Discurso do Santo Padre aos bispos brasileiros do Regional Norte II em visita ‘Ad limina Apostolorum’.

Senhores bispos de mãozinhas dadas em missa - Assembléia Geral da CNBBUma menor atenção que por vezes é prestada ao culto do Santíssimo Sacramento é indício e causa de escurecimento do sentido cristão do mistério, como sucede quando na Santa Missa já não aparece como proeminente e operante Jesus, mas uma comunidade atarefada com muitas coisas em vez de estar recolhida e deixar-se atrair para o Único necessário: o seu Senhor. Ora, a atitude primária e essencial do fiel cristão que participa na celebração litúrgica não é fazer, mas escutar, abrir-se, receber… É óbvio que, neste caso, receber não significa ficar passivo ou desinteressar-se do que lá acontece, mas cooperar – porque tornados capazes de o fazer pela graça de Deus – segundo «a autêntica natureza da verdadeira Igreja, que é simultaneamente humana e divina, visível e dotada de elementos invisíveis, empenhada na ação e dada à contemplação, presente no mundo e, todavia, peregrina, mas de forma que o que nela é humano se deve ordenar e subordinar ao divino, o visível ao invisível, a ação à contemplação, e o presente à cidade futura que buscamos» (Const. Sacrosanctum Concilium, 2). Se na liturgia não emergisse a figura de Cristo, que está no seu princípio e está realmente presente para a tornar válida, já não teríamos a liturgia cristã, toda dependente do Senhor e toda suspensa da sua presença criadora.

Como estão distantes de tudo isto quantos, em nome da inculturação, decaem no sincretismo introduzindo ritos tomados de outras religiões ou particularismos culturais na celebração da Santa Missa (cf. Redemptionis Sacramentum, 79)! O mistério eucarístico é um «dom demasiado grande – escrevia o meu venerável predecessor o Papa João Paulo II – para suportar ambigüidades e reduções», particularmente quando, «despojado do seu valor sacrificial, é vivido como se em nada ultrapassasse o sentido e o valor de um encontro fraterno ao redor da mesa» (Enc. Ecclesia de Eucharistia, 10). Subjacente a várias das motivações aduzidas, está uma mentalidade incapaz de aceitar a possibilidade duma real intervenção divina neste mundo em socorro do homem. Este, porém, «descobre-se incapaz de repelir por si mesmo as arremetidas do inimigo: cada um sente-se como que preso com cadeias» (Const. Gaudium et spes, 13). A confissão duma intervenção redentora de Deus para mudar esta situação de alienação e de pecado é vista por quantos partilham a visão deísta como integralista, e o mesmo juízo é feito a propósito de um sinal sacramental que torna presente o sacrifício redentor. Mais aceitável, a seus olhos, seria a celebração de um sinal que corresponda a um vago sentimento de comunidade.

Mas o culto não pode nascer da nossa fantasia; seria um grito na escuridão ou uma simples auto-afirmação. A verdadeira liturgia supõe que Deus responda e nos mostre como podemos adorá-Lo. « A Igreja pode celebrar e adorar o mistério de Cristo presente na Eucaristia, precisamente porque o próprio Cristo Se deu primeiro a ela no sacrifício da Cruz» (Exort. ap. Sacramentum caritatis, 14). A Igreja vive desta presença e tem como razão de ser e existir ampliar esta presença ao mundo inteiro.

Discurso do Santo Padre, o Papa Bento XVI, aos bispos brasileiros do Regional Norte II da CNBB em visita ‘ad limina apostolorum’ – 15 de abril de 2010.

27 comentários sobre “Discurso do Santo Padre aos bispos brasileiros do Regional Norte II em visita ‘Ad limina Apostolorum’.

  1. É falar para as paredes.
    Por que insiste o Santo Padre? Só uma nova geração de bispos pode consertar a calamidade na Igreja em nosso país.

    Curtir

  2. Eles estão de mão dadas?
    Se eu fosse o Santo Padre, mandava ficar em posição de sentido e bater continência.

    Curtir

  3. Mais uma vez, pérolas aos porcos…Outros discursos, tão eloqüentes quanto esse, em nada alteraram a situação da Igreja no Brasil. É preciso ação dura e implacável,já cansei desses discursos que recordam aquilo que se deve saber de “cor”(de coração), é preciso agir: escolher melhor os Bispos, intervir em suas ações, fechar alguns seminários, suspender de ordens os sacerdotes e religiosos hereges e desobedientes, e por ai vai… Só discursos não adiantam, infelizmente.

