Os fundamentalistas do relativismo.

Palavras de Dom Antonio Rossi Keller, bispo de Frederico Westphalen, em seu perfil do Facebook. Sua Excelência está, neste momento, participando da Assembléia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil:

Dom Antonio Rossi Keller na Assembléia da CNBB.

Dom Antonio Rossi Keller na Assembléia da CNBB.

Escuta-se de tudo neste mundo. Cada vez mais, cada um diz o que bem entende e ai de quem contradizer aqueles que julgando estar na verdade, arvoram-se em critério do mundo.
A Igreja também tem tipos assim…: leigos, religiosos, sacerdotes e até bispos, não se assustem nem se escandalizem.
Pontificam com um “magisteriozinho” pessoal, fundamentando-se em suas opiniões, ou no que os outros gostam, ou no que a maioria faz, ou no que disse tal e qual “teólogo” (sempre aqueles que contradizem o que o Magistério oficial da Igreja ensina). Enfim, alguns estribam-se até mesmo em alguns documentos de determinadas Conferencias Episcopais, escritos em épocas de confusão, com linguagem dúbia, contradizendo o “sensus fidei”, alguns deles autenticas aberrações. Quem os contradiz, é imediatamente considerado e tachado de fundamentalista. Tempos difíceis, especialmente marcados pelo relativismo moral, pela busca irresponsável de uma inculturação litúrgica, que rebaixa o Mistério aos níveis de um reles sincretismo, pela confusão doutrinal, fundada na aceitação tácita de que a Fé cristã é uma entre tantas outras válidas, pela pura e simples adoção de princípios ideológicos incompatíveis com a visão cristã do homem e do mundo. Tempos difíceis, que já duram demais. Talvez falte-nos ainda a firmeza que não se contrapõe à caridade: antes, a promove na Verdade. Caridade sem Verdade, no máximo, é pura benemerência humana, superficial, que não muda nem melhora nada. Pobre Igreja, se lhe fazem pregar a Caridade sem a Verdade… Corre o risco de tornar-se, como alertou o atual Papa Francisco, em uma ONG….

Teriam estas palavras sido escritas depois de uma daquelas chatíssimas análises de conjuntura?

36 Comentários to “Os fundamentalistas do relativismo.”

  1. Sempre admirei Dom Keller.. agora mais ainda.

    Imagino como seu coração de Bispo deve estar sangrando ao observar certas posições de Bispos avessos àquilo que de fato crê a Igreja.

    Ao ler suas palavras, me lembrei daquela passagem que diz que as ovelhas reconhecem a voz do seu pastor. Dom Keller é um exemplo de fidelidade à Igreja, um homem sábio, talvez uma raridade nos dias de hoje. Sempre me identifiquei com suas palavras.

    Que a Virgem Maria o preserve assim!

  2. A voz que grita no deserto… Ela fará este mesmo discurso na assembléia? Tomara que faça…

  3. Ótimas palavras desse bispos. Quisera Deus que a maioria dos bispos de comportasse de tal maneira.

  4. Infelizmente os bons bispos que fazem parte da CNBB são calados pelos mal bispos que disso, na CNBB parece estar mais cheia do que o resto do mundo.

  5. Dom Keller e Dom Henrique Soares da Costa. Desses sempre podemos esperar palavras lúcidas, sem medo de proclamar a verdade.

    PS.: É Dom Rifan ao fundo nessa foto?

  6. Palavras certeiras de Dom Keller. Será que Dom Keller teve que aguentar novamente por lá Frei Susin com suas análises?

    Fiquem com Deus.

    Flavio.

  7. Dom Henrique Soares da Costa?

    Pesquisem sobre ele no google e descubram o que o referido bispo pensa sobre os católicos tradicionais.

  8. Se já é difícil pra nós que imaginamos o que está sendo dito lá, imaginem para Dom Keller que tem que escutar. Rezando e torcendo para que mais e mais bispos pensem como ele.

  9. Sua Excelência, Dom Keller, tocou em um ponto nevrálgico reportando-se ao Papa. Usou uma linguagem diferente, porem dizendo o mesmo. A Igreja de Cristo não pode se deter em um simples clubinho de pais preocupados com seus filhos, tornando-A uma instituição de lazer e recreação enquanto não se tornam ajuizados e capazes de se cuidaram. A preocupação desses pais é manter seus filhos longe de problemas com drogas policias… Depois de concluídos seus estudos e já estiverem trabalhando, estão com a “vida feita”; pronto! Cumpriu-se a vontade dos pais. Assim acontece em paróquias de algumas regiões do Brasil. Em outras, o foco são as pessoas em condição materiais incompatíveis com sociedade hodierna.
    A missão essencial da Igreja (santificar as almas) fica – quando se sabe disso – em,… talvez…, segundo, terceiro, ultimo plano.
    Diferentemente da Igreja antes do concilio VII, que, por meio do exemplo de muitos santos; ocupa-se precipuamente com os pobres pecadores e ainda Lhe restava tempo para cuidar das necessidades materiais dos pobres que não tinham o mínimo para manterem-se vivos.
    A Igreja deve cumprir sua missão, ater-se aos pobres pecadores e revesti-los da riqueza da graça de Deus, livrando-os da pobreza eterna.

