Última audiência geral de Bento XVI: “Houve momentos em que as águas estavam agitadas e o vento contrário, como em toda a história da Igreja, e o Senhor parecia dormir”.

Renúncia não é regresso à vida privada.

A Praça de São Pedro tomada pelos fiéis.

A Praça de São Pedro tomada pelos fiéis.

Cidade do Vaticano, 27 fev 2013 (Ecclesia) — Bento XVI concedeu hoje a última audiência pública do seu pontificado, que se conclui esta quinta-feira, e explicou que a sua renúncia se aplica ao “exercício ativo do ministério” do Papa, sem implicar um regresso à “privacidade”. “Não regresso à vida privada, a uma vida de viagens, encontros, receções, conferências, etc. Não abandono a cruz, mas fico de uma forma nova junto do Senhor crucificado; deixo de levar a potestade do ofício para o governo da Igreja, mas no serviço da oração permaneço, por assim dizer, no recinto de São Pedro”, declarou, na sua catequese em italiano, perante mais de 150 mil pessoas, segundo estimativas do Vaticano. Segundo Bento XVI, “amar a Igreja significa ter a coragem de fazer escolhas difíceis, sofridas, tendo sempre diante de si o bem da Igreja e não a si próprio”. “Quem assume o ministério petrino já não tem qualquer privacidade [‘privacy’ no original]. Pertence sempre e totalmente a todos, a toda a Igreja, na sua vida é totalmente cortada a dimensão privada”, precisou. Agradecendo a presença “tão numerosa” de fiéis nesta audiência semanal, que ao longo dos anos do pontificado reuniu 5,1 milhões de pessoas, o Papa declarou recolher “tudo e todos na oração” para os confiar a Deus. “Neste momento, há em mim uma grande confiança, porque sei, sabemos todos nós, que a Palavra de verdade do Evangelho é a força da Igreja, a sua vida”, prosseguiu, ao som das palmas dos presentes, agradecendo o dia de sol numa “manhã de inverno”. Bento XVI recordou o momento da sua eleição, a 19 de abril de 2005, e falou da “presença” de Deus que sentiu todos os dias neste ministério. “Foi uma parte do caminho da Igreja que teve momentos de alegria e de luz, mas também momentos nada fáceis”, confessou. “Houve momentos em que as águas estavam agitadas e o vento contrário, como em toda a história da Igreja, e o Senhor parecia dormir, mas sempre soube que nessa barca está o Senhor e sempre soube que a barca da Igreja não é minha, não é nossa, mas é sua e a não deixa afundar”, acrescentou. O Papa declarou que não se sentiu “só” ao longo dos anos em que viveu a “alegria e o peso” do pontificado, deixando palavras de agradecimento aos cardeais, pela sua “amizade”, aos seus colaboradores, à Diocese de Roma e ao “mundo inteiro”. “Gostaria de agradecer do fundo do coração às várias pessoas de todo o mundo que nas últimas semanas me enviaram sinais comoventes de atenção, de amizade e de oração. Sim, o Papa nunca está só, experimento-o agora de novo de um modo tão grande que toca o coração”, revelou. O Papa falou das cartas das “pessoas simples” que lhe escrevem como “irmãos e irmãs ou filhos e filhas”, porque a Igreja não é “uma organização”, uma “associação para fins religiosos ou humanitários, mas um corpo vivo”. “Deus guia a sua Igreja, levanta-a sempre, também e sobretudo nos momentos difíceis. Não percamos nunca esta visão da fé, que é a única verdadeira visão do caminho da Igreja e do mundo”, concluiu. Bento XVI apresentou a sua renúncia no último dia 11, com efeitos a partir de quinta-feira, por causa da sua “idade avançada”, abrindo caminho à eleição do seu sucessor. A última renúncia de um Papa tinha acontecido há quase 600 anos, com a abdicação de Gregório XII. OC

Tags:

20 Comentários to “Última audiência geral de Bento XVI: “Houve momentos em que as águas estavam agitadas e o vento contrário, como em toda a história da Igreja, e o Senhor parecia dormir”.”

