Uma nova ofensiva de Herodes contra os Filhos da Imaculada.

“Em Ramá se ouviu uma voz, choro e grandes lamentos: é Raquel a chorar seus filhos; não quer consolação, porque já não existem” (Mateus 2:18)

Por Brian McCall – The Remnant | Tradução: T. M. Freixinho – Fratres in Unum.com: A vinda do Salvador traz não somente alegria, mas sofrimento. Após o Dia de Natal segue-se imediatamente a Festa de Santo Estevão, primeiro mártir. Dois dias depois, comemoramos o massacre dos Santos Inocentes no lugar do Divino Infante. Herodes, um usurpador da autoridade legítima na Judeia, está cheio de ódio e raiva quando ouve a respeito da possível chegada da verdadeira autoridade dentro de seu domínio. Ele não pode encontrar O Santo, a fim de colocar suas mãos Nele e, assim, descarrega sua fúria nos Santos Inocentes, aqueles recém-nascidos incapazes de se defender. Todos os tiranos ilegítimos por fim atacam com injustiça, porque, no fundo, eles sabem que sua posição é insustentável.

inocentes

Há cinquenta anos, uma autoridade tirana usurpou a governança do corpo de Cristo. Esta autoridade não é um único homem, papa ou bispo. Chama-se modernismo.[1] Ele se instalou nos mais altos postos da Igreja, cuja função é guardar e transmitir o Depósito da Fé. Ele tem exercido, de maneira injusta e ilícita, a mais alta autoridade na Igreja, agindo através dos ocupantes desses cargos — não nos cabe julgar se eles são ou não colaboradores voluntários do modernismo — não para as finalidades para as quais esses cargos foram criados, mas para injetar vírus mortais de novidade e confusão no Corpo de Cristo. Ainda assim, não obstante toda essa inovação injusta, o Corpo conserva uma pulsação fraca. A Tradição não apenas sobrevive ao ataque viral, mas cresce de maneira constante, ainda que vagarosamente, atraindo novas gerações para a beleza da Fé e da Liturgia verdadeiras.

Os Franciscanos da Imaculada (denominados FIs) não foram e não são tradicionalistas. Eles não foram fundados pelo Arcebispo Lefebvre nem jamais tiveram um relacionamento formal ou informal com a Fraternidade São Pio X. Desde a sua fundação, eles aceitaram e usaram o Novus Ordo Missae. Ainda assim, os FIs adotaram uma adesão fiel à espiritualidade de São Maximiliano Kolbe. A lealdade ao autêntico espírito de São Maximiliano inevitavelmente deve conduzir a um conflito com a tirania modernista reinante na Igreja.

O modernismo pretende sintetizar tudo, a fim de negociar um armistício com os inimigos da Igreja, especialmente, o espírito da Maçonaria. Recentemente, em um momento de verdadeira clareza, Dom Oscar Andrés Rodríguez Maradiaga, um Cardeal pessoalmente próximo ao Papa Francisco e escolhido por ele para liderar o seu Conselho de Oito Cardeais, explicou que essa reconciliação com o modernismo estava no centro dos [acontecimentos] de “1789 na Igreja,” conforme o Vaticano II foi descrito pelo Cardeal Suenens:

O Concílio Vaticano II foi o principal evento na Igreja no século XX. A princípio, ele significou um fim às hostilidades entre a Igreja e o modernismo, que havia sido condenado no Concílio Vaticano I. Ao contrário: nem o mundo é o reino do mal e do pecado – essas são conclusões claramente conquistadas no Vaticano II—nem a Igreja é o único refúgio do bem e da virtude. O Modernismo foi, em grade parte, uma reação contra as injustiças e abusos que menosprezavam a dignidade e os direitos da pessoa.[2]

Uma vez que o Modernismo foi uma reação ao ensinamento e a práxis tradicionais da Igreja, o Cardeal considera claramente essas coisas como “injustiças” e “abusos.” Aqui temos uma avaliação honesta por parte do Cardeal mais influente neste Pontificado, deixando claro que o último século envolveu um combate entre o Modernismo e a Igreja antes do Vaticano II, em seu ponto de vista, o Modernismo triunfando sobre o Concílio. Os FIs não depuseram suas armas e não uniram-se a esse cessar-fogo profano. O resultado tem sido a sua perseguição permanente.

fis

O combate de São Maximiliano foi claramente uma parte dessa luta. Ele direcionava seus esforços particularmente contra o adjutório do Modernismo na esfera temporal, a Maçonaria. A Maçonaria se alegrou com o resultado do Vaticano II, que os maçons abertamente proclamaram como uma vitória para a Maçonaria. Assim, um compromisso com o combate da Imaculada inevitavelmente levará a um confronto com o Modernismo. O engajamento em um combate assim, ao final, nos levará a enxergar as armas perenes que têm logrado êxito nessa batalha, a Missa de Sempre e a doutrina imutável da Igreja preservada há séculos e somente obscurecida sob uma nuvem de ambiguidades no Vaticano II. Ainda assim, o encontro da Missa e da Doutrina Tradicional, inevitavelmente, conduzirá a um confronto com os inimigos internos da Igreja.

Recentemente, Dom Bernard Fellay comentou que a lealdade dos FIs a São Maximiliano é o que os aproximou dos tradicionalistas e os puseram em conflito com as forças que ocupam as mais altas posições na Igreja.

Isso é muito interessante, porque Maximiliano Kolbe deseja um combate pela Imaculada, a vitória de Deus sobre os Seus inimigos — podemos realmente usar essa expressão — ou seja, os maçons. É muito interessante constatar isso. Esse combate contra o mundo, contra o espírito do mundo aproximou os FIs de nós, quase por natureza, alguém poderia dizer, porque alistar-se em um combate contra o mundo implica, em algum momento, a Cruz. O que implica os princípios eternos da Igreja: que se chama o espírito cristão. Esse espírito cristão é expresso de maneira magnífica na Missa Antiga, na Missa Tridentina. De tal maneira que quando Bento XVI publicou o seu Motu Proprio, que novamente disponibilizou amplamente a Missa, essa congregação decidiu em seu Capítulo, ou seja, uma decisão tomada por toda a congregação, retornar à Missa antiga, e realmente fazê-lo em todos os sentidos, percebendo que viriam a ter muitos problemas, uma vez que eles têm paróquias, porém, todavia, esses problemas não eram intransponíveis. Alguns deles também começaram a fazer certas indagações sobre o Concílio.

Consequentemente, alguns insatisfeitos, uns poucos se considerarmos o seu número (há cerca de 300 padres e irmãos no total), talvez uma dúzia, protestaram a Roma, dizendo: “Eles estão tentando nos impor a Missa antiga, eles estão atacando o Concílio.”[3]

As forças do Modernismo não podem destruir a Igreja e a Sagrada Tradição. A promessa de indefectibilidade de Nosso Senhor os impede de fazer isso. Igualmente, foi impossível que o usurpador Herodes matasse Nosso Senhor antes da consumação do tempo para o Seu sacrifício redentor. Sim, Herodes poderia desferir a sua raiva nos inocentes e desamparados que estavam “próximos” de Nosso Salvador, ou seja, na região de Belém.

Os FIs são, em certo sentido, como os Santos Inocentes. Eles não são tradicionalistas, mas, como observou Dom Fellay, são “próximos” por defender a Tradição de maneira inequívoca e coerente. Nos últimos anos, os FIs podiam ser vistos caminhando em direção a um “renascimento” como uma comunidade plenamente tradicionalista. Eles estão potencialmente nos estágios iniciais dessa transição, encorajando e permitindo o uso amplo da liturgia tradicional e mantendo a mente aberta para considerar o lugar que o Vaticano II e seus frutos ocupam no combate da Imaculada. Ainda assim, como é claro, eles ainda conservaram o uso do Novus Ordo Missae.

As forças do Modernismo, incapazes de acabar com a Tradição na Igreja e incapazes de armar o que, em retrospectiva, pode ter sido uma armadilha prática para a FSSPX em um reconhecimento canônico, estão tentando destruir a essência dos FIs caso isso possa ser uma fonte de derrota derradeira do Modernismo.

