29 junho, 2015

Fratres in Unum, 7 anos.

No último dia 13, Fratres in Unum completou 7 anos. Reze uma Ave Maria por nós, por favor!

28 junho, 2015

Foto da semana.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Missa Afro – Dom Basile Mvé Engone, arcebispo de Libreville, Gabão, celebra Missa em paróquia confiada por ele ao Instituto Cristo Rei e Sumo Sacerdote.

Tradidi quod et accepi: num passado não muito distante, Dom Marcel Lefebvre, recém ordenado sacerdote, foi reitor do seminário de Libreville. “Uso de misericórdia até a milésima geração com aqueles que me amam e guardam os meus mandamentos” (Dt, 5, 10).

Créditos: Click Vaticano

Tags:
28 junho, 2015

Dom Odilo responde.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A assessoria de imprensa da Arquidiocese de São Paulo esclarece que:

1) O Padre Paulo Bezerra não pertence ao clero da Arquidiocese de São Paulo;

2) O referido Padre não perguntou a opinião do Arcebispo de São Paulo sobre suas iniciativas;

3) Não é ético atribuir opiniões ao Arcebispo, sem ter falado com ele sobre o assunto;

4) Nenhum jornalista falou com o Arcebispo, para checar seu parecer sobre as iniciativas do Padre Bezerra;

5) A assessoria de imprensa informa ainda que o Arcebispo de São Paulo considera inadequadas as citadas “preces” para a celebração litúrgica, que não deve ser instrumentalizada para luta ideológica de nenhum tipo.

Assessoria de Imprensa
Arquidiocese de São Paulo

27 junho, 2015

Uma pergunta a Dom Odilo Scherer.

“Ele sabe de tudo o que eu faço. Não faz oposição, nem incentiva – mas tem respeito por aquilo que a gente faz”.

Palavras de Padre Paulo Sérgio Bezerra, seguro da impunidade, ao portal Terra, sobre Dom Odilo Pedro Scherer, cardeal arcebispo de São Paulo, metropolita responsável pela província eclesiástica na qual se encontra a diocese de São Miguel Paulista.

É isso mesmo, Dom Odilo?

Envie seu questionamento a Dom Odilo:

https://www.facebook.com/domodiloscherer

https://twitter.com/DomOdiloScherer

Tags:
26 junho, 2015

Hereges de Itaquera, seguros da impunidade. Será?

Por FratresInUnum.com – Apesar de toda a celeuma provocada pelo folheto pró-gay de sua autoria, Pe. Paulo Sérgio Bezerra diz que “não voltamos mais atrás”.

Ao “Jornal da Cidade”, chegou a revelar: “são poucos os padres com coragem de tocar nesses assuntos. Sempre fui assim, mas, com esse papa, sinto mais tranquilidade de que não serei punido”.

Mas, será?…

Reprodução: facebook do Padre Paulo Sérgio Bezerra.

Reprodução: facebook do Padre Paulo Sérgio Bezerra.

Vamos recordar alguns fatos mais ou menos recentes…

A Diocese de Bauru declarou a excomunhão do conhecido Pe. Beto. Na época, dizia-se que o Papa Francisco revogaria a pena canônica. Mas, ao contrário, a excomunhão de Pe. Beto foi confirmada pela Santa Sé.

Do mesmo modo, o Pe. Greg Reynolds, da Austrália, conhecido apoiador da causa gay, também foi excomungado pelo Papa Francisco.

Igualmente, Francisco excomungou Martha Heizer, líder do Movimento “Nós Somos Igreja”, que defende abertamente a agenda homossexual.

PORTANTO, é certo que, caso o bispo de São Miguel Paulista, Dom Manuel Parrado Carral, tenha a correta atitude de declarar a excomunhão automática do Pe. Paulo Sérgio Bezerra e de suprimir a dita Associação “Igreja, Povo de Deus em Movimento”, a Santa Sé confirmará o seu parecer.

Esta gente está alvoroçada e, francamente, passou dos limites!

Não nos desencorajemos. Continuemos a protestar contra os hereges de Itaquera.

O senhor não volta atrás, Padre Paulo Bezerra? Pois bem, nós também não! 

