O celibato do Papa Francisco.

Por Padre Nuno Serras Pereira – 1. Eu confesso que não estava habituado (culpa minha, ou dos outros Papas que conheci?) a declarações e gestos papais improvisados que se prestam invariavelmente grandes ambiguidades.

Um dos mais recentes foi o da concelebração e do beija-mão de Francisco a um sacerdote activista marxista e promotor de depravações sexuais de homens com homens e de mulheres com mulheres. O que me provocou maior perplexidade não foi, nem por sombras, o facto do Papa beijar a mão a um sacerdote, coisa, de resto, que S. Francisco de Assis fazia, por reverência à Santíssima Eucaristia, a qualquer Padre, por maior pecador que fosse. Nestes gestos de enorme devoção ao Santíssimo Sacramento, que naquele tempo só podia ser tocado por mãos sacerdotais, S. Francisco afirmava contra os hereges cátaros e albigenses a validade da Eucaristia, com a consequente presença real de Jesus Cristo em Corpo, Alma e Divindade, na aparência do pão e do vinho, independentemente da virtude e santidade do sacerdote que a celebrava. Deus que se quis e quer dar a nós não podia, não queria, ficar dependente das disposições do ministro do Sacramento para o fazer – tanto mais que assim o fiel nunca saberia se tinha participado ou não do Sacrifício único do Redentor, que se torna presente na celebração da Missa, se tinha ou não comungado com o Senhor (isto não significa, de modo nenhum, que o sacerdote que celebre em pecado mortal o deva fazer; pelo contrário, comete um gravíssimo sacrilégio se assim procede).

Era, pois, muito clara a razão pela qual S. Francisco de Assis procedia desse modo. Hoje, porém, as circunstâncias são muitíssimo diferentes. O activismo da ideologia “gay”, congénere da do “género” é poderosíssima, dominando e manipulando a política, as finanças, a cultura, a comunicação social, a educação, a jurisprudência e uma parte significativa de membros da hierarquia da Igreja. De modo que inclinar-se e beijar a mão (ou a pata? Se a “mão” promove coisas próprias de brutos irracionais, deverá adquirir a designação própria desses) de um padre que tem dedicado o seu ministério à promoção dessas ideologias, sem uma palavra que esclareça o sentido ou o propósito desse acto, certamente se prestará às interpretações mais desvairadas e até à propaganda fotográfica/internética para o avanço da tirania e do totalitarismo “gay”. Isto, independentemente da vontade de quem o fez, cujas intenções podiam ser as melhores, ou cuja ignorância, sobre o sujeito, objecto das mimosices, podia ser supina – o que é de estranhar grandemente. Como não há esclarecimentos mas tão só um silêncio enigmático podemos supor que o Santo Padre quisesse desse modo prestar a sua homenagem a quem tanto tem feitos pelos enfermos de sida/aids e outras maleitas, frutos do estilo sodomita e afins que essas gentes têm. No entanto, não se pode deixar de reparar que o tal padre com uma mão (ou pata) promove isso mesmo que principalmente provoca as tais doenças enquanto com a outra se mostra “caridoso” com os que as contraíram. É, de facto, extraordinário; imaginem-me de cacete na mão (ou pata, neste caso) rachando cabeças a torto e a direito enquanto que com a outra construía um hospital para tratar de crânios traumatizados… Não creio, posso evidentemente estar enganado, como em tudo o mais, que Francisco me beijasse a pata por uma atitude tão reles e hipócrita.

Mas o mais inquietante, para mim, não é, como já referi, o beija-mão, ou o beija-pé, ou o que mais quiserem. O que não acabo de entender é como é possível que há tantos anos um sacerdote que contradiz a Revelação transmitida pela Sagrada Escritura e pela Tradição, constantemente e unanimemente ensinada pelo Magistério da Igreja, desde há dois milénios, tem licença do seu Bispo para exercer o seu ministério, não é alvo de nenhuma sanção canónica e é admitido pelo Papa a uma concelebração eucarística, dando-lhe ainda por cima a ler o Evangelho. Não há dúvida de que o mistério da iniquidade é mesmo um grande Mistério. Claro que eu parto do princípio de que o Santo Padre de nada sabia e foi, digamos assim, armadilhado. Não entendo todavia porque é que agora, seguramente já ciente da situação, não determina um esclarecimento que a todos sossegue. Mas importa muito advertir que a minha incapacidade de compreensão não é evidentemente a medida das decisões de Francisco.