Os FIs foram fundados em 1970, curiosamente, no mesmo ano que a FSSPX, e têm crescido de modo a incluir padres, freiras, terciários, membros da ordem terceira, casas de estudo, editoras e distribuidoras, além de apostolados leigos. Os FIs foram elevados ao nível de direito diocesano em 1990 e o Papa João Paulo II os elevou a direito pontifício. Hoje em dia, contam com mais de 500 membros em seis continentes. Embora aceitem o Novus Ordo Missae como forma normativa antes do Summorum Pontificum, os FIs mantiveram-se fiéis ao carisma franciscano, conforme expresso por São Maximiliano. Eles falam frequentemente e de maneira apaixonada sobre Nossa Senhora Mediadora de Todas as Graças (uma doutrina esnobada no Vaticano II) e sua Co-redenção. Após o Summorum Pontificum, os FIs deliberaram, e, de acordo com as regras que regem o seu processo de tomada de decisões, votaram esmagadoramente no sentido de promover e facilitar o uso amplo e generoso da liturgia tradicional, embora permitindo que padres individuais celebrem o Novus Ordo Missae. Ainda assim, mesmo essa posição prudente e moderada foi demais para o Modernismo, e, após a eleição do Papa Francisco, o Vaticano agiu segundo as reclamações de uma meia dúzia de descontentes (assim como o Vaticano agiu contra a FSSP em 1999, após as reclamações de uma meia dúzia de membros desejosos de celebrar a Missa Nova, e que acabaram saindo da FSSP).

Agora recordaremos que durante décadas a hierarquia fez ouvidos moucos às graves acusações de abuso homossexual de crianças por parte de padres. Os criminosos foram mimados, protegidos e enviados disfarçadamente para novas atribuições. O Cardeal Law, que protegeu criminosos por décadas, não foi destituído como bispo, mas voluntariamente renunciou a uma promoção para um cargo confortável em Roma (onde ele está livre de qualquer possível prisão nos Estados Unidos).

A Congregação para a Doutrina da Fé investigou as ordens religiosas femininas nos Estados Unidos e descobriu evidências chocantes de heterodoxia e, embora algumas discussões tenham sido realizadas com o conselho de liderança, nenhuma ordem religiosa foi assumida, nenhum superior foi destituído.

Nenhum Comissário Apostólico foi nomeado para assumir a Arquidiocese de Los Angeles quando ela faliu devido aos pagamentos multimilionários de dólares às vítimas de abusos.

Ainda assim, agora, depois que alguns padres dos FIs, que não gostam da decisão tomada por toda a congregação, por amplo consenso, reclamaram que estão sendo forçados a sentir que devem celebrar a Missa Tradicional, embora sejam perfeitamente livres para fazer o contrário, qual é a reação do Vaticano? Intervir com uma arma nuclear.

Considere as seguintes medidas disciplinares que só podem ser descritas como perseguição imoral e injusta e que foram tomadas até a presente data.

1) Os superiores devidamente eleitos dos FIs, incluindo o fundador e Superior Geral Padre Stephano Maria Manelli, foram sumariamente destituídos e substituídos por um Comissário nomeado pelo Vaticano, Padre Fidenzio Volpi.

2) Dizem que o velho padre Manelli, de 80 anos de idade, foi colocado efetivamente sob prisão domiciliar, tendo sido proibido de receber visitantes ou sair para encontrar qualquer pessoa.

3) Em contradição direta não somente com a lei natural e divina, mas também com a lei positiva da Igreja, conforme expresso no Summorum Pontificum, o padre Volpi proibiu a celebração da Missa Tradicional pelos membros dos FIs.

4) Os recursos temporais dos FIs foram confiscados pelo padre Volpi.

5) O padre Volpi fechou o seminário/casa de estudos até segunda ordem.

6) Aqueles no curso de estudo, se e quando o padre Volpi decidir que podem retornar aos seus estudos, serão enviados para instituições específicas não afiliadas aos FIs. A Casa Mariana, [editora] vinculada à casa de estudos, recebeu ordem do padre Volpi para fechar.

7) O padre Volpi cancelou as ordenações para o diaconato e sacerdócio marcadas para este ano.

8) Uma vez que as ordenações tiverem permissão para se realizarem, o padre Volpi ordenou que todos os candidatos às Ordens que atualmente estejam em formação devem subscrever pessoalmente uma aceitação formal:

a. do Novus Ordo como uma autêntica expressão da tradição litúrgica da Igreja e, portanto, da tradição franciscana (sem prejuízo daquilo que é permitido pelo Motu Proprio Summorum Pontificum, se a proibição ilegal à Missa Tradicional atualmente imposta pelo padre Volpi for revogada), e

b. dos documentos do Concílio Vaticano Segundo, em conformidade com a autoridade que lhes for conferida pelo Magistério.

9) Qualquer candidato que não aceitar essas disposições será imediatamente demitido do Instituto.

10) Todo religioso no Instituto deve expressar clara e formalmente por escrito a sua disposição em continuar a sua jornada no Instituto dos Freis Franciscanos da Imaculada, de acordo com o carisma Mariano-Franciscano, no espírito de São Maximiliano M. Kolbe, de acordo com as diretrizes relativas à vida religiosa contidas nos documentos do Concílio Vaticano Segundo.

11) O padre Volpi suspendeu os grupos de Missão Imaculada Mediadora na Itália até que esses grupos façam uma declaração formal de adesão à nova autoridade, presumivelmente o padre Volpi.

12) O padre Volpi suspendeu a Ordem Terceira de São Francisco sem garantia de restabelecimento, mas somente uma declaração de que o padre Volpi irá nomear três religiosos a quem os membros desses grupos poderão consultar relativamente a quaisquer esclarecimentos.

13) O padre Volpi suspendeu a distribuição ao público das publicações da “Casa Mariana Editrice”, que inclui muitos livros e artigos simpáticos a um ponto de vista Católico Tradicional moderado sobre a liturgia, teologia e o Vaticano II.[4]

Esta lista é de tirar o fôlego. Quando os padres e bispos facilitaram o abuso de crianças pequenas, por acaso as propriedades de uma única diocese foram confiscadas? Após inúmeros relatórios de encorajamento e até mesmo exaltação de homossexualidade nos seminários (Veja livro Good Bye Good Men de Michael Rose, por exemplo), por acaso quaisquer dos seminários criminosos foram fechados? Alguma ordenação foi cancelada para garantir que os candidatos não eram pedófilos? Por acaso Hans Küng ou qualquer um do tipo dele foi proibido de distribuir livros questionando os ensinamentos perenes da Igreja, como, por exemplo, a ressurreição física de Nosso Senhor?

Obviamente, a resposta a essas perguntas é um inequívoco não. Ainda assim, um instituto religioso está sendo submetido à perseguição mais severa simplesmente por reverenciar a Tradição Católica.

Quando o ultraje dessa perseguição tão injusta foi contestado na imprensa italiana, o padre Volpi respondeu por carta defendendo a sua dura perseguição. Que crime ele invoca para justificar essas medidas extremas? Alguns “religiosos” não especificados reclamaram “de uma tendência cripto-lefebvriana e, definitivamente, tradicionalista” na comunidade dos FIs, e o padre Manelli “já tinha evitado o diálogo construtivo com” esses religiosos não especificados. Há também uma reclamação ex post facto sobre uma tentativa não especificada e sem comprovação de reter alguns bens após a instalação do ditador comissário. (Obviamente, mesmo se alguma coisa acontecesse após a tomada de controle, logicamente, isso não pode ser um motivo para a tomada de controle.)

Então, aí você chegou ao ponto que eu queria! Os únicos crimes na Igreja que produzem diversas medidas criminais graves hoje em dia são ser “cripto-lefebvriano” (seja lá o que isso significa), ter uma tendência “tradicionalista” e recusar o engajamento em um “diálogo construtivo” com inferiores que reclamam sobre as decisões legítimas de suas congregações. O direito penal da Igreja nos últimos cinquenta anos é efetivamente reduzido a “Não te aproximarás de um Tradicionalista.” Você pode abusar de crianças, escrever e pregar heresias, encobrir crimes seculares e então você é promovido e continua sendo um padre em situação canônica regular. Mas ouse ter uma “tendência tradicionalista” e você estará acabado. Isso é tão insano que parece irreal, mas é real — uma perseguição real dos inocentes pelas autoridades na Igreja que alegam agir sob a aprovação expressa da “mais alta autoridade,” o Papa Francisco.