Excomungado o senhor já é, falta apenas que o bispo declare e a Santa Sé ratifique!

26 junho, 2015

Medjugorje, o Papa isola os videntes.

Sim ao reconhecimento da sacralidade do lugar, mas os peregrinos não poderão assistir às aparições.

Por Serena Sartini – Il Giornale | FratresInUnum.com: Medjugorje, lugar de oração, mas nenhum reconhecimento das aparições de Nossa Senhora aos seis videntes. No dia do 34º. aniversário das aparições da Virgem Maria, Rainha da Paz, a seis crianças em um pequeníssimo e pobrevilarejo da Bósnia, ocorridas no dia 24 de junho de 1981, reuniu-se a assembleia plenária da Congregação para a Doutrina da Fé, que estabeleceu algumas orientações sobre o dossiê Medjugorje.

O relatório final, composto com a documentação reunida até hoje, está agora sobre a escrivaninha do Papa, que deverá decidir se acolhe o texto e quando o publicará.

Até onde sabe IlGiornale, as informações considerariam o reconhecimento de Medjugorje como um lugar de fé, de oração e de devoção, mas não a sua transformação em Santuário; o convite aos peregrinos para visitarem o local sem ter contato com os videntes e, por consequência, a proibição de participarem do momento da aparição que três videntes, dentre seis, receberiam todos os dias. Isso – explicam nos Sacros Palácios –, com a finalidade de evitar que haja fanatismos ou exaltações da figura dos videntes. De fato, os fiéis são convidados a ir em peregrinação a Medjugorje para rezar, e não para se encontrar com os videntes. E, sobretudo, o relatório elaborado pelo Vaticano sugere não considerar as aparições como “revelações sobrenaturais”. Acerca deste último, a Santa Sé respeitaria as disposições do Código de Direito Canônico, segundo o qual o reconhecimento das aparições não deve ocorrer enquanto estas ainda não tiverem terminado. “Espero com serenidade e tranquilidade aquele que vai ser o posicionamento do Papa – relata a Il Giornale uma das videntes, Vicka Ivankovic, por intermédio do padre Michele Barone, um dos sacerdotes mais assíduos em Medjugorje e muito próximo dela – estou em plena obediência à Igreja e Nossa Senhora me disse para não me preocupar”.

Precisamente hoje será divulgada a mensagem anual que a Virgem Maria lhes entrega, em 25 de junho de cada ano, em lembrança do exato dia no qual – segundo os videntes – Nossa Senhora se dirigiu a eles pela primeira vez, há 34 anos. Enquanto isso, milhões de fiéis estão à espera do discernimento do Papa que não poderá deixar de levar em consideração o testemunho de centenas e centenas de milhares de peregrinos que a cada ano se dirigem a Medjugorje e voltam dali plenos de fé. Nas redes sociais, os grupos ligados às aparições aguardam ansiosamente o anúncio do Papa: “Se disserem não a Medjugorje, haverá uma revolta da fé popular”, escrevem eles, em muitos desses grupos.

No retorno de sua viagem a Sarajevo, no último 6 de junho, Bergoglio havia mencionado o caso Medjugorje, recordando o excelente trabalho realizado pela Comissão instituída por Bento XVI e presidida pelo Cardeal Camillo Ruini, e anunciando que uma decisão seria tomada em breve. Alguns dias depois, em uma homilia proferida em Santa Marta, Papa Francisco voltava a falar das aparições, ainda que sem se referir diretamente ao caso de Medjugorje: “Mas onde estão os videntes que dizem: hoje Nossa Senhora vai nos mandar uma carta às 4h da tarde?”. Que a Igreja estava se orientando para a proibição de encontros públicos com os videntes já era sabido, quando a diocese de Modena anulara o encontro do dia 20 de junho, com Vicka, na comuna de Sestola. Agora estamos no último ato: a palavra do Papa derreterá qualquer reserva. E o jornalista e escritor Vittorio Messori adverte: “Se o papa Francisco disser não a Medjugorje, há o risco de um cisma”.

