Posts tagged ‘Dom Gerhard Ludwig Muller’

5 junho, 2015

Santa Sé encarrega Fellay de julgar um de seus padres.

A Congregação para a Doutrina da Fé nomeou o Superior da Fraternidade São Pio X, fundada por Dom Lefebvre, para ser o juiz de primeira instância no caso de um padre lefebvrista acusado de um crime grave.

Por Andrea Tornielli – La Stampa | Tradução: FratresInUnum.com: Ele mesmo [Dom Fellay] anunciou durante um sermão na igreja Nossa Senhora dos Anjos, em Arcadia, Califórnia, no dia 10 de maio de 2015: a Congregação para a Doutrina da Fé nomeou o Superior Geral da Fraternidade São Pio X (FSSPX), Dom Bernard Fellay, como juiz de primeira instância em um caso envolvendo um padre lefebvrista. O antigo Santo Ofício tem a incumbência de tratar de uma série de “delicta graviora”. O que ocorre mais frequentemente é aquele que diz respeito a abuso sexual de menores. Fellay apresentou esse fato como um exemplo das “contradições” nas relações da Santa Sé com a Fraternidade.

Dom Bernard Fellay“Somos rotulados agora como irregulares, na melhor das hipótese. “Irregular” significa que você não pode fazer nada e, como exemplo, eles nos proibiram de celebrar Missa nas igrejas em Roma para as irmãs Dominicanas que peregrinaram a Roma em fevereiro. Eles dizem: “Não, vocês não podem [celebrar] por que são irregulares”. E os que disseram isso eram pessoas da [Pontifícia Comissão] Ecclesia Dei”.

“Agora, às vezes, infelizmente”, disse Dom Fellay, “também padres fazem coisas insensatas, e precisam ser punidos. E quando é algo muito, muito sério, temos que recorrer a Roma. E assim fazemos. E o que a Congregação para a Doutrina da Fé faz? Bem, eles nomearam a mim como juiz para esse caso. Então, eu fui incumbido por Roma, pela Congregação para a Doutrina da Fé, de fazer julgamentos, julgamentos canônicos da Igreja sobre alguns de nossos padres que pertencem a uma Fraternidade inexistente para eles (para Roma, ed.). E então, mais uma vez, realmente uma bela contradição”.

Essa não é a primeira vez  que a FSSPX recorre a Roma quando diz respeito a “delicta graviora” e dispensas das obrigações sacerdotais. O que é novo nesse caso é que o antigo Santo Ofício, chefiado pelo Cardeal Gerhard Ludwig Müller, decidiu confiar o caso ao próprio Dom Fellay, fazendo-o juiz do tribunal de primeira instância. Uma expressão de ateção. Um sinal de que o caminho em direção à plena comunhão com os lefebvristas continua,  como confirmou em uma declaração a Vatican Insider Dom Guido Pozzo. O arcebispo, que também é Secretário da Pontifícia Comissão Ecclesia Dei, disse: “A decisão da Congregação para a Doutrina da Fé não significa que os problemas existentes foram sanados, mas é um sinal de benevolência e magnanimidade. Não vejo contradição nisso, mas, antes, um passo em direção à reconciliação”.

Os leitores se recordarão que outro importante sinal veio no último mês de abril, quando o Arcebispo de Buenos Aires acendeu a luz verde para que os lefebvristas fossem reconhecidos pelo governo argentino como uma “associação diocesana”. Igualmente, um grande grupo de peregrinos da FSSPX foi autorizado a celebrar a eucaristia na Basílica de Lourdes.

Então, por que Fellay fala em uma contradição? Seu comentário se referia à peregrinação do último mês de fevereiro a Roma, que teve a participação de 1500 fiéis. A peregrinação foi organizada pelas irmãs Dominicanas ligadas à FSSPX. Um pedido foi feito à Pontifícia Comissão Ecclesia Dei para celebrar a Missa no altar da Basílica de São Pedro. Na ocasião, todavia, os responsáveis pela Comissão decidiram que a celebração por um sacerdote lefebvrista, antes que os problemas existentes sejam resolvidos com vistas à regularização canônica e a plena comunhão, lançaria um sinal equivocado. No entanto, o Papa Francisco deu sua aprovação à proposta de que a missa solicitada fosse celebrada na Basílica de São Pedro por um padre da Ecclesia Dei, segundo o rito antigo. Os líderes da Fraternidade recusaram a oferta.

Ainda, a nomeação de Fellay pela Congregação para a Doutrina da Fé como juiz de primeira instância, demonstra o progresso em termos de diálogo entre a Igreja e a FSSPX.

