Canonização a jato “praticamente pronta”.

Cardeal Stanislaw Dziwisz e João Paulo II

Cardeal Dziwisz e João Paulo II

(Kreuz.net) Polônia. O Processo de canonização a jato de João Paulo II está “praticamente pronto”, disse o arcebispo de Cracóvia, Cardeal Stanislaw Dziwisz, recentemente, durante uma conferência na Colômbia. Quanto ao milagre que ainda está faltando, será analisada a cura do mal de Parkinson de uma religiosa francesa. O próprio cardeal falou de um “processo rápido”.

Ele alegou que os críticos da canonização rápida atacavam João Paulo II devido às suas posições teológica-morais. O cardeal Dziwisz afirmou ainda que também os judeus e muçulmanos desejavam a canonização a jato.

55 Responses to “Canonização a jato “praticamente pronta”.”

  1. É… Pois é… Mais uma para o hall da “babel doutrinal”….
    Além da “simplificação” do processo até a sua completa descarcterização, há a inclusão da “propulsão à jato” para, à força do impulso mundano, poder levar os “santos” mais rápido e alto até o “Céu”!!!
    Bom… se não é o Céu propriamente dito, pelo menos vai ser até o céu físico.
    Enfim…

  2. Judeus e muçulmanos desejando canonização a jato… Péssimo sinal… O mundo está no maligno…

  3. E Pio IX?… E Pio XII?…
    Por que estes processos não recebem “impulso extra”?!

    Um detalhe sobre a notícia da beatificação “praticamente pronta”: o milagre parece ser um “detalhe” de somenos, não?…

  4. Acredito que eles precisam o mais rápido possível de um santo que celebrava a missa de Paulo VI e que vivia ecumenicamente como pede o concilio vaticano II.. Ja que mais novo santo pós conciliar o fundador da Opus Dei não celebrava no novo rito

  5. Vai se tornar o padroeiro dos rccistas &%$#

  6. A canonização de João Paulo II é aguardada e desejada com grande excitação pelos setores modernistas e progressistas, pois este Papa será o PRIMEIRO “SANTO CATÓLICO” AFINADO COM OS PRINCÍPIOS DO CONCÍLIO VATICANO II. Será uma inauguração, uma novidade sem nenhum precedente no elenco de santos da Igreja Católica e Apostólica, que até a gloriosa Corte celestial estranhará.

    Um santo que em vida se ecumenizou com religiões pagãs e participou de seus ritos; um santo que moveu guerra contra a Tradição católica excomungando-os; um santo que convocou os católicos a um jejum conjunto com os muçulmanos no início do Ramadã (2001), e este “santo” foi chefe da Igreja.

    Para os católicos razoavelmente observadores, reconhecer santidade nos atos de João Paulo II implicará em duvidar da santidade dos atos de seu Predecessor São Pio X, e de outros Predecessores. Quem tem um pouco de desconfiômetro perguntar-se-á como podem haver “santos opostos”.

    Se para a Cúria Romana pode existir a santidade “bipolar”, a Teologia da Libertação já se adiantou e em seu breviário (“ofício divino das comunidades) já se comemora as Festas dos “santos” Lutero e Che Guevara.

  7. Uma desmoralização.Uma vergonha! Um escândalo. Que mais? Fim dos tempos? Nova religião?
    Império do cinismo e da hipocrisia esses senhores tracando entre si condecorações, honrarias, homenagens póstumas. Sim, não passa disso e de jogada política com as coisas mais sérias. Que Deus tenha misericórdia de nós.

  8. Seguindo o modelo exigido pelo vaticano II para se tornar santo os próximos santos aqui do brasil serão padre fabio de melo, padre marcelo rossi, padre zezinho etc etc.. Ta parecendo que para ser santo basta ser famoso, estar na mídia e nada virtudes heróicas. Só falta agora o próximo Papa ser extremamente modernista liberal e maçom.

  9. “Agora a voz do céu é para o Pastor dos Pastores: ‘Tu estás na grande conferência com os teus
    assessores, mas o inimigo do bem não fica quieto um instante. Ele estuda e pratica todas as artes
    contra ti. Semeará a discórdia entre os teus assessores, criará inimigos entre os meus filhos.
    As potências do século vomitarão fogo e gostariam que as palavras fossem sufocadas na garganta
    dos guardiães da minha lei. Isso não acontecerá. …
    … Que farei? Baterei nos pastores, dispensarei o rebanho para que os sentados na cadeira de Moisés
    procurem bons pastos e o rebanho, docilmente, ouça e se alimente.
    Mas sobre o rebanho e sobre os pastores pesará minha mão. A carestia e a peste farão com que as
    mães chorem o sangue dos filhos e dos maridos mortos em terra inimiga.
    E de ti, Roma, que será? Roma ingrata, Roma efeminada, Roma soberba. Tu chegaste a tal ponto
    que não procuras outra coisa, nem nada mais admiras em teu soberano senão o luxo, esquecendo
    que sua glória verdadeira está sobre o monte Gólgota. …
    Roma! … Eu irei a ti quatro vezes. Na primeira golpearei as tuas terras e os seus habitantes. Na
    segunda, levarei a destruição e o extermínio até os teus muros. Não abres ainda os olhos?
    Virei a terceira vez e derrubarei as defesas e os defensores e ao comando do Pai seguirá o reino do
    terror, do medo e da desolação. Mas os meus sábios fogem. A minha lei continua sendo pisada. Por
    isso farei a quarta visita.
    A guerra, a peste e a fome são flagelos com os quais serão castigadas a soberba e a malícia dos
    homens. …’ ”
    (Adaptação do livro “Quarenta Sonhos de S. João Bosco” , compilado e editado por Pe. J.
    Bachiarello, S.D.B.)

