Um herói (marxistoide) no Vaticano.

Com informações de Catapulta | Tradução: Fratres in Unum.com (destaques do original) – “Na terça-feira passada, o fundador da Teologia da Libertação, a corrente católica de inspiração latino-americana que defende os pobres, foi recebido como um herói no Vaticano, no momento em que o outrora criticado movimento continua a sua reabilitação com o papa Francisco.

O reverendo Gustavo Gutiérrez Merino, do Peru, foi o orador surpresa nessa terça-feira, no lançamento de um livro, que contou com a participação do cardeal Gerhard Mueller, chefe da Congregação para a Doutrina da Fé, entidade encarregada de cuidar para que os sacerdotes não se afastem dos ensinamentos centrais da Igreja; do cardeal Óscar Rodríguez (Maradiaga) um dos principais assessores do Papa, e do porta-voz do Vaticano”

http://www.jornada.unam.mx/2014/02/27/mundo/

Vatican Insider fornece mais detalhes sobre a apresentação do livro:

“Pobre e para os pobres”. As palavras do Papa são também o título do mais recente livro de Gerhard Ludwig Müller, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. (que aparece na foto vestindo um poncho). Um texto que parece ser o passo definitivo em direção a uma Teologia da Libertação “normalizada”. A edição, que conta com o prólogo de Francisco, foi apresentada em um auditório do Vaticano…

Müller é o principal artífice dessa “normalização” de uma corrente de pensamento que ainda provoca debates acalorados na América Latina. Ele é amigo pessoal de Gutiérrez, “pai” dessa teologia, há décadas. Após a apresentação do livro, o brilhante cardeal alemão explicou aos jornalistas porque ele a apoia sem duvidar.

http://vaticaninsider.lastampa.it/es/en-el-mundo/dettagliospain/articolo/teologia-della-liberazione-teologia-de-la-liberacion-32380/

Agora vamos lá, em 1973 o fundador Gutiérrez publicou Fe cristiana e cambio social, onde aparecem as seguintes pérolas “católicas” e das quais nunca se arrependeu:

 “… a luta de classes é um fato, e é impossível manter a neutralidade nesse tema”.

“… não há nada mais certo do que um fato. Ignorá-lo é enganar e deixar-se enganar e, além disso, privar-se dos meios necessários para eliminar verdadeira e radicalmente essa condição ‒ ou seja, avançar até uma sociedade sem classes“.

“Participar da luta de classes não somente não se opõe ao amor universal; hoje em dia, esse compromisso é o meio necessário e inevitável para concretizar esse amor, uma vez que essa participação é o que conduz a uma sociedade sem classes, uma sociedade sem proprietários e despossuídos, sem opressores e oprimidos”.

“… a missão da Igreja se define prática e teoricamente, pastoral e teologicamente, em relação… ao processo revolucionário. Ou seja, a sua missão se define mais pelo contexto político do que por problemas intra-eclesiais”.

“… a luta de classes existe dentro da mesma Igreja… a unidade da Igreja (é)… um mito que deve desaparecer se a Igreja é “reconvertida” ao serviço dos trabalhadores na luta de classes”.

No mundo atual a solidariedade e o protesto de que falamos têm um evidente e inevitável caráter político, tanto que têm um significado libertador. Optar pelo oprimido é optar contra o opressor. Em nossos dias e em nosso continente, solidarizar-se com o pobre assim entendido, significa correr riscos pessoais… É o que ocorre a muitos cristãos – e não cristãos – no processo revolucionário latino-americano”. (Ver Postagem de 11 de setembro de 2013 “MÁS ALIENTO A LA REVOLUÇÃO” http://www.catapulta.com.ar/?p=11414)

47 Comentários to “Um herói (marxistoide) no Vaticano.”

  1. Santíssima Virgem, acorrei! Valei-nos!

  2. Tempos de trevas…

  3. ???????? a Unidade da Igreja é um mito que deve desaparecer? TÁ TUDO DOIDO ??????????????

  4. Os senhores sao gravemente venais, agora denegrem do cardel Muller, outrora o exaltam. Como doe para o senhores que a Igreja avance no seu amor pela libertacao dos pobres. Padre manuel Monroy Lopez

    • Os pobres já estão libertos da inveja, do consumismo, das propriedades, das opressão do poder economico e vivem de acordo com os postulados propostos por cristo.

