A maçonaria tem um papel importante no Clube Bilderberger, The Elders, Clube de Madrid…

O fundador de Noticias Globales, Mons. Juan Claudio Sanahúja, revela nesta entrevista pontos fundamentais para entender os objetivos da Nova Ordem Mundial e as verdadeiras pretensões da ONU. 

Por Religión en Libertad | Tradução: Fratres in Unum.com* – Juan Claudio Sanahúja nasceu em Buenos Aires em 1947 e obteve o doutorado em teologia na Universidade de Navarra em 1973. Foi ordenado sacerdote em 1972 e pertence ao clero da prelazia do Opus Dei. É autor de O Grande Desafio: a cultura da vida contra a cultura da morte; O desenvolvimento sustentável: a nova ética internacional; e Poder Global e Religião Universal.

Noticias Globales é uma referência para entender mais profundamente o que ocorre a nível mundial. Como nasceu a iniciativa? 

Noticias Globales nasceu em 1998. Era preciso informar: não se conhecia o mecanismo interno da ONU; se confundiam, por exemplo, as assembléias gerais ou as conferências internacionais com reuniões de comissões. Nós tínhamos muita informação e iniciamos o projeto.

À informação do boletim, acrescentamos os livros O Grande Desafio: a cultura da vida contra a cultura da morte, anterior ao começo do boletim; O desenvolvimento sustentável: a nova ética internacional; Poder Global e Religião Universal. Agora, está para sair uma edição corrigida e ampliada de O Grande Desafio.

Uma das insistências da modernidade é a grande ética laica mundial. É possível uma ética sem Deus?

É impossível que sem Deus se possa edificar uma ética sólida, a ética faz referência a princípios transcendentes e estes só podem vir de Deus. Há tentativas de edificar éticas laicas, mas estes projetos estão a serviço de ideologias neo-pagãs que, facilmente refutadas, ainda que com o apoio dos meios de comunicação (pareçam impor-se), terminam por cair deixando pessoas desvalidas, à deriva, que buscam acreditar em algo.

É compatível o respeito aos princípios inegociáveis com uma cosmovisão não-cristã?

Não é impossível, mas muito difícil. Há que se ter, por detrás, sempre uma cosmovisão transcendente. Eu diria que os princípios inegociáveis são fruto de uma visão judaico-cristã.

O que, na realidade, buscam os neo-malthusianos? Poderíamos dizer que a palavra que sintetiza os esforços da ONU é esterilidade?

A Organização Mundial da Saúde estabeleceu, no início dos anos 90, quando se apresentou o novo paradigma da saúde, que o cidadão da nova ordem mundial é o adulto são e produtivo. Os que são ou podem chegar a ser sãos e produtivos são os únicos que possuem direitos humanos. Todos que não alcancem este padrão/patamar devem ser deixados à margem da história, evitar que nasçam; e, se nascem, não investir em seu bem-estar nem um centavo. Desde este ponto de vista poder-se-ia dizer que os esforços da ONU se sintetizam na palavra esterilidade, ou, melhor, esterilidade seletiva.

Até que ponto a incorporação da mulher na vida profissional integra essa estratégia mundial de esterilidade?

Isto é evidente. Desde a Conferência de Dacca, em 1969, figura nos planos da Planned Parenthood a proposta do Presidente da Population Council, Dr. Berelson. Concretamente, as conclusões dessa conferência dizem: ”alterar a imagem da família, fazendo com que as mulheres se dediquem ao mercado de trabalho”. Desde logo, nestas conclusões também figura o fomento à homossexualidade. Estão há quase 50 anos trabalhando com estes objetivos.

O senhor fala muito de ecologismo. Qual a ameaça do ecologismo na antropologia modernista?

Para a ONU e outras organizações, o ecologismo é um bom substitutivo. Por exemplo, não se pode dizer às pessoas que não existem 10 mandamentos sem substituí-los por algo. Com a pressão dos meios de comunicação se pode inculcar/persuadir que uma pessoa que cuida de não jogar papel na rua, recicla o lixo ou se alimenta de determinada maneira se faz solidária com o mundo, com as gerações futuras e, no fim das contas, cuida do planeta e, nesta linguagem/mentalidade, quer dizer que se está justificado. E assim, a Terra ocupa o lugar de Deus.

