Profético! Presbítero e Comunidades Eclesiais de Base manifestam seu apoio ao bispo da Linz brasileira – Limeira.

Diocese de Limeira

Resposta de um Presbítero

Acho interessantes as reivindicações de se celebrar missas no rito Tridentino ou de Pio V e dizer que esta é a missa de sempre.  Creio ser esta terminologia imprópria do ponto de vista histórico e mesmo teológico.

Isto deriva do fato de que dizer “missa de sempre” desconsidera a experiência dos cristãos do período antigo da Igreja, ou das primeiras comunidades cristãs. O rito consistia simplesmente no essencial da “fração do pão” ou Santa Missa, ou seja, a liturgia da palavra e a liturgia eucarística. Isto o sabemos por vias historiográficas e pelas sagradas escrituras, que nos descrevem o florescer do cristianismo em meio as perseguições do Império Romano.

O Concílio Vaticano II teve a preocupação de tornar a Igreja mais próxima desta experiência pura e genuinamente cristã, derivada das comunidades apostólicas. Uma igreja regida pela palavra de deus e cuja celebração eucarística, despojada de todo ritualismo e pompas (como eram as celebrações e preceitos tradicionais judaicos rechaçados por Jesus). Deveria a missa salvaguardar o essencial (palavra e partilha do pão e vinho consagrados e transubstanciados no corpo e sangue de nosso Senhor).

O excesso de ritualismos, que acabava tirando a atenção da essência (que dá o ser a uma realidade) deveria dar lugar a uma liturgia mais envolvente, participativa e ligada à vida do povo.

Esta é apenas minha opinião, levando em consideração aspectos históricos e teológicos católicos.

Que Deus os abençoe.

Pe. Marcos Radaélli
Presbítero da Diocese de Limeira

Manifesto de Apoio ao Revmo Sr. Bispo Diocesano Dom Vilson Dias Oliveira

A coordenação das CEB’s (Comunidades Eclesiais de Base), da Diocese de Limeira, em razão de algumas ofensas à postura evangélica do nosso pastor diocesano, vem a público manifestar apoio à sua conduta profética.

No alvorecer desde ano, um grupo de pessoas nostálgicas denominadas “Católicos de Limeira”, iniciaram a mal-fadada campanha para retrocedermos ao século XVI. Os nobres senhores e senhoras empenham suas energias a fim de convencer a Diocese da “importância” de voltar a celebrar a Santa Missa em latim, conforme o Concílio de Trento, de 1550.

Os motivadores desta campanha, entretanto, demonstrando pouca habilidade em interpretar o documento Summorum Pontificum, do santo Padre o Papa, se utilizaram de expedientes questionáveis moral e eticamente, chegando às raias de ofensas desferidas à pessoa de nosso Bispo Diocesano.

As CEB’s, fiel aos ensinamentos do Cristo e assumindo sua missão profética contemporânea quer colaborar nesta reflexão. Embora respeitemos o direito de expressão e organização dos aludidos cidadãos e cidadãs, estamos convencidos que a Santa Missa deve continuar sendo celebrada no idioma de cada comunidade. E mais: ao contrário do que defendem os referidos cidadãos, a catequese de nossa santa igreja evoluiu consideravelmente ao incluir elementos culturais dos nossos irmãos indígenas e afro-descendentes.

Embora a Missa celebrada em latim resgate a tradição tridentina, objetivo maior dos seus defensores, certamente seu ritual distanciará nossos irmãos da compreensão do amor salvífico do Pai e de nosso compromisso com seu reino. É na Santa Missa que nos encontramos para, ao redor do altar, celebrarmos o amor de Deus por nós. No ritual, oferecemos a Deus o fruto do trabalho humano, para em seguida, consagrado no corpo de cristo, partilharmos o pão/corpo de cristo. Esta aí a catequese máxima: Se partilharmos anteciparemos o Reino de Deus. É necessário que esta mensagem seja assimilada pelos nossos irmãos, caso aspiremos de fato o Reino de Deus entre nós. Agora, para que possamos compreender a mensagem é necessário que ela nos seja clara, perfeitamente audível e compreensível para o nosso irmão mais simples que não pode sequer freqüentar uma escola, que dirá conhecer outro idioma.