    • Esqueci: Os pobres fizeram opção preferencial pelas igrejas envangelicas

    • AHAHAHA ! Libertação dos pobres !!!!!!!!!!!!!!
      MENTIRAS IDEOLÓGICAS MEDÍOCRES !!!!!
      O QUE DE FATO ESSE PSEUDO TEÓLOGO E SEUS ADÉPTOS OBJETIVAM COM TAL “CORRENTE FILOSÓFICA ESPIRITUALISTA ”
      — QUE JÁ FOI APREGOADA POR GANDHI E POR TANTOS OUTROS COM IDONIEDADE DE CARÁTER BEM MAIORES DO QUE TAIS CLÉRIGOS —
      NADA MAIS DO QUE UM MEIO FACILITE A ESCALADA DE PODER !
      FALTA-LHES ATÉ MESMO A ORIGINALIDADE , POIS NÃO PASSAM DE MEROS PLAGIADORES , INCLUSIVE DE LUTERO , QUE A 500 ANOS ATRÁS FEZ APOLOGIAÀ DIVISÃO EM DETRIMENTO DA UNIDADE !
      Dispensamos tal “HERESIA DA LIBERTAÇÃO” ! NADA DIZ DE NOVO , EXALA O MESMO MAL-CHEIRO DE PODRIDÃO COBIÇOSA !
      GUTIERREZ É SÓ MAIS UM CANDIDATO À IDÓLO COM MAIS UMA FALSA PROMESSA DE LIBERTAÇÃO PARA SE PROMOVER E ENRIQUECER ÀS CUSTA DO POVO E DA IGREJA !
      EU SOU POBRE E ESTOU LIBERTA , TODOS OS DIAS , PELO SANGUE DE JESUS !
      ISSO BASTA PARA QUEM TEM CARÁTER TOMAR VERGONHAR NA CARA E MELHORAR DE VIDA HONESTAMENTE , SEM SE PEDURAR NEM NO ESTADO E NEM NA IGREJA OU TENTAR USAR O POBRE COMO TRAMPOLIM DE ASCENÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL !

    • E PARE DE TENTAR ENRIQUECER ÀS CUSTAS DO POBRE E DA IGREJA !
      Veja se comece “ONTEM” a honrar o Sacramento da ORDEM que vc LIVREMENTE optou por receber !
      Ou vc é apenas mais um dentre tantos nesta avalanche de falsos vocacionados que invadiram a Igreja usando dos Seminários e do Sacerdócio como meio de custear os estudos para progredir economicamente e enriquecer sem fazer esforço em virtude da própria incapacidade e mediocridade intelectual ?

    • Tumor pela libertação dos pobres? Livres da Igreja para se bandearem para os rigores da aridez protestante?

      Quem ler os textos do Gutierrez encontrará a distorção das Escrituras e do sentido do “pobre”.

      Libertemos o pobre de seus pecados e deixemos de idolatrá-lo com o mito do “bom selvagem”. A verdade liberta, não as revoluções.

    • Libertação em relação a que e a quem? Só pra saber…

  5. Cardeal Gerhard Mueller: ‘uma no cravo, duas, três, quatro… na ferradura…’

  6. Com respeito ao cardeal Muller: retiro tudo que falei de bom sobre ele. Bato no peito “minha culpa, minha máxima culpa”.
    Enquanto lia a reportagem vinha-me a mente aquela passagem do Apocalipse, não posso citar agora nem as palavras certas nem o capítulo, apenas de memória eu cito: um dragão (ou uma fera) ferida que se regenera e volta a aparecer… é ela, é a Teologia da Libertação.

  7. Reverendo Pe Manuel M. Lopez, no que consiste essa libertação?

  8. Menos de uma semana de uma bola dentro do Muller, ele nos quebra a cara com essa daí??

    Como é difícil ser Católico!!!

  9. Agora com a luta dos católicos ucranianos contra o regime bolchevista de moscou, está ficando claro que a CNBB e os padres da TL-RCC obedecem à KGB de Moscou.

    Mas continuaremos fiel a Roma pois muito embora Roma tenha hereges que trabalham livremente enquanto que os Franciscanos da Imaculada são perseguidos, temos a promessa de Nossa Senhora em Fátima que por fim o Seu Imaculado coração triunfará.

    • Contra os russo. Não existe mail bolchevismo na Russia. Lá se preservam as tradições Ortodoxas, valores familiares, a economia é mais livre que no Brasil, a justiça funciona melhor, a educação e saude idem. O russo é um povo educado que sofreu mais qu todos com o comunismo. O fato do Putim ter sido da KGB, ele era como todos servidores do estado.

  10. A luta de classes foi expressamente condenada pelos grandes Papas até a primeira metade do século passado, a teologia da libertação foi condenada até pelos neoconservadores, e agora Francisco permite que ela seja tão reavivada assim, em pleno solo vaticano, perto de Ratzinger e do túmulo de Papas Santos?

    Como ainda tem gente que diz que há continuidade nas atitudes de Francisco com o que a Igreja sempre pregou e praticou?

  11. Os Boffs e teelistas da vida devem estar até histéricos de alegria – até que enfim! – não é para menos, pois tempos atrás foi a Roma até o Pedro Stédile do MST.
    ?Seria para repassar aos anfitriões suas experiências de como invadir propriedades, tomar terras alheias, destruir laboratórios, laranjais em franca produção e explicar o porque de ser o grupo armado comunista no campo, etc?
    Enquanto isso noutra trincheira, o enigmático e suspeito cardeal Muller parece ter 2 extremos religiosos; ora de um lado pró TL/Gutiérrez, ora doutro, o eclesial, sem se definir de que lado está, pelo menos oficialmente, embora imaginaríamos mais propenso ao esquerdismo dando voz ao visitante pobrista de plantão, diferente do Lula que se passava por católico e que apenas agora revelou que, para subir seu partido ao poder contou com comunistas sacerdotes da Igreja, sendo cruciais nesse empenho; creio que se não houvesse esse insubstituível auxilio desses Judas travestidos de católicos religiosos e idem leigos não estaríamos hoje sob as patas dos marxistas, esses mesmos companheiros muito bem sincronizados com a ideologia miserabilista do Pe Gutiérrez.
    Os comunistas apreciam e necessitam muito dos incautos-pobres, sendo sempre assim que chegam ao poder; Cuba, internamente e mesmo no caso de seus médicos presos no Brasil, até sem internet onde residem e recebendo apenas 10% do salario, percebe-se a qualidade do “amor” que têm no coração, mostrando a serviço de quem estão, do pai deles, Satã.
    Quem será da turma do pobrismo o próximo convidado?