26 março, 2015

Müller: “Seria anti-católico deixar que as Conferências Episcopais decidissem sobre doutrina”.

Em nova entrevista, Cardeal Müller, responsável pela doutrina, critica comentários de líder dos bispos alemães, Cardeal Marx. 

Por Catholic Herald | Tradução: Fratres in Unum.com – A idéia de que as conferências episcopais possam tomar decisões doutrinais sobre o matrimônio e a família é “absolutamente anti-católica”, afirmou o responsável doutrinal do Vaticano.

Em uma entrevista exclusiva à revista francesa Famille Chrétienne, o Cardeal Gerhard Müller declarou: “Trata-se de uma idéia absolutamente anti-católica que não respeita a catolicidade da Igreja. As conferências episcopais têm autoridade sobre determinados assuntos, mas não um magistério em paralelo ao Magistério, sem o Papa e sem comunhão com os bispos”.

Cardeal Gerhard Müller, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé (foto: CNS).

Cardeal Gerhard Müller, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé (foto: CNS).

O prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé também respondeu às recentes declarações do Cardeal Reinhard Marx, presidente da conferência de bispos alemães.

O Cardeal Marx argumentou que os bispos alemães não são “só uma filial de Roma” e que precisavam implementar suas próprias políticas sobre o matrimônio e a família.

Ele afirmou: “Cada conferência episcopal é responsável pelo cuidado pastoral em sua cultura e devemos, como tarefa própria, anunciar o evangelho por nossa conta. Não podemos esperar até que um sínodo estabeleça algo, como temos feito até aqui, para abordar a pastoral família”.

De acordo com a tradução de Rorate-Caeli, o Cardeal Müller disse à Famille Chrétienne: “Uma conferência episcopal não é um concílio particular, muito menos um concílio ecumênico. O presidente de uma conferência episcopal não é mais do que um moderador técnico, e não tem nenhuma autoridade magisterial particular em decorrência deste título”.

“Ouvir que uma conferência episcopal não é só ‘uma filial de Roma’ permite-me recordar que as dioceses também não são filiais de um secretariado de uma conferência episcopal, nem da diocese cujo bispo preside a conferência”.

“Esse tipo de atitude gera o risco, de fato, de ressuscitar uma certa polarização entre as igrejas locais e a Igreja universal, superada desde os concílios Vaticano I e Vaticano II. A Igreja não é uma soma de igrejas nacionais, cujos presidentes votariam para eleger o seu chefe em nível universal”.

A íntegra da entrevista exclusiva do Cardeal Müller está disponível apenas na versão impressa de Famille Chrétienne.

23 março, 2015

Ações do Sínodo. Cai Kasper, sobe Caffarra.

Também o Papa Francisco se distancia do primeiro e se aproxima do segundo. E mantém-se próximo ao Cardeal Muller. E promove o africano Sarah. Todos eles intransigentes defensores da doutrina católica sobre o matrimônio. 

Por Sandro Magister, 20 de março de 2015 | Tradução: Fratres in Unum.com – “Com isso não se soluciona nada”, disse o Papa Francisco sobre a idéia de administrar a Comunhão aos divorciados que voltaram a se casar [civilmente]. E muito menos se eles a “querem”, reivindicam-na. Pois a comunhão não é “uma insígnia, uma honraria. Não”.

Em sua última grande entrevista, Jorge Mario Bergoglio esfriou as expectativas de mudança substancial na doutrina e na praxe do matrimônio católico que ele mesmo havia, indiretamente, alimentado:

> Los primeros dos años de la “Era Francisco” en entrevista a Televisa

Francisco e Caffarra.

“Expectativas descomedidas”, definiu ele. E já não mencionou as teses inovadoras do Cardeal Walter Kasper, que ele havia engrandecido em várias ocasiões, mas das quais parece ter se distanciado.

Vice-versa, já há algum tempo o Papa Francisco olha com crescente atenção e estima a outro cardeal teólogo, que sobre o “Evangelho do matrimônio” sustenta teses perfeitamente alinhadas à tradição: o italiano Carlo Caffarra, arcebispo de Bolonha.

Como professor de teologia moral, Caffarra era especialista em matrimônio, família e procriação. E, por esta razão, João Paulo II o quis como presidente do Pontifício Instituto para Estudos sobre o Matrimônio e a Família criado por ele em 1981, na Universidade Lateranense, após o sínodo de 1980 dedicado precisamente a esses temas.

Portanto, causou impressão a exclusão, em outubro passado, de todo expoente de tal instituto — que neste ínterim se estendeu por todo o mundo — na primeira sessão do sínodo sobre a família.

