O milagre de Pio XII e o papel de João Paulo II.

Há um suposto milagre atribuído à intercessão de Pio XII que poderia levar, em tempo relativamente breve, à sua beatificação. Um milagre que veria implicado, de modo misterioso, também João Paulo II, cujo decreto sobre a heroicidade das virtudes foi promulgado por Bento XVI no mesmo dia que o do Papa Pacelli: a cura de uma jovem mãe de um linfoma maligno. Nestas circunstâncias o condicional é obrigatório, mas o caso está sendo atentamente analisado pela postulação da causa e por sua diocese de Sorrento-Castellammare di Stabia, onde ocorreu. A notícia foi  publicada pelo periódico online “Petrus”, sem nenhum detalhe, mas com a importante confirmação do vigário da mesma diocese. Il Giornale pode agora reconstruir o assunto, que será estudado nos próximos meses.

Estamos em 2005, pouco tempo depois da morte do Papa Wojtyla. Um jovem casal, que teve dois filhos, espera um terceiro. Para a mãe de trinta e um anos, que é professora, a gravidez se apresenta difícil: tem fortes dores e os médicos não conseguem inicialmente compreender a origem de seus incômodos. Finalmente, depois de muitas análises e uma biopsia, se diagnostica um linfoma de Burkitt, tumor maligno do tecido linfático bem agressivo, que frequentemente aparece nos ossos mandibulares e se estende às víceras do abdome e pélvis e ao sistema nervoso central. A espera da nova vida que a mulher traz em seu seio se transforma em um drama. O marido da mulher começa a rezar ao Papa Wojtyla, falecido há pouco tempo, para lhe pedir que interceda por sua família. Uma noite, o homem vê João Paulo II em sonhos. “Tinha um rosto sério. Me disse: «Eu não posso fazer nada, deveis rezar a este outro sacerdote… ».  Mostrou-me a imagem de um sacerdote magro, alto, fraco. Não o reconheci, não sabia quem era”. O homem permaneceu preocupado pelo sonho, mas não pôde identificar o sacerdote que Wojtyla lhe indicou. Poucos dias depois, abrindo casualmente uma revista, encontrou uma foto do jovem Eugenio Pacelli que chamou sua atenção. Era ele que havia visto retratado no sonho.

Põe-se em marcha uma corrente de oração para pedir a intercessão de Pio XII. E a mulher se curou, depois dos primeiros tratamentos. O resultado é considerado tão importante que os médicos pensam num possível erro no diagnóstico inicial. Mas os exames e os arquivos clínicos confirmam a exatidão dos resultados das primeiras análises. O tumor desapareceu, a mulher está bem, teve seu terceiro filho e voltou a seu trabalho e escola. Passado um pouco de tempo, é ela quem se dirige ao Vaticano para assinalar seu caso.

Uma confirmação do vigário geral da diocese de Sorrento-Castellammare di Stabia, dom Carmine Giudici: “É tudo verdade — declarou a Petrus –, a Santa Sé nos comunicou um milagre por intercessão de Pio XII. O Arcebispo Felice Cece decidiu, portanto, instituir em dias o correspondente Tribunal diocesano”. Este tribunal será o que examinará o caso para formular uma primeira sentença. Se for positiva, os documentos passarão a Roma, à Congregação para a Causa dos Santos: aqui deverão ser estudados primeiro pela Consulta médica, chamada a pronunciar-se sobre a impossibilidade de explicar a cura. Se também os médicos que colabora com a Santa Sé disserem sim, o caso da mãe curada será discutido primeiro pelos teólogos da Congregação, então pelos Cardeais e bispos. Só depois de ter superado estes três graus de juízo, o dossiê sobre o suposto milagre chegará ao escritório de Bento XVI, que decidirá sobre o reconhecimento final. Então, e só então, o Papa Pacelli poderá ser beatificado.

