Dom Müller: Santa Sé considera Ordinariato para protestantes moderados que vêem no Vaticano II realização dos ideais de Lutero.

O arcebispo não explicou como a afirmação de que o Vaticano II realizou os anseios de Lutero pode ser coadunada com a “hermenêutica da reforma na continuidade”.

Dom Gerhard Ludwig Müller.

Dom Gerhard Ludwig Müller.

Por InfoCatólica | Tradução: Fratres in Unum.com -  Dom Gerhard Ludwig Müller, arcebispo prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), declarou que a Santa Sé poderia considerar a criação de um ordinariato para os luteranos que desejam regressar à plena comunhão com a Igreja Católica, que teria uma estrutura similar à estabelecida pelo Papa Bento XVI para os anglicanos. O arcebispo reconhece, todavia, que “o mundo luterano é um tanto diferente dos anglicanos, pois entre os anglicamos sempre houve um setor mais próximo do catolicismo”.

No entanto, explica o prefeito da CDF, alguns luteranos desejam a restauração da plena comunhão com Roma, e a Igreja deveria estar preparada para recebê-los. O arcebispo sugere que, da mesma forma que com os anglicanos, a Igreja Católica deveria permitir a esses luteranos, no processo de união com a Igreja, preservar as tradições legítimas que se desenvolveram.

Segundo Dom Müller, na opinião de alguns luteranos, Martinho Lutero pretendia somente reformar a Igreja e não causar divisão entre os cristãos. Esses luteranos crêem que as reformas necessárias foram realizadas pelo Concílio Vaticano II. O prelado explica que em sua terra natal, Alemanha, “os protestantes não se opõem completamente ao catolicismo, já que mantiveram muitas tradições católicas”.

O arcebispo fez estas declarações durante a apresentação, em uma livraria de Roma, de seu livro sobre o pensamento de Bento XVI.

41 Comentários to “Dom Müller: Santa Sé considera Ordinariato para protestantes moderados que vêem no Vaticano II realização dos ideais de Lutero.”

  1. «As portas do Inferno não prevalecerão».

  2. Aí está a resposta para as dúvidas de muitos. O objetivo do CVII não foi outro que “reunificar o cristianismo”. Para isso sacrificou-se a “catolicidade” do catolicismo. Na época, e pelo visto hoje também, achou-se que valeria a pena.

    Concordo que a união e comunhão de todos os cristãos na Igreja de Roma é um objetivo justo e certo. Mas não sei o quanto devemos prescindir de nossa tradição católica para que isso ocorra. Na opinião de Paulo VI tudo o que foi retirado com o CVII era apenas “verniz” e costumes obsoletos que nada tinham a ver com a salvação. Será?

  3. Esse Bispo não é um lobo vestido de cordeiro, é um lobo em pele de lobo mesmo! Um lobo inteiro, um lobo que pelo menos não é covarde e se esconde, mas se mostra todo, inteiro, sem nuances. Vou perguntar pela milésima vez: – onde estão os que nos chamam de hereges aqui no Fratres? Nesse tipo de postagem eles desaparecem.

    Deus nos livre desse homem como Papa! Deus nos ajude, pois há anos temo pelo próximo Conclave.

  4. Herege! Mil vezes herege! Quem és para dizer que os maiores Santos da Igreja que combateram o encarniçado Lutero não entenderam ele, afinal, ele apenas queria reformar a Igreja? Que és tu? Que és para desautorizar Santo Tomás de Aquino, São Francisco de Sales, São João Eudes, São Pio X, Santo Afonso Maria de Ligório, São Luís Maria Grignion de Montfort e mais uma centena de santos e santas de Deus?

    Lutero está ardendo no fogo do inferno!

  5. Quem és tu para desautorizar Trento? São Pio V? O Concílio, o Concílio, o Concílio! Nenhum dogma da Igreja teve tanta eficácia quanto este Concílio Pastoral. Vocês sequestraram a Igreja e tentam colocar no lugar d’Ela uma meretriz!

    Desculpem Fratres, os repetidos comentários são sinal de minha revolta com esse Bispo! Mnha revolta por amar essa Igreja e ver os lobos sendo chamados de pastores e os pastores sendo chamados de lobos.

    Obrigado Dom Marcel Lefebvre, és um santo!

  6. Essa é a autêntica “hermenêutica da pilantragem”…

  7. Católicos, vejam bem, não são os Tradicionalistas Católicos que estão afirmando, é o próprio Prefeito da Doutrina da Fé que afirma que o Vaticano II é o resultado da Heresia Luterana.

    Eu pergunto:

    – É possível haver heresia moderada?

    Confesso que nunca ouvi um absurdo deste, da boca de uma autoridade tão elevada da Igreja.

    Todos sabemos, desde o nascedouro deste funesto Concílio, que ele foi feito sob encomenda com o único objetivo de destruir a Igreja. Paulo VI ouvia mais os pastores protestantes que os Bispos católicos.

    Um pequeno grupo de bispos alemães, holandeses, suíços, ingleses entre outros, manipulou o Concílio de tal forma, com regras de funcionamento tão esdrúxulas, que a grande maioria dos Bispos simplesmente não conseguia se fazer ouvir.

    Após o Concílio, acobertados pelo PAPA Paulo VI, jogaram tudo fora e promoveram a fundação de uma Nova Igreja Modernista, nos moldes de Lutero. Hoje isto se confirma e quem admite é simplesmente o “Bode”, encarregado pelo Papa de vigiar a horta.

    Não consigo entender como o Papa pode nomear uma pessoa que nega a virgindade de Nossa Senhora entre outras heresias , prefeito da doutrina da fé!