Não quero dizer que não seja importante cuidar do mundo em que vivemos. Tem importância. Mas primeiro estão os Mandamentos da Lei de Deus.

Existe uma plano de governo mundial? A maçonaria é parte deste plano?

Os planos de governo mundial nos quais a maçonaria tem papel importante vêm desde a Primeira Guerra Mundial ou talvez um pouco antes.

Qual o papel do sionismo internacional neste plano?

Nestes planos se integram uma quantidade enorme do que se pode chamar de mesas de consenso e o sionismo pode influir em algumas delas. Precisamente, eu me deteria nas redes de organizações não-governamentais que marcam a agenda da ONU, por exemplo, no Clube de Madrid, Clube de Budapest, grupo The Elders, as mesas de consenso relacionadas à Carta da Terra, o grupo Bilderberger, a organização multi-religiosa Religiões para a Paz, e a United Religions Iniciative, o Foro sobre o Estado do Mundo, a Comissão de Governabilidade Global, e, é claro, o Conselho de Relações Exteriores, a União Internacional de Parlamentários, e poderíamos seguir.

Em todas, a maçonaria tem um papel importante, algumas destas organizações são mais dialogantes que outras, mas todas têm a mesma finalidade: concentrar o poder em poucas mãos abolindo as soberanias nacionais e instrumentalizar as religiões, isto é, colocá-las a serviço de seus próprios ditames.

O senhor crê que haja ingenuidade ou candura entre os católicos acerca do que representa a ONU?

Respondo citando Mons. Luigi Negri, arcebispo de Ferrara: vastíssimos setores católicos estão minados por ”demasiado irenismo há décadas, para os quais a preocupação fundamental não é nossa identidade, senão o diálogo a todo custo, estar de acordo com as posições mais distantes.”

”Este respeito a diversidade das posições culturais e religiosas, sustentado pela idéia de uma substancial equivalência entre as diversas posições e religiões, é o que faz o catolicismo perder sua absoluta especificidade. Um irenismo, uma abertura, uma vontade de diálogo a todo custo, recompensada da única maneira que o poder humano sempre recompensa estas atitudes desordenadas de compromisso: o desprezo e a violência.”

Por isso, o perigo está na situação interna da Igreja e não fora. Há muito, ouvi São Josemaria Escrivá dizer que ”se o mundo está em trevas, é porque a Igreja deixou de ser luz.”

Há uma busca exagerada pelo ”sinal dos tempos”, geralmente contrários à doutrina católica. Em vez de procurar a conversão das pessoas, pretendem que a Igreja se adapte a essas situações, às vezes lamentáveis, como a dos divorciados que voltam a se casar. Não digamos nada dos homossexuais, que parecem intocáveis.

De modo acrítico se aceita qualquer questão como verdadeira: os supostos dados dados/cifras catastróficos dos ecologistas; a falsidade dos números de mortes por aborto ou do contágio do vírus HIV. O que leva, também acriticamente, a juntar-se para uma causa comum que oculta metas iníquas como são os objetivos do milênio para o Desenvolvimento e a futura agenda para o Desenvolvimento Sustentável.

Essa estratégia globalista tem aliados dentro da Igreja Católica?

Sim, de uma maneira ou de outra. Há infiltrados na Igreja e há também idiotas úteis.

Há uma certa preocupação entre alguns cardeais pela exposição que Walter Kasper fez no consistório de fevereiro. Crê que a Igreja acabará dando a comunhão a divorciados que voltaram a se casar?

Não creio que a Igreja chegue a comunhão a divorciados que voltaram a se casar. Se o fizesse, deixaria de ser a Igreja de Jesus Cristo.

O Catecismo da Igreja Católica é muito claro: ”Por isso, não podem aproximar-se da comunhão eucarística, enquanto persistir tal situação. Pelo mesmo motivo, ficam impedidos de exercer certas responsabilidades eclesiais. A reconciliação, por meio do sacramento da Penitência, só pode ser dada àqueles que se arrependerem de ter violado o sinal da Aliança e da fidelidade a Cristo e se comprometerem a viver em continência completa.” (1650)

O senhor dizia que o lobby gay trata de incluir seus postulados em matéria de religião na Espanha. O senhor crê que haja uma importante presença do lobby gay na Igreja da Espanha? E na Santa Sé?

