Segredo Vaticano, mas não muito – Os acadêmicos pró-vida recusam seu presidente.

Após nomear novo arcebispo de Recife Dom Fernando Saburido, que declarou deixar facilmente “de lado a política canônica” por ser “mais pastoral” que seu predecessor, esperamos verdadeiramente que Sua Santidade, o Papa Bento XVI, tome as medidas necessárias para corrigir a lastimável série de afrontas à moral católica perpetrada pela própria Cúria Romana. De outra maneira, a aceitação da renúncia de Dom José num momento tão crítico (quando motivos menos importantes são suficientes para prolongar o governo de outros bispos que ultrapassam seus 75 anos), somada à nomeação de um bispo que fez rejubilar a corja do clero pernambucano,  só poderia soar como uma chancela do próprio Papa a todos os desmandos desta que poderá se tornar a maior chaga de seu pontificado.

Abaixo publicamos importante artigo de Sandro Magister (tradução e comentários do blog Oblatvs):

Segredo Vaticano, mas não muito – Os acadêmicos pró-vida recusam seu presidente

Sobre os desenvolvimentos da controvérsia acesa pelo artigo do arcebispo Rino Fisichella sobre o caso da menina brasileira levada a abortar os gêmeos que trazia no ventre, http://www.chiesa deu informações no serviço disponibilizado na rede em 3 de julho: “O caso de Recife. Roma falou, mas o caso não está encerrado”.

Aos fatos públicos ali apresentados, acrescentem-se importantes movimentos nos bastidores.

O artigo de Fisichella – publicado em 15 de março na primeira página do “L’Osservatore Romano” – impressionou não somente pelo conteúdo e pela modalidade da publicação, mas porque o seu autor é presidente da pontifícia academia para a vida.

E então, 27 dos 46 membros desta academia escreveram em 4 de abril passado uma carta coletiva a Fisichella, pedindo-lhe que corrigisse as posições “erradas” expressas por ele no artigo.

Em 21 de abril, Fisichella responde-lhes por escrito, rejeitando o pedido.

Em 1º de maio, 21 dos signatários da carta precedente se dirigem, pois, ao cardeal William Levada, prefeito da congregação para a doutrina da fé, pedindo à congregação um pronunciamento esclarecedor sobre a doutrina da Igreja em matéria de aborto.

A carta foi entregue em 4 de maio, mas não recebeu resposta. Os autores souberam por um funcionário da congregação que a carta foi encaminhada ao Secretário de Estado, cardeal Tarcisio Bertone, “uma vez que o artigo de Fisichella fora escrito a seu pedido”.

Dois membros da pontifícia academia para a vida transmitiram então diretamente ao papa um dossiê sobre o acontecido.

Em 8 de junho Bento XVI teria discutido o caso com Bertone e teria ordenado que fosse publicada uma declaração que reafirmasse a doutrina da Igreja em matéria de aborto.

Mas tal texto ainda não viu a luz do dia. Há quem se oponha a que seja publicado no “L’Osservatore Romano”. E há quem desejaria que fosse transmitido por via reservada somente a um restrito número de destinatários: os bispos e os acadêmicos mais diretamente envolvidos na controvérsia.

[Comentário de Pe. Clécio]

Finalmente ficamos sabendo a pedido e sob autoridade de quem foi escrito o vergonhoso artigo de Fisichella. Os acadêmicos se moveram e levaram o caso a Levada que transmitiu “mateus” a quem o pariu. Como Bertone fez pouco do pedido, apresentaram o caso ao Papa, que decidiu: uma declaração que reafirmasse a doutrina da Igreja.

Desnecessário dizer que tal declaração seria favorável a Dom José Cardoso Sobrinho e desmascararia a posição falsamente “pastoral” de Rino/Bertone. Cadê o texto?

Magister afirma que há quem se oponha a que saia no “L’Osservatore”. Por que razão o incógnito supõe que o jornal do Papa não seja adequado para publicar uma declaração que reafirme a doutrina da Igreja? Para não ferir sensibilidades prelatícias? Para não avechar o presidente da academia para a vida?