É interessante observar que todas as ações do padre Volpi desde a sua nomeação correspondem exatamente àquilo que o Arcebispo Lefebvre previu que iria acontecer se ele concordasse com a exigência do Papa Paulo VI, em 1974, de entregar toda a FSSPX, seu seminário em Ecône, e seus priorados a um Comissário nomeado por Paulo VI. Dom Lefebvre recusou alegando que o seminário seria fechado, os seminaristas seriam forçados a entrar nos seminários [modernistas] após a nova orientação, a Missa seria suspensa e os fiéis que dependiam da FSSPX seriam abandonados.

Mais uma vez a previsão do Arcebispo se justificou. O que aconteceu aos FIs teria acontecido à FSSPX em 1974 se o Arcebispo tivesse vacilado. Onde a Missa Tradicional estaria hoje se isso tivesse acontecido? Provavelmente, não haveria nenhum indulto em 1984, nenhum Indulto em 1988, nenhum Summorum Pontificum, nenhuma Fraternidade de São Pedro (uma vez que não haveria nenhuma FSSPX de onde eles pudessem sair), etc.

O que os FIs devem fazer? O que qualquer pessoa sob opressão devido a perseguição injusta pode fazer, especialmente, quando a honra de Deus ou a nossa própria salvação ou a salvação de outra pessoa assim o exigir? Respeitosamente recusar-se a cumprir ordens injustas e ilícitas. Os FIs deveriam todos recusar essa exigência ultrajante de um juramento de obediência à Missa Nova e ao Vaticano II. Por acaso Hans Küng alguma vez foi forçado a fazer um juramento de fidelidade a Trento ou ao Vaticano I sob pena de perder suas faculdades? Nunca! Nenhum católico é obrigado a fazer um juramento ao Vaticano II e à Missa Nova para obter a salvação. Por outro lado, todo santo diante dessas anomalias teria se perdido. Os FIs deveriam simplesmente continuar o seu trabalho, que foi aprovado por ninguém menos que o Papa João Paulo II. Os FIs são uma congregação aprovada na Igreja. O golpe que se abateu sobre eles é injusto e ilegal, uma vez que não cometeram crime algum. Continuar vivendo o combate da Imaculada e celebrando a Missa Tradicional, confiando na autoridade do Papa Bento XVI em Summorum Pontificum quando este afirma:

Em Missas celebradas sem o povo, qualquer sacerdote de Rito Latino, seja secular ou religioso, pode usar o Missal Romano publicado pelo Beato João XXIII em 1962 ….Com a devida observância da lei, inclusive os fiéis Cristãos que espontaneamente o solicitem, podem ser admitidos à Santa Missa mencionada no art. 2 (Artigos 2 e 4).

Se Comunidades ou Institutos de Vida Consagrada ou Sociedades de Vida Apostólica de direito pontifício ou diocesano desejam ter uma celebração da Santa Missa segundo a edição do Missal Romano promulgado em 1962 em uma celebração conventual ou comunitária em seus próprios oratórios, isto está permitido. Se uma comunidade individual ou todo o Instituto ou Sociedade desejar ter tais celebrações frequente ou habitualmente ou permanentemente, o assunto deve ser decidido pelos Superiores Maiores segundo as normas da lei e das leis e estatutos particulares. (Artigo 3)

Mesmo se os FIs tivessem decidido adotar a Missa Tradicional em caráter permanente, eles tinham a permissão para fazê-lo se a decisão fosse tomada por seus superiores de acordo com a sua lei interna de governo. Eles somente decidiram facilitar e encorajar, mas não adotar a Missa Tradicional em caráter permanente.

Os FIs não cometeram crime algum que justificasse o término de seus estudos e formação religiosa. Eles são um instituto aprovado pela mais alta autoridade da Igreja, e, uma vez que essa aprovação é concedida, ela não pode ser revogada por uma justa causa. Ser um “cripto-lefebvriano” ou ter uma “tendência tradicional” equivale a uma acusação inventada do nada, uma técnica digna de um grande número dos regimes seculares totalitários que dominaram o século passado. Todas essas penalidades são nulas segundo a lei natural, divina e até mesmo eclesiástica. Como Santo Tomas, citando Santo Agostinho, nos recorda, uma lei injusta não é lei de maneira alguma, mas sim um ato de violência. Continuem os seus estudos e formação como vocês sempre fizeram. Aquilo que era perfeitamente legal no ano passado deve ser legal hoje em dia.

Talvez os bens temporais dos FIs estejam perdidos para sempre para o padre Volpi, mas talvez este seja um sacrifício que a Imaculada esteja pedindo de seus filhos para provar a sua fidelidade ao seu combate contra a Maçonaria e o Modernismo. Afinal de contas, eles são Franciscanos! Eles devem estar dispostos a perder os bens e confiar na generosidade dos fiéis para apoiá-los no combate, mas não devem deixar de combater. Pergunte-se, será que a mãe de um dos Santos Inocentes teria pecado se ela tivesse evitado a ordem injusta de Herodes e tirado seu filho de Jerusalém? Seria ela culpada de desobediência? Obviamente que não. Ela não teria qualquer obrigação de cumprir a sua perseguição injusta. Nós ordens, grupos, associações e católicos ordinários tradicionais, temos o dever de vir em auxílio dos FIs. Se eles se mostrarem dispostos a continuar o combate da Imaculada usando as armas invencíveis do passado, temos o dever de auxiliá-los no âmbito temporal. Se os FIs tomarem uma posição a favor da Imaculada, da Igreja e da Missa de Sempre devemos estar prontos na medida de nossas possibilidades a auxiliá-los no âmbito temporal.

Essa perseguição aos FIs pode sinalizar uma batalha final, uma ofensiva final do Modernismo contra a Igreja a partir de dentro. A Irmã Lúcia nos disse décadas atrás que o demônio estava disposto a uma batalha decisiva contra as forças da Imaculada. Ela também advertiu que os religiosos e religiosas estavam no centro dessa batalha. Talvez esse pontificado marque as etapas mais difíceis dessa batalha final pela alma da Igreja. Se tiver que ser assim, devemos estar dispostos a sacrificar tudo pela Imaculada, por seu Divino Filho e seu Corpo Místico.

As palavras de Winston Churchill à ilha sitiada da Grã Bretanha, em setembro de 1940, poderiam se aplicar com analogia adequada à posição na Igreja no momento. Que os membros dos FIs e todos envolvidos na causa da Tradição prestem atenção a este chamado de cada um a tomar sua posição, chamado esse que não procede de um primeiro ministro, mas da própria Imaculada:

Portanto, todos os homens e mulheres se prepararão para cumprir o seu dever, seja lá qual for, com orgulho e zelo especial. Nossas frotas e flotilhas são muito poderosas e numerosas; a nossa Força Aérea chegou ao máximo de força que poderia ter alcançado e está consciente de sua superioridade comprovada, não certamente em números, mas em homens e máquinas. Nossas costas estão bem fortificadas e firmemente guardadas por homens, e atrás delas, prontas ao ataque dos invasores, temos um Exército móvel muito maior e melhor equipado do que jamais tivemos antes. Além disso, temos mais de um milhão e meio de homens da Guarda de Defesa Interna, que são tantos soldados do Exército Regular quanto Guardas Granadeiros, e que estão determinados a lutar por cada centímetro do solo em cada bairro e em cada rua. É com confiança devota, mas também com confiança segura, que digo: Que Deus defenda os Justos.

Que os Santos Inocentes roguem por nós e, em particular, intercedam para a solução do caso dos Franciscanos da Imaculada perseguidos nesta época de Natal!

* * *

[1] Ao falar usurpar, não quero dizer que os homens que detêm os mais altos cargos na Igreja não ocupam esses cargos, mas sim que tem havido uma usurpação neles do espírito cristão por parte do Modernismo.