Em grande parte, nós deixamos o lobby gay crescer. Remeto-me à resposta que dei à pergunta sobre a ingenuidade dos católicos. É inaudito que hoje, em muitos ambientes, não se possa dizer que a homossexualidade é uma tendência objetivamente desordenada, como diz o Catecismo da Igreja Católica no número 2358. E praticamente se ocultam os documentos da Igreja que começam com a Declaração Persona Humana de 1975, sob o pontificado de Paulo VI, em diante.

Ao mesmo tempo, afrouxou-se/relaxou-se a disciplina eclesiástica. Certas hierarquias católicas deixaram que pessoas com essa tendência se ordenassem sacerdotes ou acedessem a cargos de certa responsabilidade eclesial, na catequese, nos colégios católicos etc. E assim, se foi estendendo uma espécie de má tolerância, de falsa caridade, que nos levou a situação atual.

Evidentemente, há, ademais, a pressão externa à Igreja para aceitar estes comportamentos. O cardeal Ratzinger advertia acerca disso, em 1995, dizendo que havia certos grupos de pressão que pretendiam mudar a opinião pública para que a homossexualidade fosse considerada uma forma normal de sexualidade e, ao mesmo tempo, exigiam que a Igreja revertesse seu juízo sobre ela. Esses grupos, dizia o cardeal, acusam de discriminação a todos que deles discordam.

Na Espanha pediam prisão para o Cardeal Sebastían por recordar que a homossexualidade é uma doença. Há esperança? Que futuro aguarda os católicos?

Pessoalmente aconselho a leitura e meditação freqüente do número 675 do Catecismo da Igreja Católica, no qual se fala da segunda vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo: ”Antes da vinda de Cristo, a Igreja deverá passar por uma prova final, que abalará a fé de numerosos crentes (639). A perseguição, que acompanha a sua peregrinação na Terra (640), porá a descoberto o «mistério da iniquidade», sob a forma duma impostura religiosa, que trará aos homens uma solução aparente para os seus problemas, à custa da apostasia da verdade.” Não digo que estejamos às vésperas da segunda vinda de Cristo, mas este texto ajuda a nos localizarmos; ajuda a pensar que não estamos destinados para o que os homens chamam de êxito ou para sermos aclamados pelas multidões.

Nosso triunfo é outro, é o de unirmo-nos a Cruz de Cristo, é o de configurarmo-nos à Ele e, depois da morte, chegar ao Céu. Nossa esperança está na Cruz e na Ressurreição.

* Nosso agradecimento a um caríssimo amigo, futuro sacerdote de Cristo, pela tradução gentilmente fornecida.

18 Comentários to “A maçonaria tem um papel importante no Clube Bilderberger, The Elders, Clube de Madrid…”

  1. ”Se o mundo está em trevas, é porque a Igreja deixou de ser luz.” Essa frase muito dura, pesada, humilhante por sinal para a Igreja de S José Escrivá, destinada a cada um de nós, tem todo sentido, pois se o mal cresce a olhos vistos, estamos por detrás disso, mesmo que nunca desconfiemos, a partir de nossos comportamentos gerais que nos comprometem como católicos.
    Dentre essas atitudes e seus reflexos é a existência aqui no Brasil por ex., um governo comunista com nossos votos que cada dia coloca uma lei mais anti cristã que outra, persegue a Igreja e com nossa ajuda.

  2. “Nosso triunfo é outro, é o de unirmo-nos a Cruz de Cristo, é o de configurarmo-nos à Ele e, depois da morte, chegar ao Céu.”

    Isso deveria continuar a ser dito e gritado mundo afora nas igrejas.

  3. São Josemaria Escrivá: ”se o mundo está em trevas, é porque a Igreja deixou de ser luz.”
    Esta frase resume bem o caos relugioso e social que está no mundo.
    Que a Igreja e os Papas possam ser luminosos novamente, para nos guiarem num caminho seguro para a eternidade feliz junto de Nosso Senhor e Nossa Senhora.

