Os novos consultores do Papa selam o fim de Piero Marini

– O Papa Bento XVI fez uma mudança de baixo perfil mas significante em direção à reforma litúrgica ao renovar completamente o plantel de seus conselheiros litúrgicos ontem.

Uma breve nota pouco reparada da Sala de Imprensa do Vaticano anunciou a indicação de novos consultores para o Departamento de Celebrações Litúrgicas do Supremo Pontífice. Ela não menciona, entretanto, a importância dos novos indicados.

Os novos consultores incluem Monsenhor Nicola Bux, professor na Faculdade de Teologia de Puglia (Sul da Itália), e autor de vários livros sobre liturgia, especialmente sobre a Eucaristia. Bux recentemente terminou um novo livro “A Reforma do Papa Bento”, publicado pela editora italiana Piemme, previsto para chegar às prateleiras em Dezembro.

A lista dos novos consultores inclue Pe. Mauro Gagliard, especialista em teologia dogmática e professor no Athenaeum Pontificium ‘Regina Apostolorum’, dos Legionários de Cristo; O Padre espanhol do Opus Dei Juan José Silvestre Valor, professor na pontíficia universidade de Santa Croce, em Roma; Padre Uwe Michael Lang, C.O., um oficial da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos e autor do livro “Voltados para o Senhor” — sobre a importância de voltar-se ‘ad orientem’ durante a Missa; e Pe. Paul C.F. Gunter, um professor Beneditino no Athenaeum Pontificium Santo Anselmo, em Roma, e membro do corpo editorial do vindouro “Usus Antiquior”, um jornal dedicado à liturgia sob os auspícios da Sociedade de Santa Catarina de Siena. A Sociedade, que tem uma associação com a Província inglesa da Ordem dos Pregadores (Dominicanos), promove a renovação intelectual e litúrgica da Igreja.

Também relevante é o fato de que todos os antigos consultores, indicados quando o Arcebispo Piero Marini liderava o Departamento de Celebrações Litúrgicas, foram dispensados ao não serem renovadas suas indicações.

One Comment to “Os novos consultores do Papa selam o fim de Piero Marini”

  1. Sem dúvida o Papa fez um gesto de um início contra “revolução” liturgica iniciada por Dom Bugnini ao acabar um grande discípulo dele nos tempos atuais até um tempo não muito atrás ficava no Vaticano, o velho Marini.

    Isso sem querer aprofunda sobre essa bomba da “reforma da reforma” que virá.

    Deste modo, não deixo de vê isso com uma grande insõnia de bispos modernistas, principalmente, contrários ao Summorum Pontificum atualmente…