Maria e os Muçulmanos.

O artigo a seguir foi escrito em 1952 e reeditado, em outubro de 2001, pela Fundação Cardeal Mindzenty – tradução para o português de Fratres in Unum.com.

Por Fulton Sheen *

O maometanismo é a única grande religião pós-cristã no mundo. Como teve seu início com Maomé no século VII, pôde reunir certos elementos do cristianismo e do judaísmo, juntamente com outros costumes da Arábia. O islã toma a doutrina da unidade Deus, Sua majestade e Seu poder criador, e a usa para repudir a Cristo, o Filho de Deus.

O poder do Islã

Compreendendo mal a noção da Trindade, Maomé fez de Cristo um profeta, anunciando-O tal como, para os Cristãos, Isaías e João Batista são profetas que anunciam a Cristo.

Dezenas de milhares de pessoas acompanham missa em homenagem à Nossa Senhora de Fátima no Santuário de Fátima, em Portugal. Nos últimos dias, uma multidão de peregrinos se dirigiu ao local para celebrar o aniversário da primeira aparição da santa, em 13 de maio de 1917, segundo a crença católica. Nesta sexta-feira (13), são esperadas 250 mil pessoas no Santuário Francisco Leong/AFP Photo

O Ocidente Europeu Cristão dificilmente escapou da destruição nas mãos dos muçulmanos. Em certo ponto, eles foram bloqueados próximo a Tour e, em outro, mais tarde, fora dos portões de Viena. A Igreja, por todo o norte da África, foi praticamente destruída pelo poder muçulmano e, no presente momento, eles começam a avançar novamente. Se o islamismo é uma heresia, como acreditava Hilaire Belloc, é a única heresia que nunca declinou. Outras tiveram um momento de vigor, e depois entraram em decomposição doutrinal com a morte do líder, para finalmente evaporar em um vago movimento social. O islamismo, pelo contrário, apenas passou pela primeira fase. Nunca houve um tempo no qual tenha retrocedido, seja em número ou na devoção de seus seguidores.

O esforço missionário da Igreja para com esse grupo foi, ao menos aparentemente, um fracasso, pois os muçulmanos são, até agora, quase inconvertíveis. A razão é quea um seguidor de Maomé se tornar cristão é quase como que um cristão se tornar um judeu. Os muçulmanos crêem ter a última e definitiva revelação de Deus ao mundo e que Cristo foi apenas um profeta anunciando Maomé, o último dos verdadeiros profetas de Deus.

No momento, o ódio dos países muçulmanos contra o Ocidente está se tornando um ódio contra o próprio Cristianismo. Embora os chefes de Estado não tenham se dado conta, há ainda o ameaçador perigo de que o poder temporal do islã possa retornar e, com ele, a ameaça de abalar um Ocidente que deixou de ser Cristão, afirmando-se como um grande poder mundial anti-cristão. Escritores muçulmanos dizem: “quando os enxames de gafanhotos escurecem países, trazem em suas asas estas palavras árabes: somos os mensageiros de Deus, cada um de nós tem noventa e nove ovos, e se tivéssemos cem, devastaríamos o mundo e tudo que há nele”.

O problema é: como evitar que o centésimo ovo seja chocado? Cremos firmemente que os temores que alguns nutrem em relação os muçulmanos não se realizarão, mas que o islamismo, pelo contrário, finalmente será convertido ao Cristianismo — e de uma forma que mesmo alguns de nossos missionários nunca suspeitou. É nossa convicção que isso acontecerá não pelo ensino direto do Cristianismo, mas por um chamado dos muçulmanos à veneração à Mãe de Deus. Esta é a linha de raciocínio:

Maria, Mãe de Deus

O Corão, a bíblia dos maçulmanos, tem muita passagens relativas à Santíssima Virgem. Primeiramente, o Corão crê em sua Imaculada Conceição e também em seu parto virginal. O terceiro capítulo do Corão cita a história da família de Maria em uma genealogia que remonta a Abraão, Noé e Adão. Quando se comparam os relatos do Corão e do evangelho apócrifo sobre o nascimento de Maria, somos tentados a crer que Maomé dependia muito deste último. Os dois livros descrevem a avançada idade e a esterilidade da mãe de Maria. Quando, apesar de tudo, concebe, a mãe de Maria proclama, segundo o Corão: “Senhor, ofereço-vos e consagro-vos o que fizestes em mim. Aceitai-a”.