  4. Faz algum tempo, o Papa Francisco disse que a Igreja não deve interferir na vida privada dos homossexuais, depois disso, acho muito coerente ele acolher o discurso do Cardeal kasper para liberar a comunhão para os divorciados, afinal, se a Igreja não deve interferir na vida privada dos homossexuais, ela também não deve interferir na vida privada dos heterossexuais. Mas eu estou aprendendo que como o Padre Fabio de Melo falou, o Papa Francisco não quer ser levado a sério, por exemplo, quando ele falou que a Igreja estava obcecada pelo aborto eu fiquei com raiva dele, mas uma semana depois ele falou justamente ao contrário, que o aborto é pior que a fome e que a guerra porque é descartar seres humanos e que é um crime contra a humanidade, por isso eu ainda tenho esperança que ele diga como o Papa Bento XVI dizia, Que a Família é a união entre um homem e uma mulher unidos em sagrado matrimônio, aí está o problema da comunhão para os divorciados, pois se a Igreja não deve interferir na vida dos homossexuais, também não deve interferir na vida dos heterossexuais.

  5. Outro dia eu estava lendo um texto que me enviaram por email, sobre o lamento do Profeta Oséias e me chamou atenção a parte que dizia:

    “O Senhor está em litígio com os habitantes da terra. Não há sinceridade nem bondade, nem conhecimento de Deus na terra. Juram falso, assassinam, roubam, cometem adultério, usam de violência e acumulam homicídio sobre homicídio (4,1-2). Isso realmente não é novidade nos dias de hoje. Não existe um só país da terra, onde não se cometam aos milhares estas coisas. Mas olhe o que o profeta diz: Entretanto, ninguém poderá acusar o povo, nem o repreender, mas eu censuro a ti, ó sacerdote. Tu tropeçaras em pleno dia, assim como o profeta durante a noite. Far-te-ei perecer, porque meu povo se perde por falta de conhecimento (4,4,5).
    Ora, certamente, que nós leigos temos a nossa cota de culpa, pelo estado de morte em que hoje estão as almas de milhares de sacerdotes, entretanto, um grave ônus pesa nas costas deles, porque os números são assustadores. Considerando, por exemplo, que talvez nem 1/3 dos padres ainda celebra a Missa diária, perdemos certamente mais de 850 mil Santas Missas num único dia. E isso é insubstituível! Nem que todos os seis bilhões de habitantes da terra caíssem de joelhos e rezassem o dia inteiro, ainda assim não compensariam o volume de graças que se perdem por falta destas Missas. Vejam, não seria tão difícil salvar o mundo! Agora coloque no mesmo lagar da ira de Deus, todas as bilhões de confissões que deixam de ser feitas, todos os outros milhares de sacramentos que deixam de ser bem administrados, e saiba exatamente o motivo principal, que levará Deus a ter que esmagar, triturar e espedaçar a terra a fim de punir os seus habitantes!”

    Faz todo sentido! E o pior é que o pouco que ainda é feito, é malfeito, às pressas e com ritos adulterados. Se em toda a outrora Católica América Latina os Governos de esquerda triunfaram foi graças à militância das Conferências Episcopais que praticamente empurraram o Comunismo para os leigos disfarçado de “Teologia da Libertação”.
    Aqueles que tentaram resistir foram neutralizados e até expulsos de suas paróquias. Minha família é um exemplo disso. Sofremos na pele por resistir e denunciar padres TL. Quantas cartas meu marido escreveu ao Vaticano pra denunciar abusos e caía em ouvidos surdos! Só mais tarde quando conhecemos a Tradição Católica é que viemos a saber que estávamos denunciando os ladrões aos chefes da quadrilha.
    E essa quadrilha de impostores que tomou de assalto postos chaves na hierarquia Católica foi preparada há séculos atrás.
    Desde a época da Revolução Francesa, a maçonaria declarou guerra à Igreja de Cristo. Todas as confusões causadas pra acabar com os Estados Pontifícios na Itália foram provocadas pela Maçonaria. É sabido o envolvimento de muitos membros do clero e da alta hierarquia com a Maçonaria. Antes eles escondiam, agora muitos deles tem a cara de pau de celebrar missa pública para os maçons. Antes saíam na calada da noite pra encontrar a prostituta, hoje saem com ela de braços dados, com sorriso no rosto e ainda dizem que estamos vendo pecado onde não existe! O inimigo está dentro de casa e não lá fora.

