L’Osservatore Romano inocenta Templários

Excerto do artigo publicado em Times Online:

O Vaticano publicou pela primeira vez a oração que os Cavaleiros Templários compuseram quando foram “aprisionados injustamente”, na qual eles apelavam à Virgem Maria para persuadir “nossos inimigos” a abandonar “calúnias e mentiras” e retornar à “verdade e caridade”.

L’Osservatore Romano, o jornal do Vaticano, disse que a oração foi uma outra prova de que a ordem, que foi dissolvida no século quatorze, não era herética. Os cavaleiros foram inocentados das acusações contra eles que incluíam a acusação de que cultuavam ídolos como uma “monstruosa estátua, metade homem, metade bode”.

O artigo do L’Osservatore Romano, de Barbara Frale, estudiosa dos Arquivos Secretos do Vaticano que fez um estudo especial sobre os cavaleiros, diz ser falso que os cavaleiros eram culpados de “decadência, heresia e práticas imorais”.

2 Comentários to “L’Osservatore Romano inocenta Templários”

  1. Prezados,

    O artigo do L’Osservatore Romano (…) diz ser falso que os cavaleiros eram culpados de “decadência, heresia e práticas imorais”.

    Isso está correcto?

    A notícia publicada em ZENIT inocenta-os de heresia, mas não de degradação moral:

    Segundo a pesquisadora, «graças a afortunados descobrimentos das atas conservadas no Arquivo Secreto Vaticano, hoje sabemos que a disciplina primitiva do Templo e seu espírito autêntico se haviam corrompido com o passar do tempo, caindo na decadência e deixando aberta a difusão dos maus costumes».

    Abraços, em Cristo,
    Jorge Ferraz

  2. Prezado Jorge. A notícia que traduzimos, do Times, é anterior à notícia publicada em Zenit; a publicamos exatamente por não saber se existiria repercussão na imprensa católica. Como se sabe, é bem provável neste caso que o Times esteja errado, afinal, a imprensa secular não raras vezes erra nos assuntos religiosos.
    Agradeço seu contato e seu post servirá tanto de esclarecimento, como para que alguém que possua o artigo do L’Osservatore resolva essa contradição.

    Um abraço.