Dom Tissier: “Não, absolutamente não. Nós não mudamos as nossas posições”.

Dom Tissier de MalleraisCIDADE DO VATICANO – “Não, absolutamente não. Nós não mudamos as nossas posições, mas temos a intenção de converter Roma, isto é, trazer o Vaticano para as nossas posições”. O declarou numa entrevista a “La Stampa” Monsenhor Bernard Tissier de Mallerais, bispo lefebvriano e reitor do seminário de Ecône da Fraternidade São Pio X. Sobre a retirada das excomunhões, o bispo disse: “Ela durou 20 anos, mas nós não a consideramos válida porque Monsenhor Lefebvre havia designado por um caso de necessidade e o caso de necessidade é reconhecido como válido no direito canônico”. “Pela Igreja – acrescentou – éramos considerados cismáticos, e devo dizer que sofremos por vinte anos a separação da Igreja de Roma. Eu era padre e, exatamente, fui feito bispo por Lefebvre em 1988”. “Agora ocorreu que – continuou – de forma muito simples, através da comunicação do Cardeal Re, o Papa levantou a excomunhão sem qualquer cerimônia especial”. Para o Papa, disse o entrevistado, hoje “nós ainda não somos bispos porque não temos uma sede episcopal”. As coisas ainda não estão resolvidas e, portanto observou, acrescentando: “Levará tempo”. A decidir a nossa sorte, concluiu, “será o Papa com intermediação da Cúria Romana”.

Fonte: Agência Petrus

14 Comentários to “Dom Tissier: “Não, absolutamente não. Nós não mudamos as nossas posições”.”

  1. Por favor, Sr. G. M. Ferretti
    Continue nos informando em “tempo (quase) real” os bastidores e aquilo que a imprensa internacional noticia. Vosso Blog é digno de respeito, sobretudo por sua postura séria, jornalistica e fiel aos fatos.
    Ficamos aqui, acompanhando ansiosos, cada nova noticia.

    Deus lhe pague o obséquio.

  2. Uma dúvida, será que este posicionamento de Dom Tissier tem o aval de Dom Fellay?
    Quero dizer, não pelo conteúdo do pronunciamento, mas não seria outra “armadilha” da imprensa sensacionalista para atrapalhar as negociações, já em fase final?

    “Não, absolutamente não. Nós não mudamos as nossas posições, mas temos a intenção de converter Roma, isto é, trazer o Vaticano para as nossas posições”. (Dom Tissier)

    Melhor não seria que somente o Superior Geral da SSPX, Dom Felay fizesse doravante os pronunciamentos oficiais, para evitar possiveis desentendimentos?

  3. Muito bem ponderado Irmão Emmanuel,espero que eles te ouçam !Espero que esta situação, assim como os outros, se resolvam. Espero que toda a FSSPX se una a Roma. Assim eu espero…

  4. Só um pormenor sem importância… a foto é de Dom Galarreta, não é?

  5. Caro Diogo, a foto é de Dom Tissier mais novo.

  6. Uma declaração por demais arrogante!Chega a ser desrespeitoso para com o Santo Padre.
    Do jeito que as coisas estão caminhando,penso que mais uma vez,perderemos a oportunidade de avançar.

  7. Vamos rezar!
    Amanhã (aliás hoje, visto que estamos aos 5 minutos do dia 2) será um novo dia! Um dia talvez histórico, sob a proteção maternal de Nossa Senhora!

  8. Obrigado Amigo Lucas.
    Vamos continuar torcendo e sobretudo rezando!
    As portas do Inferno não prevalescerão…. e a “fumaça de Satanás” deve ser expurgada da Igreja.

  9. Concordo com o Domingos sobre a arrogância de querer “converter Roma”, na declaração de Dom Tissier, e concordo com o Irmão Emmanuel em que Dom Fellay deveria ser o único a dar pronunciamentos sobre as relações da FSSPX com o Vaticano.
    Rezemos à Virgem Maria para que tudo não se ponha a perder e as conversões avancem até alcançar resultados objetivos.

  10. Quis dizer “conversações”, não “conversões”.

  11. Lamentável os comentários acima. Mostram que muitos não conhecem a posição da FSSPX frente a atual crise da Igreja (crise que ainda não acabou).

    Sugiro que procurem conhecer mais a vida de Dom Lefebvre e Dom Mayer, e também da FSSPX.

    Procurem saber o que é Estado de Necessidade, sobre as Sagrações de 1988 que foram a ‘operação de sobrevivência da Tradição’. (podem ver aqui: http://br.geocities.com/indicedc/crise_igreja/sobrevivernacrise.html ) Também sobre a crise da Igreja (repito: crise que não acabou!). Caso contrário nada faria sentido na posição da FSSPX.