Porém, agora este vazio foi preenchido: em 14 de março último, o Papa Francisco nomeou o professor José Granados, vice-presidente exatamente do Pontifício Instituto João Paulo II para Estudos sobre o Matrimônio e a Família, como um dos consultores da secretaria geral da segunda e última sessão do sínodo, programada para outubro deste ano.

Quanto a Caffarra, se no próximo mês de maio não for eleito pela conferência episcopal como um de seus quatro delegados para o sínodo, seguramente será o Papa quem lhe incluirá entre os padres sinodais, como fez na sessão precedente.

O arcebispo de Bolonha é um dos cinco cardeais anti-Kasper que reuniram suas teses no livro “Permanecendo na verdade de Cristo”, publicado na Itália pela editora Cantagalli às vésperas do sínodo passado e traduzido atualmente em dez idiomas.

E foi, em seguida, um dos críticos mais decididos e melhor articulados do informe bomba lido por Kasper no consistório de fevereiro de 2014:

> El cardenal Caffarra: ningún Papa puede romper el vínculo matrimonial

Nesta ampla entrevista a “Il Folgio, de 15 de março de 2014, Caffarra disse, entre outras coisas, o que segue sobre a comunhão aos divorciados recasados:

“Quem admite esta hipótese não respondeu a uma pergunta muito simple: o que ocorre com o primeiro matrimônio rato e consumado? A solução apresentada leva a pensar que permanece o primeiro matrimônio, mas que também há uma segunda forma de convivência que a Igreja legitima. Por conseguinte, há um exercício da sexualidade humana extra-conjugal que a Igreja consideraria legítimo. Porém, com isso se nega o pilar da doutrina da Igreja sobre a sexualidade. Então, alguém poderia se perguntar: e por que não se aprovam as livres convivências? E por que não as relações entre homossexuais? Não é só questão de praxis, isso diz respeito à doutrina. Inevitavelmente. Também é possível dizer que não se faz, mas que se faz. E não só. Introduz-se um costume que a longo prazo determina esta idéia no povo, não só cristão: não existe nenhum matrimônio absolutamente indissolúvel. E isso, certamente, é contrário à vontade do Senhor”.

Abaixo, segue o texto integral do último posicionamento de Caffarra sobre o matrimônio e a família: uma conferência que proferiu no último 12 março na Pontifícia Universidade da Santa Cruz [ndr: o Fratres não teve condições de traduzir o texto; se algum leitor puder fazê-lo, publicaremos de bom grado].

Mas, antes, é útil recordar outros fatos que evidenciam a crescente aproximação do Papa Francisco do grupo dos críticos de Kasper.

O Papa continua mantendo à cabeça da congregação para a Doutrina da Fé, o Cardeal Gerhard L. Müller, o mais prestigioso dos cinco purpurados do livro anti-Kasper, muito firme em advertir sobre essa “sutil heresia cristológica” que consiste em separar a doutrina da praxis pastoral, na ilusão de que se possa mudar a segunda sem minar a primeira e, portanto, abençoar as segundas núpcias mantendo firme a indissolubilidade do matrimônio:

> Introduzione ai lavori della commissione teologica internazionale, 1 dicembre 2014

Em segundo lugar, o Papa Francisco, em uma das poucas nomeações importantes que fez recentemente na cúria, colocou na chefia da Congregação para o Culto Divino o Cardeal guineano Robert Sarah, autor de um livro entrevista  “Dieu ou rien. Entretien sur la foi”, publicado na França pela editora Fayard, no qual rejeita na raiz a idéia de dar a Comunhão aos divorciados recasados, que a seu juízo é “a obsessão de certas igrejas ocidentais que querem impor soluções que qualificam de ‘teologicamente responsáveis e pastoralmente apropriadas’ e que contradizem radicalmente o ensinamento de Jesus e do magistério da Igreja”.

Dando plena razão a Müller, o Cardeal Sarah diz ainda:

“A idéia que consistiria em pôr o magistério dentro de um belo cofre, separando-o da prática pastoral, que poderia evoluir segundo as circunstâncias, modas e paixões, é uma forma de heresia, uma perigosa patologia esquizofrênica”.

E depois de ter constatado que a questão dos divorciados recasados “não é um desafio urgente para as Igrejas da África e Ásia”, declara:

“Portanto, afirmo solenemente que a Igreja da África se oporá firmemente a toda rebelião contra o ensinamento de Jesus e do magistério”.