  10. Pedro Henrique, vou procurar saber. Bem lembrado. Hoje em dia temos que está atentos e bem desconfiados.

  11. Minha Nossa Senhora! Um bispo de verdade!!!
    Deus seja Louvado!
    Bendito seja Deus!

  12. Quando um Bispo do Opus é mais corajoso que D. Rifan, é sinal que a Administração Apostólica não vai nada bem. Em todo caso, parabéns D. Keller pela coragem. Tenho a alegria de dizer: D. Keller, o leão de Frederico.

  13. Dom Keller tornou-se uma exceção absoluta. A Igreja nunca esteve humanamente tão destruida. Caos absoluto.

  14. Na próxima oportunidade, se o Papa Francisco elevar D. Keller a cardeal, nossas esperanças poderão crescer ainda mais!

  15. Dom Keller é do Opus?

    ********************
    Dom Henrique Soares da Costa, ultimamente anda falando coisas que presta!

  16. “Tempos difíceis, especialmente marcados pelo relativismo moral, pela busca irresponsável de uma inculturação litúrgica, que rebaixa o Mistério aos níveis de um reles sincretismo, pela confusão doutrinal, fundada na aceitação tácita de que a Fé cristã é uma entre tantas outras válidas, pela pura e simples adoção de princípios ideológicos incompatíveis com a visão cristã do homem e do mundo.”…

    Realmente, pela sua postura de Bispo CATÓLICO, é uma penitência ter que ouvir certas coisas vindas, por exemplo, de D. Valentini e companhia ltda…

    O que me surpreende é a passividade e silêncio de um D. Rifan, por exemplo. É impossível, pelo conhecimento que ele tem da Doutrina, pela bravura que tinha como padre, agora ser reduzido a total aceitação, tácita, de tantos absurdos que falam lá em Aparecida e não escrever ao menos um artigo na página de sua Administração…

    O que causou, ou melhor, causa tão absurdo e desculpe-me a expressão, tal covardia por parte de D. Rifan???? Um padre da Administração falou que ele fez acordos em Roma, além do que diz ter feito, quando lá esteve para criação da mesma…

    D. Licinio e os padres confiaram nele. Quando digo os padres falo dos mais antigos, não dessa turma nova que não sabe nem de longe o que foi o sofrimento da década de 80 em Campos para os dois lados da mesma Igreja.

    Morrer com a pecha da excomunhão era para o grande D. Licinio, de feliz e santa memória, pior que o câncer que o corroia por dentro…

    É contraditório usar o Rito Antigo, pregar a Doutrina milenar da Igreja para seus fiéis, combater as visões liberteiras infernais do Vaticano II, e, numa Assembléia da CNBB, não dizer uma palavra, uma só, sobre tantos absurdos que se dizem por aqueles que não aceitam que a tl é tumor gangrenado cheirando mal que empesta a Igreja há décadas…

    D. Valentini já pulou, perguntando em plenário, o que significa pra nós a eleição do Papa atual, o que significa “uma Igreja pobre para os pobres”. Claro que pra ele significa uma igreja formadas pelas cloacas imundas das cebs, lideradas pelos bofs e buchos e gebaras e barros e betos e libânios e casaldáligas e arns e morellis e calheiros da vida…

    D. Valentini é tão contraditório que elogiou Bento XVI por renunciar e, algumas vezes, a pedido da Nunciatura, não renunciou, dizendo que vai ficar em Jales até a morte…

    É claro que o tempo para cada um falar é exíguo, mas, ao menos a presidência e as trocentas divisões da CNBB, saberiam que a década de 70 já está sepultada, GRAÇAS A DEUS, que o tempo infeliz e infernal dos tucuns, já se foi…
    Mas, não…. D. Rifan prefere o silênnnnnncioooooooo…

    Só D. Keller tem a coragem de expressar o que cada CATÓLICO espera que seus pastores expressassem, a VERDADE CATÓLICA, O ENSINO BI-MILENAR DA IGREJA.

