Dossiê: Levantamento do Decreto das Excomunhões sobre os bispos da FSSPX – 21 de janeiro de 2009.

Bastiões da Igreja

“Olhando para o passado, para as divisões que no decurso dos séculos dilaceraram o Corpo de Cristo, tem-se continuamente a impressão de que, em momentos críticos quando a divisão estava a nascer, não fora feito o suficiente por parte dos responsáveis da Igreja para manter ou reconquistar a reconciliação e a unidade; fica-se com a impressão de que as omissões na Igreja tenham a sua parte de culpa no facto de tais divisões se terem podido consolidar. Esta sensação do passado impõe-nos hoje uma obrigação: realizar todos os esforços para que todos aqueles que nutrem verdadeiramente o desejo da unidade tenham possibilidades de permanecer nesta unidade […] «Falámo-vos com toda a liberdade, ó Coríntios. O nosso coração abriu-se plenamente. Há nele muito lugar para vós » (II Cor, 6, 11)

Carta do Santo Padre, o Papa Bento XVI, aos bispos que acompanha o motu proprio Summorum Pontificum.

“Estamos sempre firmemente determinados na vontade de permanecer católicos e de colocar todas as nossas forças a serviço da Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, que é a Igreja Católica Romana. Aceitamos os seus ensinamentos com ânimo filial. Acreditamos firmemente no Primado de Pedro e em suas prerrogativas, e por isso nos faz sofrer tanto a situação atual. […] Estamos prontos para escrever com nosso sangue o Credo, para assinar o juramento anti-modernista, a profissão de Fé de Pio IV, nós aceitamos e fazemos nossos todos os concílios até o Vaticano I. Mas nós não podemos deixar de ter reservas sobre o Concílio Vaticano II, que quis considerar-se, ele mesmo, um concílio ‘diferente dos outros’ (cfr. discursos dos Papas João XXIII e Paulo VI)”. Em tudo isso, temos a convicção de permanecer fiéis à linha de conduta traçada por nosso fundador, Dom Marcel Lefebvre, de quem esperamos uma próxima reabilitação.

Dom Bernard Fellay, Superior da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, ao Papa Bento XVI.

 

 

Repercussões relevantes:

Carta aberta do Pe. João Batista ao Papa Bento XVI.

A guerra na Alemanha continua: pelo Reinado Social de Nosso Senhor, contra o salário dos bispos.

Padre Franz Schmidberger, Superior do Distrito Alemão da FSSPX: Reconciliação “dentro de um prazo previsível”.

Curta nota da Conferência Episcopal da Alemanha sobre as declarações de Dom Fellay.

Comunicado de Dom Bernard Fellay acerca das ordenações programadas para 28 de março.

Monsenhor Bernard Fellay: “A Tradição não é um brinquedo nas mãos dos homens”.

Cardeal Hoyos: “não lhes excomungaram por motivos de doutrina”.

Franciscans, Dominicans and Lefebvrists, An Open Letter to Progressivists and Modernists – Pe. João Batista

Reações internacionais à carta do Papa: Bispos Ingleses leram apenas aquilo que lhes agradava.

Comunicado do Superior Geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, Dom Bernard Fellay.

Carta do Papa aos Bispos de todo o mundo acerca do levantamento das excomunhões dos Bispos da FSSPX.

Carta do Papa aos bispos de todo o mundo sobre o levantamento das excomunhões: “Estou entristecido pelo fato de que mesmo os Católicos consideraram ter de me atingir com uma hostilidade pronta para o ataque”.

A hipótese de uma regularização provisória da FSSPX ganha terreno.

A guerra encarnizada na Cúria. Artigo do Padre Barthe circula em Roma; Os ortodoxos e o levantamento das excomunhões; Na própria Cúria. Eles lamentam, coitadinhos (reação da CNB da Suiça); Meia comunhão?

Distrito Alemão da FSSPX comenta declaração da Conferência dos Bispos: declaração oficial do Superior do Distrito, Padre Franz Schmidberger, e comentário de Padre Andreas Steiner.

Quem são os verdadeiros cismáticos? Quem não respeita o Papa?

“Não se encontra em comunhão porque ela se coloca fora da Tradição católica e rompeu a unidade com o Papa”. A FSSPX ou a CNB da Alemanha?

Franciscanos, dominicanos e lefebvrianos. – Pe. João Batista

Dom Fellay: “Nós esperamos definitivamente do Santo Padre e da Santa Sé um esclarecimento verdadeiro do Concílio”.

Dom Galarretta é o novo Superior de La Reja.

Dom Fellay expulsará Dom Williamson se ele “recomeçar a negar o Holocausto”.

Carta dos Bispos da FSSPX em agradecimento ao Santo Padre.

Dom Fellay: “a Igreja deve ser uma mãe responsável que ilumina e guia nossas mentes limitadas e freqüentemente obscurecidas”.

“Trata-se de chegar a uma reconciliação interna no seio da Igreja” (Carta do Santo Padre aos bispos). – Padres da FSSPX e Bispo Mexicano dão exemplo de caridade católica.

Declaração de Mons. Williamson: “A todas as almas que ficaram honestamente escandalizadas pelo que eu disse, ante Deus, peço perdão”.

Dom Williamson teria partido para Londres.

Dom Williamson já deixou a Argentina.

Dom Williamson tem 10 dias para deixar Argentina.

Williamson está ameaçado de expulsão?

Carta de fiel de Campos – RJ.

Se não quisermos o colapso da Igreja, esclarecimentos sobre esse Concílio são urgentes.

FSSPX continuará a administrar o sacramento da ordem.

Vaticano II como Super-Dogma: diálogo até com o Demônio, menos com a FSSPX.

Os integristas querem rediscutir o Vaticano II.

Rádio Vaticano: Fraternidade São Pio X busca diálogo com bispos alemães.

Mons. Georg Gänswein ex-seminarista de Ecône?

É o Bom Deus que decide. – Entrevista de Dom Fellay.

Pronunciamento oficial de Dom Fernando Rifan acerca do levantamento das excomunhões dos Bispos da FSSPX.