Cabe ao profeta a missão de evangelizar. Para evangelizar é necessária uma comunicação eficiente, a exemplo de Paulo, o arauto do Evangelho. Agora, somente haverá comunicação eficiente quando nos despirmos de uma pseudo-erudição extemporânea, para falar a língua que todos possamos compreender.

Ainda nesta toada, entendemos que a igreja está correta ao aproximar-se de nossos irmãos de outras culturas. Ao acolhermos estes nossos irmãos, saboreamos as riquezas típicas de suas histórias, tornando-nos seres mais lapidados, como o vaso nas mãos do oleiro.

Fica, portanto, nosso apoio à Diocese de Limeira, na pessoa de Dom Vilson Dias de Oliveira. Continuemos com o compromisso de permitir com que a experiência do Cristo esteja, a cada dia, mais próxima de todos nós.

Comunidades Eclesiais de Base
Diocese de Limeira

27 Responses to “Profético! Presbítero e Comunidades Eclesiais de Base manifestam seu apoio ao bispo da Linz brasileira – Limeira.”

  1. Coloquei este artigo no sítio do Felipe Traquino, para mostrar como os ”carismáticos” e os teólogos da libertação tem isso em comum:

    Ambos fazem boicotes para impedir a realização da Santa Missa Tridentina.

    Essa pessoas (”carismáticos” e ”libertacionários”) estão únidos nisso!

  2. Esse texto me deixou indignado. Ele chama de “conduta profética” o que é conduta subversiva. A verdade é que eles não querem os santos como os que participavam da missa de sempre, mas querem os militantes da missa da hora, do gosto de cada um, da profanação litúrgica que os comunistas das CEBS sempre promoveram.

    Está aí também a “tolerância” desses sujeitos, bem limitada, bem direcionada…

    Que desgraça são esses clérigos!

  3. Esse pessoal não tem a mínima ideia do que está por trás da nossa luta, pensam que é apenas um saudosismo. Repetem os chavões que ouviram e mais nada. Lamentável. Um retrato nítido da crise na Igreja.

    Essa frase resume tudo: “a catequese de nossa santa igreja evoluiu consideravelmente ao incluir elementos culturais dos nossos irmãos indígenas e afro-descendentes”.

    Sem comentários.

  4. Se publicaram no site da diocese, certamente foi a pedido ou permitido por Dom Vilson. Isto demonstra que o bispo compartilha e aprova tais absurdos e blasfêmias contra o Santo Sacrifício da Missa.

    Exsurge Domine…!

    “No Antigo testamento alude-se com freqüência aos ‘falsos profetas’; é célebre a passagem de Jeremias 23, 9-40. Denuncia-se ali a impiedade desses profetas que ‘profetizam por Baal e fazem errar o Meu povo Israel’; que ‘vos estão a enganar, vos contam as suas próprias fantasias, não coisa da boca de Deus… Eu não enviei esses profetas e eles foram. Não lhes falei, e eles profetizaram’; que ‘desencaminham o Meu povo com as suas mentiras e as suas jactâncias, sendo verdade que Eu não os enviei, nem lhes dei missão alguma, nem fizeram ao Meu povo bem algum” (Edições Theologica).

  5. “a catequese de nossa santa igreja evoluiu consideravelmente ao incluir elementos culturais dos nossos irmãos indígenas e afro-descendentes”

    É, evoluiu tanto que não faltam nestes rincões do meu Brasil missas movidas a atabaques, banho de pipoca e movidas a azeite de dendê… Isto sem contar as danças pagãs…

    Salvador, ao lado de Limeira, é um exemplo claríssimo (E VERGONHOSO) disto… Missa assim pooooode, mas o Rito Gregoriano, não poooode…

    Rezemos pela Igreja, para que Deus nos conceda a todos bons sacerdotes, bispos e diáconos e não estas escandalosas paródias como as que vemos por aí!

