Pe. Santiago Martín: misericórdia, verdade e justiça.

Conferência transmitida pela Magnificat TV – Cisma, possibilidade real por conta do novo conceito de misericórdia.

Pe. Martin é sacerdote espanhol, ordenado em 1979, licenciado em Biologia e teologia Moral. Em 1988 fundou a congregação Franciscanos de Maria, é membro do Pontifício Conselho para a Família e colaborador da EWTN,

Tags:

25 Comentários to “Pe. Santiago Martín: misericórdia, verdade e justiça.”

  1. Lamentavelmente, um novo RASGÃO NA TÚNICA ÚNICA DE BRANCO ocorrerá no futuro próximo. Pior. Somente uma minoria (1/3) seguirá o autêntico magistério da Igreja, suas tradições e embasados nas Sagradas Escrituras. Portanto, a maioria (2/3) optará pelo FALSO PROFETA e o ANTICRISTO.
    Quem viver, verá!

  2. Que tem havido uma verdadeira fraude nos significados de termos, como: misericórdia, justiça, verdade, respeito, tolerância etc., é evidente, sendo travestidos para expressarem ensinamentos vinculados a ideologias social-niilistas.
    A misericórdia cristã foi substituída pela “misericórdia”, como: porque negar a S Comunhão aos em segunda união ainda vinculados, se procuram a felicidade, não é que a merecem?
    S José de Anchieta sob esses conceitos acima, como dos muitos fabiomelistas, como “verdade, respeito, justiça” comportou-se inadequadamente ao não “respeitar” a fé dos índios, substituir as verdades deles por outra – do detestado cristianismo católico – e seria injusto, querendo os oprimir ao lhes trazer novos conceitos.
    Mas, para esses hipócritas, ficaria a pergunta que estaria sem resposta: e se fosse para pregar o marxismo, teria sido um bem? Evidentemente sim, pois são bitolados em se acharem a verdade encarnada!
    As ideologias em seus laboratórios de engenharia social transmutam termos para outros sentidos de forma tão sutil, quase imperceptíveis, mas que aos poucos mudam as mentalidade para outro perverso sentido, estando a TL com sua aparente doutrina católica para o comprovar.

  3. Pelo pouco que eu pude entender do espanhol vi que há grandes ensinamentos. Se puderem traduzam esta conferência. Desde já muito obrigado.

  4. Jesus Cristo disse bem claro: “EU Sou o caminho, a verdade e a vida”. Jesus Cristo não é a Moral, mas Autor da Moral. Ora, Jesus Cristo, que é o Caminho, é Deus e Homem verdadeiro, e Deus é essencialmente AMOR. Portanto, se Jesus é o Caminho, esse caminho não pode ser a Moral, esse caminho tem que ser o que Jesus é: Amor. Moral é meio, é instrumento, meio para se chegar a um fim. Jesus Cristo não é meio, não é instrumento, é o Fim Último. Portanto, Jesus Cristo é Amor, por isso o caminho pelo qual devemos seguir é o Amor. Jesus disse: “Permanecei no meu Amor”, não disse “permanecei na Moral”. A Misericórdia é a última instância do Amor, um caminho usado quando não há mais nenhuma outra solução, é a última instância no Tribunal de Deus. Como diziam vários Santos e Santas, devemos crer sem limites na Bondade e Misericórdia de Deus. Os últimos Papas escolheram esse Caminho, o Caminho da Misericórdia, e Jesus é a Misericórdia, não é a moral, porque não há outro caminho a seguir para salvar a humanidade. Os Papas oferecem, como disse Jesus à Santa Faustina Kowauska, a última taboa de salvação, que é a Misericórdia. Deus não é um Juiz terrível e ameaçador, mas um Juiz essencialmente Misericordioso. Quando Jesus conversou com a mulher samaritana e quando defendeu a mulher adúltera, usou para com elas de infinita Misericórdia, perdoou a ambas, e uma delas, que foi a mulher adultera, foi perdoada inclusive sem as disposições requeridas. Jesus Cristo, na sua dolorosa paixão, é essencialmente Misericórdia, e inclusive na Cruz, morre perdoando seus inimigos, sem que eles tenham as devidas disposições requeridas e reclamadas pelo Padre Martin, nesse vídeo. Depois o Proto Mártir Santo Estevão, imitador de Jesus Cristo, morre perdoando seus inimigos, e dizendo:”.. não lhes imputes esse pecado.” Ora, não tinham as disposições requeridas aqueles que foram perdoados por Santo Estêvão. No entanto, é sabido que os frutos desse perdão de Santo Estevão foi a conversão de São Paulo Apóstolo. O Papa Francisco pede para que os Católicos se deixem transformar por essa divina virtude que qualifica a Deus: Misericórdia. Segundo os ensinamentos do Sumo Pontífice, devemos cada vez mais nos converter nessa virtude, para transformar e regenerar o mundo, para que Deus possa realizar o Milagre da restauração completa. Cristo morreu perdoando, permaneceu até o fim na Misericórdia. A Misericórdia é a última taboa de salvação, só se usa dela quando não há mais jeito, quando tudo está já como que perdido. Ora, o Papa usa da Misericórdia, porque está já tudo como que perdido. A Misericórdia não para quando tudo vai bem, é para quando tudo vai de mau a pior, quando tudo está já humanamente perdido. Somos salvadores e não promotores de acusação, advogados de Deus, não do diabo. Quanto a comunhão para os divorciados é preciso ver bem para que tipo de divorciado esta sendo tratado, se dos que eram casados só no civil e depois recasaram de novo, etc. Não acredito que eles estejam tratando dos divorciados que alguma vez foram casados na Igreja, talvez estejam tratando dos casamentos civis.