Monsenhor Fellay expressa as suas reservas sobre o Vaticano II.

Fratres in Unum entrevista Padre Joel Danjou, da Fraternidade Sacerdotal São Pio X.

Editorial: «Felizes os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino do Céu» (Mt 5, 10)

Bispos alemães utilizam métodos dos nazistas

Dom Williamson não é mais reitor de La Reja.

Dom Williamson: “O catolicismo de esquerda ainda não perdoou o fato de Ratzinger ter se tornado Papa”.

O problema é doutrinal – Editorial do Abbé Alain Lorans para DICI.

Como os tablóides alemães retratam Dom Williamson neste domingo.

Bispos da FSSPX enviam carta de agradecimento ao Papa.

Conferência Episcopal da Alemanha pede: Bento XVI, re-excomungue Williamson.

Cardeal Lozano Barragan apóia o Papa Bento XVI.

A mesma notícia, o mesmo bispo, a mesma imprensa.

Grande prova de fidelidade a Monsenhor Lefebvre dá a Fraternidade: repete o ato de seu fundador e expulsa sedevacantistas.

O Anti-Catolicismo Alemão.

Segundo imprensa, Fraternidade São Pio X teria expulsado Padre Floriano Abrahamowicz.

Segundo a terminologia atual, ele seria descrito como pedófilo.

Com as duas é que não dá!

O Ensinamento tirado dos ataques de ódio: Padres alemães apóiam o Papa Bento XVI.

A reação da FSSPX após a Nota da Secretaria de Estado: “silenzio stampa”

Por que precisamos rezar pelo Papa.

Nota da Secretaria de Estado.

Cardeal Joachim Meisner: ‘O Cisma da Fraternidade ainda persiste’.

Argentina inicia processo para expulsão de Dom Williamson.

Bispo de Regensburg pede aos Bispos da FSSPX que renunciem o episcopado e fechem seus seminários.

Sucessivos rumores apontam para a mesma direção.

B’Nai B’rith, Modernistas, Protestantes: Todos contra o Papa.

Teólogo professor de Universidade Católica abandona Igreja após levantamento de excomunhão de Dom Williamson.

Padre José Edilson de Lima, da Administração Apostólica São João Maria Vianney, fala sobre o decreto.

Revista modernista jesuíta América ataca: The Anti-Semitism of the Society of St. Pius X

Dom Fernando Rifan se pronuncia (infelizmente de maneira não oficial). Sobre sua época ao lado da FSSPX: “No fim, acabamos tendo a mesma interpretação dos modernistas”. “O Papa não está dizendo que agora é legítimo recusar o Vaticano II. Seu gesto é um convite ao diálogo sobre o Concílio, para que a FSSPX também chegue aonde nós chegamos”. “Promovemos um grande serviço oferecendo a interpretação correta dos documentos conciliares. E a FSSPX pode fazer isso em nível praticamente mundial, por estar presente em muitos países”. Parece que ao menos o tom mudou, comparado a isso e isso.

“Subito la piena comunione” – 2 de fevereiro seria o “grande dia”.

Dom Tissier: “Não, absolutamente não. Nós não mudamos as nossas posições”.

Segundo o Cardeal Lehmann, o problema não é litúrgico. E mais algumas esculhambadas no Cardeal Castrillón Hoyos.

Israel ameaça romper com Vaticano.

Dizendo seguir “tradição do Vaticano II”, mulheres-padres (!?) pedem ao Papa: nos des-excomungue!

Depois das críticas de Hans Kung ao Papa, Padre Gabrielle Amorth, decano dos exorcistas: “Satanás pode seduzir até mesmos os teólogos, e o demonstra Hans Kung.

Cardeal Re completa 75 anos e apresentará renúncia ao Papa.

Cardeal Re teria atacado Cardeal Castrillón pelo levantamento das excomunhões.

Estaria Dom Williamson prestes a deixar o seminário de La Reja?

Rumores sobre saúde de Dom Williamson. Nossa união em orações. Rorate-Caeli desmente: Deo gratias.

Sim, a notícia dada anteriormente era verdadeira – Carta de Dom Williamson ao Cardeal Castrillon Hoyos.

Cardeal Schönborn sobre Williamson: Obviamente, ocorreu um erro neste caso. Alguém que nega o Holocausto e a Schoah não pode ser reabilitado em um ministério eclesial.

Dom Lefebvre e o Concílio à luz da Tradição

Hoyos: “A plena comunhão virá”. Fellay: “caso haja separações, elas serão extremamente mínimas”.

Salve Bento XVI! Salve Mons. Lefèbvre! – Pe. João Batista de Almeida Prado Ferraz Costa

Mons. Ignácio Barreiro: Vaticano não pedirá aceitação do Vaticano II.

Nota sobre a polêmica acerca dos comentários de Mons. Williamson.

Rádio Cristiandad expressa as divisões internas da FSSPX: EL COSTO DE DECIR LA VERDAD

Teria Mons. Williamson se retratado? “O Vaticano acaba de receber uma carta do Bispo Williamson…”

Papa fala sobre o levantamento das excomunhões em Audiência Geral. E envia telegrama de felicitações ao novo Patriarca de Moscou.

Após a mão estendida aos integristas, a Igreja da França se interroga.

A prisão onde os nazistas prenderam o pai do Arcebispo Lefebvre.

Comunicado do Superior do Distrito da Alemanha da FSSPX.

Dom Williamson proibido de falar em público sobre política e história.

Excepcional: Nova entrevista de Dom Fellay – ‘Nos abraçamos’.

Coluna semanal de Dom Richard Williamson: A “re-incomunhão” (português).

Publicação do Distrito Americano da FSSPX – SSPX Media Information Brochure – Esclarecimentos sobre as excomunhões.

Jornalismo de qualidade – Rádio Vaticano: Cardeal Kasper diz que palavras de Dom Williams (?!?!) são inaceitáveis.

Primeira entrevista de Dom Fellay: “Estou confiante”.

Golpe na colegialidade: em assunto importantíssimo para diálogo com Judeus, Kasper não sabia de nada sobre decisão do Papa e sequer foi consultado.

