Permanece a lenga-lenga: Dom Orani nega que JMJ pagará cachê, mas não desmente presença de quem quer que seja!

Arcebispo do Rio de Janeiro não desmente que organização tenha contactado, convidado ou negociado presença de cantores de músicas incompatíveis com a Moral Católica, nem rechaça suas eventuais participações na JMJ. “Se alguém for se apresentar, será como voluntário, pois a comissão da JMJ não vai pagar cachês”. Ótimo, avisem a Satanás que, se quiser vir ao Rio, nada de caixinha.

Estadão – Aparecida – O estilo e as primeiras orientações do papa Francisco, eleito sucessor de Bento XVI no dia 13 de março, prometem dar a tônica da 51ª Assembleia Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), iniciada nesta quarta-feira em Aparecida (SP), com presença de 361 participantes. “Quais serão as consequências em nosso País das palavras de Francisco, quando ele diz que quer uma Igreja pobre para os pobres?”, perguntou no plenário o bispo de Jales (SP), d. Luiz Demétrio Valentini.

A resposta virá da definição, nos próximos dias, da discussão do tema central da assembleia, que busca um novo conceito de paróquia, apresentada como comunidade de comunidades, uma preocupação do documento da 5ª Conferência Geral do Conselho Episcopal Latino-Americano e do Caribe, inaugurada por Bento XVI em Aparecida, em maio de 2007. “Igreja pobre para os pobres significa uma Igreja mais simples, mais presente, mais junto do povo e comprometida com a evangelização”, disse o franciscano d. Severino Clasen, bispo de Caçador (SC) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato. “E deve ter também um rosto alegre e uma palavra de alegria, de dignidade e de defesa do direito”, acrescentou.

A eleição de Francisco está mudando igualmente a programação da vinda do papa ao Rio para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), na segunda quinzena de julho. O reitor da Pontifícia Universidade Católica de Minas (PUC Minas), d. Joaquim Mol Guimarães, bispo auxiliar de Belo Horizonte, informou que Francisco será convidado para o encerramento do Congresso Mundial de Universidades Católicas, dia 21 de julho, em Belo Horizonte.

“O convite ainda não seguiu, mas está em processo de encaminhamento, prevê a antecipação da chegada do papa ao Brasil, prevista para 23 de julho”, adiantou d. Mol. O arcebispo do Rio de Janeiro, d. Orani João Tempesta, afirmou que não vê inconveniência no fato de a programação do papa começar por Minas, três dias antes do início da JMJ. “Vai depender dele, o papa faz o que acha melhor”, observou.

O cardeal-arcebispo de Aparecida e presidente da CNBB, d. Raymundo Damasceno Assis, informou aos bispos que provavelmente até o encerramento da assembleia, dia 19, o Vaticano divulgará a programação da viagem do papa, com locais e datas a serem visitados. O cardeal espera que Francisco inclua Aparecida no roteiro, atendendo a um convite seu, conforme ele adiantou à presidente Dilma Rousseff, ao recebê-la em audiência no dia 20 de março, em Roma.

Logística

Uma comissão encarregada da logística da viagem deverá vir ao Rio nas primeiras semanas de maio, dois meses antes da chegada do papa, informou d. Orani. Como tudo mudou após a renúncia de Bento XVI, cuja agenda seria mais restrita, por causa da idade e de seu estado de saúde, o arcebispo planeja ampliar os compromissos de Francisco dentro do novo contexto. “Gostaria que o papa visitasse uma favela, a ser ainda definida, e uma casa de jovens reclusos, além de rezar aos pés do Cristo Redentor, no Corcovado”, adiantou d. Orani, Tudo será submetido ao Vaticano e à análise da equipe do governo brasileiro responsável pelo planejamento da programação. “Nada ainda de oficial”, advertiu.

O arcebispo desmentiu informações divulgadas na imprensa de que a organização da JMJ teria contratado artistas famosos, entre os quais Michel Teló, para cantar nas celebrações do papa. “Se alguém for se apresentar, será como voluntário, pois a comissão da JMJ não vai pagar cachês”, disse d. Orani.

A Arquidiocese do Rio admite que haja uma participação de até 2 milhões de pessoas, contando-se os fiéis e curiosos que queiram ver o papa. “Não significa que todos sejam inscritos”, observou d. Orani. Até o fim da semana passada, havia 200 mil inscrições, um terço do total previsto. As vagas para hospedagem por enquanto superam as inscrições, mas o quadro deverá inverter-se, porque os interessados tendem a aumentar à medida que se aproxima a data da JMJ.

11 Comentários to “Permanece a lenga-lenga: Dom Orani nega que JMJ pagará cachê, mas não desmente presença de quem quer que seja!”