  1. Inspiradas palavras !O Espírio Santo falou através de Pedro.

    Obrigado,Santidade!

    Estarás sempre em meu coração e minhas orações.

    VIVA O PAPA!!!!!!!!

  2. Bem cedo, às 6h, acompanhamos pela Globo News a última audiência geral do papa Bento XVI. Assim como em sua homilia inaugural de 24 de abril de 2005, ele fez ressoar para o mundo: A IGREJA ESTÁ VIVA… E ressaltou: “Não abandono a cruz, mas fico de uma forma nova junto do Senhor crucificado”. Na sua homilia inaugural havia afirmado: A Igreja está viva e é jovem.

  3. As últimas declarações do Papa são iguais às últimas palavras de Cristo na cruz.

    Agora, é a vez de “filho, eis aí a tua Mãe” e “meu Deus, por que me abandonastes?”. E nós, os “romanos”, dizendo “é um verdadeiro santo”. Igualzinho ao Calvário.

    A sede vacante em março será a descida da cruz do nosso Papa e seu “sepultamento” monasterial. O Corpo Místico está passando pelo que a Cabeça passou… A ressurreição da Igreja pelo próximo Papa ainda demorará alguns anos e será precipitada pelos acontecimentos… João (FSSPX) não fará acordos modernistas, por mais que seja instigado e vacile, e não abandonará a Cruz e à Santa Mãe(fidelidade à Igreja). É preciso ler os sinais dos tempos…

    Enquanto isso, passaremos pela “Páscoa” festiva e meio demorada dos poderosos deste mundo e seu “Príncipe”. Não estranhem.

  4. “a Igreja não é “uma organização”, uma “associação para fins religiosos ou humanitários, mas um corpo vivo”. “Deus guia a sua Igreja, levanta-a sempre, também e sobretudo nos momentos difíceis. Não percamos nunca esta visão da fé, que é a única verdadeira visão do caminho da Igreja e do mundo”. …

    Por isso, caríssimo pai, Deus vos recompense por tão grande e luminoso Pontificado.
    Vossa tarefa não terminou. Sem dúvida ela torna-se mais preciosa e condizente com vossos limites físicos…
    Como nos deixava maravilhados o vosso predecessor, Beato João Paulo II, dando seu último suspiro pela Igreja naquela Páscoa memorável de 2005, já sem voz e no limiar de sua visão beatífica, também nos maravilha vossa humildade, vossa coragem e amor à Mãe Igreja, em não pular fora da Barca, mas, apenas deixar seu timão a outro com mais saúde e vigor físico.
    Vossas orações, agora mais do que nunca, ajudarão na árdua tarefa que se aproxima nos próximos dias em vista da eleição do vosso Sucessor.
    “Deus guia a sua Igreja, levanta-a sempre, também e sobretudo nos momentos difíceis.”

    As multos annos, Santo Padre!!!

  5. “A Igreja não é “uma organização”, uma “associação para fins religiosos ou humanitários, mas um corpo vivo”.
    Ele cansou de dizer isso durante todo o tempo que esteve como Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé e depois como Papa. Mas seus Cardeais, Bispos e Padres parecem ter fechado os ouvidos pra essa verdade. Será que abrirão agora? Duvido.

  6. Apelo aos Irmãos do Fratres,

    Queridos irmãos, hoje a noite o canal Nat Geo irá apresentar um documentário – que pelas vinhetas aparenta ser muito bem intencionado – sobre o legado de Bento XVI. Alguém tem como gravar em boa qualidade para ser baixado depois?

  7. Eis a Igreja de Deus, a igreja dos martires e dos santos. A Santa Igreja do Vaticano II, que sempre se renova.
    Viva o papa, Viva a Santa Igreja Catolica.