CNBB veicula notícia da Rádio Vaticano: Papa anula excomunhão de quatro bispos ordenados por Marcel Lefebvre.

Comunicado dos Filhos do Santíssimo Redentor (antigos Redentoristas Transalpinos)

El cardenal Cañizares dice que el levantamiento de la excomunión a los obispos de Lefebvre es un «signo de esperanza»

Rápidas – Cardeal Ricard: A pergunta sobre o Vaticano II deverá ser feita. Memorial para o Holocausto: escândalo de Bento XVI.

La Croix: Como o Papa abre as portas aos integristas. “O Vaticano II não é dogma de Fé”.

Comunicado del Instituto del Buen Pastor

John Allen Jr. comenta reações de Judeus e Progressistas.

O Credo que os Bispos da Fraternidade assinariam com sangue

Comunicado da Fraternidade Sacerdotal São Pedro

Comunicado da Conferência Episcopal da Suíça

Abbé Phillipe Laguérie: “Estou feliz…”

Editorial do L’Osservatore Romano.

Pronunciamento do Presidente da Conferência Episcopal Alemã

Entrevista do Cardeal André Vingt-Trois, arcebispo de Paris – site da CNB da França.

La porte Latine – Distrito da França da FSSPX

Pronunciamento do Pe. Federico Lombardi à Rádio Vaticano

Documentação completa em Português:

Decreto da Congregação para os Bispos e nota da Sala de Imprensa da Santa Sé.

Comunicado do Superior Geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X.

Carta de Dom Bernard Fellay aos fiéis da Fraternidade Sacerdotal São Pio X.

Previsões, rumores e palpites publicados neste blog antes da oficialização:

Sábado? Agências confirmam. – Janeiro 23, 2009 às 5:08 pm

Rádio Vaticano repercute rumores. – Janeiro 23, 2009 às 11:41 am

A preocupação do episcopado Francês. – Janeiro 23, 2009 às 11:23 am

‹‹ Nós reconhecemos a autoridade do Papa ›› – Janeiro 23, 2009 às 9:42 am

Há de estar com o Papa. – Janeiro 23, 2009 às 8:21 am:

Está consumado. – Janeiro 21, 2009 às 11:07 pm:

“Vês bem, filho do homem, o que os anciãos da casa de Israel fazem nas trevas…” (Ez. 8, 6) – Janeiro 21, 2009 às 10:47 pm

Rumores. – Janeiro 20, 2009 às 5:02 pm

Entre os progressistas, rumores sobre o levantamento das excomunhões.- Novembro 14, 2008 às 8:45 am

Roma e FSSPX, em direção ao levantamento das excomunhões? – Novembro 4, 2008 às 11:39 am

Levantamento das excomunhões: Na mesa do Papa? – Novembro 3, 2008 às 8:18 am

Um milhão de rosários para obter a retirada do decreto de excomunhão. – Outubro 24, 2008 às 4:16 pm

41 Responses to “Dossiê: Levantamento do Decreto das Excomunhões sobre os bispos da FSSPX – 21 de janeiro de 2009.”

  1. Um vitória da Igreja. A cruzada do Rosário de Dom Fellay funcionou. Justiça foi feita para os corajosos bispos Dom Mayer e Dom Lefebvre. Só agora nos damos conta da inaudita coragem deles em enfrentar terríveis pressões para preservar a Fé. Arrostar uma excomunhão, mesmo visívelmente inválida, é para heróis. Heróis da Fé.

  2. Justiça foi feita para os corajosos bispos Dom Mayer e Dom Lefebvre????????!

    Está bem, cada um acredita no que o faz mais feliz. Mas não foi feita qualquer menção a Dom Lefebvre que, lembremos, oficialmente, permanece excomungado.

    • Caríssima Magdalia, toda excomunhão cessa com a morte. O que se pode [e deve] fazer no futuro é declarar que Dom Lefebvre nunca esteve excomungado; não se trataria de retirar Dom Lefebvre do inferno e botá-lo no céu, como brincam de maneira infeliz muitos neoconservadores, mas simplesmente reconhecer e declarar que ele nunca esteve fora da Igreja e que a declaração de excomunhão emanada pela Congregação dos Bispos em 88 foi um eqüívoco. Daí antigamente se ter os ritos de reabilitação de um excomungado.

      Embora o decreto de hoje declare “privado de efeitos jurídicos a partir do dia de hoje o Decreto então publicado [em 88]” ele não fala abertamente sobre os efeitos jurídicos de 1988 a 2009. Simplesmente o Decreto — é óbvio que conscientemente — se esquiva desse problema; que se resolva no momento oportuno que a Providência Divina estabelecer; se Deus quiser, com uma belíssima reabilitação e abertura de seu processo de canonização.

      PS.: Creio que se fez, sim, relativa e incompleta justiça a Dom Lefebvre. Afinal, são os seus filhos que são reabilitados, e de maneira extensiva sua obra, motivo pelo qual Dom Lefebvre sofreu todo desprezo e ignomínia possível.

  3. É só ler com calma o texto do Vaticano para se perceber, com a devida clareza, que os efeitos jurídicos do decreto de 1988 – todos eles – estão revogados. Desde já, com efeitos para o futuro, daqui para a frente, ex nunc, e, dada a natureza do ato revogado, também retroativamente, para o passado, ex tunc. É claro que teria sido melhor que as excomunhões de D. Mayer e D. Lefebvre tivessem sido explícitamente revogadas. A “romanitá” do texto não o fez, mas para bom entendedor meia palavra basta. Viva o Papa, Deus o proteja, o Pastor da Santa Igreja!

  4. Creio que podemos esperar que o efeito mais imediato do levantamento das excomunhões dos quatro bispos seja a EFETIVA implementação do Motu Proprio em um número crescente de dioceses. A Missa de Sempre sofreu um estigma injusto durante todos esses anos. Como muitos já o disseram, a “atmosfera” agora estará mais propícia para reflexões e diálogos. Assim, penso que os padres temerosos de desagradar seus bispos terão mais coragem de seguir em frente e celebrar a Missa Tridentina e, por sua vez, os bispos resistentes ao Motu Proprio terão menos desculpas para amedrontar seus padres.