[2] Para ver o texto de uma das ocasiões em que essa declaração foi feita, veja, http://www.miamiarch.org/ip.asp?op=Article_13102810144642

[3] http://www.dici.org/en/documents/interview-with-bispo-bernard-fellay-menzingen-november-2013/

[4] Esta lista foi compilada a partir das declarações e comentário disponíveis em http://www.rorate-caeli.blogspot.com/2013/12/for-record-situation-with-franciscans.html

32 Comentários to “Uma nova ofensiva de Herodes contra os Filhos da Imaculada.”

  1. Estamos vivendo os momentos decisivos na história da Igreja, o demônio modernista e maçônico trama contra nós, católicos verdadeiros, todos os dias. Ao menos antes tínhamos ao nosso lado o Santo Padre, os bispos e sacerdotes, nem isso temos mais, Satanás agora ocupa os mais altos e prestigiados cargos da hierarquia em Roma. Homens que deveriam ser santos, são agentes do demônio infiltrados no Vaticano. A cada dia que passa a Igreja é demolida, e se colocam mais espinhos no Coração de Nosso Senhor Jesus Cristo. O Santo Rosário é nossa única arma, juntamente com a Santa Missa Tridentina.
    Não Temais, irmãos, “Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará.”, prometeu Nossa Senhora, confiemos na Rainha dos Apóstolos. A Santíssima Virgem Maria, juntamente com Nosso Senhor, estão vendo nossa fidelidade para com sua lei e sua doutrina.
    Logo São Miguel Arcanjo descerá do céu, empunhando uma espada de Fogo, para destruir, todos os inimigos da Santa Igreja Católica Romana, todos aqueles que tramam contra a Igreja de Jesus Cristo.

  2. Eu insisto como inúmeras vezes falei: “Os Franciscanos da Imaculada deveriam oferecer, a este interventor, a porta pra rua como a serventia da casa”.

  3. Parece-me que há uma poderosa corrente impostora dentro da Igreja, pondo e impondo, à revelia dos defensores da Tradição da Igreja de sempre, como os FIs, sendo a mais suspeita das ações a Alta Maçonaria.
    Em blogs da França notam-se comentários sob esse mesmo parâmetro do post acima, de aversão e manipulação, só que os católicos franceses diferem muito dos daqui, não engolem a seco certas medidas anti católicas provenientes de pseudos membros da Igreja, senão acusando abertamente os “FM”, abreviação deles para os maçons,/comunistas (e protestantes) infiltrados; são muito desconfiados, assumidos e interpelam abertamente as autoridades eclesiásticas nesse sentido dos eventuais desvios; são doutra estirpe.
    Convém sempre implorarmos a Nosso Senhor Jesus Cristo as imprescindíveis luzes do Divino Espírito Santo para que discernamos os sinais de um provável caos e não nos submergirmos nele!
    A fumaça de Satanás denunciada pelo papa Paulo VI invadiu a casa de Deus, parecendo avolumar-se dado a dissolução dos costumes, tendo como dos exemplos o adentramento dos lares as sexo-novelas e os BBBs das Globos da vida – rima direitinho com globalismo – ou seja, termos em casa a um clique um bordel e suas variantes ao vivo…
    No entanto, nunca nos esqueçamos a Santa Madre Igreja, Una, Santa, Católica e Apostólica é divina, Cristo a controla, aliás, ela O é, Cl 1,18; Cl 1,24; Ef 1, 22-23 etc., cabendo a cada um de nós fazer a sua parte, sem se esmorecer.
    Ave Maria, gratia plena.
    PS.:O cardeal Suenens teria sido um dos propulsores do carismatismo protestante na Igreja; mais um que teria posto mais lenha na fogueira, sendo que esse movimento nasceu em seitas heréticas – os próprios defensores do carismatismo não o negam – ele provém mesmo dos Despertados da Baviera, dos pentecostais protestantes, do Revival herético dos Estados Unidos.
    E não de estranhar que seu lançador na Igreja Católica tenha sido o Cardeal Suenens, famoso por suas teses modernistas e ecumênicas.
    Com efeito, o ecumenismo modernista procura unir as religiões passando por cima das divergências de Fé, buscando, em fenômenos pseudo místicos, a união com as mais variadas seitas. A tese ecumênica é que os dons do Espírito Santo podem ser concedidos a quaisquer pessoas independente de seu Credo, pois, abusando da Escritura dizem que o “Espírito sopra onde quer” (Jo III,8). O resultado é uma contaminação de espírito heretizante na RCC…

  4. No dizer de Olavo de Carvalho, a parte mais sensível do corpo de um comunista – e a hierarquia atual manifesta claríssimos sintomas de comunismo e sovietismo – é o BOLSO! Se os aflitos FIs padecem de “cripto-lefebvrianismo”, que saiam dessa cripta e optem pela FSSPX ou mesmo pelo grupo de dom Williamson, que os receberiam de braços abertos. E que levem consigo seus institutos, colégios, sedes, seus fiéis e seus dízimos, doações e bens. Então o Vaticano, através de uma comovidíssima Comissão de diálogo moderno-tradicional, iniciará uma compungida série de diálogos de sereia para com os “cismados”, com promessas idílicas de acordo e “concessões”. Assim nasceu a “Ecclesia Dei”, eregida por JP II e Ratzinger dois dias depois de terem excomungado a dom Lefebvre, dom Mayer e seus quatro bispos.
    Rezo pela restauração da Igreja de Deus, mas ultimamente tenho rezado em intenções menores: pelo fim da crise na FSSPX, e pelo seu crescimento.

  5. A Heresia lefebvrista deve ser completamente expurgada da Igreja. Os lefebvristas já fizeram, fazem e continuarão a fazer muito mal ao corpo de Cristo. O que os Filhos da Imaculada estão sofrendo é culpa dos lefebvristas cismáticos que com suas idéias heréticas contaminaram algumas congregações da Igreja.

    • Marcelo Paiva Souza, vá lamber as botas de Boff, que é pra isso que serve os seus comentários.

    • Marcelo, desculpe-me, mas herege é você. Com certeza, você deve ser daqueles que odeiam a tradição, e tudo que lembre, santidade, castidade, justiça e obediência á Santa Doutrina dos apóstolos.
      Volte para seus queridos padres Reginaldo Manzotti, Fábio de Melo, Marcelo Rossi, Leonardo Boff, frei Betto, e outros demônios cristianizados.

  6. Marcelo Paiva Souza a que se deve esse seu ódio!! acaso também é um maçon encapsulado de católico? Quais são as ideias heréticas dos Filhos da Imaculada???

  7. Todos nós católicos temos culpa pelo que está acontecendo com a Igreja Católica. Nos calamos acerca da tomada de poder dos satanistas luciferianos maçons. “Lúcifer, o portador da Luz. Não duvide”, declara o Soberano Pontífice da Maçonaria Universal Albert Pike, em seu livro “Moral e Dogma”, utilizado como a bíblia maçônica mundialmente. Na década de setenta o jornalista italiano Pecoreli foi assassinado sete dias depois de ter publicado documentos incontestáveis com a lista de mais de cem altos prelados maçons, com seus números de inscrição e código, incluído o secretário de estado Casaroli e o Arcebispo Anibale Bugnini, responsável por alterar (adulterar) a missa, criador do Novus Ordo, obedecendo ordens diabólicas.

    Ora, é impressionante a audácia desta gente. A verdade vira heresia e a mentira vira obediência. Como chamar de hereges e pelagianos os católicos que se negam a seguir satanás e seus seguidores? Como chamar de obedientes os seguidores de satanistas? Pois, infelizmente, aqueles que seguem os preceitos de Cristo e dos Papas da Igreja milenar, antes da tomada do poder dos satanistas, hoje são chamados de “hereges”, “pelagianos” e “cismáticos”. Ao contrário, aqueles que obedecem a pedófilos, sodomitas e prelados membros de seitas luciferianas são considerados como católicos exemplares. Só peço aos irmãos que estudem o catolicismo antes da tomada de poder dos maçons e comunistas. E que estudem os livros dos próprios maçons e comunistas e seus planos. Só depois de muito estudo, então tirem suas conclusões. Na verdade o que vivemos está nas sagradas escrituras, o mistério da iniquidade e a abominação da desolação. Breve é a volta do Vitorioso e Salvador Jesus Cristo! Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo! “São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate”…

  8. A lista feita por Carmine Pecorelli, citada pelo colega Luiz, é realmente fidedigna? Nunca tinha ouvido falar dela antes.

    http://www.rainhamaria.com.br/estatico/apo55.htm

  9. Vocês estão sendo muito ingênuos. Há mais coisa por detrás disso. Parem com a paranóia tradicionalista extrema e comecem a observar os acontecimentos. Ali deve ter um rolo sério.