  6. Caríssimos, realmente os comunistas da CEBs não sabem o que dizem. Tentam ser “politicamente corretos”, mas eles surgiram antes da filosofia do “politicamente correto” e suas raízes marxistas-comunistas nos lembram bem que o respeito ao livre pensamento – não que eu julgue isso uma coisa boa – não está no caráter deles. Eles nem mesmo têm noção do que seja a Santa Missa. Eu tenho contato vivo com a realidade deles porque meu bispo é coordenador da CEBs para a CNBB (podem rezar por mim e meus conterrâneos agora vocês sabem em que deserto espiritual estamos). Eles perderam completamente a noção do Santo Sacrifício e acredito sim que muitos padres das CEBs não celebram mais missas válidas. Como o texto bem expressa o importante é “partilhar o pão”, para eles o Reino de Deus se dá através do “banquete da partilha”. Eles são ignorantes da fé que dizem professar, cérebros lavados por comunistóides. Eu sei o que digo. Eles não sabem que o Reino de Deus – que é a Santa Igreja Católica – vive em torno do Santo Sacrifício do Calvário, que o sacerdote católico repete a cada Missa de forma não-sagrenta, e não em torno de um banquete de pão. Eles não acreditam na constituição divina da Igreja e por isso negam sua essência eminentemente espiritual.
    Todavia, não é por essa cartinha desprezível, de quem não sabe o que diz, que a luta pela Santa Missa romana de sempre vai parar. Rezemos por eles para que a Sede da Sabedoria, Nossa Senhora, que eles não veneram, interceda por todos nós para que haja paz e que o Sumo Pontífice consiga realizar a reforma da Reforma!

  7. O padre Radaélli acha estranho dizer que a Missa Gregoriana é a “Missa de Sempre” – mas foi assim que o Papa São Pio V determinou na bula Quo Primum Tempore, que este rito da Missa deveria ser celebrado SEMPRE, e estavam VETADAS qualquer intenção de alteração deste rito.
    Então, alguém diga a esse padre Radaélli que estranho mesmo é o rito novo da missa: São Pio V disse que incorreria na ira do poderoso Deus quem inventasse uma outra maneira de celebrar o Sacrifício da Santa Missa.
    Quer dizer que instituir um rito elaborado por 6 pastores protestantes é uma experiência “genuinamente cristã”? É um retorno ao Cristianismo primitivo? Não me consta que as Igrejas de Corinto, de Tessalônica, de Filipo e de Roma convidaram ecumenicamente sacerdotes pagãos que já existiam para elaborar o rito da “fractio panis”.
    Se a CEB nos fustiga como nostálgicos, então também atingem o Papa com esta invectiva, pois foi o próprio Papa que autorizou (quantas milhões de vezes teremos que repetir isso?) a Missa de Sempre, para TODOS os que quiserem aderir a ela, e conferiu a todo o católico o direito de solicitar a Missa Extraordinária ao sacerdote e ser atendido nisso.
    Nostálgicas são as tais CEBs do Muro de Berlim. Eu sempre digo que as CEBs, a TL e a CNBB são os maiores SAUDOSOS do Regime Militar, pois naquela época eles brilhavam como valentes heróis, eram admirados por intelectuais e artistas. Hoje os intelectuais rechaçam a CNBB e os artistas aderem às filosofias zen e apóiam o aborto.
    Às vezes não compreendo a razão de tanto MEDO e tanta revolta por parte do episcopado e clero progressistas quanto à possibilidade da Missa Tridentina. O Santo Padre apenas AUTORIZOU, apenas LIBEROU o rito… Já pensaram se o Papa OBRIGASSE a Missa?…
    Imaginem se saísse um instrumento de ordem vaticana OBRIGANDO cada Diocese a ter uma Paróquia de rito extraordinário? Aí entre o episcopado haveria choro e ranger de dentes, e muita NOSTALGIA CONCILIAR.

  8. Marcelo, você resumiu o que estou vivendo agora nesta terra do norte do país.

    Até quando esta caricatura da Igreja – TL, CEBs, etc – vai posar como igreja???

    Senhor, enviai-nos PROFETA…. de verdade.

