O silêncio do Papa que autoriza debate sobre temas tabus.

Francisco surpreendeu ao falar sobre os gays e condenar o preconceito, mas a mensagem mais forte foi deixar polêmicas de lado.

O Globo – Para os católicos conservadores, que distribuíram réplicas de fetos em garrafinhas na vigília de Copacabana, foi um “silêncio comprometedor”. Já os progressistas, que marcharam na orla por uma Igreja mais tolerante, preferiram chamar de “silêncio libertador”. Ao tangenciar assuntos polêmicos, como o aborto, a eutanásia e a união civil entre pessoas do mesmo sexo durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), o Papa Francisco faz história sem abrir a boca. Mostrou aos católicos que, ao não condenar e repetir a velha retórica do Vaticano, abre caminho para o debate interno de temas até então considerados tabus.

Para os que ainda duvidavam do significado do silêncio do Papa, o retorno a Roma acentuou a guinada. Confrontado pelos jornalistas com as denúncias de lobby gay no Vaticano, respondeu com humildade: “Se uma pessoa é gay, procura Deus e tem boa vontade, quem sou eu, por caridade, para julgá-la?”. Sobre o aborto, sua resposta estava nas entrelinhas: “A Igreja já se expressou perfeitamente sobre isso. Eu não queria voltar. Não era necessário voltar a isso, como também não era necessário falar sobre outros assuntos”.

— Ele não está querendo reiterar posições. Não se afasta da doutrina tradicional, mas evita insistir nela. Ao fazer isso, permite uma reflexão mais ampla. Há um clima novo para o debate. Não há mais medo da autocensura. O silêncio do Papa é libertador — festeja o sociólogo Luiz Alberto Gomes de Souza, diretor do Programa de Ciência e Religião da Universidade Candido Mendes.

Conservadores inquietos

Ao advertir que a Igreja já disse o que tinha de falar, sem explicar exatamente o que, Francisco inquieta os setores conservadores, cujas lutas encontravam eco nas pregações de João Paulo II e Bento XVI. Ontem mesmo, o site Frates in Unum, um dos mais expressivos dessa corrente no Brasil, lamentava que, “às vésperas da legalização da prática do aborto no Brasil”, a JMJ tenha feito “poucas referências a este crime abominável, que brada ao Céu e clama a Deus por vingança”.

Os conservadores, que se juntam aos evangélicos na resistência cristã aos projetos que avançam na legalização do aborto, não escondem a frustração por não terem ouvido de Francisco uma condenação enfática: “Da boca do Santo Padre, o pedido de proteção à ‘vida, que é dom de Deus, um valor que deve ser sempre tutelado e promovido’. E até agora foi só. Nenhuma outra palavra mais contundente que poderia mudar o triste cenário em nosso país”. E arrematam: “A esperança de um pronunciamento de última hora foi vã”.

— O Papa disse que vivemos num mundo laico, secular. Há liberdade para várias posições. Agora, outra coisa é querer impor uma posição para toda a sociedade — rebate Luiz Alberto.

O movimento gay, sempre reticente com a Igreja, viu nas palavras do Papa um adversário a menos a ser enfrentado no cenário político:

— Ele não chegou a defender a união civil. Mas, só em não nos atacar, já é positivo. O Papa separa os católicos das correntes de Marcos Feliciano e Silas Malafaia, que ficam agora isoladas — reflete o presidente da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Travestis e Transexuais (ABGLT), Carlos Magno Silva Fonseca.

40 Comentários to “O silêncio do Papa que autoriza debate sobre temas tabus.”

  1. Realmente a Igreja já tem uma posição formada sobre todos estes assuntos o que podemos claramente no CIC, não sei porque o espanto, e ele pediu sim o respeito a vida em um dos seus discursos, peço que analisem novamente.

  2. há liberdade para várias posições, mas face á luz de Deus, só há UMA verdade.

  3. Papa Francisco não lança julgamento sobre os gays… Mas ai… sobre os conservadores, o que ele já falou…

  4. O Papa assim como muitos católicos modernistas dizem que a conduta homossexual não é a correta a seguir mas dizer que é pecado que brada aos céus e a Deus por vingança – este trabalho ficou com o frates. Parabenizo os senhores deste blog pelo trabalho que vem sendo feito.