    Curtir

  4. Me parece que já estamos também na hora da intransigência. O Santo Padre está falando com bispos, e do jeito que anda a situação, não seria de espantar se os mesmos nem entendam o que o papa quer dizer.

    É hora de falar curto e grosso, é hora até mesmo de dexiar os discursos escritos de lado e falar tête-a-tête. Dizer com todas as letras que a situação está horrível e cobrar soluções urgentes, sob pena de grave indisposição com a Santa Sé…

    Curtir

  5. A foto é da Igreja de Itaici, onde se realiza a Assembléia dos Bispos. Ao que parece, o Santo Padre quer evitar, a todo custo, que a desobediência se torne em cisma real. Por isso, exorta, adverte, aconselha, como verdadeiro Pastor. Resta saber durante quanto tempo ainda será possível sustentar tal situação. Rezemos pela Igreja e pelo Papa.

    Curtir

  6. Lassance,
    Na verdade os vídeos vieram no trabalho do Sidney no Contra Impugnantes.
    É uma série em dez partes, gostei:

    Valieu!

    Curtir

  7. Eu acho que o discurso do Santo Padre não foi inútil não. Temos que ter em mente que a Igreja Católica foi fundada por jesus Cristo e ELE nunca está ausente.

    Certamente a situação da Igreja não é nada boa, porém Nosso Senhor não está indiferente a isso Ele está certamente bem consciente da realidade atual.

    Repito: A Igreja Católica é de Jesus Cristo e acredito que assim como Ele não abandonou a Igreja em outras épocas mas suscitou grandes santos Ele não abandonará a sua Igreja hoje pois mais do que nunca Satanás tem tido grande êxito em sua empreitada contra a barca de Pedro.

    Viva Jesus no Santíssimo Sacramento do Altar
    Viva o Papa
    Salve Maria.

    Curtir

  8. É de se reparar a GRANDE DIFERENÇA entre a Missa celebrada pelo Papa, conforme a foto no post posterior, e a Missa “fraterna”, conforme a foto deste post.

    Estaria o Papa contrariando e desrespeitando as Rubricas do Novus Ordo???

    Mais um vez me lembro da passagem de São Paulo:

    “não vos posso louvar a respeito de vossas assembléias que causam mais prejuízo que proveito.”(1Cor. 11, 17).

    “Eu recebi do Senhor o que vos transmiti”(1Cor. 11, 23).

    Que Missa Nova é a Verdadeira Missa Nova? A do Papa ou a dos “irmãos”?

    Curtir

  9. Excelente catequese! Com uma só cajadada ele mata o coelho do sincretismo, da participação leiga indevida, do reducionismo a um mero banquete e etc.

    Curtir

  10. O Papa realemente acredita na boa vontade destes Bispos em escutar o que ele está dizendo ?
    Por que eu não acredito!
    Engraçado que a Canção Nova em seu site noticiou o fato e o discurso , quanta contradição Meu Deus !
    O pessoal da CN faz com frequencia exatamente isso : transforma a missa num fazer humano , num show pirotécnico com frequência: ritmos frenéticos , músicas românticas , gritos , choros , oração em línguas , profecias , palmas durante o santo sacrifício são comnus por lá – no entanto parecem não enxergar seus próprios erros.No Brasil é assim : quando o Papa fala quem o escuta sempre pensa que ele está falando para os outros e não para si.

    E esse argumento de que o Papa nada faz de efetivo para evitar um cisma real já deu o que tinha de dar ; o cisma é real só não é oficial!Não há mais nada a evitar pois o cisma já está em curso faz tempo.
    Repito aqui as palavras de Santo Antônio de Pádua :”cessem as palavras e falem as obras”.

    Se discursos fossem autoaplicáveis tudo estaria resolvido.O de que na verdade precisaremos amanhã é de um homem de ação para o papado.Tanto o Papa João Paulo II quanto Bento XVI são homens do saber , da contemplação e não tanto de ação…precisamos de um novo São Pio X.