  12. Bem, é uma declaração ousada, sem dúvida.
    Imaginem! O jornal publicou isso de forma bem chamativa.
    Isso com certeza está alarmando ainda mais os modernistas, especialmente porque, a despeito de declarações como essas OU PIORES, o Vaticano segue irredutível.
    Se existe um lado bom (ao menos não restará dúvidas de que a FSSPX permanece irredutivel quanto ao essencial… O que argumentariam os sedevacantistas a respeito de mais essa prova de fidelidade à Tradição?), o lado ruim é que, atiçando deste jeito os modernistas, isso pode significar um peso a mais para as costas do Santo Padre. Não gosto de ver nada que signifique identificação plena com a FSSPX. A FSSPX é parte, não totalidade. Ela não é a Igreja, ela cumpre o que a Igreja exige. Ela tem coisas em comum com a Igreja, mas ela não é a Igreja.

  13. Cai e levanta de Roma são fatos constantes, tantos históricos como bíblicos. Por isso que o “converter” do bispo da Fraternidade pode ser até compreensivo.

    Para ficar mais claro isso, eu cito alguns exemplos.

    A primeira perseguição da Igreja foi por Cesar Nero que representa o poder de Roma. Tempo depois, com a vitória do imperador Constantino, Roma toda se converteu a Fé cristã. Porém, na passagem bíblica, diz que a Babilônia, atual Roma, seria a sede do anticristo…

    Assim, em La Sallete, aparição reconhecida pelo Vaticano, no século 19, diz que futuramente:

    “Roma perderá a fé e se tornará a sede do anticristo”

    Não quero afirmar que este tempo é apocalipto. Só o tempo dirá.

    Porém, para quem é conhecido como tradicionalista nesta época de pós-concilio é o pior que existiu na história da Igreja em todos os tempos. É o tempo de escuridão.

    Não é fácil compreender como um anticristo sentará na cátedra. E muito menos é fácil até aqueles que combatem o modernismo que levou os a divisão: alguns que defendem a tese que o papa é herege e outros que não. Resultado: se hoje é assim imagine pensar em profecias para o amanhã…

    Portanto, não é fácil para ninguém.

    Por isso não sei se Roma deve se “converter”, mas que ela deve mudar, deve realmente mudar. E agora, graças a Deus, tudo indica que está a mudar de fato.

  14. Amigos, olhemos também para o passado, especialmente, para os tempos de Santa Catarina de Senna. Foram exatamente 40 anos de papas e antipapas (excolhidos por cardeais franceses), período conhecido como o Grande Cisma. A crise na Igreja era igualmente terrível. Os constantes escândalos na Cúria Romana colocavam em descrédito os clero perante os fiéis leigos. Grande parte do povo católico e até devoto nem sabia ao certo quem era quem, quem era o papa legítimo e quem era anti-papa.

    E para quem acha que o Concílio Vaticano II é o único concílio maluco da estória, basta dar uma espiada no Concílio de Pisa (1409). Os padres conciliares da época simplesmente destituiram o papa verdadeiro juntoi com o antipa e escolheram um terceiro, problema esse que só veio a ser solucionado no Concílio seguinte, onde o Papa verdadeiro (anteriormente destituído) resignou e o falso foi demitido, havendo em seguida a eleição de um Papa legítimo. Uma loucura!

    Santa Catarina nunca se enganou. Alguns, como Santo Vicente Ferrer até se enganaram a princípio e depois reconheceram quem era o legítimo sucessor de Pedro.

    Contudo, a verdade veio à tona e a barca de Pedro continuou seguindo em frente “em meio a coluna da Eucaristia e a de Nossa Senhora”.

    Portanto, precisamos ter uma visão do todo. Quem ainda não leu, convido que leia o capítulo 28 do livro “Diálogo” de Santa Catarina de Sena.

    Santa Catarina ainda que enxergando todas as mazelas de Roma da sua época, lutava, denunciava, exortava e até mesmo corrigia as mais altas escalas hierárquicas, mas SEMPRE se manteve ao lado do Santo Padre, ainda que este tivesse suas misérias e falhas humanas. Ela SEMPRE esteve ao seu lado, como fazemos aqui neste blog. Creio que o exemplo de Santa Catarina serve tanto aos neo-conservadores que querem impingir infaliblidade a todos e quaisquer atos dos papas quanto aos sedevacantistas, que com o seu discurso odioso e repugnante querem desacreditar o nosso Doce Cristo na Terra.

    Jesus iluminai os sedevacantistas!

    Mãe de Misericórdia intercedei por nós, para que possamos sempre ter uma visão reta de todas as coisas.

    Viva o Papa Bento XVI!