  5. É de perguntar se a omissão não está em alguns bispos brasileiros que além de nada falarem sobre o aborto e união homossexual também não informaram bem o Papa sobre nossa realidade?

  6. Faz parte do educar repetir a mesma coisa mil e uma vezes, sempre que necessário. Quem cala consente. O problema é agravado ainda pelo fato da mídia distorcer constantemente as palavras do Papa. Já sabendo disso, o Santo Padre deveria precaver-se. O efeito pastoral da entrevista do Papa no vôo de volta está sendo péssimo entre os católicos comuns que apenas acompanham a Igreja nas notícias dos jornais. A parte sobre os gays até nem me preocupa tanto, já o que ele disse sobre casais em segunda união serve simplesmente dar falsas esperanças e criar atritos.

  7. Só em não atacar o que deve ser atacado, veja o mal que se faz. Eu pensava que esse papa pelo menos era mais corajoso. Mas na Argentina ele correu da briga. Agora correu da briga aqui. Enquanto ele corre, constrói sua imagem de bom moço aos olhos do mundo, e nós entramos pelo cano.

  8. E o que ele falou sobre “filhos indesejados”, não conta?

  9. Mais uma amostra de como divisões internas só servem para fortalecer o inimigo. Eles vão usar qualquer coisa como pretexto para atacar a Tradição.

  10. Eis aí os frutos do silêncio, como disse Jesus Cristo: quem comigo não ajunta espalha. Que Nossa Senhora nos cubra com seu manto protetor pois agora a luta ficará ainda mais desproporcional: somos só nós que gritaremos : Não ao aborto, não ao gaysismo, não ao comunismo…o mais ficará calado e quem cala consente( de alguma forma.)
    Li sobre as Mensagens de Nossa Mãezinha para as 4 crianças videntes em Garabandal, São Pio de Pietrelcina está ligado diretamente à elas e é a assinatura de sua veracidade, eu aguardo pelo sinal, pelo milagre e até pelo castigo que Deus enviará, procurem saber destas mensagens ( no youtube tem uma série de 4 vídeos com 14 minutos cada, está bem explicado, inclusive o número de papas que teria depois do papa João XXIII (3 e depois a vinda de Jesus, não creio que João Paulo I está incluso pois seu pontificado foi de 33 dias).
    No Youtube: tvnelsonportugal _ A mensagem de Garabandal – Parte 1 ( e assim as demais partes).
    Paz e bem à todos.

  11. Meus caros, quando toda mídia está feliz, contente, exultante com o Papa,e nós sabemos bem os valores que eles defendem, nós devemos chorar, dá uma sensação de desamparo e desconsolo, uma boa forma de mensurar se o Papa é bom é se a imprensa o critica muito, já sinto saudades de toda perseguição que o Bento16 sofria, e nem o achava maravilhoso,mas dos 3 últimos é o que trilhou o melhor caminho, já o atual… Até de santo o seu francisco já foi chamado pelo Boff.

  12. Ninguém tem como supor que o Papa estivesse devidamente informado a respeito do que vem ocorrendo aqui no Brasil em relação ao aborto, quem informaria o Papa? Os bispos da CNBB? Pra CNBB a PL 03/2013 é um non-subject. Se o Papa ou a própria JMJ não fizeram referência devida ao aborto, e não fizeram, a culpa é do episcopado brasileiro, que ao invés de lutar pela vida entrega a estratégia ao inimigo (indo lá mostrar a sua “demanda”) e depois vai pra praia fazer dancinha de flash mob.

  13. Bom saber que até a Globo esta acessando o Fratres. Parabéns

  14. A propósito parabéns ao Fratres In Unum, que já é citado na grande mídia como referência conservadora católica.

  15. Qual os reais motivos do Cardeal Bergolio?A árvore se conhece pelos frutos que dá.Grande Mestre aquele que diz, numa oportunidade didática: está tudo na apostila. Leiam. Nada a acrescentar, a não ser sobre estes que querem excluir quem tem o apoio do mundo.Estes exclusores são gente de quem não gosto. Sejam revolucionários. Será que ele usa a palavra revolução, e a derivada revolucionário, no mesmo sentido de seus Antecessores, que condenaram decididamente a revolução anticristã, em curso há mais de um século ? Rapariga é o feminino de rapaz, mas usar esta palavra no Brasil cria problemas.
    Somos nós e nossas circunstâncias. Todo texto tem que ser entendido em seu contexto.
    Denotativo e conotativo.
    Sim, isto é, não…para que falar mais disto?Vamos focar na fome, no desabrigo, na educação( educando para que e como?), na destruição das matas, nos objetivos de nossa ONG.
    Acho que o disco voador me deixou em um mundo alternativo.