Lançar às feras um pobre arcebispo latinoamericano “sem dinheiro no banco, sem parentes importantes e vindo do interior” pode!

Fonte: Settimo Cielo

Tradução: OBLATVS

7 Responses to “Segredo Vaticano, mas não muito – Os acadêmicos pró-vida recusam seu presidente.”

  1. Que me chamem de pessimista, mas não vejo esperanças para a Igreja com a atual cúria (Cúria, não Papa Bento), a mesma que fará parte da eleição do sucessor de Bento XVI. Deus nos livre de um Bertone Papa.

  2. Mas Bento XVI é o líder da Curia. Se a Curia vai mal, a responsabilidade cai sobre o papa… Nos tempos de João Paulo II era assim também. Eu ouvia tantas e tantas teorias acerca do papa! Diziam-me que “o Santo Padre é um prisioneiro da maçonaria no Vaticano”, “que o papa estava tomando medidas que prejudicavam a Igreja praticamente forçado”, etc…

    Por isso, quando muitos na Tradição dizem com todas as letras para desconfiar de Bento XVI, eu, longe de me exasperar, concordo até, embora não me junte a eles em protesto… Mas só a nomeação de um arcebispo de idéias à primeira vista contrárias à de D. Cardoso Sobrinho, já deixa subentendido aos olhos de muitos que o arcebispo foi PUNIDO por defender a vida.

    Sim, certamente é extremamente complexo tratar de pessoas, especialmente tão próximas ao Santo Padre. Com certeza há mecanismos na cúria, e ele talvez não possa ser drástico com seus subordinados em uma situação, pois talvez precise deles para outras coisas, e eles fariam falta, pois apesar de tudo são homens de confiança…

    (pessoalmente, se a condição para ser papa hoje em dia é além de tudo manejar diplomaticamente todas as coisas, eu seria um fracasso, pois meu simplismo resolveria tudo à la Paulo IV).

    Mas por essas e outras, não peçamos ao comum dos mortais que compreenda isso. Porque o que temos é mais uma demonstração de fraqueza (mesmo que não seja, mas é o que parece) e pusilanimidade: um presidente da academia para a vida prega contra a doutrina católica, a maior parte de seus consultores protesta, e fica tudo em brancas nuvens.
    Um arcebispo trabalha ardentemente para por ordem num caos deixado pela teologia da libertação, prega corretamente as consequências de quem atenta contra uma vida através do aborto, e como recompensa, é logo aposentado para receber em seu lugar um outro “pastoral”.

    Sim, santidade, provavelmente não é da sua vontade que aconteça essas coisas… Mas nenhum católico que duvidar de suas intenções merece ser repreendido, porque são coisas assim que justificam a grande desconfiança que lhe atribuem… Pena…

  3. Deus nos livre de Bertone, Levada, Kasper, Fisichella e etc..seria tão bom alguém da FSSPX cardeal..pois é..não custa nada sonhar um pouco!

  4. É por essas e outras que não dá para confiar neste Papa. Deus nos livre da FSSPX fazer acordo com esta gente!

  5. o arcebispo de Recife não foi punido coisa nenhuma .D.Cardoso Sobrinho é um clérigo exemplar e se comportou de maneira exepcional na defesa da vida em Pernambuco,Com a nomeação do novo arcebispo o Papa Bento com certeza quer reforçar a capacidade pastoral da arquidiocese recifense,Quando se escolhe um substituto de postura diferante ao seu antecessor não significa que a Igreja mudou de idéia mas sim que naquele momento a diocese em questão necessita de um Bispo com aquela qualidade que o seu rebanho precisa, no caso de recife a pratica pastoral, independente de quem seja o arcebispo a igreja sempre sera contra o aborto e a favor da vida.

  6. Alguém sabe para que serve o Código de Direito Canônico?

Trackbacks