  10. Bem, se existe uma heresia lefebvrista acho que São Pe. Pio, São Maximiliano, Santa Teresa Benedita da Cruz, Papa Pio XII, São Pio X… São todos hereges. Queria eu ser herege que nem eles, porque a única coisa que a FSSPX nos últimos decênios fez foi afirmar a doutrina perfeita e portanto imutável e irrevisável (em relação aos dogmas) da Igreja e que foi obscurecida no CVII, ainda que este se apresente sob a cortina de fumaça da pastoralidade e que muito além de hermenêutica, tem problema de letra. Falo do que li! Mais do que nunca devemos rezar: Dignare me laudare te, virgo sacrata. Da mihi virtutem contra hostes tuos.

  11. Ninguém é obrigado a obedecer uma lei manifestamente anticristã e anti-tradicional.
    A Missa Gregoriana é um direito de todo sacerdote latino, garantido solenemente e de maneira irrevogável por São Pio V na Bula Quo Primum Tempore. Gostando ou não gostando, isso é um FATO.

    Obediência cega nunca foi virtude. É conivência com o erro. A medida do Vaticano foi claramente desproposital, feita sem nenhuma justificativa e sem mostrar em que os Franciscanos da Imaculada erraram. Foi uma série de ordens tirânicas, ríspidas, desmedidas e que comprometem a consciência de quem as cumpre.
    É um abuso de poder descaradamente manifesto. E me desculpem, mas não vejo mérito em obedecer estes absurdos. Porque obedecer à ordem de abrir mão de um DIREITO que é a Missa Tradicional é o mesmo que obedecer a uma ordem para parar de respirar.
    A Missa Tradicional não é uma opção. Não é uma excentricidade. Não é uma coisa secundária que se pode levar para esse ou aquele lado. Peguem a Bula Quo Primum Tempore, está tudo lá, não sou eu quem está inventando histórias. É UM DIREITO INALIENÁVEL, a ponto da mesma Bula ameaçar exatamente qualquer ser humano que ouse restringí-la.
    Não existe disputa, o martelo já foi batido há mais de 400 anos. Obedecer uma ordem que vai contra a doutrina católica acerca da Missa Tradicional é ser conivente com os modernistas.

    Não se trata de depor o papa nem clérigo algum, mas se DEUS nos deu a Igreja com seus dogmas infalíveis e imutáveis, somos obrigados a RESISTIR contra todos os que nos propõem um evangelho diferente, até mesmo se for um anjo descido do céu, quanto mais homens de carne e osso que traem consciente ou inconscientemente o compromisso que fizeram ante o altar.

    Sofrimentos desnecessários, porque são frutos de uma divinização da obediência que põe a Fé e a Salvação das Almas em segundo plano.

    A obediência é uma virtude real, não é uma abstração ou algo que se deva praticar apenas quando vai de encontro aos nossos achismos. Concordo plenamente nisso, eu seria a última pessoa a fomentar relativismo doutrinário ou incitar os outros ao cisma. Mas Nosso Senhor nunca disse que deve-se obedecer cegamente, que deve-se obedecer sem saber o que se está fazendo, que se deve obedecer ordens ímpias sob pretexto de que foram dadas por superiores imediatos. Se assim fosse o papa poderia ordenar que os católicos matassem as próprias mães, e todos sairiam por aí chacinando as genitoras, porque foi uma ordem vinda do papa, e deve-se obedecer ao papa acima de tudo.

    O que dói mesmo é que nestas disputas ridículas e sem sentido, os DIREITOS DE DEUS ficam prejudicados. Os Santos Sacrifícios na Missa VERDADEIRA que deixaram de ser oferecidos sob pretexto de obediência a Francisco (e DESOBEDIÊNCIA A São Pio V) atentam contra o próprio direito de Deus de ter um Sacrifício Digno – dentro de nossas possibilidades – de Sua Majestade.
    Deus fica em segundo plano, enquanto os homens se fazem de autocratas na Igreja que é de DEUS.

    Tristes tempos…

  12. O relatos dos evangelhos mostram que Judas saiu do meio dos 12. O relatos da história mostra que os piores inimigos da Igreja sempre foram os “judas batizados”:os próprios Católicos traidores. Sempre foi assim. Hoje, os inimigos estão disfarçados, mas uma hora eles mostram a cara.

    A crise atual é grave e difícil, mas a história da Igreja Católica é assim mesmo. Contudo hoje está mais do que provado que ninguém “odeia” ou tem preconceito com a missa Tridentina gratuitamente ou apenas por ignorância, como era antes do Motu próprio de Bento XVI. Existem correntes progressistas na Igreja que lutam contra a Igreja e sabem – quase que com uma intuição que só os espíritos decaídos o sabem -, que a Missa de São Pio V possue algo diferenciado.Certamente isso nos choca mais.

  13. Não me admirarei se, em breve, alguns comentaristas alegarem que a FSSPX faz mais mal à Igreja do que fez o Cardeal Law e sua trupe de pederastas e pedófilos. Isso é tentar comparar a luz com as trevas. Será que alguém, em sã consciência, poderá afirmar que os filhos espirituais de D. Lefebvre provocam mais escândalo e destruição do que os padres formados atualmente no Brasil ou os “fiéis” integrantes das CEB’s? Quem conhece, um pouco, qualquer casa de formação existente nesta Terra de Santa Cruz e possui um mínimo de compromisso com a verdade, não poderá tal afirmação. Como diz o ditado, “o pior cego é aquele que não quer ver”, muito embora seja óbvio que a veracidade não é o forte dessa gente.

  14. Estava pensando justamente sobre o caso dos Franciscanos da Imaculada nestes dias e cheguei à conclusão de que trata-se de puro medo dos modernistas, pois eu já sabia que os nobilíssimos frades não eram tradicionalistas mas somente preferiam a Liturgia e a consequente Dourina Tradicional, sem atender só aos tradicionalistas convictos mas também e principalmente aos mais incautos da Igreja hoje ordinária que os encontrarem.

    Os modernistas ainda não atacaram o IBP ou a FSSP porque estas foram criadas para atender aqueles mais atentos às questões da Igreja, que se interessavam e procuravam pela Tradição, e como estes não são muitos e os termos de aceitar sem contestar o Vaticano II na prática por esses tradicionais impedem um grande crescimento da Tradição Católica, não há porque atacá-los com toda força agora. Diferente situação é a dos Franciscanos da Imaculada, que são da Igreja “oficial” sem aderirem ao modernismo e portanto um público não necessariamente tradicional pode ser curado da peste modernista e enfim evangelizado, doutrinado na Tradição, o que se este exemplo dos Franciscanos da Imaculada fosse espalhado por outras ordens religiosas e paróquias, colocaria em xeque o plano diabólico da maçonaria infiltrada na Igreja.

    Basta-nos ver que as heresias modernistas foram propagadas na Igreja ordinária com o consentimento, talvez inocente, dos últimos papas, por hereges que se faziam de padres, bispos e religiosos em instituições outrora tradicionais e por isto de grande confiança das pessoas de boa vontade que sempre buscaram a Igreja e foram idiotizadas pela funesta ação dos extraviados que usurparam a autoridade da Igreja. Isso, agora com nobre escopo, aparentavam fazer os Franciscanos da Imaculada, disseminando a beleza e verdade da Tradição não somente entre os mais sensíveis ao assunto, mas também entre os menos cautelosos.

    Posso estar errado, porém não vejo outra explicação para a triste e vergonhosa perseguição a esses fiéis sinceros à Santa Madre Igreja. Os modernistas sabem que se um veneno perigoso é injetado e se alastra pela corrente sanguínea, todo um corpo é afetado, e isso eles sabem por experiência; e de mesma sorte se um antídoto é usado, o corpo pode ser salvo. Eles querem impedir que o antídoto(Tradição) seja usado contra o veneno(heresias)!

