Francisco e a ONU.

Papa defende “vida inviolável da concepção ao termo natural”

O papa reafirmou hoje, perante o secretário-geral da ONU e responsáveis das agências da organização, a oposição radical da Igreja ao aborto, considerando que “a vida é inviolável desde a conceção ao termo natural”.

Notícias ao Minuto, 9 de maio de 2014 – Ban Ki-moon, que falou em primeiro lugar, saudou o empenho pessoal do argentino Jorge Bergoglio “na erradicação da pobreza” e “na defesa da dignidade humana”.

10334417_575965872511464_8980351662648350277_nO responsável da ONU convidou o papa a deslocar-se “assim que possível” a Nova Iorque para “expor a sua visão” do mundo na tribuna das Nações Unidas.

Na resposta, em que elogiou o trabalho e progressos conseguidos pela ONU, Francisco pediu às várias agências, que estiveram reunidas nos últimos dias em Roma para um encontro de coordenação, para “se oporem à economia de exclusão, à cultura do desperdício e à cultura da morte que, infelizmente, pode vir a ser aceite pela passividade”.

Francisco sublinhou “a dignidade de cada irmão, cuja vida é inviolável, da conceção até ao termo natural”, numa condenação clara do aborto e da eutanásia.

Esta semana, o Vaticano foi fortemente criticado, pelos peritos da comissão da ONU contra a tortura, pelos casos de pedofilia, mas também pela oposição à interrupção voluntária da gravidez.

Os peritos consideraram que a oposição da Igreja católica ao aborto configura uma forma de tortura.

O chefe da delegação do Vaticano, Silvano Tomasi, respondeu que o aborto também é tortura, e acrescentou que a Igreja condena “qualquer forma de tortura, nomeadamente por aqueles que são torturados e mortos antes de terem nascido”.

No pontificado de João Paulo II, durante o qual decorreram as conferências do Cairo sobre a população (1994) e de Pequim sobre as mulheres (1995), a ONU e o Vaticano opõe-se nos temas da contraceção, aborto, divórcio e direitos das mulheres.

As agências da ONU acusam o Vaticano de favorecer a natalidade excessiva nas sociedades que não conseguem responder às necessidades da população e de colocar em destaque o papel da Igreja, ao travar indiretamente o desenvolvimento.

O Vaticano acusa as agências das Nações Unidas de violar os “direitos naturais” à vida e à família, de favorecerem o planeamento familiar e o controlo do crescimento populacional, além de exercerem um “imperialismo cultural”, no qual as concepções das sociedades desenvolvidas do norte são impostas às culturas do sul.

* * *

Ban Ki-Moon afirma que ONU e Santa Sé têm “mesmas metas e ideais” 

Por Zenit - 7 de maio de 2014, sessão inglesa | Tradução: Fratres in Unum.com – Em uma entrevista publicada na quarta-feira, o Secretário Geral da ONU, Ban Ki-Moon, afirmou que as Nações Unidas e a Santa Sé “tem as mesmas metas e ideais”.

O chefe da ONU, que se encontrará com o Papa na sexta-feira, declarou ser grato por poder encontrar o Santa Padre pela segunda vez (eles se encontraram pela primeira vez em abril do ano passado). Neste ano, ele observou que eles irão se encontrar “no contexto” da reunião da cúpula das agências da ONU, que se realiza nesta semana, em Roma.

“Sou grato pelo tempo que ele dedicará a nós”, declarou, segundo o jornal italiano Il Velino. “As Nações Unidas e a Santa Sé têm as mesmas metas e as mesmas ideais”, acrescentou.

“Quando nos encontramos, fiquei muito tocado por seu comprometimento em erradicar a pobreza, em atingir as metas do milênio, e por seu apoio à justiça social, tolerância e respeito mútuo.

“São assuntos importantíssimos, que lançam grandes desafios ao mundo”, disse.

Os comentários vêm após dois conselhos de monitoramento da ONU serem, recententemente, amplamente criticados por questionar injustamente a Santa Sé.

A ONU há muito diverge da Igreja sobre assuntos fundamentais relativos à vida, tais como contracapção, aborto e relações do mesmo sexo.