    A Antiga Igreja , fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo, simplesmente deixou de existir da noite para o dia e cinquenta anos depois vivemos na maior anarquia. A vida religiosa e sacerdotal simplesmente tende a desaparecer por falta de vocações, a debandada dos católicos para o Protestantismo é avassaladora.

    O Papa fala e ninguém o ouve, está só e apunhalado pelos que deveriam ajudá-lo a governar a Igreja. Ele está num processo de conversão, pois fez parte daquele grupo que manipulou o Concílio, ajudou a restaurar a Santa Missa , os Sacramentos e a Liturgia da Santa Tradição Milenar da Igreja.

    Aceitar de volta à Igreja todos os que queiram se converter é obrigação da Igreja, faz parte do perdão instituído por Nosso Senhor. Se há luteranos arrependidos, que abominem publicamente a Heresia em que viviam de forma total, sem concessões . Reconhecer virtude e verdade na heresia Luterana e em Lutero vai contra a fé católica.

  8. Bom pelo menos, agora está claramente dito para aqueles que fingiam não ver essa realidade. Um concílio montado com a ajuda de seis pastores protestantes… o que mais esperavam? Só demoraram a dizer o que sempre foi. Agora quero ver, como vão dizer que o concílio não é herético! No mínimo para não se curvarem a verdade vão aceitar Lutero também, pior, vão querer canoniza-lo. E preparem-se esse ordinariato pode vir na “cãomemoração” dos 500 anos da “reforma” que de reforma não teve nada. Enfim, viramos luteranos? Credo! Deus nos livre!

  9. Tudo isso agora faz muito sentido para mim. Paulo VI (não acho que essa tenha sido a intenção original de João XXIII, mas era uma obsessão de Paulo VI) queria de todos os modos reunir os “irmãos separados”. Seu pontificado inteiro foi sobre isso. Na minha opinião, principalmente depois de ler a biografia do papa escrita pelo vaticanista Andrea Tornielli, a maioria das iniciativas de Paulo VI nesse sentido foram desastradas e pouco eficazes. O grande trunfo dele, no entanto, era o CVII.

    Parece ter ocorrido uma troca. Os católicos tirariam a “empáfia”, o “triunfalismo” e o “verniz” e os luteranos, anglicanos e todos os demais que desejassem, aceitariam a primazia papal, passariam a venerar Nossa Senhora Santíssima e os outros dogmas da fé.

    Paulo VI fez sua parte do trato depondo a tiara, convertendo a missa católica numa missa luterana “que preservasse no entanto o essencial” e suprimindo a piedade católica que ele acreditava “crendices” como as aparições, Padre Pio, etc.

    Os protestantes o que fizeram? A maioria nada… alguns vieram (principalmente anglicanos) e agora alguns luteranos poderão vir. Parece-me que só…

    E os demais resultados disso? Ordens seculares estão acabadas (jesuítas, dominicanos, carmelitas… apenas franciscanos e beneditinos ainda se seguram um pouco), as igrejas estão vazias, os seminários também (ou estão cheios de comunistas ou pederastas), a piedade diminuiu, o sentido de sacro também.

    Será que todo o esforço (e aqui estou partindo do pressuposto de que foi tudo feito de boa fé por Paulo VI, JPI e JPII) foi eficaz?

    Acho que não e Bento XVI, mesmo não negando essa vontade enorme de reunir os “irmãos separados” (vide a notícia acima) percebeu que era melhor dar um passinho para trás antes de transformar a “Catholica” num deserto de poucos apóstatas e protestantes reconvertidos…

    Eu daria mais alguns passos para trás ainda. Parece que o que foi retirado pelo CVII não era apenas “verniz”. Parece que foram fundo demais e retiraram algo que sem isso a nossa fé não subsiste. Precisamos urgentemente voltar atrás e recuperar o que foi perdido.

  10. Como não parafrasear são Jerônimo, mas de uma outra maneira, similar: “o mundo dormiu cristão e acordou modernista”. Essa é a maior verdade do que ocorreu antes, durante e principalmente após o Concílio Vaticano II. Se os protestantes luteranos veêm o Vaticano II como a concretização das reformas desejadas por Lutero no seio da Igreja como será possível defender ainda a continuidade deste famigerado Concílio com a Tradição da Igreja Católica, para onde vai a “hermenêutica da continuidade” querida por Bento XVI? Tudo se afunda: “Quando o Filho do Homem voltar, encontrará a fé sobre a terra?”. E quem está tirando a fé da terra, das almas, são os próprios filhos da Igreja, muito pior, é a alta hierarquia da Igreja. A apostasia começará do alto. Mas não temamos, temos as palavras da Virgem: “por fim, meu Coração Imaculado triunfará”.

  11. Este homem tem uma função importante no Vaticano, ele diz o que papa n pode dizer, tipo assim minha gente, ele abre o caminho e aplica-se o CVII. Pq já esqueceram que o papa disse que lutero tinha Deus no centro da vida? Então! É isso.

    Ah, eu falei uma vez e teve gente que babou: vão reabilitar lutero. E n sei o que vão fazer com freira que foi beatificada que viu lutero no inferno, provavelmente vão perceber erros no processo dela.

    Beatos João XXIII e JPII, venerável paulo VI roga por eles!