Efetivamente, os cardeais e bispos africanos eleitos até agora como representantes no próximo sínodo pelas respectivas igrejas nacionais, situam-se todos na posição intransigente de Sarah, com única exceção para o arcebispo de Accra, Charles Palmer-Buckle, que não só declarou ser favorável à comunhão aos divorciados recasados, mas também — em hipótese — ao divórcio, graças aos poderes do Papa de “unir e dissolver” qualquer coisa sobre a terra.

> African Archbishop Lays Down “Daring” Challenge for Synod on the Family

Há de se acrescentar que nesta posição intransigente também se alinharam os bispos da Europa Oriental, com os poloneses à frente:

> Konferencji Episkopatu Polski. Komunikat

> In English

E os quatro padres sinodais eleitos pela conferência episcopal dos Estados Unidos: Joseph Kurtz, Charles Chaput, Daniel DiNardo, José H. Gómez.

O mais “moderado” dos quatro, Kurtz, tampouco deixou de enfatizar — seguindo os passos do cardeal Müller — que “é muito importante que não haja nenhuma fissura entre o modo com que rezamos e cremos e o modo como exercemos a atenção pastoral. Há uma justa preocupação de permanecermos fiéis ao verdadeiro magistério da Igreja e esta é a atitude que adotarei no sínodo”:

> On Synod, Archbishop Kurtz Calls for Unity Between Catholic Beliefs and Pastoral Practice

 

15 outubro, 2014

O Sínodo em frases.

Archbishop Raymond Burke“A meu ver, tal declaração [doutrinal do Papa Francisco em defesa da moral cristã] está muito atrasada. O debate sobre essas questões foi avançando faz quase nove meses, especialmente nos meios de comunicação seculares, mas também através dos discursos e entrevistas do Cardeal Walter Kasper e de outros que apoiam a sua posição. Os fiéis e os seus bons pastores estão a espera que o Vigário de Cristo, confirme a sua fé Católica e a prática a respeito do casamento, que é a primeira célula da vida da Igreja.”

Do Cardeal Raymond Leo Burke em entrevista a Catholic World Report

* * *

“Acho que existe uma contradição flagrante no fato de que fora da Sala do Sínodo os bispos podem conceder entrevistas livremente, ao passo que suas intervenções na sala não podem ser públicas […] Além disso, havia a intenção de romper com uma tradição que é própria da Igreja… Não interessa se alguns não estão de acordo com esta minha opinião. Eu falo o que quero, mas acima de tudo eu falo o que preciso dizer como Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. Ademais, não fiz nada mais do que dar voz aos protestos de muitos fiéis de muitas nações, que têm escrito para mim com relação a este assunto, e que têm o direito de saber como seus bispos pensam. Por que foi necessário modificá-lo?”

Do Cardeal Gerhard Ludwig Muller, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé

15 outubro, 2014

Müller: A censura. Relatório: “Indigno, vergonhoso, completamente errado”.

O Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, o cardeal Gerhard Mueller, se pronunciou contra a censura imposta às intervenções dos participantes do Sínodo. Um bispo: a proposta de Kasper é um remédio pior que a doença.

Por Marco Tosatti – La Stampa | Tradução: Gercione Lima – Fratres in Unum.com – O Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, o cardeal Gerhard Müller, se pronunciou contra a censura imposta às intervenções dos participantes do Sínodo. De acordo com o que foi divulgado pela AP (Associated Press), o purpurado alemão disse a uma emissora de TV católica presente em alguns momentos dos trabalhos sinodais que “todos os cristãos têm o direito de serem informados sobre as intervenções de seus bispos. “

Atualmente, no entanto, as informações sobre o Sínodo são fornecidas pelo Diretor da Sala de Imprensa, padre Federico Lombardi, assistido por um sacerdote de língua inglesa (Padre Rosica) e por outro de língua espanhola. Na conferência de imprensa se oferece um panorama geral da jornada, indicando temas, mas não as intervenções de maneira explícita, nem tampouco os autores das intervenções.
E isso é lamentável, porque certamente houve intervenções que merecem ser conhecidas com mais detalhes. Assim, como por exemplo, aquela de um bispo que criticou duramente a proposta do cardeal Kasper de dar a Eucaristia aos divorciados novamente casados​​, afirmando que se trata de “um remédio pior que a doença.”
Enquanto outro observou que o cuidado pastoral com os divorciados deve deixar claro que se trata de pessoas já casadas e que antes de 2014 já existiam Papas na Igreja e não se pode dizer que eles não eram misericordiosos. Um outro observou que, além de ficar sempre repetindo “misericórdia”, devemos evangelizar mais, que se menciona frequentemente a necessidade de formação, mas depois a ignoram pelo medo de sermos mal entendidos. Ao que o cardeal Kasper repetiu que sim, foi ele que tomou a iniciativa, mas primeiro consultou o Papa…

* * *

Segundo o jornal La Repubblica [creditos: Rorate-Caeli], o Cardeal Muller assim qualificou o Relatório Pós-Debate em uma discussão nos circuli minores (grupos de discussão dentro do Sínodo divididos por idiomas): “Indigno, vergonhoso, completamente errado”.

