Enfim, publicado estatuto do IBP.

bonpasteurO fim geral do Instituto é a Glória de Deus pela perpetuação do Sacerdócio católico tal como foi recebido do Cristo na Quinta-feira Santa e transmitido até agora na herança da Sede de Pedro, como em sua fonte. O Instituto afirma sua profunda Romanité, porque está preocupado em preservar a Tradição da Igreja em sua permanente atualidade. O fim específico do Instituto é o exercício completo do sacerdócio, na hierarquia e Tradição católicas, segundo uma forma de vida adaptada à sua missão e no socorro privilegiado de uma vida comum toda ordenada ao apostolado. Supõe uma fidelidade para com o Magistério infalível da Igreja e o uso exclusivo da liturgia gregoriana na digna celebração dos Santos Mistérios: “A bem-aventurada Paixão, como a ressurreição dos infernos, mas também a gloriosa Ascensão do mesmo Jesus Cristo Senhor Nosso.” (Cânon Romano) 

A íntegra pode ser encontrada aqui.

Tags:

4 Responses to “Enfim, publicado estatuto do IBP.”

  1. Sempre, nos meios tradicionalitas, é sustentado o “argumento do IBP” como prova da possibilidade de critica ao Vaticano II. Nos estatutos deste Instituto não é designado isto como uma finalidade do mesmo e nem há nada que se refira àquela possibilidade. Portanto, como tradicionalista, sou obrigado a aceitar que o “argumento do IBP” caiu por terra.

  2. Caro Renato, a possibilidade de crítica construtiva ao Vaticano II está prevista nas “Atas de adesão” assinadas pelos Padres do IBP quando da fundação do Instituto.

    “A propósito de certos pontos ensinados pelo Concílio Vaticano II ou relativos às reformas posteriores da liturgia e do direito, que nos parecem dificilmente conciliáveis com a Tradição, nos comprometemos a ter uma atitude positiva de estudo e de comunicação com a Sé Apostólica, evitando toda polêmica. Esta atitude de estudos quer participar, por uma crítica séria e construtiva, à preparação de uma interpretação autêntica por parte da Santa Sé desses pontos do ensinamento do Concílio Vaticano II, bem como de certos elementos de textos e disciplinas litúrgicas e canônicas que decorrem”.

    http://blog.institutdubonpasteur.org/spip.php?article46

  3. Caros amigos,

    vou colocar de modo bem simples minha opinião da postagem acima para ficar bem clara.

    Cristo foi polêmico na terra e incomodou muita gente com sua doutrina. E até hoje assim.

    O exemplo da nau da Igreja começar se direcionar um pouco pelo Papa ao retorno da Tradição foi suficiente para que os inimigos da Igreja, a maçonaria, a sinagoga de Satanás e a Igreja Conciliar se incomodarem.

    É que mais vemos hoje com os fatos postados neste próprio blog.

    Vejo somente isso como algo benéfico a um pequeno grupo, enquanto a Fraternidade, gostem ou não, faz um bem maior não um grupo, mas toda Igreja arriscando até as próprias vidas – não duvído nada sobre isso que escrevi agora…

    Essa, portanto, minha opinião.

Trackbacks