    Com a palavra os que veem a hermenêutica:

  12. Imagino um grupo de satanistas desejando “entrar em plena comunhão’ com Roma. Talvez a CDF lhes autorize um Ordinariato mantendo seus ritos, como a “Missa negra”…

  13. O mais grave de tudo senhores é isso :”O arcebispo sugere que, da mesma forma que com os anglicanos, a Igreja Católica deveria permitir a esses luteranos, no processo de união com a Igreja, preservar as tradições legítimas que se desenvolveram.”…Que tradições legitimas são essas ? Os luteranos agora estão fundados na Tradição Apostólica ? Claro que não ; eles romperam com ela.Dizer que Lutero não tencionava criar outra Igreja é um atentado a História; basta ver suas 95 teses a maior parte delas oposta ao dogma católico.O que se pretende ? Adotar tais teses como tradições lídimas da fé ?

  14. Calma, calma,

    Eu não sei onde o Vaticano II diz que somos salvos pela fé somente, nem sei onde no Vaticano II nega-se a transubstanciação. Essa teologia luterana, vítima da psicopatologia de Lutero, não está no Vaticano II. Se Lutero tinha objetivo de reformar a Igreja – seja lá o que isso significa – na forma como fez o Vaticano II, não passa de wishful thinking.

    Agora o que os luteranos acreditam – e é isso que importa – poderíamos dizer: perfeito, já que acham isso, então levemos às últimas consequências, já que o Vaticano II não nega em nada a Fé Católica. Estão fora da Igreja, dentro da Igreja verão melhor a Verdade.

    Mantenham suas tradições, de t minúsculo, e venham para a Igreja Católica. Joguem no lixo suas heresias e seus erros (que são os de Lutero).

    Ludwig Müller é atrevido nos comentários, e talvez seja isso um problema da sua personalidade forte. Diferente são os fariseus deste site, que tudo reclamam e cospem sobre aquilo que leem, sem dar nenhum voto de boa fé, exaltando a desobediência, tal como faz o “We are the Church”. Não são tão diferente deles…

    Um abraço,

    Pedro Barreto

  15. Pois é Ana, vc disse tudo. Pior são as dezenas de comentários se questionando: “como o Papa indicou um sujeito assim para o cargo”…

  16. Tinha que ser alemão. Agora é todo mundo pró catolicismo. E porque não se convertem logo, pedem o batismo e os demais sacramentos. No lugar desses prelados, eu não adularia tanto gente que diz querer a plena comunhão, mas faz o necessário para isso.

  17. Aos luteranos de boa-fé, aos que querem renunciar os seus erros e tornar-se católicos sem reservas, é esta a forma correcta de os receber na Igreja – http://www.laportelatine.org/publications/presse/2006/ceremonieabjuration/ceremonieabjuration.php

    Tudo o resto é conversa de um bispo progressista que demasiadas vezes de se coloca ele próprio no limiar da heresia pura e dura, e que objectivamente jamais deveria ter sido nomeado para exercer as funções que no presente desempenho.

  18. O Papa indicou porque quis, por que o considerou “apto” ao cargo conforme a “nova onda”. Dom Muller, Bento XVI e todos os que alí estão sabem muito bem qual a tarefa a cumprir: demolir e demolir. Acordem Alices!!!

  19. O Vaticano é uma fonte de matéria fina, pura, original. Matéria que desemboca nas paróquias do mundo de forma brutal, trazendo enfim, à tona toda podridão da origem, que na fonte é difícil de ver.
    É o modernismo refinado, sutil. Conserva a fé mas altera a fórmula e destrói o dogma, quando é proposto coisas desse tipo, verdades são alteradas, o dogma de que” fora da Igreja não há salvação” transforma-se em um “através da igreja, quem está fora pode se salvar”.
    Sim, tudo fica e ficará mais difícil, porque é da fonte, onde supostamente deveria brotar a verdade, que saem águas que não são turvas nem sujas, mas envenenadas. E pior, águas que chegam às almas, totalmente apodrecidas, já chegam em pororocas como CNBBs, Fábios de Mello, Marcelos Rossi e outros dejetos.
    Hernan Cortes quando passeava pelas esculturas dos terríveis ídolos astecas, cercado por lanças e flechas, subitamente virou-se para Montezuma e lhe disse que aquilo tudo não passava de diabos de pedra e madeira e lhe ordenou a postura da Santa Cruz e a imagem da Virgem Santíssima no topo do templo. Tinha coragem, sem dúvida nenhuma, mas essa coragem era alimentada por fonte clara, sem erro e dúvida, fonte que ficava do outro lado do mundo.

  20. Parece que os protestantes entendem melhor que muitos católicos as intenções do CVII.

    chega a ser engraçado… meio seculo depois a reforma POSTUMA de Lutero acontenceu!!!

    está muito claro: excomungaram Lutero, e agora aderiram as suas propostas…

    esse progressismo e modernismo na Igreja já está passando de palhaçada!!

  21. Vamos analisar as premissas:
    Premissa 1: O CVII é só pode ser visto como continuidade da Tradição da Igreja. Negar isso é heresia segundo D. Muller.
    Premissa 2: As reformas de Lutero foram contempladas pelo CVII.
    Premissa 3: Trento condenou Lutero e suas ideias.
    Premissa 4: Trento faz parte da Tradição da Igreja.

    Pergunta: qual das afirmativas acima é FALSA?????

    Se alguém não consegue ver uma contradição ao considerar todas verdadeiras, sugiro procurar um bom “oftalmologista”. A negação de uma verdade anterior (Trento) é a continuação desta verdade anterior? ABSURDO.

  22. Acho que valeria a pena publicar ou ao menos mencionar esta nota esclarecedora do autor da reportagem:

    http://infocatolica.com/blog/coradcor.php/1301151109-aclaracion-a-los-luteranos-qu

    É necessário sublinhar que o Prefeito da CDF mencionou a opinião *dos luteranos*, e não a dele. O título dado por vocês à tradução da matéria ficou ambíguo e induz a um erro de recepção dela.

    Obrigado.

