Ave Crux, Spes Unica!

O perigo do liturgicismo.

Proposição falsa ou ao menos perigosa: A celebração simultânea de várias Missas rompe a unidade do Sacrifício social.

Proposição certa: A simultaneidade de várias Missas não rompe a unidade do Sacrifício social da Igreja.

Franciscanos da Imaculada rezam quatro missas simultaneamente: o valor infinito de cada Santa Missa, tão obscurecidos pelo costume atual uso indiscriminado da concelebração. Foto: Juventutem Argentina.

Franciscanos da Imaculada rezam quatro missas simultaneamente: o valor infinito de cada Santa Missa, tão obscurecidos pelo costume atual do uso indiscriminado da concelebração. Foto: Juventutem Argentina.

Explanação

Não falta quem afirme que os Sacerdotes não possam oferecer a divina Vítima ao mesmo tempo em muitos altares, porque deste modo dissociam a comunidade e põem em perigo a unidade“. É a sentença reprovada pela “Mediator Dei” (A.A.S. 39, p.556). A razão é óbvia: todo sacrifício da Missa só tem valor pela sua relação intrínseca com o Sacrifício da Cruz, que foi um só e válido para todos os tempos; de maneira que ainda que muitas sejam as Missas, de fato permanece a unidade essencial do Sacrifício.

A sentença impugnada lembra o erro jansenista condenado pela Const. “Auctorem fidei” de Pio VI, em 28 de agosto de 1794, sob nº 31, que soa assim: “A proposição do Sínodo que afirma que é conveniente, para a boa ordem dos ofícios divinos e segundo o antigo costume, que em cada Igreja haja somente um altar, e que lhe agradaria ver restituído este costume — é declarada temerária, injuriosa a um uso antiquíssimo, piedoso, em vigor e aprovado desde muitos séculos, em particular na Igreja Latina” (D. 1531).

* * *

Completemos estas advertências, enumerando as aberrações que um falso liturgicismo espalhou entre os fiéis, e, como decorrência do fato, urgindo a necessidade de nos dedicarmos pelo esforço próprio, auxiliados pela graça, ascese e orações particulares, a assimilar, através da prática das virtudes, os exemplos e a vida de nosso Divino Mestre: “Efetivamente, alguns reprovam de todo as Missas privadas sem assistência do povo, como não conformes ao costume primitivo; nem falta quem pretenda que os Sacerdotes não podem oferecer a Vítima ao mesmo tempo em vários altares, porque assim dissociam a comunidade e põem em perigo a sua unidade; assim como também não falta quem chegue ao ponto de dizer que é necessária a confirmação e ratificação do povo, para que o Sacrifício possa ter força e eficácia” (Enc. “Mediator Dei” — AAS vol. 39, p. 556) (1). Lembremos, nesta altura, que o Concílio Vaticano II, ao alargar os casos de concelebração, não obrigou, exceto na Quinta-feira Santa, a todos os Sacerdotes que quisessem celebrar, a tomar parte na concelebração, mas ressalvou o direito de todo Sacerdote a celebrar privadamente, não à mesma hora na mesma igreja (Const. “Sacrosanctum Concilium”, nº 57).

(1) Pio XII, na Encíclica “Mediator Dei”, aproxima os erros do liturgicismo da heresia jansenista, que foi o contrabando com que o protestantismo procurou firmar-se dentro da Igreja. Na crise por que esta passa, atualmente, e dadas as condições de Nossa Diocese, onde é grande a infiltração protestante, parece-Nos conveniente recordar as concepções jansenistas, concernentes à Santa Missa, [para que] não venhamos, insensivelmente, a assimilar veneno tão subtil, e perder a integridade de nossa Fé. Pio XII, entre as proposições do Sínodo jansenista de Pistóia condenadas por Pio VI, lembra as indicadas pelos números 31 a 34, 39, 62, 65, 69 a 74 (Enc. “Mediator Dei”, AAS vol. 39, p. 546). Parece-Nos atender mais ao assunto desta Pastoral as que vêm sob os números 15, 28, 31, 32, 33, 66 e 67, com as repectivas notas condenatórias.