    • Caro Gerson (15/06/2014 – 5:36 pm),
      Duas considerações:
      1) Deus usa de misericórdia para aqueles que se arrependem e procuram a conversão.
      O evangelho segundo S. Marcos, já começa com a exortação: “Completou-se o tempo, e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no evangelho” (Mc 1,15).
      Não podemos abusar da misericórdia de Deus, pois existe um limite tênue para que Ele, Pura Perfeição, não seja conivente com o pecado.
      A Igreja está usando de certo “otimismo” que pode conduzir muita gente para o inferno.
      Hoje por exemplo, por volta das 7h30 da manhã, passei ao lado de um acidente fatal na rodovia, e o motociclista estava espedaçado, morto na pista. Certamente foi morte instantânea. Fica a pergunta: deu tempo dele se arrepender?
      2) Me perdoe, mas não seja tão ingênuo. O que está em discussão é a comunhão para os que estão em segunda união e foram casados anteriormente na Igreja. É óbvio que não estão tratando de casamentos “civis”.

  5. Esse é o Pontificado da MISÉRIA ACORDA!!! A Igreja que por quase dois mil anos foi respeitada pela intransigência da sua Doutrina, pela riqueza de seu patrimônio artístico e cultural, pela beleza de suas tradições, de repente está acordando na MISÉRIA em nome de um pseudo-pauperismo bergogliano.
    Com Bergoglio MISÉRIA pouca é bobagem! Gays? Quem sou eu pra julgar!! Aborto?? Vamos parar com essa obsessão! “Eu nunca compreendi a expressão “valores inegociáveis”. A Doutrina de Cristo pela qual morreram os mártires? Precisamos não repetir a casuística, ir para a realidade, compreender e ser criativos: “A questão não é a de mudar a doutrina, mas fazer com que a pastoral leve em conta as situações e o que é possível fazer pelas pessoas”.
    Eu rezo todos os dias para que o homem que ocupa a Cátedra de Pedro em Roma FRACASSE feio em todos seus planos revolucionários para a Igreja. Non praevalebunt !!
    E pra que isso aconteça cabe aos Católicos resistirem firmes na fé pois “é preciso obedecer antes a Deus do que aos homens!