    E que viva Cristo Rei!

    • Gabriel, Dom Müller mencionou a opinião dos luteranos e não a rechaçou (o que ele faz com bastante rapidez quando se trata de se distanciar dos tradicionalistas). Pior, sequer a considerou como impedimento para o ingresso à “plena comunhão” (mostrando que o rigor dele, como o de outras pessoas, também só se aplica aos tradicionalistas).

      Quanto ao título, perdoe-nos, mas não há nada de ambíguo nele. Releia e faça um esforço de boa-vontade: 1) protestantes moderados consideram o Vaticano II a realização dos ideais de Lutero (segundo Dom Müller); 2) A Santa Sé considera conceder a eles um ordinariato. É isso que consta no título, nada mais nada menos.

  23. Hoje, depois de ler este post, tive acesso ao jornal de uma das paróquias que frequento e, olhem que agradável coincidência a matéria que havia lá, entrevista de um dos padres da paróquia, que esteve presente na última sessão do CVII: “O CVII foi considerado a primavera da Igreja. Foi dito que era preciso tirar a poeira da Igreja; abrir as janelas. O clima do CVII foi completamente diferente dos demais, que eram sempre normativos e impositivos. O CVII foi pastoral; não tinha condenações. Não queria chocar os irmãos protestantes, antes queria aproximá-los.” É desanimador, pois nesta mesma paróquia, na hora da comunhão, o padre fica sentado enquanto os ministros dão a comunhão………

  24. Isso tem a ver com o pedido de alguns luteranos feito em março de 2011?

    “quinta-feira, 10 de março de 2011
    Grupos de Luteranos pedem ao Papa um novo ordinariato para unirem-se à Igreja Católica
    O diretor da Seção de Doutrina da Congregação para a Doutrina da Fé, Pe. Hermann Geissler, confirmou que após a “Anglicanorum Coetibus”, grupos de luteranos da América do Norte e Escandinávia solicitaram ao Papa Bento XVI a criação de um Ordinariato e o retorno à plena comunhão com Roma.

    O diretor da Seção de Doutrina da Congregação para a Doutrina da Fé, Pe. Hermann Geissler, confirmou que após a autorização das conversões de grupos de anglicanos ao Catolicismo, agora o Papa Bento XVI está recebendo pedidos de grupos de luteranos que querem retornar ao seio da Igreja de Roma. O sacerdote fez essas revelações à revista “The Portal”.

    Segundo Pe. Geissler, luteranos da América do Norte e Escandinávia têm se colocado em contato com anglicanos e também com a Sé Apostólica visando a possibilidade de o Papa vir a criar um ordinariato especialmente destinado a eles.

    Em relação a isso, o sacerdote reconheceu que a Congregação para a Doutrina da Fé está estudando a questão e assegurou que “o Santo Padre fará todo o possível para levar outros cristãos à comunhão plena com a Igreja Católica”.

    http://casareconciliacao.blogspot.com.br/2011/03/grupos-de-luteranos-pedem-ao-papa-um.html

  25. Ludwig Müller é atrevido nos comentários, e talvez seja isso um problema da sua personalidade forte. Diferente são os fariseus deste site, que tudo reclamam e cospem sobre aquilo que leem, sem dar nenhum voto de boa fé, exaltando a desobediência, tal como faz o “We are the Church”. Não são tão diferente deles…

    Eu já penso que… Diferente dos “PLENA COMUNHÃO” deste site, que tudo reclamam e cospem sobre aquilo que leem, sem dar nenhum voto de boa fé [PARA OS TRADICIANALISTAS], exaltando a desobediência, tal como faz “Dom Gerard Müller”, não são tão diferentes do próprio Dom Gerard Müller.

    Ora, quer que demos um voto de boa fé para um herege? Ok, dê um voto de boa fé para Lefebvre! Pau que dá em Chico tem que dar em Francisco. Não é Pedro Henrique Quitete Barreto?

  26. Senhores, calma… a discussão se desviou do ponto principal… É uma excelente ideia que a Igreja faça o possível (não de tudo) para receber novamente os “irmãos separados”. Se o caminho, como foi para os anglicanos, é criar um ordinariato, que se faça! Se eles querem manter certas tradições que não prejudicam nem conflitam com a fé católica, qual o problema?

    Também não acho que eles precisem voltar como cachorros escorraçados e humilhados. Onde está a misericórdia católica? Lembram-se do filho pródigo?

    Pois bem, dito isso, creio que o problema maior tenha sido que Sua Santidade Paulo VI e os padres conciliares (e grande parte da Igreja atual) decidiram abandonar certas “praticas”, “rituais”, “costumes” que agrediam a sensibilidade de alguns “irmãos separados” e assim decidiram retirar isso da fé católica para que os irmãos pudessem voltar.

    Até aí, bom, poderia até ser… o problema foi o erro na medida! ESTE é o ÚNICO erro, na minha opinião. pensaram que estavam apenas retirando a pátina, mas não foi o que ocorreu. Retiraram mais do que isso, para não ofenderem os “irmãos separados” ofenderam os irmãos unidos!!! Acabaram com a nossa Santa Missa proclamada como dogma por Pio V! Destruíram a nossa música sacra, nossa arte sacra, nossa arquitetura sacra, destruíram o papado! Acabaram com as ordens, acabaram com os seminários… a lista é enorme!

    Vivemos uma crise sem precedentes por causa disso. Retiraram algo que fez parte desde sempre de nossa religião: a piedade!