A instituição de um Tribunal diocesano e a eventual chegada da documentação ao dicastério que estuda os processos de beatificação e canonização não significam nenhum reconhecimento, mas apenas que o caso em questão é considerado interessante e digno de atenção. Portanto, é totalmente prematuro antecipar acontecimentos, ainda mais imaginar datas. O que impressiona, na história da família de Castellmmare di Stabia, é o papel que teve no assunto o Papa Wojtyla, que em sonhos teria sugerido ao marido da mulher rezar àqueles “sacerdote magro”, que logo se revelaria como Pacelli. Quase pareceria que João Paulo II teria desejado, de algum modo, ajudar à causa de seu predecessor. A notícia do suposto milagre chegou ao Vaticano poucos dias antes de que Bento XVI promulgasse o decreto sobre as virtudes heróicas de Wojtyla e, surpreendentemente, liberasse também a de Pio XII, que estava em espera por dois anos por motivo de ulteriores verificações nos arquivos vaticanos.

Fonte: Andrea Tornielli, Il Giornale; tradução a partir de versão de La Buhardilla de Jerónimo

17 Comentários to “O milagre de Pio XII e o papel de João Paulo II.”

  1. Salve Maria!

    Daqui a pouco o foco se desviará da Santidade de Pio XII para se concentrar no ataque a João Paulo II. Rezemos pelos dois Papas e que Nosso Senhor humilhe as investidas do mal.

  2. Pelo fato vê-se claramente um gracioso declinar da mercê em favor do “amigo mais próximo” de Deus.
    Esta é mais uma prova que as virtudes elevadas ao grau sobrenatural da santidade é delegado à uns, e as virtudes de beatitude naturais são desenvolvidas, como necessário concurso da graça, por outros.
    Não se pode negar que essa sincronicidade não foi por acaso…
    Lembremos: o “acaso” não existe.

  3. Adendo ao sr. Victor José: “que Nosso Senhor humilhe as investidas do mal” e esclareça os bons.

  4. Bem, se no sonho JPII diz que “nada pode fazer”, isso seria um reconhecimento de que ele não é santo nem beato, o que deveria por fim ao seu processo de beatificação/canonização.

  5. O fato é sensacional. Alguém saberia se este milagre seria suficiente para a canonização? Ou seriam necessários outros?

    Rezemos pelas almas desses dois Papas (e, em particular, suas intercessões) e aguardemos o juízo da Santa Igreja.

  6. Puxa, Joao Paulo II dando testemunho contra ele mesmo!

  7. A todos,
    Salve Maria!

    eu não acredito, como existem tantos pseudo-teólogos de internet, acusando o Santo Padre JPII de não ser santo nem beato!
    outro dia vi, se eu não me engano por aqui mesmo, um ser que se recusava a aceitar a beatificação de JPII, o mesmo ainda dizia que se isso acontecesse ele não se submeteria.
    fiquei a lembrar de Lúcifer: “Não servirei!”

    se o Papa JPII no sonho do aludido marido, disse que não poderia fazer nada, foi sim para ajudar a beatificação do outro santo Padre,o que indica que até no céu existe a humildade, o que ninguém quer ver(falo dos que odeiam JPII), pois tem os olhos cegados pelo orgulho de quererem ser mais (santos) que o próprio Papa,é de que João Paulo II foi sim um grande Papa, foi sim um místico, será beatificado e futuramente canonizado!
    e digo mais, quem é contra a beatificação e a canonização de um Papa como JPII, é o próprio demônio, e quem age assim, age por sua influência!

    outro dia em um outro Blog, lendo sobre as canonizações feitas por JPII, se punha em duvida a santidade de Santa Faustina, outro a Beatificação de Madre Tereza e outros a Santidade de São José Maria Escrivá, isso é um absurdo! como pode ser? não vejo como não ver uma clara influência do antigo inimigo nisso tudo, ah! e aliás, muitos tradicionalistas(aqui me incluo)gostam de citar o Pe.Gabrille Amorth, porém quando o mesmo fala da Santidade de JPII não vejo ninguem mencionar isso (nisso eu não me incluo)!

    Viva o Papa!
    Viva o Papa Pio XII,
    Viva o Papa João Paulo II,
    Viva o Papa Bento XVI!

    a história comprovará a Santidade de João Paulo II,
    e que se mordam de raiva todos os orgulhos metidos a teólogos de internet!

    Beato Wojtyla,
    rogai por nós!

  8. “Eu Creio na comunhão dos santos!”

    vejam que exemplo mais claro e belo, João Paulo II intercedendo em favor de Pio XII.

