O fim de uma era.

Palavras do discurso do Cardeal Tarcisio Bertone, proferido hoje, dia de sua resignação como Secretário de Estado, diante do Papa Francisco:

Cardeal Bertone em Fátima - 12 de outubro de 2013.

Cardeal Bertone em Fátima – 12 de outubro de 2013.

« (…) O que apaixonou o Papa Bento XVI foi ver a Igreja entender-se como uma comunhão, e ao mesmo tempo capaz de falar para o mundo, para o coração e inteligência com a clareza de doutrina e com elevação de pensamento.

Bento XVI foi um reformador das consciências e do clero, que entregou o ministério petrino como o Senhor o inspirou, depois de uma intensa meditação e uma oração e, especialmente, depois de uma trajetória pontilhada com fortes projetos pastorais e com o sofrimento.

Ele estava profundamente triste pelos males que desfiguram o rosto da Igreja e por isso adotou uma nova legislação, relativa à decisão com o fenómeno vergonhoso de pedofilia entre o clero.

(…) Eu vejo hoje o Papa Francisco como uma continuidade com o Papa Bento XVI , apesar da diversidade de sotaques e segmentos da vida pessoal.

(…) O dom do conselho, espontâneo e inspirado, voltado para o futuro , mas rico em memória, e depois há a devoção mariana, comum aos dois. Não há imagem mais bonita que a fotografia deles, em oração diante da imagem da Virgem Maria, Nossa Senhora de Fátima, em Fátima no Ano Sacerdotal em 2010 – o Papa Bento XVI, e em Roma, na frente da mesma imagem no Ano da Fé – o Papa Francisco. Isto serve para colocar toda a Igreja em estado de penitência e purificação. Parece-me que devemos começar a partir de Fátima.

Que Nossa Senhora ajude o Papa Francisco e o novo secretário de Estado , Mons. Parolin , para desatar os nós que ainda impedem a Igreja de Cristo de estar no coração do mundo».

Créditos ao leitor André.

15 Comentários to “O fim de uma era.”

  1. Me desculpe Bertone, mais ja vais tarde

  2. Infelizmente não vejo essa continuidade, não só na aparência como papas mas principalmente pelo que eles ensinam. Bento XVI estava em harmonia com a Igreja de Jesus, de 2 mil anos, e assim ensinava, o que muito fez por mim e por muitos através de seus escritos e magistério. Francisco, por mais que se tente enxergá-lo como continuador da obra de Bento XVI, é impossível, principalmente com o desleixo com a liturgia tradicional, tão prestigiada por Bento XVI, e com a dubieza, ou omissão, das falas contra o pecado e a necessidade de penitência. Um claro e coerente com o que Jesus pregou; outro, com pesar em admitir, é ambíguo e condescendente com todos.

    Se ambos são inspirados no pontificado, tristemente não são pelo mesmo Deus. Rezemos por Francisco, pois é com verdade que ele pede por orações!

  3. Desatar os nós que ainda impedem a Igreja de Cristo de estar no coração do mundo?? A “senhora” que já está ajudando nesse projeto tem outro nome e não é a Nossa Senhora Mãe de Deus mesmo!!!
    É cada uma!! Na eclesiologia católica, o papa é chamado de “Cabeça da Igreja” (Caput Ecclesiae), “Cabeça Visível da Igreja”, ou “Cabeça da Igreja Universal”, dentre outras variantes já que o próprio Cristo é a Cabeça Invisível da Igreja (Colossenses 1.18, e Efésios 4.15).
    Cristo ao entregar a liderança da Igreja a Pedro, tornou Pedro e seus sucessores, a Cabeça Visível da Igreja, assim a bula Unam Sanctam de 1302 estabelece que a “Igreja (…) tem (…) UMA só cabeça, e não duas como um monstro: é Cristo e Pedro, vigário de Cristo, e o sucessor de Pedro”.
    Só um louco pode dizer que acha lindo uma Igreja com duas cabeças visíveis.

  4. … “Parece-me que devemos começar a partir de Fátima”.

  5. Ainda bem que S. Luis de Montfort explicou que há verdadeiros e falsos devotos marianos.

    Esforcemo-nos todos para sermos do primeiro tipo…

    Ser devoto mariano (hiperdulia) é obrigação de todo católico.