  12. Esse pode ser o caminho que a Igreja , em sua infinita sabedoria , encontrou para retirar os holofotes de cima dessa maldita “HERESIA DA LIBERTAÇÃO” , para destrona-la do “PEDESTAL” de “teologia” que se autoqualificou !
    Quem sabe se ao invés de continuar a combater tal HERESIA , a Igreja torna-la irrelevantemente “normal”, pode ser que essa sua
    “glamorosa e confortável ” posição de ” vítima de uma neoinquisição ”
    seja suplantada aos olhos do mundo ?
    Com isso a Igreja pode estar impedindo UM MAL MAIOR =
    que tal FALSO TEOLÓGO FUNDADOR DESTA HERESIA VENHA A SE TORNAR UM SEGUNDO LUTERO !
    NO PASSADO SOFREMOS A EXPERIÊNCIA DE PEDER UMA BATALHA EXATAMENTE IGUAL PARA O FILHO DO DIABO , O SATÂNICO MARTINHO LUTERO E SEUS SEGUIDORES !
    CUIDEMOS PARA QUE SE COMETA NÃO O MESMO ERRO DE METODOLOGIA !

  13. Como dizem aqui no interior:
    “Diga-me com quem andas, que dir-te-ei quem és!”
    Hummm…
    Pelo jeito, o atual pontificado está mostrando claramente seus aliados e seus compromissos…
    Por isso, rezemos, muito mesmo!
    Coisas piores, bem piores, infelizmente, muito piores, virão!
    Kyrie Eleison!

    • Pedro Henrique ,
      Satã pensa que reinará , mas na verdade, esta é a armadilha preparada para ele , cuja imprudente arrogância maçônica e comunista o está conduzindo à passos largos para a sua derrota final , que será bem no centro, nos átrios da Sede da da Igreja !
      E aqueles (o pequeno rebanho) que permanecerem , juntos com a Virgem , fiéis aos pés da Cruz da Igreja crucificada , esmagarão , juntos com ELA , a sua cabeça soberba e receberão a coroa da vitória !
      É preciso que Jesus encontre quem ainda tenha fé , quem resista até o fim e não abandone a Igreja na hora da sua crucificação !
      Então Ela ressuscitará em todos os que, como João , permaneceram ; pois :
      “AS PORTAS DO INFERNO NÃO PREVALECERÃO CONTRA ELA” !

  14. Um trecho de Santo Agostinho em “A Cidade de Deus”:

    Bem aventurados os que habitam na tua casa, eles louvar-te-ão pelos séculos dos séculos. (salmo 83, 5)

    “Lá é que estará a verdadeira glória, lá onde ninguém será louvado por erro ou por lisonja de quem louva; as verdadeiras honras não serão negadas aos que delas são merecedores, nem concedidas aos que delas são indignos; mas nem sequer a tal se apresentará um indigno, lá onde não é permitido que esteja senão o digno. Lá reinará a verdadeira paz, lá onde ninguém sofrerá qualquer adversidade provinda de si próprio ou de outrem…”
    _

    Até aqui Santo Agostinho.

    Os modernistas se preocupam muito mais em reformar a Igreja do que com a evangelização (estão pouco se ligando para a fé dos mais pobres). Ver seus projetos implementados na Igreja é uma obsessão para eles. Vivemos uma espécie de novo nepotismo na Igreja, vendo os compadres e companheiros de partidos serem promovidos e elogiados, enquanto os dignos de louvor e verdadeiros fieis são eliminados e relegados ao ostracismo. Vivem, como se fosse do auto-elogio, um elogiando o outro. Bajuladores, baba-ovos, lacaios, aduladores… mas também cínicos, hipócritas, desavergonhados. Não compartilhassem seus pontos de vistas heréticos e seriam considerados inimigos.

    Os que eram fieis a Bento XVI continuam fieis a Francisco, porque suas esperanças não estão postas em homens. Mas muitos dos que hoje são fieis e incensam a Francisco tinha uma postura muito diferente com Bento XVI.

    • “Satã reinará sobre Roma e o Papa será seu escravo” – frase escrita em uma faixa sustentada por maçons exibida em manifestação na Basílica de São Pedro por ocasião da comemoração de 200 anos da fundação da Maçonaria moderna.