  16. Retorno da JMJ, muito apreensivo. No Teatro Municipal, depois do papa estar com o babalaô Ivani dos Santos, conversei com Pe. Federico Lombardi, lembrando de Bento XVI: “FALAR PARA ENCONTRAR APLAUSOS, FALAR ORIENTANDO-SE SEGUNDO O QUE OS HOMENS QUEREM OUVIR, FALAR EM OBEDIÊNCIA À DITADURA DAS OPINIÕES COMUNS, É CONSIDERADO UMA ESPÉCIE DE PROSTITUIÇÃO DA PALAVRA E DA ALMA. A ‘CASTIDADE’ À QUAL O APÓSTOLO PEDRO FAZ ALUSÃO NÃO É SUBMETER-SE A ESTES PROTÓTIPOS, NÃO É PROCURAR APLAUSOS, MAS PROCURAR OBEDIÊNCIA À VERDADE”.

    • Boa Tarde, penso estar a haver um certo exagero das palavras do Papa. analisando as palavras, não há qualquer aprovação do casamento gay, mas uma genuína intenção de não discriminar os homosexuais. deve-se rejeitar o pecado mas não o pecador.

  17. Depois há quem fique perplexo com a crise da Igreja Católica.

  18. Parabéns ao Fratres, cada vez mais uma voz do catolicismo no Brasil.

  19. Uma questão deve ser esclarecida de uma vez por todas.

    Essa matéria d’O Globo, afinal, não poderia ser diferente, vindo daquele seja talvez o veículo de comunicação mais ligado à causa gay no Brasil. Para um jornal que, por princípio, tem ódio editorial à Igreja, a aparente tibieza de Francisco para proclamar o que ele pensa, de fato, a respeito de temas como aborto ou casamento gay, sugere uma mudança de postura por parte da Igreja. Contudo, trata-se de uma interpretação burra e oportunista. Burra por considerar que há mudança de tom implica em um espaço para mudanças doutrinárias e morais. Oportunista por fingir que a mudança de tom bancada por Francisco se traduz em um “silêncio” que autoriza a heterodoxia teológica.

    Esses pobres homossexuais da PUC-RJ, que dão o tom da cobertura d’O Globo sobre a Igreja, foram devidamente enquadrados em uma das “tentações” de Francisco, o elitismo gnóstico, tão difundido nos meios universitários. Novamente, haja burrice ou oportunismo para pensar que o Papa os autorizou tacitamente à dar vazão aos malabarismos retóricos para fundar as suas licenciosidades em bases teológicas. Mal sabem eles que o Papa os tem como um problema a ser resolvido. A Carta à CELAM deve ser lida quantas vezes forem necessárias para que fique claro na cabeça de cada um que o compromisso de Francisco não é com uma “corrente” ou outra, mas com um “projeto” de Igreja cujas bases foram lançadas ainda por João Paulo II. A volta da JMJ à Polônia será uma oportunidade de reafirmar esse compromisso.

    E não sejamos levianos de acusar de Bergoglio de tibieza. Quanto ele entende necessário, ele sabe falar duro e defender a posição da Igreja, como não hesitou em fazer quando ainda era arcebispo de Buenos Aires. Lembremos da carta à Conferência Episcopal Argentina sobre o casamento gay:

    http://noticias.terra.com.br/mundo/europa/renuncia-do-papa/leia-a-carta-do-papa-francisco-sobre-o-casamento-homossexual-na-argentina,91f7d6030566d310VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html

    Leiam e depois respondam se realmente Francisco é esse homem tíbio que está sendo criado na cabeça de alguns.

    Temos que entender o seguinte: o amansamento espiritual dos inimigos da Igreja é condição indispensável para que esse projeto de Igreja, cunhado por Wojtyla e Ratzinger, comece a influir decisivamente na sociedade ocidental, e colocar Deus de novo no centro do mundo. É fundamental que essa corja imunda se distraia com o espetáculo midiático que Francisco oferece para que as coisas comecem a mudar de prumo. Não sejam ingênuos ou imprudentes de pensar que Francisco não está conosco. A única legítima e genuína preocupação é com relação à liturgia, a qual Francisco simplesmente não parece se atentar com o devido e necessário cuidado (basta recordar da mistura um tanto insólita de latim com renovação carismática na Missa de Envio).

