A Igreja de Belo Horizonte “padece sob Pôncio Pilatos”. Arquidiocese lava as mãos sobre caso Frei Cláudio Van Balen.

Dizíamos na semana passada, acerca do imbróglio causado pelo Frei herege Cláudio Van Balen e sua trupe: “Há 40 anos este infeliz senhor vem pregando heresias com toda desfaçatez sob o olhar cúmplice da Arquidiocese de Belo Horizonte e de seus superiores religiosos”.

E não é que a Arquidiocese permanece obstinada em sua atitude vexatoriamente covarde? Agora, como Pôncio Pilatos, lava as mãos e joga a responsabilidade toda para a Ordem do Carmo (que também tem a sua participação, claro) .

Dom Walmor, arcebispo de Belo Horizonte:

Em última instância, a responsabilidade é toda sua, pois, afinal, quem outorga o governo da paróquia à Ordem do Carmo? Seus predecessores, o cosmos, as constelações, a Via Láctea? É o senhor, arcebispo! Choramingar e jogar a responsabilidade para subordinados não é a atitude que se espera de um Arcebispo. Governe ou simplesmente renuncie, permitindo que outro o faça!

Sua inércia fez, nada mais nada menos, com que a reivindicação da turba furiosa fosse alcançada. Segundo CitizenGo, “na segunda-feira, dia 03/02/2014, o episódio sofreu uma reviravolta após a divulgação de que frei Cláudio retomará as celebrações dominicais na paróquia Nossa Senhora do Carmo. A mudança ocorreu em grande parte por causa da pressão exercida sobre o pároco, por parte da nota publicada pela Arquidiocese, também no domingo”.

O que é isso, senhor arcebispo? Permitirá Vossa Excelência que Frei Cláudio continue a destilar tranquilamente seu veneno herético do púlpito de uma paróquia pela qual o senhor é o último responsável?

Excelência, se não deseja ser visto como cúmplice de tudo isso, faça algo, pelo amor de Deus! 

A seguir, nota da Arquidiocese de Belo Horizonte (destaques nossos):

Nota de esclarecimento 

Ao confiar, há muitos anos, à Ordem do Carmo a missão de administrar a Paróquia Nossa Senhora do Carmo, a Arquidiocese de Belo Horizonte demonstrou respeito e convicção na condução competente dos religiosos desta Ordem. Diante do episódio lamentável que ocorreu no último domingo de janeiro, dia 26, a Arquidiocese de Belo Horizonte acatou o pedido da Província Carmelitana de Santo Elias de suspender em caráter indeterminado a Missa das 11h. A orientação da Arquidiocese, e assim ficou acertado com a Província, era a de que se dialogasse com representantes da comunidade para entender as razões de tal reação e, assim, que se estabelecesse novamente a harmonia na vida paroquial. A suspensão da Missa não se configurou como ato contrário ao frei Cláudio Van Balen que regularmente presidia esta celebração, mas período necessário para que os freis encontrassem o caminho do entendimento entre eles e com a comunidade.

A Arquidiocese de Belo Horizonte esperava que o superior da Província Carmelitana de Santo Elias estabelecesse esse necessário diálogo com os fiéis, conforme ficou acordado. A orientação é a de sempre atender as necessidades dos fiéis, de escutá-los. Assim, também estranhou não ter sido prévia e nem oficialmente comunicada sobre o processo de nomeação do novo pároco. Nenhuma comunicação chegou à Arquidiocese, que sabe que a inteira responsabilidade dos atos é dos frades Carmelitas. A Arquidiocese respeita esta autonomia da Província, mas gostaria de ter sido informada sobre as mudanças promovidas.

A Arquidiocese sabe que os frades Carmelitas são responsáveis por todas as ações e cuidados junto ao frei Cláudio Van Balen, mas considera importante o compartilhamento das informações sobre os encaminhamentos desta Paróquia.

À Província cabe escolher e indicar párocos e vigários. É também responsabilidade dos freis a definição de horários de Missas e seus celebrantes.

Desde o início, a orientação da Arquidiocese era a de que as pessoas fossem ouvidas, justamente por entender que apenas pelo caminho do diálogo seria possível alcançar um entendimento. É importante ressaltar que, ao confiar a Paróquia à Ordem Carmelita, a Arquidiocese esperava e espera o exercício desse fundamental papel pastoral e cristão de atendimento aos fiéis.

* * *

Já circula uma petição no CitizenGo pedindo a suspensão do uso de ordens de Frei Cláudio. Não deixe de assinar!

40 Comentários to “A Igreja de Belo Horizonte “padece sob Pôncio Pilatos”. Arquidiocese lava as mãos sobre caso Frei Cláudio Van Balen.”