      “Roma perderá a fé e se converterá na sede do Anticristo” – mensagem de Nossa Sa. de La Salette (19 de setembro de 1846)

      “A bandeira vermelha será erguida no alto do Vaticano… mas isso passará” – palavras de São Pio de Pietrelcina a Monsenhor Piccinelli

      “Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará” – Nossa Senhora de Fátima, 1917

  15. Que tristeza ler tanto marxismo em tão poucas linhas!

  16. “A teologia da libertação não entra em nenhum esquema de heresia até hoje existente… ela é a negação radical do Cristianismo” (disse o então cardeal Joseph Ratzinger. Penso que o papa emérito Bento XVI não discorda disso).

    “É dever dos fiéis católicos esclarecidos expor a seus irmãos e ao público o que é a TL” (Dom Estevão Bettencourt, OSB).

    “Nem só de pão vive o homem” (Jesus Cristo).

    “Pobres sempre tereis” (Marcos 14, 7)

    Deixo para reflexão uma crítica bastante sensata, atual e pontual que o frei Clodovis Boff (teólogo católico da ordem dos Servos de Maria, que conheço pessoalmente: reza o terço todos os dias…), fez ao denunciar o grave erro epistemológico da Teologia da Libertação-TdL (que a meu ver, se trata mais de Ideologia da libertação que verdadeiramente uma Teologia, com T maiúsculo), no seu artigo: “Volta ao fundamento: réplica de Clodovis Boff”) publicado na Revista Eclesiástica Brasileira (REB), no. 268, intitulado “Teologia da Libertação e volta ao fundamento’.
    Vamos aos exemplos:
    “Para ilustrar esse encurtamento da ideia de pobre na TdL e na pastoral que nela se inspira, permito-me relatar duas experiências. A primeira se refere a uma ocupação dos sem-terra na região Centro-oeste do Brasil. A igreja local interveio aí, dando aos lavradores cobertura moral e social, e oferecendo os serviços jurídicos da “pastoral da terra”. Três meses depois da legalização do assentamento, vem-se a saber que todo o mundo, ou quase, se tornara “evangélico”. Por que? Simplesmente porque a Igreja católica garantira o social, mas não o religioso. Este, deixado vazio, fora ocupado pelos pentecostais. Menos mal, dir-se-ia com São Paulo, “contanto que de todas as maneiras… Cristo seja anunciado” (Fl 2,18), mas não o foi pela “Igreja da libertação”, o que depõe em seu desfavor. E agora uma experiência pessoal. Depois de ter trabalhado mais de vinte anos nas favelas do Rio numa linha “liberacionista” e tendo que me transferir para outra cidade, fiz um balanço daquela atividade toda e constatei, decepcionado, que deixava instalados trabalhos sociais de toda a sorte, mas não uma Comunidade cristã realmente consistente. Agora, em meu novo lugar de trabalho, os voluntários da pastoral social não descuidam do trabalho religioso e evangelizador. Depois do atendimento direto aos pobres, realizam com eles uma hora de adoração e louvor, entremeada de catequese. Fazem, assim, jus ao nome do centro social em que trabalham: “Marta e Maria” e mostram que o verdadeiro agente social há de ser uma “Marta com alma de Maria”.
    Durma-se com um barulho desses!

    • Renato Assis ,
      pelo seu relato , pode-se entender que a Igreja está atuando como “empregadinha” dos Pentecostais que , cujas SEITAS são PROPINODUTOS DE PTRALHAS !

  17. Fui trabalhador durante 40 anos no Canada e mais alguns em Portugal. A farda do socilalismo é linda e até era capaz de me servir mas, olhei para o passado e vi que tal só trabalha enquanto houver dinheiro dos outros. Proteger e ajudar os pobres é o dever de todos que se dizem cristãos, agora dizer-me que querem acabar com as classes, das duas uma, ou são comunistas ou ignorantes.
    Um exemplo o Sr. Padre da minha paróquia diz que devemos ter caridade e que a caridade deve estar em primeiro mas, não vai visitar os doentes, os velhinhos, geralmente não hà Missa semanal, porque passa o tempo a socializar e jogar cartas com amigos que a maioria nem são do circlo paroquiano. Eu digo: quem amar Jesus Cristo e sua Santíssima Mãe e todos os Santos, o coração está aberto é so fazer algum trabalho.
    (Sei que hà muitos Srs Padres aqui no Fratres e quando leio os seus temas, fico com inveja de não ter um que me podesse guiar neste caminho tão amargo da vida, vendo gente abandonando a igreja).
    Até ao Pius XII, ser comunista era excomunhão da Igreja e, no entanto, elegeram um Papa que abafou essa palavra no concílio de Metz apesar de destruirem igrejas na USSR tudo foi abafado.
    Também pensei o contrário do Cardeal Müller mas a Santa Sé está infetada da fumaça, só falta ver o fogo. O “lobby” gay no Vaticano é como o cancro, sem cura que, a qualquer momento vai contagiar toda a Cúria. Eles “os gays” se protegem uns aos outros. Na America do Norte tomam lugares de destaque nos meios de comunicação social e até no ensino familiar.
    Nos valha Maria Santíssima.