  9. Vamos devagar com o andor gente. Sem juízos precipitados!
    A santidade de uma pessoa só pode ser declarada, após um processo meticuloso, pela Santa Igreja. Precisamos parar com essa mania de canonizar uns e demonizar outros, conforme nossos gostos.
    Fico feliz por esse possível milagre de Pio XII, tendo o Papa Woityla como intermediário.
    Esperemos o juízo da Igreja.

  10. Cuidado com os teólogos e mais cuidado ainda com os profetas da Internet. Antes do juízo da Igreja, que eles dizem respeitar, já saem anunciando se tal pessoa é ou não santo, e que a história provará o quanto estão certos nos seus chutes proféticos. Até ladainhas eles começam a compor para os beatos que eles próprios beatificaram.

    Se no sonho João Paulo II reconhece que nada pode fazer, isso pode até não provar que ele não é santo ou beato, mas sem dúvida pesa contra sua causa. Mais que isso só o beijo no Corão e o encontro de Assis.

  11. SR.Fernando Galeno, quando me referi a santidade de JPII não canonizei ninguém, esse juízo cabe a Igreja e tão somente a ela.
    pórém há sim muitos fatos que comprovam a santidade de JPII, fatos esses de supostos milagrs atribuídos a ele, e por isso o processo de beatificção dele tem andado as pressas.
    há muitos testemunnhos de milagres atribuídos a sua intecessão, inclusive ainda em vida.

    quanto a compor ladainhas para JPII, só porque eu pedi que o Santo Padre rogasse por nós, não quer dizer que eu compus nada!

    as pessoas que relatam milagres alcançados pela intercessão de JPII ou mesmo outro santo antes de sua beatificação ou canonização, não compuseram ladainhas, pediram que a referida alma, rogassem por eles. Afinal como é que uma alma santa pode ser beatificada ou canonizada sem milagres que comprovem sua santidade sobrenatural? e para haver tais sinais é preciso que alguém peça!

    quanto ao beijo do Papa no alcorão e o encontro de assis, foram coisas lastimáveis, dificeis de entender, porém continuo acreditando no juízo da Igreja, e acredito veementemente que dentro em pouco JPII será beatificado juntamente com Pio XII, e aí eu te pergunto, vc se submeterá?
    eu me submeto!

    obs: não sou teológo de Internet, muito menos profeta!

  12. Caríssimo sr. LUCIO, peço vênia para propor um aparte: hoje em dia a “comoção popular”, os apupos e a histeria coletiva são usados como argumentos probantes de várias situações e “fatos”, no melhor estilo “a voz do Povo é a voz de Deus”.
    Lembremos que, salvo engano, o processo atual de “beatificação” foi “simplificado” ao mínimo (uns diriam “destruído ao máximo”…), dispensando até mesmo a figura do advogado do diabo…
    Com a flagrante manipulação midiática de que o tal Povo-deus é vítima e cúmplice, cabe àqueles que se julgam mais instruídos aquela virtude tão escorraçada nos tempos que correm: prudência para o trato de questões tão sérias como essa.
    Até uma decisão definitiva para a questão das virtudes sobrenaturais de santidade do Papa JP-II, fica-se com alguns fatos inquietantes:

  13. João Paulo II é muito estimado pelo mundo… Isso é péssimo sinal.

    Prova disso é que não raro, vez por outra ouve-se por aí pessoas que comparam Bento XVI a João Paulo II, com prejuizo do primeiro.

    As coisas que se falam acerca de João Paulo II são sempre muito discrepantes. Sempre se mistificou ou se fez publicar muita coisa a respeito deste papa, ainda enquanto o próprio estava vivo.

    Objetivamente falando, ele não desceu ao nível de Paulo VI… Mas não o enxergo tampouco ao nível de um São Pio X.

    24 anos depois do Encontro de Assis, quais foram os frutos positivos auferidos? Lembro-me de que, na minha pré-adolescência, um folheito de testemunhas de Jeová quase me convenceu de que Roma era a Grande Prostituta… E neste livro os TJs colocaram uma fotografia do encontro de Assis e questionaram: “será que o Deus verdadeiro cceita ser equiparado aos deuses falsos?”