  15. Senhor Marcelo Paiva Souza:
    “A Heresia lefebvrista” Como é injusto? Então, quem segue a tradição, quem disse “não” ao novo Rito elaborado por protestantes, quem colaborou com comunistas (Concilio de Metz) e se silenciaram contra o mal e a injustiça… são estes os causadores do mal na Igreja? Os anglicanos, luteranos fizeram questão de deixar seus traços na nova liturgia.
    Lembro-me quando pela primeira vez foram lidas as leituras em português e nesse dia o Sr. Padre, muito meu amigo, ainda hoje o é, disse que era para chamar o povo e para participarem na Santa Missa.
    O Senhor Marcelo acha que as celebrações de hoje tem algum sentido? Hà mais gente? Hà mais respeito e devoção?
    Vergonha da humanidade atreverem-se num Altar que devia ser igual como o Alto do Calvário, o mesmo Sacrifício, a mesma doação total, o mesmo CRISTO, o mesmo CORPO, o mesmo SANGUE a mesma ULTIMA CEIA e não passa de “show” mesquinho e sem nada de santo.
    Sua Santidade Francisco I disse que a Igreja nunca esteve tão bem. Defacto os inimigos da Santa Igreja nunca se pronumciaram tanto como agora. Tudo corre a seu favor.
    Sou simplesmente um pobre católico. Procuro Deus no Altar porque é onde Ele se deu por nós. Não sei onde encontrá-Lo fora da Eucarístia.

  16. Que pena acontecer tal coisa na Igreja. Cada vez mais, os progressistas progridem, enquanto os verdadeiros fiéis são perseguidos. Que a Imaculada Mãe sustente os seus amados filhos para que, a exemplo de São Maximiliano, enfrentem até o martírio, se necessário, conforme os misteriosos e insondáveis desígnios de Deus. Rezemos sempre a oração a São Miguel Arcanjo.

  17. E aindam falam em continuidade? Se o liberalismo fosse liberal não liberaria para cima e para baixo e para frente como para trás? E mais: se fosse liberal como diz, para que iria querer ter papa ou chegar a ser um papa, se o papa foi feito para nos prender ao sistema hierárquico de Deus? Se há fraternidade, por que são irmãos apenas entre eles? Se há igualdade, por que trinta e três graus como níveis de diferença e segredos inconfessáveis e interditados mesmo entre eles? E se há liberdade, por que tanto autoritarismo contra os críticos e os antagônicos? Há muita coisa errada aí… Só não vê quem só se preocupa em gozar o que o poder e o dinheiro oferecem… Pedro era odiado porque ensinou que “Deus corrige aqueles que Ele mais ama” e Pedro foi feito também para corrigir e corrigiu. Como corrigia! Os irresignados, sempre os irresignados e não adianta falar que o concílio foi feito por eles e por cabeças já punidas até por Pio XII. Um dia se embrulham a si mesmos e esta história dos Franciscanos da Imaculada prova isto e que eles dão prova do que fizeram e já se julgam a si mesmos!

  18. Santo Agostinho dizia que Cristo reina mesmo quando os homens negam seu reinado e que Deus somente permitiu o mal porque sabia como tirar o bem dele. “Deles se ri o Senhor”, diz o Salmo. Como Deus é inteligente! Não percebem? Eles caem com as próprias contradições e nelas vão se esgotando e se implodindo. Odiando-nos, não queriam fazer uma igreja à parte, mas tomar a nossa, agora, não se aguentam com sua cria e sua mentira revela a verdade sobre eles mesmos! Só Deus, meus caros, só Deus! “Quem como Deus?” Reúnam os homens e os demônios, nada são para o Senhor, pois apenas podem castigar a si mesmos! Só Deus! Se eram liberais e se apenas queriam se liberar e não queriam destruir-nos, por que não fizeram uma igreja à parte e por que não nos deixaram (e não deixam) em paz? Por que um punhado de franciscanos os incomodam tanto com sua Missa tão contida sem batucadas? Se louvam a cultura local e a inculturação, por que 300 pessoas não podem conservar sua cultura em sua liturgia em conventos isolados do mundo e da visão de 2 bilhões de ex-católicos? Por que são odiados só por um Rosário na mão? Talvez, porque o Magistério Vivo decrete que não existiu o passado!

  19. FRATRES;
    Mas para quê tanto espanto?
    Ou alguém em sã consciência acreditava que a cúpula romana deixaria uma Congregação “debochar” de seu cãocílio das maravilhas?
    Ademais, eles estavam fazendo algo muito perigoso, rezando e vivendo uma vida piedosa, coisas totalmente fora de moda. Ainda mais revivendo a “perseguição” às loggia, demonstrando assim sua visão retrógrada e fundamentalista.
    Oras, se “Deus é dez!” e “tudo é possível e permitido”, pois “quando se ama tudo é permitido” (não é assim que vemos e lemos ultimamente, em um reducionismo relativista?), para que se espantar?
    Brilhante este texto.
    Melhor seria o Mons. Fellay lê-lo e meditá-lo bastante…
    Afinal, sua possível Prelatura poderá se tornar uma bela sepultura…
    Ademais, essa história de plena comunhão já deu o que tinha que dar.
    Mostra-se, destarte, que o modernismo venceu e triunfou no cãocílio das maravilhas e hoje é a “doutrina da neo-igreja”.
    Para nossa consolação, basta-nos uma boa leitura dos Santos Profetas Isaías e Jeremias, e para quem não conhece, sugiro a leitura de um livro muito interessante: “El apocalypsis de San Juan” do Pe. Leonardo Castellani – um excelente texto que trata dessa apostasia na qual estamos, lamentavelmente, imersos.
    Caros FRATRES, somente rezando, dedicando-nos à uma formação pessoal doutrinal e espiritual sólida e nos afastando desses hereges é que podemos manter intacto o Tesouro de nossa Salvação!
    Guardemos nossa Fé!
    Coloquemo-nos nas Mãos de Maria Santíssima e nos confiemos!
    Viva Cristo Rei!
    Boa semana e boas férias a todos os FRATRES!
    Abraços;

    Helena e Felipe Leão

  20. Em vez de estarem perseguindo Grupos Religiosos, fiéis à DEUS, dentro da própria IGREJA CATOLICA….porque as Autoridades Eclesiais Catolicas, não fazem algo para socorrer, para interromper, o Massacre dos Cristãos na Síria, e e m outros locais trogloditas e incivilizados do Planeta??????….
    Pessoas estão sendo assassinadas diáruiamente, porque são cristãs….e a IGREJA, perde tempo perseguindo freiras e monges?????…. TERRÍVEL!

    No site http://www.rainhamaria.com.br pode-se ver o que sofrem, nossos irmãos na Fé!

    PECADAÇO DE OMISSÃO, é a IGREJA não fazer nada nesses caso terrivel!

    Valei-nos SAO JOSE! SAO JOSE,…valei-nos! Vinde SANTO ESPIRITO! Vinde iluminar!!!