  18. O dicípulo do padre Gustavo Gutiérrez é o ex-frei Leonardo Boff o qual disse que teologia da libertação é o marxismo dentro da teologia. De fato ele tem razão porque promover luta de classes é próprio do marxismo.

    Confesso que não entendi o “venais” do Padre Manuel. E as pessoas não estão denegrindo o cardeal Muller. Estão denegrindo a posição errada que julgam ter o cardeal tomado.

    Quando Judas Iscariotes, censurou em seu coração, que aquela mulher que banhava os pés de Jesus com perfume, que em vez disso devia vender e dar o dinheiro aos pobres, Jesus lhe disse que pobre sempre tereis. O mal é que estão querendo comparar o pobre da Escritura com proletariado de Marx. Nosso Senhor veio libertar o povo do jugo do demônio e não do Império Romano, não que Ele o aprovasse. Libertação do pobre de que?. Esses padres que arrotam libertação para os pobres devem fazer, sim, mas a libertação do pecado. E veja, eu tambem sou pobre, mas já fui mais. Pedi até esmolas quando criança. Trabalhei (na roça), estudei, me empreguei por meio de concurso e hoje estou aposentado, graças ao meu bom Deus. Não quero e nunca quis me apossar de nada que não tenha sido através do meu trabalho (honesto). Aprendi com meu pai. Aínda é vivo, viu? Vai completar, em setembro próximo, 99 anos, se Deus o permitir.

  19. E ainda tem que acha que Francisco não é TL.

  20. Dos males, o menor… Gustavo Gutierrez não usa disfarces, como grade parte dos supremos dirigentes do Vaticano. Apresenta destemido e desafiante sua inequívoca vocação revolucionária, comunista e demolidora da igreja. Assim, muitos que aparentavam uma coisa, sendo outra, se animaram a dar-lhe caloroso apoio. Consolida-se, pois, o poder das diferentes forças que estão impelindo a Anti-Igreja para o precipício. Sabemos, sem sombra de dúvida, que a vitória final será de Jesus e Maria.

  21. “A Rússia espalhará seus erros pelo mundo…” , avisou Nossa Senhora em Fátima se a consagração hão for feita.
    Abram os olhos, gente de pouca fé.
    Tudo está se realizando.

  22. Padre Manuel Monroy Lopez, o senhor leu ou participou da Santa Missa ontem? Leu o que diz o Evangelho com relação à justiça? Sabe o que é GNOSE? É a uri;ilação de uma PARTE, padre Manuel, parte, e não a compreensão do todo. Leia a Liturgia diária de ontem, dia 10 de março, para o seu bem e sua salvação. Salve Maria!

  23. Já que resolveram canonizar João Paulo II, por que esses impostores não ressuscitam também seus ensinamentos? Deus nos deu os santos pra que imitando seus exemplos aqui na terra, chegássemos às mesmas bem-aventuranças no céu:

    “Este é o único Evangelho e ainda que nós próprios ou um anjo do céu vos anunciasse um evangelho diferente daquele que vos anunciámos, seja execrado! (11), como com toda a clareza escrevia o Apóstolo.

    4. Ora bem, hoje em dia e por muitas partes — o fenómeno não é novo — correm «releituras» do Evangelho, resultado de especulações teóricas mais do que de autêntica meditação da Palavra de Deus e de um verdadeiro compromisso evangélico. Elas são causa de confusão, ao afastarem-se dos critérios centrais da fé e da Igreja e cai-se na temeridade de as comunicar, à maneira de catequese, às comunidades cristãs.

    Nalguns casos ou se passa em silêncio a divindade de Cristo, ou então incorre-se de facto em formas de interpretação incompatíveis com a fé da Igreja. Cristo seria apenas um «profeta», um anunciador do Reino e do amor de Deus, mas não o verdadeiro Filho de Deus e nem seria, portanto, o centro e o objecto da mesma mensagem evangélica.

    Noutros casos pretende-se apresentar Jesus como um comprometido politicamente, como um lutador contra a dominação romana e contra os poderes e, inclusive, implicado na luta de classes. Esta concepção de Cristo como político, revolucionário, ou como o subversivo de Nazaré, não se compagina com a catequese da Igreja. Confundindo o insidioso pretexto dos acusadores de Jesus com a atitude do próprio Jesus — coisas bem diferentes — aduz-se como causa da sua morte o desenlace de um conflito político e cala-se a vontade de entrega do Senhor e ainda a consciência da sua missão redentora. Os Evangelhos mostram claramente que para Jesus era uma tentação aquilo que porventura alterasse a sua missão de Servo de Yahvé (12). Mais: Ele não aceita a posição daqueles que misturavam as coisas de Deus com atitudes meramente políticas (13); rechaça inequivocamente o recurso à violência; e patenteia a todos a sua mensagem de conversão, sem excluir os próprios Publicanos. A perspectiva da sua missão, pois, é muito mais profunda. Consiste na salvação integral por um amor transformante, pacificador, de perdão e de reconciliação. Não há dúvida, por outro lado, de que tudo isto é muito exigente para a atitude do cristão que queira servir verdadeiramente os irmãos «mais pequeninos», os pobres, os necessitados e os marginalizados; numa palavra, servir todos os que reflictam nas suas vidas o rosto dolente do Senhor (14)

    5. Contra tais «releituras» do Evangelho, pois, e contra algumas hipóteses, talvez brilhantes mas frágeis e inconsistentes, que delas se derivam «a evangelização no presente e no futuro da América Latina» não pode cessar nunca de afirmar a fé da Igreja: Jesus Cristo, Verbo e Filho de Deus, faz-se homem para se aproximar do homem e oferecer-lhe, pela força do seu mistério, a Salvação, grande dom de Deus (15).

