Editor do jornal do Vaticano diz que “Obama não é pró-aborto”.

Barack Obama

Roma, Itália, 20 de maio de 2009 / 06:24 h (CNA).- O Editor chefe do jornal do Vaticano L’Osservatore Romano explicou hoje a Paulo Rodari, um analista do Vaticano para o diário “Il Riformista,” que o discurso do Presidente Barack Obama aos formandos de Notre Dame foi muito respeitoso e que ele “não é um presidente pró-aborto.”

Na entrevista com Rodari, o Editor chefe Gian Maria Vian discutiu seus pensamentos sobre o Presidente Obama na Universidade Notre Dame. “Obama não aborreceu o mundo,” disse ele. “Seu discurso em Notre Dame foi respeitoso com relação a todas as posições. Ele tentou se envolver no debate fugindo de toda posição ideológica e de toda “mentalidade de confronto.” É nesse sentido que seu discurso deve ser avaliado.”

Vian continuou, “Deixe-me esclarecer, o L’Osservatore se posiciona onde os bispos americanos estão posicionados: consideramos o aborto um desastre. Devemos promover sempre e em todos os níveis uma “cultura da vida”.

“O que eu quero enfatizar é que ontem, nessa questão precisa e muito delicada, o Presidente disse que a aprovação da nova lei sobre o aborto não é uma prioridade de sua administração. O fato de que ele disse isso é muito tranqüilizador para mim. Isso também ressalta minha própria e clara convicção: Obama não é um presidente pró-aborto,” disse ele a Rodari.

Continuando a entrevista, Rodari enfatizou que o L’ Osservatore Romano publicou duas estórias diferentes sobre a mesma questão, uma positiva sobre o discurso de Obama em Notre Dame, a outra extremamente crítica sobre a sua posição em relação à pesquisa com células tronco embrionárias que citou os receios da Conferência Nacional dos Bispos dos EUA.

Vian respondeu: “Esta é a nossa política, a maneira que utilizamos para informar. Se uma conferência nacional de bispos diz alguma coisa, nós a informamos.” Todavia, ele continuou, é “apropriado apresentar outras perspectivas” aos leitores para que eles possam julgar com exatidão “as informações internacionais.”

De acordo com Rodari, “as palavras de Vian são importantes, porque elas falam sobre um confronto entre Obama e a Igreja Católica que agora parece estar limitado principalmente entre parte do episcopado americano. Um confronto que a Santa Sé nem aprova nem desaprova. Simplesmente observa.”

10 Comentários to “Editor do jornal do Vaticano diz que “Obama não é pró-aborto”.”

  1. Obama não é pró-aborto, Hitler não foi anti-semita, Dom Vilson não é modernista, Dilma e Lula não são socialistas, Saci Pererê e Coelhinho da Páscoa não são fábulas…

  2. Como alguém como Gian Maria Vian pode ser editor chefe do L’Osservatore Romano?
    Então o Obama não é pró aborto? Ah é… então ve se ele e o partido dele aceitam que na corte máxima norte-americana tenha maioria de juízes pró-vida… se alguém falece, é uma briga imensa pra ver quem vai substituir…
    Lá o aborto está totalmente liberado. Mas, como o Obama não coloca isso “como prioridade”, então o editor chefe do l´osservatore poderá dormir sossegado… enquanto isso, quantos inocentes não serão mortos?
    Acho que seria melhor nós católicos começarmos uma campanha mundial pedindo ao papa para que coloque alguém condizente a altura do cargo de editor chefe do l´osservatore.

  3. Obama não é pró-aborto, ele somente revogou a proibição de financiamento público para as ONGs pró-aborto. Faltou dizer que Papai Noel também existe.

  4. São Obama.

    O padroeiro dos bebês.

    Faça-me o favor.

  5. Agora um ótimo sermão em língua inglesa sobre a presença de Obama na Notre Dame. Um padre que fala sem respeitos humanos.

    Aliás o sítio tem sermões maravilhosos.

    [audio src="http://www.audiosancto.org/auweb/20090517-If-Our-Prayers-Are-to-be-Effective.mp3" /]

  6. Que desilusão!

    Achei que a demissão do padre Frederico Lombardi do cargo de diretor da Sala de Imprensa iria acabar com a desinformação nos órgãos midiáticos vaticanos…

  7. Prezados(as),

    Não sei o que é pior:
    Roma deixar estes incapazes na mídia oficial,
    Ou o fulano “dormir tranquilo” pq. Obama mesmo conivente com a morte de inocentes, não tem como prioridade matá-los…acontece?!?!?!