    PAX

    Julie Maria

  9. A imbecilidade é um mal que grassa aos borbotões!
    Enoja-me as palavras medíocres e desinformadas, acéfalas e anti-católicas que esse sacerdote escreveu!
    Pior ainda é considerar a Santa Missa Dâmaso-Gregoriana cheia de ritualismos e pompas! Se a mediocridade das palavras desse levita são estas: “O excesso de ritualismos, que acabava tirando a atenção da essência (que dá o ser a uma realidade) deveria dar lugar a uma liturgia mais envolvente, participativa e ligada à vida do povo.” O que dizer então da durabilidade desse precioso rito e de tantos santos e mártires que auriram as Graças que os levaram à via da santidade? Foi por meio dessa liturgia tão odiada hoje pelos marxistóides, papagaios de repetição dos chavões liberteiros que Nosso Senhor conduziu Sua Igreja ao longo dos séculos e é por meio dessa magnífica a santa liturgia que Nosso Senhor restaurará o esplendor de Sua Esposa!
    A Santa Igreja não merece filhos ingratos como esse sacerdote, bispo e leigos defensores da mentira socialista, do liberalismo, do Modernismo!
    É preciso uma atitude enérgica de Roma para acabar com essa podridão no Templo Santo de Deus!
    É preciso redobrar as orações pela conversão desse lobos infiltrados ou pela sua total aniquilição, pois a Justiça Divina não deixará passar essas ofensas!

  10. o santo padre Bento XVI trava uma luta ardua para retomar a verdadeira liturgia católica,apesar das resistencias e boicotes que o atacam de todos os lados,neste momento devemos rezar pelo santo padre e estarmos sempre ao seu lado,QUEM NÃO ESTA NA BARCA DE PEDRO NÃO ESTA NA IGREJA DE CRISTO.

  11. Eu particularmente sou da opinião que sacerdotes envolvidos com a TL ou Cebs tem 90% de probabilidade de oferecerem sacramentos inválidos.
    E digo mais: se algum clérigo católico solicitasse aos bispos progressistas um questionário, como uma prova de múltipla escolha, certamente muitos responderiam como certa a heresia, e deixariam sem marcar a doutrina católica.
    Tenho para mim que muitas ordenações sacerdotais feitas por esses hereges são nulas… Então teríamos um clero tão legitimo quanto o anglicano… Só que, se levarmos em conta que os anglicanos tem um braço tradicional, os daqui são de pior nível…

  12. Bruno,

    Confesso que já passou pela minha cabeça a aplicação de um “ENEM” religioso por parte das dioceses. Os padres que não “gabaritassem” as questões fundamentais da Fé deveriam necessariamente passar por uma reciclagem. O pior de tudo isso são as almas que estão absorvendo as heresias.

    Contudo sabemos que o problema dos padres está diretamente relacionado aos bispos. Se os seminários não formam bem a responsabilidade recai sobre os ombros dos bispos.

  13. Os Católicos de Limeira (www.catolicoslimeira.com.br) precisam se manifestar publicamente contra este absurdo!! É impressionante como os outros sites católicos não repercutem esse caso!!

  14. Lamentável a ignorância histórica e teológica do i. Presbítero de Limeira.
    Qualquer historiador sabe que a Missa rezada nas catacumbas era um sacrifício, e não mera “fração do pão”. Um sacrifício, a renovação do Calvário, assim como a Missa Tridentina.
    Ao contrário da missa nova, que é mera refeição, uma “festa”, repleta de textos ambíguos ou francamente heréticos (“fruto da terra e do trabalho do homem”, “por todos”, etc…).
    É dolorosa a negação do Latim – língua morta que garante fidelidade das interpretações – idioma oficial da Igreja Católica. E, como é sabido, defender o uso exclusivo do vernáculo é causa de excomunhão.
    Enfim, é abismal a referência ao “excesso de ritualismo” , triste confissão de pobreza intelectual. Qualquer pedagogo moderno sabe que os símbolos são excelentes meios de ensino.
    A argumentação do I. presbítero, além de anêmica, é claramente de matiz protestante, vide sua ênfase na “participação do povo”.
    Esse cidadão pensa que é católico, mas sua argumentação é a de Lutero.
    Rezemos pela sua conversão.

  15. “O Bispo de Neuquén, admoestado pela Santa Sé por abusos litúrgicos e imprecisões teológicas”. Em http://www.montfort.org.br/index.php?secao=imprensa&subsecao=mundo&artigo=neuquen-punido-vaticano&lang=bra. É bom ler esse tipo de notícia. Dom Vilson que aguarde, pois o dele está guardado.