  1. O Frei Thiago foi convidado a sair de Atibaia, e nada fez, agora esse ficou anos e ninguém via o que esse homem fazia na Igreja ou ninguém cuidou para que chegasse a esse ponto.

    • Convidado não…Dom Sergio o obrigou a sair…esse são os sinais dos fins dos tempos mesmo…
      Apostasia entrando na igreja…até o seus vertes!
      Eu me agarro na promessa
      ” Quem perseverar até o fim, sera salvo”…

  2. É lamentável esse fato. Um estado com tantas tradições católicas, como o de Minas Gerais, se vê curvado diante da covardia do Arquidiocese de BH e os rompantes revolucionárias dessa turba de pseudocatólicos. Só nos resta rezar por mais esse heresia contra a Igreja de Roma!

  3. Estamos num tempo em que os padres PRESIDEM a missa. O que mais dizer?

  4. É, só que quando os fiéis pedem a celebração da missa são Pio V não existe esse papo de democracia.

  5. Que não sobre todo o pau para dom Walmor, que assumiu a arquidiocese em 2004, com o herege já gordo e empanturrado. Igualmente culpado é o tíbio Cardeal Serafim Fernandes de Araújo, a quem pesará no Dia do Juízo os dezoito anos de descuido e permissividade. Da carta de dom Walmor, salta aos olhos, pela insistente repetição, duas palavrinhas que são a jaculatória dos modernistas: OUVIR e DIALOGAR, enquanto as almas perecem! O povo escolheu Barrabás e agora escolhe Van Balen. Os bispos modernos, fariseus de hoje, atendem à escolha do povo e renovam o deicídio contra Nosso Senhor.

  6. Os simpatizante do Frei Cláudio fizeram um “crucifica-O” e os Pilatos lavaram as mãos. Bom tema para reparação no Santuário de Adoração Perpétua da cidade: Estação 1 – Jesus é crucificado em BH e soltam Barrabás.

    O pior é que o “queridinho” do Arcebispo de BH é um bispo da TL, D. Joaquim Mol, seu provável futuro sucessor. Se fosse D. Mol, os outros freis é que seriam expulsos… Ruim, mas poderia ser ainda pior.

    A deposição da monarquia entre o clero resultou nisso: uma democracia demagógica em que aventureiros leigos lutam pelo poder e os padres se tornam “presidentes de assembléias”, buscando popularidade para se manterem nos seus postos.

    Kyrie eleison!

  7. Em 2011 encaminhei um e-mail a Dom Walmor a respeito de um artigo herético do frei Carlos Mesters. Qual foi minha surpresa ao ver que este e o frei Claudio são da mesma província.
    Fico indignado pois nenhuma providência é tomada.
    Ao assinar a petição, fiquei boquiaberto porque o tal frei Claudio altera todo o conteúdo da “missa” com o que ele “acha”. Que absurdo! Como não fizeram nada até agora?
    Outra consideração: Vejam a situação da Igreja da Holanda: está praticamente acabada. Esse “liberalismo” parece estar “no sangue”, “nas veias” desses Holandeses. E olha que vieram vários para o Brasil, a fim de “evangelizar”.

  8. Dom Walmor sabe que tem plena competência para intervir nas paróquias situadas na circunscrição da sua diocese.

    No Capítulo VI do Código de Direito Canônico, que trata sobre as paróquias, os párocos e vigários paroquiais, temos que o poder de governo desta “comunidade de fiéis” está confiado ao párocos, sob a autoridade hierárquica e imediata dos bispos diocesanos, que pode conceder o governo de paróquias na sua circunscrição diocesana a um instituto religioso clerical ou sociedade clerical de vida apostólica, ou erigi-las canonicamente [as paróquias] numa Igreja do Instituto ou da sociedade, estabelecendo que apenas um religioso seja seu pároco, embora os demais religiosos possam atuar no serviço pastoral solidariamente. A concessão da paróquia dar-se-á perpetuamente ou por tempo determinado, mediante contrato escrito entre o Bispo e o superior do instituto, in verbis:

    Cân. 520— § 1. “Uma pessoa jurídica não seja pároco; mas o Bispo diocesano, não porém o Administrador diocesano, com o consentimento do Superior competente pode entregar uma paróquia a um instituto religioso clerical ou a uma sociedade clerical de vida apostólica, erigindo-a até numa igreja do instituto ou da sociedade, com a condição de que um só sacerdote seja o pároco da paróquia, ou, se o serviço pastoral for confiado a vários solidariamente, o moderador a que se refere o cân. 517, § 1.

    § 2. A entrega da paróquia referida no § 1 pode fazer-se perpetuamente, ou por tempo determinado; num e noutro caso, faça-se mediante um contrato por escrito, celebrado entre o Bispo diocesano e o Superior competente do instituto ou sociedade, no qual, expressa e cuidadosamente se determine, entre outras coisas, o que respeita ao trabalho a realizar, às pessoas que ao mesmo hão-de ser dedicadas e aos assuntos econômicos.”