Quando nasce Maria, sua mãe exclama: “E eu a consagro à Vossa proteção, com toda sua descendência. Ó Deus, contra Santanás!”

O Corão passa por alto quanto a José na vida de Maria, mas a tradição muçulmana conhece seu nome e tem alguma familiaridade com ele. Nesta tradição, José fala com Maria, que é virgem. Ao lhe perguntar como foi que ela concebeu a Jesus sem pai, Maria responde: “Não sabeis que Deus, quando criou o trigo, não necessitou da semente, e que Deus, por Seu poder, fez crescer as árvores sem ajuda da chuva? Tudo o que Deus fez foi dizer ‘faça-se’ e se fez”.

O Corão também contém versos sobre a Anunciação, a Visitação e o Nascimento. Contém pinturas dos Anjos acompanhando a Santa Mãe e dizendo: “Ó Maria, Deus vos escolheu e purificou, e vos elegeu sobre todas as mulheres da terra”.

No décimo nono capítulo do Corão, há 41 versos sobre Jesus e Maria. Há tal defesa da virgindade de Maria que o Corão, em seu quarto livro, atribui a condenação dos judeus à monstruosa calúnia deles contra Virgem Maria.

O significado de Fátima

Maria, então, é para os muçulmanos a verdadeira Sayyida, ou Senhora. A única séria rival em seu credo seria a filha do próprio Maomé, cujo nome é Fátima. Porém, depois da morte de Fátima, Maomé escreveu: “Sereis a mais bendita entre todas as mulheres do paraíso, depois de Maria”. Em uma variante do texto, Fátima diz: “Supero a todas as mulheres, exceto Maria”.

Isso nos leva a nosso segundo ponto: Por que a Santíssima Mãe, no século XX, revelou-se na pequena aldeia de Fátima, para que todas as futuras gerações a conhecessem como “Nossa Senhora de Fátima”? Já que nada acontece do céu sem a maior fineza de detalhe, creio que a Santíssima Virgem escolheu ser conhecida como “Nossa Senhorade Fátima” como promessa e sinal de esperança para o povo muçulmano, e como que assegurando-lhes que, uma vez que manifestam tanto respeito para com ela, um dia aceitarão também a Seu Divino Filho.

A evidência para respaldar essa opinião se encontra no fato de que os muçulmanos ocuparam Portugal durante séculos. Quando, ao fim, foram expulsos, o último chefe muçulmano tinha uma bela filha chamada Fátima. Um jovem católico se apaixonou por ela e, por ele, ela não só permaneceu quando todos se retiraram, como também abraçou a Fé. O jovem esposo estava tão apaixonado por ela que mudou o nome do povoado onde vivia para Fátima. Portanto, o local onde a Virgem apareceu em 1917 tem uma conexão histórica com Fátima, a filha de Maomé (e com a conversão dos muçulmanos).

A última prova da relação de Fátima e os muçulmanos é a recepção entusiástica que os muçulmanos na África, na Índica e em outros lugares deram à imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima. Eles assistiram às cerimônias da Igreja em honra a Nossa Senhora e permitiram procissões religiosas, e até oração diante de suas mesquitas. Em Moçambique, os muçulmanos que não se converteram começaram a ser cristãos depois que se erigiu uma imagem de Nossa Senhora de Fátima.

Missão estratégica

Os missionários do futuro irão, cada vez mais, ver que o seu apostolado entre os muçulmanos terá êxito na medida em que proclamem Nossa Senhora de Fátima; Maria é o advento de Cristo, que traz Cristo ao povo antes que Cristo nascesse. No trabalho apologético, é sempre melhor começar com o que o povo aceita. Já que os muçulmanos tem devoção à Virgem, nossos missionários deverão se satisfazer com o único fato de aumentar e desenvolver essa devoção com a plena consciência de que Nossa Senhora conduzirá os muçulmanos pelo restante do caminho até Seu Divino Filho… Tal como os que perdem a devoção à Virgem perdem a fé na divindade de Cristo, aqueles que intensificam essa devoção gradualmente adquirem fé na divindade de Cristo.