  5. Falar em canonização é exagero!
    Reconhecer que Dom Lefebvre foi um grande Teólogo, um grande Bispo etc é razoável. Agora, declará-lo quase “Sabnto Súbito” não é nem pertinente e antecipa o juízo da Igreja a respeito.
    Não vejo porque caiba falar em canonização! Exagero!

  6. Exagero??? Fala serio… Exagero e o Santo Subito do Papa JP II e da Madre Teresa de Calcuta. Isso sim e exagero. Dom Lefebvre eh o Santo Atanasio de nossos tempos. No auge da crise onde quase todos os bispos viraram as costas para a tradicao e se embebedaram com as novidades do CVII Dom Lefebvre deu a vida pela tradicao e pela Igreja sem se preocupar com politicagens e burocracias. Eh pelos frutos que se conhece a arvore e os frutos de Dom Lefebvre sao excelentes!

  7. Não estamos discutindo canonizações e nem eu citei JP II ou Madre Tereza. Cada caso é um caso. Também não concordo com “fábrica de santos” como foram as ultimas canonizações, mas não podemos confundir as coisas.
    Ninguem tira o mérito de D. Lefebvre.
    Não se pode colocar tudo no mesmo balaio.
    As excomunhões (dos quatro) foram suspensas? Ótimo!
    Mas vamos aguardar na oração os proximos passos…
    “Santo Atanásio de nossos tempos?”
    HUmmmmmmmmmmmm….
    daqui a pouco vão querer que um dos quatro bispos seja Cardeal ou quiçá Papa.
    Menos…..por favor….menos….

  8. Também não gosto de me antecipar ao juizo da Igreja.
    Mas se em nossos tempos se fala em canonizar João Paulo II, um papa que causou escândalos tremendos no campo do ecumenismo (tenho fotos dele beijando o Alcorão, recebendo o Tilac de sacerdotisas pagãs, dentre outras coisas reprováveis, a ponto de escandalizar até mesmo o então cardeal Ratzinger, que na ocasião do Encontro de Assis solicitou ser demitido de seu cargo em virtude disso…
    Relembremos então um episódio: o depoimento do cardeal Silvio Oddi, na ocasião do Encontro de Assis:
    Em uma entrevista à revista “30 Días” (novembro de 1990), afirma o Cardeal: “Naquele día eu estava em Assís -como Legado Pontifício- na Basílica de São Francisco, e vi verdadeiras profanações em alguns lugares de oração. Vi budistas dançando ao redor do altar, sobre ele colocaram Buda no lugar de Cristo (no espaço do tabernáculo) e o incensavam e reverenciavam. Un beneditino protestou e foi retirado do lugar pela polícia. Eu não protestei mas o escándalo estava em meu coração. A confusão era evidente nos rostos dos católicos que assistiam a cerimônia. Pensei: se agora os budistas distribuíssem pão consagrado a Buda, essa gente seria capaz de aceitá-lo e comer, inclusive com maior devoção que quando recebem a Sagrada Eucaristia”.
    E o que fez João Paulo II para combater estes abusos?
    “O Papa quer que se mantenha sempre vivo na Igreja o “espírito de Assís” (Alocução aos Cardeais e aos Prelados da Curia Romana el 22 de dezembro de 1986 –conf. L´Osservatore Romano de 4 de janeiro de 1987); dissera o Papa: “A Igreja Católica está irrevogavelmente comprometida com a obra ecumênica” (Discurso no encontro ecumênico com vários protestantes, em Nairobi, em 18 de agosto de 1985. Cf. L´Osservatore Romano, 8 de setembro de 1985).
    ***
    Se um escandaloso como o papa anterior foi ovacionado como “Santo Súbito”, então o que fez de errado um bispo que, isolado de toda a hierarquia, morreu sem variar a sua fé, a fé que recebeu em sua infância? O crime de D. Lefevbre foi NÃO MUDAR. Foi ter se deparado com novidades e ter dito NÃO.

    Vale lembrar que a Escritura diz que os verdadeiros cristãos serão perseguidos e humilhados, e expulsos das sinagogas… E também vale lembrar que o cristão aplaudido pelo mundo, com certeza está em má companhia. Cristo veio pela Verdade, e pagou com a crucificação. João Paulo II foi reverenciado por todo o mundo… Foi o papa que encheu as praças e esvaziou as igrejas. Mas N. Senhor disse: “O mundo está posto no malígno”.
    Não estou dizendo que ele não fosse papa. Foi um mau papa. Mas já passou… Bento XVI não é tão ovacionado, sinal de que tem atos mais coerentes com o cristianismo.

  9. SE O PAPA DESSE O TITULO DE CARDEAL PARA UM DOS QUATROS BISPOS DA FSSX, O QUE NÓS TEMOS COM ISSO? A DECISÃO É SOMENTE DELE.

  10. E finalizando: a Igreja não fabrica santos. Ela simplesmente declara a santidade JÁ EXISTENTE na pessoa, e que em virtude disso, este mesmo pode ser venerado.
    Se a vida de D. Lefevbre fosse mais estudada, compará-lo a Santo Atanásio não pareceria tão absurdo, porque antes de tudo um santo é um homem que CORRESPONDE à graça divina. E a possibilidade da santidade é real para todos os homens, Deus chama a todos para a santidade.
    Os bispos da FSSPX hão de ser o que a Providência quiser que sejam. Ou bispos sem jurisdição, ou cardeais, ou papas, não depende de nossas vontades pessoais.
    Só que, se o critério fosse o merecimento, então São Bento teria sido papa, São Francisco, idem, São Domingos, etc etc.