* * *

Leia nossa série de posts 

Tags:
25 junho, 2015

DENÚNCIA: Paróquia de Itaquera a serviço da destruição da Igreja.

Por Catarina Maria B. de Almeida | FratresInUnum.com – Conforme notícia publicada na última segunda-feira, a Paróquia Nossa Senhora do Carmo, da Diocese de São Miguel Paulista – SP, em seu semanário litúrgico “Memorial do Senhor” apresentou um conjunto de preces em que se suplicava a Deus em favor da causa gay.

Continuar lendo

24 junho, 2015

Era Francisco: está aberta a gaiola das loucas.

Uma leitora nos escreve:

Será realizada uma palestra sobre Democracia e Direitos Humanos, a ser ministrada pelo Sr. Leonardo Boff, no dia 03/07/2015, às 18 horas, junto ao Teatro do Colégio Murialdo, cidade  de Caxias do Sul – RS. Colégio esse, pertencente a uma congregação religiosa.

Referido evento contará com a presença do Ministro petista da Secretaria de Direitos Humanos, Sr. Pepe Vargas, e possui o apoio de diversas entidades, entre elas: CUT; PT; DCE-UCS; Pastorais Sociais; Escola de Formação, Fé, Política e Trabalho; PCdoB; Caritas Diocesana; Livraria Paulus; Universidade de Caxias do Sul – UCS; etc.

Convidamos a todos os interessados para participar do “panelaço” que está sendo organizado, na data e local do próprio evento, como forma de protesto contra o apoio e realização deste.

Seguem também os contatos do senhor  Bispo diocesano de Caxias do Sul -Dom Alessandro Ruffinoni,  e da Coordenação Diocesana de Pastoral, para manifestações de repúdio.

Dom Alessandro Ruffinoni
Fone/Fax: (54) 3025-2896
domalessandro@diocesedecaxias.org.br

Coordenação Diocesana de Pastoral
Fone: (54) 3211.5032
E-mail: diocesedecaxias.pastoral@gmail.com

24 junho, 2015

Orações por Dom Rogelio Livieres.

Pedimos orações por Dom Rogelio Livieres, antigo bispo de Ciudad del Este, que está em estado grave de saúde. Um amigo relata:

Há uns 10 dias, estive com ele em Buenos Aires, onde está internado em um hospital da Opus Dei, e somente fomos informados de que existia uma complicação no fígado, entre outras coisas que não souberam precisar. Há mais ou menos uma hora informaram que entrou em trabalho cirúrgico e que seu quadro é grave.

Dom Rogelio Livieres, bispo de Ciudad del Este.

Dom Rogelio Livieres, ex-bispo de Ciudad del Este.

Apesar de tudo, vimos em seu semblante uma paz e serenidade mui expressivas, posso mesmo dizer, de alguém que leva sua cruz com santidade e gratidão.

Rezemos por nosso Bispo para que aqui ou no céu continue conocoso na batalha rumo ao nosso objetivo final.

24 junho, 2015

Estadão repercute polêmico folheto de Paróquia da Diocese de São Miguel Paulista: ‹‹ Blog católico qualificou o texto como ‘escandaloso’ ››. Bispo permanece em completo silêncio.

Segundo a Band, “uma campanha para pressionar o bispo Dom Manuel Parrado Carral [o Fratres disponibilizou a seus leitores os contatos do bispo], da Diocese de São Miguel Paulista – à qual a paróquia é ligada -, a cobrar explicações do pároco também foi criada. Segundo funcionários da diocese, além da pressão na internet, muitas pessoas ligaram para o local para tentar falar com o bispo e para manifestar reprovação ao conteúdo da publicação […] O Portal da Band tentou contato com o bispo Dom Manuel Parrado Carral, mas, até o momento da publicação desta matéria, não havia sido atendido. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Arquidiocese de São Paulo afirmaram que a diocese é independente [nessa hora não há colegialidade…] e, por isso, não se manifestaram sobre o folheto. “.

* * *

Igreja de Itaquera faz oração contra homofobia de parlamentares

Com pronunciamento sobre o tema ‘Igreja e sexualidade: um debate necessário’, católicos distribuíram prece pedindo superação da intolerância dentro da Igreja e no Congresso Nacional São Paulo.

