Duas notáveis visitas.

A casa do Instituto do Bom Pastor, em Roma, recebeu recentemente duas insignes visitas. A primeira, de Monsenhor Guido Marini, mestre de cerimônias do Papa Bento XVI, que proferiu uma conferência espiritual no início do advento.

A segunda, de Monsenhor Guido Pozzo, secretário da Comissão Pontifícia Ecclesia Dei, que presidiu o ofício das vésperas e “no decorrer de sua conferência sobre o sentido do Advento, nos lembra que a história não é nem branca nem preta, mas feita de fraqueza humana e sempre iluminada por Deus. “Rezai por mim”. Rezai, nos diz Monsenhor, para que o Papa encontre em seus colaboradores homens de qualidade e de confiança que o apoiem e transmitam sua mensagem e seus projetos”. Nas palavras do abbé de Cazenove, Monsenhor Pozzo brindou a todos com uma “lição simples e prática que nos fez do espírito católico, através da constatação e da análise dos incidentes na Igreja nestes últimos anos. Os princípios, muito claramente afirmados e sobre os quais nenhuma negociação é possível. Constatações lúcidas e pesadas sobre as últimas décadas. Por vezes, o lamento pela falta de esclarecimentos e de orientações por parte da hierarquia no passado. Uma recusa clara e nítida de uma resposta baseada sobre a ideologia e o ativismo revolucionário, a arma dos detratores da Igreja. Mas sempre a idéia de uma vitória pacífica e tranqüila do bem, do belo e do verdadeiro, pelo ensino e pela catequese, pela paciência e sobretudo pela atenção às pessoas, mesmo as mais opostas. Ao fundo, uma lição impressa de realismo, uma atitude que nada surpreende e nada desencoraja, pois ela conhece e por conseguinte… ama”.

One Comment to “Duas notáveis visitas.”

  1. Lembram daquela piada onde o amigo foi repreendido quando informou ao outro da morte súbita do seu gatinho de estimação, sem a menor consideração, e da retrucada do amigo quando este iria lhe informar da morte de sua avó querida?
    Pois é… o modernismo subiu no telhado.