Sancti Ioannis Mariae Vianney, ora pro nobis!

São João Maria Vianney, rogai por nós

O sacerdote representa Cristo. O que significa dizer isso? O que significa “representar” alguém? Na linguagem comum, significa dizer – geralmente – receber a delegação de uma pessoa para estar presente em seu lugar, falar e agir em seu lugar, porque aquele que é representado está ausente da ação concreta. Nos perguntamos: o sacerdote representa o Senhor do mesmo modo? A resposta é não, porque, na Igreja, Cristo nunca está ausente, a Igreja é o seu corpo vivo e a Cabeça da Igreja é ele, presente e operante nela. Cristo nunca está ausente [...].

Hoje, em plena emergência educativa, o munus docendi da Igreja, exercido concretamente através do ministério de cada sacerdote, torna-se particularmente importante. Vivemos em uma grande confusão acerca das opções fundamentais da nossa vida, sobre o que é o mundo, de onde viemos, para onde vamos, o que devemos fazer para agir bem, como devemos viver, quais são os valores realmente pertinentes. Em relação a tudo isso existem tantas filosofias contrastantes, que nascem e se espalham, criando uma confusão acerca da decisão fundamental, como viver, porque não sabemos mais, geralmente, de quê e por quê somos feitos e onde andamos.

Nesta situação, realmente, realiza-se de novo a Palavra do Senhor: “Tenho compaixão do povo, são como ovelhas sem pastor”. O Senhor havia dito isso quando viu milhares de pessoas que o seguiam no deserto, porque, em meio à diversidade das correntes daquele tempo, não sabiam mais qual era o real significado das Escrituras. O Senhor, movido de compaixão, interpretou a Palavra de Deus – Ele próprio é a Palavra de Deus – e deu a orientação. E essa é a função in persona Christi do sacerdote, aquela de tornar presente, em meio à confusão, à desorientação de nosso tempo, a luz da Palavra de Deus, a Luz que é o próprio Cristo neste nosso mundo. Então, o sacerdote não ensina as suas próprias ideias. O sacerdote não fala “de si”, não fala “para si”, para criar para si, talvez, admiradores ou um partido próprio. Não fala de coisas próprias. O sacerdote ensina em nome de Cristo presente, propõe a Verdade que é o próprio Cristo, a Sua Palavra, o Seu modo de viver, e de andar adiante.

[...]

Aquela do sacerdote, por consequência, não raro, poderia parecer com a “voz que clama no deserto” (Mc 1, 3), mas exatamente nisso consiste a sua força profética: no não ser mais aprovado, nem aprovável, por qualquer cultura ou mentalidade dominante, mas no mostrar a única novidade capaz de operar uma autêntica e profunda renovação do homem, isto é, que Cristo é o Vivente, é o Deus próximo, o Deus que opera na vida e pela vida do mundo e nos doa a Verdade, o modo de viver.

Queridos irmãos e irmãs, o Senhor confiou aos sacerdotes uma grande tarefa: serem anuciadores da Sua Palavra, da Verdade que salva; serem sua voz no mundo para trazer o que é útil para o verdadeiro bem das almas e o autêntico caminho de fé (cf. 1 Cor 6, 12). São João Maria Vianney sirva de exemplo para todos os sacerdotes. Ele era homem de grande sabedoria e força heroica no resistir às pressões culturais e sociais do seu tempo para poder conduzir as almas a Deus: simplicidade, fidelidade e objetividade eram as características essenciais da sua pregação, transparência de sua fé e de sua santidade. O Povo cristão dali era edificado e, como acontece com os verdadeiros mestres de todos os tempos, ali reconhecia a luz da Verdade. Ali reconhecia, em definitivo, aquilo que se deveria sempre reconhecer em um sacerdote: a voz do Bom Pastor.

Catequese do Papa Bento XVI, 14 de abril de 2010.

No Rito Romano Tradicional, a festa de São João Maria Vianney é comemorada em 8 de agosto.

16 Comentários to “Sancti Ioannis Mariae Vianney, ora pro nobis!”

  1. Depois de ler e comparar os discursos e escritos dos dois Papas é que a gente vê claramente que Francisco não é BENTO.

  2. Lindo!!! Que Deus por misericórdia, dai nos santos padres! Saudades de Bento XVI…

  3. É verdade – Gercione Lima – é bastante obvio! Por isso mesmo, por não ser BENTO, é que está muito necessitado de n/ Orações; Ele está muito necessitado disso, pois na Sua angustia, tb pede essas mesmas Orações a todos nós; que somos o ” corpo da Igreja” ! É preciso não esquecermos que S.S. está rodeado por lobos, que estão dentro da Igreja! Não esqueçamos o seu Amor “entranlhado” por Maria Santíssima! Que ELA o ilumine e o proteja de todo o mau caminho!