    “Tempos difíceis,”… Sem dúvida D. Keller, sem dúvida, dificílimo e tempestuoso. Conte com nossas orações e reze por nós!

    Sua bênção

  17. De fato, Dom Keller é uma exceção no episcopado.

  18. Fosse hoje 1965, e eu diria que o excelentíssimo estaria falando do Sacrossanto Concílio Vaticano II e seus famosos personagens do Reno […].

    Coragem, Excelência!

  19. Aproveita D. Keller e pede em voz alta daí para que os seus pares saiam em marcha-procissão contra o casamento homossexual, nas ruas como fazem os franceses, americanos e poloneses, não só no facebok.

  20. Quando eu vejo essas notícias e leio esses comentários, me dá uma vontade de cantar Lupicínio Rodrigues:

    Esses moços, pobre moços
    Ah se soubessem o que eu sei
    Não se enganavam, não passavam
    Aquilo que eu já passei
    Por meus olhos, por meus sonhos
    Por meu sangue, tudo enfim
    É que eu peço a esses moços
    Que acreditem em mim:
    “A fonte de toda essa confusão
    está no Concílio Vaticano II”.

    E para os padres e Bispos que insistem em pregar caridade sem a verdade, eu também canto:

    Se eles julgam
    Que há um lindo futuro
    Só o amor
    Nesta vida conduz
    Saibam que deixam o céu
    Por ser escuro
    E vão ao inferno
    À procura de luz

  21. Caríssima Ana Maria,
    sim Dom Antonio é Opus. E, confesso, todos os contatos que tenho do Opus me levam a admirar esta organização, religiosa e humanamente falando.

  22. Dom Antônio Carlos Rossi Keller, bispo de Frederico Westphalen, cujo lema de vida episcopal é: ILLUM OPORTET CRESCERE (É necessário que Ele cresça), constitui um exemplo de pastor na seara do Reino de Deus. Ele foi o primeiro bispo católico que se pronunciou contra a famigerada e polêmica decisão da cúpula do TJ-RS em retirar os símbolos religiosos (crucifixos…) nas dependências da Corte de “Justiça” gaúcha, acatando um pedido de uma associação de lésbicas do Estado do Rio Grande do Sul. Inacreditável, como é possível que uma minoria gay possa ditar a palavra final sobre uma questão fundamental de Estado: o princípio Democrático (governo da maioria: cristã) foi para o espaço, ou seja, que a maioria dos gaúchos se transformou em ateus e homossexuais. Como a elite gaúcha pode se esquecer das missões jesuítas e o povo cristão que ajudou a erguer este Estado da Federação. Com a palavra a justiça gaúcha…

  23. Rafael, obrigada por responder. De fato n sabia disso e confesso que fiquei branco pavor!

  24. Eu também sou do Opus Dei.

  25. Brilhantes palavras! Não conhecia esse bispo, tem toda minha admiração. Foi objetivo, contundente, conciso e… brilhante! só a Verdade brilha assim.
    Ah, agora são dois que dão esperança na CNBB: dom Henrique Soares da Costa e d. Antonio Carlos Rossi Keller.
    E, Pedro Henrique, por favor, se d. Henrique parece duro com os tradicionalistas certamente não é por discordar de seus argumentos mas de sua postura às vezes arrogante e orgulhosa. E desse pecado, livrai-nos mesmo, Senhor!

  26. Cara Ana Maria Nunes, seria interessante você parar de ler a trilogia do escritor norte-americano Dan Brown (O código da Vinci e OUTRAS BABOSEIRAS) e começar a ler os escritos de São Josemaria Escrivá de Balaguer. Aliás, Opus Dei sempre esteve ao lado da Igreja, principalmente nos momentos mais críticos: ‘Vatileaks’, o encarregado de apurar o escândalo foi o cardeal espanhol Herranz, da ordem Opus Dei, bem como o ex-presidente do Banco do Vaticano, o economista Ettore Gotti Tedeschi que estava acabando com a Lavanderia (leia-se: “Crime de Lavagem de Dinheiro”) existente na instituição financeira do Vaticano. Não seja mais uma “inocente útil” deste sistema anticristão que governa o mundo. Leia, reflita, estude e ore, antes de cometer injustiças gratuitamente. A Igreja de Jesus agradece, combinado?

  27. As missões jesuíticas,foram revolucionárias para época,os jesuítas defendiam uma sociedade igualitária e lutavam contra a escravidaõ dos indígenas.A história da igreja gaúcha é marcada pelo progressismo.