    É esta a fé que informou a vossa história e plasmou o melhor dos valores dos vossos povos e que há-de continuar a animar, com todas as forças, o dinamismo do seu futuro. É esta a fé que revela a vocação de concórdia e de unidade que terá de desterrar os perigos de guerras neste Continente de esperança, onde a Igreja tem vindo a ser tão potente factor de integração. Esta fé, enfim, é a que, com tanta vitalidade e tão variados modos, exprimem os fiéis da América Latina mediante a religiosidade ou piedade popular.
    A partir desta fé em Cristo e do seio da Igreja nós somos capazes de servir o homem, os nossos povos e de interpretar com o Evangelho a sua cultura, transformar os corações e humanizar sistemas e estruturas.

    Qualquer silêncio, esquecimento, mutilação ou inadequada acentuação da integridade do mistério de Jesus Cristo que se afaste da fé da Igreja não pode constituir conteúdo válido da evangelização. «Hoje, sob o pretexto de uma piedade que é falsa, sob a aparência enganadora de uma pregação evangélica, intenta-se negar o Senhor Jesus Cristo», escrevia um grande Bispo no meio das duas crises doutrinais do século IV. E acrescentava: «Eu digo a verdade, para que seja por todos conhecida a causa da desorientação de que sofremos. Eu não posso calar-me» (16). Também vós, Bispos dos dias de hoje, quando porventura se derem estas confusões, não podeis calar-vos.

    Se a Igreja se afirma presente na defesa e na promoção da dignidade do homem, fá-lo na linha da sua missão, que apesar de ser de carácter religioso, e não social ou político, não pode deixar de considerar o homem na integridade do seu ser.

    Tenhamos presente, por outro lado, que a acção da Igreja em campos como os da promoção humana, do desenvolvimento, da justiça e dos direitos da pessoa, intenta estar sempre ao serviço do homem; e do homem tal como ela o encara, na visão cristã da antropologia que adopta. Ela não precisa, pois, de recorrer a sistemas ideológicos para amar e defender o homem e colaborar na sua promoção: no centro da mensagem de que ela é depositária e arauta encontra a inspiração para actuar em prol da fraternidade, da justiça e da paz, contra todas as dominações, escravidões, discriminações, violências, atentados à liberdade religiosa e agressões contra o homem e, enfim, contra tudo aquilo que atenta contra a vida

    Fiel a este compromisso, a Igreja quer manter-se livre diante de sistemas opostos, a fim de optar só pelo homem. Quaisquer que sejam as misérias ou sofrimentos que aflijam o mesmo homem, Cristo está ao lado dos pobres; não através da violência, dos jogos de poder e dos sistemas políticos, mas sim mediante a verdade sobre o homem, caminho para um futuro melhor.

    DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II
    NA SOLENE SESSÃO DE ABERTURA
    DA III CONFERÊNCIA GERAL
    DO EPISCOPADO LATINO-AMERICANO

    Puebla de los Ángeles, 28 de Janeiro de 1979

    http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/speeches/1979/january/documents/hf_jp-ii_spe_19790128_messico-puebla-episc-latam_po.html

  24. Reviram tanto a lata de lixo (teologia da libertação – marxismo) que chega o fedor de longe!

  25. Esse padre Gutierrez é mais marxista que o pessoal do PCdoB. Parece um artigo PSOLista.
    Não sei quanto a vocês, mas eu não espero nada da atual cúpula de cardeais da Cúria e do próprio Papa Francisco. Mas Deus pode transformar um bandido em um santo…

  26. A “teologia” da libertação é uma ideologia que foi condenada explicitamente pela Igreja há cerca de 30 anos.
    Essa ideologia não mudou. Continua tal e qual pregando a violência e o fim último do homem no aquém.
    Hoje ela não é mais condenada e sim festejada.
    Então, quem mudou?
    Decerto que a Igreja não muda, mas o homens da Igreja….

  27. Como é atual o poema: “No caminho com Maiakóvski”:

    “Na primeira noite eles se aproximam
    e roubam uma flor
    do nosso jardim
    E não dizemos nada.
    Na segunda noite, já não se escondem;
    pisam as flores,
    matam nosso cão,
    e não dizemos nada.
    Até que um dia,
    o mais frágil deles
    entra sozinho em nossa casa,
    rouba-nos a luz, e,
    conhecendo nosso medo,
    arranca-nos a voz da garganta.
    E já não podemos dizer nada.”