  10. Tem louco por aí pedindo a canonização do “padre léo”, porém requer preocupação o tal abib, que cá entre nós, já tá mais pra lá do que pra cá!!!

  11. A questão é a seguinte: Se foram preenchidas as condições para a canonização, inclusive com milagres comprovados, só resta aos nobres comentaristas irem reclamar com Deus, que os realizou pela intercessão de João Paulo II. Para muitos só falta realmente isso. Irem tirar satisfação com Deus por ele não ser suficientemente católico da tradição.

  12. Marcelo Moraes: o demônio também faz milagres e prodígios…

  13. E os setores de desinformação da Cúria Romana também fazem milagres: fazer surgir uma “freira” curada de esclerose PODE NÃO SER milagre, mas um truque de mágica midiática bem barato. Reclame você com Deus por Ele ter fundado uma Igreja que passaria por tribulações e perseguições.

  14. Errata: “Uma freira curada de MAL DE PARKINSON”…

  15. Canonização não faz parte do Magistério Infalível da Igreja?
    até nisso vai ter gente pra reclamar! Duvidar de uma canonização legítima é duvidar de 2010 anos de infalibilidade da Igreja!

  16. E outra, pedem virtudes heróicas!
    João Paulo II foi uma herói contra o comunismo! sem ele nem sei se a URSS teria caído já!
    Errado, com certeza errou, mas de toda forma havemos de reconhecer que virtudes heróicas não lhe faltaram!

  17. Desculpem os 3 comentários seguidos!
    mas só pra lembrar que uma canonização rápida assim não é coisa inédita! meu estimado Santo Antonio foi canonizado 11 meses após sua morte!

  18. E São Francisco, dois anos após a morte…

  19. São Francisco tinha as Chagas.
    Sto Antônio ressuscitava mortos.
    Creio ser daí, a eminente santidade com obras portentosas, que advém o processo de canonização tão rápido destes dois Santos, e não do “apelo popular”, diga-se midiático.
    Como o rito se tornou uma “festa para fé”, abolindo a figura do advogado do diabo, aquele sonho que a senhora teve onde o Papa JP II indicou a quem deveria ser rezado para obter cura ( https://fratresinunum.com/2010/01/25/o-milagre-de-pio-xii-e-o-papel-de-joao-paulo-ii/ ) será prontamente desprezado, já que só podemos falar coisas boazinhas sobre o postulante…
    Num exercício de imaginação especulativa, façamos também uma ponte com a afirmação do Pe. Amorth de que há satanistas dentro do Vaticano; pergunta-se: a quem interessa, valendo-se da estratégia do atordoamento das consciências a longo prazo (coisa que os neo-católicos nem sequer concebem!), uma canonização tão… digamos… ecumênica?
    Seria uma espécie de salvo conduto para, no mais acabado espírito de progressismo, fazer afirmar e firmar as idéias do CV-II com a ascensão da figura midiático-popular-moderna de JP II.
    Oremos para que isso não ocorra.

  20. Caro sr. Pedro Carneiro, a URSS não pode ser identificada com o comunismo, já que ela era uma espécie de impecilho para a ideologia transnacional se estabelecer, isto é, haviam alguns impedimentos de ordem particular para que o comunismo se tornasse o que é hoje: Legião sem rosto e sem identidade nacional, isto é, muito mais difícil de se distinguir e combater já que ele está disseminado e camuflado em todo o mundo – desde o liberalismo ao anarquismo.
    O Papa JP II teve a sua luta concentrada na Polônia, mas foi Ronald Reagan que fez várias outras coisas para que a URSS se desfizesse.

  21. Pedro Pelogia.

    Cuidado para não pegar contra o Espírito Santo, meu caro, muito cuidado.
    Os fariseus também diziam que os milagres de Jesus eram obra do demônio.