    Dom Müller tem razão nas intenções, o problema é quando chegamos a uma afirmação do tipo “o CVII retirou tudo aquilo que impedia a plena comunhão dos luteranos” mas alguém perguntou para os católicos se aquilo poderia ser retirado??? Será possível que a plena comunhão de todos os cristãos valha toda a crise que estamos vivendo? Será mesmo que continuaremos a ser católicos depois dessas concessões?

    Na minha opinião, é nisso que devemos nos concentrar…

  27. Pois é Eduardo Gregoriano, abrir a boca e falar heresias agora se tornou apenas “atrevimento” e “personalidade forte”…

  28. FRATRES;
    Mas pra que tanto escândalo?
    Essa é a igreja conciliar!
    Estes são os frutos fétidos e podres da tal “primavera” que eles iniciaram com seu concílio das maravilhas…
    Mais que isso, em breve veremos a igreja conciliar declarar que Lutero é “doutor da igreja” e “defensor da fé”…
    Que fique bem entendido: igreja conciliar e fé protestantizada!
    Agora, uma “perguntinha”:
    QUEM NOMEOU ESSE SENHOR AÍ PARA PREFEITO DA DOUTRINA DA FÉ?
    Hummm…
    De boas intenções, o inferno está cheio…
    Ah, ainda bem que o inferno não existe.
    Muito bem ensinado por um membro da cãoferrância…
    Só pra terminar: ainda tem gente que insiste em dizer que “nada mudou depois do concílio, que há a hermenêutica da continuidade…”
    Hummm…
    Só se for a continuidade no ímpeto de destruir a Igreja, sonho de Lutero e de todoso os seus “irmãozinhos”, os hereges… Hoje, os “irmãos separados”…
    Diante de tudo isso, somente estudando a Fé e rezando muito!
    Kyrie Eleison!

  29. Ele é atrevido. Ele faz como fazia Duns Scotus. Diz algo x, mas x com y, que não é propriamente x, mas z, posição ortodoxa. Eu não saio excomungando pessoas por notícias de um jornal, caríssimo.

    Contudo, dou um braço a torcer a Freud agora: “tradicianalistas” (sic) mostra definitivamente o que são. Analisam, analisam, analisam, sem fazer a devida autoanálise. Tal ato falho não passou desapercebido.

    Herege era Ratzinger até virar papa, segundo os lefebvristas. Agora é Ludwig Müller. Será que também virará papa, segundo o costume?

    Para ver vossos frutos, assistamos com pipoca a segunda excomunhão de D. Williamson, o bispo sem diocese. Tal já demonstra a justeza da excomunhão em Écône. Se tivessem respeitado, não se criaria mais uma linha episcopal ao estilo vétero-católico.

    Você dá voto de boa fé para um morto excomungado? Quem decide isso não sou eu, é o Papa. Para mim, D. Lefebvre é um arcebispo que agiu de forma delituosa, e foi excomungado por isso. Boa-fé lhe darei quando algum papa lhe der. Pode até ser um santo. Mas quem decide isso é o papa, não você, nem eu. Tenho mais em conta João Paulo II do que D. Lefebvre, que não foi excomungado. Prefiro D. Sigaud, que sofre na obediência.

    Um grande abraço,

    Pedro Barreto

  30. A hierarquia que aceita o concílio é LIBERAL. Alguns menos, outros mais. Mas desde que aceitam o princípio do liberalismo, é absolutamente certo que não juntam mais, mas espalham.
    Rezemos por este pobre clero que ainda é clero, supliquemos por sua conversão, mas nos mantenhamos imunes a eles através dos meios sobrenaturais (oração, mortificação, penitência, a Santa Missa), mas dos NATURAIS também.
    Está escrito: quem ama o perigo, nele perecerá. O resultado desta gente ter se cansado das palavras de Vida Eterna, e terem se atirado às fábulas é que perderam a fé.
    A Fé Católica é como a virgindade; ou está intacta, ou não existe.
    Vocês vejam mais esta demonstração de semi-apostasia, e por obséquio: não ponham em risco suas almas imortais! Não brinquem com fogo, não se arroguem à PRETENSÃO de “converter” os modernistas por simplesmente nos aproximarmos deles!
    VAIDADE é perseguirmos uma vitória NESTE MUNDO, quando Deus nos pede apenas O COMBATE. Os cristeros foram vitoriosos porque COMBATERAM, e não porque mudaram a situação político-religiosa do México;
    VAIDADE é perseguirmos um status quo que nos acomode, que nos dê trégua, descanso e nos abra as portas da Sé Apostólica, quando o próprio Jesus Cristo, quando esteve neste mundo, morreu sem a conversão de seus inimigos.
    Na medida em que se adota o liberalismo, a fé é extinta.
    A virtude da Esperança nos ensina que, não importa as aparências de desolação: DEUS triunfará apesar de todos nós. Isto é fato. Mas não nos é pedido restaurar a Igreja, porque não passamos de uns miseráveis bons para o fogo eterno! Cristo prometeu solenemente que as portas do Inferno não prevalecerão contra a Sua Igreja, portanto, quem, seduzido pela vaidade de acreditar que, por meios humanos, por própria força, tem e deve se aproximar da igreja conciliar “para convertê-la”, vai com certeza PERECER por culpa própria, pois se obstina em ir para o campo do tiroteio. Não venha dizer depois que não compreende o porque de ter sido abatido.

    Deus prometeu e vai cumprir: ele mesmo voltará para restaurar a Sua Igreja.
    A diferença de D. Muller para Bento XVI não é de essência: é na mais otimista das hipóteses de GRAU. O mesmo para todos os que querem assobiar e chupar cana. Se o anglicanismo e o luteranismo não aceitaram a Igreja como a mesma sempre foi, a ponto de se separarem dEla, porque AGORA a Igreja é tão aceitável a ponto de se falar nestes ordinariatos?
    Alguém teve que ceder. Para que esta gente passasse a engolir uma igreja até poucas décadas “intragável”, a igreja precisou se fazer agradável. Nada mais distante do exemplo do Dono da Igreja. Não se pode servir a dois senhores…
    Como fazem bem os que, para permanecerem católicos, da igreja conciliar e sua hierarquia obstinada só pedem uma coisa: DISTÂNCIA.

