Um domingo de santos. Madre Lupita, rogai por nós!

Hoje, o Papa Francisco canonizará 802 novos santos para a Santa Igreja. Destes, 800 mártires italianos da cidade de Otranto, mortos em 1480 por soldados muçulmanos de origem otomana. Na ocasião, todos os habitantes da cidade foram assassinados porque se negaram renunciar a Fé Católica e aceitar o islamismo.

Mas destacamos a canonização de Maria Guadalupe Garcia Zavala, a Madre Lupita, exemplo luminoso para os nossos dias, tão similares ao dela no ódio à Fé e à Santa Religião. As informações são da sessão francesa da Rádio Vaticano:

Madre Lupita.

Madre Lupita.

Outra religiosa latino-americana será canonizada neste domingo: Madre Lupita, uma mexicana que salvou a vida de um arcebispo. Uma mulher heróica que dedicou sua vida aos doentes e necessitados e que fundou um hospital e uma congregação religiosa.

Madre Lupita enfrentou com coragem as medidas anti-cristãs que afetaram o México de 1914 a 1930. No contexto de insurreição e instabilidade [Guerra Cristera], as autoridades da época decidiram “descatolicizar” o México para “abri-lo à modernidade”. As perseguições eram ferozes, o culto católico proibido por vários anos.

As religiosas de Madre Lupita foram forçadas, como outras, a usar roupas civis, a esconder o Santíssimo Sacramento e a apresentar o seu hospital como uma estrutura da Cruz Vermelha.

Perseguido pelas autoridades, o arcebispo de Guadalajara, Dom Francisco Orozco y Jiménez encontra refúgio por um ano e meio no hospital San Jose graças à coragem de Madre Lupita, enquanto as famílias católicas se recusaram a acolhê-lo por medo de represálias.

No hospital que ela dirigia, servia-se também refeições gratuitas aos seminaristas carentes. Madre Lupita morreu em 1963, deixando como legado o luminoso testemunho de serviço aos mais fracos e sofredores”.

Tags:

5 Comentários to “Um domingo de santos. Madre Lupita, rogai por nós!”

  1. Não deixa de ser um luminoso exemplo para as religiosas de hoje e de sempre, especialmente para as religiosas dos Estados Unidos, algumas das quais, nos últimos dias, foram alvo de atenção do mundo justamente pela concepção errônea que sustentam da vida religiosa católica, em discordância e dissonância com o Magistério, nos moldes de um feminismo modernista e anticristão. Interceda por elas Santa Guadalupe García.

  2. Os mártires de Otranto são a imagem da Igreja nos tempos de hoje: perseguida, odiada, vilipendiada, violentada, mas certa de sua Santidade. Que eles intercedam por todos os cristãos que hoje são perseguidos pela fúria islâmica, pelo comunismo ou pelo ateísmo militante. Que sejam o alento à dor das famílias que choram os seus mortos na fé de Cristo. Que sejam a luz e o exemplo para que nenhum cristão fraqueje na sua fé, nem mesmo diante do risco da morte, pois àqueles que resistem Deus reserva maravilhas inimitáveis por qualquer ofício desse mundo. Que sejam a memória viva que ser cristão é carregar um pouco a Cruz do Senhor. Que sejam a lembrança de que como Cristo triunfou sobre a cruz, o cristão triunfará sobre a morte eterna e com Ele desfrutará a eternidade.

  3. Será que sai agora a canonização dos jesuítas perseguidos e mortos .*. se é que me entendem, quando tentaram a acabar com eles…

  4. Exemplos de vida – santos!

    Se as pessoas que saem da Igreja tivessem esses testemunhos diante dos olhos, ao invés de maus exemplos de paroquianos impiedosos, elas não só não deixariam a Igreja como se santificariam mais.

  5. Vivam os Santos Mártires Católicos italianos!
    Viva a Santa Madre Lupita!
    Rogai por nós!