PROPOSIÇÃO 15: “A doutrina que propõe — que a Igreja deve ser considerada como um só corpo místico, formado de Cristo, como Cabeça, e dos fiéis, que são os membros dEle [de Cristo] por uma união inefável, e pela qual, de modo admirável, nos tornamos com Ele um só sacerdote, uma só vítima, um só adorador perfeito de Deus Pai, em espírito e verdade — entendida no sentido que ao Corpo da Igreja não pertencem senão os fiéis que são perfeitos adoradores em espírito e verdade, É HERÉTICA”. Diretamente, esta proposição trata dos membros da Igreja, da qual exclui os pecadores. Não deixa ela, no entanto, de insinuar o erro protestante que não admite o Sacerdócio hierárquico, essencialmente distinto do sacerdócio comum dos fiéis. Citamos esta proposição, porque não é raro encontrar-se quem interprete em tal sentido certas inovações litúrgicas.

PROPOSIÇÃO 28: “A doutrina do Sínodo, pela qual, depois de estabelecer — que a participação da Vítima é parte essencial do Sacrifício — acrescenta — que, entretanto, não condena como ilícitas as Missas nas quais os assistentes não comungam, por isso que estes participam, embora de modo imperfeito, da mesma Vítima, recebendo-A espiritualmente — enquanto insinua que falta algo de essencial ao Sacrifício que seja celebrado sem assistente, ou com assistentes que nem sacramental, nem espiritualmente participem da Vítima; e como se se devessem condenar como ilícitas as Missas, nas quais só o Sacerdote, e nenhum outro assistente comungasse, nem ao menos espiritualmente — FALSA, ERRÔNEA, SUSPEITA DE HERESIA, E COM SABOR DE HERESIA”. Não é preciso salientar a subtileza com que os jansenistas, também nesta proposição, deixam esgueirar seu erro.

PROPOSIÇÃO 31: “A proposição do Sínodo que enuncia “que é conveniente, para a ordenação dos ofícios divinos, e de acordo com o costume antigo, que em cada igreja haja um só altar, e que lhe agrada muito retornar ao costume antigo — TEMERÁRIA, INJURIOSA AO COSTUME MUITO ANTIGO, PIEDOSO, VIGENTE E APROVADO JÁ HÁ MUITOS SÉCULOS, ESPECIALMENTE NA IGREJA LATINA”.

PROPOSIÇÃO 32: “A prescrição que veta que sobre os altares se coloquem tecas de relíquias sagradas e flores — TEMERÁRIA, INJURIOSA AO PIEDOSO E APROVADO COSTUME DA IGREJA”.

PROPOSIÇÃO 33: “A proposição do Sínodo, em que mostra ele desejar que sejam afastadas as causas pelas quais esqueceram-se, em parte, os princípios relativos à Liturgia, a fim de conduzir esta a uma simplicidade maior dos ritos, para expô-la em língua vulgar e pronunciar as palavras em voz alta; como se a vigente ordenação litúrgica, recebida e aprovada pela Igreja, procedesse, em parte, do esquecimento dos princípios que a deveriam reger — TEMERÁRIA, OFENSIVA AOS OUVIDOS PIEDOSOS, CONTUMELIOSA À IGREJA, E FAVORECEDORA DOS ATAQUES DOS HEREGES CONTRA A IGREJA”.

PROPOSIÇÃO 66: “A proposição que assevera que se irá contra a praxe apostólica, e os concílios de Deus, se não se preparar os meios mais fáceis a fim de que o povo junte sua voz à voz de toda a Igreja; entendida do uso da língua vulgar a ser introduzida nas preces litúrgicas — FALSA, TEMERÁRIA, PERTURBADORA DA ORDENAÇÃO PRESCRITA PARA A CELEBRAÇÃO DOS MISTÉRIOS, E FACILMENTE FAUTORA DE MUITOS MALES”.

PROPOSIÇÃO 67: “A doutrina que exibe que apenas uma verdadeira incapacidade escusa da leitura das Sagradas Escrituras; acrescentando que, na negligência deste preceito, segue-se naturalmente o obscurecimento das verdades elementares da Religião — FALSA, TEMERÁRIA, PERTURBADORA DA PAZ DAS ALMAS, E JÁ CONDENADA EM QUESNEL”.