    Ora, considerando que “compete ao Bispo diocesano governar a Igreja particular que lhe foi confiada, com poder legislativo, executivo e judicial, segundo as normas do direito” (Cân. 391, § 1) e que “o Bispo deve esforçar-se por que todos os assuntos que pertencem à administração de toda a diocese, sejam devidamente coordenados e se orientem para melhor se promover o bem da porção do povo de Deus que lhe foi confiado.”(Cân. 473§ 1) é que as normas do CDC concederam aos bispos mecanismos de controle no governo das paróquias de sua diocese. Com efeito, vejamos essas disposições específicias:

    Cân. 681 — § l.”As obras confiadas aos religiosos pelo Bispo diocesano estão sujeitas à autoridade e direção deste, sem prejuízo do direito dos Superiores religiosos nos termos do cân. 678, §§ 2 e 3.

    Cân. 682 — § l. Se se tratar de conferir a um religioso algum ofício eclesiástico na diocese, quem o nomeia é o Bispo diocesano, sob a apresentação ou ao menos com o assentimento do Superior competente.

    § 2. O religioso pode ser REMOVIDO do ofício que lhe foi conferido, ao arbítrio quer da autoridade que lho conferiu” [isto é, o bispo], “avisado o Superior religioso, quer do Superior, avisado quem lho conferiu, sem que se requeira o consentimento da outra parte.” (Destaque meu).

    A referência no § l do cânon 681 diz respeito aos §§ do Cân. 678, que dispõem que:

    “§ 1. No concernente à cura de almas, ao exercício público do culto divino e às demais obras de apostolado, OS RELIGIOSOS ESTÃO SUJEITOS AO PODER DOS BISPOS, a quem estão obrigados a prestar devoto respeito e reverência; § 2. No exercício externo do apostolado os religiosos estão também sujeitos aos Superiores próprios e devem permanecer fiéis à disciplina do instituto; e, se tanto for necessário, os próprios Bispos NÃO DEIXEM DE URGIR esta obrigação; § 3. Importa que os Bispos diocesanos e os Superiores religiosos procedam de comum acordo na programação das obras de apostolado dos religiosos.” (Destaques meus).

    Não resta dúvidas que a complacência de quase meio século da Arquidiocese de BH não tem amparo na alegação de que “os frades Carmelitas são responsáveis por todas as ações e cuidados junto ao frei Cláudio Van Balen.”

    A maior SURPRESA que tive nesta rápida consulta ao CDC se deu quando li o art. 1º do Capítulo VI, que trata sobre sobre a Demissão dos religiosos.

    Conforme o cân. 694, § 1, “deve considerar-se demitido do Instituto pelo mesmo fato o religioso que:

    1.° tenha abandonado notoriamente a fé católica;
    2.° tenha contraído ou atentado matrimônio, mesmo só civilmente.

    § 2. Nestes casos, o Superior maior com o seu conselho, sem demora, depois de coligidas as provas, emita uma declaração do facto, para que juridicamente conste da demissão.”

    Obviamente, o herege Cláudio Van Balen incorre no 1º item, § 1 do cân. 694. Na dúvida sobre a natureza jurídica do instituo religioso, o próprio CDC traz em seu bojo a definição: “é a sociedade em que os membros emitem segundo o direito próprio votos públicos perpétuos ou temporários mas que, decorrido o prazo, devem ser renovados, e vivem a vida fraterna em comum.” (Cânon 607, §2).

    Não acredito que a causa da complacência da Arquidiocese seja por mero relaxamento, o que por si só seria inescusável e vexatoriamente reprovável, mas por verdadeira comunhão de ideias e princípios.

    Rogo, por fim, que meu conterrâneo, Dom Antônio dos Santos Cabral, 1º arcebispo de Belo Horizonte, interceda por esta arquidiocese, porção do povo de Deus em ruínas.

  9. So digo uma coisa Deus vai dar o castigo na hora certa se este frei nao se arrepender de suas palavras e atitudes

  10. Belo Horizonte é uma capital onde a TL é fortíssima! Ao que me parece, o arcebispo de BH deve estar cerceado por pressões de grupos da TL. Provavelmente quando o nomearam para arcebispo de BH, em 2004, já tinham levado em conta que deveria ser alguém disposto a condesceder ou, ao menos, “saber lidar” com esses grupos da TL. Sinceramente, seria muito interessante estudar a história da Igreja Católica em Minas Gerais e saber por onde um estado que era tão católico perdeu tanto a fé! (E sofro isso na pele, porque sou mineiro.) É urgente reverter esse processo! Será que ainda é possível? Acredito que se o arcebispo tiver o apoio de um maior grupo de fiéis, incluindo sacerdotes, com fé ortodoxa, a fé verdadeiramente católica comecerá a viscejar de novo nessas terras de Minas.

