Despotismo episcopal: Arcebispo de Cagliari “proibiu formalmente” jornada de estudos sobre Motu Proprio.

Jornada Summorum Pontificum de MANDAS 9-11 AGOSTO 2009

COMUNICADO DA PARTE DO COMITÊ ORGANIZADOR

Mani01Comunica-se que S. Exa. Rev.ma Dom Giuseppe Mani, Arcebispo de Cagliari, “proibiu formalmente” [por escrito] a realização em Mandas das jornadas de estudo e de aprofundamento sobre o Motu proprio Summorum Pontificum.

Com tristeza informamos que não poderemos refletir sobre o Magistério pontifício do Santo Padre, sobre a beleza da liturgia e sobre o melhor meio de fazer coabitar as duas formas do único rito.

A esperança de nós todos é que dentro de não muito tempo possamos nos reencontrar a fim de que Sacerdotes e fiéis tenham a possibilidade de conhecer a Santa Missa na forma extraordinária, aprendendo a celebrá-la e a dela participar frutuosamente.

O COMITÊ ORGANIZADOR

Comentário do blog Oblatvs:

Foi com um misto de surpresa e indignação que li a nota acima publicada no Blog Messa in latino. Surpreende-me que um bispo se preste a tal papel, o de proibir uma jornada de estudos. Que razões pode ter um bispo para proibi-la? Seria o objeto de estudo ilícito ou imoral? O arcebispo de Cagliari precisa apresentar suas razões, no caso de as ter!

A autoridade de um bispo chega tão longe? Já sabemos que certos prelados não perdem a oportunidade de impor limites à autoridade papal, em nome da decantada colegialidade. Quanto mais procuram diminuir a autoridade do Papa, tanto mais elevam sua própria autoridade a dimensões quase absolutas.

Alguns diriam que seu autoritarismo é consequência dos anos que serviu como ordinário militar. Eu creio que, tivesse realmente sido bom militar, teria aprendido antes o respeito e a obediência aos superiores, no seu caso ao Papa. Fosse ele ainda militar e fossem observadas as rígidas leis da caserna, passaria ele um bom tempo na prisão ou seria mandado para a reserva.

Fonte: Oblatvs

4 Responses to “Despotismo episcopal: Arcebispo de Cagliari “proibiu formalmente” jornada de estudos sobre Motu Proprio.”

  1. Então? O problema são os tradicionalistas?
    Quem abriu mais esse fosso? O senhor arcebispo…
    Onde está a liberdade de consciência que tanto pregam à revelia do ensino da Igreja? Onde está o ecumenismo para todos os que pensam ou crêem diferente?

    E lógico: certamente esta jornada de estudos não tem o dedo da FSSPX. São apenas católicos da região desejosos das antigas formas litúrgicas. Se fazem isso com suas próprias ovelhas, o que não farão contra os que são abertamente contrários aos ensinos novos?

    Como foi bem dito na notícia anterior: fala-se muito em abertura para os que pensam diferente, mas no que se refere à fé católica, estes bispos estão muito defasados… Não aceitam a convivência dos dois ritos, e pelo exemplo deste último, nem sequer que se fale a respeito.

    Por aí se vê que a “unidade na diversidade” na boca destes é uma boa e grossa mentira… A não ser que signifique “tudo menos o ensino constante e imutável”…

  2. O pior é os fiéis aceitarem isso passivamente. A nova Congregação para Doutrina da Fé está ai, é só querer escrever para lá e rezar muito!

  3. Agora nos alegam que a autoridade dos bispos é de direito divino frente ao Papa; como me afirmou um bispo do Celam e por isso eles nao veem bem o que faz o Papa autorizando a Misa sem que os bispos possan impedir-la como faziam antes.

    Antonio Lisboa

Trackbacks