  6. Amigos Tradicionalistas, o último Evangelho da Missa Tridentina na Festa da Santíssima Trindade foi esse: Lucas 6,36-42: “36. Sede misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso.
    37. Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados;
    38. dai, e dar-se-vos-á. Colocar-vos-ão no regaço medida boa, cheia, recalcada e transbordante, porque, com a mesma medida com que medirdes, sereis medidos vós também.
    39. Propôs-lhes também esta comparação: Pode acaso um cego guiar outro cego? Não cairão ambos na cova?

    40. O discípulo não é superior ao mestre; mas todo discípulo perfeito será como o seu mestre.
    41. Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão e não reparas na trave que está no teu olho?
    42. Ou como podes dizer a teu irmão: Deixa-me, irmão, tirar de teu olho o argueiro, quando tu não vês a trave no teu olho? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho e depois enxergarás para tirar o argueiro do olho de teu irmão.” Alguém prestou a atenção nesse Evangelho? Portanto, o Papa Francisco, infalível sempre, está no caminho certo,Nesta cena da Paixão de Mel Gibson, a Misericórdia de Jesus foi um Dom oferecido só para quem tinha as disposições requeridas?

    Jesus, com seus amigos, salva também os seus inimigos, pois Deus criou a todos.

    • Não há nenhum sentido em afirmar que o pedido de perdão feito por Cristo na cruz tenha garantido a salvação àqueles que o crucificaram e não se arrependeram. Na Paixão de Cristo ele só garantiu destinos certos (e diferentes) para duas pessoas: para o bom ladrão, arrependido, Cristo lhe garantiu o Céu; e para Judas Iscariotes, que não se arrependeu, Cristo disse que seria melhor que ele não tivesse nascido (conclua você o que isso significa).
      A grande Misericórdia de Deus explícita no Cristianismo está no perdão daqueles que se arrependem. Isso é praticamente único dentre todas as religiões. Ele não relativiza o pecado, mas também não condena os pecadores arrependidos a sofrerem eternamente por seus pecados.
      As limitações e disposições pessoais Deus analisará caso a caso, mas não é possível em nome delas mudar a doutrina como um todo. Fosse assim Deus não nos daria uma doutrina.

  7. Amigo Alexandre Antunes, você rezou pela salvação desse motociclista, ou os ensinamentos jansenistas te apresentaram só os possíveis pecados dessa pessoa? Se é verdade que esse motociclista estava em pecado grave, você, naquele momento, segundo os ensinamentos de Nossa Senhora de Fátima, era a única salvação dele, se rezasse por ele, conforme o pedido de Nossa Senhora em Fátima, que disse: “Rezai e fazei sacrifícios pelos pobres pecadores, porque vão muitas almas para o inferno porque ninguém reza nem se sacrifica por elas.” Se os católicos deixarem de ser jansenistas e rezarem pelos pecadores, e pecadores só podem ser aqueles que estão em pecado mortal, eles serão salvos, mas se forem jansenistas, esses pecadores não serão salvos. Conheço uma pessoa que presenciou a morte por atropelamento de um rapaz, que ficou todo estraçalhado no asfalto, deu para ver as tatuagens no rapaz, mas essa pessoa não se desesperou por causa das tatuagens e rezou pela salvação desse rapaz, pois a Misericórdia de Deus é infinita. Quem sabe nadar deve salvar os que não sabem nadar. Somos salvadores e não acusadores.

    • Você é maldoso em suas conclusões sobres os foristas. Em momento algum o Alexandre Antunes fez afirmações sobre a salvação ou perdição do motoqueiro. O exemplo que ele trouxe foi para afirmar que a morte está nos espreitando e que muitas vezes não dá tempo para se arrepender no último segundo. Foi apenas isso, que é o que a Igreja sempre ensinou. Por esse motivo não se pode relaxar naquilo que Deus quer de nós. Se relaxou, arrependa-se.

    • Gerson (16/06/2014 – 10:42 am),
      Como já replicou o André C.A., reafirmo que em momento algum julguei o motoqueiro. Quis dizer, que se hipoteticamente ele estivesse em situação de pegado grave, a salvação dele estaria em jogo.
      Já que você quer saber se rezei ou não, eu lhe respondo: quando vi a situação trágica, rezei o Requiem Aeternam, Pater Noster, Ave Maria, Gloria Pater; como tinha no meu iPod uma gravação do De Profundis (Salmo 129), coloquei para ouvir, e rezei na intenção dele e da família dele.
      Te aconselho a ler as coisas com os olhos da pureza, e não da acusação.
      – André C.A., Deus o abençoe por defender-me.