2. Há poucos dias, no regresso da sua viagem à terra santa, o Papa Francisco deu uma conferencia de imprensa a bordo do avião. Segundo as agências o Santo Padre terá dito que o celibato sacerdotal não é um dogma e que por isso, apesar de ser um dom para a Igreja, uma regra de vida, que ele muito estima, há uma abertura para uma possível mudança.

A propósito destas declarações (não se trata de um comentário às mesmas, mas tão só de um apontamento que a ocasião proporciona) aproveito o ensejo para dizer o seguinte, uma vez que uma ingente multidão o ignora.

a) Na Igreja existem muitas verdades irreformáveis, infalíveis, que não foram até agora definidas dogmaticamente. Por outras palavras, não é suficiente afirmar que uma coisa não é dogma de Fé para poder concluir que pode ser mudada.

b) Não é verdade que os Padres ortodoxos podem casar. O cristianismo ortodoxo, no século VIII, rejeitou a Tradição ao admitir que os varões casados, Ordenados Sacerdotes, podiam manter relações conjugais com as suas esposas. Uma coisa é Ordenar Sacramentalmente um varão casado, outra, que nunca foi admitida quer nas Igrejas ortodoxas quer na Católica, muito diferente é admitir um varão, já Ordenado Sacerdote, ao Sacramento do Matrimónio (só o admitem desde que o Padre seja “reduzido ao estado laical”; isto é, que nunca mais possa execercer o sacerdócio a não ser na assistência a um moribundo.). Pelo que é erróneo falar de se vir a admitir o casamento dos Padres.

c) Muito antes da Igreja decidir conferir a Ordenação Sacerdotal somente aos varões celibatários, desde o início exigiu que todo aquele que fosse casado renunciasse à comunhão de casa, ou não sendo possível à comunhão de leito, com a esposa e a passasse a tratar como irmã. Com o passar das épocas, para combater abusos, fruto da fragilidade humana ou até da pura ignorância invencível, se começou a permitir tão somente a convivência com a mãe ou com uma filha que se tivesse Consagrado na Ordem das Virgens. S. Pedro e outros apóstolos que eram casados deixaram profissão, propriedades, mulher e filhos por causa do Reino, isto é de Jesus. Mais tarde, muitos outros como, por exemplo, S. Paulino de Nola ou S. Gregório de Niza, fizeram o mesmo. E assim ininterruptamente até que a Igreja teve por bem escolher e admitir somente varões celibatários.

d) É preciso dizê-lo com toda a clareza e frontalidade: a Igreja Católica, a Igreja de Cristo, desde sempre reconheceu – esta é a minha convicção baseada nos estudos que tenho feito (confesso que quando era jovem sacerdote estive baralhado sobre o assunto em virtude do que me foi erroneamente ensinado) -, como Tradição Apostólica, principiada no próprio Jesus Cristo, a castidade na forma de continência absoluta como essencial para o ministério sacerdotal. Aliás, o mesmo era exigido aos diáconos e, evidentemente aos Bispos. A questão não tinha tanto a ver com o precedente da pureza ritual exigida ao Sumo Sacerdote aquando do sacrifício anual e com a entrada no Santo dos Santos, mas sim com o Sacrifício da Eucaristia e com o exemplo de Jesus Cristo. O Sacramento da Ordem, de facto, configura o Padre com Jesus Cristo Sumo Sacerdote, Cabeça da Igreja e Esposo da mesma para agir na Pessoa do próprio Cristo, na celebração dos Sacramentos, e para ser uma Sua presença sacramental junto a todos.

