Comunicado da Casa Geral da FSSPX: Dom Williamson proibido de falar em público sobre política e história.

Tomamos conhecimento de uma entrevista que Dom Richard Williamson, membro da nossa Fraternidade, deu à televisão sueca. Nessa entrevista ele se expressa também sobre questões históricas, especialmente, quanto ao genocídio de judeus pelos nazistas. É óbvio que um bispo pode falar com autoridade religiosa apenas sobre questões de Fé e Moral. Nossa fraternidade não reivindica autoridade alguma sobre questões históricas ou seculares.

A missão da Fraternidade é a propagação e a restauração do autêntico ensinamento católico, conforme exposto nos dogmas. Por isso, somos conhecidos, aceitos e apreciados mundialmente.

Vemos com grande preocupação como a violação deste mandato através de um membro nosso acrescenta grande dano à nossa missão religiosa. Pedimos desculpas ao Santo Padre e a todas as pessoas de boa vontade pelo desgosto causado por esse episódio.

Ao mesmo tempo deve ficar claro que essas declarações de maneira alguma representam a posição de nossa fraternidade. Portanto, proibi Dom Williamson até segunda ordem de fazer declarações públicas sobre matérias políticas e históricas.

As acusações lançadas contra nossa Fraternidade obviamente tem o objetivo de desacreditar a nossa missão. Não permitiremos isso, mas continuaremos anunciando os ensinamentos católicos e administrando os sacramentos em sua forma venerável.

Menzingen, 27 de janeiro de 2009

+ Dom Bernard Fellay
Superior Geral

Fonte: Distrito Alemão da FSSPX

10 Responses to “Comunicado da Casa Geral da FSSPX: Dom Williamson proibido de falar em público sobre política e história.”

  1. Dom Williamson quase coloca tudo a perder!
    Excelente a tomada de posição de Dom Fellay.
    Um “silêncio obsequioso” não faz mal a ninguém, quando intenta falar por si, em nome de uma Instituição, seja ela religiosa ou laica.
    O L´Osservatore Romano, nesta última edição e a Rádio Vaticana deploraram a atitude grosseira, deselegante, anti-semita e sem precedentes de Dom Williamson. Por isso disse acima que ele quase pos tudo a perder!
    Parabens Dom Fellay, o senhor tem conduzido com maestria a SSPX.

  2. Deselegante pode ser, mas atitude grosseira e antisemita é exagero…Dom Willianson conduziu sua teoria baseado em evidências históricas,como ele próprio disse, garanto que ele não tirou isso da sua imaginação. Dom Fellay tomou uma medida prudente, por causa do momento de expectativas na FSSPX e o reboliço que se criou depois do levantamento de excomunhão, não creio que inteciona penaliza-lo pelo o simples fato de ter uma visão histórica distinta dos demais.

  3. Prezado Ir. Emmanuel,

    Acho que a atitude de Dom Williamson é reprovável não tanto por ser grosseira, deselegante, anti-semita e sem precedentes, mas principalmente por ser feita por um sacerdote, em público, e sobre um assunto bastante distante de sua alçada. De outra forma, se fosse fina, elegante, pro-semita e com precedentes, seria por si aprovável? Claro que não. Penso que assuntos diversos e mundanos devam ser debatidos por sacerdotes apenas quando têm uma estrita ligação com as coisas da Igreja, sua fé e moral, e num contexto em que essa ligação fique explícita.

    De toda forma, quase ninguém fala do entrevistador. Esse certamente foi incumbido de provocar Dom Williamson a falar sobre esses assuntos, previamente sabendo ou imaginando sua opinião. Também não pode ter sido por acaso que a entrevista foi guardada por tanto tempo, até os dias que antecederam imediatamente a publicação do decreto. A proibição de D. Fellay parece-me não ser só por conta da fraqueza de D. Williamson em tocar em assuntos impertinentes, mas talvez também, e principalmente, por conta de precisamente nele, D. Williamson, estarem miradas as atenções modernistas. À espreita de um escorregão, de uma derrapada ou de um ato falho que lhes permita explorar e maliciosamente desmerecer não somente esse bispo, mas toda a causa da fraternidade.