30 julho, 2014

Cardeal Müller sobre a Misericórdia Divina: “Não se pode ir à igreja pela manhã e à tarde ao bordel, como se fosse possível viver na casa de Deus pela manhã e na casa do diabo à noite”.

“A Igreja não é um sanatório”. Além da misericórdia, existe muito mais.

Por Matteo Matzuzzi – Il Foglio | Tradução: Gercione Lima – Fratres in Unum.com: “Santo Tomás de Aquino afirmou que a misericórdia é precisamente o cumprimento da justiça, porque através dela Deus justifica e renova a criação do homem. Portanto, não deverá ser jamais uma desculpa pra suspender ou tornar inválidos os mandamentos e os sacramentos. Caso contrário, estaremos na presença da pesada manipulação da autêntica misericórdia e, portanto, também de frente à vã tentativa de justificar nossa indiferença tanto em relação a Deus como aos homens”. É assim que deve ser entendida a misericórdia, de acordo com o cardeal Gerhard Ludwig Müller, prefeito da congregação para a Doutrina da fé. Tendo em vista o próximo sínodo sobre a família, o purpurado alemão expôs sua reflexão em um longo diálogo com Carlos Granados, diretor das edições espanholas Bac, já disponível nas livrarias em um pequeno volume intitulado  “La speranza della família” (Edizioni Ares). Da misericórdia se tem falado em abundância depois do discurso consistorial do cardeal  Walter Kasper, que invocou a misericórdia para os divorciados recasados que desejam se aproximar novamente da eucaristia, alegando que “através da penitência qualquer um pode receber clemência e todo pecado ser absolvido”, cada ferida poderia ser curada no “hospital de campanha”, segundo a entrevista de Francisco na revista  Civiltà Cattolica – “A imagem do hospital de campanha é muito bonita”, disse Müller, mas “não podemos manipular o Papa reduzindo a esta imagem toda a realidade da Igreja. A Igreja não é um sanatório: a Igreja é também a casa do Pai”.

Dom Gerhard Müller, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

Dom Gerhard Müller, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

É verdade, assegura o guardião da ortodoxia católica, que “Deus perdoa até um pecado grave como o adultério, todavia não permite um outro casamento que colocaria em dúvida um matrimônio sacramental ainda existente, um matrimônio que expressa a fidelidade de Deus. Fazer um similar apelo a uma presumida misericórdia de Deus equivale a um jogo de palavras que não ajuda a esclarecer os termos do problema. Na realidade – acrescenta o chefe do antigo Santo Ofício em uma das frases escapadas da longa antecipação publicada na revista Avvenire – me parece que esse é um modo de não perceber a profundidade da misericórdia divina”. Visões diametralmente opostas, portanto, que levam Müller a dizer-se surpreso com o empenho “da parte de alguns teólogos que possuem o mesmo entendimento sobre a misericórdia como um pretexto para admitir aos sacramentos os divorciados casados novamente segundo a lei civil”. O princípio da misericórdia, observa ainda, “é muito fraco quando se transforma em um único argumento teológico-sacramental válido. Toda a ordem sacramental é precisamente obra da misericórdia divina e não pode ser anulada revogando o mesmo princípio que a rege. Do contrário, uma referência errada à misericórdia contém o grave risco de banalizar a imagem de Deus, segundo a qual Deus não seria livre, mas sim obrigado a perdoar”. É verdade, enfatiza o prefeito, que Deus não se cansa nunca de perdoar e de oferecer a sua misericórdia, o problema é que somos nós que nos cansamos de suplicá-la”. E depois, “além da misericórdia, também a santidade e a justiça pertencem ao mistério de Deus. Se ocultássemos esses atributos divinos e se banalizássemos a realidade do pecado, não haveria sentido algum em implorar para as pessoas a misericórdia de Deus”.

