Arcebispo Raymond Burke barrado de celebrar missa em Westminster.

Por indicação do amigo André, excerto de publicação de Secretum Meum Mihi:

Archbishop Raymond BurkeO Cardeal Comarc Murphy-O’Connor recusou permitiu ao Arcebispo Raymond Burke, um dos mais altos prelados Vaticanos, celebrar a tradicional Missa Latina na Catedral de Westminster em Junho, de acordo com relatos confiáveis.

A Latin Mass Society havia pedido ao Arcebispo Burke, Prefeito da Signatura Apostólica e antigo arcebispo de St. Louis, celebrar sua Missa solene anual. Ele havia aceitado. O Cardeal Murphy-O’Connor, que é o bispo da Catedral de Westminster, agora, segundo se relatou, forçou a TLMS a rescindir o convite.

A última missa solene anual da Latin Mass Society foi celebrada pelo Cardeal Castrillón Hoyos, naquela mesma catedral, sem a presença do Cardeal Murphy-O’Connor. Cardeal, aliás, que está para ser substituído. Talvez seja já um prelúdio do drama que virá próximo ao anúncio de seu sucessor. O futuro Cardeal Raymond Burke é conhecido por sua lealdade ao Papa Bento XVI e foi cotado inclusive para assumir a Comissão Ecclesia Dei, após aposentadoria do Cardeal Castrillón Hoyos.

9 Comentários to “Arcebispo Raymond Burke barrado de celebrar missa em Westminster.”

  1. Amigos, por falar em prelados leais ao Papa como o ilustre Arcebispo Burke, o que é feito do Mons. Malcom Ranjith? Não temos ouvido falar nele ultimamente.

    • Maria, a última manifestação que ouvi dele foi numa entrevista sobre o caso Eluana, na Itália, onde disse que todos os que colaboraram na morte da moça não poderiam comungar. Fora isso, creio que ele preferiu manter-se calado nesse momento em que suas palavras poderiam ser mais gasolina para apagar o fogo contra o Santo Padre. Ainda se fala de sua transferência para o Sri Lanka, como arcebispo da capital que está em guerra civil…

  2. É… Como disse Mons. Fellay, agora Bento XVI poderá ver, com todas estas rebeliões, quais são os bispos que, de fato, estão proximos a ele e fiéis a Igreja !

    A situação é por demais catastrófica !

    O que vemos é o cismo se desenhando a cada dia, seja pela insubordinação dos bispos, seja pelas reações da mídia, impulsionada pelos judeus .

  3. Agora que as máscaras estão caindo aos borbotões, não resta dúvida,mas consola saber que uma pequena parte da hierarquia permanece fiel ao Santo Padre. Isso basta. Quis Ut Deus? Parece que Judas o traidor tem sido um modelo para esse bando de fariseus que estrebucham e sacodem seus punhos contra a autoridade do Sumo Pontíficie e que caminham à passos rápidos para a perdição eterna.

  4. Obrigada, Ferretti. É bom mesmo que Mons. Ranjith fique em Roma, bem perto do Santo Padre, a quem ele poderá apoiar em meio a essa tempestade.

    Por falar no arcebispo Burke é bom lembrar que ele foi um dos únicos a ter coragem de aconselhar os americanos quanto a impertinência de se votar em candidatos anti-vida (uma referência clara a Obama).

  5. A situação está cada vez mais dramática. Agora temos rebeliões diárias. Até quando Roma permanecerá usando de diplomacia, sem denunciar claramente a oposição orquestrada contra o Romano Pontífice? O que se passa em Roma? Porque o Santo Padre não denuncia o complô mundial contra seu pontificado?

  6. Hoje é moda falar em “plena comunhão”, expressão que até mesmo o Santo Padre usa.
    E ora pergunto: esses bispos austríacos, esse cardeal inglês, estão em que tipo de comunhão: “plena comunhão”, “comunhão parcial”, “meia comunhão”, “terça comunhão”, “comunhão ora sim ora não”, “comunhão de interesses”, “comunhão com o diabo”?

  7. A comunhão deles certamente é a sacrílega…

  8. Vejam dois parágrafos esclarecedores retirados do blog wdtprs do Pe. Zulsdorf (o restante do artigo fala da questão do pedido de autorização prévia, mas esses dois parágrafos são bem elucidativos da personalidade do prelado em questão:

    “When the former papal MC Archbp. Piero Marini, liturgical uber-progressvist and spiritual son of Annibale Bugnini, wanted to have a splashy party for the book that came out under his name – a clear rebuke to Pope Benedict and defense of Bugnini – the Cardinal Archbishop of Westminster rolled out the red carpet and welcomed him.

    When a musical piece entitled the “99 Names of Allah” was slated for Westminster Cathedral, the Cardinal rolled out the carpets – not prayer rugs exactly, for it wasn’t openly a service of false worship – and welcomed the event in his cathedral, despite the fact that many of his subjects wondered at the move.”