    P.S.: Quem sabe trazer religiosos e Institutos religiosos de reputada ortodoxia possa ser um começo. Poderia ser uma ajuda preciosa para o arcebispo iniciar um movimento de renovação da fé católica em BH.

  11. É bom tomar conhecimento das normas indiscutíveis do Código de Direito Canónico apresentadas acima por Pedro Augusto. Não há, pois, como justificar tamanha omissão, Nossa Senhora em La Salette e em Garabandal disse: muitos sacerdotes (cardeais, arcebispos e bispos) andam pelo caminho da perdição e com eles levam muito mais almas. Assim, só Deus sabe quantas almas já foram condenadas em consequência desses graves pecados oriundos dessa omissão, tanto mais grave quanto foi a sua incrível duração. Será que compete a nós, simples e ignorantes fiéis, lembrar aos ilustres purpurados os novíssimos? .Só muita oração e sacrifícios poderão, ao menos, amenizar os castigos. ..

  12. Correção: em lugar de “sofro isso na pele”, entenda-se “sofro com isso na pele.”

    Aproveito o ensejo, para expressar meu desabafo em relação a triste e deplorável situação em que se encontra a Igreja Católica em Minas Gerais. Não sei se em outros estados está ruim como aqui, mas em Minas Gerais é de extrema necessidade que a TL seja suprimida, eliminada!, sendo substituída por uma teologia ortodoxa.

  13. Antônio, de fato, é inegável o que diz o Código de Direito Canônico! No entanto, na prática, os bispos acabam sendo cerceados por muitos motivos, isto, na prática há muitos empencilhos que impedem de aplicar o Código de Direito Canônico simplesmente. As pressões de grupos contrários podem ter maior poder do que se imagina. Tomando o exemplo do Papa Francisco, por que ele saiu do palácio apostólico? Acredito que tenha sido para se livrar de influências ou pressões negativas de clérigos tomados por interesses escusos. Será que aquela oração que ele fez com Bento XVI não revela bem isso?

    Consagração da cidade do estado do vaticano a São Miguel Arcanjo

    Após a aspersão e bênção da imagem de São Miguel Arcanjo nos Jardins Vaticanos, na manhã desta sexta-feira, o Papa Francisco consagrou o Estado da Cidade do Vaticano a São Miguel Arcanjo e a São José.

    Eis a consagração a São Miguel:

    Ó glorioso São Miguel Arcanjo,
    tu que trazes ao mundo a consoladora notícia da vitória do bem sobre o mal: abre a nossa vida à esperança.

    Vigia esta Cidade e a Sé Apostólica,
    coração e centro do catolicismo,
    para que viva na fidelidade ao Evangelho e no exercício da caridade heróica.

    O Senhor do universo te tornou poderoso contra as forças do inimigo:
    desmarcara as insídias do Diabo e do espírito do mundo.
    Torna-nos vitoriosos contra as tentações do poder, da riqueza e da sensualidade.

    Sê tu o baluarte contra toda maquinação,
    que ameaça a serenidade da Igreja;
    Sê tu a sentinela dos nossos pensamentos,
    que liberta do assédio da mentalidade mundana;
    Sê tu o guia espiritual,
    que nos ampara no bom combate da fé.

    Ó glorioso Arcanjo São Miguel,
    que sempre contempla a Face Santa de Deus,
    mantém-nos firmes no caminho para a Eternidade.

    Amém

    PAPA FRANCISCO
    CIDADE DO VATICANO 05.07.2013

    • Antes do Vaticano II, só quem era realmente culpado não punia os hereges. Naquele tempo, embora houvesse padres e bispos hereges, as pessoas não eram contaminadas pelas heresias e não perdiam a fé. Depois do concílio – é óbvio, meu amigo! – os hereges tiveram a liberdade de propagar suas mentiras, que passaram a ser na prática protegidas, enquanto a verdade era duramente punida, como as excomunhões dos Bispos da FSSPX, que não aceitaram o acobertamento das heresias e seguiram somente a Tradição da Igreja.

      Esse frei van Balen apostatou nitidamente, não é mais católico, se é que algum dia foi católico, e nada acontece com ele. Pelo contrário, é até protegido por que tem seguidores e agora é intocável na paróquia.

  14. Para que dialogar se a Igreja já tem a verdade e o herege está em mentira clara? Será que a Igreja não tem mais a verdade e quem tem agora é o herege, ou a verdade é colocada ao nível da mentira pelo bispo?