O cardeal Müller toca ainda em outro ponto delicado que é o grande desafio entre doutrina e vida, também no que diz respeito aos pedidos de adaptação do ensinamento católico em assuntos de moral sexual à realidade pastoral. “Trata-se de um mal entendimento, como se a doutrina fosse um sistema teórico reservado a alguns especialistas de teologia. Não, a doutrina, além da palavra de Deus, nos dá a vida e a mais autêntica verdade da vida. Não podemos confessar de modo doutrinal que ‘Cristo é o Senhor’ e depois não cumprir a Sua vontade”. Busca-se, em suma, “transformar a doutrina católica numa espécie de museu das teorias cristãs: uma espécie de reserva que interessaria apenas a alguns especialistas” e “ o severo cristianismo estaria se convertendo em uma nova religião civil, politicamente correta, reduzida a alguns valores tolerados pelo resto da sociedade. De tal modo, se obteria o objetivo inconfessável de alguns: marginalizar a Palavra de Deus para poder dirigir ideologicamente toda a sociedade”. Jesus, explica o purpurado, “não se encarnou para expor algumas simples teorias que tranqüilizam a consciência, deixando tudo, até o que tem fundo lascivo, como está, sem alterar a ordem constituída”. Em suma, não se pode, “ir à igreja pela manhã e à tarde ao bordel, como uma espécie de síntese esquizofrênica entre Deus e o mundo, como se fosse possível viver na casa de Deus pela manhã e na casa do diabo à noite.”
22 maio, 2014

Roma excomunga responsável por movimento “Nós somos a Igreja”.

Por La Vie | Tradução: Fratres in Unum.com – Esse é o epílogo de um longo impasse entre o movimento Wir sind Kirche (“Nós somos a Igreja”) e o Vaticano. Segundo as informações do Tiroler Tageszeitung (em alemão), Martha Heizer, a responsável austríaca pelo movimento leigo muito crítica em relação a Roma, acaba de ser excomungada pelo Papa Francisco. Seu marido, Gert Heizer, foi igualmente atingido pela medida. De acordo com o diário alemão Die Welt (em alemão), a informação é confirmada “por círculos católicos”.

Martha Heizer

O bispo de Innsbruck, Dom Manfred Scheuer, “apresentou pessoalmente o decreto ao casal na quarta-feira, 21 de maio, à noite”, afirmou a rádio ORF Tirol (em alemão). O bispo leu o conteúdo do decreto aos dois envolvidos, que, em seguida, recusaram o documento. “Nós não aceitamos porque questionamos a integridade de todo o processo”, disse Martha Heizer à rádio austríaca.

Nesta manhã de quinta-feira, ela declara, em um comunicado (em alemão), estar “profundamente chocada ao se encontrar na mesma categoria que os padres pedófilos”. Na sua opinião, “esse procedimento mostra como a que ponto a Igreja Católica precisa de renovação”.

Eucaristias privadas

O motivo das duas excomunhões? Missas privadas celebradas sem padre na residência do casal. Há vários anos, Martha Heizer não esconde que ela e seu marido acolhem em sua casa essas celebrações, às quais alguns fiéis participam regularmente. Simulações de missas que constituem “delicta graviora” (delitos graves) aos olhos da Igreja Católica.

“O caso causou polêmica em 2011″, explica o Tiroler Tageszeitung, com a intervenção do bispo local. A Congregação para a Doutrina da Fé, em seguida, anunciou a criação de uma comissão.

Martha Heizer encabeça o movimento reformista desde 7 de abril passado — um movimento fundado na Áustria em 1995, da qual é uma das fundadoras. Aos 67 anos, Martha Heizer é conhecida por suas posições favoráveis à ordenação de mulheres e a “uma renovação da Igreja através dos leigos”, diz o Die Welt. Desde 2012, ela dirige o International Movement We Are Church (IMWAC), “Movimento Internacional Nós Somos Igreja”.

Com esta decisão, Dom Gerhard Ludwig Müller, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, mantém-se fiel à sua posição anterior: em 2009, então chefe da diocese de Regensburg, o prelado alemão havia suspendido Paul Winckler, o responsável alemão da Wir sind Kirche .

7 maio, 2014

Duro ataque do Cardeal Müller a grupo de religiosas americanas investigado pela Santa Sé.

Apesar de toda “caridade” (leniência cúmplice) do responsável pelos religiosos, Cardeal Braz de Avis, com sua lenga-lenga dialogante, o Prefeito do Antigo Santo Ofício não se omite. Sinais dos tempos: na Cúria de Francisco, até Müller ganha destaque por defender a Fé…

Congregação vaticana questiona religiosas americanas por não cooperarem

IHU – O responsável doutrinário do Vaticano acusou as líderes religiosas dos EUA de não cumprirem a agenda de reformas que a Santa Sé impôs à Conferência de Liderança das Religiosas (Leadership Conference of Women Religious – LCWR, em inglês) após uma avaliação doutrinária.

Religiosas do LCWR.