  28. Paulo, que injustiça gratuita cometi? Mas vc cometeu uma grave injustiça ao afirmar que leio Dan Brown. Nunca li Dan Brown, caríssimo acusador que n têm provas!

    Quanto a sugestão de leitura: não, obrigada! Tenho 50 biografias de Santos.

    Já que vc se diz Católico, leia, reflita e estude os mandamentos da Lei de Deus, especialmente o 8º mandamento. A Igreja que vc diz pertencer, agradece combinado com o Opus, que n deve gostar de atitudes como a sua, não é mesmo?

  29. Cara Ana Maria Nunes, daria para você explicar o seu comentário acima: “confesso que fiquei branco pavor!”. Realmente, o blog quer saber o motivo de seu PAVOR. Tb não compreendi a expressão “BRANCO PAVOR”, ela não existe no meu dicionário Aurélio. O que significa esta expressão dita sem perna e sem cabeça? Aguardo informações. Agradeço-lhe antecipadamente.

  30. Paulo a Opus tem defeitos e qualidades. Ela não goza da promessa de indefectibilidade que Nosso Senhor concedeu a Igreja. Por exemplo, se houvesse mais coragem a Opus poderia lançar uma nota alertando os fiéis sobre as reiteradas sandices que a CNBB comete. Ana Maria não cometeu injustiça ela apenas apontou um defeito factual do qual a Opus padece.

  31. Caro Bruno, muito obrigado por suas palavras, mas gostaria de realmente, saber o que significa a esdrúxula expressão: “BRANCO PAVOR” que também não existe nos meus dicionários (Aurélio, Houaiss, Academia Brasileira de Letras), a exemplo do que postou o Renato acima (renato14 abril, 2013 às 9:06 am, Cara Ana Maria Nunes, daria para você explicar o seu comentário acima: “confesso que fiquei branco pavor!”. Realmente, o blog quer saber o motivo de seu PAVOR. Tb não compreendi a expressão “BRANCO PAVOR”, ela não existe no meu dicionário Aurélio. O que significa esta expressão dita sem perna e sem cabeça? Aguardo informações. Agradeço-lhe antecipadamente). Prezado Bruno, realmente a Opus Dei tem defeitos e qualidades, todavia, possui membros que atuam efetivamente na defesa do Reino de Deus, anunciando o Evangelho da vida e denunciando a Cultura da Morte presente na nossa sociedade. Sejam eles: religiosos, sacerdotes, bispos, leigos, advogados tributaristas, procuradores do Bacen, auditores fiscais (meu caso) e até ministro do TST, cristãos corajosos, independentes, incorruptíveis e sempre fieis à Santa Igreja. Não tenha dúvidas, que embora oficialmente a Ordem não faça uma crítica à CNBB, os seus membros são livres para tanto (livre-arbítrio), inclusive alguns membros (meu caso) não canso de escrever, passar e-mails, ligações elogiando, sugerindo ou criticando as suas declarações, conf. o caso.

  32. Bruno, que defeito apontei do Opus?

  33. Dou graças a Deus todo dia por pertencer a Diocese de Frederico Westphalen-RS e ter não só como Bispo, mas como um grande a Pai Dom Antônio Carlos Rossi Keller que muito tem feito e faz pela nossa Diocese acabando com a Teologia da Libertação e o pensamento Marxista que lá tinha criado fortes raízes, bem como as ideiais de Leonardo Boff do Padre ser uma pessoa igual o povo e não outro Cristo vestindo a sua Batina.

  34. Caríssimo Paulo, quanto aos membros da Opus posso dizer que conheço alguns de índole irrepreensível: Mons. Sanahuja, por exemplo, é da Opus e é ótimo; D. Keller também é bom, vide o que ele escreveu acima; imagino, também, que você deva ser um valoroso membro da Opus. Não nego que sinto falta de uma postura institucional mais combativa, quem sabe você, como membro, não possa ajudar a corrigir alguns defeitos que você mesmo reconhece existir.
    Ana Maria perdão se vi pelo em ovo. Não quis colocar palavras em sua boca.

  35. DOM KELLER É DOM KELLER!
    Quando se acaba de ler um comentario de Keller, de D Pestana e mesmo Pe Paulo Ricardo tem-se vontade de reler e tresler de tanto conteúdo veraz que possui; nada de adaptações à modernidade ou incidencia no doutrinario da DITADURA DO RELATIVISMO, hoje no altar incensada por muitos ordenados até da alta hierarquia, bem sabemos e ele mesmo o denuncia
    Porém, ele nos repassa, a doutrina da Igreja Tradicional esmiuçada para quem possuir o coração capaz de a aprender e apreender.

  36. Bruno, eu te perdoo!