“O senhor tem que demitir o Cardeal Bertone!”

Cardeal Joachim Meisner.

Cardeal Joachim Meisner.

O Cardeal Secretário de Estado não fazia esse papel [de homem de confiança do Papa, tal como Ratzinger foi de João Paulo II]. Durante o caso Williamson, eu, uma vez, em nome de um certo número de cardeais, fui ao Papa e disse: “‘Santo Padre, o senhor tem que demitir o Cardeal Bertone! Ele está no controle’ — como se fosse o ministro responsável em um governo secular. Ele me olhou e disse: ‘Ouça com atenção! Bertone fica! Basta! Basta! Basta!’. Depois disso, eu nunca mais toquei no assunto. Diga-se de passagem, isso é típico: os Ratzingers são leais. Isso faz da vida deles nem sempre fácil. O Papa basicamente levou os seus colaboradores mais próximos da Congregação para a Doutrina da Fé (CDF) para a nova função, Cardeal Bertone, assim como o seu secretário, o agora Arcebispo Gänswein. Mas o antigo prefeito da CDF, Cardeal Levada, não fazia para Ratzinger o papel da forma que ele fez para João Paulo II. E o novo prefeito, Dom Müller, acabou de assumir o cargo e deve descobrir a sua própria função. Ele é um homem esperto, embora diferente do próprio Ratzinger”.

Da interessantíssima entrevista do Cardeal Joachim Meisner, arcebispo de Colônia e amigo muito próximo de Bento XVI, concedida ao Frankfurter Rundschau.

20 Comentários to ““O senhor tem que demitir o Cardeal Bertone!””

  1. Realmente, o cardeal Bertone era o chefe do governo paralelo que governava o Vaticano. Se até Judas traiu Jesus, o que dizer do Santo Padre o papa Bento XVI? Estamos vivendo as páginas do Apocalipse. O Senhor está às portas. Quem viver, verá!

  2. Pois eu torço para que seja o Bertone o novo eleito. E Arcebispo Georg Gänswein!!! Duvido que alguém esteja sofrendo mais com essa decisão do Papa. Ali estava mais que um Secretário, mas um guarda-costas, um amigo capaz de dar a vida por seu mestre:

    «Pessoalmente eu sempre vi meu papel e serviço ao Papa como aquele de um vidro. Um vidro é um vidro quando está limpo. Quanto mais limpo, mais ele atinge seu objetivo. Se ele se suja ou se rompe continua sendo um vidro mas não funciona como deveria. Eu devo deixar entrar o sol e quanto menos o vidro aparece, melhor ele é. Se não conseguimos percebê-lo ali, quer dizer que ele desenvolve melhor sua função. Quanto menos sou visto, melhor me mostro, – disse ele explicando como oferece a cada dia seu trabalho e auxilio a Bento XVI- com o coração, com o cérebro, com a alma, com todas as forças que existe em mim”. E além do mais acrescentou: “Ventos hostis sopram e tocam o Santo Padre atingindo também esse seu secretário, o sofrimento faz parte da via crucis, mas não somos nós que o escolhemos».

    http://vaticaninsider.lastampa.it/vaticano/dettaglio-articolo/articolo/georg-gaenswein-20418/

  3. O que falar? O cardeal Meisner, que sempre foi a voz de Bento XVI na Igreja da Alemanha, sabe mais do que todo mundo o quão nociva foi a presença de Bertone dentro da Secretaria de Estado. E a essa altura do campeonato, não há mais razões para esconder nada. Tomara que nos próximos dias venha a tona tudo sobre os desmandos de Bertone na Secretaria de Estado. Não só para minar de vez a sua influência na Cúria, mas também para afasta-lo de qualquer pretensão no consistório que virá, seja pelo papado, seja pela influência sobre os votos dos demais cardeais.

  4. The house Down ( A Casa caiu!)

  5. Bertone papa é o mesmo que satanás papa!

  6. Pois eu tenho todos os motivos do mundo pra desconfiar de um Cardeal que dá ordens ao Papa:
    “Durante o caso Williamson, eu, uma vez, em nome de um certo número de cardeais, fui ao Papa e disse: “‘Santo Padre, o senhor tem que demitir o Cardeal Bertone! Ele está no controle”.
    E apesar da ordem, o Papa decidiu não apenas manter o Bertone como também seu secretário particular Dom Georg Gänswein e ainda pediu que os deixassem em paz.
    Entre as palavras desse Cardeal e o juizo do Papa a respeito, eu tenho pelos menos umas “trocentas” razões pra confiar na decisão do Papa.
    Eu bem sei o papel de certos Bispos alemães durante as negociações do Papa com a FSSPX!

  7. Dar emprego para amigos nunca foi uma boa política. Talvez um estranho debaixo duma espada seja melhor estratégia a menos que um servo devotado apareça.

  8. Só o fato do Papa utilizar apenas amigos de sua mais estreita confiança e proximidade pra servir de canal entre ele e Dom Fellay, a ponto de enviar mensagens a Dom Fellay dizendo pra ignorar as ameaças dos cardeais Muller e Levada e engavetar as cartas que eles enviavam à SSPX, pra mim falam alto sobre a quantas andava a confiança do Papa nesses Cardeais que agora aproveitam da situação pra tentar sair da reta e jogar Bertone e Ganswein na fogueira.