Se de facto se trata como julgo de Tradição dos Apóstolos, então não vejo como será possível modificar esse depósito da Fé que nos foi transmitido. Há coisas sobre as quais a Igreja não tem poder porque assim dispostas e determinadas pelo Seu fundador.

e) Há relativamente pouco tempo, tendo em conta os dois milénios de da sua existência, a Igreja tem não só Ordenado Diáconos casados, sem lhes exigir qualquer mudança de comportamento em relação às suas esposas, como tem conferido o Sacerdócio a Pastores protestantes casados, convertidos ao Catolicismo, sem lhes pedir qualquer alteração na relação sexual com as esposas. Se a memória não me atraiçoa o argumento para assim proceder será o de que a questão do celibato Sacerdotal é de lei eclesiástica e não Divina. E, de facto, se assim é a Igreja tem obviamente a faculdade de conceder essas dispensas. Não saberei garantir se esta é uma questão disputada ou se está bem enraizada na Tradição. Na longa história da Igreja houve tempos em que a hierarquia tomou decisões, durante períodos mais ou menos longos, hoje reconhecidas como inválidas porque não concordantes com o Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.

f) Para quem quiser aprofundar este tema sem ter que ler uma grande quantidade de textos, já aproveitará muito lendo este livro: Celibacy in the Early Church: The Beginnings of Obligatory Continence for Clerics in East and West .

Tags:

4 Comentários to “O celibato do Papa Francisco.”

  1. Amigos,

    Salve Maria!

    Seguem dois ótimos vídeos a respeito do celibato sacerdotal:

    A armadilha para o celibato dos padres

    Qual é a origem do celibato sacerdotal?

  2. “Há relativamente pouco tempo, tendo em conta os dois milénios de da sua existência, a Igreja tem não só Ordenado Diáconos casados, sem lhes exigir qualquer mudança de comportamento em relação às suas esposas, como tem conferido o Sacerdócio a Pastores protestantes casados, convertidos ao Catolicismo, sem lhes pedir qualquer alteração na relação sexual com as esposas.”

    Não é bem assim. Acordos com Orientais que retornaram do cisma para a verdadeira Fé são bem antigos. Tão antigos quanto o Concílio de Trento. E seus padre continuaram tendo relações com sua esposas.

    Os Maronitas que nunca cismaram mantêm esse COSTUME.

    Por fim, quem pediu a volta da ordem diaconal (inclusive com a possibilidade de ordenação de casados) foi o Concílio de Trento! Não é assim não pouco tempo.
    ————

    “Na longa história da Igreja houve tempos em que a hierarquia tomou decisões, durante períodos mais ou menos longos, hoje reconhecidas como inválidas porque não concordantes com o Santo Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.”

    Como quais?

  3. Para quem quiser conhecer melhor sobre a disciplina do CELIBATO, aqui está um artigo que eu traduzi há muitos anos atrás e que foi postado em vários sites Católicos. Pra mim essa era uma questão mais que encerrada…infelizmente nem nos meus piores pesadelos eu sonhei que iria aparecer um Bergoglio pra desenterrá-la:

    http://www.capela.org.br/Celibato/celibato_gercione.htm

  4. Perfeitamente, o homem depois de ordenado padre não pode casar, tanto na lei vigente nas igrejas orientais católicas e ortodoxas. Muita gente pensa que se a Igreja Romana liberar em partes o CELIBATO. Os padres poderão sair ai procurando namorada ou oficializar romances com paroquianas e casar com elas.

    Celibato é um chamado de Deus é uma vocação. Muitos tem vocação para serem ótimos padres, tradicionais, intelectuais e pastorais. Porém aqui no Ocidente ainda impera a lei do celibato obrigatório para ser presbítero. Na minha visão não impediria o cotidiano de celebrar missas e atender a comunidade sendo o padre um homem casado. A única coisa ruim seria a esposa querer mandar em tudo. Coisa que vemos as mães de padre fazerem, querendo mandar em tudo dentro da paroquia. kkkk

    Alguns pastores protestantes casados são ordenados padres no Ocidente(ex anglicanos, metodistas etc), E exercem um ótimo sacerdócio.

    Os padres casados do Oriente também. É sabido que o padre deve mudar de paroquia em tempos e tempos, isso não é problema pois existe muitas profissões que as famílias ficam mudando de lugar (militar por exemplo, juiz de direito).

    é logico que a autorização de um casado para ser padre tinha de ser mais rígida, sua formação também. Pois muitos viriam como um tipo de “concurso publico”. Seria mais indicado a homens já aposentados. Que já teriam uma renda fixa da profissão que teve em vida. Tenho um caso na família de um primo que foi engenheiro concursado (super bem de vida) que aos 63 anos foi ordenado diácono permanente.