    (Eduardo Alves da Costa)

  28. Os responsáveis deste site precisam fazer uma campanha aqui contra essa aproximação da Igreja a TL (teologia da libertação) de preferencia vamos mandar email para o propio Cardeal Dom MULLER mostrando o mal que a TL fez na América latina quem sabe ele não acorda. Fica minha sugestão

  29. “A pobreza é péssima no dizer do ímpio.”

    “Pobres, sempre terei convosco, mas a mim nem sempre me tereis”.

    A pobreza é só mais um instrumento nas mãos desses “clérigos” marxistas.

    A “igreja” conciliar é um dos tentáculos do socialismo, e não foi atoa que os modernistas fizeram o acordo de Metz.

    Esses hereges mldernistas vão prestar contas à Cristo de todos os crimes contra Fé que eles cometem.

  30. “estamos convencidos, nós e os Senhores, de que a teologia da libertação é não só oportuna mas útil e necessária. Ela deve constituir uma nova etapa – em estreita conexão com as anteriores – daquela reflexão teológica iniciada com a Tradição apostólica e continuada com os grandes Padres e Doutores, com o Magistério ordinário e extraordinário” – CARTA DO PAPA JOÃO PAULO II AOS BISPOS DA CONFERÊNCIA EPISCOPAL DOS BISPOS DO BRASIL
    “Uma teologia da libertação corretamente entendida constitui, pois, um convite aos teólogos a aprofundarem certos temas bíblicos essenciais, com o espírito atento às graves e urgentes questões que a atual aspiração pela libertação e os movimentos de libertação, eco mais ou menos fiel dessa aspiração, põem à Igreja. Não é possível esquecer, por um só instante, as situações de dramática miséria de onde brota a interpelação assim lançada aos teólogos.” – INSTRUÇÃO SOBRE ALGUNS ASPECTOS DA « TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO » Joseph Card. Ratzinger

    • Uma TEOLOGIA que visa uma LIBERTAÇÃO esvaziada de uma MÍSTICA ESPIRITUAL reduz-se à simplória IDEOLOGIA DEMAGOGA , análoga ao reles SOCIALISMO TUPINIQUIM que vem chafurdando o país nesta pocilga SOFISMÁTICA PTRALHA !

    • A teologia da libertação usa o marxismo como ferramenta de leitura da realidade, sociológica e econômica. Seria grave em se condionar a teologia católica a um viés único; é péssimo em se tratando do marxismo (materialista, ateu, anti-cristão, com um histórico de perseguição à Igreja, de pregação da destruição de todos os valores tradicionais católicos, de milhões de mortos – milhares unicamente por causa da fé católica, de negação da natureza humana).
      Quando ela se afirma “em defesa dos pobres”, quem será contra? Quando vemos o que ela é, aí a coisa muda. Por isso os Paps João Paulo II e Bento XVI inicialmente a aprovaram e depois passaram a repudiá-la.

  31. Caríssimo pe. Manuel Monroy Lopez, paz e bem!

    O que é isso companheiro?!?

    Nenhum comentário seu sobre o post do dia 11 março, 2014 (Desabafo de leitor): Palavras do leitor Pedro (drama humano) e um ataque histérico neste post (teologia da libertação). Nenhum mistério para um psicólogo.

    Pelos frutos se conhece a árvore, nos diz o Senhor Jesus.

    Então, vamos aos exemplos dos Teólogos da Corte (ideólogos da Teologia da Libertação-TdL):

    i) Frei Betto (ex-dominicano que insiste em vestir o hábito, foi Assessor Especial da Presidência da República no Governo do Lula, sem passar pela seleção do Concurso Público. Ganha dinheiro (e muito) escrevendo livros:
    – Fidel e a Religião; e
    ministrando palestras sobre diversos temas interessantes, tais como:
    – O PAPEL DO EDUCADOR NA FORMAÇÃO POLÍTICA DOS EDUCANDOS – Frei Betto (Palestra feita por Frei Betto, em fevereiro, no Congresso Mundial de Universidades 2014, realizado em Havana, Cuba),

    ii) ex-frei Leonardo Boff (em 1992, renunciou às suas atividades de padre e se auto-promoveu ao estado leigo. Atualmente vive no Jardim Araras, região campestre ecológica do município de Petrópolis-RJ e compartilha (é casado? amasiado?) vida e sonhos com a educadora/lutadora pelos Direitos a partir de um novo paradigma ecológico, Marcia Maria Monteiro de Miranda, no resto, assemelha-se ao frei Betto: palestras, livros…).

    iii) Ainda há uma lista significativa de “padres” que largaram a batina (ou melhor, nunca a usaram) e
    optaram pela carreira política em contraste com as determinações do Vaticano. Elegeram-se Deputados Federais, Estaduais, Prefeitos e até Presidente da República (Paraguai): um verdadeiro desastre!

    Enfim, como é atual a “compaixão” de Judas Iscariotes pelos pobres no caso da mulher que derramou um perfume de alabastro (caro, diga-se de passagem) sobre a cabeça de Jesus. Judas, indignou-se dizendo:

    “Por que este desperdício de bálsamo?

    Poder-se-ia tê-lo vendido por mais de trezentos denários, e os dar aos pobres. E irritou-se contra ela.