  4. “São João Maria Vianney sirva de exemplo para todos os sacerdotes. Ele era homem de grande sabedoria e força heroica no resistir às pressões culturais e sociais do seu tempo para poder conduzir as almas a Deus: simplicidade, fidelidade e objetividade eram as características essenciais da sua pregação, transparência de sua fé e de sua santidade. O Povo cristão dali era edificado e, como acontece com os verdadeiros mestres de todos os tempos, ali reconhecia a luz da Verdade. Ali reconhecia, em definitivo, aquilo que se deveria sempre reconhecer em um sacerdote: a voz do Bom Pastor”.

    O problema é que os sacerdotes de hoje que almejam serem seguidores de São João Maria Vianney, resistindo às pressões culturais e sociais do nosso tempo para poder conduzir as almas a Deus, com simplicidade, fidelidade e objetividade em sua pregação, transparência de fé e vida de santidade são os primeiros a serem perseguidos, denegridos e condenados pela hierarquia eclesiástica.
    Nesse sentido podemos dizer que São João Maria Vianney encontrou uma Igreja onde havia condições propícias pra se tornar quem ele se tornou.
    O mundo podia estar contra a Igreja, mas a Igreja abrigava e defendia os seus. Naquele tempo haviam os mártires da fé, mas hoje em dia só o fato de se querer manter a Fé já é um martírio.

  5. Aqui onde moro, se o padre resolver usar a batina é excomungado pelo bispo. Aliás , o bispo aqui além de não usar nada, não dá sequer a comunhão nas missas. Seria essa a tal simplicidade de Francisco?

  6. O mundo podia estar contra a Igreja, mas a Igreja abrigava e defendia os seus. Naquele tempo haviam os mártires da fé, mas hoje em dia só o fato de se querer manter a Fé já é um martírio. (2)

  7. A hagiografia São João Maria Vianney deveria ser a primeira disciplina que qualquer seminarista deveria ter contato. Sua vida santa é a expressão mais bem acabada do que deve ser um padre para Deus e para suas ovelhas, sobretudo pela fina sintonia entre uma vida realmente miserável, de total entrega a Deus e a riqueza e o zelo profundo que ele devotava à liturgia.

    Se apenas 10% dos padres seguissem piamente o exemplo de São João Maria Vianney, a missão da Igreja seria em muito facilitada.

  8. Que belíssimas e profundíssimas palavras de Bento XVI, que só podem vir do Espírito Santo que está permanentemente nele e em seu Sucessor, pois embora não tenham ainda visto, o Papa Francisco é a continuidade de Bento XVI. Bento XVI é o Papa do Amor Caridade e Francisco é o Papa do Amor Misericordioso. Leiam a mensagem de 07/08/13 de Francisco: plena do Espírito Santo!

  9. Muitas saudades de Bento XVI.
    Que Deus lhe dê muita saúde para continuar na Igreja Militante e continue a ensinar à todos sobre o que é ser um Papa.

  10. Neste dia que comemoramos o grande santo. São João Maria Vianney. Todos nós temos que dobrar os nossos joelhos para pedir a este santo que interceda por Deus, por todos nós e pelos sacerdotes do mundo de hoje.
    Hoje, vemos estes ministros de Deus abandonarem a sua missão árdua e fatigante; e ao mesmo tempo bela e sublime. Para ir atrás dos prazeres mesquinhos e terrenos. Valha-nos São João Vianney, para que possamos ter o ardor e o zelo pelas almas como vós tiveste aqui na terra.
    Alcançai de Deus, um clero santo e desprovido de tudo que é material.
    Joelson Ribeiro Ramos.

  11. Ferretti,

    não adianta moto próprio em português porque muitos sacerdotes infelizmente não sabem nem a lingua materna, em outras palavras, tem redentorista que nunca leu Santo Afonso de ligorio e muito Jesuita que nunca leu nada de Santo Inacio de loyola, do mesmo jeito que tem muita prof. de catecismo como minha avó que não sabe nem o que é estado de graça, novissimos e outras coisas basicas – se bem que deveriam ser os sacerdotes que deveriam ensinar catecismo e não aquelas velhas burras e ignorantes.

    E pensar que Cura d´Ars tinha grande dificuldade em aprender o latim e por isso se esforçou ao máximo para não ser reprovado.

  12. Interessante Lucas. Seu comentário sobre sua querida avó catequista bate com observações que mesmo turmas da catequese ou recém formados (com memória fresca) muitíssimas vezes não seguem à risca o ritual litúrgico. Por exemplo indo ao Sacrário após comungar…sem falar na postura etc. Ou seja, a catequese não está sendo rigorosa, ausência da percepção do que é a Santa Missa ou ou ou sei lá. E os srs padres parecem evitar fazer críticas abertas. Não sei o motivo.

  13. Ah,como precisamos de sacerdotes santos.

    Fiquem com Deus.

  14. Que saudade de Bento XVI …Ensinamentos profundos,escritos com tanta clareza e simplicidade.

    Que lição de humildade! Um intelectual dos mais capacitados ,ensinando de forma tão singela.

    Um verdadeiro pastor …