Muitos de nossos grandes missionários na África conseguiram quebrar o ódio amargo e os preconceitos dos muçulmanos para com os Cristãos por meio de seus atos de caridade, escolas e hospitais. Agora, resta-nos tomar outro caminho: pegar o capítulo 41 do Corão e lhes demonstrar que foram retirados do Evangelho de Lucas, que Maria não poderia ser, mesmo aos olhos deles, “a bendita entre todas as mulheres do céu” se não tivesse dado à luz o Salvador do mundo. Se Judite e Ester, do Antigo Testamento, prefiguravam Maria, então pode ser que Fátima seja uma figura posterior de Maria. Os muçulmanos deverão ser preparados para conhecer que, se Fátima deve dar espaço à honra da Santíssima Mãe, é porque ela é diferente de todas as mães do mundo e que, sem Cristo, ela não seria nada.

* Fulton Sheen foi um arcebispo católico norte-americano, pioneiro na propagação da Fé por rádio e televisão. Seus programas, na década de 50, contavam com uma audiência semanal de cerca de 30 milhões de espectadores. Em 2002, sua causa de canonização foi aberta e suas “virtudes heroicas” foram reconhecidas em 2012 — sendo, portanto, já um “Venerável”.

Tags:

18 Comentários to “Maria e os Muçulmanos.”

  1. Que PODER tem esta MULHER, que só é menor que o próprio DEUS….

  2. Na verdade, existem diversas fontes (que, sinceramente, parecem-me confiáveis) dando conta de que, pela primeira vez na história, está havendo uma conversão maciça de muçulmanos para o cristianismo em geral (não apenas para o catolicismo). A mensagem de Nosso Senhor finalmente penetrou no mundo islâmico, e somente o futuro poderá dizer como e até que altura, esta semente poderá germinar.

  3. Já tinha lido um artigo sobre esse tema. Faz muito sentido que seja de fato a Virgem Maria o ponto de conversão dos mulçumanos ao cristianismo. São até belas e muito interessantes as passagem do Corão sobre Nossa Senhora.

  4. correção: muçulmanos / passagens

  5. Nossa Senhora é a Rainha dos Céus e da Terra. Mãe de Deus e da Igreja, simples e direto assim. Essa é a única e verdadeira fé.

    E será essa grande mãe a força da Igreja, será ela o exército em ordem de batalha na grande perseguição vindoura que o corpo de Cristo viverá.

  6. Nossa Senhora será a grande medianeira dessas conversões. Que ela seja a seta a indicar seu filho Jesus aos povos muçulmanos!

  7. Penso que a Santíssima Mãe de Deus será mesmo a grande Co-Redendora Nossa, nos tempos que em que se estabelecerá o reino definitivo de Cristo Rei.

    Viva a Mãe de Deus, a Santíssima Virgem Maria, Nossa Senhora de Fátima!

  8. Que belo e prazeroso de se ler.

    Cá, o outro Alexandre.

    Sabe que isto é uma esperança tão plena! Mas a realidade é bem mais difícil do que as letras. Eu temo uma europa crente no Islão. Q a virgem rogue o melhor.

  9. Sempre o igualitarismo. quem criou e o foi propositadamente, procurou igualar Cristo a um simples profeta.

    • Certo Lucas… para se chegar ao céu necessariamente se deve passar a conversão verdadeira. No céu só há católicos. Sair da perversão maometana, claro, tá muito difícil.

      Mas o texto aborda de forma bem esclarecedora todo esse contexto factual. Por isso é muito bom.

  10. Os muçulmanos respeitam muitíssimo Maria,coisa que os pentecostais,neo-pentecostais e outros protestantes não fazem. Que coisa não?!

  11. Excelente texto: “quem é Esta que avança como Aurora? Temível como exército em ordem de batalha.” É Maria, a esposa do ES, mãe de Jesus e filha de Deus-PAI. Quem abaixo de Deus é capaz de superá-la em honra, méritos, humildade, caridade?

    Hoje, comemoramos as aparições de Fátima (Portugal – 1917). Também em 1917, iniciou-se o Comunismo, com sua revolta contra Deus e querendo transformar o mundo num paraíso terrestre, mas acabando por precipitá-lo num inferno: veja o caso de URSS, Cuba, Coreia do Norte… e a luta entre a “mulher vestida de sol” contra o “Dragão” vermelho continua até os dias de hoje.