    Curtir

  11. Amigo Rafael!
    Foi o Espírito Santo que escolheu Bento XVI,
    Deus dá o Papa certo para cada época da hístoria.
    Bento XVI tem a coragem de São Pio X!
    Duas de suas “obras” provam isso:
    O Motu Proprio da Missa e o levantamento das excomunhões.

    Curtir

  12. Concordo Roberto !
    O Espírito Santo escolheu o Papa Bento XVI disso não tenho dúvida.Que ele tem feito muito pela restauração da tradição católica é fato.
    Porem o chamado divino que ele recebeu não anula sua história pessoal.A graça meu caro supõe sempre a natureza.Sabemos que Bento XVI foi colega de universidade de muitos cardeais , teólogos , padres que hoje estão na linha de frente do progressismo.Penso que ele quando lembra disso “puxa a mão”;penso que não fosse o passado comum e um certo espírito de solidariedade , de coleguismo resolve não tomar medidas mais duras.Isso é uma especulação;pode ser que não seja isso.
    Mas uma pergunta fica :por que durante esses 40 anos de destruição da fé e da liturgia pelos modernistas nenhum anátema foi feito , nenhuma condenação , nenhuma excomunhão por heresia ?
    Será que as decisões dos útltimos três papas de apelar apenas para o diálogo é realmente vontade de Deus , ou apenas uma opção humana , uma decisão que nasce do “aggiornamento”?A não ser que consideremos o diálogo o novo modo de exercimento do poder da Igreja e que devamos abandonar toda a pretensão de anatematizar é que esta posição de não punir pode ser sustentada.
    Roberto nisso tudo o que está em jogo é que concepção de Igreja temos …uma Igreja que só dialoga sem anatematizar como poderá sustentar a verdade absoluta de Cristo?Um clero que evita tomar atitudes severas para preservar os fiéis de serem contaminados com falsas doutrinas e ao invés disso deixam os lobos agirem estão sendo fiéis ao encargo que receberam de Deus ?
    As decisões papais Roberto não atendem só a inspiração direta de Deus mas também a mediação de causas segundas…é iengável que o magistério está comprometido com o diálogo com o mundo que esta geração de bispos está muito comprometida com uma leitura progressista do Concílio.Esse é o ambiente em que está mergulhada a Cúria.O Papa não governa a Igreja dos ares mas com os pés no chão…romper com este habitus eclesiástico adquirido não é tão fácil assim.
    Ademais tais decisões ( de não punir ) são determinadas por escolhas pastorais que embora devam ser respeitadas não são infalíveis.

    Curtir

  13. Tem ainda outra pergunta a fazer :
    Por que a Santa Sé não proibe de se falar de Dom Hélder Camara exaltado aqui no Brasil como um santo?

    Sabe-se quem foi Dom Helder , que ele foi um dos maiores agentes da comunistização da Igreja no Brasil e no entanto aqui o celebram sem que a Santa Sé pese a mão …aí os fiéis passam a acreditar que este Judas foi um Bispo fiel.

    Permitir que se exalte Dom Helder em paróquias , em eventos católicos , etc é dar veneno aos fiéis.Afinal muitos pensam que ele é exemplo a ser seguido.Mas não é !

    Permitir que Dom Helder seja chamado de profeta dentro da casa de Deus é o mesmo que louvar Judas por ter traido Cristo.

    Curtir

  14. Corretíssimo,Rafael.
    Mas amigo, deixe-me fazer uma pergunta, uma pergunta que até hoje níguém me deu uma resposta realmente convíncente:
    Por que Bento XVI “liberou” a Missa e levantou as excomunhões?
    Pra quê?
    O quê o levou a fazer isso?
    Com esse “background” e essa “bad company” toda.
    Amigo Rafael, perdoe-me em insistir nessas duas obras de Bento XVI mas eu as comparo (o ato), pelo menos em coragem,
    ao Dogma da Assunção de Nossa Senhora por Pio XII, é claro, nos últimos 100 anos.
    Olhando de um determinado ângulo poderia se afirmar que o Papa não tinha obrigação e nem a necessidade de fazer isso.
    Pra quê?
    Mais uma vez. Está tudo bem nesse nosso mundinho moderno!
    Mas ele fez!
    Essa é a pergunta:
    Da onde ele tirou essa idéia, ou melhor, o quê moveu sua vontade?
    De “libertar” o sacrifício e me atrevo a dizer, se unir ao Bispos da Fraternidade?
    Vamos ter paciência, isso repercutiu aqui na terra mas repercutiu também lá no céu.
    Viva Bento XVI!