    A Igreja deve executar a lei, punindo aqueles que transgridem a lei, porque a lei só foi abolida para os cristãos que não se deixam contaminar pelo mundo. Como disse São Paulo: “Assim a lei se nos tornou pedagogo encarregado de levar-nos a Cristo, para sermos justificados pela fé. Mas, depois que veio a fé, já não dependemos de pedagogo, porque todos sois filhos de Deus pela fé em Jesus Cristo.” (Gálatas 3, 24-26) Aqui trata-se da lei mosaica, mas se pode aplicar a qualquer lei, pois se alguém nega a fé em Jesus Cristo, explícita ou praticamente, já não está na justiça, portanto é réu perante qualquer lei que o ensine a ter fé em Cristo.

    Porém se a Igreja, agora, vendo um erro, quer dialogar e não aplicar a lei, é porque não tem mais a medida da lei, isto é, a justiça para Deus, como parâmetro? Se algo é errado e todos podem ver o erro, é dever corrigir o erro, não tem o que dialogar. Mas agora é tempo de misericórdia com quem erra… Dom Lefebvre que o diga!

    Eis mais um fruto horrível do concílio modernista e por conseguinte relativista: a verdade é considerada igual à mentira para ser avaliada pelo povo, e o que mais for fácil e agradável às pessoas [ignorantes] é que prevalece, e como a verdade é dura e difícil, pouquíssimos a escolhem. Deste modo a verdade é punida por ser… a verdade! e a mentira é assim louvada!

    • Quem deixa a verdade ser punida para o benefício das mentiras, não é julgado pelo espírito do concílio, que é predominante no mundo.

  15. Confirmo tambem sou de minas, minha diocese em Leopoldina-MG, é completamente tomada por ideias progressistas e TL. A Igreja Católica em MG esta em ruínas, a situação é calamitosa, o crescimento das igrejas protestantes é tremendo, cada dia mais cheias e bem organizadas, muitos jovens de familias catolicas estao indo pra essas denominações. Nunca se viu tanto relaxamento na liturgia e no ensino da doutrina católica.
    MG pede socorro.

  16. O que eu estou tentando dizer é que os católicos de BH que têm fé ortodoxa devem se unir a fim de conseguir junto ao arcebispo que o Código de Direito Canônico seja colocado em prática. Por que vcs acham que aquelas fanáticas e fanáticos (ou sectários) que profanaram a igreja estão sendo atendidos? É por que eles fizeram reivindicações. Infelizmente, queiramos ou não, a Igreja adotou um modelo democrático (não deveria ser assim, mas acaba sendo. A Igreja não é uma democracia!). Então, os católicos ortodoxos também devem se manifestar, mas não como aqueles fanáticos e sectários, mas com fé e reverência. Rezem e hajam! Mais cedo ou mais tarde, a vontade de Deus se realiza.

    • Os católicos de BH que têm fé ortodoxa são rotulados de fanáticos intolerantes pelo próprio clero, e não conseguiriam lotar a Igreja de S. Sebastião no Barro Preto em BH, caro Alex… O resto da turminha é TL, maçonista, espírita, RCC protestantizado, etc.

  17. Gostaria de reforçar que não estou negando a importância do Código de Direito Canônico. Ele deve ser colocado em prática! No entanto, devemos reconhecer, concordemos ou não, que o modo de agir dos bispos mudou. Não vamos entrar nas razões disso. Se queremos soluções práticas, quer dizer, efetivas para os nossos problemas na Igreja, devemos entender que os bispos vão agir como se a Igreja fosse uma democracia (embora democracia também seja uma farsa; não existe verdadeira democracia). Então é necessário que os católicos ortodoxos se organizem, na vida real, como grupo concretos de modo que os seus legítimos anseios e necessidades sejam atendidos, não se esquecendo da caridade fraterna e da vida de oração.

  18. Há tempos temos denunciado ao arcebispo de Belo Horizonte (MG), D. Walmor Oliveira de Azevedo, a apostasia levada a cabo por certos “pastores” na capital mineira. A gota dágua foi a série de artigos publicados no Jornal de Opinião (da Cúria) aconselhando A NÃO AJOELHAR-SE no momento da consagração (pode ficar em pé, sentado, pular, dançar… mas é proibido ficar de joelhos durante a missa). Cito como exemplo apenas uma situação real: se o próprio padre deve adorar as espécies consagradas ao fazer a genuflexão, por que proibir os fiéis ? Estranha-se o fato de censurar apenas o gesto de ajoelhar-se; pois o restante, tudo é permitido na missa: sentar-se, ficar de pé, dançar, rebolar…
    O então “Jornal de Opinião”, mantido pela arquidiocese de Belo Horizonte-MG, vez por outra vinha publicando artigos que questionavam a adequação da postura de joelhos no momento da consagração, na Santa Missa. Denunciei pessoalmente ao arcebispo D. Walmor e solicitei um DIREITO DE RESPOSTA aos famigerados artigos. D. Walmor, na época, respondeu-me dizendo que eu deveria entrar em contato com o responsável pelo jornal e solicitasse o direito de resposta. Todas as minhas tentativas foram infrutíferas. Mais tarde, o Jornal de Opinião fechou por motivo de falta de leitores. Desde então, arquidiocese de Belo Horizonte, lançou o “Opinião e Notícias”, somente no formato digital (publicação eletrônica: internet).
    Moral da história: a APOSTASIA anda de vento em popa em Belo Horizonte-MG (JB Libânio, frei Cláudio…).
    Lamentavelmente, já estamos vivendo uma nova Apostasia prevista na Sagrada Escritura. Esses “falsos profetas” tentam ludibriar os fiéis com supostos argumentos históricos, simbólicos ou mesmo teológicos. Todavia, a sã doutrina, bem como as normas litúrgicas da Igreja combatem tais teses.
    Fica aqui a minha indignação diante – repito – da nova apostasia semeada no seio de alguns “pastores” da igreja de Belo Horizonte-MG.
    O momento é de vigília e oração, pois a guerra é espiritual.