  21. Um pouquinho de história pra compreendermos melhor a natureza das perseguições:

    Ao longo da história da Igreja não faltaram homens desonestos que se infiltraram na Igreja procurando fazer o serviço sujo de Satanás no sentido de subverter a Fé e levar almas à perdição. O mais notório dele foi Judas Iscariotes e depois já no Atos dos Apóstolos, São Paulo nos traz outros dois exemplos: Himeneu, apóstata do cristianismo identificado por Paulo como blasfemador, cheio de “falatórios vãos que violam o que é santo”. No seu desvio da verdade, Himeneu, junto com tal Fileto, ensinava doutrinas falsas, subvertendo a fé de alguns. Um dos seus ensinos falsos era que ‘a ressurreição já havia ocorrido’ nos dias deles. Evidentemente, o ensino deles era o seguinte: que a ressurreição era apenas espiritual, simbólica, e que os cristãos dedicados já tiveram a sua ressurreição, que isto era tudo o que o assunto envolvia e que não havia nenhuma ressurreição da carne no futuro sob o Reino messiânico de Deus.
    Alguma semelhança com uns certos teólogos dos nossos dias definitivamente não é mera coincidência! Na primeira carta de Paulo a Timóteo, o nome de Himeneu é associado com outro apóstata, Alexandre. São Paulo declara que havia entregue Himeneu e Alexandre “a Satanás”, evidentemente referindo-se a Paulo expulsá-los ou excomungá-los da Igreja de Cristo.
    A heresia tem sempre como pano de fundo três elementos: o orgulho, a vaidade e o narcisismo. Ela é um produto da natureza corrompida do homem. É como se Deus por misericórdia resolvesse ensinar a alguns religiosos uma receita do maná caído do céu para alimentar as ovelhas. Ou seja, a fórmula de um alimento divino, mas então o homem levado por narcisismo, orgulho e vaidade resolve “aprimorar” a receita, enfiando nela ingredientes estranhos ou retirando algo que ele acha que é obsoleto ou inconveniente à sua natureza decaída.
    No final o resultado é uma gororoba imprestável que não tem nada a ver com a receita original, mas que o herético orgulhoso, por pura vaidade e narcisismo continua empurrando e divulgando com o auxílio do pai da mentira. Basta ver o indisfarçável orgulho e vaidade daqueles heréticos no momento em que estão divulgando seus livrinhos cheios de erros e disquinhos com música perniciosa. O problema é que quem se alimenta desse produto adulterado acaba definhando na Fé e morrendo. PROCOM neles minha gente! Procurem o produto original, não aceitem essa Fé adulterada dos propagadores da mentira.
    Muito antes do Vaticano II a falsa doutrina do ecumenismo e colegialidade já haviam sido testadas pelos propagadores de uma heresia chamada Americanismo. A primeira Diocese Americana foi criada em Baltimore em 16 de novembro de 1789 pelo Papa Pio VI tendo como primeiro Bispo “eleito” John Carroll que queria uma igreja no modelo na nova republica Americana. Uma das primeiras iniciativas de Carroll já no dia de sua consagração foi deletar as palavras de seu juramento onde fazia menção a “extirpar heréticos”. Isso ele fez justamente pra não ofender os Protestantes da nova Republica, sem falar que ele era admirador e amigo íntimo do maçom Benjamim Franklin. Ou seja, sofreu fortes influencias da maçonaria e de seus amigos protestantes. Carroll e seus sucessores começaram uma verdadeira revolução no sentido de criar uma igreja Americana independente de Roma e hoje vemos as CNBBs da vida exigindo o mesmo. Ou seja, velhas heresias de roupa nova.
    Já naquela época ( 1787) Roma fez concessão aos heréticos Americanistas dando-lhes dispensa pra que administrassem todos os Sacramentos na lingua vernácula exceto as fórmulas principais. Papa Leão XIII trabalhou duro no sentido de reavivar a teologia tomística e coibir o Americanismo, mas infelizmente a influência maçônica corria solta entre o clero. O que o levou naturalmente a lançar vários documentos condenando a maçonaria e a oração de exorcismo de São Miguel Arcanjo.
    O que eu percebo na diferença entre os heréticos daquele tempo pra os de hoje é que naquela época Roma os trazia na corda curta. Basta ver o número de encíclicas datadas daqueles anos atacando tendências modernistas que corriam soltas na Europa e USA. Entre essas encíclicas está a Mirari Vos condenando o Liberalismo e o Indiferentismo religioso.
    Apenas dois anos depois de ter lançado a Mirari Vos, Papa Gregório XVI foi forçado a lançar outra, a Singulari Nos condenando a resposta negativa à Mirari Vos pelo então famoso prelado francês Abade Felicité Robert de Lammenais. Enfim, quem quiser saber como a revolução já estava em ebulição desde aquela época basta dar uma pesquisada na Quanta Cura e no Syllabus Errorumom lançados em dezembro de 1864.
    Em 6 de dezembro de 1864, dois dias antes de lançar o Syllabus, Papa Pio IX anunciou sua intenção de convocar um Concílio pra por freio nos erros modernos e revisar a legislação da Igreja que dava abertura a esses erros.
    Depois de 5 anos de conturbada preparação foi aberto o Concílio Vaticano I em 8 de dezembro de 1869 onde foi estabelecido entre outras coisas o Dogma do Primado de Pedro, da Infalibilidade Papal e os limites dessa autoridade. Recomendo aos papólatras de plantão que estudem melhor as Constituições desse Concílio e o motivo pelo qual ele foi convocado antes de fazerem o papel ridículo de citarem princípios que eles mesmo ignoram conteúdo e história.
    Já naquela época os Bispos americanos alegavam que a definição da Infalibilidade Papal causava um sério prejuízo à base teológica da colegialidade episcopal. Ou seja, essa idéia do Papa como apenas mais um Bispo entre os demais não é nenhuma novidade Bergogliana. Ele apenas está colocando o plano funesto em prática já que a consolidação desse erro só seria possível se alguém que defende a mesma idéia ocupasse o ofício Papal.
    E de lá pra cá Bispos modernistas do mundo inteiro não fizeram outra coisa senão minar o princípio do Dogma da Infalibilidade Papal enquanto os Papas modernistas que vieram após o Vaticano II preferiram abrir mão dele, não definindo nenhum dogma ou Verdade de Fé, mas no entanto não falharam em usar e abusar da autoridade emanada do ofício petrino pra punir qualquer um que se atreva a desobedecer seus desmandos ao mesmo tempo em que escancaram as portas e oficios da Igreja pra abrigar hereges, comunistas e sodomitas.
    No Conclave de 1903 entretanto, Deus pregou uma peça nos modernistas que davam como certa a eleição do Cardeal maçon Mariano Rampolla del Tindaro. Quando todos davam como certa sua eleição ele teve um veto do Imperador do Império Austro-Hungaro que sabia de sua ligação com a maçonaria e o menos popular acabou vencendo.
    Deus nos deu Giuseppe Melchiorre Sarto que ascendeu ao Trono de São Pedro como Papa Pio X. Deus nos deu um MALLEUS HERECTICORUM- Martelo dos Hereges naquela mesma tradição de Tomás de Torquemada.
    São Pio X se referia ao Modernismo como a “síntese de todas as heresias”. Todos os modernistas das mais diferentes vertentes de pensamento tem apenas um objetivo em comum: promover a liberalização e a desconstrução da Igreja pra alinhá-la com as tendências do mundo moderno. E tão logo Pio X assumiu o ofício petrino ele arregaçou as mangas: colocou as obras de modernistas como Abade Loisy no Index dos Livros Proibidos, padres e teólogos que eram cabeças do movimento foram censurados ou excomungados, todas as matérias referentes à Sagrada Escritura deveriam ser revisadas pela Comissão Biblica Pontifical, em 3 de julho de 1907 foram publicados os 3 decretos contra o Modernismo: Lamentabili Sane ou Syllabus condenando os erros do Modernismo. Em 8 de Setembro de 1907 ele lançou a Pascendi Domini Gregis denunciando e dissecando o Movimento modernista com precisão cirúrgica e o mais importante: traçando uma estratégia pra extirpar essa heresia dos Seminários, Institutos Religiosos e Universidades contaminadas pelo erro. Finalmente em 1 de setembro de 1910 ele promulgou o motu proprio Sacrorum Antistitum ou Juramento Anti-Modernista pra ser feito por todos aqueles que tomam o oficio sacerdotal. O que significa que todos aqueles Cardeais presentes na abertura do Concilio Vaticano II tiveram que fazer esse juramento e logo em seguida a maioria deles cometeu perjurio diante de Deus e da Igreja.
    Depois da morte de São Pio X o modernismo apenas fez uma retirada estratégica. Se escondeu nos subterrâneos da Igreja, continuou sendo alimentado e divulgado fora da Igreja por seus imigos pra no momento propicio contaminar seduzir e contaminar aqueles orgulhosos e incautos que deixaram as fontes limpidas da Igreja pra ir beber no esgoto da filosofia mundana.
    Esses doentes e cegos acabaram triunfando durante o Vaticano II porque o mundo Católico ignorou os pedidos de Nossa Senhora de penitencia e oração.
    O castigo que merecíamos caiu pesado sobre nó. Achávamos que poderíamos continuar sendo os ” católicos mornos de domingo” enquanto de segunda a sexta nos indulgenciávamos com diversões mundanas, com obras sacrílegas e pornográficas, ao mesmo tempo que votávamos em políticos e governos cuja plataforma é a destruição do Reinado Social de Jesus Cristo e a promoção da cultura da morte. Caímos naquele mesma condenação de Cristo aos fariseus: “Bem profetizou Isaías acerca de vocês, hipócritas; como está escrito: ‘Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim”.
    O resultado é que como justo castigo de Deus até mesmo dentro da Igreja acabamos sendo governados e catequizados por heréticos modernistas, pervertidos sodomitas e declarados comunistas que pregam um evangelho bem diferente daquele de Cristo pra nossa própria perdição.
    A única maneira de reverter esse quadro é voltarmo-nos pra Fé Verdadeira, estudar a Verdadeira Doutrina, participar do Santo Sacrifício da Missa com humildade, modéstia e reverência, dar a Deus o que é de Deus, recusar a falsa doutrina desses lobos em pele de cordeiro, rezarmos o rosário diário pedindo auxílio à Imaculada para o combate espiritual porque esses demônios encarnados não vão largar o osso fácil.
    Quando vermos a barba do vizinho ardendo é melhor colocar a nossa de molho, pois o que está acontecendo com os Franciscanos da Imaculada, com os Padres da Santa Cruz ( Opus Angelorum), com padres que celebram segundo o Summorum Pontificum é apenas um pequeno exemplo da estratégia Bergogliana pra destruir o que ainda resta de Tradição na Igreja e promover o triunfo do Modernismo.