    O que mudou, efetivamente, é o tom de abordagem, não a doutrina, não a moral. Francisco não mudou o conteúdo, mas mudou o tom, deslocando-o do pecado para o pecador. E As posições são as mesmas: conta o casamento gay, contra o aborto, contra adoção por homossexuais, contra a ordenação de mulheres. O Papa, porém, desarmou o discurso da mídia de que ser contra o casamento gay é ser contra os gays, ou que ser contra a ordenação de mulheres é ser contra a mulher. Ninguém mais poderá acusar a Igreja de “homofóbica” ou “machista”. É isso que muitos daqui não estão conseguindo alcançar, Francisco quebrou, ao menos provisoriamente, o discurso dos inimigos da Igreja, retirou-lhes a munição! Basta-nos, enquanto católicos, não nos fiarmos ao novo discurso, que cria um Francisco que só existe na cabeça dessa gente vil. O Francisco que o jornal O Globo pinta é uma mentira conveniente à perversidade de seus redatores, longe de ser um retrato fidedigno de seus primeiros gestos enquanto Papa.

    Se eu não me engano, a Ana Maria lembrou muito bem como São Paulo fora os olhos da razão para São Pedro, ainda que a este fora confiado o Trono de Pedro. Portanto, o compromisso com o Papa não se traduz em “fé” no Papa. Fé apenas em Deus e em Seu Magistério, óbvio. A papolatria nos enfraquece substancialmente, pois sindica uma infalibilidade à autoridade papal que simplesmente não existe. O Papa pode errar, Francisco já errou várias vezes e não creio deixará de errar enquanto o seu pontificado durar. Entretanto, isto não nos autoriza supor que possamos, em menos de um ano de pontificado, nos “rebelarmos” contra a autoridade do Papa pela razão de ele não ser o Papa que gostaríamos que fosse. Ao invés de chorarmos e praguejarmos, rezemos por ele, mostremos a força da nossa fé na Igreja em sua Sagrada Tradição, convençamos de nossas virtudes e da nossa fidelidade ao Magistério da Igreja. Só pela força do exemplo de fé e das obras que se exporá a Francisco o quão rica e bela é a espiritualidade tradicional.

  20. Parabéns ao site pela coragem em denunciar os equívocos e omissões da santa Igreja Católica. Realmente, muitos meios de comunicação (sistema globo etc), bem como alas da Igreja tem acessado com frequência este site. Penso que o santo padre Francisco pisou na bola ao conceder uma entrevista exclusiva para a Globo, em detrimento das demais emissoras (inclusive as católicas: sistema Canção Nova…). Mas, como sabemos, o papa somente é infalível em questões de fé e de moral. A nossa fé advém da Sagrada Escritura (Decálogo: não matar…), da Tradição e do autêntico Magistério da Igreja. O papa não precisa dizer nada, basta consultar o CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA-CIC.

  21. O Fratres é o melhor site católico que conheço, Felizmente temos este espaço, para podermos, além de ficarmos bem informados sobre o que acontece na nossa Santa Mãe Igreja, nos expressar livremente, dando nossas opiniões, debatendo, etc,etc, Nós, leitores, devemos fazer com que este site seja mais divulgado (twitter, facebook, etc.) para aumentarmos o número de pessoas com acesso às informações contidas aqui.

  22. Me preocupa a manipulação das palavras do Santo Padre em relação ao casamento gay, que Ele reiterou que é pecado, porém na abordagem feita pela imprensa o que ficou no ar é que o Papa, fará uma grande revolução na Igreja e que ele aprova o homossexualismo e uma mentira repetida várias vezes acaba se tronando verdade.Oremos pelo Papa, para que ele seja mais claro e suas palavras não continuem sendo manipuladas pela mídia