  8. O Pe. Santiago Martin é muito capacitado e apresenta argumentos sólidos, de uma forma simples. Faz pensar muito na misericórdia separada da verdade e da justiça, nesse falso e questionável conceito de misericórdia.

  9. Gerson, o Evangelho da Festa da Santíssima Trindade foi Mateus 28-18,20:

    E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra.
    Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;
    Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.

    Um Evangelho que cita claramente a autoridade que os Apóstolos receberam diretamente da Santíssima Trindade para pregar, converter e batizar em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando todas as nações a guardar todas as coisas que Jesus ordenou.
    Mas já que você capciosamente citou um Evangelho que não tem nada a ver com a Festa da Santíssima Trindade, será que você mesmo prestou a atenção nesse Evangelho?

    “Como podes dizer a teu irmão: Deixa-me, irmão, tirar de teu olho o argueiro, quando tu não vês a trave no teu olho? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho e depois enxergarás para tirar o argueiro do olho de teu irmão”.

    Você tenta em vão acusar os Católicos tradicionalistas de não serem misericordiosos, justamente pelo fato de tentarem obedecer o que Jesus manda no Evangelho da Festa da Santissima Trindade, ou seja, guardar todas as coisas que Jesus ordenou que se guardasse.
    Ao dizer implicitamente que os Católicos tradicionalistas não são misericordiosos você cai exatamente naquela falta da qual tenta acusar aos demais: “Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados”.
    Pode acaso um cego guiar outro cego? O discípulo não é superior ao mestre; mas todo discípulo perfeito será como o seu mestre. E é por isso que resistimos na face aos desmandos desse Pontífice. Ele não é maior que Cristo, é apenas um infiel administrador dos bens que nos foram deixados pelo próprio Cristo para nossa salvação. E quando digo infiel é porque ele se recusa a cumprir o mandato da Santíssima Trindade:

    “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado”.

    Ele já disse claramente que “proselitismo” é uma bobagem. Ou seja, indiretamente chamou Cristo de bobo. Batismo pode ser administrado a qualquer um, mas ensinar os batizados a guardar tudo que o Sacramento do Batismo obriga aí é falta de caridade, é falta de misericórdia. Ou você acredita mesmo que nesses encontros sacrílegos com muçulmanos, judeus e protestantes Bergoglio tem coragem de ensinar os líderes dessas nações e religiões a guardar todas as coisas que Jesus ordenou?

    • Gercione,
      Apesar da reclamação justa, é importante que evite o termo Bergoglio em detrimento de Papa ou S.S. Francisco. Não somos sede-vacantistas, este é o nosso papa, apesar de tudo o que venha a seguir.
      Att.,

  10. “Jesus Cristo disse bem claro: “EU Sou o caminho, a verdade e a vida”. Jesus Cristo não é a Moral, mas Autor da Moral. Ora, Jesus Cristo, que é o Caminho, é Deus e Homem verdadeiro, e Deus é essencialmente AMOR. Portanto, se Jesus é o Caminho, esse caminho não pode ser a Moral, esse caminho tem que ser o que Jesus é: Amor. Moral é meio, é instrumento, meio para se chegar a um fim. Jesus Cristo não é meio, não é instrumento, é o Fim Último.”

    Irmão Gerson, sem dúvida Jesus é Amor, mas não só Amor. Jesus não é o Autor da Moral, mas A Moral em sua excelência infinita, pois o Sacratíssimo Coração de Jesus é o “abismo de todas as virtudes” e onde “estão todos os tesouros da sabedoria e da ciência”, como rezamos na Ladainha aprovada pelo Santo Padre Leão XIII.