    Eu quase caí em heresia por coisas como essa.

    E nunca vi da Santa Sé um pedido de perdão por todo o escândalo e todo o prejuizo espiritual ocorrido depois disso. Ao contrário: o próprio cardeal Ratzinger ficou tão escandalizado, que no primeiro ano de 2005, urgentemente afastou os franciscanos do governo da Basílica de Assis!

    O cardeal Silvio Oddi na época ficou escandalizado, lembro de ter lido algo a respeito. Um monge beneditino protestou e a policía o encarcerou!

    E também lembro de ter lido o horror que D. Lefevbre sentiu diante disso. Talvez ele tivesse amolecido, se não houvesse constatado até onde o escândalo poderia chegar, fruto das novidades conciliares.

    Essa semana, o advogado da causa de JPII revelou que ele se flagelava diariamente com um cinto, e dormia no chão, desarrumando a cama para que pensassem que o mesmo havia dormido nela.
    Sem querer levantar suspseitas quanto a palavra do caro advogado, mas como ele tomou conhecimento desta informação? Acaso alguém fotografou ou filmou, ou o papa no café da manhã revelava esta pérola?

    Certamente o papa foi uma peça chave nestes últimos anos do século XX, e o atentado de Ali Agca foi também algo que merece muita atenção, se lembrarmos das profecias de Fátima. Mas se João Paulo II era tão bom, porque ele não tomou as medidas que Bento XVI toma agora?
    Porque Bento XVI pode, e João Paulo II não pôde?
    Porque o pontificado de João Paulo II foi marcado pela decadência generalizada do episcopado a nível mundial? Porque tantos elementos modernistas na Curia? Porque, diante deste papa Santo, a Curia era deixada a mando de Sodano, de Kasper, de Ré…

    Em cinco anos de governo, Bento XVI seguramente tomou medidas muito mais firmes, dando liberdade total à Tradição, purificando a Cúria e os episcopados mundiais e finalmente colocando um freio aos desmandos dos últimos 40 anos, sem contar que ele também é um firme defensor da doutrina moral da Igreja.

    João Paulo II era extremamente midiático, era o papa-pop, com certeza inspirador de todos os carismáticos a la Marcelo Rossi e Fabio de Mello.

    O mundo inteiro o aplaudiu. Os católicos, no entanto, se dividiram.

    Agora querem a todo custo canonizá-lo. E Têm razão. Porque à medida que o tempo passar, caso a Igreja registre uma influência ainda maior do tradicionalismo, será praticamente impossivel conseguir a canonização dele. Aliás, foi ele mesmo quem mudou as regras para facilitar a canonização de santos… Nunca pareceu ser tão fácil entrar no paraíso.

    Receber o tilac na Fronte, beijar o Alcorão… As cerimônias pagãs, os ofertóriios da Missa com africanas de seio à mostra… Espero que levem realmente em conta esses detalhes altamente escandalosos… Pois a depender de muitos católicos, isso vai para debaixo do tapete.

    Espero que no futuro esses processos de canonização sejam revisados. Se já caçaram Santa Filomena, há uma penca de outros santos ultra-suspeitos que mereceriam uma investigação…

