O Lobo contra o Bom Pastor.

Maximilien Bernard informa no blog francês Perepiscopus que a diocese de Besançon anunciou que o seminário fechado de Notre-Dame de Consolation entrou em concordata e foi disponibilizado para locação.

Duas partes fizeram propostas para o arrendamento. Uma é o Instituto do Bom Pastor, que atualmente abriga uns quarenta seminaristas em instalações limitadas em Courtalain, na diocese de Chartres. A outra é uma associação suíça que defende a reconciliação entre muçulmanos e judeus.

Dom André Lacrampe aproveitou a ocasição da Quinta-feira Santa para esclarecer que o IBP não seria um inquilino desejável para o antigo seminário. Não surpreende que, em 2006, Monsenhor Lacrampe tenha tomado uma posição oficial contrária  à criação do IBP assim como ao motu proprio Summorum Pontificum.

Fonte: Rorate-Caeli

Tags:

14 Comentários to “O Lobo contra o Bom Pastor.”

  1. Quando perguntaram certa vez ao Santo Padre Pio a respeito de um superior dos franciscano que muito mal fazia a ele ele respondeu: satanás o aconselha!

    Não tenho dúvidas nenhuma que hoje satanás domina muitos bispos, monsenhores e cardais, isso fica claro vendo o exemplo de hostilidade e ódio de Dom André Lacrampe ao IBP e ao Papa.

  2. Realmente, Dom Larápio é à favor do contra!!!

  3. E tem gente que duvida que o Capeta é o inspirador de muitos clérigos – inclusive vaticanos…

  4. Não seria a hora do P. Laguerie e do P. Aulagnier se reportarem à Eclesia Dei solicitando cooperação, em nome de uma obra da Igreja?

    Que o bispo desta cidade tenha bom senso.

    Há muitos anos, na Diocese de Campos ocorreu o contrário (graças a Deus). Um templo protestante foi posto à venda devido à pouca frequencia (graças ao apostolado do falecido Mons. Francisco na cidade de Bom Jesus). O que ele fez? Apoiado por Dom Antonio, comprou o prédio e o transformou em templo católico. Bons tempos!

  5. Aliás, quando será que eles voltarão pra cá, hein? Ainda considero traumático o abandono deles do Brasil, com certeza eles já teriam aqui o maior seminário do país!!

  6. Quem acredita na midia e não no Papa, é “Herege”, francamente por em dúvidas o Papa é caso de excomunhão.

  7. E para responder, de uma vez por todas!, aos bons-moços e boas-moças neo-católicos, aqui vai uma resposta de S. Tomás sobre o comportamente verdadeiramente católico que se deve ter perante a crise generalizada que se instaurou na Igreja:
    http://contraimpugnantes.blogspot.com/2010/04/pergunte-e-santo-tomas-respondera-i.html

  8. Resta saber, francamente, se existe alguma surpresa em tal procedimento por parte do Bispo.
    O primeiro detalhe que chama a atenção é que ele, na qualidade também de administrador temporal, não poderia ter deixado a situação chegar a esse ponto. Assim, ALÉM DE PÉSSIMO BISPO, DEVE SER UM PÉSSIMO ADMINISTRADOR. Só Deus (ou o inimigo) sabe onde o dinheiro foi empregado.
    O segundo detalhe é que: ou não existem mais fiéis católicos naquela diocese ou eles, por alguma razão, deixaram de contribuir com a Igreja local, para a manutenção do Seminário.
    De qualquer forma, alugar para a tal associação é somente um indicativo da baderna espiritual e temporal reinante naquela Diocese, sob os auspícios de Sua Excelência Reverendíssima, o Bispo.

  9. Este bispo poderia se converter ao islamismo, pois católico ele ja deixou de ser faz tempo.

  10. Sr. Marcelo Moraes,

    Creio que a primeira opção é a mais provável. A razão principal para que o seminário tenha sido abandonado não foi mediante a falta de contribuições e sim pela atual crise de fé que assola espantosamente toda a europa também. A falta de contribuições seria só efeitos da crise. Sabe-se que toda a propriedade(patrimônios históricos, igrejas, seminários e etc) da Igreja na França, pertencem ao Estado desde a Revolução Francesa. Neste caso, podemos também formular três hipóteses: 1 De tanto o os aristocratas franceses comerem parte do dinheiro arrecadado, levaram o seminário a falência e por consequência tiveram que aluga-lo.
    2 O seminário foi desativado pelo Estado somente pela falta de vocações. 3 Se houvesse vocações, haveria demanda de padres (e dinheiro para o Estado) portanto uma coisa não exclui a outra (o mais provável na minha opinião)

  11. Sr. Ricardo.

    A lástima nisso tudo é que o espaço, que não deve ser desprezível, não será utilizado por católicos ortodoxos e sim por aqueles que, muitas vezes, são hostis à fé católica. Tudo isso por obra daquele que deveria ser um campeão da fé: o Bispo diocesano.

    Cordialmente.

  12. Caríssimos no Cristo, Laudetur Dominus!

    É realmente incrível que D. Lacrampe ainda esteja em dúvidas! Não é nem tanto a questão de uma associação que seja hostil ao catolicismo. É o fato de que entre uma associação católica e uma não-católica, a primeira deveria ser privilegiada.

    A idéia entrevista por detraz desta dúvida é um tanto nefasta: será que Sua Excelência Reverendíssima pensa que é melhor uma associação que conta com muçulmanos do que uma que promova a Tradição da Igreja?

    Pax et Salutis

  13. “Será que Sua Excelência Reverendíssima pensa que é melhor uma associação que conta com muçulmanos do que uma que promova a Tradição da Igreja?”
    Pergunta retórica, não é mesmo?