  19. Ainda não estou convencido de que a Arquidiocese lança um olhar cúmplice (= favorável) em direção ao frade. O fato de não puni-lo canonicamente por suas ideias não significa que seu pensamento teológico é apoiado.

  20. Novamente o “diálogo” com aqueles que estão em “plena comunhão”.

  21. Sr. Alex Benedictus: “Ao que me parece, o Arcebispo de Belo Horizonte deve estar cercado por pressões de grupos da TL. As pressões de grupos contrários podem ter maior poder do que se imagina.” Sem dúvida, aparentemente, tudo isso pode estar acontecendo nos bastidores. São Pedro e São João foram proibidos pelos fariseus de anunciar o nome de Jesus, mas não obedeceram. Enfrentaram os mais fortes e foram martirizados. E hoje? Será que já não estamos vendo o cumprimento da profecia de Apocalípse 13, 7?

  22. Reconheçam os sinais dos tempos. É tempo de chorar.

  23. Após ouvir as duas entrevistas do “padre”, fiquei estarrecido. Primeiro o vejo insinuando que um imperador romano determinou que a Igreja tinha de fechar um dogma sobre a divindade de Cristo. E que o evangelho falou em filho de Deus em vez de “o filho de Deus”. E ainda completa: filho de Deus como todos nós somos. Posso ter entendido errado, mas, aparentemente, ele insinua não acreditar na divindade de Cristo, estou certo? Se fez isto com Cristo, com Maria imagine, é uma luzinha… Depois vejo que ele defende a descriminalização do aborto. Excomungaram aquele padre em São Paulo, mas este está incólume em sua paróquia por décadas, pregando um evangelho que não é o de Cristo. Ah, sim, e quanto a Deus Pai (já que o Filho foi rebaixado a filho), ele “não é tão todo poderoso assim”. Sim,
    Deus, para ele, não pode, não tem poder para intervir na história. Seu único nível de atuação é dentro de nós, se nós quisermos. Então esqueça a possibilidade de haver milagres. E se não há milagres, pergunto eu, então Cristo não ressuscitou???

  24. Deixo apenas um comentário para reflexão dos FRATRES (embora este seja, talvez, o lugar onde esse comentário não se faça necessário). É sabido por gente que está nessa luta desde o início que a arquidiocese foi pressionada por gente muito poderosa do estado (mulheres de políticos e gente da maldita sinagoga de satanás – maçonaria – por quem, aliás, corre-se o boato que o bispo simpatiza) a favor do herege.
    A reflexão que proponho é a seguinte. A Teologia da Libertação não é a “igreja dos pobres”? Não é contra os poderosos? Mesmo os católicos que reconhecem nela uma heresia e puro comunismo acreditam nisso. Mas, então, por qual motivo os poderosos se levantam para defendê-la? É por isso que no início eu disse que essa informação não seria necessária por aqui, já que os leitores deste blog não acreditam na mentira de que a “teologia da libertação” é apenas uma heresia comunista que luta a favor dos pobres (mesmo que de maneira reprovável), mas que se mantêm coerente com seus princípios contra os poderosos.
    Cada um conclua o que quiser. Pra mim está óbvio que o diabo pode se cobrir, mas o rabo fica de fora. A “teologia da libertação” é uma heresia criada pelos poderosos para a destruição da Igreja Católica. O discurso comunista é só a forma de chegar lá.

  25. Mais duas notícias que nos chegam de Minas Gerais: “Jovens se casam em estilo gótico e causam polêmica em cidade do Vale do Jequitinhonha” e “Justiça autoriza exumação do corpo de padre para exame de paternidade”. Triste.