  16. Essas pessoas e quem quer que os defendam não são católicos.

    Admostar pra que?É mesma coisa que falar com um protestantes ou outro tipo de sequazes(como disse o Roberto,acima),protestantes não se admoesta,protestantes se exclui da comunidade cristã,estão excomungados.

  17. Realmente lamentável…Mas a culpa não é do padre,coitado.A culpa é da formação terrível q os seminaristas estão recebendo com anuência dos bispos.
    São tantas vocações q surgem e q infelizmente estão sendo perdidas em virtude dessa péssima formação.Na verdade,estão formando pastores protestantes e não sacerdotes católicos.
    Rezemos!!!

  18. Saudades do Tribunal do Santo Ofício…quanto trabalho ele teria hoje…

  19. Sem dúvida, vivemos a maior crise da história da Igreja.
    Estamos em tempos terríveis, onde aqueles que seguem a verdade da Tradição entram em choque com a Hierarquia, e aqueles que acatam a Hierarquia são forçados a negar aquilo que a Igreja ensinou desde Nosso Senhor Jesus Cristo!
    Uma situação inaudita.
    Ficou claro, até para leigos, que os tempos são extraordinários.
    E que o estado de necessidade invocado por Dom Marcel Lefebvre e Dom Antonio de Castro Mayer é uma triste realidade.
    Nossa Senhora nos ajude.

  20. Este douto presbítero ao comparar a liturgia Trindentina com a Fração do Pão da Igreja primitiva esquece que já naquela época São Paulo afirmou categoricamente que o Ágape Cristão não era um refeição comum e quem quisesse comer e beber que o fizesse em suas casas, porque que recebesse o pão sem distingui-lo como participação no corpo de Cristo e o vinha sem distingui-lo como participação no sangue Cristo pecava gravemente. E porque o pão e o vinho fazem-nos participar no corpo e sangue de Cristo? Paulo afirma porque o mesmo Cristo disse antes de sacrificar-se: ‘Isto é o meu Corpo; Isto é o meu sangue.” Então o maior pecado , creio que o único, que impede de receber a Eucaristia, consiste m não crer ou recebê-lo com uma alimento comum ou apenas simbológico ou não reconhecer-se pecador e redimido por Cristo, alem , claro, de permanecer no pecado, sem achar que deve confessar-se e mudar de vida. O padre que que o a ceia sacrifical do Senhor seja um banquete de domingo com os amigos. Digo a ele como diria São Paulo. Quer dançar, bater palma e comer vai a uma festa de aniversário. A missa é adoração a Deus e o sacrifico de Cristo e por isso mesmo exige um Ritual solene exclusivo. Não é teatro pra padre aparecer e nem a comunidade mas só Deus e Jesus.

  21. Um pequeno lembrete: as Comunidades Eclesiais de Base , CEB´s, nos anos 80 e 90 tiveram uma certa expressão.
    Hoje em dia estão praticamente esvaziadas.
    É fato conhecido que a maioria de seus membros migrou para as seitas protestantes.
    Hoje, é uma estrutura anódinma, mas que ainda serve de “agitprop” em favor de monstruosidades modernistas como a do i. presbítero limeirense.

  22. A ceb’s n está esvaziada! antes fosse!

  23. Essa é para os legalistas responderem com honestidade: especificamente, os fiéis de Limeira estão ou não em estado de necessidade?
    E nós, brasileiros, como eu, que já agüentei um sermão indignado de um Bispo contra……o aborto? o homosexualismo? o pecado?…….não gente, contra o salário dos deputados, estamos ou não em estado de necessidade?
    Finalizando: as Católicas pelo Direito de Decidir continuam ocupando um endereço de um prédio da Igreja em São Paulo?
    É ou não é um escândalo este fato?