  22. Por favor né!!! Comparar João Paulo II com Santo Antonio e São Francisco é demais não acham?!
    Caro Pedro Carneiro, se você mesmo reconhece que João Paulo II cometeu erros (contra a fé e a doutrina), é o que basta para que ele não possa ser canonizado, e quanto a sua pergunta: canonização não faz parte do Magistério Infalível da Igreja? Temos considerações a fazer.
    1.As canonizações gozavam de infalibilidade até o Concilio Vaticano II.
    2.João Paulo II, pronunciou que em nenhuma das canonizações que ele relizaria, iria usar da infalibilidade, tanto é que sempre que ele citava o magistério infalivel da Igreja, suas fontes eram Pio XII e outros papas anteriores ao C.V.II, jamais citou um ato próprio.

  23. Ao sr. Marcelo Moraes:
    Caríssimo, o mínimo que se espera de um católico hoje é uma reserva quando o assunto é “unanimidade”: há que se desconfiar da massiva adesão “espontânea” à uma idéia que, no mínimo, é discutível; a saber: a canonização “turbinada” do Papa JP II.
    Ficar torcendo com o auditório, numa espécie de histerismo coletivo, é algo que devemos guardar uma reserva, já que estamos vivendo uma verdadeira mitigação de tudo que é tradicional e uma preferência pelo “atual”; e isto é algo a se temer, já que a “moda” é preferida em detrimento do conteúdo.
    E sabemos todos que a moda passa…

  24. E peço encarecidamente que não critique o sr. Pedro Pelógia, já que ele fez observações importantes, posto a terrível constatação do Pe. Amorth.
    É possível e bem provável que tal se suceda…

  25. Meus amigos,
    Quanto a canonização a jato de JPII o que muito me perturba é justamente a divisão que se criou.

    Ora nunca na história da Igreja uma canonização foi motivos de discussões e divisão. Quando foi que o Espírito Santo dividiu a Igreja numa canonização??? Acredito que essa foi a primeira vez. Acredito que JPII está sendo canonizado porque ele é ecumenicamente correto” e representa a “adaptação da nova Igreja pós-conciliar à nova orientação da igreja.

    No mais é estranho ter sido abolido a figura do advogado do diabo. Alguém poderá afirmar que quem canoniza é o Papa eu respondo que isso não me surpreende.

  26. Após o Concílio Vaticano II quem manda no Vaticano não é mais a figura do Papa mas sim o aparelho de estado do vaticano na figura do Secretário de Estado. É ele que decide os planos de acção da Igreja, ou seja, o Papa foi reduzido a uma simples figura decorativa, ao serviço da ditadura do Secretário de Estado.

    Ou estão esquecidos que também o Vaticano teve a sua Perestroika ?

  27. Caríssimos senhores.
    Me respondam a seguinte pergunta: Se o Papa Bento XVI canonizar o Papa João Paulo II ele terá cometido um erro?

  28. Caro Marcelo MOraes, eu te responderei essa pergunta se voçe me responder essa : Pode o Papa, inspirado pelo Espirito Santo dividir os católicos ao canonizar uma pessoa? O Espirito Santo divide?? Qual o Espírito que divide?

  29. Acredito que os senhores conheçam essa carta que foi enviada a JPII pela secretária do fundador da Opus Dei. Nessa carta ela afirma que a vida de Sto. Escrivá não era nada exemplar.

    MOral da história o aparelho de estado do Vaticano não permitiu a essa secretária de santo escrivá que o foi por mais de vinte anos, testemunhar no processo de canonizacao afirmando qe a vida desta secretária não era digna… parece piada mais é verdade.

    eis o link pra qem quiser ler a carta
    http://www.capela.org.br/Crise/canoniza3.htm

  30. RESPOSTA: Terá cometido um erro SIM, pois trata-se de um ERRO INTENCIONAL. O Papa quando QUER ERRAR, “erra infalivelmente”! Fará tal coisa unicamente para agradar a turba. Um outro quis agradar uma turba exultante e furiosa, há muito tempo atrás: Pôncio Pilatos.

    O Santo Padre João Paulo II foi melhor Papa que seus 3 Predecessores, levando-se em conta as 4 décadas de devastação que a Igreja viveu, portanto cabe dizer por protocolo que “sua memória é saudosa”. Entre outras coisas, ele foi o Papa pós-conciliar que mais claramente se posicionou contra o comunismo e como foi dito acima, COLABOROU para o fim dos Estados marxistas do Leste Europeu (mas não para o fim do comunismo em si). João Paulo também preocupou-se com o comunismo “intra Ecclesia” e condenou a Teologia da Libertação (a CNBB e o CELAM fingem não saber disto). Apesar de ter promovido irreverências litúrgicas no Vaticano com a assessoria de Mons. Piero Marini, o Papa lança a “Ecclesia de Eucharistia” fulminando o showzismo litúrgico e prescrevendo a reverência e gravidade no culto romano. No fim de sua vida este Papa viveu os mesmos dilemas que seu predecessor Paulo VI: percebeu que sua autoridade estava minada pela colegialidade episcopal e afirmou que há na Igreja um “CISMA SILENCIOSO”. É certo que há muita santidade em João Paulo II, mas como tudo na modernidade é relativo e ambíguo, há também obras condenáveis das quais o canonizável não se arrependeu e não fez reparação em vida. O que mais impede JP II de colar um “São” antes do nome é o seu Ecumenismo desmedido e apaixonado, chegando sem exagero ao SINCRETISMO RELIGIOSO. O falecido Pontífice muitas vezes abriu mão do expediente de converter almas para “dialogar” com as heresias e os idolatrismos, descumprindo a ordem do Cristo que mandou os Apóstolos “converterem” e “batizarem” a toda a Criatura, e não “dialogarem”.

