O ultimato do rabino chefe de Roma: “A Igreja tem que decidir: ou eles ou nós!”.

“Se a paz com os lefebvristas significa renunciar às aberturas do Concílio, a Igreja tem que decidir: ou eles ou nós!”: assim se expressou o rabino chefe da comunidade judaica de Roma, Riccardo di Segni, em um trecho de uma entrevista à revista mensal “Il consulente Re”, publicada no dia anterior à jornada da memória.

Di Segni recorda, a propósito, o discurso pronunciado na sinagoga por ocasião da recente visita ao Papa, quando, em referência às “aberturas” do Concílio Vaticano II, disse: “Se vierem a ser colocadas em discussão, não haveria mais possibilidade de diálogo”. Agora, o rabino explica, referindo-se ao discurso do dia anterior do Papa à Congregação para a Doutrina da Fé: “Foi o último acréscimo ao discurso, depois que na manhã de sexta-feira, 15 de janeiro, houve uma estranha abertura aos lefebvristas…”.

Que o caminho entre judeus e católicos “seja turbulento – afirma Di Segni de modo mais genérico – está fora de questão, que seja irreversível é uma esperança”. Quanto à definição utilizada por João Paulo II para descrever os judeus – “irmãos mais velhos” – o rabino explica: “Esta definição é muito ambígua do ponto de vista teológico, já que os “irmãos mais velhos” na Bíblia —  mencionei no meu discurso — são os maus, os que perdem seu direito de primogenitura… Falar então de “irmãos mais velhos” do ponto de vista teológico significa dizer: “vocês eram, agora não contam mais nada!”. O aceno feito aos pares de irmãos bíblicos no discurso na sinagoga mexeu com o Papa, narra em seguida Di Segni: “Da posição solene em que se colocou no início da cerimônia, começou a mostrar grande interesse. Não só: ao fim do meu discurso ele me disse que o argumento foi muito importante, o que evidenciou novamente no nosso colóquio privado”.

Por fim, Di Segni elogia a Comunidade de Santo Egidio: “É um belo exemplo de colaboração, foram fundamentais. Ela fez de tudo para promover a visita, fez muito para salvá-la no momento da crise”.

Fonte: Il blog degli amici di Papa Ratzinger

15 Comentários to “O ultimato do rabino chefe de Roma: “A Igreja tem que decidir: ou eles ou nós!”.”

  1. “Se a paz com os lefebvristas significa renunciar às aberturas do Concílio, a Igreja tem que decidir: ou eles ou nós!”

    O rabino sem querer indicou o caminho que deve ser seguido.

  2. E digamos: excelente indicação de caminho! Que vale para o Papa e para todos os bispos do mundo! Cristo ou Barrabás?

  3. Você observou bem, Roberto: não há “caminho”, mas “diálogo”; não há “meta”, mas “agenda”; não há “acordo”, mas “concórdia”. Emfim, vemos mais uma vez os fariseus se manifestarem em sua iniquidade.
    E tudo isso sem contar a arrogância típica dos idiotas que se acham “melhores”, com a usual pedância da “raça eleita”… Daí que Deus, em Seus designios, ter feito da raça as primícias da Igreja (a proto-Igreja), para fazê-la, posteriormente, Católica, isto é, universal.
    Mas há sempre aqueles que querem fazer da primogenitura um dom inalienável para alienados…

  4. Interessante… Esses filhos de Belzebu desejam que só a Igreja se abra para o mundo. E quanto os trechos racistas do famigerado Talmud que essas Serpentes Antigas recitam? “Raça de víboras! Quem vos ensinou a fugir da ira iminente?” (São Lucas III,7).

    Judeus pérfidos. “Se fôsseis filhos de Abraão, faríeis as obras de Abraão. Vós tendes como pai o demônio e quereis fazer os desejos de vosso pai. Ele era homicida desde o princípio e não permaneceu na verdade, porque a verdade não está nele. Quando diz a mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira.” (São João VIII,39;44)

    Essa raça maldita não se emenda nem mesmo com as ameaças Islâmicas de varrer o Estado de Israel do mapa. “Este menino será como um jumento bravo: sua mão se levantará contra todos e a mão de todos contra ele, e levantará sua tenda defronte de todos os seus irmãos.” (Gn XVI,12)

    Pelo visto não cessam de desafiar a Deus. Mas, o deles estã guardado… “Filhas de Jerusalém, não choreis sobre mim, mas chorai sobre vós mesmas e sobre vossos filhos. Porque virão dias em que se dirá: Felizes as estéreis, os ventres que não geraram e os peitos que não amamentaram!” (São João XXIII,28-29)

  5. A questão da Fraternidade é um problema dentro da Igreja, para os católicos. Os judeus não devem interferir, pois nem cristãos são. O cães ladram e a caravana passa.

  6. Ao menos eles agora intimam a Santa Sé a parar de tentar conciliar a todos irenicamente… Não há unidade sem verdade!

  7. Rogério vc foi perfeito em suas colocações ; com estes cães como bem diz o apóstolo São Paulo só usando as invectivas de Cristo aos fariseus.

    Para eles ainda vale a afirmação de Jesus em João quando os chama de filhos de satanás;o sangue de Nosso Senhor continua sendo desprezado pelos judeus!

    Deveriam ver na boa vontade do Papa um sinal de Deus para a sua conversão mas pelo contrário parece que seus corações se endureceram ainda mais.

  8. Parabens ao sr. Morse. Rezemos pelo Santo Padre para manter-se firme como guia seguro da barca de Pedro.

  9. foi da jamaica

  10. Dixitque Cain ad Abel fratrem suum egrediamur foras cumque essent in agro consurrexit Cain adversus Abel fratrem suum et interfecit eum. (Genesis IV, 8)

    Caim disse então a Abel, seu irmão: “Vamos ao campo.” Logo que chegaram ao campo, Caim atirou-se sobre seu irmão e matou-o. (Gênesis IV, 8)

    A ira de Caim ainda pode ser vista nos judeus…

    Viva Dom Lefebvre!

  11. Senhore Ricardo Di Segni: a porta da rua é serventia da casa!!!

  12. caro paulo morse voce tem toda a razão, os judeus insistem em se intrometer nos assuntos internos da igreja católica,

  13. A questão posta naqueles termos, pelo rabino, é inaceitável, mormente porque se trata de um ultimato. Nenhuma legitimidade assiste a esse senhor para querer colocar o Santo Padre contra a parede ou, ainda, se imiscuir em assuntos de natureza interna corporis da Igreja Católica. Assim, completamente descabida as pretensões do senhor Riccardo di Segni.
    Por outro lado, algumas expressões utilizadas em comentários anteriormente formulados são absolutamente infelizes. A uma porque podem retirar o foco do real cerne da questão, qual seja, a necessidade e utilidade das conversações entre a FSSPX e a Santa Sé, com vista ao bem de toda a Igreja. A duas, porque ao se formular uma resposta açodada, sem o necessário equilíbrio pode-se perder a razão, favorecendo uma postura de vítima naquele que, indevidamente, se intrometeu aonde não foi chamado.
    Vamos manter o bom senso e confiar no Santo Padre.

  14. Nada de compaixão com essa corja de fariseus! Já passou da hora de alguém mostrar-lhes seu devido lugar. Chega de aguentar a impertinência dessa raça de víboras!

  15. Um expoente do povo deicida (judeus) querer ditar ordens ao VIGÁRIO DE CISTO (que eles pregaram na cruz) é o máximo dos absurdos.