    Links:

    http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2014/02/05/interna_gerais,495110/jovens-se-casam-em-estilo-gotico-e-causam-polemica-em-cidade-do-vale-do-jequitinhonha.shtml

    http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2014/02/05/interna_gerais,495112/justica-autoriza-exumacao-do-corpo-de-padre-para-exame-de-paternidade.shtml

  26. Com o Papa que temos agora, a TL e outros modernismos só ganharão prestígio…

    Ai de quem tocar nos hereges, infiéis, pagãos e ateus, os amigos do Vaticano!

    Só falta o Frei Cláudio receber um telefonema de apoio de… adivinhem quem?

  27. Sobre os holandeses, discordo, inclusive por que não devemos ser precipitados em julgar . Este Padre holandês está nos dando o testemunho contrário. Cuidado com as generalizações é sempre bom.

    http://vaticaninsider.lastampa.it/es/en-el-mundo/dettagliospain/articolo/siria-syria-31584/

  28. Irmãos, não esqueçamos de interceder em oração!!! Encaminhei email agora a Dom Walmor ( arcebispobh@arquidiocesebh.org.br) fazendo referencia ao Código de Direito Canonico em seus artigos.

    cân. 694, § 1, “deve considerar-se demitido do Instituto pelo mesmo fato o religioso que:

    1.° tenha abandonado notoriamente a fé católica;
    2.° tenha contraído ou atentado matrimônio, mesmo só civilmente.

    § 2. Nestes casos, o Superior maior com o seu conselho, sem demora, depois de coligidas as provas, emita uma declaração do facto, para que juridicamente conste da demissão.”

    A referência no § l do cânon 681 diz respeito aos §§ do Cân. 678, que dispõem que:

    “§ 1. No concernente à cura de almas, ao exercício público do culto divino e às demais obras de apostolado, OS RELIGIOSOS ESTÃO SUJEITOS AO PODER DOS BISPOS, a quem estão obrigados a prestar devoto respeito e reverência; § 2. No exercício externo do apostolado os religiosos estão também sujeitos aos Superiores próprios e devem permanecer fiéis à disciplina do instituto; e, se tanto for necessário, os próprios Bispos NÃO DEIXEM DE URGIR esta obrigação; § 3. Importa que os Bispos diocesanos e os Superiores religiosos procedam de comum acordo na programação das obras de apostolado dos religiosos.” (Destaques meus).

    Se puderem façam o mesmo!Deus os abençoe

  29. Pessoal,

    O melhor presente que a Arquidiocese de BH poderia fazer seria a DEVOLUÇÃO do frei Cláudio ao seu país: Holanda (que apostatou há anos: liberou as drogas, fechou igrejas e seminários…).

    Nota:
    BELO HORIZONTE, a exemplo de outras capitais, vem se deteriorando há anos. Senão, vejamos:
    - É considerada a capital dos barzinhos (com reflexos na alta taxa de alcoolismo precoce, acidentes….);
    - Elegemos políticos homossexuais, viciados e até pegos em flagrante traficando aproximadamente 500 kg de cocaína pura (Repito: meia tonelada de cocaína (caso do piloto do helicóptero do senador Zezé Perrella, ex-presidente do Cruzeiro);
    - Crescimento das seitas;
    - Somos irradiadores de apostasia (Frei Cláudio, JB Libânio que embora tenha falecido recentemente, suas obras, vídeos e palestras estão nas prateleiras dos seminários “católicos”…);
    - A violência está cada dia mais alta (eu mesmo fui assaltado e baleado em plena avenida Nossa Senhora do Carmo – a mesma onde se localiza a Igreja do Carmo, do frei Cláudio – em plena luz do dia e na frente de todos – exatamente no dia 27-set-2012, às 12:00h – sábado)…

    Mas “onde abundou o pecado, superabundou a graça”, nos revela S. Paulo. Por outro lado, já existem em inúmeras paróquias o TERÇO DOS HOMENS, o Rosário completo (Catedral de Bom Viagem) rezados ininterruptamente há 4 (quatro) anos (no próximo dia 15 de fevereiro de 2014, a recitação do rosário completo, com os quatro terços, na Catedral da Boa Viagem – na verdade, no oratório externo dedicado a Nossa Senhora de Fátima -, completará 4 anos ininterruptos.

    Vem Senhor Jesus! Há tantos sinais de sua volta (rumores de guerra, fome, apostasia, sinais nos Céus (Chemtrails: Rastros Químicos que estão lançando na atmosfera e alterando o clima do planeta)…

  30. O Beato Pe. Eustáquio era holandês (+1943) e não há notícia de que fosse herege.

    A TL é contra os poderosos. O problema é o conceito de “poderosos”, que não mudou desde o século XVIII: a Igreja, a monarquia, a aristocracia de sangue, a família, os devotos, os valores tradicionais e eternos.