    Cristo disse que quem se humilha será exaltado, e quem se exalta será humilhado. João Paulo II jamais “se humilhou”: ele sempre humilhava a Esposa de Cristo, igualando-a às outras religiões, e sempre EXALTAVA A SI MESMO com os gestos ecumênicamente corretos, que lhe valiam laudas e tributos na mídia e na ONU. Quem via o Papa sorridente agarrado ao Dalai Lama, aos xeiques e rabinos logo dizia: este é o melhor Papa que a Igreja Católica já teve! João Paulo II humilhava todos os seus Predecessores “quadrados” e exaltava a si mesmo!

    Se João Paulo II chegar à honra dos altares, será o primeiro santo que o Concílio Vaticano Segundo criou, e é isso que a turba enfurecida quer, atiçada e influenciada pelos FARISEUS MODERNOS.

    Os únicos dois santos que viveram no pós-Concílio não o aceitaram: São Josemaria Escrivá secretamente o rejeitou, e São Pio de Pietrelcina o recusou abertamente. Logo, o último Concílio, diferente dos anteriores, precisa de um “santo” que o legitime, um “santo” também diferente de todos os outros santos…

  31. mas canonização é feita pelo magistério infalível da Igreja!
    até nisso vai ter gente pra contestar??
    Tem gente se achando mais católico que Deus agora!
    e eu não comparei Joao Paulo II com Santo Antonio nao, apenas disse que uma canonizaçao rápida nao é coisa inédita!

  32. Christiano
    te faço uma pergunta tb!
    por acaso pode o Papa errar usado do magistério infalível da Igreja??
    cuidado como que vai falar, pq negar isso é heresia!
    e canonização compete ao magistério infalível!

  33. Pelo que vejo nesse blog aqui está cheio de Advogados do Diabo! Vcs são o fim da picada! Querem agora ser infalíveis em canonização!

  34. Se me permitem, a pior de todas as “canonizaçoes”, foi a “canonizaçao” da filosofia moderna pelo Vaticano II. Por que foi uma canonizaçao, onde se contempla, que a maioria dos Padres Conciliares, criam na Sola Fides. Lutero, Marx, Hegel, etc, foram justificados pela fè.

    A canonizaçao de Joao Paulo II, nao è pior do que a beatificaçao de Antonio Rosmini. Na regiao do Piemonte, a sua beatificaçao, equivaleu a canonizaçao e uma imagem na “Sacra di San Micaele” ( http://www.sacradisanmichele.com/index.asp ), monumento sìmbolo do piemonte e outras tantas nas Igrejas da Itàlia.

    Procurem pela obra “As cinco chagas da Igreja” e poderao ler o Concìlio, muito antes de ele ter sido realizado. Vejam na apresentaçao de Rosmini no site do Vaticano:

    A sua obra “As cinco chagas da Santa Igreja” é considerada precursora dos temas conciliares. Uma delas fazia António Rosmini sofrer demais: a separação entre fiéis e clero durante as funções litúrgicas, pela impossibilidade dos primeiros seguirem as orações formuladas em latim, adiantando a proposta de seguir as línguas próprias de cada povo. Devido à novidade de algumas suas ideias sobre a reforma da Igreja, a obra foi posta no Índex em 1849, com todas as polémicas que se seguiram.

    http://www.vatican.va/news_services/liturgy/saints/ns_lit_doc_20071118_rosmini_po.html

  35. Prezado Pedro Pelogia,

    O Sr. disse tudo . concordo plenamente.

    E quanto ao Sr. Pedro Carneiro,

    Saiba que JPII declarou diversas vezes que muitos santos do passado não seriam santos hoje ao se referir aos SANTOS INCORRUPTOS…PASME VIU!!

    O QUE O SENHOR ME DIZ AGORA? O ESPIRITO SANTO ERROU? A CANONIZAÇÃO DOS PAPAS DO PASSADO NÃO FOI INFALÍVEL? SÓ É INFALÍVEL A CANONIZAÇÃO PÓS CONCILIAR ?? É ISSO?