    ***
    Sua Santidade fez um gesto de justiça, mas para nós que sabemos que essas excomunhões nunca valeram coisa alguma, não nos causou sensação. O papa simplesmente indicou o que havia sido dito no Summorum Ponticum sobre reparar escândalos causados pela intransigência. Chamar bispos totalmente devotados à doutrina católica e às doutrinas acerca do Santo Padre (infalibilidade, primado) de cismáticos era um escândalo diário. Como se conviver com o fato de que Atenágoras – patriarca cismático e lider da Igreja de Constantinopla, que jamais aceitou a Infalibilidade Papal (cisma)- Atenágoras e a Igreja de Constantinopla, permanecendo cismáticas, tiveram sua excomunhão levantada por Paulo VI (justo eles, criminosos autênticos), e os 4 bispos da FSSPX, por serem totalmente católicos, serem fulminados com uma excomunhão?
    Agradeço profundamente a Deus por ter concedido coragem ao Santo Padre, visto que esse está cercado de inimigos da religião, e certamente anda na corda bamba, sabe que as coisas não são simples… Só que nosso papa não fez um favor a ninguém. O decreto dá a entender que foi um gesto de MISERICÓRDIA… E está certo. Foi uma Misericórdia para a consciência do Santo Padre e de todos os católicos que baixaram a cabeça diante da injustiça feita contra D. Lefevbre…
    Ele foi misericordiosos consigo mesmo, ao revogar essa excomunhão.Os bispos só receberam o que lhes era devido.

  11. Irmão Emmanuel,

    Com todo o respeito, e porque não? Querer é um ato livre de consciência, estamos falando de quatro bispos católicos, e não de cnbbistas.

  12. Meus caros Irmãos em Cristo: Ricardo,Bruno, Elcola e demais amigos. Talvez eu tenha sido mal compreendido. Não desejo aliás polemizar. Apenas acho que devemos aguardar novos passos dados, queira Deus, em definitivo.
    Eu venho desde o fim dos anos 90 sofrendo com essa crise e sou o primeiro a querer ver soluções práticas e definitivas, mas li em outro lugar (perdoe não lembro onde) que ja se falava em canonizar D. Lefebvre e Castro Mayer. Não disse que não merecem,nem citei outros possiveis “canonizaveis”, mas quis dizer apenas que acho cedo.
    Quanto a serem Cardeais e Papa pertence a Deus.
    Abraços e orações!

  13. Olá

    Gostaria de agradecer ao editor deste blog todo o empenho que dedica ao mesmo possibilitando a leitura em português de noticiário sobre a temática da tradição. Bem haja e muito obrigado pelo seu trabalho. leio o seu blog diariamente.

  14. Revmo.Irmão Emmanuel Maria, o senhor está 100% correto. Sua intervenção não negou as qualidades pessoais dos Ilustres Prelados hoje indiretamente reabilitados. Apenas apontou a precipitação em, desde já, exigir-se a canonização de ambos. Nisso estou consigo. Não que eles a desmereçam, ao contrário. As obras e magníficos frutos das atuações desses varões de Deus são do conhecimento geral. Pessoalmente, tive o privilégio de conhecer pessoalmente Dom Mayer, e com ele conversar algumas vêzes. Sua sabedoria e prudencia eram exemplares. Recordo-me um jantar com ele e o falecido Giulio Folena, num restaurante dos Jardins (SP), curiosamente de nome “Cantina del Papa Re”. Assim, se tiver que ir a Roma depor em eventual processo de canonização, será um prazer, não uma obrigação.

  15. O ato de S.S.Bento XVI é um grande alento aos corações que combatem em defesa da Doutrina e Liturgia de Sempre! Queira Deus que sejam removidos todos os obstáculos que ainda possam existir e que a liceidade da intenção de Dom Lefebvre ao sagrar esses bispos, agora reabilitados, seja reconhecida e sua pessoa e a de Dom Mayer, reabilitadas.

  16. O que tem de errado em querer que um dos quatro bispos sejam cardeais ou papas? O que tem de errado em “falar em canonizacao” de Dom Lefebvre? Sinceramente nao da para entender sua atitude. Para nao me estender e mudar o foco das discussoes, faco minhas as palavras do Bruno.

  17. Me desculpe a total ignorância no assunto.
    Me lembro que o Papa Paulo VI anunciou a suspensão de Lefebvre. Eu era ativa no movimento de jovens, na época.
    Mesmo assim, ele continuou ordenando padres e Bispos.
    Foi um escândalo, a desobediência de Lefebvre e seus seguidores, na época.
    Essas ordenações feitas por uma pessoa que não podia mais mais celebrar missa, pregar, nem ministrar sacramentos, nem ordenar padres muito menos bispos, são válidas? São Reconhecidas por Roma?
    Com o “cancelamento” da excomunhão o Igreja reconhece que Lefebvre e seus seguidores estavam certo, em desobedecer os Papas ( Paulo VI e JPII )?
    Sinceramente, fiquei sem entender o que está acontecendo…

  18. O levantamento das excomunhões foi um gesto de justiça e misericórdia. Concordo com Bruno quando ele diz que as excomunhões nunca valeram nada pois eram de verve eminentemente política e não por qualquer motivo doutrinal… Também não acho improvável uma futura canonização de D. Lebfevre e D. Castro Mayer, heróis da fé que tudo sofreram, mas não cederam um milímetro sequer à perfídia dos Modernistas e sua camarilha. Bento XVI demonstra, com este gesto, total coerência e a direção que toma seu pontificado: o retorno à Tradição e da Barca de Pedro às colunas da Eucaristia e da Virgem Santíssima, como o sonho profético de São João
    Bosco!
    Já pensou que alegria seria a nossa se Sua Santidade resolvesse, revendo o malsinado “colegiado” tanto enaltecido no Concílio Vaticano II, dissolver a CNBB e seus bispos quase todos eles comunistas metidos na Telogia da Libertação e no Modernismo? Aí nossa felicidade seria completa!
    Rezemos pelo Papa, rezemos pelo Santíssimo Corpo de Cristo, pela FSSPX e todos aqueles que se mantiveram fiéis à Igreja!
    Cuidado com os comunistas, porque alguns já se infiltraram até por aqui…

  19. Cara Sandra,
    A pena de suspensão torna ILÍCITOS os atos de um determinado clérigo. Mas se esse clérigo persiste batizando, ordenando, oferecendo o Santo Sacrifício da Missa, DESDE QUE FAZENDO ISSO COM A MESMA FÉ DA IGREJA, então os sacramentos permanecem válidos. ILÍCITOS, pois Roma proibiu. Mas válidos em si mesmos.