  6. “Parece-me que devemos começar a partir de Fátima”.

    Extremamente sugestivo. Retratação velada?

    Oxalá o Papa Francisco tenha interiorizado bem a mensagem….

  7. Bertoni: já vai tarde!
    Vá e não volte nunca mais!
    Nosso Senhor que tenha misericórdia dessa escória que tomou conta dos altos escalões da Igreja, tal qual um câncer a devorá-la por dentro!
    Como diz o Exorcismo:
    “Vade retro Satanás!”
    Xô Bertoni!
    O pior problema é que seu sucessor deverá ser muito pior que ele…
    Ainda bem que não faço parte da igreja cãociliar…
    Literalmente podemos dizer: “pobres diabos”…

  8. Monsenhor Bertone era Secretário do Cardeal Ratzinger, então Prefeito da Congregação da Doutrina da Fé, por ocasião da divulgação do 3o segredo de Fátima no ano de 2000. É evidente que ambos, na hierarquia da Santa Sé, eram subordinados à Secretaria de Estado ocupada pelo Cardeal Augustino Casaroli e, posteriormente, pelo Cardeal Angelo Sodano, esses dois últimos, verdadeiros traidores; eles foram responsáveis pela “ostpolitik” que desfigurou o rosto da Igreja, como afirmado por Bertone. Pela leitura da obra “O derradeiro combate do Demônio” e pelas palavras do Papa Bento XVI sobre Fátima, nota-se que eles foram forçados a fazer o jogo de Sodano. A revelação integral da 3a parte do segredo de Fátima seria o fundamento de uma contrarrevolução católica para restaurar o que foi destruído sob pretexto do Concílio Vaticano II. Por essas e outras, não me arrependo de ter “torcido” pelo Cardeal Bertone como possível sucessor do Papa Bento XVI. Era meu candidato dentre os europeus, ao lado dos Cardeais Ranjith e Raymond Burke.

    • Rogério, querido irmão na Fé, há provas no mesmo livro que vc citou que bertone é um dos piores homens DA HISTÓRIA da Igreja!!
      Aí eu te pergunto: seu exemplar n estava faltando algumas páginas?
      Deixo o link com uma pequena parte do capítulo 10:

      Especialmente em vista dos acontecimentos de 26 e 27 de Junho de 2000 e dos meses que se lhes seguiram, temos agora provas suficientes para identificar os quatro homens que, em consciência, devemos acusar neste livro. São eles:

      O Cardeal Angelo Sodano
      O Cardeal Joseph Ratzinger
      O Arcebispo Tarcisio Bertone
      O Cardeal Dario Castrillón Hoyos

      http://www.devilsfinalbattle.com/port/ch10.htm

  9. Para mim, o cardeal Bertone ainda é uma incógnita porque Bento XVI confiava nele e não queria que ele saísse. Não acredito que Bento se deixaria enganar pelo secretário de Estado, deixando que ele o fizesse de bobo.

  10. Foi o Cardeal Tarcisio Bertone que esclareceu ao mundo que o homossexualismo tem mais haver com pedofilia, resultando em ataques de fúria e calúnia dos servos de Satanás: a militância LGBT, a mídia secular e os modernistas, Bertone falou a verdade.

  11. Bertone e o jeito curialista de se mandar recado:

    a) “clareza de doutrina e com elevação de pensamento” de Bento XVI;
    >leia-se: agora há alguém de pouca clareza doutrinal e de nível pedestre;

    b) “fortes projetos pastorais” de Bento XVI;
    >leia-se: agora há alguém de fraco (ou nenhum) projeto pastoral, sem saber bem o que fazer.

    c) “[Bento XVI] estava profundamente triste pelos males que desfiguram o rosto da Igreja”;
    >leia-se: a coisa está feia e não é momento de euforia e carnaval (nunca será, aliás…)

    d) “O dom do conselho, espontâneo e inspirado, voltado para o futuro, mas rico em memória”
    >leia-se: falta agora prudência sobrenatural (por ex. Cristo se calou diante de Pilatos) que seja realista (voltado para o futuro), mas que leve em conta a tradição eclesiástica (rico em memória).

    e) “Igreja de Cristo de estar no coração do mundo”
    leia-se: e não nas periferias existenciais…

  12. Falar mal de Bertone é não entender de Catolicismo!!! Lionço Ramos Ferreira