  23. Para que os jovens sejam revolucionários no sentido de afrontar a hegemonia da esquerda dominante, devem ter princípios doutrinários e dogmáticos reafirmados para dar sustentação na polemica que se inicia. O entusiasmo atinge apenas a sensibilidade e precisa caminhar na zona dos princípios para não morrer. Se os jovens devem enfrentar a onda, devem encontrar no exemplo da Hierarquia (e do próprio Papa) enfrentando os adversários internos e externos da Igreja, abandonando o tom conciliador que amolece nossas almas. Nadar a favor da onda, com a mídia favorecendo, como no caso do apoio no JMJ, é fácil. Difícil são as ondas contrárias que se manifestarão a partir de agora. Se nem o aborto foi publicamente condenado, cuja ameaça pousa sobre nossas cabeças, se as vadias do movimento lésbico tiveram ousadia diante dos jovens em plena Copacabana sem serem recriminadas, (nem pelo Estado nem pela Igreja) que nível de ousadia deveremos ter, se não tivermos princípios e valores renovados e reafirmados pelo Santo Padre?

  24. Fico pensando nos bons párocos e bons Bispos e em como serão importunados por fazer cumprir a Tradição diante do relativismo que se pode instaurar a partir da omissão do Papa.
    - Não pode filho.
    - Mas o Papa disse que….

    Até diferenciar a tomada do focinho de porco dará uma dor de cabeça!

    Que Deus os fortaleça…

  25. Além do silêncio em relação ao aborto, o que me incomodou mais foi ouvir por 2 ou 3 vezes ele criticando o “descarte dos extremos” e que claramente minha a minha mente: “Agora ele vai falar!”. E aí ele explica: descartes dos idosos e dos jovens! Mas desde quando jovem é extremo? Então a vida humana agora começa na juventude? E as crianças? E os recém-nascidos? E os nascituros? E os embriões congelados? Nossa, isso era uma facada no meu coração… E ia ainda mais longe: o descarte que ele se referia era a exclusão no mercado de trabalho! Não estava nem falando de proteção à vida? Achei muito confuso esse discurso… Por que a preocupação da Igreja com desemprego, quando os não-nascidos estão em constante ameaça de descarte de verdade, assassinato, serão mortos! Fiquei muito frustrada… Mas minha esperança é que quem conduz a Igreja é o Espírito Santo e Ele nunca nos abandonará. Rezemos pelo Santo Padre.

  26. Quero aqui deixar minha assinatura abaixo das lúcidas palavras de FernandoNF !

  27. Parabéns ao site! até a globo faz referência a vocês!

  28. Vamos falar bem claro sem rodeios. O Papa foi omisso.
    Quem sente o peso disso é quem está debatendo o tempo inteiro com defensores do aborto, casamento gay e todos os relativismos morais (como eu que estou cercado por eles o dia inteiro).
    As pessoas que estão fazendo pouco caso disso é porque não estão no front e não tratam o assunto com a gravidade que deve ser tratado.

  29. FernandoNF, estamos na iminência da aprovação da prática do aborto no Brasil. Ainda nesta semana vem a decisão da presidente: ou ela veta, parcialmente(ruim do mesmo jeito!) ou o sanciona(pior ainda porque vai ser mais fácil compreendê-lo). Óbvio que aprovará, afinal é do PT…

    Pergunto eu: será que é justo que várias crianças sejam assassinadas enquanto o Papa se omite “por uma estratégia contra o mal”, mesmo que essa estratégia seja temporária(e é por quanto tempo?)?

    Devemos ser corajosos, meu amigo, e não devemos fugir da luta quando ela nos convêm, como era o caso na JMJ. Ora, Deus está conosco, devemos crer no Seu auxílio e agir sempre que pudermos em defesa do Ele nos mostrou para o nosso bem, ainda mais quando crianças correm sérios perigos!

    Não pude ir na JMJ para defender a vida criada por Deus, mas muitos pudiam e não fizeram nada, veja os bispos…

  30. Enquanto isso, o Patriarca da Igreja Ortodoxa russa não deixa dúvidas:

    Russian Orthodox spokesman: Abortion is ‘the most terrible Holocaust in humanity’s life’
    http://www.lifesitenews.com/news/russian-orthodox-spokesman-abortion-is-the-most-terrible-holocaust-in-human/

    Patriarch Kirill against gay marriage and the dictatorship of free will: “Signs of the Apocalypse”
    http://en.radiovaticana.va/news/2013/07/22/patriarch_kirill_against_gay_marriage_and_the_dictatorship_of_free/in2-712726