  14. Escândalo Farisaico
    O escândalo farisaico, ensina o catecismo, acontece quando uma palavra ou ação, irrepreensível em si mesma, provoca espanto e escândalo em certas pessoas tendenciosas, as quais fecham os olhos para outros fatos realmente escandalosos.
    O nome vem do procedimento semelhante dos Fariseus, dos quais Jesus disse que “filtravam um mosquito e engoliam um camelo” (Mt. 23,24). Cometiam os maiores crimes e injustiças e se escandalizavam, por exemplo, quando Jesus, para fazer o bem, não observava, como eles queriam, a lei do sábado.
    A história se repete.
    Quantos estão rasgando as suas vestes, a modo dos Fariseus, escandalizados porque Dom Marcel Lefebvre, para continuar com a Tradição da Igreja e fazer frente à heresia reinante, resolveu sagrar bispos realmente católicos!
    Mas não se escandalizaram quando João Paulo II, visitando um templo luterano, elogiou a profunda religiosidade e a herança espiritual de Lutero (17/11/1980)! Nem se escandalizaram quando, acompanhado de vários Cardeais, João Paulo II, num templo luterano em Roma, participou de um oficio herético e recitou uma oração composta por Lutero (11/12/1983)!
    Nem se escandalizaram quando João Paulo II recebeu uma delegação da maçonaria judaica B’nai B’rith, qualificando a recepção de «encontro entre irmãos» (17/4/1984) !
    Nem se escandalizaram quando, na Tailândia, João Paulo II visitou o Patriarca Budista de Vasana Tera, diante do qual ele se inclinou profundamente (12/6/1984)!
    Nem se escandalizaram quando João Paulo II enviou um representante oficial na colocação da pedra fundamental, em Roma, da maior mesquita muçulmana da Europa (11/12/1984)!
    Nem se escandalizaram quando, no Togo, ele assistiu, na “Floresta Santa”, a ritos animistas e participou de ritos satânicos em Kara, em Togoville (8/8/1985)!
    Nem se escandalizaram quando João Paulo II, na Índia, recebeu de uma sacerdotisa hindu,na testa, o sinal de “Tilak” (2/2/1986)!
    Nem se escandalizaram quando João Paulo II visitou a grande Sinagoga de Roma, onde participou da recitação de salmos (10/4/1986)!
    Nem quando João Paulo II convidava os católicos e judeus a prepararem juntos o mundo para a vinda do Messias (!) (24/6/1986)!
    Nem se escandalizaram quando, na Igreja de São Pedro, em Assis, no encontro promovido pelo Vaticano, os bonzos adoraram o Grande Lama, que para eles é a reencarnação de Buda, sentado de costas para o Sacrário, com o Santíssimo, (cf. Avvenire 28/10/1986)!
    Nem quando, no mesmo encontro, na mesma igreja, o ídolo de Buda foi colocado sobre o Tabernáculo do Altar principal e lá foi adorado por eles (cf. Avvenire e Il Mattino 28/10/1986)!
    Nem quando, ainda no encontro de Assis, patrocinado pelo Vaticano, os hindus invocaram os seus deuses sentados em torno do altar da Igreja de Santa Maria Maior (cfr. Il Corriere della Sera, 28/10/1986)!
    Quem, portanto, não sentiu profunda dor no coração ao ver assim o Sangue de Cristo ser pisado e a missão da Igreja ser traída, só hipocritamente poderá “rasgar as vestes” e “atirar pedras” diante da atitude firme e corajosa de Dom Marcel Lefebvre, levado unicamente pelo amor à Santa Igreja de Deus.
    Já dizia São Gregório Magno: “É preferível que aconteça um escândalo que esconder a verdade. Escândalo duplo seria tolerar o erro, cobrir um crime com sua desculpa para não dizer sua cumplicidade!”
    Pe. Fernando Arêas Rifan

  15. QUIS DEIXAR ESSE BELO TEXTO DO ENTÃO PE. FERNANDO ARÊAS RIFAM DE QUNDO ELA ERA FIEL A TRADIÇÃO E QUE SERVE MUITO BEM PARA ESCLARESCER CERTAS CONCIÊNCIAS SOBRE O QUE É SANTIDADE E O QUE SÃO BEATOS!!!

  16. João Paulo II é muito estimado pelo mundo… Isso é péssimo sinal.

    Prova disso é que não raro, vez por outra ouve-se por aí pessoas que comparam Bento XVI a João Paulo II, com prejuizo do primeiro.

    As coisas que se falam acerca de João Paulo II são sempre muito discrepantes. Sempre se mistificou ou se fez publicar muita coisa a respeito deste papa, ainda enquanto o mesmo estava vivo.

    Objetivamente, ele não desceu ao nível de Paulo VI… Mas tampouco o enxergo no mesmo nível de um São Pio X.

    24 anos depois do Encontro de Assis, quais foram os frutos positivos auferidos? Lembro-me de que, na minha pré-adolescência, um folheito de testemunhas de Jeová quase me convenceu de que Roma era a “Grande Prostituta”… E neste livro os TJs colocaram uma fotografia do encontro de Assis e questionaram: “será que o Deus verdadeiro cceita ser equiparado aos deuses falsos?”