    Toda e qualquer Virtude é oriunda de Jesus.

    http://www.asc.org.br/site/devocao/ladainha.htm

  11. Ha muito tempo, os fiéis católicos rezam, no segundo dia da Novena de Nossa Senhora das Graças “Contemplemos Maria, chorando sobre as calamidades que viriam sobre o mundo, pensando que o Coração do seu Filho seria ultrajado, a Cruz escarnecida, e seus filhos prediletos perseguidos.” Além dessa novena, baseada nas mensagens de Nossa Senhora a Catarina Labouré, em 1830, temos as revelações dadas em La Salette, ainda mais graves, em 1846 :” Roma perderá a Fé e será a sede do Anticristo. Não é exatamente isso que está acontecendo agora? Mas são poucos os sacerdotes que têm a competência e, sobretudo, a coragem de expor em público esse assunto, com tanta clareza e incontestavel verdade. No entanto, ainda há muitos que, de má Fé, afirmam o contrário.

  12. A Bíblia diz que a justiça de Deus anda, sempre junto, com a misericórdia e São João Maria Vianei dizia que a justiça de Deus sem a misericória é cruel e a misericórdia sem a justiça fica mole. Por conseguinte, falar só da misericórdia de Deus sem lembrar a sua justiça é um estímulo ao pecado. É bom lembrar, tambem, o que diz o Santo Evangelho. A misericórdia de Deus se estenderá de geração em geração sobre agueles que o temem.

  13. João Miguel, Deus é Amor (cf.IJo.4,8), e a teologia nos ensina que Deus é simples, ou seja, em Deus tudo é Deus, como definiu São João da Cruz. Ora, se em Deus tudo é Deus, porque Ele é simples, e Deus é Amor, segue então que em Deus tudo é o que Ele é: AMOR. A partir desse princípio podemos entender os atributos Divinos assim: Deus é Justo. Ora, se em Deus tudo é Deus, e Ele é Amor, segue que a Justiça é Amor. Por outro lado se diz que Deus é Misericórdia. Ora, se em Deus tudo é Deus, e Ele é Amor, segue que a Misericórdia é igualmente Amor. Em I João 4,8 todos os atributos Divinos se identificam. Portanto, nesses tempos de trevas muito densas e crise profunda de fé, a Justiça não deixa de atuar, mas simplesmente se transforma em Misericórdia.
    Antonio José de Oliveira, a mensagem de la Salette deve ser entendida de acordo com os dogmas católicos de indefectibilidade da Igreja e do Romano Pontífice, lei-se isso: http://rainhadapazorapronobis.blogspot.com/2013/04/nossa-senhora-de-la-salette-e-roma.html?spref=fb
    Pedro Rocha, a Misericórdia é uma virtude, e das mais excelentes. A Moral enquadra-se mais na Lei, que São Paulo afirmou que sem o Espírito mata.

  14. Nunca ouvi tão perfeita explanação sobre a Misericórdia!

  15. André C. A. e Alexandre Antunes, também não julguei que se tenha julgado o motoqueiro, só levantei uma tese com base numa tentação comum a todos, também eu sou tentado a julgar todo mundo e colocar todo mundo no Inferno, mas esses juízos a que somos tentados com certeza não provém do bom espírito, por isso combatemos esses juízos tanto in tesis como em realidade. Fico feliz por ter rezado pelo motoqueiro. Se é verdade que aquele motoqueiro estava em pecado grave, falo em tesis, você salvou a alma dele com as tuas orações, sendo, naquela hora, a última taboa de salvação para aquela pessoa. E afirmamos isso com fé nas palavras da Virgem Maria em Fátima:”Rezai e fazei sacrifícios pelos pobres pecadores, pois vão muitas almas para o inferno porque ninguém reza nem se sacrifica por elas.” Nossa Senhora foi bem clara, disse que se rezarmos pelos pobres pecadores eles não serão condenados ao inferno, se não rezarmos por eles, serão condenados.
    Gercione Lima, favor conferir no Missal Quotidiano Dom Gaspar Lefevre, o Evangelho da Missa é realmente o que vc citou, mas o último Evangelho, aquele que o Padre reza no final da Missa, dessa vez não foi o Cap.1 de São João, o “In principio erat Verbum”,etc, mas Lc 6, etc.