  31. “Herege! Mil vezes herege! Quem és para dizer que os maiores Santos da Igreja que combateram o encarniçado Lutero não entenderam ele, afinal, ele apenas queria reformar a Igreja? Que és tu? ”

    Compartilho de sua revolta Eduardo Gregoriano , conversando com um colega luterano sobre isso ele deu foi risada e disse que realmente a semelhança entre a missa nova e a luterana é muito grande e não via problemas nenhum em participar … logo logo Lutero será um herói um santo e a Igreja anterior ao Concílio será enterrada .. “afinal não foi esse o motivo do concílio Vaticano II ??? desempoeirar a Igreja da era tridentina” ????

  32. Esses cardialógos (acabei de criar, autorizo reprodução em massa!) que aparecem aqui, são iguais aquelas piadas de mau gosto de humorista sem talento que precisa apelar.
    O homem disse X e os saduceus afirmam que foi Y. Só a laia deles mesmo para acreditar.
    Muller é um herege, há provas!

    E o importante é que hoje eu comprei um livro sobre São Filipe Neri por R$1!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  33. Jorge, te respondo com uma frase do Professor Angueth em resposta a um leitor dele:
    o papa é de corte modernista!

    E nós, Jorge, vamos nos ajeitando com der, buscando sacramentos, rezar, jejuar e esperar o sol brilhar novamente na Igreja, é melhor a gente sentar pq vai demorar, mas vai voltar a brilhar.

    Que Viva Cristo Rei!

  34. Eu gosto tanto desse papa,as ele coloca u confuso para um cargo deses? a coisa tá ficando pior.

  35. “Cristo cometeu adultério pela primeira vez com a mulher da fonte, de que nos fala São João. Não se murmurava em torno dele: “Que fez, então, com ela?”, depois com Madalena, depois com a mulher adúltera, que ele absolveu tão levianamente. Assim Cristo, tão piedoso, também teve de fornicar antes de morrer.” (Martinho Lutero: Tischreden, nº 1472, ed. Weimer, 11, 107)”.

    Lutero disse: Não há nenhum livre arbítrio

    “… No que diz respeito a Deus, e em tudo o que traz a salvação ou condenação, (o homem) não tem ‘livre arbítrio’, mas é um prisioneiro, cativo e escravo, quer da vontade de Deus, ou da vontade de Satanás. ” (Da redação, “Escravidão da Vontade”, “Martin Luther:.. As seleções de seus escritos, ed por Dillenberger, Anchor Books, 1962 p. 190)

    “… Nós fazemos tudo por necessidade, e nada pelo ‘livre arbítrio’, pois o poder de ‘livre arbítrio’ é nulo …” (Ibid., p. 188.)

    “O homem é como um cavalo. Deus por acaso salta na sela ? O cavalo é obediente e se acomoda a todos os movimentos do cavaleiro e vai para onde ele o quer. Será que Deus derruba as rédeas? Assim, Satanás pula no lombo do animal, que se dobra, anda e se submete à esporas e caprichos do seu novo piloto … Portanto, necessidade, não o livre arbítrio, é o princípio de controle do nosso comportamento. Deus é o autor do que é mal, bem como do que é bom e, assim como Ele dá a felicidade àqueles que não a merecem, Ele também maldiz aqueles que merecem o seu destino.” (“De Servo Arbitrio”, 7, 113 seq. Citado por O’Hare, em “Os fatos sobre Lutero, TAN Books, 1987, pp 266-267).

    Todas estas passagens vêm de um tratado que Lutero redigiu, intitulado “De Servo Arbitrio”, ou “Cativeiro da Vontade”, no qual o grande reformador trabalha arduamente para apresentar o caso em que o livre-arbítrio não existe.

    “Assim como as mulas, que não se moverá a menos que você perpetuamente chicoteá-los com varas, de modo que o poder civil deve conduzir as pessoas comuns, chicote decapitar, estrangular, enforcar, queimar, e torturá-los, para que possam aprender a temer os poderes constituídos. ” (El. ed. 15, 276, citado por O’Hare, em “Os fatos sobre Lutero, TAN Books, 1987, p. 235.)

    “Um camponês é um porco, pois quando um porco é abatido é morto, e da mesma forma que o camponês não pensa em outra vida, caso contrário ele iria se comportar de maneira muito diferente.” (‘Schlaginhaufen’, ‘Aufzeichnungen “, p. 118, citado ibid., P. 241)

    “Confesso que não posso proibir uma pessoa de casar com várias esposas, pois isso não contradiz a Escritura. Se um homem deseja se casar com mais de uma esposa que ele deveria ser perguntado se ele está satisfeito em sua consciência de que o faz em conformidade com a palavra de Deus. Nesse caso, a autoridade civil não tem nada a fazer sobre o assunto. ” (De Wette II, 459, ibid., Pp 329-330).