    É por isso que Roma diz que as Igrejas Orientais cismáticas tem Sacramentos VÁLIDOS (verdadeiros, a Eucaristia deles É o corpo de Cristo, por exemplo, porém ILÍCITOS, já que eles estão fora da Igreja verdadeira.

    D. Lefevbre foi execrado justamente porque ele se agarrou à doutrina da Igreja, a mesma doutrina que nunca variou nesses dois mil anos. Quando a maioria do clero se cansou da religião e buscou coisas novas (socialismo, relaxamento moral, uma missa que punha o homem como o centro, etc, etc, etc, etc), D. Lefevbre, por uma questão de coerência disse NÃO. Ele disse para si mesmo: “Fui criado sob uma religião perene, verdadeira e que não se prende às novidades do mundo. Não é agora que vou abrir mão dela sob pretexto de submissão”.
    Sim.
    Ele preferiu sacrificar a obediência do que fazer algo contra a razão.
    É um homem de valor. É um homem de PRINCÍPIOS.
    Ele foi provado até o fim. Quem já leu uma biografia da vida dele sabe quantas humilhações ele passou, quantos desrespeitos, quantas calúnias, quanta pressão.
    E ele, praticamente solitário lutou contra os irmãos, lutou contra o pai comum, o papa.
    Não lutou na base da acusação, da amargura, do ressentimento.
    A simples existência dele e do seminário de Écône já eram um incômodo.

    Deixou quatro bispos, e passados 20 anos eles estão juntos. Nenhum preferiu a solução confortável de uma união com Roma, com aplausos, dinheiro talvez…
    Nenhum se preocupou em agradar o mundo. Enquanto a maioria dos que se dizem católicos, especialmente no clero os desprezavam como cismáticos nesses tempos onde se faz ecumenismo até com o diabo, eles foram considerados piores do que qualquer seita, pois o “diálogo” e o “ecumenismo” nunca valeram para eles.

    Queria ver um padre ou bispo se transformar? Falasse em D.Lefevbre. Era como se fosse um palavrão…

    Bem, agora, em troca dessa resistência sem perspectiva de amolecimentos, em troca de, passados 20 anos, e os bispos terem permanecido absolutamente com o mesmo legado de D. Lefevbre…
    Eles são premiados.
    E o Vaticano não fala em exigir nada em troca.
    Simplesmente são declarados católicos romanos, de mão beijada.
    E estão crescendo assustadoramente pelo mundo afora. Os poucos covardes que sabiam que esses bispos estavam certos, e que as excomunhões eram falsas, mas por respeito humano não se juntaram a eles, bem… Esses agora não largam o osso do concílio Vaticano II, mas não tardarão a lamber as botas desses bispos.
    E os ludibriados, os que acreditavam realmente que a Tradição estava amaldiçoada? Bem, que esses se aproximem, pois ninguém é culpado por ignorar.
    Restam ainda os honestos. Os que choram de dor, ao constatar que Roma está retornando ao que sempre foi. Esses nunca foram católicos em verdade. Nunca compreenderam que Deus não muda, sua Palavra não muda, e o que era bom há 5.000 anos é bom hoje e será bom sempre. Nunca entenderam que o que era pecado no passado é pecado hoje e será pecado até o fim do mundo.
    A estes, bem, como dizia minha avó: “vão chorar na cama, que é lugar quente!”.

  20. Esqueci de outro exemplo:

    Existem clérigos que aparentemente são católicos, apostólicos e romanos, e que têm toda a liberdade para rezar missas, batizar, crismar, etc.

    Logo, os sacramentos deles são LÍCITOS.
    Mas muitos sacerdotes não crêem nos ensinamentos da Igreja. Não crêem que A hóstia e o vinho consagrados se tornam O Corpo e o Sangue de Cristo.

    Resultado: seus sacramentos são LÍCITOS, porém INVÁLIDOS.

    Se um padre ou bispo ministra um Sacramento, mas ele mesmo tem uma concepção diferente do que a Igreja ensina, o Sacramento é INVÁLIDO.
    A Igreja diz que, se o povo assiste uma missa que seria inválida, porque o padre não crê nos dogmas, mesmo assim, POR MISERICÓRDIA DE DEUS, e em virtude da fé do povo – que acredita na Missa de acordo com os dogmas católicos – portanto, para os que participam da missa, tendo-a como uma missa verdadeira, Deus concederia a eles graças suficientes, como se a Missa (que na verdade não existiu) para essas pessoas tivesse acontecido.
    E o padre, se em seu intimo tem uma fé diferente, na verdade ele é um impostor, um simulador de sacramentos.

    Agora se um padre assassino, pedófilo, coberto de pecados rezasse a Missa, mas ao menos tivesse a fé da Igreja, em crer que está celebrando de acordo com os dogmas católicos, a Missa seria VÁLIDA OU INVÁLIDA?
    Seria Válida.
    Porque o estado (bom ou mau) do padre não se mistura com o seu sacerdócio. Ele talvez conseguisse menos graças, mas a Missa seria LÍCITA, LEGÍTIMA e VERDADEIRA.
    Os pecados do sacerdote não destroem a Consagração, nem a Missa. Ele depois que se veja com Deus…

  21. Tem toda razão o editor do blog sobre o vergonhoso silêncio da Administração Apostólica São João Vianey.
    Mas são ordens de “Sua Santidade” D. Rifan.
    Nos sermões, silêncio completo, excetuando o Pe. José Gualandi, o Padre José Onofre e o Pe. Elço. Os demais comportam-se como se não existisse internet, e se pudessem, manteriam o bom povo católico de Campos na mais absoluta ignorância dos fatos.
    VIVA D. ANTONIO DE CASTRO MAYER !!
    VIVA D. MARCEL LEFEVRE !!
    VIVA A FRATERNIDADE SÃO PIO X !!
    DOCE CORAÇÃO DE MARIA, SEDE A NOSSA SALVAÇÃO !!
    PURÍSSIMO E DOLOROSO CORAÇÃO DE MARIA, ROGAI A DEUS PELO SANTO PADRE O PAPA, E PELOS BISPOS E PADRES DA FRATERNIDADE SÃO PIO X

