos, não verei em vida a Igreja do Brasil honrando a Deus com a devida deferência que a fé católica exige. Esse bispos de mentirinha já perderam o medo do sacrilégio e, não bastasse empurrar a fé católica ladeira à baixo, não hesitam em ser patéticos.

  38. “Creio na juventude que sempre se reúne para partilhar a vida.”??? Eu só tenho uma vida, e eu partilha-la ficarei sem ela… Ironic Mode

  39. JMJ 2013 vai ser a maior baderna.

  40. “ENCONTRO PESSOAL COM JESUS CRISTO

    Ambientação:
    Organize o ambiente do encontro de modo acolhedor, procurando destacar a centralidade da Palavra de Deus em nossas vidas. Você pode utilizar a Bíblia, panos coloridos, vela, flores… ”

    “No meu tempo” isso se conseguia com adoração eucarística e não com panos coloridos…rsrs

  41. Curiosamente a última frase de tal “credo” se assemelha em muito a justificação protestante:

    “Creio que pela fé nos salvaremos.”

    que triste!

  42. Esse foi o melhor e mais engraçado post de todos os tempos….

    virou piada…

  43. O povo brasileiro segurando o rojão do funk, da parada gay, do carnaval, da camisinha, das mulheres frutas, do sexo livre, da depravação, e a CNBB, e a imensa maioria do clero, segurando o rojão da heresia.

    O Brasil é o maior país católico do mundo? kkkkk

  44. “Se voltasse o tradicionalismo nas igrejas ela ficariam lotadas de fieis.”

    As igrejas ficariam apenas com os fiéis verdadeiramente católicos. Lotadas? Não acredito.

  45. Resumindo: marxismo chulé, texto cafona e gosto duvidoso. E quem duvida que eles vão se superar? Só que tem um problema…“Creio no Deus Pai e Mãe” EPA!!! Isso aí é PAGANISMO!!!! O Senhor há de cobrar a responsabilidade, seja nesta vida ou na outra.

  46. Credo do católico injuriado

    EU CREIO que a CNBB não passa de uma corja criminosa enganando há meio século os brasileiros com seu pseudo-catolicismo de fancaria.

    Creio que dom Leonardo Ulrich Steiner tem tanta habilidade para ser bispo como eu licenciado em história tenho para ser neuro-cirurgião.

    Creio que se existisse um Bispo decente na Igreja deste país, este faria oposição aberta à CNBB.

    Creio, como jovem que fui há bem pouco tempo (tenho 27), preferiria o engajamento na Juventude Comunista do PCdoB que os galanteios geriátricos da CNB do B com suas musiquinhas horríveis.

    Mas creio também, que uma coisa se parece muito com a outra, do que mencionei acima.

    Creio que se a CNBB deixasse de existir o mundo seria melhor. Ela possui tantos projetos para o “mundo melhor”, e o meu é justamente este!

    Creio que o “jeito de ser igreja” da CNBB é um projeto falido e fracassado, que apenas favorece a apostasia.

    Creio que a CNBB é uma facção comunista de clérgima e não presta para absolutamente nada além de fazer a Igreja de Cristo perder.

    Por fim, creio NA CONVERSÃO dos membros da CNBB – os que não se converterem neste mundo, converter-se-ão rapidamente assim que sentirem o calor e avistarem o lume do fogo eterno.

  47. Não sei se é mais incrível eles acharem que isso é bonito, ou que a juventude de hoje em dia usa essas gírias dos anos 70. Nem modernistas eles sabem ser direito já que católicos não parecem nem estar tentando.

  48. Se me permitem gostaria de partilhar mais uma informação que encontrei sobre o porquê de não se poder chamar a Deus de mãe. É um trecho de um artigo publicado no G1.

    ‘Deus não é homem, nem mulher’, diz Bento XVI

    “Deus não é mãe, na Bíblia mãe é uma imagem, mas não um título de Deus”, afirma o Papa Bento XVI em seu livro “Jesus de Nazaré”, apresentado nesta sexta-feira (13) [...].

    Bento XVI faz essa afirmação em um dos capítulos de seu primeiro livro como Papa, no qual assinala que a comparação do amor de Deus com o amor de uma mãe existe, mas adverte que nem no Antigo nem no Novo Testamento Deus “jamais é invocado ou qualificado como mãe”.

    “Mãe na Bíblia é uma imagem, mas não um título de Deus”, especifica o Pontífice, acrescentando que “Deus não é nem homem, nem mulher, é Deus, criador do homem e da mulher.

    O Papa teólogo acrescenta que os cristãos rezam como Jesus ensinou, tendo como base a Sagrada Escritura (o Pai Nosso).

    Com esta apreciação, o Sumo Pontífice corrige seu antecessor João Paulo I, que em 10 de setembro de 1978 durante a oração do Angelus disse que Deus era “pai e mãe”.

    [“Também nós, que nos encontramos aqui, temos os mesmos sentimentos; somos objecto, da parte de Deus, dum amor que não se apaga. Sabemos que tem os olhos sempre abertos para nos ver, mesmo quando parece que é de noite. Ele é papá; mais ainda, é mãe.” João Paulo I
    Cf. http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_i/angelus/documents/hf_jp-i_ang_10091978_po.html ]

    http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL21720-5602,00-DEUS+NAO+E+HOMEM+NEM+MULHER+DIZ+BENTO+XVI.html

  49. “Um furacão passaria sobre o mundo com devastação maior do que a de todas as guerras somadas, e então veríamos os padres abandonarem as batinas, as freiras esquecerem os votos e os modos, e os bispos se transformarem em diretores, secretários, presidentes e vice-presidentes de uma organização burocrática incumbida de publicar falsas notícias e de difundir doutrinas e esperanças ainda mais falsas.” – Gustavo Corção, O Seculo do Nada, 1973.

  50. Criei coragem e fui ler o documento, ele é uma mistura de um pouquinho de catolicismo em algumas partes, algumas frases e exortações com algum valor, mas na sua maioria é blá-blá-blá … infelizmente. Em nenhuma linha, nenhuma vez se recomendou rezar o terço (por favor se alguém viu, me corrija). Mas quando cheguei na página 66 (que coragem!), falando da Confissão.. eis (uma das) pérola :

    Se for possível, converse com seu Pároco sobre a possibilidade
    de organizar uma celebração penitencial e/ou a celebração
    do Sacramento da Reconciliação em suas diversas
    formas (Comunitária, Auricular ou individual).

    Diversas formas???

    Segui adiante no capítulo que fala da Eucaristia, Ceia, refeição, e alguma coisinha sobre sacrifício da cruz.. .acho que nisso nenhuma novidade, né…

  51. Esse “credo” (nome que mal utilizado por si só é absurdo) – considerando seu teor e o que se esperaria de quem o escreveu – é a coisa mais ridícula que eu já vi (li) em minha vida.

  52. Ahh sim, complementando, é isso (e muito mais) que dá quando se abandona a doutrina tradicional da Igreja para abraçar o espírito do tempo. O tempo passa e quem o fez aparece ridiculamente vazio e ultrapassado ( as modas mudam rápido), a ponto de já na terceira idade tentar aparecer como jovem utilizando refrões da década de 70 para um evento de 2013, achando que está abafando. Esse desconforto é só a pálida sombra do que há de errado nisso tudo.