Organização não confirma — tampouco rejeita — “atos culturais” de Teló, Sangalo & Cia na JMJ.

Atos Culturais JMJ Rio2013

O Comitê Organizador Local (COL) da Jornada Mundial da Juventude Rio2013 esclarece que a informação sobre a participação de artistas musicais, citados pela imprensa nos últimos dias, não está confirmada pela organização do evento, uma vez que a agenda de atividades culturais não foi oficializada pela organização.

É importante salientar que as apresentações durante a JMJ Rio2013 são analisadas e devem ter o parecer final do Pontifício Conselho para os Leigos (PCL), que exerce a função de Comitê Organizador Central da JMJ e está ligado ao Vaticano.

Fonte: Site oficial da Jornada Mundial da Juventude 2013

* * *

[Atualização - 9 de abril de 2013, às 16:52]: Reconstruindo os fatos:

1) O jornalista Lauro Jardim, da Revista Veja, divulga a informação;

2) Pensando que o escândalo se daria apenas pelo dinheiro mal usado, horas mais tarde, a organização da JMJ contacta o jornalista não para negar tais “atos culturais”, mas para esclarecer “que o dinheiro do patrocínio não será usado para pagar os artistas. A negociação para os shows está sendo feita com as gravadoras…”. Que coisa! Até então os atos ainda não estavam “não confirmados”?…;

3) Crescendo ainda mais a comoção entre os católicos nas redes sociais, novamente a organização vem a público não para negar a sua intenção de contar com tais cantores, mas para “não confirmar” a sua presença, compartilhando ainda a responsabilidade de uma eventual aparição daqueles digníssimos representantes da cultura brasileira com o Pontifício Conselho para os Leigos.

A impressão que se tem é que, não fosse o vazamento da informação que gerou o clamor popular pela internet, possivelmente Teló, Sangalo, ou outros cantores da mesma linhagem, estariam tranquilamente se apresentando em alguns meses na JMJ. Por isso, é importantíssimo que a organização da JMJ venha a público negar peremptoriamente – e não simplesmente “não confirmar” — que tenha cogitado, contactado e negociado a presença de tais artistas. E se o fez, que se retrate. Trata-se de assegurar ao povo católico os objetivos religiosos e a identidade do evento, e até de melhorar um pouco a imagem nada zelosa que os católicos têm dos joviais representantes da rapaziada no setor juventude da CNBB.

8 Comentários to “Organização não confirma — tampouco rejeita — “atos culturais” de Teló, Sangalo & Cia na JMJ.”

  1. Se a intenção de levar cantores seculares para a JMJ,na intenção de atrair pessoas,é melhor que não convide.Nada haver esses cantores seculares em um evento como este.O objetivo maior.é resgatar os jovens ao seio da Igreja que Jesus edificou(A CATÓLICA),e evangeliza-los.Imaginem Michel Teló cantando “AI SE TE PEGO”,assim como Ivete Sangalo com suas músicas secular.Deus não permitira essas musicas mundanas na JMJ.Salve Maria Imaculada!

  2. Só falta Lady GAGA.

  3. Isso não era nem pra ser questionado, ou melhor, cogitado.
    Tais criaturas, Michel Teló, Ivete & Cia, já tem seus palcos e espetáculos garantidos a dar em seus devidos momentos e ocasiões. Pasma-me ao ler tais informações sobre a minha tão amada Igreja!
    Mãe Santíssima, intercedei por nós!
    Intercedei em especial pela Igreja do Brasil!

  4. Talvez a questão seja: quem estaria se beneficiando com artistas como esses? Shows custam grana, money, deinheiro! Estaria alguém organizando isso com a finalidade de levar alguns trocados de comissão??? Seria isso possível???

  5. Fratres in Unum.com está conhecido e respeitado como mais importante blog brasileiro de defesa da ICAR no mundo todo. Com a JMJ os olhos dos católicos estarão voltados para o Brasil; e Fratres será lido e consultado. Que Deus nos abençõe e que possamos ajudar com as críticas pertinentes os nossos irmãos responsáveis pela organização de tão extenso evento.

  6. Vamos juntar forças, oração e, manifestar nossa insatisfação da presença de tais cantores.
    Li hoje na revista Veja a confirmação de tais cantores; claro, são informações lançadas. Mas precisamos manifestar nossa insatisfação.
    Mesmo a presença de patrocinadores, torna a Igreja muito dependente dessas marcas, e esquecemos a Divina Providência.
    Pe. Leonardo.

  7. O pior é o conteúdo das músicas e suas letras: puro paganismo hedonista.
    Ah, organizadores da JMJ! Ai, se vos pego!

  8. Vamos fazer uma campanha para que não haja cantores seculares na Jornada Mundial da Juventude.