    • Quando todos davam como certa sua eleição ele teve um veto do Imperador do Império Austro-Hungaro que sabia de sua ligação com a maçonaria e o menos popular acabou vencendo.
      —–

      Sra. Gercione, sou leigo em história, me ajude:

      Sobre o que destaquei acima a respeito do seu texto, esse imperador foi o mesmo que assassinaram em 1914, dando origem a I Guerra Mundial? Se sim, esse assassinato não teria sido uma retaliação diante do veto dele no conclave?

      PS. Não abandone jamais este blog. Aprendo muito contigo.

  22. Quando lemos tantas, inverdades escritas neste blog. Precisamos estar sempre convicto que a verdade é única e permanente. Os dogmas definidos pela Santa Igreja, não contem erros. A Fraternidade São Pio X vem aos longos destes anos defendendo a doutrina infalível da Esposa de Cristo. Quando vemos pessoas; por malícia ou burrice falar tamanhas inverdades, ficamos a pensar: Será que uma pessoa desta realmente estudou o catecismo?
    Joelson Ribeiro Ramos.

  23. Respondendo, acrescentando ao Elton que um dos grandes promotores do RCCismo protestante se parecendo católico foi mesmo o cardeal Suenens.
    Vejam a ficha dele na lista dos que seriam os cardeais maçons: nº 107 e codinome LESU.
    107 – Suenens, Leo. Cardeal. Título: Protetor da Igreja de São Pedro In Vincolis, fora de Roma. Promove o Pentecostalismo Protestante (Carismáticos). Atuava junto a 3 Congregações Sacras : 1) Propagação da Fé; 2) Ritos e Cerimonias na Liturgia; 3) Seminários . 15-6-67; # 21-64. “LESU.”

  24. “A Heresia lefebvrista deve ser completamente expurgada da Igreja.”

    Como são lindos a tolerância e o ecumenismo que os adeptos da Igreja pós-conciliar tanto apregoam!

  25. O Papa convida os Franciscanos da Imaculada a cooperarem com o comissário Volpi.

    http://rorate-caeli.blogspot.com/2014/01/in-visit-to-roman-basilica-pope-tells.html

  26. Pra Saulo M:

    Os herdeiros de Rampolla:

    Mariano Rampolla del Tindaro nasceu em Polizzi na Sicilia em 17 de agosto de 1843. Foi ordenado em 1866 e em Dezembro de 1882 consagrado Bispo pelo Papa Leão XIII que em seguida o enviou para Madrid onde serviu como Nuncio Apostólico da Espanha.
    O Papa o chamou de volta a Roma em 1887 e logo em seguida elevou-o ao cardinalato em 14 de marco de 1887 . Depois disso fez dele Secretário de Estado, uma posição que ele ocupou por 16 anos.
    A relação de Papa Leão XIII com Rampolla é o típico caso de “dormindo com o inimigo”. Enquanto Rampolla estava em Madrid, Leão XIII lançou a famosa encíclica Humanum Genum condenando a Franco Maçonaria. O curioso é que depois que Rampolla se tornou seu Secretário de Estado, todas as condenações diretas e específicas do Papa Leão XIII à Franco Maçonaria desapareceram como por encanto.
    Com a morte de Leão XIII no dia 20 de julho de 1903, Cardeal Rampolla, um “progressista” que era a favor de uma igreja mais “democrática” se tornou “papavel” e um dos candidatos mais cotados para o próximo conclave.
    O Conclave de 1903 pode ser chamado extraordinário em todos os sentidos. Pra começar, a súbita morte de Monsenhor Volpini, Pro-Secretário do Conclave, causou a sua substituição pelo Bispo Rafael Merry do Val que apoiava abertamente Rampolla.
    Tradicionalmente é o Pro-Secretário que carrega o “zucchetto” ou solidéu do Papa logo após a eleição do novo Papa. O Papa eleito remove seu chapéu cardinalício, põe seu novo solidéu branco ( zucchetto) e coloca o seu antigo chapéu cardinalício na cabeça do Pró-Secretário fazendo dele o primeiro Cardeal do novo Pontificado.
    Antes que a Assembleia do Conclave se reunisse, o Ministro das Relações Exteriores da França havia pedido para que os Bispos franceses apoiassem em bloco a Rampolla. No dia 29 de Julho de 1903, todos os Cardeais convocados, exceto dois, foram sequestrados para o Conclave.
    Depois de lerem as Constituições Apostólicas e fazerem o juramento de observar as regras do processo de eleição, deram início à votação. Cardeal Rampolla já de início levou 25 votos do total de 60 votos possíveis e o ultimo candidato na linha, Giuseppe Melchiorre Sarto, Patriarca de Veneza apenas 5.
    Fora das portas fechadas do Conclave, os protegidos de Rampolla : Monsenhor Della Chiesa , Sub Secretário de Estado e Eugênio Pacelli( futuramente Pio XII) que na época era Secretário Privado de Rampolla aguardavam ansiosamente o que seria uma boa nova pra eles: a eleição de Rampolla como Papa.
    Tudo parecia correr às mil maravilhas pra Rampolla quando o inimaginável aconteceu. O Cardeal Jan Puzyna de Kosielsko, Metropolita da Cracóvia levantou pra se pronunciar em nome de Sua Majestade Imperial FRANZ JOSEF do Império Austrio-Hungaro. O Primaz da Polônia pronunciou um veto contra a eleição do Cardeal Rampolla. O Privilégio Imperial não havia sido exercido em 400 anos.
    A ação do Cardeal Puzyna em nome do Imperador Austríaco foi recebia com surpresa por uma Assembleia que achou que se tratava de um gesto politico. Alguns chegaram a comentar que se tratava do descontentamento do Imperador com as ligações políticas de Rampolla com a França. Imediatamente após ouvir o veto, Rampolla se levantou indignado pra protestar contra o veto, ao mesmo tempo que dava uma de “Bergoglio” dizendo que nunca teve nenhuma “ambição ecclesiastica”.
    Depois de constatar que não lhe restava nenhuma saída e a eleição estava perdida pra ele, Rampolla pediu aos seus apoiadores que transferissem seus votos para o ultimo colocado. E assim os votos finais no dia 4 de agosto de 1903 passaram ao Patriarca de Veneza que segurou 55 votos. A coroação do Cardeal Sarto, que tomou o nome de Pio X, aconteceu no dia 9 de Agosto de 1903.
    Nesse meio tempo Rampolla continuou residindo no Palazzetto Santa Marta atrás da Basílica de São Pedro, o mesmo lugar que Bergoglio escolheu pra residir como Papa. A Rampolla restava o consolo de saber que seus amigos progressistas continuavam mantendo seus postos na Cúria.
    Somente após sua morte súbita no dia 16 de dezembro de 1913 que a vida secreta do Cardeal Rampolla foi descoberta e o motivo do veto do Imperador Austríaco revelado.
    A correspondência privada de Rampolla entregue ao Papa Pio X para final deposição, documentava a associação do Cardeal Rampolla com a seita maçônica Ordo Templi Orientis.
    Os documentos confirmavam o que era do conhecimento de poucos, entre eles Monsenhor Ernest Jouin, um padre francês especialista em seitas maçônicas. Padre Jouin tinha irrefutáveis evidências de que Cardeal Rampolla não era somente associado à Fraternidade, mas ocupava o grau de Grão Mestre da Ordo Templi Orientis.
    Quando Padre Jouin tentou de todas as formas entregar o dossier sobre Rampolla às autoridades do Vaticano antes do Conclave, seus esforços não deram em nada porque Rampolla tinha seus protegidos ocupando postos-chaves na Cúria. Ele então encontrou um ouvido simpatico no Imperador Franz Josef que prometeu tomar providencias e tomou no momento certo. Ele tomou uma “providencia divina” pra impedir que tivéssemos um Papa franco-mação naquela época.