    REPITO VÃO CANONIZAR JPII PORQUE ELE É ECUMENICAMENTE CORRETO . A canonização de JPII é uma grande humilhação aos Papas anteriores ao Concilio pois Leão XIII , Pio IX , Pio X , Pio XII condenaram o Ecumenismo e o sincretismo religioso.

  36. Caro Cristiano,
    apòs o Vaticano II, em termos de autoridade, triunfou na Igreja a tese ortodoxa da primazia de honra, ou seja, o Papa exerce uma primazia de honra sobre os Cardeais e Bispos, os Bispos sobre os Padres e os Padres sobre os leigos, onde no fim das contas se deu exatamente o que o Padre Calderòn disse:

    “O Papa renunciou à sua autoridade em benefício dos bispos; os bispos renunciaram à sua em benefício dos teólogos; os teólogos tinham renunciado à sua ciência para escutar o homem; e a voz do homem – supostamente dotada da infalibilidade do sensus fidei – não era outra senão a publicidade. Este é o procedimento em prol da promoção da maioria.”
    Pe. Álvaro Calderón

    E a tal primazia de honra (Primer inter pares), acabou por refletir explicitamente em Nosso Senhor: O Cardeal Presidente da Conferencia Episcopal Alema, ao negar o dogma da redençao e professar o dogma modernista do solidarismo, conferiu a nosso Senhor, uma primazia de honra, nao de jurisdiçao. Bem complicado…

  37. Christiano, sedevacantista não é católico. Então não existe divisão.Ponto final!

  38. Seguem alguns comentários interessantes sobre canonização e infalibilidade.

    Diz Bento XIV:

    «Aquele que ousasse afirmar que o Pontífice teria errado nesta ou naquela canonização, e que este ou aquele santo por ele canonizado não deveria ser honrado com culto de dulia, qualificaríamos, senão como herético, entretanto como temerário ; como causador de escândalo a toda a Igreja ; como injuriador dos santos como favorecedor dos hereges que negam a autoridade da Igreja na canonização dos santos ; como tendo sabor de heresia, uma vez que ele abriria o caminho para que os infiéis ridicularizassem os fiéis ; como defensor de proposição errônea e como sujeito a penas gravíssimas » (De Servorum Dei Beatifiatione ».

    A «Enciclopedia Cattolica » no verbete «infalibilidade » afirma : « No objeto secundário [da infalibilidade] se reúnem o que chamamos de ?verdades conexas? [com a Revelação]. (…) As espécies mais consideradas destas verdades conexas são as conclusões teológicas, os fatos dogmáticos, a canonização, a legislação eclesiástica. A conexão da canonização com a revelação se manifesta pelo fato de que ela é não somente a aplicação concreta de dois artigos de fé, o culto dos santos e a comunhão dos santos, mas também porque ela diz respeito aos próprios costumes religiosos cristãos, sendo o canonizado posto como modelo de virtude perfeita ».

    E no verbete « canonisation » lemos : « Esta doutrina [da infalibilidade do Papa nas canonizações] é a conclusão de grande número de bulas de canonizações, já da Idade Média, das deduções dos canonistas, desde a Idade Média, dos teólogos desde Santo Tomás de Aquino ».

  39. Sr. Paulo Morse,
    Eu creio no Primado de Pedro sim. Creio no Papado sim.
    Me responda ser sedevacantista é aceitar erros de modernistas e hereges apóstatas qe sequer crê que exista o demônio o inferno?
    Ser sedevacantista seria aceitar o Ecumenismo condenado por Nsa. Senhora de Fátima ao pedir a Consagração da Rússia ao seu Imaculado Coração, ou seja a conversão da Rússia ao Catolicismo???

  40. Sr. Paulo Morse,
    Se ser sedevacantista para o sr. seria não ser católico fica a pergunta:

    Para ser Católico seria preciso aceitar o Ecumenismo ?
    Para ser Católico seria preciso aceitar o Modernismo?
    Para ser Católico seria precisa aceitar o Relativismo.. aposentar o inferno o purgatório o diabo?

    A própria Santissima Virgem de Fátima veio em pessoa condenar o Ecumenismo pedindo a conversão da Rússia ao Catolicismo Romano, veja como ela está perfeitamente de acordo com os Papas anteriores ao Concilio Vaticano II

  41. Ora Sr. Paulo Morse ,
    Maria em Fátima veio pedir a consagração da Russia ao seu Imaculado Coração e isso na prática significa a Rússia aceitar o Catolicismo Romano. Ou seja Maria é Anti-ecumenica.

    E agora querem canonizar JPII por ser Ecumenico.

    Me responda sr. Paulo Morse será que Maria em Fátima errou em condenar o Ecumenismo?? ou será que a vidente entendeu errado o pedido como afirmou Angelo Sodano???

