“Ouso dizer: a Igreja nunca esteve tão bem como hoje” (V): Reverendissimus Dominus Carolus, Episcopus Sanctae Romanae Ecclesiae.

tao bem

Imagens do Reverendíssimo Pe. Antônio Carlos Cruz Santos, M.S.C. (Missionários do Sagrado Coração), nomeado hoje bispo de Caicó, RN.

Na primeira foto, da esquerda, o então Superior Pró-provincial da ordem no Rio de Janeiro, ao centro, ao que parece faz a doxologia final da Santa Missa juntamente com um leigo. Na imagem da direita, Pe. Antônio Carlos (segundo da direita para a esquerda) por ocasião de sua eleição em 2011, acompanhado de outros confrades membros do conselho.

A Igreja no Brasil já começa a sentir o “efeito Montanari“!

* * *

Leia também:

“Ouso dizer: a Igreja nunca esteve tão bem como hoje” - Oficial da cúria: mais de 3000 religiosos deixam a vida consagrada a cada ano

“Ouso dizer: a Igreja nunca esteve tão bem como hoje” (II) - Idosos somam 80% na Vida Religiosa Consagrada do Brasil

“Ouso dizer: a Igreja nunca esteve tão bem como hoje” (III) – Noviciado Jesuíta fecha as portas.

“Ouso dizer: a Igreja nunca esteve tão bem como hoje” (IV): América Latina apoia Francisco, mas se divide na doutrina.

Sobre o título do post, ver aqui.

18 Comentários to ““Ouso dizer: a Igreja nunca esteve tão bem como hoje” (V): Reverendissimus Dominus Carolus, Episcopus Sanctae Romanae Ecclesiae.”

  1. O clero liberal e marxista parece o elenco daquele programa humorístico de mau gosto: “zorra total”.

  2. Bonito o hábito dos Missionários do Sagrado Coração, que consta na segunda foto…

  3. “Senhor, para quem iremos nós?”

    • Iremos a Nossa Senhora, implorar seu Perpétuo Socorro contra tantos males que acabrunham a Santa Igreja. Pedir a Ela, Regina Prophetarum e Sedes Sapientiae, que dê a Luz da Fé a esses tantos padres que a perderam e que nos conduzem rumo à apostasia. Ontem, li algumas paginas de uma obra santa e excelente do Padre Garrigou-Lagrange, um dominicano francês falecido em 1968. A obra se chama “Deus, sua Existência e sua Natureza”, ja no inicio do século XX, Padre Garrigou-Lagrange tentava combater o agnosticismo, que tem suas raìzes em Kant e Hegel, e que ia se alastrando por entre o clero. Hoje, vemos o desastre monstruoso e gigantesco que isso causou. Quem de nòs não conhece um padre agnòstico ou um panteìsta? A fé deles se obscureceu. Para eles o serviço da Igreja é impossivel. Ninguém pode agradar a Deus sem a Fé, a Fé Catòlica. Mais do que nunca precisamos rezar a Nossa Senhora das Vitòrias, Rainha do Sacratissimo Rosàrio e Auxìlio dos Cristãos!

  4. O sonho deles é que a Igreja fique igual as igrejas dos filhos de Lutero. (ops) podendo se casar, é claro.

  5. Não querem obedecer, não se consideram sacerdotes e a doutrina já é secundária.

  6. Tenho pena do povo piedoso e devoto da Região do Seridó, que terá que suportar um bispo dessa qualidade, que aparenta não ter o mínimo respeito pelo sagrado. Poderiam tê-lo enviado para São Félix do Araguaia, onde gente dessa espécie sempre é muito bem vinda.

  7. E o rapaz ostentando um afeminado cachecol ali…..complicado!

  8. Pelo menos ainda usa alva na missa… O padre da minha paróquia só usa quando o bispo vem agora, e o bispo nem é grande exemplo de zelo litúrgico. Nos domingos normais, o padre só usa a estola…

  9. São homens que “caíram ” num convento ou seminário de “para-quedas” refugiando-se nessas casas de formação para não serem cobrados a terem namoradas e esposas por suas famílias. Como também buscando uma vida estabilizada garantindo ter uma moradia, carro do ano, viagens a Europa, facilidades sociais , moradia de graça , curso superior etc. Sem vocação, sem amor, só por obrigação. Por isso fazem tudo sem compromisso , sem zelo.

  10. Aquela janela de basculante com a cortininha azul está parecendo o barraco que meu irmão construiu no quintal da casa dos meus pais. Tem certeza que aquilo ali é uma igreja?