  22. Bruno, então podemos dizer que os Papas erraram?
    Mas isso não é impossível?

  23. Sim, isso é possivel, é perfeitamente possivel.

    A Religião Católica, baseando-se nas promessas de Cristo ao primeiro papa, São Pedro, ensina que existe a INFALIBILIDADE PAPAL (e isso é dogma de fé!) se, e somente se:

    1 – O papa se pronuncia como chefe da Igreja Universal;
    2 – Se neste pronunciamento o papa ensina uma Verdade que sempre foi patrimônio da Igreja (lógico que o papa não vai inventar uma doutrina, só porque é papa… A Igreja Católica não é uma seita de improvisos. O que ocorre é que existem verdades que sempre existiram na Igreja desde o início, e em todos os lugares, mas essas verdades ainda não foram definidas como dogma);
    3 – Se, ao definir essa verdade o papa declarar que a partir deste momento, por um desenvolvimento natural do entendimento deste mesmo assunto em pauta, ele não pode mais ser questionado, por neste momento ter passado oficialmente ao partrimônio universal da revelação, temos aí um dogma – que é uma verdade que sempre foi da crença de todos, mas que ainda não havia sido protegida oficialmente.

    Um exemplo: o dogma da Imaculada Conceição de Maria.
    Quem vive principalmente no litoral do Brasil ou nas Minas Gerais sabe que existem inúmeras igrejas com o título “Nossa Senhora da Conceição”… Igrejas dos séculos XVI, XVII e XVIII…
    Mas a proclamação dessa verdade só se deu em meados do século XIX.
    Ou seja, era uma crença que sempre existiu na Igreja (ou não teríamos tantas Igrejas sob o título de N. Sra da Conceição), só que, apenas no século XIX chegou-se a um entendimento mais perfeito dessas mesmas verdades, que mereceu do papa a proclamação solene. Depois disso, é heresia dizer que a Virgem não é imaculada.
    Voltando à explicação:
    4 – Com a proclamação do dogma, o fiel católico não tem mais liberdade para questionar o assunto. Toda proclamação dogmática divide-se em duas faces a)O esclarecimento do mesmo dogma para entendimento de todos e b)A condenação da tese contrária.

    Logo, o papa só é infalível quando se pronuncia solenemente, encerrando uma questão de fé universal, para todo o sempre (apenas é infalível em questões de fé e moral, jamais em outro assunto).

    Pois então, excomunhão não implica em infalibilidade papal.
    A excomunhão só se aplica quando o réu REALMENTE é culpado.
    De resto, é letra morta…
    Bento XVI não iria desmoralizar seu antecessor, a ponto de declarar que João Paulo II cometeu um ato de injustiça. Ele fez o que era certo (retirou os decretos) procurando causar o menor impacto possivel.

    Claro, tudo o que o papa diz deve ser ouvido com respeito por todos. Mas cada som proferido pelo papa não envolve necessariamente infalibilidade papal.

    Lembrando também que o papa não é impecável. Ele é tão humano quanto qualquer pessoa. Ele é infalível SOB RARÍSSIMAS CONDIÇÕES, que já expliquei acima.

  24. Os papas estão serviço da Verdade, mas eles não são os manipuladores, os donos da Verdade.
    Eles se enganam muitas vezes. E eles mesmo se corrigem.
    João Paulo II disse no passado que a Teologia da Libertação era útil e necessária à América Latina. Depois ele mesmo a perseguiu.
    S. Pio X apoiou um movimento chamado Sillon. Tempos depois ele constatou seu engano, e o condenou.
    O mal que assola os católicos hoje também é um mal de ignorância e de ausência de bom senso. Ignoram o que é doutrina da Igreja, ou então entendem a doutrina mas a pevertem, quando atropelam a razão com a fé, ou quando atropelam a fé com a razão.
    Tudo na Igreja é muito lógico. Não se pode lançar por terra os princípios da fé sob pretexto de coisa alguma. Nem que descesse um anjo do céu e dissesse o contrário.
    Os que se diziam bons católicos agora não entendem a reabilitação da FSSPX, porque preferiram passar por cima da razão, em troca de uma falsa e cega obediência.
    Se o papa decretasse que todo cristão deveria amarrar uma pedra no pescoço e se jogar ao mar, eu bem queria ver se eles iam obedecer. Pois quem não une a fé + a razão está propício a cometer os piores absurdos, sob pretexto de obediência.

  25. Entendi tudo errado.
    Entendi que não houve a reabilitação da FSSPX.
    Apenas os clérigos excomungados, se comprometeram a obedecer Roma, mostrando verdadeiro arrependimento pelos seus atos e foram aceitos de volta.
    Mas o que vc diz é o contrário, que Roma está fazendo uma “mea culpa” e reintegrando os clérigos.

  26. Sim, entendeu mal.
    Os clérigos NÃO se comprometeram a nada.
    Eles repetiram simplesmente o que há décadas todos já sabiam. Que eles aceitam integralmente a doutrina católica (o que não inclui as novidades conciliares), e a autoridade papal.
    Eles não fizeram acordo nenhum, não se comprometeram a aceitar nada de NOVO. Não há nenhum ponto que eles PASSARAM A ACEITAR. Por isso dizemos que foi um gesto UNILATERAL do papa.

  27. Através do site Veritatis Splendor, tomei conhecimento da existência deste blog. Muito interessante, muito rico em informações. Eu acompanhava o noticiário tradicionalista até agora apenas por sites europeus. Mais do que falar sobre o novo e extraordinário gesto de benevolência do Papa Bento XVI, temos agora que rezar para que a Fraternidade aceite um autêntico diálogo com a Santa Sé sobre os pontos divergentes. Depois da bomba do sábado do levantamento das excomunhões, temos hoje outra bomba: a censura de Mons. Fellay a Mons.Williamson e o pedido de desculpas ao Papa. Parece-me bem um gesto positivo da Fraternidade. Espero que Mons. Williamson aceite humildemente a repreensão de seu irmão no episcopado e fique calado. Vejo críticas no blog ao silêncio da Administração Apostólica S. João Maria Vianney. Não sei se sabe que Dom Fernando Rifan encontra-se participando de um curso nos Estados Unidos.