  42. Não é que não desejo que JPII esteja no Céu; na verdade devemos querer sempre o melhor para nossos semelhantes, como ordena o Senhor. Ele teve seus defeitos, que em se tratando de um Papa tiveram conseqüências mais graves; mas de uma forma ou de outra, se como expiação não foram suficientes seus sofrimentos na terra ao final da vida, ele deverá ainda estar pagando por eles.
    Deus tenha misericórdia.
    O problema todo é o reconhecimento oficial da Igreja, que por ser uma decisão de infalibilidade, deverá dar munição pesada aos adeptos do “espírito do Concílio”.
    Rezemos para que ele esteja o mais rápido possível com Deus; mas não por sua canonização!

  43. Marcelo Moraes, sò è preciso saber se as canonizaçoes pòs-vaticano II, nao sao canonizaçoes “pastorais”. Capisco?

  44. O sr. Marcelo Novaes trouxe uma grande contribuição oa tema, ao postar acima trechos do Magistério da Igreja acerca da natureza das canonizações.

    Realmente, escrito assim, é algo muito sério, muitíssimo delicado. Renegar uma canonização pode certamente deixar o cristão numa posição de favorecimento da heresia. Não li onde o texto dizia que é pura e simples heresia o colocar-se contra canonizações, mas mesmo assim o texto vitupera seriamente o católico que fizer isso, como sendo o mesmo animado por um espírito anti-tradicional.

    Por outro lado, sem me atrever a relativizar a doutrina católica, e mesmo os trechos magisteriais postos acima, evidentemente o texto tem toda a coerência com as canonizações vigentes até a sua época, quando todo o processo de investigação era lento, minucioso e cercado de preocupações. É um texto inserido num contexto tridentino, dos tempos em que a Igreja se comportava como uma fortaleza sitiada, onde havia um Santo Ofício vigilante, onde os papas definiam a doutrina católica sem equívocos.

    A verdade é que estamos sob outro panorama… Depois do Concílio Vaticano II, o clero se julgou no dever de modificar praticamente TODAS as coisas da Igreja… Modificaram todos os rituais, modificaram a Missa, modificaram a disciplina eclesiástica, permitiram a evolução do dogma (de forma dúbia na letra e explícita segundo o espírito)… Até as roupas dos religiosos, na maioria dos casos, foi modificada!
    Basta ver as notícias abaixo, para lembrar que o padre Gabrielle Amorth é um dos que apontam essa mudança que de nada serviu nos ritos de exorcismo… Enfim, há muita coisa esquisita que precisa ser esclarecida rapidamente… Porque João Paulo II conseguiu canonizar mais pessoas do que todos os seus predecessores juntos? Porque essa banalização? Porque nos tempos de João Paulo II, o céu virou algo tão fácil de se chegar?
    Há muita coisa que não compreendo… Aqui na Bahia, por exemplo, uma irmã da caridade de São Vicente de Paula, irmã Lindalva, foi morta por um doente mental que se precipitou sobre ela e a assassinou (por causa da loucura, e não por ódio a fé) com um punhal… Pois bem: agora existe um processo tramitando no Vaticano para canonizá-la como… Mártir!

    Mas Mártir de que? O homem – que agora é PROTESTANTE (grandes frutos…) – tem problemas mentais, matou a religiosa num acesso de loucura…

    Irmã Dulce também acabará por ser santificada na marra… Eu tenho uma vizinha idosa que é católica, e conservadora… Mas ela se lembra como ficou escandalizada ao ver o enterro da Yalorixá Mãe Menininha do Gantois ser acompanhado pelo arcebispo da Bahia e pela irmã Dulce… A mesma coisa é Madre Teresa, que por muito boa mulher que tenha sido pessoalmente (como a própria irmã Dulce), já foi vista rezando junto com hindus… E eu mesmo tenho essa fotografia… Enfim… Não cabe a mim ficar levantando suspeitas sobre a dignidade alheia, mas em outros tempos, por muito menos, o Santo Ofício paralisaria qualquer processo de canonização que levantasse dúvidas tão sérias a respeito de possíveis candidatos.

    Eu creio particularmente que essas dúvidas não são apenas minhas. Essas questões ainda hão de ser levantadas pela Santa Sé algum dia, e eu creio que algo ainda será feito para explicar – ou consertar tudo isso…
    Por hora farei como a FSSPX: oficialmente não terei posição diante disso. Concentremo-nos na emergência: na questão da Missa e na expulsão dos valores anti-católicos do seio da Igreja…

  45. Novos santos: espero que vocês intercedam por sua própria causa, e consigam de Deus a graça da elucidação de todos esses dilemas… Porque eu creio no juízo da Igreja, mas não creio nestes processos inovadores de canonização… Pelo sim, pelo não, prefiro manter como santos de minha devoção os inequívocos mesmo…