    “… A epístola de São Tiago é uma epístola cheia de palha, porque não contém nada evangélico.” (Prefácio ao Novo Testamento, “Dillenberger. Ed, p. 19.)

    http://igrejamilitante.wordpress.com/2011/02/03/martinho-lutero-o-absurdos-pregados-pelo-pai-do-protestantismo-evangelico/

  36. Calma Srs,

    Não se deixem levar por sentimentos de raiva e similares, pois foi esse tipo de sentimento que fez o próprio Lutero se endurecer e caminhar para a heresia, julgando-se capaz de reformar a Igreja, achar que a Igreja errou e destruiu o Cristianismo, desrespeitar o Papa, etc, etc, etc…

    Em primeiro lugar, não se deve confundir, apesar do nome, Lutero com o luteranismo. Há uma distância entre eles, e só cresceu durante esse tempo. Talvez seja essa uma primeira dificuldade no texto. Apesar de, em muitos escritos de Lutero se perceber o seu ódio exacerbado pela Santa Sé Romana, alguns autores avaliam que o luteranismo como movimento desejava a reforma da Igreja, e não uma separação. E quem defende essa tese, é o insuspeito Hilaire Belloc, no seu livro As grandes heresias.

    Segue trecho do capítulo 5:

    “Hoje em dia, tanto católicos quanto protestantes tentem a cometer um erro histórico capital. Tendem a considerar o catolicismo de um lado e o protestantismo de outro, como dois sistemas religiosos e morais opostos, produzindo, em seus membros individuais, desde a origem do movimento, características morais agudamente contrastantes. Tomam essa dualidade como natural desde o começo. Historiadores que escrevem em inglês, de ambos os lados do Atlântico, falam de tal coisa como católica e de tal coisa como protestante. É verdade que aqueles que foram contemporâneos da Reforma usavam esses termos, mas os usavam com um sentido diferente e com sentimentos muito diferentes. Por quase cem anos depois do movimento chamado Reforma ter começado (digamos de 1520 a 1600), os homens permaneceram numa atitude mental que considerava toda a querela da cristandade como “ecumênica”. Pensavam-na como um debate em que “toda”a cristandade estava engajada e na qual alguma decisão final iria ser tomada para todos. Essa decisão se aplicaria à cristandade como um todo e se produziria uma paz religiosa geral” (p. 94).

    Aceitando-se ou não essa tese, no mínimo ela também foi defendida por alguém louvado por alguns meios “tradicionalistas”. Se católicos a tinham, porque luteranos não a podem ter?

    Paradoxalmente, esses luteranos afirmam verem a reforma desejada por Lutero ser implementada pelo CVII. Segundo Belloc, o protestantismo nasce dos seguintes problemas:

    – A existência de maus hábitos, lendas, falsas histórias e costumes que estavam unidos a doutrina e verdadeira vida cristã.
    – A “ossificação” da classe clerical em seus hábitos e mesmo no seu ensino doutrinal
    – A mundanismo das autoridades da Igreja e do Papado.

    A crítica a esses problemas, que, no início, foram questões morais, irão gerar questões doutrinais, que serão as doutrinas da Sola Fide, Sola Scriptura, Sola Gratia, a negação do Sacrifício da Missa, etc…

    Entretanto, a correção destes problemas morais não ocorreu em virtude do CVII, mas sim através do Concílio do Trento. Além disso, em Trento as questões doutrinais foram exemplarmente defendidas.

    Apesar de toda a controvérsia, nenhuma doutrina foi modificada pelo CVII, e no campo moral, houve até um agravamento do ensino e da vida clerical. Entretanto, o CVII tentou renovar a vida da Igreja, principalmente através da modificação da Liturgia, e anunciar o Evangelho de uma forma renovada em um mundo cada vez mais distante de Deus, além de modificar o relacionamento com outras religiões e seitas separadas.

    Na minha opinião, esses luteranos, ao verem esse mundo longe de Deus invadir cada vez mais as suas congregações, a desunião do próprio protestantismo em milhares de seitas, e com o empenho da Igreja para um retorno a unidade, perceberam que as doutrinas protestantes são erros e surgiram em virtude também do mundanismo dentro Igreja, aliado ao endurecimento de Lutero e ao desejo de poder de alguns governantes que apoiaram o movimento protestante.

    Eles estão protestando contra o protestantismo.

    Que venham para a Igreja Católica, onde encontraram a plenitude do Evangelho!

  37. 1º -, Temos de considerar que o Príncipe desse mundo está por detrás de tudo, seduz ou toma posse de pessoas da Igreja, preferencialmente influentes, quanto mais alto, melhor.
    2º – Que a Igreja está infiltrada de maçons e seus subsidiarios comunistas há muitas décadas, dentre outros mais como os algo aliados protestantes, COADJUVADOS por altos hierárquicos da igreja que agiriam em seu favor.
    3º – Confiram o discurso de D Manuel Pestana sobre os V II e as infiltrações e procedimentos muito estranhos de alguns altos dignitarios, incluindo dele o cardeal Bugnini e Benelli; mas há outras denuncias de supostas participações nefastas doutros.
    4º – A meu ver os movimentos dissensos na Igreja pós V II são resultado das infiltrações e ações dos mesmos em implodir a Igreja, desejo primordial deles, com a ajuda de internos.
    5º – Alguns ds movimentos dissidentes pós conciliares são por ex., a Teologia da Libertação, melhor Marxologia da Subversão e que foi incentivada por comunistas sacerdotes do nivel de Boff, Betto, D Hélder, Casaldáliga e algums outros, dos responsaveis no nosso caso por sedução de milhões de pessoas na ideologia comunista e alavancas de ascensão e mais alienação do Brasil nas ideologias comunistas, assim como subida ao poder do comunista PT.
    Noutros países agiram de acordo com as conveniencias do lugar e situação.
    Para se ter ideia: todas as varias seitas evangélicas eram muito reticentes com o outrora PT; Lula “conversou”, por ex., com a Universal-Edir Macedo-PRB, deram um “jeitinho” e atualmente estão servindo de apoio ao governo Dilma…

  38. Por que o Papa colocou esse homem neste cargo?

  39. Vejam Senhores a reação injuriosa do Sr Jorge Ferraz a um artigo que pus em meu blog(http://catolicidadetradit.blogspot.com.br/2013/01/dom-muller-de-que-lado-vossa-eminencia.html) sobre o fato :

    “A Igreja de Cristo, ao lado de Sua autoridade suprema de Ensino, detém também a Sua suprema autoridade de Governo. E, se adesão de Fé divina e católica é exigida somente àquela, a esta são sem dúvidas devidas submissão filial, obediência, respeito e **reverência**.