Religiosas da LCWR.

A reportagem é de Dennis Coday, publicada por National Catholic Reporter, 05-05-2014. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

O cardeal Gerhard Müller, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, disse à articulação das religiosas que seus membros estavam ignorando os procedimentos para a escolha dos palestrantes tendo em vista a conferência anual a ocorrer em agosto, e questionou se os programas destas irmãs não estariam incentivando a heresia.

11 março, 2014

Um herói (marxistoide) no Vaticano.

Com informações de Catapulta | Tradução: Fratres in Unum.com (destaques do original) – “Na terça-feira passada, o fundador da Teologia da Libertação, a corrente católica de inspiração latino-americana que defende os pobres, foi recebido como um herói no Vaticano, no momento em que o outrora criticado movimento continua a sua reabilitação com o papa Francisco.

O reverendo Gustavo Gutiérrez Merino, do Peru, foi o orador surpresa nessa terça-feira, no lançamento de um livro, que contou com a participação do cardeal Gerhard Mueller, chefe da Congregação para a Doutrina da Fé, entidade encarregada de cuidar para que os sacerdotes não se afastem dos ensinamentos centrais da Igreja; do cardeal Óscar Rodríguez (Maradiaga) um dos principais assessores do Papa, e do porta-voz do Vaticano”

http://www.jornada.unam.mx/2014/02/27/mundo/

Vatican Insider fornece mais detalhes sobre a apresentação do livro:

“Pobre e para os pobres”. As palavras do Papa são também o título do mais recente livro de Gerhard Ludwig Müller, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. (que aparece na foto vestindo um poncho). Um texto que parece ser o passo definitivo em direção a uma Teologia da Libertação “normalizada”. A edição, que conta com o prólogo de Francisco, foi apresentada em um auditório do Vaticano…

Müller é o principal artífice dessa “normalização” de uma corrente de pensamento que ainda provoca debates acalorados na América Latina. Ele é amigo pessoal de Gutiérrez, “pai” dessa teologia, há décadas. Após a apresentação do livro, o brilhante cardeal alemão explicou aos jornalistas porque ele a apoia sem duvidar.

http://vaticaninsider.lastampa.it/es/en-el-mundo/dettagliospain/articolo/teologia-della-liberazione-teologia-de-la-liberacion-32380/

Agora vamos lá, em 1973 o fundador Gutiérrez publicou Fe cristiana e cambio social, onde aparecem as seguintes pérolas “católicas” e das quais nunca se arrependeu:

 “… a luta de classes é um fato, e é impossível manter a neutralidade nesse tema”.

“… não há nada mais certo do que um fato. Ignorá-lo é enganar e deixar-se enganar e, além disso, privar-se dos meios necessários para eliminar verdadeira e radicalmente essa condição ‒ ou seja, avançar até uma sociedade sem classes“.

“Participar da luta de classes não somente não se opõe ao amor universal; hoje em dia, esse compromisso é o meio necessário e inevitável para concretizar esse amor, uma vez que essa participação é o que conduz a uma sociedade sem classes, uma sociedade sem proprietários e despossuídos, sem opressores e oprimidos”.

“… a missão da Igreja se define prática e teoricamente, pastoral e teologicamente, em relação… ao processo revolucionário. Ou seja, a sua missão se define mais pelo contexto político do que por problemas intra-eclesiais”.

“… a luta de classes existe dentro da mesma Igreja… a unidade da Igreja (é)… um mito que deve desaparecer se a Igreja é “reconvertida” ao serviço dos trabalhadores na luta de classes”.

No mundo atual a solidariedade e o protesto de que falamos têm um evidente e inevitável caráter político, tanto que têm um significado libertador. Optar pelo oprimido é optar contra o opressor. Em nossos dias e em nosso continente, solidarizar-se com o pobre assim entendido, significa correr riscos pessoais… É o que ocorre a muitos cristãos – e não cristãos – no processo revolucionário latino-americano”. (Ver Postagem de 11 de setembro de 2013 “MÁS ALIENTO A LA REVOLUÇÃO” http://www.catapulta.com.ar/?p=11414)

8 março, 2014

Cardeal Müller: «as pessoas cuja vida contradiz a indissolubilidade do matrimônio sacramental não podem receber a Eucaristia».

O cardeal Gerhard Müller, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, concedeu uma entrevista ao National Catholic Register, na qual responde a uma pergunta sobre a possibilidade dos divorciados recasados receberem a comunhão. O prelado indica que o ensinamento de Cristo e sua Igreja é claro: «as pessoas cujo estado de vida contradiz a indissolubilidade do matrimônio sacramental não podem receber a Eucaristia». Ao mesmo tempo ele adverte que, embora «a ideia de que a doutrina possa ser separada da prática pastoral da Igreja tenha se tornado habitual em alguns círculos», essa «não é nem nunca foi a fé católica».