  46. A questão da canonização é que o canonizado deve ser um exemplo incontestável da pratica das virtudes heróicas e fidelidade doutrina católica. Houve beatificações e culto a certos homens, inclusive Constantino (ainda aceito como santo pelos ortodoxos) e Carlos Magno, que foram considerados santos e embora tenham praticado algum bem não forma nem de longe exemplo de virtudes. Constantino mandou matar a mulheres e um filho s só recebeu o batismo poucos dias antes da morte. Carlos Magno era violento e adultero. Mas em todo caso hoje estão esquecidos e são lembrados apenas como figuras históricas. Não vejo como correto se recusar o testemunho de uma pessoa num caso de Canonização, mesmo sendo ela contra ao candidato. Aí é que se deve ouvir a outra parte. Fato que ocorreu com o fundador da Opus Dei. E também não é um exemplo de heroicidade se rejeitar em segredo o que não se aceita. Os santos o fariam abertamente sem temer represálias humanas. Isto não é um exemplo a ser seguido.”Josemaria Escrivá secretamente o rejeitou” Se Deus permite certas canonizações dúbias, creio que não permitirá oculto publico durante muito tempo ou este ficara restrito. Nada compáravel ao culto de um Francisco de Assis, que por ser tão popular e continuo, ate querem ecumenizá-lo também, esquecendo que ele foi da Idade Media…das canonizações realizadas por João Paulo II muitas, a maioria são desconhecidas pelo povo. A muitas faltou o chamado fama de santidade…no caso de João Paulo querem aproximar esta de popularidade, o que é bem diferente. Mas se não podemos rejeitar uma canonização dúbia e suspeita, pelo menos podemos ignora-la já que a Igreja não pode nos obrigar a ter devoção pro nenhum santo, mesmo canonizado. Entreguemos então a Deus a canonização de João Paulo II e colhamos de sua vida os bons exemplo mantendo para nosso devoção os santos mais conformes a doutrina de sempre.

  47. Curiosa a igreja de hoje.
    Nem parece a Igreja de sempre
    Personagens no mínimo controvertidos são canonizados a toque de caixa (ou a jato), sem maiores cuidados. Ao mesmo tempo, católicos de reconhecida santidade tem processos de canonização que seguem a passo de jegue (nenhuma crítica ao simpático animal tão comum no Nordeste).
    Vide o exemplo de Nóbrega e Anchieta, cujos processos se arrastam há séculos.
    Contradições como essas estão se tornando tão frequentes, que mesmo pessoas comuns do povo começam a perceber a flagrante diferença entre a igreja católica de hoje e a Igreja Católica de sempre.

  48. É preciso que todos entendam que quem não concorda que JPII seja canonizado, baseia-se pelo que o magistério da Santa Igreja sempre exigiu para que se realize uma canonização, ou seja, comprovação de virtudes heróicas e milagres.Ninguém aqui está dizendo que JPII não foi para o céu, até porque seria temerário fazer isso. Mas é indiscutivel que JPII não possui virtudes heróicas que o habilitem para uma canonização.Isso é fato.

  49. Em todos os processos de canonização sempre foi norma se proceder a uma cuidadosa pesquisa de todos os escritos do servo de Deus, além de ser imprescindível que ele tenha fama de santidade, uma vida edificante, heroicidade de virtudes e milagres.
    Alguém, com certa dose de razão, haverá de argüir: – como fica a infalibilidade pontifícia?
    Para responder esta indagação torna-se im­perioso recorrer aos tempos antigos a fim de me­lhor entender as canonizações. Durante o primei­ro milênio não eram os papas que declaravam bem-aventurados os que entregavam suas almas a Deus em odor de santida­de. Quem canonizava os santos era a piedade dos fiéis católicos, com uma certa assisténcia de seus bispos e a anuência do Soberano Pontífice. Como certamente ocorriam alguns abusos o papa determinou que as canonizações passassem a ser da sua exclusiva competência. Foi somente em 1170 que um papa (Alexandre III) emitiu o primeiro documento a esse respeito, conforme nos mostra o Revmo. Pe. Alvaro Calderón em excelente artigo sobre o assunto.

    Já no período pós-conciliar o papa Paulo VI concedeu aos bispos e as conferências episcopais autoridade para formar processos de instrução para beatificações, antes privilégio exclusivo da Congregação Romana. As inovações de Paulo VI, como se lê no Osservatore Romano (12-4-69) citado pelo Pe. Calderón, “abrem indiscutivelmente uma nova época na história das canonizações e beatificaçóes”.

    No Código de Direito Canônico João Paulo II publica que “as causas de canonização dos servos de Deus se regem por uma lei pontifícia peculiar” (Cânon 1403 § 1).