Tags:

9 Comentários to “Francisco e a ONU.”

  1. «O bom pastor dá a vida pelas suas ovelhas» (Jo 10,11). Desde quando o Senhor chamou Francisco a desempenhar a missão de Pedro na cidade eterna (Roma), as suas ações foram animadas por um único propósito: testemunhar que Cristo, Bom Pastor. Em razão disso, ele está continuamente à procura de todas as ovelhas perdidas, para as reconduzir ao redil e lhes tratar as feridas; para curar a ovelha débil e doente, proteger a que é forte e defender a vida desde a concepção até o seu fim natural. Aliás, “a defesa da vida é o limite da democracia” (S. João Paulo II). Em virtude disso, ele terá que pagar um alto preço por suas convicções, a exemplo de Jesus o bom pastor.
    Este é o meu papa!

    • HOJE O PAPA FRANCISCO BRILHOU, MAS AINDA ESTÁ LONGE. FALTA MUITO, ELE ESCORREGA EM muyitos asapectos, deveria ter esse vigor no que tange a união civil de homosexuais.

    • Rezemos pelo papa. Oremus pro pontifice nostro.

    • O Bom Pastor da a Vida pela suas ovelhas. Papa Francisco dá mão aos lobos e as entrega para serem devoradas.

  2. “As mesmas metas e ideais”!!! Valei-nos São Francisco Xavier!!! Só numa cabeça pagã made in China para sair uma asneira monumental dessas. Imaginem como é difícil transmitir para alguém com a alma tão deformada os princípios elementares da Fé Católica. Os chineses da época de São Francisco Xavier ao menos tinham vaga noção de espiritualidade e talvez até mesmo de um pouco de transcendência, ainda que suas religiões fossem imanentistas. Tenho muita pena desses pagãos que vivem num mundo absolutamente materialista, eles vivem um pré-inferno nesta vida. No entanto, se tal comparação é possível, é porque “a Igreja nunca esteve tão bem” e com a presença desse Sumo Pontífice a Igreja está longe de parecer uma ONG subalterna à ONU, como dizia um excelente sacerdote de cabelos brancos: essa Igreja que tem as mesmas metas e ideais da ONU é o “MASDRU” “Movimento de Animação Espiritual da República Universal”.

    Ab re publica universale: libera nos, Domine!

  3. Boa, Tomasi, essa pegou bem!

    Enquanto isso, a ONU impõe sua ditadura homossexual e feminista, e o genocídio via aborto = assassinato de crianças inocentes (desculpe a sinceridade politicamente incorreta; quis dizer “interrupção voluntária da gravidez” – pronto, falei!).

  4. É pena é que se tenha esquecido de chamar a atenção ao aborto quando estava no Brasil, quando era o foco das atenções, na altura a resposta para a sua omissão foi que a juventude já conhecia a doutrina católica. Agora que poucos estão a ver e como o encontro é de pouco interesse, lá vai agradando a alguns católicos mais exigentes e confusos com a suas atitudes.

    Mas as coisas não ficam por aqui, dá uma no prego e 10 na ferradura agora temos “Quem sou eu para impedir?”…”Para usar uma palavra de S. João XXIII: é justamente o Espírito Santo que ATUALIZA a Igreja: realmente, a atualiza e a faz prosseguir…. “!!!
    Não vamos ter que esperar muito para termos uma igreja feita pelos homens.
    http://www.news.va/pt/news/papa-o-espirito-santo-sempre-impulsiona-a-igreja-a

  5. A ONU assemelha-se a uma mãe-amiga e tola que sofreu muito na vida, e que agora quer fazer a vontade dos seus filinhos sem dizer-lhes não e jamais, sem no entanto, se preocupar com sua liberdade louca e com as consequências terríveis desta negligência, a qual chama-se de estar ao lado do povo.

    O velho Francisco assemelha-se a um pai bondoso e temeroso, cujo não quer desagradar os filhos e ter problemas com a mãe capitã, que diz querer o melhor para os seus filhos. Os filhos, rebeldes por esta má criação, estão insanos e ao lado da mãe boazinha, enquanto o pai é visto apenas como um provedor que concorda com tudo que a mãe decide, esta por sinal, conforme a vontade dos filhos mesmo, como dito.

    O que falta é pulso firme do pai que deveria ser o homem da casa.

    Pode falar o que quiser, mas enquanto a ONU não temer a Igreja, ela vai montar à cavalo no clero e no papa.

  6. Dias atrás o Papa viu seu “ibope” em risco.

    http://it.gloria.tv/?media=607033