    • ”Quantas cartas meu marido escreveu ao Vaticano pra denunciar abusos e caía em ouvidos surdos!”

      Ufa!… Até que enfim… Até que enfim uma dúvida honestamente intrigante foi dissipada, Gercione.

      Explico: há muito tempo (muito mesmo!) acompanho seus textos e respostas aqui no Fratres. Sempre que tem um assunto polêmico aqui, já fico na expectativa para saber o que vc pensa e o que escreveu ou vai escrever sobre. Compartilho com muitas de suas convicções e posições (embora nem todas). Mas o que mais estimo em seus textos é a clareza, franqueza e o modo incisivo com o qual se expressa, sem meias palavras, especialmente no que se refere ao papa Bergoglio, coisa que só encontrei em vc e no Carlos Reis.

      Num mundo onde há pelo menos 50 anos(desde João XXIII) até o Magistério faz questão de ser ambíguo, dúbio e recorrer a uma linguagem moderada e melíflua, num mundo onde os católicos se apressam em encontrar mais do que depressa, como um malabarista, uma desculpa às aberrações e absurdos bergoglianos, soa como música e vale como ouro um discurso sem meias palavras.

      No entanto, uma dúvida crônica nunca se dissipava, a saber: como Gercione é um nome unissex, eu não sabia se era A Gercione ou O Gercione.

  6. Leiam a encíclica Humanum Genus do Papa Leão XIII.

  7. “A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular” (1 Pedro 2:7)

    O clube Bilderberg (União Europeia + EUA) é formado pela alta maçonaria (“Sinagoga de Satanás”´ou “Governo da Sombra” ou “Senhores do mundo” ou “Nobreza Negra”). Trata-se da elite mundial que governa mundo inteiro, seja através dos Governos, do Google, dos Bancos, da Imprensa…

    Eles querem implantar a Nova Ordem Mundial – NOW, com a ajuda financeira dos banqueiros judeus (tribo de Dã, excluída das 12 tribos de Israel: vide Apocalipse 7, 5-8 X Gênesis 49,16) e da Pantera Negra (Maçonaria eclesiástica infiltrada nas fileiras católicas e cristãs).

    Como a história se repete. O apóstolo que traiu Jesus foi Judas. E ele era o banqueiro de Cristo (cuidava da bolsa dos apóstolos). E, hoje, os banqueiros judeus dão as ordens no planeta. Veja as família judias: Rockefeller, Rothschild, Safra…

    Já São Maximiliano, o mártir polonês, era seminarista em Roma quando presenciou uma manifestação da maçonaria, em plena Praça São Pedro:
    “Naquele dia de 1917, estava também o jovem seminarista polonês na Praça de São Pedro, Maximiliano Kolbe, quando um grupo de maçons – que celebravam os 200 anos da fundação da Grande Loja – abriu uma faixa onde estava escrito:
    “Satanás reinará no Vaticano, e o Papa será seu escravo”.

    Imperdível, portanto, é a leitura obrigatória da obra: “Poder Global e Religião Universal”, do monsenhor argentino Juan Claudio Sanahúja.

  8. A consequência prática mais funesta do CV II foi a perda da luta dos Católicos. A Igreja deixou de ser militante. Os Católicos, no dizer do Padre Paulo Ricardo, já “entra na luta derrotado”, somos soldados sem general, sem ardor, acuados, com medo…nos preocupando mais em dialogar com o inimigo enquanto o inimigo, já declarou guerra até o fim contra nós.

    Nossa missão hoje na Igreja é sobreviver a esse inverno tenebroso. Muitos tiveram a graça de nascer na primavera, nós nascemos no inverno. Mas Deus está no controle!!

  9. Muito lúcida a entrevista dele. Realmente vivemos tempos difíceis. O tempo da impiedade. Permaneçamos firmes na fé e nos valores ensinados por Nosso Senhor Jesus Cristo.

  10. De todos esses grupos, o mais poderoso e nefasto é o Bildeberg, pois é o que mais movimenta poder e dinheiro, juntando chefes de Estado, diversas monarquias europeias e presidentes de multinacionais.