  8. “A Santa Igreja do Vaticano II…” Ai ai, depois dizem que são “os da Tradição” que enxergam duas igrejas…

  9. Creio que Bento XVI tomou a melhor decisão. Precisamos confiar no nosso Santo Padre, que é tão inteligente e tanto bem fez para a Igreja de Cristo. Talvez, se ele permanecesse até o final, acabaria sendo feito de idiota por alguns “colaboradores” próximos e seria substituído por um modernista após sua morte, que certamente seria celebrada pela mídia. Com a renúncia ele impediu que isso venha a ocorrer, estou confiante! Pelo que tenho visto, a maioria dos cardeais está decidida a escolher alguém alinhado com o Papa atual, que nunca foi tão popular quanto hoje. Acredito que o próximo pontificado será de continuidade, e isso já é razão para comemorarmos. Não precisamos de um Marcel Lefebvre no papado. Precisamos de um papa que consiga manter a unidade da Igreja por meio da hermenêutica da continuidade, enquanto a velha guarda do Vaticano II vai morrendo lentamente e cedendo espaço para o tradicionalismo, que não para de crescer. Os frutos do Summorum Pontificum estão apenas começando a aparecer, e o futuro é promissor, apesar de tudo. Precisamos ter paciência! Angelo Scola neles!

  10. Eduardo Gregoriano

    Sempre quando gravo algum programa no pen drive, e tento usá-lo no computador, tenho que formatá-lo primeiro, o que impossibilita que eu disponibilize as gravações nas internet. Sabe se tenho algum meio de usá-lo no computador sem antes precisar formatá-lo?

  11. Obrigado Deus Todo-poderosos, pelo Santo Padre Bento XVI.

  12. A Igreja é o “Corpo Místico de Cristo” e por isso vai passar pelo que passou o seu Senhor e noivo. Eu penso que o Calvário, que a “via crucis” ainda está no começo, mas no final ela reinará gloriosa.

  13. Que Deus permita que muitos corações se abram para a Verdade, especialmente daqueles que doravante terão a missão de escolher o sucessor do Papa.
    Obrigada, Bento XVI.

  14. Pedro Augusto,

    Não sei como fazer isso! Eu tenho TV por assinatura e queria muito gravar para colocar no meu acervo! Não sei como gravar!

  15. Que o Senhor que sempre esta conosco, conosco permaneça… Minha admiração ao sempre Papa Bento XVI… que o nosso querido e próximo venha com as bençãos de Deus e Nossa Senhora.. amém! Veni Creator Spiritus

  16. Vá com Deus, Santo Padre. Obrigado mesmo. Apesar de tantas tribulações, o Trono de Pedro fora honrado por 8 anos de um pontificado luminoso para a Igreja.

    Que estejamos sempre próximos em oração.

  17. ““A Santa Igreja do Vaticano II…”

    Também concordo com vc Geovanne, não existe essa Igreja do Vaticano II, o Vaticano II é um dos Concílios da Igreja. Esta tem 2000 anos, enquanto aquele tem 50 anos.
    Bento XVI teve a coragem de desmantelar a super dogmatização do Concílio e as trocentas interpretações, a maioria delas nocivas e falsas, dadas desde do final do Concílio, ou melhor, já durante sua realização, e mostrou como o Concílio deve ser lido e interpretado. Tomara que esse apelo do Papa não dure mais 50 anos para ser posto em prática…
    Por isso, nossos terços e nossas Santas Missas pelo Conclave que se aproxima devem se multiplicar…

  18. Bento XVI teve a coragem de desmantelar a super dogmatização do Concílio
    Desmantelar o que ele fez?

  19. Eis a Igreja de Deus, a igreja dos martires e dos santos. A Santa Igreja do Vaticano II, que sempre se renova.
    Só falta mostrar quem são os santos e mártires da ‘santa igreja CVII’ (SIC), pq os santos e martires da Igreja Católica, essa sim SANTA UNA E CATÓLICA jamais aceitariam o CVII.

  20. O Papa Bento, nas últimas audiências vem insistindo em que se ponha em prática o CVII. Vejam estas matérias aqui no Fratres mesmo.
    Se a intenção dele era desmantelar a “superdogmatização” do CVII, foi uma intenção fracassada…