    É contra este último aspecto da constituição da Igreja de Cristo que pecam estas pessoas que (movidas por sabe-se lá que tipo de zelo é este que acha ser uma boa idéia minar publicamente a autoridade da Igreja de Cristo) parecem viver de rasgar as vestes em público, arrogantemente auto-intituladas juízes do Papa e dos Dicastérios Romanos sentados no conforto de suas poltronas ao mesmo tempo em que não coram de vergonha ao se igualar a um São Paulo, Santa Catarina, Santo Atanásio! O que há de espírito católico nisso?

    Sobre o mérito da notícia enviada, o que tem nela que justifica estas reações histéricas? **Absolutamente nada**. A notícia diz, tão somente, que D. Müler afirmou que «a Santa Sé poderia considerar a criação de um ordinariato para os luteranos que desejam regressar à plena comunhão com a Igreja Católica». E que o «arcebispo fez estas declarações durante a apresentação, em uma livraria de Roma, de seu livro».

    Detalhes importantes que passaram ao largo da reação passional dos que parecem ter um mórbido prazer em vasculhar notícias católicas à busca de qualquer coisa contra as quais possam vociferar:

    1. Não se trata de um anúncio que a Santa Sé vá fazer isso, mas de algo totalmente vago: Ela “poderia considerar”. Se Ela estivesse “considerando”, ainda assim não significaria que tal seria feito e a prudência mandaria aguardar. Mas não se trata nem disso: Ela **poderia** considerar! O que significa isso na prática? Absolutamente nada.

    2. Isto se aplicaria não a todos os luteranos do mundo, mas sim somente àqueles **que desejam regressar à Igreja Católica**! Ora, regressar à Igreja Católica exige abjurar a heresia luterana, como é bastante óbvio e se aprende em qualquer manual de teologia básica. Pressupôr diferente disso é simplesmente fazer acusações gratuitas que, de novo, pecam com a reverência devida aos legítimos pastores da Igreja.

    3. D. Müller não publicou um documento da CDF dizendo isto e nem mesmo deu um pronunciamento oficial sobre o assunto: ele apenas o comentou (provavelmente en passant) **enquanto estava dando uma palestra sobre o lançamento de um livro seu**. Ora, e desde quando as pessoas são obrigadas a um detalhado rigor teológico quando estão falando sobre coisas genéricas em um ambiente que nada tem a ver com o cargo que ocupam na Cúria Romana?

    Ou seja: tem-se um bispo, em uma situação **completamente fora do seu ofício**, comentando genericamente a **possibilidade** da Igreja imaginar um ordinariato para luteranos que **queiram abandonar a heresia**, e tem gente que vem protestar com tanta virulência contra isso? Ah, francamente.”

    – Jorge Ferraz

    Resposta as acusações mentirosas do Sr. Jorge Ferraz:

    Primeiro que onde faltou a devida submissão a Dom Muller ? Qual o ato de governo realizado por ele que devemos subscrever ?

    Onde o artigo falta com a reverência ?

    Onde houve pecado de arrogancia nele ?? Eu quis me igualar a Santo Atanásio ? Onde isso está expresso ?

    As perguntas deverão ser esclarecidas; o sr Jorge Ferraz deve apresentar onde , em que palavras , frases , parágrafos do texto se diz que “um ato de governo específico da CDF Muller deve ser desobedecido pelos católicos”, “qual trecho insta católicos a não se submeterem a ele” , “quais palavras demonstram injúria dirigida ao cardeal que provem falta de reverencia”, ” onde o autor do texto se arroga poderes específicos para julgar o magistério”, “onde se comete pecado por palavras no texto referido” e por fim “onde o autor se igualou a Santo Atanásio ou outros santos”.

    Esclarecidas tais questões não me furtarei a correção.Não esclarecidas as tomarei como atos de injúria nos termos da lei ,encaminhando ação em juízo contra o sr Jorge Ferraz.

    Aguardo vossa resposta Sr Jorge Ferraz !

    Por ultimo : o Sr se engana quando diz que ” Ora, regressar à Igreja Católica exige abjurar a heresia luterana, como é bastante óbvio e se aprende em qualquer manual de teologia básica. Pressupôr diferente disso é simplesmente fazer acusações gratuitas que, de novo, pecam com a reverência devida aos legítimos pastores da Igreja.”Dom Muller deixou claro que eles voltariam mantendo suas tradições particulares.Ora poderias dizer : “certamente ele fala daquelas que são compatíveis com a fé católica”.Ora essas não são deles , são elementos da Igreja Católica.As tradições particulares dizem respeito ao que é especificamente luterano.Se não era isso que Dom Muller quria dizer foi esse o temro que ele usou e eu só posso afirmar a partir do que foi expresso no foro externo, diferente de vc que faz afirmações a respeito do meu foro interno sem nenhum fundamento em minhas palavras.A notícia é muito mais ampla : diz ainda que os luteranos vem o CV II como realização dos ideais de Lutero.Mas disso vc não falou ? Por que ?

    Rafael G de Queiroz