  11. Vamos de mal à pior…

    Infelizmente, a geração de 20 e 30 está com os dias contados; os que deram início ao Vaticano II e que ao menos tinham um mínimo de bom-senso se vão; saudades eternas de meus avós.

    Agora, vamos dar um mergulho na geração de 40 e 50, dos padres e bispos da infância e juventude in loco de 60 e 70, da modinha hippie, do undergroud do rock, e do paz e amor, da cruz de nero e do ‘whisky n’ ball’. Ahhhh, em plena a nova década de 20, ainda temos que aturar a ‘paz e amor’ ultrapassada daqueles que massacraram milhares na metade do século XX.

    Ouso dizer: A Igreja nunca esteve tão mal quanto hoje. Felizmente, os novos seminaristas, em sua maioria, já despertaram para a realidade.

    Muitos papas e bispos estranhos virão.

    Como eu sempre digo: Quem viver verá.

    Felizmente eu vou ver muita coisa ainda, e espero que eu veja o fim dessa maluquice bem logo.

    • Essa geração se vai, isso é verdade, em alguns lugares da Europa haverà uma baixa vertiginosa de padres! Mas o problema é que essa geração deixa seus filhos insensatos (geração 40 e 50) e um enorme estrago, talvez irreversivel. Ela não destruiu a Igreja, porque isso é impossivel, mas a deixou manca e talvez aleijada.

  12. O Padre Antonio Carlos é conhecido como Padre Maristelo. Sou da cidade de Itajubá, no sul de minas, lugar onde os Missionários do Sagrado Coração de Jesus tem uma paróquia e também um seminário, próximo de minha casa. Frequentava a capela do seminário nos anos em que o referido padre era superior de noviços. Suas homilias são com muito conteúdo, há uma boa explicação e coerência. É um bom homem, no entanto, a própria congregação forma sacerdotes no estilo dele, despojado, pouco ligados a liturgia, ao sagrado enfim como já é muito discutido aqui na pagina. Soube hoje da nomeação e creio que assim como eu, a própria congregação, ou alguns membros, devem estar “boquiabertos”, pois o sacerdote deles mais cotado para o cargo episcopal ainda continua padre aqui no seminário. O reverendíssimo padre que hoje está a frente da direção dos noviços é bem litúrgico e possui um modo mais “romano” e estritamente litúrgico de celebrar a santa missa. Pela boa pessoa que o padre Maristelo é fico muito contente pela nomeação, mas lamento que o modo despojado de entender a liturgia seja uma grande perda para o nosso Brasil, quando ele estiver a frente de uma diocese, e que peço a Deus, que seja bem longe daqui.

  13. Eu acredito na geração BENTO XVI. Os seminaristas diocesanos noto que eles estão mais sintonizados com ROMA. Tirando é claro um ou outro. Os Legionários de Cristo é uma das poucas congregações que formam seus futuros padres com tradição e amor a liturgia.

  14. Não sei qual o espanto. Há décadas vemos o mesmo tipo de sacerdotes desleixados recebendo a mitra, INCLUSIVE nos tempos de Bento XVI. INCLUSIVE aqui no Brasil. Não há nenhuma novidade na foto acima. Nada que não tenhamos visto à exaustão… A continuidade… continua…
    Aliás foi essa uma das críticas que eu tinha nos tempos em que ainda tinha alguma esperança no pontificado de Bento XVI: que ele deveria simplesmente VETAR todos os candidatos ao episcopado que tivessem modos heterodoxos, e preencher a Igreja com bispos ao menos conservadores. Resolveria? Não. Mas ao menos não falaríamos uma língua tão absolutamente diferente!

  15. Caríssimos,
    O suposto “leigo” que consta na primeira foto é um SACERDOTE, se chama Márcio José Macedo, mSC e atualmente é pároco da paróquia Pai Eterno e São José, na Cidade de Deus – RJ.
    Seria conveniente fazer uma breve pesquisa sobre o histórico da congregação, seus costumes e sua formação, antes de julgar a tendência a qual se inclina, seja ela qual for.
    Creio convicto que, se a Nunciatura Apostólica do Brasil aceita a indicação e outorga a nomeação (logo com o consentimento da Santa Sé), quem somos nós para julgar a procedência do eleito?
    Lembremos-nos do Evangelho de ontem, 16/02, em que o Bom Pastor nos ensina a nos libertar daquilo que nos leva a pecar, mesmo que seja nossa própria língua, que corre o risco de falar sem ter pleno conhecimento.

    Abraços em Cristo que nos une.