    Eles são tão poderosos que, mesmo sendo pessoas destacadas mundialmente, conseguem se reunir e abafar não só a pauta como a própria existência da reunião na grande mídia, que por sua vez também lhe é cúmplice.

    Esse ano mesmo eles já se reuniram. Alguém viu isso na TV? Claro que não!

    http://www.midiasemmascara.org/artigos/globalismo/15237-bilderberg-2014.html

  11. A maçonaria como um todo é pura contradição e não há nada mais incoerente e anacrônico no mundo. Liberdade com escravidão pelo segredo e ocultação até de um grau para o outro sobre o engano que entre si recai, fraternidade somente entre eles, mas que leva à morte se um deles disser quem é maçon ou confessar algum segredo entre eles mesmos e igualdade nem se sabe entre quem ou para quem, pois, entre eles mesmos tudo difere a começar pelos diversos graus e pela direção exclusiva e com toda ocultação do grau superior. E ainda têm coragem de defender democracia apenas externa, direção e voto femininos apenas externos, transparência externa, etc. A maçonaria com tanta incoerência criou um mundo tanto de fachadas como de infiltrações, o que é uma óbvia decorrência da ocultação. Ou seja, tudo, hoje, é mera propaganda e todo mundo se defende na base do “me engana porque eu gosto”. E todos se fazem essa contradição ambulante, denunciando amor ao dinheiro e ao favorecimento individual, o que ainda mais denota a ausência de igualdade. Fico-me perguntando a razão de se manter algo tão fora do tempo como a maçonaria e só posso entender o motivo como sendo a panelinha por dinheiro e pelo poder, até mesmo no comércio, talvez o setor mais dependente da maçonaria. E se nota claramente nas cidades onde a maçonaria é mais forte um grande medo até de conviver e um grande controle sobre tudo com vários assuntos proibidos, algo, sim, que nos leva à época das trevas. Tenho pena de muitos maçons, porque sei que não queriam nada disso e que se submeteram a isso, pois viram nisso a única forma de sobrevivência. E a pena maior está no atraso para a alma. As almas ficam sufocadas até pelos dogmas maçônicos, os quais nem deixam a razão funcionar. Vejam alguns: o malthusianismo, a ilusão de que deve haver pouca população, quando toda a história mostra que houve progresso apenas quando a população aumenta e uma dependência em relação a este aumento exponencial para que proporcionalmente uma nação progrida e produza mais. Entretanto, mais do que isso, denota que os maçons consideram Deus ou o tal do arquiteto o ser mais burro ser com existência ou um péssimo matemático, já que não pode Ele mesmo controlar o número de suas criaturas e nos ter dado um planeta que aguentasse de antemão até as maiores consequências de nossos pecados. Outra burrice é a tal da evolução, comprovado que está que não param de aparecer novas espécies e que, entretanto, as células sempre forma as mesmas desde quando fossilizadas. Outro mito é a da destruição do planeta pelo homem, o que é impossível até com todas as bombas atômicas, já que o poderio delas saiu do próprio planeta e é apenas uma pequena parte dele, capaz no máximo de varrer a superfície, mas não de destruir tudo. E aí, de mito em mito, vão controlando a população a partir do medo, como quando fazem as crianças acharem que elas que poluem e não as fábricas que em nada sofrem restrições, nem quanto às embalagens de seus produtos. E, agora, indo direto contra a natureza, dizendo que nascemos sem sexo e fazendo o Estado intrometer-se na família, apenas para que ninguém mais queira casar e ter filhos, como pedem o casal Gates com suas vacinas, a família real britânica e os Rothschild, os quais nunca quiseram que o papa nos trouxesse o magistério divino, exatamente, para que eles se fizessem o magistério do mundo. Valha-me Deus e ainda me pergunto como o homem moderno, que se diz tão técnico e tecnológico, pode acreditar em tantas fachadas…