  1. Eles não vão desmentir a presença do “Mike” e da “Veveta”, porque este é o tipo de show que a arquidiocese do Rio gosta. Na última sexta feira santa, a encenação da Paixão de Nosso Senhor, promovida pela Associação Cultural da Arquidiocese do Rio, foi um………musical !!!! Isso mesmo, todos cantaram…..Já imaginaram Jesus sendo flagelado, enquanto cantava? E Nossa Senhora, aos pés da cruz, cantando…..que beleza, né? Isso sem falar na “Cristoteca” (com Padre DJ!!!!); bênção na Marques de Sapucaí, antes do início dos desfiles de carnaval; no próximo dia 13 de abril, haverá uma feijoada da JMJ 2013 na……….quadra da escola de samba Unidos da Tijuca!!!! Se não fosse trágico, até daria pra rir um pouco…….

  2. O diabo é que nem uma mina terrestre que segundo os militares, não cobra salario, não precisa ser alimentada, não fica doente ou ferida e se você pisar nela ela te explode.

    Assim age a CNBB, colocando minas e arapucas para o rebanho que deveria ser apascentado caia nas garras dos lobos.

    Tem muito católico que trabalharia de graça, mas duvido que será feito um convite a grupos católicos conservadores para que apresentem seus trabalhos.

  3. Nossa Maria é muita controvérsia né?!

  4. Pensei que o Papa havia dito que o carnaval acabou… Mas nós gostamos de mostrar aos gringos como somos um povo alegre, divertido, otimista, despreocupado, pacífico, católico, respeitador dos mandamentos divinos, avançado – isto é, o contrário do que nossos costumes de gente primitiva e paganizada demonstram.

    A CNBB se reúne para discutirem o que mais podem fazer para demolir a Igreja e empobrecê-la ainda mais, principalmente no campo espiritual, e torná-la uma sucursal da religião universal maçônica e messiânica do paraíso na terra.

    D. Joaquim Mol Guimarães deve estar animado para mostrar ao Papa como sua PUC-MG se tornou impermeável à fé católica, um verdadeiro bastião de paganismo e de ideologias anticristãs, igualzinha à Arquidiocese de Belo Horizonte, cujas paróquias já estão seguindo o modelo de ONG assistencial – e muito ineficiente – denunciado no artigo do Sr. Arnaldo Xavier.

  5. ““Quais serão as consequências em nosso País das palavras de Francisco, quando ele diz que quer uma Igreja pobre para os pobres?”, perguntou no plenário o bispo de Jales (SP), d. Luiz Demétrio Valentini.”…

    D. Valentini está rindo a toa pela escolha do Papa atual. Ele, um dos maiores defensores incondicionais da tl e das cloacas de inumdícies chamadas cebs, está soltando fogos pela renúncia de Bento XVI e mais ainda pela eleição do Papa atual, não adianta, vai deixar a Diocese, a contra gosto, mas jamais dará o braço a torcer pelo estrago que a tl fez em Jales; lá os leigos só faltam “celebrarem” junto com os padres….

    Quando a pessoa fica cega por uma idelogia, perde o bom senso. D. Valentini elogiou a atitude de Bento XVI, mas, ele mesmo é a favor, cegamente, dos Bispos ficarem até a morte na Diocese…rssssss.
    Uma coisa é certa e que o está deixando preocupado é que ele não fará seu sucessor…E coitado do Bispo que o suceder… Quando ele mandar a renúncia, forçado, a aceitação virá pelo mesmo correio…

    D. Valentini pode falar, falar, discursar no plenário da Assembléia, a maior parte dos Bispos o ignoram…

    Quanto a D. Orani ele é carreirista, não há dúvida disso, e essa JMJ será o teste final para ele receber a faixa vermelha, ( é capaz do Papa atual eliminar o anel cardinalício e o barrete ), coisas carnavalescas, medievais….

    A cultura dos nossos jovens já é um “primor”, imagina sendo incentivados, pela Igreja, a ouvirem as músicas que esses cantores “famosos” cantam…

  6. Era só o que faltava: além do preço absurdo, que desestimulou muita gente a se inscrever na JMJ, pagarem com o dinheiro arrecadado shows desse tipo de gente. Ainda bem que eu não me inscrevi, vou apenas de gaiato, como a maioria.

    Santo Deus, é nessas horas que eu sinto falta de Bento XVI, que certamente não toleraria essa tentativa de transformar a JMJ em uma woodstok com trajes eclesiásticos.