  24. O comunicado dos Círculos Eclesiais de Base da Diocese de Limeira procurou ser um manifesto grandiloquente, demonstrativo de uma profunda meditação, imparcial, alçando a sua entidade como a capaz de discernir, em última instância, as vantagens ou inconvenientes para a comunidade católica de Limeira
    O comunicado mostra, a certa altura que “embora respeitemos o direito de expressão e organização dos aludidos cidadãos e cidadãs”, está exatamente a fazer o contrário do que ele espelha. Na realidade, ao longo de todo o comunicado, está bem evidente que não se dá qualquer importância a esses citados “cidadãos e cidadãs” que jamais são tratados como católicos ou, pelo menos, como cristãos (perceberão as ceb a diferença entre católico e cristão?). Mas, sim como “um grupo de pessoas nostálgicas” “que iniciaram a mal-fadada campanha para retroceder ao século XVI” (as ceb estão convictas do que estão a dizer, ou dizem isso por graça, porque até há 35 anos atrás todas as Missas eram pronunciadas em latim), “demonstrando pouca habilidade para interpretar o documento – o Motu-Próprio Summorum Pontificum – … se utilizam de expedientes questionáveis, moral e eticamente”.
    Como se vê, um chorrilho de expressões que servem para colocar os “cidadãos e as cidadãs” numa posição subalternizada e desacreditada perante a opinião pública de Limeira. Este é a imparcialidade das ceb.
    Mas o aludido grupo de católicos só se dirigiu ao seu bispo pedindo para que numa determinada paróquia fosse autorizada uma Missa no rito de São Pio V, algo que eles têm o pleno direito de pedir, tendo pleno direito de verem autorizado o seu pedido.
    Porque este ataque das ceb? Incompreensível, a menos que elas tenham medo de, a pouco e pouco, verem os fieis passarem da Missa nova para a Missa tridentina. Ou também porque a Missa de sempre não se presta a ser adulterada da forma como o papa se refere: em muitos lugares não se atende às prescrições litúrgicas considerando-se (os celebrantes) “autorizados ou até mesmo obrigados à criatividade, o que levou, freqüentemente, à deformação da liturgia ao limite do suportável”.
    Mas o ataque das ceb para poder colher mais frutos dá a impressão que o pedido desse grupo de católicos se destinava a que todas as missas na diocese passassem a serem rezadas em latim. Por isso, tinha de ser recusado. Não. O pedido era que uma Missa, ao domingo, fosse rezada em latim. Ficavam todas as outras para serem celebradas em vernáculo. Porquê o ataque das ceb? Porquê o não do bispo que tem obrigação de dizer sim?
    Tudo isto é muito triste, mas é suportável, embora nos “limites do suportável”, como nos diz o Papa.
    Mas há coisas muito mais graves na diocese de Limeira de que derivam como conseqüência todas as ditas atrás.
    Já o Papa João Paulo II tinha dito que “às vezes, transparece uma compreensão muito redutiva do mistério eucarístico. Despojado do seu valor sacrificial, é vivido como se em nada ultrapassasse o sentido e o valor de um encontro fraternal ao redor de uma mesa”.
    O Bispo de Limeira mostrou-se muito mais vaidoso do que Lutero. Lutero disse: “Há mil anos, Deus a nenhum bispo concedeu tão grandes dons quanto a mim”.
    Perante isto só nos resta uma coisa: orar muito pela diocese de Limeira e pelo seu Bispo, “uma alma sem lar, uma ave sem ninho” como Guerra Junqueiro definiu o “pobrezinho”, “pobre dos pobres”. Mas o bispo não é pobre de bens materiais; é pobre de fé, uma pobreza muito mais grave.

  25. São escandalosas estas palavras do Exmo. Sr. Bispo de Limeira, Dom Vilson!
    Está à beira da heresia, se já não caiu nela! Não tem mais fé! Deveria ser substituído imediatamente! Precisa de nossas orações antes que se perca para sempre!
    Não entendo como certos padres são escolhidos para o episcopado. Com certeza essa escolha foi bem planejada pelos inimigos da Santa Igreja…
    Que Deus tenha misericórdia de Seu povo!
    Quanto às ceb’s, são um bando de comunistóides famintos e ateus que procuram, de todas as formas, detruir e solapar o Sagrado Depósito da Fé! Eles conseguiram destruir a liturgia em muitos lugares e vêem na reintrodução da Missa Gregoriana um atentado contra suas idéias!
    Qual foi a contribuição dessa escumalha à Santa Igreja? Onde está que as missas-afro, missas-crioulas e outras aberrações fazem parte da Sagrada Liturgia?
    Desculpem, mas fico profundamente indignado com tamanha injustiça e violência contra a Fé.

Trackbacks