  12. Viajo milhares de quilômetros e não vejo ninguém e muitas vezes nem gado. Uma vastidão vazia e tudo improdutivo e para todo lado e me pergunto, como o planeta pode estar lotado de gente? Ah, colocam um país quase inteiro em duas ou três cidades e por quê? O que se esconde por trás de tanta urbanidade? O comércio e o controle de massas, principalmente através da liberação sexual, o que mais impulsionou o consumo na história. Só que não querem que o parquinho de diversão do sexo recaia na produção de novas almas e vidas, para o que o sexo foi feito e o que faz a maior inveja do demônio em relação aos homens, já que podemos criar juntos com Deus, então, dizem para nos divertirmos à vontade, produzem bilhões e bilhões de preservativos com plástico petrolífero que quase nunca dissolve (o que, no caso, “não polui”), mas não querem os filhos em consequência. E, aí, aborto, divórcio instantâneo, pílulas, vacinas e terror de casar e de ter filhos, terror de que o povo é quem se auto-destrói e de que o povo é que é o grande criminoso… Isso para não falar na corrida pelos juros desde quando a Igreja foi contra, ao menos, os juros compostos, porque é usura mesmo… Mas deixa para outra hora… Por que querem um planeta vazio? Não são eles. É Satanás por trás deles. Ele que não quer que criemos, que demos almas a Deus. Seus cúmplices querem apenas acumular dinheiro e poder sem ter culpa ou remorso. Querem idolatrar e crer que sua idolatria não traz desequilíbrio algum e que não são culpados pelos pecados alheios, mesmo depois de incentivá-los de todas as maneiras, simplesmente, porque creem que fazer de tudo para ganhar e aumentar o próprio dinheiro é normal.

  13. E agora? O que os católicos que seguem Olavo de Carvalho vão dizer ?

  14. Os objetivos da Nova Ordem Mundial-NOW, segundo o monumento de granito conhecido como as Pedras Guia da Geórgia (Georgia Guidestones), que fica a 72 quilômetros de Atlanta (Estado da Geórgia), e são visíveis da Rodovia 77 (Highway 77), encontram-se descritos abaixo. Nas pedras estão gravadas dez frases em oito idiomas: árabe, chinês, espanhol, hebraico, híndi, inglês, russo e suhaíli. No topo estão gravadas pequenas mensagens em línguas antigas: babilônio, grego clássico, sânscrito e em hieróglifos egípcios e dos Dez mandamentos da Nova Ordem Mundial, a saber:

    1- Manter a humanidade abaixo de 500 milhões de habitantes em um balanço constante com a natureza.
    2- Controlar a reprodução de maneira sábia — aperfeiçoando as condições físicas e a diversidade.
    3- Unir a humanidade com um novo (e único) idioma vigente.
    4- Controlar a paixão / fé / tradição — e todas as coisas com razão moderada.
    5- Proteger povos e nações com leis e cortes justas.
    6- Permitir que todas as nações regulem-se internamente, resolvendo disputas externas em uma corte mundial.
    7- Evitar leis insignificantes e governantes desnecessários.
    8- Balancear direitos pessoais com deveres sociais.
    9- Valorizar a verdade / beleza / amor — procurando a harmonia com o infinito.
    10- Não ser um câncer na terra — Deixar espaço para a natureza.

    Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Georgia_Guidestones

  15. “Permaneçamos firmes na fe´(…)” cada dia mais difícil, nossos capitães e generais já se foram dialogar com o inimigo. Estamos sós, dolorosamente sós: nós, simples soldados rasos e alguns poucos oficiais que não sabem bem o que fazer. Senhor, abrevie os dias, por que, desse jeito, ninguém resisitirá à maré do esgoto podre em que está mergulhado o mundo.

  16. Heitor, se você ler a história dos Cristeros no México, entenderá porque o Católico deixou de ser militante. Soldado nenhum parte para um combate sem Comandante. Os Cristeros foram traídos pelas próprias autoridades do Vaticano que ameaçavam com suspensão qualquer sacerdote que administrasse os sacramentos para os Católicos da Resistência.
    Recentemente tivemos a tristeza de ver o próprio Pontífice em exercício dizendo que a Igreja tem que parar de se preocupar com temas como aborto e sodomia e um de seus apontados dizendo que não gosta de Católico que fica rezando em frente a clínicas de aborto.
    Estamos sendo sabotados e ridicularizados justamente pelos que deveriam ser os primeiros a empunhar a bandeira na defesa da causa de Cristo.