    Em matéria de doutrina todos sabemos que o papa é infalível quando se pronuncia “ex-cathedra”. Como o Pontífice hoje concede aos bispos “o direito de introduzir as causas de canonizações e instruir os processos sem a necessidade de autorização da Congregação Romana”, co­mo pode se entender como um pronunciamento “ex-cathedra” uma canonização baseada na “na confiança, na prudência e honestidade dos procedi­mentos diocesanos” portanto de homens que podem cometer erros: e que nem sempre primam pela imparcialidade? Ou ainda de testemunhas nem sempre confiáveis?

    Um fato que merece a nossa atenção conforme as estatísticas a­presentadas pelo Rev. Pe. Calderón é que de 1594 a 1958 foram canoni­zados 215 santos, enquanto as canonizações realizadas após esse período chegam ao espantoso número de 462 até o Pe. Pio. Ou seja, foram e­levados às honras dos altares nos últimos 44 anos mais de o dobro de santos na Santa Igreja em 364 anos. Quanto as beatificações ultrapas­sam a casa de 934 beatos.

    As canonizações eram um acontecimento, uma festa, um fato extraordinário na Santa Igreja. Hoje tornou-se comum, corriqueiro, devi­do o número elevado de canonizaçóes e beatificações.

    Assim, “as canonizações no magistério pontifício de hoje já não devem ser consideradas atos do magistério extraordinário do Romano Pontífice, mas sim atos próprios do seu Magistério ordinário” (Pe. Al­varo Calderón).

    Os católicos dos 10 primeiros séculos, responsáveis pelas cano­nizações sem, contudo, gozar de qualquer prerrogativa infalível, como é óbvio, haveriam de se sentir escandalizados com essas canonizações.

    E nós também !..

  50. Salve Maria !

    O Homem já era um Santo antes de morrer, já era normalmente chamado de sua Santidade, não entendo porque tanta demora em declará-lo um Santo lá no céu.

    Não precisamos de nenhum milagre para saber que João Paulo II foi um Santo Homem, talvéz quem precise de tal milagre comprovado sejam os documentos para justificar um título honorífico de tão grande porte.

    Na verdade Ele não fez nada mais que sua obrigação, afinal Ele como Papa sabia muito bem que só entra no céu quem for verdadeiramnete Santo, isto implica que se dependermos de nosso julgamento próprio iremos todos para o inferno.

    Ainda Bem que Deus é Misericordioso.

    In Corde Jesu, Semper.

  51. Salve Maria!

    Me parece que a pessoa que se identificou como “presente pra você” não se deu ao trabalho de ler nenhum dos comentarios anteriores. Coitado não sabe o que está dizendo, é triste ver pessoas com essa mentalidade. Gostaria de saber o que JPII fez em vida que o torna santo??? E a propósito, chama-lo de Sua Santidade, não é exclusivo de JPII, um católico com o minimo de conhecimento possivel deveria saber que este “título” é usado para todos os Papas. O milagre é necessário não para o documento, mas para que demonstre a seriedade dos processos. E pra finalizar, na verdade, ele não fez aquilo que era a obrigação dele, que era a defesa da Fé, da Igreja e da Sã Doutrina.

    Ut omnibus glorificetur Deus.

  52. Presentepravoce,

    Se o fato de muitas chamarem JPII de santo já é suficiente, para que servitria sua canonização? Nada mais é necessário!

  53. Caro(a) sr(a) presentepravoce, ‘Sua Santidade’ eh uma forma de tratamento propria para o Papa; eh designacao propria para quem ocupa este ‘Cargo’ com tao santa outorga.
    Nao eh uma ‘aclamacao popular’ identificando a santidade de JP II.

  54. Se vivessemos num mundo sério, ou se a Cúria ainda tivesse brios, este fato não teria sequer discussão.

    Não interessa se saem raios dourados da cripta onde o possível santo está sepultado, não interessa se um mutilado encosta nos seus restos mortais e um braço lhe brota no corpo. Os milagres divinos são exclusividade da Igreja de Cristo, mas o curandeirismo e a taumaturgia não.

    O primeiro requisito exigido para a santidade é a ORTODOXIA DE FÉ. Tanto é que há SANTOS na Igreja Católica que jamais fizeram milagre algum e foram proclamados santos por sua bondade ou por sua defesa da verdade. São Tomás de Aquino, por exemplo, é santo doutor da Igreja pela majestosa defesa da fé que fez em vida. Todos somos chamados a SER SANTOS, mas não somos obrigados a realizar milagres. Ser santo é, em primeiro lugar, professar íntegra e retamente a Fé católica e apostólica, e é justamente no primeiro estágio do processo que o Papa João Paulo II se enrosca. Se a Igreja canonizar alguém pela realização de milagres e prodígios, mas que não professaram retamente a Fé católica e apostólica, os próximos da lista terão de ser, por exemplo: Chico Xavier, Tia Neiva, Helena Blavatsky, David Copperfield. Estes fizeram “milagres” também…

Trackbacks