    Mas Jesus disse-lhes: Deixai-a. Por que a molestais? Ela me fez uma boa obra.

    Vós sempre tendes convosco os pobres e, quando quiserdes, podeis fazer-lhes bem; mas a mim não me tendes sempre” (Marcos 14, 3-7).

    Com a palavra, o companheiro pe. Manuel Monroy Lopez…

    PS.: Estou aberto à replica e a tréplica, combinado?

  32. Caro Luciano, paz e bem!
    Li o que vc posto acima e permita-me acrescentar alguns detalhes, tais como:
    Primeiro, o saudoso papa João Paulo II escreveu o que vc postou, bem como o então cardeal Joseph Ratzinger;
    Segundo, nós cristãos não podemos contentar com meias verdades ou mentira inteiras. Dito isto, cumpre registrar que existem duas Teologias da Libertação: uma verdadeira e outra falsa.

    A primeira (autêntica), tem como base o Evangelho da Vida, a comunidade dos primeiros cristãos, Jesus em primeiro lugar (e jamais o Pobre), não incentiva a Luta de Classes nem adota métodos marxistas, é sempre fiel à Sagrada Escritura, à Tradição e ao autêntico magistério da Igreja, renuncia a todos os métodos violentos para atingir os seus objetivos (os fins não justificam os meios: condena as invasões de terra, depredação…), aconselha aos religiosos a não ingressarem na Política: filiação, militância, sindicalização, candidatar-se a mandatos eletivos: prefeito, deputados e presidente (Paraguai)…
    Em suma: aplica “in totum” a Doutrina Social da Igreja.

    Já a segunda (falsa), adota simplesmente tudo o contrário dito acima.

    Por fim, na Igreja encontra-se em vigor os comentários sobre as distorções da Teologia da Libertação (a falsa, é claro), conf. discurso do então papa BENTO XVI AOS PRELADOS DA CONFERÊNCIA EPISCOPAL DOS BISPOS DO BRASIL DOS REGIONAIS SUL 3 E SUL 4 EM VISITA «AD LIMINA APOSTOLORUM» Sala do Consistório Sábado, 5 de Dezembro de 2009

    “Venerados Irmãos no Episcopado,
    Dou as boas-vindas e saúdo a todos e cada um de vós, ao receber-vos colegialmente no quadro da vossa visita ad limina…
    …Neste sentido, amados Irmãos, vale a pena lembrar que em agosto passado, completou 25 anos a Instrução Libertatis nuntius da Congregação da Doutrina da Fé, sobre alguns aspectos da TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO, nela sublinhando o PERIGO que comportava a assunção acrítica, feita por alguns teólogos de teses e metodologias provenientes do marxismo. As suas seqüelas mais ou menos visíveis feitas de REBELIÃO, DIVISÃO, DISSENSO, OFENSA, ANARQUIA fazem-se sentir ainda, criando nas vossas comunidades diocesanas grande sofrimento e grave perda de forças vivas. Suplico a quantos de algum modo se sentiram atraídos, envolvidos e atingidos no seu íntimo por certos princípios enganadores da teologia da libertação, que se confrontem novamente com a referida Instrução, acolhendo a luz benigna que a mesma oferece de mão estendida; a todos recordo que «a regra suprema da fé [da Igreja] provém efetivamente da unidade que o Espírito estabeleceu entre a Sagrada Tradição, a Sagrada Escritura e o Magistério da Igreja, numa reciprocidade tal que os três não podem subsistir de maneira independente» (João Paulo II, Enc. Fides et ratio, 55). Que, no âmbito dos entes e comunidades eclesiais, o perdão oferecido e acolhido em nome e por amor da Santíssima Trindade, que adoramos em nossos corações, ponha fim à TRIBULAÇÃO da querida Igreja que peregrina nas Terras de Santa Cruz.
    Venerados Irmãos no episcopado, na união a Cristo precede-nos e guia-nos a Virgem Maria, tão amada e venerada nas vossas dioceses e por todo o Brasil. Nela encontramos, pura e não deformada, a verdadeira essência da Igreja e assim, através dela, aprendemos a conhecer e a amar o mistério da Igreja que vive na história, sentimo-nos profundamente uma parte dela, tornamo-nos por nossa vez «almas eclesiais», aprendendo a resistir àquela «secularização interna» que ameaça a Igreja e os seus ensinamentos.
    Confio os seus protagonistas à proteção da Virgem Santíssima e concedo a vós, aos vossos sacerdotes, aos religiosos e religiosas, aos leigos empenhados, e a todos os fiéis das vossas dioceses paterna Bênção Apostólica”.

    Sem comentários!

  33. Eis aí a apologia da Igreja voltada somente para o mundo secular e preocupações fúteis e materiais. Para isso existem o Estado, ONG´s, ONU e demais organizações seculares. A Igreja de Cristo é para salvar almas, converter homens à salvação espiritual, e não para exaltar ou rebaixar pobres ou ricos ou preocupar-se com luta de classes. O criador dessa mazela toda, Karl Marx era ateu, um boêmio, normal que se preocupasse com coisas desse mundo. Mas muito me admira de um clero “convertido” a teoria de um ateu….