    Não sei se o Arcebispo simpatiza com a maçonaria. Mas tem um relacionamento cordial com políticos (geralmente maçons) e outras religiões (já encontrei luteranos que atuavam dentro do edifício da Cúria em tempos idos e um professor da PUC-MG já o viu “tomando passes” dum macumbeiro num “evento ecumênico” – aliás, a matéria de cultura religiosa da PUC obriga os alunos a tomarem contato com todo tipo de religião, menos a católica).

    O que não falta é família de político na região próxima à Igreja do Carmo, onde o Frei Cláudio prega suas heresias. E há outros padres assim em BH: seus sermões parecem textos de crônicas fúteis de jornais de domingos, pois, para a platéia, o importante é sair das igrejas “sentindo-se bem”.

    A Igreja resiste em BH e em MG por iniciativas de poucos, já que há muitos que a demolem.

  31. Irmãos, se por um lado devemos evitar preconceitos, devemos reconhecer que infelizmente a Holanda é um país liberal sim! (O Beato Padre Eustáquio foi um exceção. Gloriosa exceção! diga-se por sinal). E que a fé católica está quase extinta nesse país. Vejam bem que não estou dizendo que não existam bons católicos e bons padres na Holanda. Mas vejam o artigo abaixo, senão comprava que a Holanda foi gravemente atingido pelo liberalismo e que lá houve de fato uma grande perda da fé… ainda em curso…

    quarta-feira, 22 de janeiro de 2014
    Fecharão centenas de igrejas na Holanda

    Entre 600 e 700 igrejas católicas serão dessacralizadas e entregues a uso profano nos próximos cinco anos, informou o jornal oficioso vaticano L’Osservatore Romano, citado por CWN.

    http://lumenrationis.blogspot.com.br/2014/01/fecharao-centenas-de-igrejas-na-holanda.html

    É necessário uma nova geração de missionários. Não seria por esse motivo que o Papa Francisco tem pregado tanto sobre a missionariedade da Igreja?

    • Há igrejas transformadas em sinagogas e mesquitas na Holanda e em outros países europeus.

      A Holanda (segundo um holandês que conheço, os Países Baixos, já que a Holanda é parte do país) é ultraliberal mesmo e o Pe. Eustáquio, além dos missionários holandeses redentoristas, foram exceções.

      Mas o fato é que os demolidores da Igreja, os Padres Cláudio, Libânio e Betto entre eles, acabaram com o catolicismo em MG e criaram a “igreja caótica”.

      Realmente, a fé em BH é uma brasinha prestes a apagar.

      Os efeitos são realmente estes: bares ruidosos em todos os lugares (tornando os homens bêbados e as mulheres gordas – e que provocam acidentes e crimes horrorosos), povo sem traquejo social (caras amarradas e desconfiadas até dos vizinhos), egoísmo, grosserias e insensibilidade para com os outros (principalmente com os desconhecidos – aqueles que não participam da intimidade do seu lar há pelo menos 10 anos – e os de fora da cidade, excetuando os das regiões de onde vieram seus antepassados), seitas protestantes e centros espíritas para todo lado, piriguetes desfilando semi-nuas pela cidade, menores drogados e alcoólatras, funkeiros que desrespeitam mulheres, gravidez precoce extra-marital infanto-juvenil, agressividade no trânsito e nas ruas (quem quiser morrer fuzilado, basta xingar alguém ao volante), muita gente boca-suja, mal-educada, mesquinha e orgulhosa (orgulho de não ter uma praça com ambiente sadio para levar crianças para brincarem, deve ser).

      Quem acha que encontrará lá o típico mineirinho hospitaleiro e cortês, nem apareça em BH (mesmo porque a grande maioria dos migrantes e seus descendentes que moram lá – uns 80 % da cidade – vêm de regiões em que tudo é resolvido na bala, no pontapé e na ponta da faca).

  32. M. Silva, essas coisas que vc observou e, infelizmente são verdadeiras; as pessoas têm se comportado dessa maneira mesmo, estão descritas espantosamente na profecia de São Nilo sobre o fim dos tempos. Veja!

    “Depois do ano 1900, por meados do século XX, as pessoas desse tempo tornar-se-ão irreconhecíveis …

    Quando se aproximar o tempo da vinda do Anticristo, a inteligência dos homens será obscurecida pelas paixões carnais: a degradação e o desregramento acentuar-se-ão.

    O mundo, então, tornar-se-á irreconhecível.

    [...]

    Essas pessoas serão desumanas e como autênticos animais selvagens, por causa das tentações do anticristo.”

    Fonte:

    http://temaspolemicosigreja.blogspot.com.br/2011/03/profecia-de-sao-nilo-sobre-o-fim-dos.html

  33. Já que podemos sonhar, como seria bom se esses carmelitas (os do vídeo que vou partilhar) estivessem em BH!

    Carmelite Monks of Wyoming
    Enviado em 18/03/2011