Primeira entrevista de Dom Fellay: “Estou confiante”.

Nossa tradução da publicação de Rorate-Caeli (original em Le Temps):

[Patricia Briel, Le Temps:] Você condena as declarações negacionistas de Dom Williamson?

[Fellay]: Não cabe a mim condená-las. Não tenho competência para isso. Mas eu lamento que um Bispo possa ter dado a impressão de envolver a Fraternidade com uma posição que não é nossa.

Segundo observadores, a decisão do Papa poderia criar divisões dentro da Fraternidade. Todos os fiéis e padres não estariam prontos para a unidade.

[Fellay:] Não temo isso. Sempre pode existir uma voz dissonante aqui ou ali. Mas o zelo com que os fiéis rezaram o Rosário para pedir o remoção das excomunhões diz muito sobre a nossa união; 1.700.000 rosário foram rezados em dois meses e meio.

Em sua carta aos fiéis de 24 de Janeiro, você demonstra seu desejo de examinar, com Roma, as causas profundas da “crise sem precedentes que aflige a Igreja hoje”. Quais são essas causas?

[Fellay]: Em essência, essa crise é causada por uma nova aproximação do mundo, uma nova visão do homem, isto é, um antropocentrismo que consiste numa exaltação do homem e num esquecimento de Deus. A chega das filosofias modernas, com sua linguagem menos precisa, levou à confusão na teologia.

O Concílio Vaticano Segundo é também responsável pela crise na Igreja, em sua opinião?

[Fellay:] Nem tudo vem da Igreja. Mas é verdade que nós rejeitamos uma parte do Concílio. O próprio Bento XVI condenou aqueles que invocam o Espírito do Vaticano II para pedir uma evolução da Igreja numa ruptura com seu passado.

Ecumenismo e liberdade religiosa estão no centro das críticas que você faz ao Vaticano II.

[Fellay:] A procura pela unidade de todos no Corpo Místico da Igreja é nosso desejo mais querido. Entretanto, o método que é usado não é apropriado. Hoje, há tal foco no pontos que nos une a outras confissões Cristãs que aqueles que nos separam são esquecidos. Cremos que aqueles que deixaram a Igreja Católica, isto é, os Ortodoxos e Protestantes, devem voltar para ela. Concebemos ecumenismo como um retorno à unidade de Fé. A respeito da liberdade religiosa, é necessário distinguir duas situações: a liberdade religiosa da pessoa, e as relações entre Igreja e Estado. A liberdade religiosa implica liberdade de consciência. Concordamos com o fato de que não há um direito de forçar a qualquer um aceitar uma religião. Quanto à nossa reflexão sobre as relações entre Igreja e Estado, é baseada no princípio da tolerância. Parece claro para nós que onde existirem múltiplas reliões, o Estado deve ser vigilante em sua boa coexistência e paz. Entretanto, há apenas uma religião verdadeira, e as outras não são. Mas toleramos essa situação para o bem de todos.

– E se as negociações falharem?

– [Fellay:] Estou confiante. Se a Igreja diz hoje algo que está em contradição com o que ela ensinou ontem, e se ela nos força a aceitar essa mudança, então ela deve explicar a razão para tal. Creio na infalibilidade da Igreja, e penso que chegaremos a uma verdadeira solução.

[Atualização: 16 de fevereiro de 2009, às 08:45] Através do amigo Ricardo Tarrasch soubemos de um erro em nossa tradução. Onde se lia:”A procura pela unidade de todo o Corpo Místico da Igreja é nosso desejo mais querido”, leia-se “A procura pela unidade de todos no Corpo Místico da Igreja é nosso desejo mais querido”. O texto no corpo da entrevista já está corrigido. Enquanto nos desculpamos com nossos leitores por nosso erro, renovamos o pedido de que sempre nos alertem para eventuais problemas nas traduções, assim como o de suas orações.

Tags: ,

3 Comentários to “Primeira entrevista de Dom Fellay: “Estou confiante”.”

  1. Também, Dom Fellay. Estou confiante.

  2. Estamos felizes com esta aproximação. Que todos sejam um. Que o orgulho não cegue determinados padres e principalmente o Dom Wilianson.

  3. Bela entrevista de Dom Fellay. Nos faz crer que as coisas avançarão na relação entre Roma e Fraternidade, se Deus quiser.

    Abraços e parabéns ao blog pela ótima cobertura dos últimos acontecimentos.