Dom Antônio de Castro Mayer, Carta Pastoral sobre os Problemas do Apostolado Moderno, 6 de janeiro de 1953; Carta Pastoral sobre o Santo Sacrifício da Missa, 12 de setembro de 1969. Por um Cristianismo Autêntico, ed. Vera Cruz, 1971, pp. 38; 345-347.

Publicado originalmente na festa da Exaltação da Santa Cruz de 2010.

4 Comentários to “Ave Crux, Spes Unica!”

  1. Grande Pastor, este Dom Antônio de Castro Mayer!!! Faz falta, hoje, que tantas bobagens se dizem e se fazem em nome da Fé…

  2. O sol se pôs devagar na Igreja.

    A festa de hoje, Exaltação da Santa Cruz, foi em certo sentido vítima da simplificação litúrgica do século XX.
    O expurgo promovido pela sagrada congregação dos ritos de João XXIII na ânsia de se simplificar, acelerar e preparar o calendário que viria, acabou por apagar a festa do dia 3 de maio, Invenção as Santa Cruz. Usando como desculpa um emaranhado de datas e acontecimentos, acabou-se condenando ao ostracismo Heraclius, que foi quem recuperou uma das partes da Santa Cruz achada por Santa Helena (hoje) e que fora roubada pelos persas.
    Belas orações foram apagadas dos livros, como a Secreta do dia três:
    “Olhai benignamente, Senhor, para a vítima que Vos imolamos a fim de que ela nos preserve de todos os males das guerras, e nos coloque seguros debaixo de sua proteção, para que pelo estandarte da Santa Cruz de vosso filho, vençamos todas as insídias de nossos inimigos”.
    As simplificações passam até mesmo por baixo de muitos narizes, imperceptíveis, ou propositalmente imperceptíveis, narizes que podem até mesmo se torcerem, quando durante uma missa com o missal de 1962, ao seu lado uma voz rezar alto e claro o Pai Nosso junto com padre, pois foi o mesmo João XIII que meteu seu anel no Rubricarium Instructum, que em certo grau permite aos fiéis rezar a Missa em voz alta, do começo ao fim.
    Amen; Et cum spiritu tuo; Deo gratias; Gloria tibi, Domine; Laus tibi, Christe; Habemus ad Dominum; Dignum et justum est, Sed libera nos a malo, Confiteor os três Domine non sum dignus, Gloria in excelsis Deo, Credo, Sanctus-Benedictus, Agnus Dei, introiutus, gradual, offertorium e o communio.
    Ou seja, a Missa toda e em alto e bom som, nem tanto, o pior som que existe é o latim saído da boca de quem não fala latim…
    O povo diz a missa toda, nem mesmo Marcelo Rossi consegue tal proeza.
    A simplificação litúrgica nada mais foi que o pré-natal da missa de Paulo VI.
    Se o sol foi melancólico e vagaroso no crepúsculo da Igreja, na aurora de um novo dia, essa estrela não poderá tardar, seria insuportável. Só mesmo aquela que moveu o astro rei, poderá pegá-lo pelos seus raios luminosos e coloca-lo sobre nossas cabeças. Será a Virgem de Fátima que nos livrará de outra penumbra misteriosa e vagarosa.Será Maria Santíssima que trará um novo dia, trará a luz, de uma só vez, de uma vez por todas.

  3. Sou contra as ditas ”missas” concelebradas,por algum acaso Jesus concelebrou na última ceia?????
    São Pedro segurou o pão? e São João o Vinho? onde está a lógica de Concelebrar??

  4. Lucas, a lógica está na preguiça que os padres tem em cumprir sua obrigação de rezar a missa diariamente, se juntam todos e fazem juntos, pronto acabou! Estão com tempo livre para outras coisas. Mas o principal motivo da concelebração está na missa nova, que não tem sentido de sacrifício e sim de celebração entre pares. Sacrifício precisa de sacerdote e vítima. Celebração não precisa disso é só um encontro.