  7. Quanto ao “novo conceito de paróquia” esboçado pelos honoráveis bispos na CNBB, é bom lembrar o alerta do Papa Francisco: “A Igreja não pode se tornar uma ONG assistenciaista”. Isto é, o fato de as paróquias oferecerem serviços sociais à comunidade não implica em descurar das necessidades espirituais da comunidade. Lamentavelmente, a Igreja do Brasil reduziu-se em amplas regiões a uma ong insossa, com pouco a ofertar à espiritualidade do povo brasileiro, que, carente de Deus, vai buscar na heresia protestante o que a Igreja deveria oferecer e não oferece.

    É bom alertar: as experiências sociais do então cardeal Bergoglio em Buenos Aires nunca redundaram no desmanche da estrutura paroquial. A famosa paróquia de Nossa Senhora de Caacupé, na favela Villa 21, em Buenos Aires, que tem uma ampla rede de serviços sociais prestados pela Igreja, tem 15 capelas, todas munidas de confessionários que funcionam o dia inteiro, conforme relatado pelo jornalista John Allen.

    Mas parece ser especialidade da CNBB deturpar o Magistério da Igreja e as palavras de qualquer pontífice à luz da sua ótica enviesada e torpe de Igreja. O resultado está aí: cada dia o Brasil é menos católico e nada indica a tendência se inverterá nos próximos anos.

  8. Ai, ai, a coisa vai de mal a pior! Só uma perguntinha para os gênios da CNBB: e se, lá no meio do, como direi?, “show voluntário”, algum desses “artistas voluntários” resolver dar um baijaço gay em protesto contra a posição da Igreja em relação ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, ou resolver fazer alguma outra maluquice do mesmo quilate? Quem irá responder pela eventual desmoralização de um Encontro tão aguardado pela juventude católica no Brasil? Sei lá… Há um tempo atrás eu fiquei chateado quando soube que o Encontro com o Papa havia sido mandado lá pros cafundós da zona oeste carioca. Agora já estou até começando a achar que essa JMJ no Brasil passará melhor se ficar mesmo escondinha, se é que me entendem…

  9. Dom Orani ? E vcs ainda perdem tempo entrevistando-o ? Quanto ao Cardeal Bergoglio ele incenctivou as Cebs em Buenos Aires …mais de acordo com esse novo modelo paroquial que se quer aqui no Brasil não tem…e se a CNBB distorce o que os papas dizem por que les nunca protestam ? bastaria isso para esclarecer as coisas , mas nunca o fazem , logo …quem cala consente

    http://www.30giorni.it/articoli_id_19024_l6.htm

  10. Orani quer ser cardeal, nada como juntar azeite e água, tem genteS no Vaticano que gostam disso. O povo no povo pelo povo, dá em 1789 na cabeça (juro que n jogo no bicho!)

    Tb n sei nem o pq tanto lenga lenga dos comentaristas, a banda batom na cueca já cantou na programação de comemoração da padroeira em Aparecida. Vários cantores macumbeiros e afins já cantaram EM MISSA dentro da Basílica. Político ABORTISTA comunga la dentro.
    Deixem a balada ser o que ela tem que ser, nós teremos munição para mostrar como é formação dos filhos do cinquentão.

  11. Um raio de luz, no fundo do túnel. Na história da Santa Igreja, é sempre assim. Quando os inimigos da Esposa de Cristo; rejubilam-se de uma falsa alegria. Nós católicos Apostólicos Romanos. Devemos ter fé esperânça no triunfo da Mesma. Ela, as vezes chega ao Calvário. Desaparecendo todo os vestígios de um ressurgimento. È nesta hora, que devemos esperar, as palavras de Divino Mestre que são infalíveis. Ele tem infinitos meios de florir, a Sua obra divina.
    No Calvário, quando tudo parecia perdido; era o momento que tudo começa. Depois dos imperadores Romanos toldar com o sangue rubro dos mártires, no solo do seu Império Romano. Surge a Santa Igreja, mais viva do que nunca. Convertendo os romanos, os bárbaros, os pagãos… Tendo como seu apogeu, na Idade média. Onde os reis carregavam no píncaros de suas coroas. Este símbolo santo da Cruz.
    Precisamos ter fé. Para quando Ela triunfar; caso estejamos vivos. Nós também, possamos dizer: Com a graça de Deus; conservei a fé imaculada.
    Eu, nestes longos anos de vida. Infelizmente vi, muitos “cedros do Líbanos cairem.” Padres que diziam uma coisa, hoje afirmam o contrário. Como mudam os homens, nós devemos sempre espelhar nos conselhos sábios dos santos. “Uma doutrina verdadeiramente católica. Tem que ser: Por todos ensinados e por todos cridos em todos os tempos.”
    Joelson Ribeiro Ramos.