    Quando alguma mídia maldita resolver, por motivo comercial talvez, mostrar um vídeo sobre um aborto, as coisas serão diferentes…

    Como diria meus pais “o que os olhos não vêm, nosso coração não sente”

    Salve Maria puríssima,

    RVG

  8. O l’Osservatore está tão católico quanto o La Croix… Que manobras serão essas na Cúria, que permitem figuras tão tristes terem vez e voz, contrariando tão descaradamente o Santo Padre? São essas e outras que terminam por desacreditar o Pontificado de Bento XVI… Quem poderia definir com certeza qual a real linha adotada pelo atual pontificado, com todas essas contradições presentes mesmo em áreas aparentemente bem delimitadas, como a Moral?
    Neste aspecto, o pontificado de João Paulo II ao menos parecia mais bem definido. Em questões doutrinais e liturgicas, vá lá… Mas até em questões morais não existe uma unidade visível na própria Cúria de hoje… Só oração mesmo!

  9. Um homem que vive de votos, jamais aceitará um convite para ser homenageado, de uma pessoa com um pensamento contrário ao dele, sem tentar mostrar que ele “não é tão mau como o pintam”. Ele não é só pró-aborto: ele é chefe mundial do pró-aborto.
    O artigo do L’Osservatore Romano é estúpido. È a forma de viver da avestruz que esconde a cabeça para julgar que afasta o perigo e, antes de entender como, é devorada.
    Escrevi ao Directo de L’Osservatore Romano o seguinte e-mail

    Senhor Director de
    L’Osservatore Romano
    Vaticano

    Ex.no Senhor

    Acabo de ler a explicação que o editor chefe desse prestigiadíssimo jormal deu a Paulo Rodani, um analista do Vaticano para o jornal “Il Riformista”.

    A explicação é tão absurda, tão fora de propósito, tão enganadora, tão sem sentido, que só tem um rival: o artigo do Presidente do Pontifício Conselho para a Vida sobre o caso do abroto dos dois gémeos, na Diocese de Recife, Brasil. Será que L’Osservatore Romano decidiu só aceitar artigos de loucos?

    Ambos os artigos são muito piores do que lixo. São feitos por típicos “quinta-colunistas” de Satanás. É assim que nós, os católicos, vamos sendo vencidos. O fumo de Satanás entrou em algumas mentes e não sai. Conquistou-as para ele.

    Reparem os senhores que eu aponto que não é por estarem no Vaticano quem têm a salvação assegurada. Apenas têm responsabilidades acrescidas.

    Esforça-se Sua Santidade Bento XVI, por todas as formas, em difundir Jesus Cristo (ainda ontem inaugurou o seu canal no You Tube) e vêm estes indivíduos que nós conectamos com o Papa e, num momento, apagam o trabalho dEle.

    Eu sei, Senhor Director, que esta carta é dura, mas que posso eu dizer de alguém, intimamente ligado à Igreja católica, que quer provar que o Presidente Barack Obama não é pró-aborto? Cego?, surdo?, incapaz de interpretar?, em órbita espacial?, totalmente desligado da realidade?, preguiçoso?

    Vossa Excelência quer prestar um grande serviço à Igreja? Aquele serviço que nós esperamos que seja prestado? Então, Senhor Director, que L’Osservatore Romano exprima o pensamento do Papa, a vontade do Papa, os desejos do Papa; que lute, com Ele, por Cristo e pela Igreja. Já temos muitos que nos querem atropelar; não arranjemos mais.

    Com os meus respeitosos cumprimentos, subscrevo-me atneciosamente

    João Guilherme Barbedo Marques

  10. O mais grave disso tudo é que os próprios católicos alheios à crise na Igreja nos jogarão na cara que o “Vaticano” aprova Obama. Eles nos dirão “até o jornal oficial do Vaticano vê as qualidades boas de Obama”.

    Creio que cabe o Secretário de Estado se manifestar. Esse fato é realmente muito lamentável.

    Na minha ignorância eu perguntaria quem está acima desse jornal? O Secretário de Estado, o Papa ou uma outra autoridade eclesiástica?

    Num único ponto o editor chefe pode não ter fugido muito da verdade. Apenas 70 de 230 bispos americanos se manifestaram contra o escândalo Notre Dame. Nesse ponto, a grande maioria ficou calada. E mesmo no período de campanha eleitoral o silêncio dos bispos americanos (com exceções honrosas) foi quase total. Daí ele ter sido eleito graças à contribuição dos católicos. Mesmo não se tratando de um país católicos, os católicos poderiam ter virado o jogo caso fossem seriamente admoestados em suas paróquias.

    Obama foi lá e com o seu charme e conversa ecumênica encantou a todos, especialmente aos católicos mornos.

    Enquanto senador ele foi um dos poucos que endossou o “Aborto por nascimento parcial” – em que o bebê já está totalmente formado, o médico retira todo o corpo, deixando apenas a cabeça dentro do corpo da mãe, para então sugar-lhe o conteúdo do cérebro com uma agulha e a criança ser legalmente considerada como “natimorta” ao invés de “assassinada”.

    E depois dessa postura tão pública o Gionni vem e diz que “ele não é tão pró-aborto como dizem.” Mama mia!

    Agora é rezar e rezar.