    Eu quase caí em heresia por coisas assim.

    E nunca vi da Santa Sé, que naqueles tempos tanto pedia desculpas, um pedido de perdão por todo o escândalo e todo o prejuizo espiritual ocorrido depois disso. Ao contrário: o próprio cardeal Ratzinger ficou tão escandalizado, que no primeiro ano de seu pontificado, urgentemente afastou os franciscanos do governo da Basílica de Assis!

    O cardeal Silvio Oddi na época ficou escandalizado, lembro de ter lido algo a respeito. Ele presenciou inclusive um monge beneditino que protestava contra tudo isso… E a policía o encarcerou!

    Ano retrasado eu li o horror que D. Lefevbre sentiu diante disso. Depois do Encontro de Assis, o bom arcebispo afastou realmente qualquer tendência de contemporizar. Pois vejam só como o encontro de Assis produziu um “excomungado”!

    Essa semana, o advogado da causa de JPII revelou que ele se flagelava diariamente com um cinto, e dormia no chão, desarrumando a cama para que pensassem que o mesmo havia dormido sobre ela.
    Sem querer levantar suspseitas quanto a palavra do advogado, mas como ele tomou conhecimento desta informação? Acaso alguém fotografou ou filmou, ou o papa no café da manhã revelava esta pérola?

    Certamente o papa foi uma peça chave nestes últimos anos do século XX, e o atentado de Ali Agca foi também algo que merece muita atenção, se lembrarmos das profecias de Fátima. Mas se João Paulo II era tão bom, porque ele não tomou as medidas que Bento XVI toma agora?
    Porque Bento XVI pode, e João Paulo II não pôde? Alguém segurava o braço pontifício?
    Se havia uma força que o dominava, então porque essa mesma força não providenciou a destituição de Ratzinger, inimigo dos demais cardeais modernistas?

    A menos que não houvesse força alguma. A menos que esta dialética fizesse parte da própria formação do papa…

    Porque o pontificado de João Paulo II foi marcado pela decadência generalizada do episcopado a nível mundial? Porque tantos elementos modernistas na Curia? Porque, diante deste papa anto, a Curia era deixada a mando de Sodano, de Kasper, de Ré?

    Em cinco anos de governo, Bento XVI seguramente tomou medidas muito mais firmes, dando liberdade total à Tradição, purificando a Cúria e os episcopados mundiais e finalmente colocando um freio aos desmandos dos últimos 40 anos, sem contar que ele também é um firme defensor da doutrina moral da Igreja.

    João Paulo II era extremamente midiático, era o papa-pop, com certeza inspirador de todos os carismáticos a la Marcelo Rossi e Fabio de Mello. Era o papa da moda. Nem o reosário foi perdoado, porque o frenesi, a comichão, a ansiedade de modificar tudo o que havia na Igreja, pelo visto falou mais alto…

    O mundo inteiro o aplaudiu. Os católicos, no entanto, se dividiram. Li em algum lugar (acho que em uma revista) que disseram dele: “Foi o papa que encheu os estadios e esvaziou as igrejas”…

    Agora querem a todo custo canonizá-lo. E Têm razão. Porque a medida que o tempo passar, caso a Igreja registre uma influência ainda maior dos tradicionalistas, será praticamente impossivel conseguir a canonização dele. Aliás, foi o mesmo quem mudou as regras para facilitar as canonizações… São paardoxos interessantes: nos tempos em que o mundo era muito mais fiel, poucos eram os que entravam no rol dos santos. Agora, em tempos de extinção da Fé e apostasias mil, temos uma fábrica de santos que de maneira alguma condiz com a realidade que verificamos…

    Receber o tilac na Fronte, beijar o Alcorão… As cerimônias pagãs, os ofertóriios da Missa com africanas de seio à mostra… Espero que levem realmente em conta esses detalhes altamente escandalosos… Pois a depender de muitos católicos, isso vai para debaixo do tapete.

    Espero que no futuro esses processos de canonização sejam revisados. Se já caçaram Santa Filomena, há uma penca de outros santos ultra-suspeitos que mereceriam uma investigação…