    Cordialmente,

    Antonio

  4. Meus queridos Irmãos, Ricardo e Antônio, as expressões que eu usei acima, talvez não sejam literalmente essas, portanto convido os amados a lerem no site da Rádio Vaticana.
    De todo modo penso – na minha pequenez – que a atitude foi lamentável.
    Também não posso provar, mas se a minha lembrança não falha, ouvi nos bastidores tradicionalistas nos anos 90 que a Tradição tinha algo de anti-semita, pois quem disse isso (na ocasião) alegava que o desprezo ao povo Judeu é por não reconhecer o Messias e terem Crucificado Nosso Senhor … Outro dizia que Mel Gibson era tradicionalista e portanto o filme dele era anti-semita…como digo aos senhores não posso provar nada, são apenas expeculações que qualquer um pode fazer, sobretudo os desinformados.
    Alegra-me que Dom Fellay diga o contrario da SSPX.
    Estou – como se supõe com o pensamento da Igreja que condena toda forma de discriminação ao povo hebreu.
    Meus respeitos a todos.
    E meus parabens a este Blog sensacional, mais uma vez.

  5. O Bispo “Sem mérito” de Friburgo D. Clemente Isnard escreveu um monte de asneiras num livreto e ninguém da Igreja o censurou. Continua no seu mosteiro tratando da destruição da igreja. Não aprovo o que o Bispo Inglês Willianson falou, mas estão tentando cricificá-lo por pouca coisa, pois ele não cometeu nenhum pecado contra a fé catolica, enquanto o de Friburgo sim.

  6. Olhem o que o Papa diz:

    “No campo de Auschwitz-Birkenau, como noutros campos semelhantes, Hitler fez exterminar mais de seis milhões de judeus. Em Auschwitz-Birkenau também morreram cerca de 150 mil polacos e dezenas de milhares de homens e mulheres de outras nacionalidades.”

    FONTE: Dia da Memória: Bento XVI na Shoa
    00:02:04, 27/01/2009
    http://budurl.com/7q6y

    Mas a infalibilidade é para assuntos de Fé e Moral… também não compete ao Santo Padre esses assuntos.

  7. Notem que o número total de vítimas de holocausto, que afinal não sabemos com exatidão, incluem não somente judeus, mas também católicos, ciganos, deficientes físicos e mentais e pessoas de diversas outras etnias.

    De fato, as declarações de Dom Williamson quase põem tudo a perder, mas os progressistas estão usando o pobre coitado como bode espiatório para atacar a Igreja e o Papa. Ele não falou sobre Fé e Moral!

    Os mesmos judeus que aceitam e defendem o assassinato cruel de civis não envolvidos com o Hamas na Faixa de Gaza são os mesmos que estão atacando o Papa pelo levantamento das excomunhões. Ora, que direito eles têm de se intrometer nos assuntos da Igreja Católica? Soube ontem que o Rabinato de Roma rompeu relações com o Vaticano. Pois que rompa. Há relatos até de grupos gays dizendo que a atitude do Papa em levantar as excomunhões é um ataque anti-direitos gays.Vejam se pode! Agora o Papa vai ser culpado de tudo só porque levantou as excomunhões?

    Estou começando a ficar com pena de Dom Williamson.

    Mas, o Papa é firme. Aumentemos nossas orações por eles e pelos bispos modernistas que o cercam.

  8. Irmão Emmanuel Maria

    Não entendo o motivo de Williamson discutir e colocar em dúvida o holocausto.
    Ele podia muito bem, se reservar aos problemas que tem com Roma, que não são poucos.
    Pra que falar do holocausto?
    Colocar a Igreja contra o povo Judeu não é uma boa política.

  9. Concordo plenamente com você cara amiga Sandra.

Trackbacks