    Curtir

  15. Rafael Queiroz, concordo também com você que é questão de tempo dessa conferência dos infernos (CNB do B) fazer o seu cisma declaradamente.

    Mais ao contrário dos católicos moderninhos de hoje que gostam de tapar o sol com a peneira, e medo de que isso aconteça para manter as aparências que não existem, eu acho que isso vai ser o começo da redenção da Igreja Católica aqui Brasil!

    Na minha época de ateísmo as pessoas me falavam isso mais eu não levava a sério, hoje vejo sim toda a Grandeza de Deus!

    “Deus é tão bom que até nas coisas ruins Ele consegue tirar coisas boas!”

    Se a CNBB fizer o seu cisma, algumas coisas me vieram a mente para mostrar que esse cisma será uma benção para a Santa Igreja no Brasil!

    Por exemplo:

    1- A imprensa brasileira não mais escreverá aqueles artigos manipuladores, como por exemplo:

    A Igreja Católica, através da CNBB, apoia as invasões de terras (como eu já li muito isso nos jornais e revistas!).

    A CPT, orgão vinculado a Igreja Católica… blá blá blá.

    2- As mefastas Campanhas da Fraternidade da comunista CNBB não passará mais nos noticiários dos telesjornais! Pode até passar mais não será mais vinculado como a Campanha da Fraternidade da Igreja Católica no Brasil.

    Será até bom deixar de ver os rostos do casalzinho vinte William Bonner e Fátima Bernardes não noticiarem mais essas aberrações.

    3- Os mesmos jornais que induziram durante décadas aos católicos do Brasil que essa Conferência anti-católica era a voz da Santa Igreja, terá que inventar as mais absurdas explicações para todos do por quê desse cisma. Muitos irão se perguntar:

    Ué?! se a CNBB era a voz da Igreja Católica e fazia todas as suas vontades, por que o cisma então?

    Curtir

  16. Renato assino embaixo o que vc escreveu!

    Para o bem das almas seria bom que houvesse o cisma por que aí ficaria claro quem é de Deus e quem não é !

    Jesus disse :”Quem é de Deus Ouve as palavras de Deus”

    Sera que a CNBB ouve?

    Curtir

  17. Estou curiosa para saber a reação de nossos bispos. Do arcebispo de minha cidade, em particular: Campo Grande/MS.
    Sobre o asunto em si, SS o Papa Bento XVI mostra, a cada dia mais, o que suspetei desde sua abençoada e bem vinda eleição: estamos voltando à nossa Casa. Ele está comandando a Barca de Cristo com excelência, mas com prudência tb! Não se pode desfazer em um dia o que levaram anos, decadas para consolidar. Não é sábio. Um cisma tb não o é, pq ele, como bom Pastor, não pode nem deve desejar perder uma alma sequer. Pq de todas e cada uma delas ele será cobrado um dia. O cisma é tudo o que a besta quer. Precisamos conter nossa ansiedade de vermos restabelecida a Verdade e a Fé católica, em prol de um bem maior. Eu tb gostaria que amanhecessemos verdadeiramente católicos amanhã, com a Missa restaurada em TODA e qualquer igrejinha católica no mundo. Expurgada de tudo que é errado, herético, pecaminoso e ofensivo a Nosso Senhor. Mas… tb precisamos acreditar que Deus está agindo, que o tempo Dele é diferente do nosso, e sobretudo que a Vontade Dele, por nós desconhecida, é a que deve prevalecer. Sempre a Tua, Senhor, nunca a minha vontade!!!

    Curtir

  18. julia d’amore, me diga:

    Quando a CNB do B foi fiél a Santa Igreja?

    Essa conferência foi fundada por um bispo comunista e maçon (Helder Câmara), e até hoje é idolatrado entre o clero brasileiro!

    Me diga:

    Quando a CNB do B foi fiél a Santa Igreja Católica?

    Acorda julia d’amore, a CNBB nunca esteve do lado da Igreja Católica!

    E antes que piore, vamos rezar é para essa conferência acabar de uma vez por todas.

    Curtir

Os comentários estão desativados.