    • Reverendíssimo Dom José, que me conste (e peço aos amigos que corrijam-me caso esteja errado) o porta-voz da Administração Apostólica, assim como o responsável pelo seu website, é o Pe. Gaspar, reitor do seminário. Da mesma maneira, o site da Catedral é administrado pelo Pe. Claudiomar (que, como dissemos, teve tempo para fazer publicações, mas não pôde sequer lançar uma nota sobre o levantamento das excomunhões). É provável que os meios de comunicação nos Estados Unidos sejam muito mais eficientes do que em Campos, parecendo-nos inescusável o silêncio do único bispo dedicado ao rito tradicional no momento em que toda a Igreja Latina volta-se para esse acontecimento histórico.

      Agradecido por sua visita, peço sua benção.

  28. “Nos sermões, silêncio completo, excetuando o Pe. José Gualandi, o Padre José Onofre e o Pe. Elço. Os demais comportam-se como se não existisse internet(…)
    Prezado Luciano, permita-me um complemento à tua lista: o Pe. João Batista Prado Ferraz Costa, em Anápolis/GO também pertence à Administração Apostólica, e colocou um “popup” na página inicial da Associação Santa Maria das Vitórias se alegrando pela retirada do decreto de “excomunhão” dos Bispos da FSSPX.
    In Christo et Maria, Marcel.

  29. O nivel do relacionamento entre os lefebvrianos e Dom Fernando Rifan é revelado pelo último Boletim do Mosteiro da Santa Cruz, de Nova Friburgo. Na Crônica se diz: “8 de novembro – Dom Prior e o Irmão Agostinho partem para Arraial Novo, onde um grupo importante de fiéis conserva a Fé católica, resistindo corajosamente às influências de Dom Fernando Rifan, que foi outrora um brilhante defensor da doutrina católica e que hoje defende os erros do Vaticano II”. Rezemos para que haja mais caridade de todos, condição para um diálogo eficaz.

    • Reverendíssimo Dom José, o Mosteiro da Santa Cruz não é propriamente parte da FSSPX, embora haja, incontestavelmente, ligação entre ambos. Penso que o desejo do Santo Padre é uma reconciliação interna, como diz na Carta direcionada aos Bispos (um deles, Dom Fernando Rifan) que acompanha o motu proprio. O Papa dá o exemplo a ser seguido pelo episcopado: embora seja alvo de críticas contundentes (o próprio Dom Fellay o chamou de ‘perfeito liberal’ há não muito tempo), não permite que sua honra se sobreponha ao bem da Igreja e continua dando sinais de boa vontade que, nos dizerem de Dom Fellay, criaram um ‘novo clima’ nas relações entre Vaticano e FSSPX.

  30. Aplaudo Sua Santidade, o Papa Bento XVI em ter tomado a bonita decisão de levantar as injustas excomunhões destes 4 Bispos.
    Nosso Senhor Jesus Cristo protejam o Santo Padre Bento, em tudo e sempre. Amén

  31. Lendo o livro sobre a vida de Santa Rita de Cássia observei que nos primórdios da Igreja os Santos não tinham processo de canonização. Eram apenas venerados e escolhidos pelo Povo a partir de seus milagres e sua vida. Neste contexto é claro que Monsenhor Lefebvre já é Santo. Viva São Lefebvre! Viva o Papa Bento XV!

  32. Marcel,

    Onde posso confirmar que o padre Joao Batista Prado Ferraz Costa pertence a Administracao Apostolica? Acho que voce esta enganado.

  33. Muitos neo modernistas tentam amenizar a grande vitória da Tradição quando o Santo Padre reabilitou oficialmente os quatro bispos sagrados por Dom Lefebvre e Dom Antônio. Não reconhecem que não houve nenhuma contrapartida por parte da FSSPX. Há
    que se lembrar que no encontro que tiveram em 2005 (se não me engano) o Papa Bento XVI e Dom Fellay concordaram que os passos devem ser dados não lentos, mas nem tão rápidos. Ora, houve apenas a carta de Dom Fellay reafirmando o que nunca foi negado: o primado do Papa e o Magistério. Causa estranheza que “certos” conservadores se atrevam analisar e pôr reparos à vontade do Papa. Imagino-os dizendo: “Ainda falta muita coisa”. “Falta aceitar o Concílio”, dizem entre os dentes cerrados de, talvez, inveja.
    “A questão do Novus Ordo é primordial”, parecem vociferar aos microfones… Rezemos, sim, pelo Santo Padre, para que ele não tenha medo dos lobos, conforme ele mesmo pediu na sua primeira Missa como Papa. É triste constatar que alguns “conservadores” (ou seriam neo
    modernistas, ou então “progressistas” atrasados?) já não tenham o mesmo respeito e admiração pelo ato heroico de Dom Antônio e Mons Lefebvre, preferindo, com um certo cinismo, “deixar nas mãos de Deus” as suas almas. Para manter coerência com suas incoerências preferem não aceitar que o ato do Papa Bento XVI, implicitamente, também reabilitou os bispos sagrantes. Será que acham que houve ato cismático em 1988?

  34. Prezado Sr. Ferretti,

    encontrei um belo poema dedicado a D. Marcel Lefebvre: http://www.auxiliodoscristaos.hpg.com.br/soneto.html

    Pedro.

  35. Incongruência: alguém como Dom Lefevbre com a “excomunhão” pesando sobre os ombros e, de outro lado, alguém como Leonardo Boff livre dela. Realmente, alguma coisa estava fora da ordem.

  36. Prezado Paulo, quem informa sobre a incardinação do Rev.mo Pe. João Batista à Administração Apostólica São João Maria Vianney é o site da Diocese de Anápolis, conforme link seguinte: http://www.diocesedeanapolis.org.br/clero/diocesanos.php

Trackbacks