    A Virgem salvou o papa mariano João Paulo II (“totus tuus”) do atentado na praça de S. Pedro (13/maio/1981), cuja bala encontra-se na coroa de N. Sa em Fátima. Até o líder soviético Mikhail Gorbachev confessou: “O colapso da Cortina de Ferro teria sido impossível sem João Paulo II”.

    A Virgem inspirou a Princesa Isabel (Brasil), sua grande devota, para sancionar a Lei Áurea (Lei Imperial n.º 3.353). Detalhe: a Lei Áurea foi assinada em 13 de maio de 1888, extinguindo a escravidão no Brasil.

    O próprio papa emérito Bento XVI nos alertou sobre algumas realidades na sua viagem à Fátima (mai/2010), ao revelar:
    - “Maior perseguição à Igreja” não vem de “inimigos de fora, mas nasce do pecado da Igreja”. “A Igreja tem uma profunda necessidade de reaprender a penitência, de aceitar a purificação, implorar perdão”, disse Bento XVI.
    Duas partes do discurso de Bento XVI (maio/2010 -Fátima) me chamaram a atenção, a saber:
    1) “Iludir-se-ia quem pensasse que a missão profética de Fátima esteja concluída”.
    2) “Possam os sete anos que nos separam do centenário das Aparições apressar o anunciado triunfo do Coração Imaculado de Maria para glória da Santíssima”.

    Outro papa mariano, Francisco, foi eleito no dia 13/mar/2013 (dia 13, assinatura da mãe de Deus) reza diariamente o Santo Terço.

    Oxalá estejamos prontos para os “ataques do mal”, externos e internos, mas lembrando sempre que “As forças do bem estão presentes e, no final, o Senhor é mais forte do que o mal”, afirmou o papa Bento XVI, sublinhando que “a bondade de Deus é a última palavra da história”.

    “No fim, o meu imaculado coração triunfará” (Fátima- Portugal – 1917).

  12. Impressionante a atualidade do texto do venerável Fulton Sheen.

  13. São palavras profeticas de Maria em Fátima: “Por fim Meu Imaculado Coração triunfará!”
    O triunfo se estenderá ao mundo islâmico, que se converterá. Para que isto aconteça, entre outras coisas, é preciso que a Santa Igreja volte a fazer apostolado e abandone o ecumenismo atual. Não é beijando o pé de muçulmanos que virá a graça da conversão dessa gente. É através de Maria Santíssima.

  14. Que me desculpe o meu querido Fulton Sheen, mas qualquer coisa que venha dessa religião maldita, até mesmo um elogio à Maria é pura blasfêmia!! E eu não me surpreendo nem um pouco com isso, visto que há várias obras santas que nos contam que o demônio nunca conseguiu tentar Maria, nem mesmo com elogios semelhantes aos do satânico Maomé, por causa de sua profunda humildade.
    Por sua santa e imaculada concepção Maria era imune ao orgulho e à vaidade.
    Agora me digam, como pode uma religião dizer que respeita ou venera Maria se distorce a própria história da Encarnação?
    Quem de nós poderia se sentir honrado se algum autor resolvesse escrever uma biografia a nosso respeito recheada de mentiras e fatos inventados?
    De fato, Maria recebeu a mensagem da Encarnação do Verbo através do anjo Gabriel, e aí vai o filho-do- pai-da-mentira, o invejoso Maomé e diz que o mesmo anjo Gabriel que apareceu a Maria, também ditou mediunicamente pra ele, o famigerado livro com uma “mensagem” bem diferente daquela descrita nos Evangelhos.
    E assim os Versos Satânicos, vulgo “Alcorão”, narram o Natal de Jesus que os muçulmanos tanto veneram que nem celebram:

    “Louva a Maria no Alcorão, célebre também a sua família e o dia em que se afastou dela para o Oriente. Tomou às ocultas um véu para cobrir-se e lhe enviamos o anjo Gabriel, nosso espírito, encarnado num homem.
    Ao vê-lo, não o conhecendo, Maria exclamou – A misericórdia é o meu refúgio. Se temes a Deus . . .
    O anjo lhe disse – Sou o enviado do teu Deus e venho anunciar-te um filho bendito.
    - De onde me virá esse filho – retrucou a virgem – pois nenhum mortal se aproximou de mim e desconheço o vício.
    - Não obstante, o filho virá – replicou o anjo – pois a palavra do Altíssimo assegurou o milagre, que não é difícil. Teu filho será um prodígio e a felicidade do universo. Esta é a ordem do céu.
    Maria foi fecundada e retirou-se para um lugar afastado. As dores do parto a surpreenderam junto a uma palmeira e ela exclamou -Deus quis que eu morra esquecida e abandonada dos homens, antes de conceber.
    O anjo lhe disse – Não te aflijas, Deus fez correr um riacho debaixo de ti, sacode o tronco da palmeira: Ele vai deixar cair tâmaras madura e frescas sobre ti. Então, coma, beba e fica satisfeita e sossegada”. Enxuga o pranto e se alguém te interrogar, responde – Fiz um voto ao Misericordioso e hoje não posso falar a nenhum homem.
    Maria regressou ao seio da família levando Jesus nos braços. E lhe disseram: “Maria, aconteceu-te uma estranha aventura! Irmã de Aarão, vosso pai era justo e vossa mãe era virtuosa!”
    A essa repreensão ela fez um sinal para que falassem à criança, mas lhe perguntaram: “Falaremos a uma criança de peito?” O menino respondeu: “Eu sou de fato um servo de Allah. Ele me deu a revelação e fez-me um profeta, e Ele tem me abençoado, onde quer que eu esteja, e tem intimados sobre mim Oração e Caridade, enquanto eu viver”.

    Misturam Maria, a mãe de Jesus que recebeu a visita do Anjo Gabriel com Miryam, a irmã mais velha de Moisés e de Arão; o cântico do Magnificat onde se diz claramente: “Doravante todas as gerações me chamarão bem-aventurada” é substituído por um lamento imprecatório: “Deus quis que eu morra esquecida e abandonada dos homens, antes de conceber”.
    Ao invés dos anjos que aparecem aos pastores na noite de Natal, aparece um só pra Maria que por sua vez deu à luz sozinha debaixo de uma palmeira…nada se manjedoura, nada de São José, nada do casal de Nazaré indo se recensear em sua cidade natal, o menino Jesus teria falado ainda quando era um recém-nascido se auto-proclamando “profeta”. Nunca vi tanta asneira junta! É um insulto à inteligência de qualquer cristão!
    Não se enganem: os muçulmanos não tem nenhuma devoção à Santíssima Virgem Maria descrita nos Evangelhos, mas sim a veneração a uma versão de “vírgem” inventada a partir do plágio que o satânico Maomé fez das Sagradas Escrituras.
    Não pensem que pra eles Maria é “a bendita entre todas as mulheres do céu” por ter dado à luz ao Salvador do mundo.
    Pra eles, ela é tão bendita como Maomé, por terem sido ambos escolhidos por “Allah” para receber uma mensagem do céu através do anjo Gabriel.
    Para os muçulmanos Jesus permanece sendo apenas um profeta e mesmo assim um profeta menor já que Maomé é o maior de todos, o único e o último.
    O pior é que nessa onda de ecumenismo, já tem Católico engolindo essas heresias e ainda elogiando o livro maldito como faz a CNBB através da Pastoral da Criança:

    http://www.pastoraldacrianca.org.br/pt/maria-nas-religioes/1351-maria-no-sagrado-alcorao

    Ah que falta faz um Santo Atanásio!

  15. “Deus juntou todas as águas e chamou Mar… juntou todas as graças e chamou Maria” (São Bernardino de Sena, citado por S. Luiz Maria Grignon de Monfort no Tratado da Verdadeira Devoção)

  16. Parabéns, Fratres, pelo belo artigo. Eu também acredito que o triunfo do Imaculado Coração da Virgem Maria converterá não apenas a Rússia, mas também o mundo islâmico. Só mesmo Israel, cujo Talmud blasfema contra Nossa Senhora, não se converterá.

  17. Tudo o que não vem da Igreja Una Santa Católica e Apostólica não passa de caricaturas da verdade, é o que acontece com os muçulmanos e a Santíssima Virgem; contudo, o que me parece é que Dom Fulton Sheen, repetindo as palavras da Igreja, só quer ressaltar que se há um caminho seguro para a conversão dos maometanos, ele obrigatoriamente deve passar pela Virgem Imaculada. Que o Coração Imaculado de Maria triunfe sobre o mundo inteiro, especialmente sobre a ameaça muçulmana!