  9. Frateres,
    Será que não dá para traduzir toda entrevista?

  10. Ora Gercione, se o próprio Papa Bento XVI é defensor da atitude de alertar quando um padre ou bispo está enganado quanto aos ensinamentos, o que dizer de um cardeal, na inteligência, sugerir a demissão do Cardeal Bertone?
    Dom Fisichela (Cons. Pontifício para a Família) apoiou Dom Paglia que se posiciona não ter nada contra a união “homoafetiva”. E ele é cria de Dom Bertone. Como é que não tem que demitir um cardeal desse???
    Diante disso, qualquer um poderia alertar o Papa Bento XVI.

    Salve, salve Roma, o teu sol tem poente!
    Vence refulgente, todo erro e todo mal!
    Salve, Santo Padre, vivas tanto ou mais que Pedro!
    Desça qual mel do rochedo, a benção paternal!

  11. Quantos ataques ao cardeal Bertone! No G1, Veja e Folha de São Paulo, já li matérias nesses últimos dias que acusam-no de criar intrigas dentro da Cúria, voltar o Santo Padre contra certos cardeais, acusações de corrupção, etc…

    Quanto ao cardeal Meisner, deveis saber o seu histórico aqui no fratres in unum:

    http://fratresinunum.com/2009/10/07/cardeal-joachim-meisner-dispensa-apostolado-da-fssp/

    http://fratresinunum.com/2009/02/04/meisner-o-cisma-da-fraternidade-ainda-persiste/

    http://fratresinunum.com/2011/03/13/foto-da-semana-33/ (O Cardeal Joachim Meisner, arcebispo de Colônia, faz uma pregação com um boneco Kasperle).

  12. Ao que parece, o único que foi fiel ao papa do início ao fim foi mons. Georg Gaenswein. Fiquei comovido como ele tentava conter o choro ontem na missa da Quarta-Feira de Cinzas, flagrado quase escondido pela televisão, sem posar diante das luzes das câmeras como o “ator” Bertone. Homem sério sem o qual Bento XVI dificilmente teria conseguido driblar muitas das dificuldades que se apresentaram ao seu papado desde o início.

  13. Eu também tenho um pé atrás com o cardeal Bertone, mas uma coisa é certa: Por que Bento XVI, um homem sábio, saberia de alguma coisa sobre seu secretário de Estado e permaneceria inerte? Existem muitas perguntas e nenhuma resposta.

  14. Muito estranho: ele elogia D. Muller e critica Bertone. É um ponto a favor de Bertone.

  15. Sodano não recebeu dinheiro do Pe Maciel LC para engavetar investigações sobre as irregularidades de sua vida ? Entre ele e Bertone fico com Bertone.

  16. Meu Deus, não deixais que Bertones, Sodanos, Schorborws e et caterva seja eleito. Eu vos imploro Senhor!

  17. Alguém notou o olhar do papa Bento XVI para o cardeal Bertone enquanto este fazia seu discurso no final da Missa de Quarta Feira? Será que só eu notei o olhar amargurado e decepcionado do papa diante daquele homem apavorado ? Notaram que o papa sequer agradeceu as palavras que lhe foram dirigidas conforme é esperado em caso de uma homenagem como aquela? Logico que o papa recebeu o cumprimento de Bertone, até sorriu um pouco quando Bertone lembrou a frase do papa na sacada da Basílica quando foi eleito : “Um humilde trabalhador da vinha do Senhor”. Mas foi um sorriso amargo também. Nada me tira a impressão de que Bento XVI olhando para Bertone falando, não pensou no seu íntimo: “Ele não entendeu nada do que eu disse sobre divisão do clero, e de hipocrisia religiosa”

  18. Fernando, Monsenhor Georg Gaenswein tem toda a minha admiração e respeito.
    Gaenswein, segundo informações que não são negadas nem confirmadas tanto por Roma como pela SSPX é ex-seminarista da FSSPX em Econe. O fato é que pelo o que Dom Fellay nos deu a entender, Monsenhor Gaenswein foi figura pivotal nessas negociações entre Roma e a SSPX.
    Dom Fellay sempre se referia a ele como alguém que estava diretamente ligado ao Papa e em quem o Papa depositava total confiança.
    Uma coisa eu posso dizer, Dom Fellay dizia que não poderia revelar muita coisa porque haviam pessoas que tinham se “queimado” e muito por causa dessas negociações. O que eu posso assegurar é que Monsenhor Georg Gaenswein é fidelíssimo ao Papa, tem grande amor e respeito pelo Pontífice e ultimamente estava na mira dos inimigos da Igreja.
    Aqui está um link de um amigo meu, fotógrafo como eu, que disponibilizou algumas fotos do Papa e de Monsenhor Georg Gaenswein para domínio público:

    http://www.flickr.com/photos/13584205@N08/sets/72157605593943422/

  19. A igreja perdeu a moral com todos esses escândalos. Infelizmente Deus é simplesmente um negocio nos idas de hj. A pressão sofrida por um Papa deve ser imensa e pesada. Com todos os benefícios do cargo o fardo deve ser insuportável. O pior do todos os males é saber que quase todos a sua volta estão ali simplesmente para te boicotar, atrapalhar e ferir. Creio que a pior das políticas é a praticada pela igreja. É muito triste saber que as pessoas que vc tem como parâmetro, são na verdade monstros travestidos. Deus abençoe o Santo Papa e que su decisão tenha sido a melhor para todos.