O perigo das entrevistas

Recebemos a seguinte informação do Rev. Pe. João Batista:

Prezado Senhor.
O bispo de São José do Rio Preto, referindo-se a meu artigo, publicou uma nota em que diz ser contra a união civil homossexual, retificando assim o que havia dito anteriormente.
Cordialmente,
In Christo Rege,
Pe. João Batista de Almeida Prado Ferraz Costa

No site da Diocese de São José do Rio Preto encontramos a referida nota:

O Perigo das Palavras – Dom Paulo Mendes Peixoto

 

À repercussão de uma entrevista veiculada na imprensa (22/06/08), na qual eu expressava o meu pensamento sobre o homossexualismo, que gerou considerações por parte do Padre João Batista de Almeida Prado Ferraz Costa, vejo-me no direito e dever de tornar público o meu pensamento sobre este tema de acordo com a doutrina da Igreja.

A ciência psicológica até hoje não tem uma posição definitiva sobre as causas, as origens, tendências e dimensões da homossexualidade.

A teologia da Igreja Católica tem uma posição, a mesma de Jesus: acolher a todos, rejeitando o pecado; acolher o que erra e rejeitar o erro. Com isto não quero dizer que a pessoa homossexual seja, por si, pecadora, mas que deve ser acolhida como pessoa digna de respeito que, muitas vezes sofre com sua realidade.

Uma coisa é rejeitar e não aceitar a homossexualidade; outra, bem diferente, mais evangélica, é acolher a pessoa homossexual. Da mesma forma, uma coisa é rejeitar a prostituição; outra, também mais evangélica, é acolher a prostituta.

Quando Jesus chama atenção dos escribas e fariseus, dizendo que “os cobradores de impostos e prostitutas vos precederão no reino dos céus” (Mt 21, 31), não estava aprovando a prostituição e nem o comércio de mulheres.

Assim, diante do projeto que tramita no Congresso Nacional, quero apresentar, com clareza, meu pensamento: 1 – legalizar uma união homossexual como união estável não é pertinente. Nem a ciência psicológica, nem psiquiátrica e nem médica garantem que tal união possa ser estável; 2 – a Bíblia nos diz o que Deus quis: é no casamento que o homem e a mulher se completam – “no princípio Deus os criou homem e mulher” (Mt 19,4 ; Gn 2,24); 3 – a teologia católica será sempre contrária à união estável entre pessoas do mesmo sexo.

Em qualquer circunstância concreta, a nossa missão de Pastor será de fidelidade ao Evangelho de Jesus Cristo, de acolher a todos em qualquer realidade, com misericórdia e amor. Dessa forma, deixo claro o meu real pensamento sobre o tema.

One Comment to “O perigo das entrevistas”

  1. Eu queria que alguém informasse o bispo também que a Dra. Renate Jost de Moraes, que estava na mesa ao lado do Para Bento VXI quando veio ao Brasil, doutora premiada com o Prêmio Científico Relativo ao Cérebro e Suas Descobertas, já publicou alguns livros sobre a questão inclusive do homossexualismo com casos clínicos que podem ser verificados, chamam-se As Chaves do Inconsciente e Inconsciente Sem Fronteiras. Aliás, estes livros deveriam ser matéria obrigatória nos seminários e lidos por todos os formadores de sacerdotes. Salvaria a igreja do Brasil, se levado a sério.