Por Tulio Kruse – O Estado de São Paulo:  Os católicos da Paróquia Nossa Senhora do Carmo em Itaquera, zona leste de São Paulo, criaram uma oração que pede o enfrentamento à “ofensiva homofóbica, fundamentalista e histérica presente no Congresso Nacional”, além de defender que a própria Igreja supere “a demonização das relações afetivas”.

O Estado de São Paulo: "Blog católico qualificou o texto como 'escandaloso'".

O Estado de São Paulo: “Blog católico qualificou o texto como ‘escandaloso'”.

As preces foram distribuídas na paróquia em panfletos na manhã do último domingo, 21, após uma breve reflexão sobre o tema “Igreja e sexualidades: um diálogo necessário”, feita pelo Padre Luís Correa Lima, que é professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC­RJ). O compartilhamento da foto do panfleto nas redes sociais provocou reações favoráveis e contrárias de internautas.

A “Oração dos Fiéis”, como foi batizado o texto, pede a ascensão de “causas libertárias” e a garantia dos direitos quanto à orientação sexual. Coordenador da comissão que criou a prece, o padre Paulo Sérgio Bezerra diz que o texto tem inspiração na Bíblia e que sua intenção é tratar de temas atuais e pregar a solidariedade. “A gente reflete nas nossas orações o que acontece na sociedade”, diz Bezerra.

Para ele, a atual configuração do Congresso Nacional é dominada pelo fundamentalismo religioso. “Em primeiro lugar, eu acho que os intolerantes como Silas Malafaia, o [deputado federal Marco] Feliciano, tem um projeto político perigoso na linha da teocracia cristã”, critica o padre. “Essa ideologia é filha direta do preconceito cultural, social e racial e há pessoas espertas que manipulam a palavra de Deus, tiram do contexto, pegam frases soltas e, para manter o poder e o projeto político, incitam o povo à intolerância religiosa.”

Desde que administra a paróquia em Itaquera, Bezerra também se tornou conhecido na comunidade por seu posicionamento político. Há pelo menos oito anos ele coordena campanhas contra homofobia e intolerância. Para as comemorações da Festa de Nossa Senhora do Carmo, o padre organizou uma série de pronunciamentos aos domingos, o que incluiu um professor de história que tratou de sexualidade. Entre os outros convidados, estão o deputado federal Chico Alencar (PSOL­RJ), o coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem­Teto (MTST) Guilherme Boulos, e o jornalista e diretor da ONG Repórter Brasil, Leonardo Sakamoto.

As reações contrárias à “Oração dos Fiéis” por parte de alguns católicos, segundo o padre, são “pouco numerosas, mas muito barulhentas”. A maior parte dos compartilhamentos da foto original publicada no Facebook é favorável, mas o texto também provocou reação de ao menos um blog católico que qualificou o texto como “escandaloso”.

Mudança.

Com a chegada do Papa Francisco ao mais alto cargo da Igreja Católica, a interpretação de Bezerra é de que há uma oportunidade para transformar a visão sobre sexualidade dominante na religião. “Precisamos ler a Bíblia com senso crítico e também dentro de um contexto”, defende o padre. “A questão da sexualidade (conta) com a contribuição que hoje as ciências oferecem, inclusive com o direito das pessoas adultas terem liberdade em relação à sua orientação sexual.”

O professor da PUC­RJ Luís Correa Lima, que fez o pronunciamento na igreja em Itaquera no domingo, diz que a interpretação da Igreja Católica sobre o tema já mudou. Lima estuda religião e sexualidade há pelo menos 9 anos, e diz que o papa Francisco trouxe novas interpretações sobre a moral com sua carta “A Alegria do Evangelho”, em que diz que o cristão deve procurar o bem de todos, e não repreender. “Ele diz que a moral cristã não é um conjunto de preceitos e proibições, mas uma resposta ao amor de Deus que nos salva”, diz Lima sobre o papa Francisco. “Ele deslanchou um debate na Igreja que realmente faz com o processo avance. Há um debate muito rico que já está fazendo mudanças.”