Nota sobre o suposto distanciamento do Papa Francisco em relação ao que “pensa Müller”.

No último 16, publicávamos o post “Isso pensa Müller, isso é o que ele pensa”. “Ouso dizer: a Igreja nunca esteve tão bem como hoje. O leitor Sérgio Coutinho nos alerta para o fato de que a fonte da matéria, um post no blog do renomado vaticanista Sandro Magister, simplesmente desapareceu. Não há, no entanto, um desmentido ou qualquer errata a respeito. Por sua vez, Andrea Tornielli, no Vatican Insider, afirma que as palavras de Francisco significariam não um distanciamento seu em relação ao pensamento de Müller sobre a Teologia da Libertação, mas sim à oportunidade de explicar melhor sua idéia sobre a centralidade dos pobres em uma próxima encíclica. Segundo Tornielli, a resposta “Isso pensa Müller, isso é o que ele pensa” « deixaria a entender que quem vê com bons olhos uma encíclica sobre os pobres e sobre a pobreza seria sobretudo o atual Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé ». Como não há uma transcrição oficial do diálogo entre o Papa e os sacerdotes de Roma que contemple esse trecho da conversa, infelizmente não é possível confirmar o que realmente ocorreu.

3 Comentários to “Nota sobre o suposto distanciamento do Papa Francisco em relação ao que “pensa Müller”.”

  1. Gostaria de agradecer aos editores deste Blog Fratres in Unum pela postagem desta nota-errata. Isto revela responsabilidade, seriedade e honestidade para com os seus leitores-seguidores. Espero que com isto o Fratres in Unum possa ajudar, como afirmou o papa Francisco em sua última entrevista e em sua última catequese, a que todos possam “sentir com a Igreja” “unidos na harmonia da diversidade”. Obrigado.

  2. A essa altura do campeonato, saber o que o Papa pensa ou deixa de pensar parece coisa menor. Quero saber, a final, o que fará o Papa com relação à nefanda teologia da libertação.

  3. Mais lero-lero no Vaticano para disfarçar pensamentos heterodoxos e ocultar o que resta de ortodoxia. Está faltando atitude firme. Omissão também é pecado.

    Centralidade dos pobres = TL, antropocentrismo, paganismo.

    Verdadeira centralidade é a da Santíssima Trindade! (Rimou!)