Por NCR/InfoCatólica, 6 de março de 2014 | Tradução: Fratres in Unum.com –  Edward Pentin, do National Catholic Register, pergunta ao Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé sobre a admissão à Eucaristia dos divorciados recasados no civil:

Alguns estão preocupados com as mudanças ocorridas com relação ao ensinamento da Igreja sobre os católicos divorciados e recasados. Podemos garantir aos fiéis que as mudanças serão de tipo mais pastoral que doutrinal?

Resposta do cardeal:

Dom Gerhard Müller, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

Dom Gerhard Müller, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

Em primeiro lugar, agradeço o fato de que a sua pergunta me dá a oportunidade de esclarecer um ponto importante. A ideia de que a doutrina possa ser separada da prática pastoral da Igreja se tornou habitual em alguns círculos. Essa não é nem nunca foi a fé católica. Os últimos papas têm se esforçado para ressaltar o caráter vital e pessoal da fé católica. O Papa Francisco escreveu «Não me canso de repetir aquelas palavras de Bento XVI que nos levam ao próprio centro do Evangelho: “Não se começa a ser cristão por uma decisão ética ou uma grande ideia, mas sim pelo encontro com um acontecimento, com uma Pessoa, que dá um novo horizonte à vida e, com ele, uma orientação decisiva” (Evangelii Gaudium, 7). Dentro dessa relação pessoal com Cristo, que abrange as nossas mentes, nossos corações e a totalidade de nossas vidas, podemos compreender a profunda unidade entre as doutrinas em que acreditamos e a forma em que vivemos nossas vidas, ou aquilo que poderíamos chamar a realidade pastoral de nossa vivencia pessoal. A oposição entre o que é pastoral e o que é doutrinal é simplesmente uma falsa dicotomia.

Em segundo lugar, temos que ter muito cuidado ao falarmos dos ensinamentos da Igreja. Se por «mudança» se quer dizer negar ou rejeitar o que existia anteriormente, isso seria um erro. Eu preferiria falar de «desenvolvimento» dos ensinamentos da Igreja. A Igreja não inventa por si mesma aquilo que ensina. Os ensinamentos da Igreja estão enraizados na pessoa de Cristo, no mistério de Deus que se revela.

Pode ser que, com o passar do tempo, a Igreja chegue a um entendimento mais profundo desse mistério. Pode ocorrer também que novas circunstâncias na história dos homens lancem uma luz concreta sobre as consequências desse mistério. Porém, devido ao que está enraizado no mesmo mistério de Cristo, sempre há uma continuidade naquilo que a Igreja ensina.

Em terceiro lugar, referindo-me especificamente à questão da admissão à comunhão eucarística dos divorciados recasados, faço referência ao artigo publicando no L´Osservatore Romano. Sem dúvida, gostaria de recordar alguns pontos que observei na época. Primeiro, o ensinamento de Cristo e sua Igreja é claro: um matrimônio sacramental é indissolúvel. Segundo, as pessoas cujo estado de vida contradiz a indissolubilidade do matrimônio sacramental não podem receber a Eucaristia. Terceiro, os pastores e as comunidades paroquiais são chamados a apoiar os fiéis que se encontram nessa situação com «solícita caridade» (Familiaris Consortio 84).

A preocupação da Igreja por seus filhos que estão divorciados e recasados não pode ser reduzida à questão da recepção da Eucaristia, e estou seguro de que a Igreja, arraigada na verdade e no amor, descobrirá os caminhos e abordagens corretos de formas sempre novas.

Em relação a possíveis mudanças doutrinais, o cardeal adverte na entrevista que é necessário distinguir entre a realidade e a forma em que aquela é apresentada pelos meios de comunicação:

Em particular, os meios seculares frequentemente interpretam mal a Igreja. Infelizmente, eles aplicam o modo de pensar do âmbito da política à Igreja. Um líder político recém-eleito pode modificar ou revocar a política de seu partido. Isso não se aplica a um Papa. Quando um Papa é eleito, a sua missão é ser fiel aos ensinamentos da Igreja e de Cristo. Pode-se encontrar modos novos e criativos de ser fiel a esses ensinamentos, porém, para o Papa, a realidade mais profunda é a contínua fidelidade à pessoa de Cristo. Se os meios de comunicação criaram expectativas errôneas, então, estamos diante de algo lamentável.