    Russia’s Orthodox Patriarch Kirill says feminism is very dangerous
    http://blogs.reuters.com/faithworld/2013/04/12/russias-orthodox-patriarch-kirill-says-feminism-is-very-dangerous/

    Orthodox Church asks Russian women to dress modestly
    http://blogs.reuters.com/faithworld/2011/01/20/orthodox-church-asks-russian-women-to-dress-modestly/

    Russian Orthodox want tougher abortion law, ties with “pro-life” West
    http://blogs.reuters.com/faithworld/2010/06/02/russian-orthodox-want-tougher-abortion-law-ties-with-pro-life-west/

  31. Quero aqui deixar minha assinatura abaixo das lúcidas palavras de FernandoNF ! (2)

  32. A aprovação do aborto no Brasil é CULPA DA CNBB E N DO PAPA!
    O papa n autorizou debate nenhum de nada.
    É uma falta de vergonha na cara o que estão fazendo com as palavras dele.
    Porém, volto a dizer aos amantes de Bento XVI: o que vcs queriam? Um Cristero? Um Templário?
    O Grande Bento XVI plantou o CVII e Francisco é fruto.

  33. Muitos de nós, se já tentou o radicalismo dentro da família por amor à Igreja e pela Missa Tridentina, experimentou o que é ser discriminado, colocado de lado e desprezado e afins.
    Se o papa enfrentasse os petralhas de cara COISA QUE A CNBB N Ã O FEZ o que vcs acham que aconteceria? Apoio dos noveleiros Católicos? Já se esqueceram que o passou o padre Joéds que falou contra maçonaria numa cidadezinha de Minas?

    Os 3 milhões de jovens apoiariam o papa? Ah, sim, ali só tinha virgens e castos!
    Nos últimos dias, alguns posts levaram ao fuzilamento do papa. Ora, gente que baba em Bento XVI tratamento mal seu fruto? Pero no los comprendo, hermanos!

    Estou sentindo nojo de ler tantos ataques ao papa e com fotos de três papas ao lado direito!

  34. O que eu sei é que depois dessas declarações estapafúrdias por aqui já começa rolar uma campanha: “citizens of the world say ban on catholic priests being allowed near children DEFINITIVE.””

  35. para: Silvana Aparecida Barbosa: Minha querida, li certa vez no site montfort : (palavras de Marcos Libório). Mesmo os papas “maus” no sentido moral não puderam fazer nenhum mal a Igreja ou seja não trouxeram nada de novo, pois gozavam de infalibilidade e Deus os freava neste momento. Pois então você confia ou não no papa, não importando o nome do papa? Confia ou não nas promessas de Cristo?. Reze mais o rosário! Acho que todos os católicos deveriam rezar mais, já sabemos o que precisamos fazer: oração e penitência. Eu confio no papa – não falo de Jorge Mario Bergoglio e sim do papa- sucessor de Pedro, ele possui a graça de ser sucessor de Pedro e goza de infalibilidade, coisa que os outros não gozam. Tenhamos mais fé!

  36. José Carneiro, não podemos jogar nas costas do Papa as omissões criminosas da CNBB. Tenho certeza de que caso ele tivesse sido informado realmente sobre a ameaça da legalização do aborto no Brasil, muito provavelmente ele teria se expressado abertamente sobre o tema, com o vigor necessário, como tal já o fez em outras oportunidades ainda quando arcebispo de Buenos Aires. O problema é que seu meio de informação sobre o real estado da política e da sociedade brasileira está obviamente viciado, uma vez que Francisco fora cercado pela camarilha petista que manda na Igreja do Brasil.

    Francisco sabe bem as misérias da Igreja brasileira, e não se furtou de criticar a vocação ao burocratismo, tão bem ilustrada nessa instituição trágica que é a CNBB. Agora, não podemos a ele imputar as indecências e tibiezas que são de responsabilidade do nosso clero. Este sim está incorrendo em grave pecado ao se silenciar diante da iminência da legalização do aborto no Brasil.

  37. Não posso concordar com a ideia de que o Papa seja inocente da nossa realidade. Ele sabe e conhece muito bem a Igreja na AL. Eu é que não tenho a mais pequena compreensão do que se me afigura como sua flagrante omissão sobre a clareza dos ensinamentos da Igreja sobre aborto provocado e homossexualismo.