Papa cria grupo para o aconselhar no governo da Igreja.

Cidade do Vaticano (RV) - O Santo Padre Francisco, atendendo a uma sugestão advinda no decorrer das Congregações Gerais antes do Conclave, constituiu um grupo de Cardeais para lhe aconselhar no governo da Igreja e para estudar um projeto de revisão da Constituição Apostólica Pastor bonus, de Papa João Paulo II, sobre a Cúria Romana.

O grupo é constituído por:

Card. Giuseppe Bertello, Presidente da Governadoria do Estado da Cidade do Vaticano;
Card. Francisco Javier Errazuriz Ossa, Arcebispo emérito de Santiago do Chile;
Card. Oswald Gracias, Arcebispo de Bombay (India);
Card. Reinhard Marx, Arcebispo de Munique e Fresinga (Alemanha);
Card. Laurent Monswengo Pasinya, Arcebispo de Kinshasa (República Democrática do Congo);
Card. Sean Patrick O’Malley. O.F.M. Cap., Arcebispo de Boston (EUA);
Card. George Pell, Arcebispo de Sidney (Austrália);
Card. Oscar Andrés Maradiaga Rodríguez S.D.B., Arcebispo de Tegucigalpa (Honduras),
com a função de Coordenador;
Dom Marcello Semeraro, Bispo de Albano (Itália), com a função de Secretário.

A primeira reunião coletiva do grupo foi fixada para os dias 1º, 2 e 3 de outubro de 2013. Todavia, desde já, Sua Santidade está em contato com integrantes do mencionado grupo.

15 Comentários to “Papa cria grupo para o aconselhar no governo da Igreja.”

  1. Não deixa de chamar a atenção a praticamente total ausência de expoentes europeus nessa comissão, escassamente representados pelo Arcebispo alemão de München und Freising (sé de origem do Papa Bento XVI) e pelo Presidente do Governo do Vaticano. Em se tratando de América do Sul, ninguém do Brasil (para quem estava apostando no Cardeal Dom Cláudio Hummes, por exemplo…) nem mesmo da Argentina, terra natal do Pontífice. Dentre os nomes escolhidos, chama ainda a atenção a clara orientação descentralizadora e antirromana de alguns deles (Errázuriz Ossa, Rodríguez Maradiaga, O’Malley, Pell…), salvo engano. Parecem escolhidos todos a dedo.
    Confesso que fiquei preocupado.

  2. Mas a função de aconselhar e ajudar no governo da Igreja não é originalmente de todo o colégio cardinalício? Criou-se uma casta de cardeais “mais iguais que os outros”?

    Vê-se que, quando só se quer reformar as estruturas (tal como a CNBB), deixando de lado o que realmente interessa (a fé), restam apenas burocracias e “aparelhamento” curial, tal como nos congressos das mais vis das repúblicas…

  3. Olha a colegialidade aí gente.

  4. Gostei de O’Malley e Pell; não gostei de Maradiaga; e o resto não conheço. Apontem as características dos cardeais, amigos, para melhor avaliarmos.

  5. Capitulações no conclave?

  6. Essa comissão é um absurdo: todos os cardeais são chamados a aconselhar o Papa no governo da Igreja.

  7. primadoser um conselho mesmo ou mais um orgao para reduzir o poder do papa e seu primado ?

  8. Primeira reunião em outubro? Prá que pressa,né?

  9. Parece o incio do fim, até mesmo posso dizer o meio do fim; afinal tivemos um concilio VII. Agora o Papa anuncia a criação de um conselho de cardeais. Para aqueles que especularam uma mundança de Igreja Monarquica para “Igreja Parlamentarista”; vem aí outro sinal.
    Nossa Senhora nos socorra!

  10. Parece que há um erro na estruturação da Santa Igreja. Nosso Senhor deixou sua Obra incompleta? Creio que não, afinal Ele é Deus. Volto a bater na tecla da laicização da Santa Igreja. O Catecismo de São Pio X, define Igreja como:”A Igreja Católica é a sociedade ou reunião de todas as pessoas batizadas que, vivendo na terra, professam a mesma fé e a mesma lei de Cristo, participam dos mesmos Sacramentos, e obedecem aos legítimos Pastores, principalmente ao Romano Pontífice.” Portanto, é esta a verdadeira Igreja, não uma organização civil como tantos assim pregam. Ou seja, deixam o fim, para se preocuparem com os meios. Talvez isto explique a quantidade de “escândalos” que sagram o Sagrado Coração de Nosso Senhor. Prega-se aos 4 cantos uma Igreja temporal, para este mundo, contrariando o que o próprio fundador disse:”Se vós fósseis do mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do mundo, por isso é que o mundo vos odeia.
    João 15:19″; logo não esperamos, ou não se deveria esperar, que as posições da Santa Igreja (que devem ser as mesmas do seu fundador) seja ” aceitas” pelo mundo. Não há meio termo entre servir a Deus e viver no mundo. Essa “diplomacia” entre a Igreja e a sociedade, é preocupante e arriscada pois põe em xeque a Salvação( aliás palavra rara, para não se dizer extinta nós pronunciamentos, homilias, pregações, no meio cristão) das almas. Relembrado o que aconteceu no Judaísmo, que se afastado de Deus, se preocuparam mais com as aparências do que com o objeto de Salvação.

  11. Isso nada mais é do que a implementação do CVII em seu todo: o grande sonho da democratização da Igreja que ensejará, em um futuro nada distante, até eleições (primeiro indiretas e depois diretas) para Papa.

    Oras, não é o Espírito Santo quem aconselha, ilumina e guia o Papa? Pq, então, tendo uma assistência tão especial… divina, ele “precisaria” da assistência humana? A resposta é mais simples do que se possa pensar: “eles” não creem no sobrenatural!

    O irônico é que “eles” defendem a infalibilidade absoluta do Papa, em todos os assuntos: o Papa espirrou… é já é infalível!!!

    Mas que “ser infalível” é esse que precisa se “aconselhar” com os subalternos para fazer o que um Papa deve fazer?

    Desde qdo um monarca do calibre de um Papa precisa ouvir, primeiro, a “opinião” (pq é disso que se trata) de alguem hierarquicamente inferior a ele?

    E nem me venham com a historia dos grandes reis que tinham conselheiros como o proprio Salomão! O Papa não se equipara a nenhum rei da Terra, nem mesmo a Salomão!!! O Papa é o representante vivo de Deus na Terra, o doce Cristo na Terra!!! É ele quem nos aconselhas, a todos nós, cardeais inclusos! Pq então precisaria se aconselhar com quem precisa de seus conselhos?

  12. Finalmente as reformas que a Igreja decidiu no Vaticano II. A Igreja não pode se comportar como se fosse uma monarquia mundana, pois o poder do papa não se assemelha a nenhum reino do mundo.

  13. Ouvi uma explanação na internet uma vez, que dizia que o Cardeal Francisco Javier Errazuriz Ossa, era conhecido defensor do modernismo e opositor da Missa de Sempre, e também de Bento XVI. Acho que também ouvi algo relacionado com o ocultamento de casos de pedofilia…

  14. A justiça divina é essência humana, portanto a reforma da Constituição Cúria Romana também tem de dar importância aos direitos humanos no contexto da igreja.

  15. Boff fazia “campanha” para o Maradiaga no twitter antes do conclave!