  16. Resposta para o Sr Gerson (16-06-14, 08:51 pm) – Vi o que me foi indicado: “Há que se entender os vários sentidos do que quer dizer “Roma perderá a fé, etc”. “Nossa Senhora não fala aqui de uma apostasia do Papa e das Autoridades Romanas, não pode estar falando neste sentido, porque senão como ficaria o Dogma da Indefectibilidade da Igreja? ” Ora, de fato consta que Ela disse: Roma perderá a Fé e se tornará a sede do Anticristo” Eu entendo a mensagem ao pé da letra. Se alguém interpreta de modo diferente, trata-se de uma opção pessoal. O foco, porém, do meu comentário é corroborar a insofismável exposição do Padre Santiago Marim, principalmente a respeito do falso conceito de Misericórdia, que está sendo inculcado, a partir, lamentavelmente, dessas supremas autoridades Romanas. Sugiro, para eliminar qualquer dúvida sobre a heresia dessa falsa misericórdia, ler na Bíblia, apenas no Evangelho de Mateus: 5, 17-20; 4, 17; 10, 34-39; 11, 20-24. Deus quer salvar, na verdade, a toda a humanidade pecadora, mas sem arrependimento e com contumácia no pecado, é impossível a salvação , já que Deus não viola a liberdade humana. A situação é, pois, de fim dos tempos (Daniel 12, 7-13).

  17. Favor conferir a Misericórdia de Deus nas Revelações de Jesus Cristo à Soror Josefa Menendez. Monsenhor Emanuel José Possidente, de feliz memória, uma vez deu uma pequena palestra sobre ela, muito interessante. Flava dos raptos dela ao Inferno e de como ela desaparecia na frente mesmo das suas Superiores e somente horas depois retornava de suas viagens ao Inferno. A mensagem a seguir dada por Jesus a ela é muito consoladora e nos mostra o que Deus é para nós e o que nós devemos ser para o nosso próximo.
    http://rainhadapazorapronobis.blogspot.com.br/2013/12/apelo-ao-amor-nas-revelacoes-de-jesus.html

  18. As mensagens de Jesus a Soror Josefa são essencialmente idênticas às que deu a Santa Faustina e a outras almas vítimas, que ofereceram seus ingentes sofrimentos em favor das almas do Purgatório e pela conversão dos pecadores. e estou de pleno acordo que, também nós, embora todos pecadores, devemos rezar e oferecer sacrifícios uns pelos outros e nunca julgar ninguém. Mas isso não contradiz em nada ao oportuno pronunciamento da Padre Santiago Marim.

  19. Reflexões:

    “A meditação sobre o inferno causou a conversão de muitos santos. A mesma meditação chamou(lá no tempo da minha vovó) muitos pecadores ao caminho da virtude e da santidade. A lembrança do inferno é de efeito salutar, para todos que tutam com dificuldade de conformar a vida à lei divina. O inferno existe e sua existência é tão certa e tão NECESSÁRIA, como o céu é certo e necessário. A palavra clara de Jesus Cristo não permite a menor duvida sobre o inferno, sua existência e suas penas. Não nos deixemos enganar pela doutrina de religiões novas(novidadismo) e cômodas, que julgam a existência do inferno incompatível com a MISERICÓRDIA de Deus. Demos crédito Aquele que diz: “Céu e terra passarão, mas minhas palavras não passarão” e: “não tenhas medo daqueles que podem matar o corpo, e, morto o corpo, nada lhes resta a fazer. Temei antes Aquele que pode precipitar corpo e alma ao inferno. Deste deveis ter medo.(S.Mateus 10.28).”

    O santo temor de Deus, ultimo dom do Espirito Santo e princípio de toda a ação humana, deixou, há muito, no mínimo: os últimos cinquenta anos; de ser ensinado pelo clero moderno.

    O laxismo hodierno fez da “misericórdia” a conivência com o mal.

    O uso do termo “misericórdia” já merece, pelo menos um livreto.

    São Landelino rogai por nós.